|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 10/05/2017 / Satélite brasileiro dá o último "tiro" para entrar em órbita final


Satélite brasileiro dá o último "tiro" para entrar em órbita final ...  


Lançado ao espaço na última quinta-feira, 04/05, a partir do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) está sendo configurado para entrar em operação. A primeira etapa a ser vencida é levar o satélite para a órbita final, a 36 mil quilômetros de altitude em relação à superfície da Terra. Até o fim desta semana, o SGDC será propulsionado para alcançar o posicionamento geoestacionário, em um processo gradual.

"Quando você lança um satélite geoestacionário, isso é feito em uma órbita de transferência, que chamamos de GTO. Nesta segunda-feira, 08, ele está na segunda elevação dessa órbita e nesta terça-feira, 9, vai dar o último "tiro". No perigeu [ponto mais baixo da órbita], está a 24 mil quilômetros da superfície. No apogeu, chega a 36 mil quilômetros", explica o gerente de Projeto do SGDC, Mario Quintino.

Depois de posicionado na órbita final, todos os painéis solares serão abertos para carregar as baterias do SGDC, permitindo o funcionamento das antenas de comunicação do equipamento. Os dados de telemetria serão recebidos pela Thales Alenia Space, na Europa, pelo Centro de Operações Aeroespaciais (Comae), em Brasília, e pela Estação de Rádio da Marinha, no Rio de Janeiro. Esse trabalho é acompanhado por engenheiros da Visiona, uma joint venture entre a Telebras e a Embraer.

A partir daí, equipes em terra vão enviar telecomandos para avaliar o funcionamento dos subsistemas do satélite. Serão checados itens como a capacidade de fornecimento de dados dos transponders, dos feixes e das bandas X e Ka, que vão prover acesso a banda larga e assegurar as comunicações estratégicas do governo e das Forças Armadas. A expectativa é que esse trabalho dure cerca de 30 dias.

"Com o funcionamento pleno das funções do satélite, vamos poder efetivar os testes da banda X e da banda Ka, para verificarmos o funcionamento do satélite. Esse processo é trabalhoso e demorado e deve ser feito com muito critério, para garantirmos que tudo está funcionando perfeitamente", afirma o presidente da Visiona, Eduardo Bonini. Caso tudo transcorra dentro da normalidade, a operação do SGDC será entregue à Telebras e ao Ministério da Defesa em meados de junho.

O satélite
O SGDC é um satélite geoestacionário brasileiro de uso civil e militar e recebeu R$ 2,7 bilhões em investimentos numa parceria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações com o Ministério da Defesa. Adquirido pela Telebras, tem uma banda Ka, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) - especialmente em áreas remotas –, e uma banda X, que corresponde a 30% da capacidade do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas. A aquisição do satélite da Thales Alenia Space ocorreu após uma competição internacional, via contrato com a Visiona, criada em 2012 para atender ao Programa Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais (PNDAE) e da Estratégia Nacional de Defesa (END).




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Tropa da Força Nacional chega ao Rio com 300 integrantes

Reforço ao contingente que já estava na cidade ocorre após ataques ordenados por traficantes; detalhes da atuação dos agentes ainda serão definidos

Roberta Pennafort O Estado De S.paulo

RIO - O comboio com mais de 300 integrantes da Força Nacional de Segurança Pública que saiu na noite desta segunda-feira, 8, de Brasília já está no Rio, informou no início da tarde desta terça-feira, 9, o Ministério da Justiça. O desembarque do efetivo, dividido em grupos, está sendo feito no Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da Polícia Militar do Rio (CFAP), em Sulacap, zona oeste da capital. O CFAP será a base para os profissionais, que ficarão de prontidão. As equipes se unem ao contingente de 125 homens que já estava trabalhando no Estado.
Também nesta terça-feira, segundo o ministério, o Diário Oficial da União publica portaria que trata da prorrogação do emprego da Força no Rio por um período de 90 dias. A Força foi chamada em novembro de 2016 por conta dos protestos que terminaram de forma violenta em frente à Assembleia Legislativa do Rio. As manifestações, organizadas por servidores públicas, foram em repúdio aos projetos anticrise do governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), que penalizava o funcionalismo, e cuja votação pelos deputados ainda não terminou. Na ocasião, o reforço foi de 500 homens.
Os detalhes do emprego do efetivo que chegou nesta terça ainda estão sendo definidos em conjunto entre a Secretaria Nacional de Segurança Pública e a Secretaria de Estado da Segurança do Rio. A solicitação de envio da Força foi feito por Pezão ao presidente Michel Temer (PMDB) há uma semana, no mesmo dia em que onze veículos foram incendiados a mando de traficantes em vias importantes da zona norte do Rio. Na ocasião, o governador afirmou, porém, que o pedido não tinha relação com os incidentes.
O presidente Michel Temer determinou aos ministérios da Defesa e da Justiça e ao Gabinete de Segurança Institucional (GSI) a elaboração de medidas para enfrentar a crise de segurança fluminense, afirmou na segunda-feira o ministro da Defesa, Raul Jungmann. O ministro não citou prazo para a apresentação do plano para o Rio. Informou que a ideia é fazer uma operação integrada entre as instâncias, semelhante à utilizada durante os Jogos Olímpicos de 2016 no Rio.
Para Jungmann, o plano não pode gastar recursos desnecessários. Ele criticou a operação das Forças Armadas no Complexo da Maré, na zona norte do Rio, que durou um ano e meio e, conforme o ministro, custou R$ 400 milhões. “Quando nós saímos, não entrou o Estado com seu conjunto de serviços. O que aconteceu? Em boa medida, (o tráfico) voltou ao que era antes”, afirmou o ministro.

JORNAL ZERO HORA


Comando Militar do Sul celebra o Dia da Vitória em Porto Alegre

Ação destacou a atuação da Força Expedicionária Brasileira na II Guerra Mundial

Zero Hora

O Comando Militar do Sul (CMS) realizou, nesta terça-feira, ato em celebração ao Dia da Vitória no Parque da Redenção, na região central de Porto Alegre. O evento comemora o aniversário do fim da II Guerra Mundial, em 1945. Um dos principais objetivos da ação foi destacar a atuação da Força Expedicionária Brasileira (FEB) no conflito armado que mobilizou a Europa de 1939 a 1945.
O ato reuniu militares do Exército, da Marinha, da Aeronáutica e veteranos da FEB, única tropa sul-americana que participou dos combates da II Guerra. A cerimônia foi presidida pelo general de divisão Valério Stumpf Trindade, comandante da 3ª Região Militar, que possui sede no Estado.
Por meio de comunicado, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, destacou a importância da atuação da FEB no triunfo dos países aliados contra as forças lideradas pela Alemanha nazista:
"A Força Expedicionária Brasileira, FEB, composta por mais de 25 mil homens do Exército Brasileiro, teve um notável papel no triunfo das forças democráticas no continente europeu, que resistia a regimes autoritários em vários países".
A FEB, que desembarcou em Nápoles no dia 16 de julho de 1944, combateu por 239 dias, vencendo as batalhas de Camaiore, Monte Prano, Monte Castelo, Montese, Fornovo. Os militares brasileiros também participaram da rendição da 148ª Divisão de Infantaria Alemã.

PORTAL G-1


Polícia Militar interdita faixas da Esplanada para votação da reforma da Previdência

Três faixas da N1 e S1 foram cercadas na manhã desta terça para prevenção de danos e confrontos em possíveis manifestações, segundo PM. No local, foram mobilizadas unidades do Bope e do Batalhão de Cães.

Do G1-df

Três faixas da Esplanada dos Ministérios, dos lados Norte e Sul, foram cercadas pela Polícia Militar na manhã desta terça-feira (9) para "previnir" danos ao patrimônio e confrontos durante possíveis manifestações enquanto a Câmara dos Deputados vota a reforma da Previdência (PEC 287).
A Comissão Especial da reforma está reunida desde as 10h para tentar concluir a análise do relatório do deputado Arthur Oliveira Maia (PPS-BA), que apresenta 12 mudanças nas regras da aposentadoria.
Apesar da interdição, "o fluxo de trânsito segue normalmente", informou a PM. Segundo os militares, por volta das 12h30, havia unidades do Bope, do batalhão de Rondas Táticas Metropolitanas (Rotam), da Patrulha Tático Móvel, e do Batalhão de Policiamente com Cães. "A situação é tranquila e não há manifestantes."
A reforma
A reforma da Previdência Social enviada ao Congresso Nacional prevê, entre outras propostas, estabelecimento de idade mínima de 65 anos para os contribuintes reivindicarem aposentadorias. Antes de enviar o texto ao Legislativo, o presidente Michel Temer apresentou as ideias a líderes partidários do Congresso.
Além de fixar uma idade mínima para a aposentadoria de homens e mulheres, as novas regras, se aprovadas, irão atingir trabalhadores dos setores público e privado. De acordo com o governo, a única categoria que não será afetada pelas novas normas previdenciárias é a dos militares.
Pelas regras propostas pela gestão Temer, o trabalhador que desejar se aposentar recebendo a aposentadoria integral deverá contribuir por 49 anos.
O governo federal estima que deixará de gastar cerca de R$ 740 bilhões em 10 anos, entre 2018 e 2027, com as mudanças propostas por meio da reforma da Previdência Social. Desse valor total, as mudanças no INSS e nos benefícios por prestação continuada (BPC) representariam uma economia de R$ 678 bilhões e, nos regimes próprios, de cerca de R$ 60 bilhões.

Decretos flexibilizam Estatuto do Desarmamento e entidades reagem

Validade do registro de arma de fogo para civis foi ampliada de três para cinco anos. Atestado que era renovado em três anos será feito em dez.

Bom Dia Brasil

A flexibilização do Estatuto do Desarmamento, após novas regras aprovadas pelo Exército e por decretos do presidente Michel Temer, é alvo de críticas de entidades que atuam no combate à violência, como mostrou o Bom Dia Brasil desta terça-feira (9). A ampliação da validade do porte de armas, de três para cinco anos, é um dos principais alvos.
Além disso, as Forças Armadas e as polícias poderão usar o armamento apreendido em operações. Antes, tudo era incinerado. O atestado de capacidade técnica, que prova a habilidade para manusear uma arma, terá que ser renovado em 10 anos. Antes, a renovação acontecia após três anos.
"Na nossa opinião é um prazo muito elevado considerando que, em dez anos, é muito possível que você perca uma habilidade motora, tenha um problema de visão, ou seja, alguma questão que vai te tornar mais inapto ao uso dessa arma de fogo em 10 anos", opina o coordenador do Instituto Sou da Paz, Felippe Angeli.
Para ele, as mudanças deveriam ter passado pelo Congresso Nacional, e não ter sido feitas por decreto.
Motorista com arma na cintura
Especialistas também estão preocupados com os clubes de tiros. Uma norma do Exército mudou a forma como os associados desses clubes podem transportar as armas: agora, podem se deslocar até o treinamento com a arma carregada.
Antes, a munição tinha que ser levada separadamente. Em nota, o Exército informou que o atirador desportivo não poderá transportar a arma na cintura - a menos que esteja dentro de um veículo a caminho do clube do tiro.
O Exército defende que a portaria não traz riscos à população porque não autoriza esses atiradores a andarem armados na rua. O Sou da Paz critica a portaria.
"Existem muitos clubes de tiros que não tem muito controle dos seus associados. A capacidade do Exército de fiscalização é baixa e, do dia pra noite, o Exército, com uma portaria, ato administrativo do poder Executivo, acaba colidindo com um dos pilares centrais do estatuto do desarmamento, que é uma restrição mais rigida do porte de arma de fogo", afirma Felippe Angeli.
Instrutor de um clube de tiros em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, Bernardo Mattos discorda.
"Protege mais, além da sensação de segurança de a maioria dos atiradores - eu acredito que 80% dos atiradores são pessoas altamente capacitadas - a terem uma arma pra se defender, porque todos sabem legislação, todos sabem manuseio correto, as regras de segurança, e tem uma precisão e uma capacidade de reagir acima do que o publico normal não teria né", diz ele.

Pezão espera que governo federal viabilize ´política diferenciada´ de segurança para o RJ

Governador busca a integração entre as polícias para resolver problemas de segurança pública. Ele espera aprovação de medidas que ajudem a garantir o pagamento dos servidores.

Alba Valéria Mendonça G1 Rio

O governador Luiz Fernando Pezão disse nesta terça-feira (9) ter expectativa de que o governo federal viabilize a elaboração de uma “política diferenciada” em segurança pública. Segundo ele, a situação na capital fluminense é observada “com muito carinho” pela Presidência da República.
“O Rio pode ter, com a integração das nossas polícias Militar e Civil, uma política diferenciada em segurança pública no país. Temos certeza que o Raul Jungmann [ministro da Defesa], o presidente Michel Temer, e Osmar Serraglio [ministro da Justiça] têm muito carinho pelo Rio. A chegada da Força Nacional de Segurança e também o reforço da Polícia Rodoviária Federal são muito importantes”, disse o governador após participar de um evento promovido pela Prefeitura do Rio com o Sebrae.
Na segunda-feira (8), durante um evento com militares, o ministro da Defesa Raul Jungmann já havia adiantado que está sendo elaborado um plano de atuação das Forças Armadas no Rio.
Segundo o ministro, o plano terá moldes semelhantes ao implantado na cidade durante as Olimpíadas e terá como principal foco a “inteligência”.
"Nós precisamos saber onde está o crime, saber a cadeia dele, saber onde está o comando e agir cirurgicamente", afirmou o ministro.
O governador disse também estar confiante num resultado positivo na votação desta terça-feira (9), na Assembleia Legislativa (Alerj), do projeto que prevê o aumento de arrecadação do estado. Pezão também está confiante na aprovação no Senado da Lei de Responsabilidade Fiscal, que segundo ele vai garantir o pagamento de salário dos servidores em junho.
" Está tudo bem encaminhado. Os líderes estão reunidos no Palácio Guanabara e há a sugestão de algumas emendas, as estamos confiantes. Principalmente com Brasília. O Rodrigo Maia me ligou de manhã dizendo que o projeto deve ser votado hoje, no máximo amanhã e depôs vai ser encaminhado ao Senado. Estamos fazendo de tudo para pagar os servidores a segurança e os outros. A gente espera que até o meio do ano já esteja tudo regularizado e os pagamentos todos em dia", disse Pezão.

Entenda a PEC do fim do foro privilegiado em 7 perguntas e respostas

Senado pode concluir análise da proposta nesta quarta (10), com votação em segundo turno. Existe, porém, a possibilidade de que a votação ocorra somente na próxima semana.

Gustavo Garcia G1, Brasília

O Senado pode votar nesta quarta-feira (10) o segundo turno da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que extingue o foro especial por prerrogativa de função, o chamado foro privilegiado, nos casos de crimes comuns, como roubo, lavagem de dinheiro e corrupção.
Atualmente, a Constituição prevê que autoridades devem ser processadas e julgadas por tribunais correspondentes às funções que ocupam. Nos casos de crimes comuns, o presidente da República, por exemplo, só pode ser julgado pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
A proposta, de autoria do senador Álvaro Dias (PV-PR) e relatoria de Randolfe Rodrigues (Rede-AP), já foi aprovada em uma primeira votação, mas, por se tratar de uma alteração à Constituição, precisa passar por novo exame do plenário antes de seguir à Câmara dos Deputados.
A apresentação de emendas (sugestões de modificações) ao texto, porém, pode fazer com que a proposta volte para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa, adiando a sua votação.
Existe ainda um recurso do senador Roberto Rocha (PSB-MA) que pede que a CCJ se manifeste sobre uma emenda apresentada por ele. A emenda pretende criar varas especializadas para julgar autoridades.
Eunício já impugnou a emenda por não atender a regras regimentais, mas quer que a comissão se manifeste sobre o recurso antes que a análise do texto prossiga.
Com isso, a votação pode ser adiada e ser realizada apenas na próxima semana.

Entenda, em sete perguntas e respostas, o que é o foro privilegiado e o que a PEC em análise diz:
Quantas pessoas têm foro privilegiado?
Um levantamento feito pela assessoria do relator da proposta indica que 33.387 autoridades possuem prerrogativa de foro especial no país. São integrantes do Executivo, Legislativo, Judiciário e do Ministério Público, além de comandantes das Forças Armadas.
Possuem foro privilegiado no STF nos casos de crimes comuns:
Presidente e vice-presidente da República;
Ministros de Estado;
Ministros do Supremo;
Juízes do Superior Tribunal de Justiça (STJ), do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), do Superior Tribunal Militar (STM) e Tribunal Superior do Trabalho (TST);
Comandantes da Marinha, do Exército e da Aeronáutica;
Procurador-Geral da República;
Advogado-Geral da União;
Ministros do Tribunal de Contas da União;
Senadores;
Deputados.
Possuem foro privilegiado no Superior Tribunal de Justiça nos casos crimes comuns:
Governadores dos estados e do Distrito Federal;
Juízes dos tribunais regionais federais (TRF), dos tribunais regionais do trabalho (TRT) e dos tribunais regionais eleitoras (TER);
Desembargadores dos tribunais de justiça estaduais;
Integrantes do Ministério Público da União;
Integrantes dos tribunais de contas estaduais, do Distrito Federal e municipais.
Há ainda uma série de outras autoridades, nas esferas federal, estadual e municipal, que possuem prerrogativa de foro em outros tribunais superiores.
O que acontece se a proposta entrar em vigor?
Se a atual redação da PEC for promulgada, depois de passar por Senado e Câmara, as autoridades que hoje possuem foro privilegiado passarão a ser processadas e julgadas na primeira instância, como qualquer outro cidadão, caso cometam crimes comuns.
Além disso, elas poderão ser presas após a condenação em segunda instância, segundo entendimento do STF.
Pela proposta, as autoridades deverão responder na primeira instância do local onde cometeram o crime comum. Se o delito foi praticado em vários locais, a autoridade vai responder no último local em que o crime foi consumado.
Presidentes de Poderes continuarão com a prerrogativa?
Inicialmente, a PEC não previa que presidentes de Poderes continuariam com a prerrogativa de foro especial. No entanto, uma emenda do senador Ricardo Ferraço (PSDB-ES) preservou o foro privilegiado para os presidentes da República, do Senado, da Câmara e do STF nos exercícios dos mandatos.
Assim os ocupantes dessas funções continuariam a ser julgados pelo STF nos casos de crimes comuns.
O parlamentar justificou que a manutenção do foro para essas autoridades evitaria uma possível pulverização de processos contra esses presidentes.
Existe um entendimento entre especialistas de que essa regra que a proposta pretende incluir na Constituição poderá ser replicada nas constituições estaduais, o que manteria o foro especial também para governadores, presidentes de assembleias legislativas e presidentes de tribunais de justiça estaduais.
O que são crimes comuns?
Basicamente, crimes comuns são aqueles que podem ser cometidos por qualquer pessoa. Os tipos estão previstos no Código Penal. Roubo, corrupção, lavagem de dinheiro, homicídio e estupro, por exemplo, estão na lista de crimes comuns.
Se a proposta for aprovada, o que aconteceria com autoridades investigadas pela Lava Jato?
De acordo com o relator da proposta, senador Randolfe Rodrigues, os processos em andamento de autoridades que possuem foro privilegiado seriam remetidos à primeira instância, com a aprovação da proposta. Isso valeria para os inquéritos da Operação Lava Jato.
“Se for acusação no âmbito da Operação Lava Jato, cai para a vara federal de Curitiba ou a vara que estiver fazendo a investigação”, explicou Randolfe.
Ou seja, deputados e senadores investigados pela Lava Jato poderiam, por exemplo, ser julgados pelo juiz federal Sérgio Moro.
Câmara e Senado precisariam autorizar a prisão de deputados e senadores?
Atualmente, parlamentares não podem ser presos durante o exercício do mandato, a não ser em casos de flagrante de crime inafiançável. Nessa hipótese, Câmara e Senado precisam dar o aval para a prisão e, não necessariamente, o parlamentar perde o mandato.
Isso aconteceu, por exemplo, com o ex-senador Delcídio do Amaral, que foi preso pela Lava Jato. O Senado precisou se reunir e os senadores decidiram manter o então colega na prisão. Mas Delcídio continuou como senador até a Casa decidir cassar o seu mandato.
Pela proposta, se um parlamentar for condenado em segunda instância por um crime comum, ele poderá ser preso sem a necessidade de a Câmara ou o Senado avalizar a prisão.
Além disso, segundo a assessoria legislativa de Randolfe, se a sentença judicial de segunda instância determinar a perda do mandato do parlamentar, isso aconteceria automaticamente.
O fim do foro pode, em alguma hipótese, beneficiar políticos?
A proposta suscitou dúvidas em vários senadores. Alguns deles acreditam que a proposta pode vir a proteger políticos que possuam influência nas primeiras instâncias de seus estados, o que poderia gerar procrastinação em processos que os envolvam.
Outros parlamentares lembram que deputados e senadores têm foro no STF e, caso o plenário da Corte condene esses parlamentares, eles não possuem mais a possibilidade de recorrer da decisão.
Essa possibilidade pode acontecer nas instâncias inferiores. Basicamente, parlamentares já são julgados diretamente na última instância.
Defensores do texto, por outro lado, argumentam que há um consenso na sociedade de que os tribunais superiores estão sobrecarregados de processos, o que facilita a prescrição dos crimes, deixando autoridades que cometem crimes muitas vezes sem punição.

AGÊNCIA BRASIL


General é nomeado presidente interino da Funai


Pedro Peduzzi – Repórter Da Agência Brasil

Publicada no Diário Oficial da União de hoje (9) a nomeação de Franklinberg Ribeiro de Freitas para exercer, de forma interina, o cargo de presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai). Freitas assume o posto no lugar de Antônio Fernandes Toninho Costa, exonerado na semana passada.
Antes de assumir a presidência do órgão, Freitas ocupava o cargo de diretor de Promoção ao Desenvolvimento Sustentável da Funai. Descendente de indígenas da etinia Mura, Freitas é militar de carreira, tendo a patente de general.
Também foi publicada hoje a nomeação de Francisco José Nunes Ferreira para o cargo de diretora de Administração e Gestão do Funai, no lugar de Janice Queiroz de Oliveira.
Ao deixar o cargo na semana passada, Costa fez críticas ao ministro da Justiça, Osmar Serraglio. Ele disse que sua saída se deve à ingerência política, criticou a incompreensão de setores do governo sobre o papel institucional da fundação, disse que foi pressionado para contratar pessoas sem a devida qualificação técnica e que teme a extinção da Funai.
Alguns dias antes da exoneração de Toninho Costa, Serraglio criticou a lentidão da Funai na condução de alguns processos de demarcação de terras indígenas e chegou a falar em um mutirão para identificar essses processos. muito lentos, amarrados e até dificultados”.

AGÊNCIA SENADO


Pedro Chaves comemora lançamento de satélite para defesa e comunicações estratégicas


Redação E Da Rádio Senado

O Satélite Geoestacionário Brasileiro de Defesa e Comunicações Estratégicas, lançado na última quinta-feira (4), deve ampliar a cobertura da internet de banda larga, em especial nas regiões de difícil acesso, observou nesta terça-feira (9) o senador Pedro Chaves (PSC-MS).
Para o senador, não é exagero afirmar que o novo satélite representa uma das maiores conquistas do povo brasileiro no setor de tecnologia. Pedro Chaves anunciou também que é o primeiro integralmente controlado pelo governo brasileiro.
Além de ampliar o acesso à internet, disse Pedro Chaves, o satélite possibilitará um reforço na segurança nacional, uma vez que será usado para a vigilância das fronteiras e do espaço aéreo.
-Estou certo de que com a execução desse projeto, o Brasil estará conectado com o futuro, mas também na área militar temos avanços espetaculares. Em primeiro lugar porque o satélite utiliza a banda X, faixa que destina exclusivamente ao uso militar e que por isso tornará as comunicações estratégicas e militares do governo brasileiro muito mais protegidas e seguras.
Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

PORTAL VEJA.COM


Primeiro satélite brasileiro deve entrar em operação em junho

Com o investimento de 2,8 bilhões de reais, o dispositivo vai atuar na defesa nacional e ampliar a oferta de internet banda larga nas áreas remotas do país

Carla Monteiro

Na quinta-feira (4), saindo da Guiana Francesa, o primeiro satélite geoestacionário do Brasil foi lançado ao espaço. A empresa responsável pelo lançamento foi a Arianespace, da França. A previsão é que a peça chegue ao seu destino final no sábado (13), após dar sete voltas ao redor da Terra para ficar estacionado, e entre em operação até junho deste ano.
O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicação (SGDC) pesa aproximadamente seis toneladas e será posicionado a uma altura de 36 mil quilômetros de distância da superfície terrestre, cobrindo todo o território brasileiro e parte do Oceano Atlântico. O projeto, de 2,8 bilhões de reais, é resultado de uma parceria entre a Telebras e os ministérios da Defesa e Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações.
O SGDC deverá atuar principalmente nas questões de segurança interna e externa do governo, como na vigilância de fronteiras e controle do espaço aéreo brasileiro. Outro objetivo é garantir a segurança das comunicações militares, transferências de dados que envolvam questões sigilosas, e também blindar informações, protegendo-as de possíveis ataques de hacker ao governo. Hoje, o Brasil precisa alugar satélites de empresas privadas para realizar essas tarefas.
A vida útil total do satélite é de 18 anos e a expectativa é que o dispositivo ainda amplie a oferta de internet banda larga, principalmente nas áreas de difícil acesso do Brasil. Esse serviço de conexão, porém, deverá ter início apenas em setembro. Além disso, de acordo com a Telebras, o serviço de banda larga será terceirizado e operadoras de internet vão administrar e comercializar o acesso.

PORTAL DEFESANET


Novo laboratório do ITA aproxima engenheiros e área médica

Utilizando recursos de engenharia para a área médica, o laboratório tem como objetivo a criação de soluções para melhorias em tratamentos de saúde

Ten Emília Maria

Buscando soluções inovadoras que resultem em qualidade de vida para pessoas em tratamento hospitalar, o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) inaugurou, no dia 4 de maio, o Laboratório de Bioengenharia.
O espaço está localizado dentro da instituição e catalisará as pesquisas de alunos e professores do ITA, aproximando engenheiros e médicos com o objetivo de encontrar soluções úteis e de baixo custo ao utilizar os recursos de engenharia para a área médica.
O Major-Brigadeiro Médico José Elias Matieli é chefe do laboratório e atua nas áreas de intersecção entre a engenharia e a medicina no âmbito do ITA. "A partir de agora, poderemos desenvolver pesquisas nas mais diversas áreas, como eletrônica, computação, sensores, entre outras”, explicou.
A palestra de abertura foi realizada pelo ex-reitor do ITA e atual presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa de São Paulo (Fapesp), Carlos Américo Pacheco, que apresentou as oportunidades que a instituição oferece no incentivo à pesquisa e enfatizou a área de bioengenharia como uma tendência no âmbito das engenharias.
“O Laboratório de Bioengenharia vai trazer produtos inovadores voltados à saúde humana. Além disso, pode oferecer soluções ao sistema de saúde da Aeronáutica”, ressaltou o reitor do ITA, professor Anderson Ribeiro Correia.

Segurança nas fronteiras é tema de reunião entre Brasil e Colômbia


Os ministros da Defesa do Brasil, Raul Jungmann, e da Colômbia, Luís Carlos Villegas, participam da segunda reunião bilateral entre os países, nesta terça-feira (09), às 11h, em Bogotá. A reunião entre os ministros brasileiro e colombiano surgiu como necessidade de reforço no combate às quadrilhas na região de fronteira.
O primeiro encontro bilateral ocorreu no Brasil, em janeiro deste ano, quando os ministros acordaram ações no sentido de não permitir que os dissidentes das Forças Revolucionárias da Colômbia (FARC) atuem na região fronteiriça.
Foi definido um reforço nos 1,4 mil km de fronteira para combater aos crimes transfronteiriços e anunciado ainda o combate à imigração ilegal, bem como o apoio das Forças Armadas brasileiras no processo de desminagem de parte do território colombiano.
A delegação brasileira que participa do encontro na Colômbia é integrada pelo Ministério da Defesa, pelo Ministério da Justiça e pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República. “Essa nossa reunião trata sobre a cooperação na área de segurança, defesa e inteligência.
Os assuntos tratados são segurança de fronteiras, a questão do narcotráfico, do contrabando e também a questão do desarmamento que está sendo procedido dentro do processo de paz que é conduzido pelo presidente da Colômbia e as FARC”, ressalta o ministro Raul Jungmann.
O objetivo do diálogo bilateral é intensificar o controle das fronteiras, resultando em maior segurança e combate as drogas, ao tráfico de armas, ao contrabando e descaminho. “Estamos trabalhando conjuntamente, ampliando e aprofundando essa cooperação para que nós possamos combater a criminalidade, sobretudo os ilícitos transnacionais, e levar maior segurança as nossas cidades e as nossas populações tanto do Brasil como da Colômbia”, afirma o ministro brasileiro.
As ações das forças de segurança brasileiras e colombianas serão pautadas pelo serviço de inteligência e os dois países buscarão também o controle do garimpo ilegal e o combate a associação de grupos criminosos do Brasil e da Colômbia.


SGDC chega à posição definitiva até sábado


Sabrina Craide

O satélite brasileiro lançado ao espaço na semana passada deve chegar à sua posição final no próximo sábado (13). O equipamento está na terceira volta ao redor da Terra, e terá que dar mais quatro voltas para chegar ao local correto, onde ficará nos próximos 18 anos.
“A saúde do satélite está perfeita”, disse o presidente da Telebras, Antonio Loss. Segundo Loss, até agora todas as etapas,após o lançamento, foram concluídas com sucesso, como a abertura dos painéis solares que garantirão a energia ao satélite e o envio dos primeiros sinais de telemetria.
Quando o satélite chegar a seu destino, serão iniciados os primeiros testes de transmissão, que duram 45 dias. A previsão é que no dia 1º de julho a Telebras comece a fazer os primeiros testes para medir a potência do satélite para a transmissão de dados em todas as regiões do país.
“Este é um satélite que vai levar transmissão de dados, que é uma demanda crescente. Em um país continental como o nosso, a única forma de chegar em algumas regiões remotas é com um satélite artificial.”
Parte da capacidade do satélite será alugada para empresas privadas para oferta de banda larga, especialmente em regiões remotas. Segundo Loss, a Telebras vai ficar com a capacidade necessária para oferecer serviços nos setores de saúde e educação, e comercializar outra parte para gerar concorrência na oferta de internet. “Cada região do Brasil vai ser estimulada com a concorrência de, no mínimo quatro competidores simultaneamente”, afirmou.
Lançamento
O lançamento do foguete que levou o satélite ao espaço ocorreu no Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, na última quinta-feira (4). O satélite, de 5,8 toneladas e 5 metros de altura, vai ficar posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo todo o território brasileiro e o Oceano Atlântico.
O equipamento será utilizado para comunicações estratégicas do governo e para ampliar a oferta de banda larga no país, especialmente em áreas remotas. O projeto é uma parceria entre os ministérios da Defesa e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e envolve investimentos de R$ 2,7 bilhões.
Construção de Satélite Geoestacionário promove intercâmbio tecnológico¹
Engenheiros da Agência Espacial Brasileira (AEB) participaram da construção do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC), o que permitiu que o País absorvesse tecnologia de ponta empregada na indústria aeroespacial. O SDGC foi lançado na quinta-feira (4).
A jornada dos engenheiros mecânicos Cristiano Queiroz, Erlam de Souza, Pedro Kaled e Ronne Toledo começou com a seleção interna feita pela AEB em 2013. Desde então, cada um deles passou pelo menos dois anos nas instalações da Thales Alenia Space, em Cannes e em Toulouse, na França.
Ronne Toledo atuou especialmente na área de sistemas térmicos do SGDC, além de ajudar no desenvolvimento dos painéis da bateria do satélite. Erlam de Souza conseguiu aumentar a vida útil do satélite em seis meses ao desenhar um formato diferente para ampliar a capacidade do tanque de combustível. Pedro Kaled, por sua vez, desenhou e qualificou os suportes de quatro antenas do equipamento, enquanto Cristiano Queiroz integrou a equipe de montagem.
"Toda foto do satélite que vejo, fico procurando para tentar ver os suportes que eu desenhei e instalei. É muito emocionante saber que uma coisa que eu fiz está no SGDC, que vai ajudar as pessoas em todo o País", disse Kaled.
"Tive esse contato direto com o satélite, foi uma experiência diferente por realmente ver e trabalhar para que ele ficasse pronto. Atuar na montagem dá uma visão diferente, de acompanhar o satélite tomando forma. Ver o resultado final, como o SGDC realmente pronto, é muito gratificante", contou Queiroz.
Para o presidente da AEB, José Raimundo Braga Coelho, a transferência de tecnologia decorrente do SGDC fortalece o Programa Espacial Brasileiro. "Os benefícios desse intercâmbio são imediatos. Os próximos satélites que construiremos serão desenvolvidos por pessoal nosso, capacitado durante a construção do SGDC. Isso coloca o Brasil em uma boa posição", ressaltou.
O satélite
Lançado nesta quinta-feira (4) a partir do Centro Espacial de Kourou, na Guiana, o SGDC é o primeiro satélite geoestacionário brasileiro de uso civil e militar. Adquirido pela Telebras, possui uma banda Ka, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e para ampliar a oferta de banda larga no País, especialmente nas áreas remotas, e uma banda X, que corresponde a 30% da capacidade do satélite, de uso exclusivo das Forças Armadas.
Com 5,8 toneladas e 5 metros de altura, o satélite ficará posicionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra, cobrindo todo o território brasileiro e o Oceano Atlântico. A capacidade de operação do SGDC é de 18 anos.
¹com Jornal do Commercio (ES)

JORNAL TRIBUNA DO NORTE (RN)


Aeroporto suspenderá voos noturnos


Ricardo Araújo

A operacionalização de voos noturnos no Aeroporto Internacional Governador Aluízio Alves, em São Gonçalo do Amarante, será suspensa entre os dias 10 de setembro e 15 de outubro deste ano para obras de manutenção na pista. 
A intervenção mudará a logística de pousos e decolagens no terminal aeroviário, que tem a maior parte da movimentação de passageiros e cargas ao longo da madrugada. A primeira companhia aérea a confirmar mudanças foi a TAP Portugal, que suspendeu as atividades em solo potiguar no período. Ela é a única que opera voos internacionais diretos para a Europa e do continente europeu para o estado.
A informação foi confirmada pelo presidente da Associação Brasileira das Agências de Viagens no Rio Grande do Norte (Abav/RN) e representante da TAP Portugal no estado, Abdon Gosson.
Em nota enviada à TRIBUNA DO NORTE, o consórcio Inframérica, que administra o aeroporto, informou que a pista do Aeroporto entrará em manutenção no segundo semestre deste ano. A obra vai durar 30 dias.
“O processo executivo da obra já está elaborado e sendo discutido com os órgãos competentes e com todos os atores envolvidos”, disse o consórcio, acrescentando que “Durante o período de obras o Aeroporto continuará operacional, garantindo que pousos e decolagens ocorram de forma segura”.
O Inframérica ressaltou ainda que assumiu a concessão do Terminal em julho de 2012, e que o contrato não contemplava a construção da pista, obra que já estava concluída pelos órgãos competentes e lhe foi entregue para operacionalização.
Turismo
O setor turístico local está temeroso quanto às consequências dessa suspensão dos voos internacionais, pois teme perder ainda mais clientes. Nos sistemas das agências de viagens e operadoras de turismo, já não é mais possível visualizar a emissão de passagens em voos diretos do Rio Grande do Norte para Lisboa pela TAP no período das obras da pista.
Abdon Gosson destacou que, em alta estação, até quatro voos semanais partem de Natal com destino à Lisboa, capital portuguesa. Na baixa estação, o número cai para três operações semanais, mas com taxas de ocupação das aeronaves entre 80% e 90%. A partir de Lisboa, os turistas brasileiros são despachados para outros destinos na Europa e demais continentes.
“Inicialmente, todos os voos (para o RN) estão cancelados. É como se não existissem mais voos diretos de Natal para Lisboa. Todos os voos da TAP são noturnos”, confirmou Abdon Gosson. No sistema de vendas online da TAP Portugal, o turista que decidir sair do Rio Grande do Norte com destino à Europa durante os dias de interdição noturna do Aeroporto Internacional Gov. Aluízio Alves, poderá efetuá-la fazendo escalas em aeroportos como os de Recife ou Rio de Janeiro, onde embarcarão no voo internacional. Além de encarecer, a viagem torna-a mais longa, pois a partir de Natal, a travessia do Atlântico e desembarque em Lisboa não dura mais que oito horas.
O presidente da ABAV local teme que o estado acabe perdendo os voos da TAP. “Isso pode ocorrer. Se mandarem a aeronave para outro destino que for diário e rentável, perderemos esse voo definitivamente. É uma verdadeira temeridade cancelar esse voo. As perdas financeiras não temos nem como mensurar. É um absurdo ter acontecido isso com um pista tão nova”, destacou.
Outros voos
Veja abaixo o posicionamento de outras companhias aéreas que operam voos no Aeroporto Internacional Gov. Aluízio Alves em relação à possibilidade mudanças nos horários das viagens. A expectativa da Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear) é de que todas as operações de pousos e decolagens se concentrem no período diurno, enquanto há luz natural e ampla visibilidade da pista.
Azul Linhas Aéreas
- ainda não realizou nenhum ajuste de horários em seus voos por conta das obras na pista do aeroporto.
LATAM Airlines Brasil
- informa que avalia as mudanças necessárias e comunicará oportunamente eventuais alterações em sua programação de voos em Natal.
Avianca Linhas Aéreas e GOL Linhas Aéreas
não responderam aos questionamentos enviados pela reportagem sobre a possibilidade de mudanças nos horários dos voos.



OUTRAS MÍDIAS


OPINIÃO & NOTÍCIA (RJ)


Racha supremo

Presidente do STF não tem pressa em colocar para julgamento no plenário o habeas corpus de Palocci
Por: Leandro Mazzini
A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, não tem pressa em colocar para julgamento no plenário o habeas corpus do ex-ministro Antonio Palocci, dos governos Dilma e Lula. A intenção da ministra é levar à pauta temas que chama de “prioridade social” e amenizar o racha interno causado pela soltura de presos da Lava Jato nas últimas duas semanas.
Vaivém
Mas há quem aposte que a decisão sobre Palocci volta para a 2ª Turma do STF, onde o trio de ministros Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar pretende libertá-lo.
No mar
A FAB avançou na investigação do acidente do king air que vitimou o ministro do STF Teori Zavaski e mais quatro pessoas em janeiro deste ano.
Coragem, povo!
Parte do comércio vizinho à sede da Justiça Federal em Curitiba vai fechar amanhã por causa das esperadas manifestações de ativistas pró-Lula. Que vergonha, comerciantes!
Plano do juiz
O juiz Sérgio Moro dará resposta ao recuo da defesa do ex-ministro Antonio Palocci que suspendeu as negociações de delação premiada do cliente. Pretende convocar o ex-ministro da Fazenda para depor logo após o frente-a-frente com Lula da Silva. Se não no mesmo dia, dentro dos dois próximos.
Conta aí
Em abril, Palocci adiantou a Moro que poderia apresentar, “em sigilo”, fatos com nomes, endereços, operações realizadas e coisas que vão ser certamente do interesse da Lava Jato. Ontem, Palocci pediu para acompanhar depoimentos de alguns delatores.
Mudou de ideia
O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso faz questão de participar de todos os encontros, em Brasília, entre parlamentares tucanos com o presidente Michel Temer. Durante jantar na última semana, FHC teceu elogios ao Governo do peemedebista.
Morde-assopra
FHC chamara o Governo Temer de Pinguela. Agora, disse ao presidente que fará esforço para o PSDB ajudar nas reformas. É o velho Fernandinho morde-assopra.
Debandada
Ontem, entre as 16:15 e 16:30, ninguém atendeu os telefones na comunicação do PT Nacional em Brasília e em São Paulo. A secretária informou que não voltariam.
Cara a tapa
O deputado Carlos Marun (PMDB-MS), presidente da comissão da reforma da Previdência, foi vaiado em Campo Grande ontem. “Se eu tivesse medo de vaia, sinceramente eu tinha procurado outra coisa pra fazer”, diz ele.
Candidato
Assista na e-webtv em nosso site e no canal no YouTube a entrevista com o ex-senador boliviano Roger Molina. Ele revela que vai voltar a La Paz e tem projetos políticos. “Não existe um ex-político”, diz, apesar de asilado no Brasil.
Solta o verbo
Ex-ministro dos governos José Sarney e FHC, o economista Bresser-Pereira lidera o Projeto Brasil Nação junto a intelectuais anti-Temer. “O Brasil enfrenta uma crise muito grave, não só econômica, mas moral. Estamos inconformados com o liberalismo radical dependente adotado pelo governo”, tem repetido.
Memória
Um detalhe, os Governos de FHC foram os mais neoliberais desde a retomada da democracia.
Piano Solidário
Vinte jovens selecionados de todo o Brasil vão se apresentar com a pianista Simone Leitão no domingo na Sala São Paulo. Simone é idealizadora do Academia Jovem Concertante, que visa aproximar novos instrumentistas e qualificá-los para o mercado.

PORTAL SEGS


Aeroporto de Uberlândia completa 82 anos de operações 

Escrito por Infraero
O Aeroporto de Uberlândia/Ten. Cel. Aviador César Bombonato (MG) completa 82 anos de operações nesta quarta-feira (10). O terminal tem capacidade de receber 2,4 milhões de passageiros por ano, sendo que, em 2016, transitaram 1,05 milhão de usuários pelo local, média diária de 2 mil passageiros.
O primeiro pouso oficial na pista do então Campo de Aviação de Uberlândia foi realizado em 1935, com um voo da aeronave Waco-26 do Ministério da Aeronáutica. A Infraero assumiu a administração do aeroporto em 1980, e em 2001 o aeródromo recebeu a denominação atual de Aeroporto de Uberlândia – Ten. Cel. Aviador César Bombonato, em homenagem a um aviador militar, natural de Uberlândia.
Situado em uma das principais regiões de Minas Gerais, o aeroporto serve a uma rica região onde a indústria, agropecuária, comércio e o setor de serviços se destacam, sendo que a cidade de Uberlândia atualmente é considerada o maior polo da Logística da América Latina. Isso porque o município possui localização estratégica em relação aos grandes centros produtores do país: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Vitória e Goiânia, todas elas dentro de um raio de mil quilômetros.
A região conta também com um número grande de universidades, e tem se firmado como um importante destino brasileiro para o turismo de negócio.
Atualmente, três empresas operam no terminal mineiro: LATAM, Gol e Azul, com rotas para Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Campinas (SP), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). O estacionamento de veículos do aeroporto conta com 221 vagas para garantir mais comodidade aos viajantes.
Melhorias
O Aeroporto de Uberlândia tem recebido novas adaptações que aprimoram tanto as operações de pousos e decolagens quanto o nível de conforto dos passageiros. Neste ano, houve a reforma e ampliação do estacionamento do aeroporto. Em 2014, foi instalado o sistema ILS, que orienta os procedimentos de pouso e decolagem dos pilotos em caso de condições climáticas adversas, desde que aeronave e a tripulação estejam devidamente habilitados. Em 2013, o investimento foi em acessibilidade, com a instalação de 20 novos balcões de check-in adequados para o atendimento a deficientes.
Para 2017, ainda estão previstas algumas reformas, como a adequação do sistema de ar condicionado do saguão, a construção de pátio para aeronaves da aviação regular e um pátio para aeronaves da aviação geral.

PORTAL CONVERGÊNCIA DIGITAL


Satélite brasileiro dá o último ´´tiro´´ para entrar em órbita final 

Da redação
Lançado ao espaço na última quinta-feira, 04/05, a partir do Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) está sendo configurado para entrar em operação. A primeira etapa a ser vencida é levar o satélite para a órbita final, a 36 mil quilômetros de altitude em relação à superfície da Terra. Até o fim desta semana, o SGDC será propulsionado para alcançar o posicionamento geoestacionário, em um processo gradual.
"Quando você lança um satélite geoestacionário, isso é feito em uma órbita de transferência, que chamamos de GTO. Nesta segunda-feira, 08, ele está na segunda elevação dessa órbita e nesta terça-feira, 9, vai dar o último ‘tiro´´. No perigeu [ponto mais baixo da órbita], está a 24 mil quilômetros da superfície. No apogeu, chega a 36 mil quilômetros", explica o gerente de Projeto do SGDC, Mario Quintino.
Depois de posicionado na órbita final, todos os painéis solares serão abertos para carregar as baterias do SGDC, permitindo o funcionamento das antenas de comunicação do equipamento. Os dados de telemetria serão recebidos pela Thales Alenia Space, na Europa, pelo Centro de Operações Aeroespaciais (Comae), em Brasília, e pela Estação de Rádio da Marinha, no Rio de Janeiro. Esse trabalho é acompanhado por engenheiros da Visiona, uma joint venture entre a Telebras e a Embraer.
A partir daí, equipes em terra vão enviar telecomandos para avaliar o funcionamento dos subsistemas do satélite. Serão checados itens como a capacidade de fornecimento de dados dos transponders, dos feixes e das bandas X e Ka, que vão prover acesso a banda larga e assegurar as comunicações estratégicas do governo e das Forças Armadas. A expectativa é que esse trabalho dure cerca de 30 dias.
"Com o funcionamento pleno das funções do satélite, vamos poder efetivar os testes da banda X e da banda Ka, para verificarmos o funcionamento do satélite. Esse processo é trabalhoso e demorado e deve ser feito com muito critério, para garantirmos que tudo está funcionando perfeitamente", afirma o presidente da Visiona, Eduardo Bonini. Caso tudo transcorra dentro da normalidade, a operação do SGDC será entregue à Telebras e ao Ministério da Defesa em meados de junho.
O satélite
O SGDC é um satélite geoestacionário brasileiro de uso civil e militar e recebeu R$ 2,7 bilhões em investimentos numa parceria do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações com o Ministério da Defesa. Adquirido pela Telebras, tem uma banda Ka, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) - especialmente em áreas remotas –, e uma banda X, que corresponde a 30% da capacidade do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas. A aquisição do satélite da Thales Alenia Space ocorreu após uma competição internacional, via contrato com a Visiona, criada em 2012 para atender ao Programa Nacional de Desenvolvimento das Atividades Espaciais (PNDAE) e da Estratégia Nacional de Defesa (END).
Fonte: MCTIC

CONCURSO NEWS (PI)


Aeronáutica encerra inscrições para Cadetes do Ar

CPCAR 2018 tem 160 vagas para homens e 20 vagas para mulheres
Por: Epifanio Santos
Encerram-se nesta terça-feira, 09, as inscrições para o Exame de Admissão ao Curso Preparatório de Cadetes do Ar do ano de 2018 (IE/EA CPCAR 2018) da Aeronáutica. O edital tem tem 160 vagas para homens e 20 vagas para mulheres.
O CPCAR, ministrado pela Escola Preparatória de Cadetes do Ar, em Barbacena/MG, destina-se a preparar, sob o regime de internato, jovens para o ingresso no Curso de Formação de Oficiais Aviadores da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga/SP. A seleção é de âmbito nacional.
Inscrições devem ser efetivadas até as 15h desta terça-feira, 09, através do http://ingresso.afaepcar.aer.mil.br/. Os candidatos serão classificados através de Provas Escritas, Inspeção de Saúde, Exame de Aptidão Psicológica, Teste de Avaliação do Condicionamento Físico e Validação Documental.
As datas de execução do processo seletivo podem ser conferidas no edital. O prazo de validade do EA CPCAR 2018 é de 10 (dez) dias corridos, a contar da data do início do curso.

MIX NOTÍCIAS


FAB e Prefeitura comemoram resultados do HCamp

Reportagem: Lívia Laudares
Na última semana a Força Aérea Brasileira (FAB) em parceria com a Prefeitura Municipal de Pedro Leopoldo realizaram atendimentos à população no Hospital de Campanha da FAB (HCamp). De segunda a sexta a população que esperava atendimento especializado pelo SUS foi atendida, como é o caso do morador do centro da cidade, Leonardo Pereira. Ele aguardava um exame de ultrassom há um ano, e conseguiu ser atendido por meio do HCamp. “Tenho mais é que agradecer o prefeito e o pessoal envolvido. Ótima atitude deles, foi muito confortável, o pessoal foi muito educado”, relatou.
Mesmo com suas ressalvas, Maria Cristina, também moradora do centro de Pedro Leopoldo, foi realizar um exame no HCamp. A prevenção do câncer do colo de útero foi realizada na terça, e na sexta-feira ela já buscava o resultado. “Quando falaram (do HCamp) na clínica da mulher eu não queria”, conta. A estrutura das barracas intimida, mas ela garante que o tratamento foi exemplar. “É tudo esterelizado, muito tranquilo” afirma a paciente.
As consultas foram resultado do encaminhamento dos postos de saúde da cidade. O principal objetivo era desafogar o sistema público, que contava com uma extensa demanda de exames e especialidades. Um dos responsáveis pelo HCamp, Major Rodolpho, explica que a parceria conta ainda com uma contra-partida para a Força Aérea Brasileira. “ Na verdade isso faz parte de um treinamento que nós fazemos. Médicos, dentistas, enfermeiros, farmacêuticos, psicólogos, assistentes sociais, que ingressam na Força Aérea através de concurso público, e que passam por treinamento militar, fazem esse exercício de atender dentro das barracas em um local em que escolhemos”, explica.
Sobre o retorno do HCamp a Pedro Leopoldo no próximo ano o Major é enfático. “Possível é, mas depende de uma série de estruturas, como o orçamento da união, logo foge ao alcance dos profissionais envolvidos. O prefeito Cristiano Marião deixou o convite aberto, e garante que o retorno do HCamp é do interesse da gestão.
O representante do executivo entregou ao Major Rodolpho, representando todos os aos profissionais envolvidos, uma placa de agradecimento. “Nós tivemos aqui na cidade um retorno tão positivo da comunidade, foram tão bem tratados, que resta agradecê-los em nome do povo de Pedro Leopoldo”, reconheceu agradecendo ainda a equipe da cidade que ofereceu suporte ao HCamp. O vereador e presidente da Câmara Municipal Geraldo Loro também avaliou a iniciativa positivamente. “Conversando com o pessoal que foi atendido percebo que foi um ganho muito grande para Pedro Leopoldo”, afirmou.

JORNAL UMUARAMA ILUSTRADO (PR)


Convites para o Leitão Maturado e Esquadrilha da Fumaça em Goioerê

Goioerê - Na tarde desta terça-feira, dia 09, o secretário de administração Airton Gonçalves recebeu as entidades aptas a venderem os convites do prato típico de Goioerê, o Leitão Maturado, na festa a ser realizada no próximo dia 4 de junho.
As entidades que estarão com convites à venda são: Apae, Rotary Club, Conselho da Mulher Empresária, Casa da Sopa, ABEG - Santa Clara, Pastoral da Criança, Aldeia SOS, Cemei´s e o Viva a Vila que ainda não confirmou sua participação.
Todos os 5 mil convites serão vendidos pelas entidades ao preço de R$ 35,00/individual, sendo repassados R$ 8,00 reais à entidade, mais um percentual da venda de bebidas no bar da festa.
O horário para ser finalizado o almoço será uma exigência da Esquadrilha da Fumaça, ou seja até as 14 horas, tendo o seu início a partir da 11 horas.
NOVIDADE: A partir das 14:00 horas os portões serão abertos, e não haverá cobrança nem exigência de convite do prato típico para assistir a apresentação da Esquadrilha da Fumaça por volta das 15:00 horas, bem como, ao show da dupla sertaneja universitária Fiduma e Jeca.




Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos







Publicidade






Recently Added

Recently Commented