|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 26/03/2017 / Indústria nacional de Defesa mira no exterior para expansão dos negócios


Indústria nacional de Defesa mira no exterior para expansão dos negócios ...  



Empresas brasileiras têm potencial para aumentar as exportações de produtos e serviços e assim alavancar as vendas do setor em 2017 ...


Ray Santos ...


Em tempos de instabilidade econômica, focar as estratégias na exportação de produtos e serviços parece ser uma alternativa adequada para a indústria nacional de defesa. O potencial para ampliar o alcance para mercados fora do Brasil já existe, mas alguns desafios ainda precisam ser superados pelas empresas brasileiras que desejam continuar ou começar a fazer negócios no exterior.

Para o diretor comercial e de Desenvolvimento de Negócios da Akaer, Aldo da Silva Junior, o potencial de exportação do País é enorme, em especial, para as nações que precisam, ou preferem, tecnologias e soluções com maior independência dos controles e restrições dos países desenvolvidos como Estados Unidos, por exemplo. A Akaer é especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas para diversos mercados – aeroespacial, defesa, energia e automotiva.

“O Brasil tem uma estrutura de custos e de impostos que reduzem a competitividade das empresas brasileiras frente aos seus competidores diretos no mercado global. Os produtos e serviços nacionais têm alta qualidade e conteúdo tecnológico, mas muitas vezes deixam de ser competitivos mesmo com o câmbio favorável”, afirma Junior, que acrescenta: “felizmente contamos com entidades que estão trabalhando diligentemente para reduzir estas dificuldades, como a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX)”.

Com forte atuação no mercado externo a Agrale, fabricante de veículos e motores, possui uma gama de produtos que são exportados, com destaque para a família de Viaturas Agrale Marruá. “A potencialidade de exportação é influenciada por diversos fatores, que além dos político-econômicos e do câmbio, incluem também a competitividade, a capacidade produtiva, tecnológica e de inovação das empresas da Base Industrial de Defesa do Brasil”, afirma o diretor comercial da Agrale, Edson Martins.

“O Brasil é uma nação que não está envolvida em nenhum conflito e é reconhecida mundialmente como neutra o que facilita a inserção das viaturas Agrale Marruá em muitos mercados. Como fator negativo temos as dificuldades orçamentárias enfrentadas pelos países tradicionalmente clientes de produtos brasileiros, como por exemplo os países sul-americanos, e o fato das compras militares serem cíclicas”, completa Martins.

Expectativas – Com uma carteira de clientes no exterior que inclui países como EUA, Canadá, China, Espanha e França, atualmente a Akaer presta serviços para a Saab e a Pratt & Whitney – United Technologies. “Apesar de um ano desafiador como o de 2016, a Akaer aumentou seu faturamento em mais de 10% ao mesmo tempo em que o percentual de receitas de serviços em exportação subiu para 40%. Além disso, a empresa fez fortes investimentos como a mudança da sede principal para o Parque Tecnológico de São José dos Campos e a aquisição da divisão de Espaço e Defesa da Opto Eletrônica S.A, agora denominada OPTO Space & Defense”, salienta o diretor comercial e de Desenvolvimento de Negócios da Akaer, Aldo da Silva Junior.

Já o diretor comercial da Agrale, Edson Martins, destaca as atuações da empresa em países da América do Sul e África no último ano. “Apenas de exportações da família de viaturas Agrale Marruá, podemos citar alguns países tais como: Argentina, Equador, Namíbia, Paraguai, Gana, além das viaturas usadas pelo Exército Brasileiro nas Missões de Paz da ONU no Haiti e no Sudão do Sul. Em 2017, a expectativa é de aumentar a penetração nos mercados onde atuamos e buscar a abertura de novas fronteiras para as diversas linhas de produtos da Agrale”, afirma Martins.

Outra empresa que investirá no mercado exterior em 2017 é a Protecta, especializada em proteção balística. “A Protecta vem experimentando um crescimento importante da ordem de 30% ao ano. Esse resultado é reflexo principalmente em razão dos novos mercados que estamos atuando e o constante investimento em novos produtos. Com a expectativa de estabilidade do mercado doméstico este ano, vamos apostar nas exportações para manter nosso crescimento. Já contamos com alguns clientes na América Latina e na África”, afirma o diretor geral da Protecta, Christian Callas.

Encontro da Indústria de Defesa e Segurança – AAkaer, Protecta e Agrale fazem parte do time de mais de 600 marcas que estarão presentes na LAAD Defence & Security 2017 com o objetivo de fomentar novos negócios e apresentar suas soluções e serviços. O encontro acontece de 4 a 7 de abril no Riocentro, no Rio de Janeiro, e irá reunir empresas nacionais e internacionais fornecedoras de equipamentos, serviços e tecnologias para as Forças Armadas e Forças Policiais, além de gestores de segurança de grandes corporações, concessionárias de serviços e infraestrutura crítica.

O diretor comercial e de Desenvolvimento de Negócios da Akaer ressalta a importância da LAAD para a empresa. “Na edição de 2015 o evento foi muito proveitoso para a Akaer. Já para este ano triplicamos o tamanho de nosso estande e investimento na feira. Nossa expectativa é de que a Akaer continue seu caminho de consolidação como uma das maiores empresas brasileiras no desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas para diversos mercados – como aeroespacial, defesa, energia e automotiva. Queremos também ampliar nossa rede de relacionamento e conquistar novos parceiros e negócios”, conclui.

Sobre a LAAD Defence & Security – Maior e mais importante feira de defesa e segurança da América Latina, a LAAD Defence & Security chega em 2017 a sua 11ª edição. Reúne bienalmente no Riocentro, no Rio de Janeiro, empresas brasileiras e internacionais especializadas no fornecimento de soluções para as três Forças Armadas e Forças Policiais. Além de exposição, o evento conta com programa de conteúdo exclusivo como o Seminário de Defesa LAAD e o Seminário de Segurança LAAD. Na última edição, em 2015, o evento reuniu 642 marcas expositoras de 41 países, 36.250 visitantes de 90 países e 170 delegações oficiais de 74 países.

Clarion Events – Por mais de 65 anos, a Clarion Events dedica-se à promoção e organização de feiras de negócios, eventos e congressos. Reúne aproximadamente 700 mil visitantes e congressistas e 12 mil expositores e patrocinadores em mais de 200 eventos realizados ao redor do mundo. A Clarion Events tem presença global – atua em 12 escritórios em 9 países e está no Brasil desde 2008.

LAAD Defence & Security 2017 – Feira Internacional de Defesa e Segurança
Data: 04 a 07 de abril
Local: Riocentro – Av. Salvador Allende, 6.555 – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro – RJ
Horário da Exposição: 04 a 06 de Abril – das 10h às 18h / 07 de Abril – das 10h às 17h
Horário dos Seminários: 04 de Abril – das 14h às 17h / 05 e 06 de Abril – das 10h às 17h



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




SBT


Operação “Óstium” promete intensificar combate na fronteira


Sbt Ms

Uma operação das forças armadas promete intensificar o combate aéreo ao narcotráfico na faixa de fronteira do cone sul do Brasil, que vai de Mato Grosso do Sul ao Rio Grande do Sul. Aqui no estado, a operação "Óstium", está com bases em 3 municípios.

PORTAL G-1


Secretaria de Aviação Civil anuncia construção de aeroporto de R$ 30 mi

Obra em Ariquemes (RO) atenderá até 150 mil passageiros por ano. Segundo secretário, emissão de licenças deve demorar o início das obras.

Diêgo Holanda

A Secretaria Nacional de Aviação Civil anunciou que a Ariquemes (RO) vai receber um aeroporto próprio. O objetivo com a construção é que a cidade passe a receber voos comerciais de outras regiões do Brasil. O aeroporto deve ser construído no local onde hoje funciona o aeroclube da cidade e vai custar cerca de R$ 30 milhões.
O anúncio foi feito esta semana pelo secretário nacional da aviação civil, Dario Rais Lopes, durante visita no aeroclube. Na ocasião, ele explicou que a obra deverá custar aproximadamente R$ 30 milhões.
"Ariquemes tem uma desvantagem em relação das outras cidades. Aqui nós ainda não temos as licenças ambientais. Qualquer pessoa que falar que vai mexer, vai alargar a pista ou alguma coisa rapidinho, vai estar mentindo", explica Dario.
O complexo do novo aeroporto deve ter um terminal com 11.000 m² e terá capacidade para atender 150 mil passageiros por ano. Também será feito um pátio de aeronaves, instalações para bombeiros e comunicação aeronáutica.
Recentemente foi finalizada uma obra de recapeamento e pintura da pista atual. Segundo o Departamento de Estradas Rodagens (DER), a obra de balizamento noturno deve começar até abril.
O diretor geral do DER, Ezequiel Neiva, disse que o balizamento na pista atual não deve ser desperdiçado quando a pista receber o alargamento anunciado pela SAC.
"O balizamento nós não vamos perder. A única coisa que vai ser feito com nosso balizamento quando for aumentar a pista é alargar ele. Não vamos ter prejuízo", enfatiza.
O presidente da Associação Comercial e Industrial de Ariquemes (Acia), Francisco Hidalgo, conta que a cidade perde investimentos econômicos por não ter um aeroporto comercial. "Com a viabilidade de ida e vinda, seja de empresários ou turistas, nós vamos enriquecer muito a nossa região gerando divisas e empregos", argumenta.
Outras obras de construção de aeroporto em Ariquemes já foram anunciadas em anos anteriores. Em janeiro de 2013 o governo do estado chegou a anunciar a construção de um novo aeroporto, mas a obra nunca aconteceu.
O aeroclube de Ariquemes, onde deve ser construído o aeroporto fica na Zona Norte da cidade, próximo à BR-364.

Balão sobrevoa São José, cai sobre casa e atinge rede elétrica

Balão sobrevoou bairros das zonas sul e oeste por mais de 3 horas. Fogo destruiu balão. Ninguém ficou ferido.

Camilla Motta G1 Vale Do Paraíba

Um balão de grandes dimensões caiu sobre uma casa após sobrevoar as zonas sul e oeste de São José dos Campos (SP) por mais de três horas na manhã deste sábado (25). O balão caiu por volta das 11h sobre uma casa, atingiu a rede elétrica antes de ser consumido por chamas. Ninguém ficou ferido. 
De acordo com relato de moradores, o balão sobrevoou os bairros como Jardim Sul, Limoeiro, Jardim Por do Sol, Aquárius e Jardim das Indústrias. Uma moradora da zona sul notou a sobrevoo do balão na região por volta das 7h45.
Um vídeo feito por volta das 10h45 mostra o balão entre os prédios no Jardim das Indústrias e, em seguida, caindo sobre uma casa na rua Corifeu de Azevedo Marques. Na queda, a estrutura bate na fiação elétrica e pega fogo. Em chamas, ele voa novamente e termina de queimar. As faíscas caem sobre outras casas.
“Eu e minha mulher acompanhamos da sacada o balão. Nos assustamos porque era muito grande, vimos as pessoas correndo de um lado para o outro com medo. Depois que caiu as últimas chamas sobre o telhado da outra casa, o dono apagou com uma mangueira. Poderia ter pegado fogo na casa, uma irresponsabilidade”, contou Ricardo Kamimura.
Ele disse também que após o balão cair na fiação, o prédio dele e outras casas ficaram sem energia elétrica.
A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros estavam no local por volta das 11h20 para averiguar as informações. O dono do balão não foi identificado.
A Polícia Civil irá investigar a ação, já que fabricar, vender, transportar ou soltar balões é crime ambiental. A pena prevista para quem for flagrado é de multa e detenção de até três anos.
Manutenção
A EDP, distribuidora de energia elétrica em São José dos Campos, informou em nota que a queda do balão interrompeu o fornecimento em parte do Jardim das Indústrias das 10h36 às 11h23, quando o serviço foi restabelecido.

Piloto é preso e PM apreende avião que seria usado para o tráfico em MT

Aeronave teria saído da Bolívia e fez pouso forçado em Campos de Júlio. Segundo a PM, piloto estava com a licença vencida e é suspeito de roubo.

Lislaine Dos Anjos G1 Mt

Um piloto de avião foi preso pela Polícia Militar na sexta-feira (24), após realizar um pouso forçado na pista de uma empresa no setor industrial do município de Campos de Júlio, a 692 km de Cuiabá, por estar com a licença para voar irregular e ter mandado de prisão em aberto por roubo. A polícia suspeita, ainda, que a aeronave seria usada para o tráfico de entorpecentes.
Segundo a Polícia Militar, o piloto disse que residia no Pará e alegou ter saído de Guarantã do Norte, a 721 km da capital, para levar seu patrão e mais duas pessoas até uma fazenda, a 40 minutos de Campos de Júlio. Ele afirmou, ainda, que estava em seu segundo vôo com a aeronave e que precisou fazer o pouso forçado após uma pane no avião bimotor. Ele não soube informar, porém, o nome do suposto chefe ou informar onde ficava a fazenda em que teria deixado os passageiros.
Ao perceberem que o piloto se contradizia, os policiais desconfiaram da situação. Durante a checagem da documentação do suspeito, foi descoberto que ele só possuía licença para pilotar avião monomotor e estava com a habilitação vencida. Além disso, ele possuía um mandado de prisão em aberto por um roubo a um vendedor de joias em Cuiabá.
Com o piloto, os policiais apreenderam dois aparelhos de GPS, onde foi descoberto, pelas coordenadas, que a aeronave havia saído de uma pista de pouso de uma área rural na Bolívia, parando apenas na empresa onde foi abordada pela PM, após o pouso de emergência.
De acordo com a PM, o aparelho GPS apontou, ainda, várias coordenadas de vôo no país vizinho e na fronteira, inclusive na região do Irapuru, local de várias denúncias de constantes sobrevôos de aeronaves daquele porte, com lançamentos de entorpecentes, e de apreensões de droga.
Segundo a polícia, dentro da aeronave foram encontrados seis pedaços de lona preta que seriam característicos aos usados para embalar fardos de entorpecentes para lançamento. Além da aeronave, os PMs ainda apreenderam R$ 4.732 em dinheiro.

Deputado José Vitti escapa ileso de queda de helicóptero em Goiânia

Presidente da Assembleia Legislativa estava com um assessor e o piloto. Aeronave caiu de uma altura de cerca de 20 metros ao tentar decolar.

Um helicóptero que levava o presidente da Assembleia Legislativa de Goiás (Alego), o deputado estadual José Vitti (PSDB), sofreu um acidente ao tentar decolar do Autódromo de Goiânia, na manhã de sexta-feira (24). A aeronave estava a cerca de 20 metros de altura, quando apresentou uma falha e caiu. Apesar do susto, o parlamentar não ficou ferido.
O G1 tentou falar com o deputado, na manhã deste sábado (25), mas a assessoria de imprensa informou que ele não vai comentar o assunto por enquanto.
No entanto, em uma nota, a assessoria explicou que, além de Vitti, também estavam na aeronave um de seus assessores e o piloto. Todos escaparam ilesos.
“O acidente aconteceu logo após a decolagem, por uma falha no motor, e a aeronave caiu de uma altura aproximada de 20 metros. O piloto conseguiu controlar o helicóptero, minimizando a queda, ao usar as rotações finais da hélice”, destacou o texto.
A Força Aérea Brasileira (FAB) confirmou ao G1 que houve um acidente com o helicóptero por volta das 8h40 de sexta-feira. A corporação disse o caso será apurado pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).

OUTRAS MÍDIAS


JORNAL A VOZ DE PETROPOLIS


Imunização será concentrada em 20 postos e unidades de saúde a partir desta segunda

Município recebe mais 50 mil doses de vacina contra febre amarela
R Moreira
O prefeito Bernardo Rossi conseguiu mais 50 mil doses de vacina contra febre amarela junto à Secretaria de Saúde do Estado para manter a imunização preventiva da população. No fim da semana passada Petrópolis já havia recebido 75 mil doses. A partir desta segunda-feira (27.03), a imunização será concentrada em 20 postos e unidades de Saúde, que já possuem rotina de vacinação – de 8 às 15h. Os postos funcionam de segunda a sexta-feira.
“A população entendeu que em Petrópolis o trabalho de imunização é preventivo, que a cidade contará com vacinas e que as pessoas podem se vacinar com calma nos postos. Na primeira semana optamos por vacinar em todos os postos para absorver a demanda da população que estava apreensiva. Agora vamos retomar a rotina, concentrando a vacinação nestes 20 postos”, explica o prefeito Bernardo Rossi.
Seguindo protocolo de imunização recomendado pelo Ministério da Saúde e Governo do Estado, o município já cumpriu em grande parte a imunização da população da zona rural e famílias que vivem em locais próximos a matas. A campanha iniciada no último sábado (18.03) já imunizou mais de 60 mil pessoas, nos postos, unidades de saúde e durante as vacinações volantes realizadas nas localidades do Brejal, Posse, Pedro do Rio, Boa Esperança, Caxambu, Vale das Videiras, Bonfim e Caititu.
“Nossa vacinação está cumprindo o cronograma de imunização proposto pela Secretaria de Saúde do Estado onde priorizamos as áreas rurais e regiões de matas. Com a nova remessa, vamos direcionar as doses para os postos e unidades de bairros que já possuem rotina de vacinação para que a população seja vacinada com tranquilidade”, afirma o prefeito Bernardo Rossi.
Com o apoio da Defesa Civil, Exército, Aeronáutica e Cruz Vermelha, a vacinação contra a febre amarela seguirá para os postos e unidades de saúde ainda na manhã de segunda-feira. Neste dia, a vacinação terá início a partir das 12h.
“Recomendamos que a população busque as vacinas após às 12h, quando as novas remessas já estarão disponíveis nos postos. Vale ressaltar que a imunização continua em caráter preventivo uma vez que Petrópolis nunca registrou casos de febre amarela e nem há casos suspeitos no município”, explica Silmar Fortes.
As agentes comunitárias de saúde continuarão realizando o mapeamento junto às UBS e PSFs a fim de identificar se ainda há pessoas que não se vacinaram por dificuldades de acesso aos locais de vacinação.
“Nosso mapeamento continua, se os apoiadores identificarem junto às equipes a necessidade de fazer novas rotas volantes nós iremos fazer. O objetivo é imunizar o maior número possível da população apta tomar a vacina”, disse Silmar Fortes.

JORNAL DA BAND


Erros humanos são maior causa de acidentes aéreos

Entre 2006 e 2015, mais de mil pessoas morreram em acidentes aéreos no Brasil, e o erro humano foi a principal causa.

PORTAL FRI (FRANÇA)


Guiana Francesa, na fronteira com Brasil, se prepara para greve geral 

Após vários dias de protestos violentos, a União dos Sindicatos da Guiana Francesa (UTG na sigla em francês) anunciou neste sábado (25) uma greve geral na próxima segunda-feira (27). Falta de segurança, pobreza e desemprego são as principais reclamações dos moradores desse território francês que faz fronteira com o Brasil.
O movimento de protestos reúne grevistas do fornecedor de energia elétrica EDF, que reivindicam melhores condições salariais, coletivos que criticam o aumento da delinquência e grupos que denunciam a precariedade nos sistemas de saúde e transportes. A mobilização conta com o apoio de representantes políticos locais, como o presidente da Coletividade da Guiana, Rodolphe Alexandre, que se recusa ir até Paris para participar das negociações com o governo.
Cerca de dez barragens bloqueam deste quinta-feira (23) os cruzamentos estratégicos do litoral da Guiana Francesa, fechando inclusive a entrada da capital, Caiena. Os Estados Unidos desaconselharam seus cidadãos a viajar para o território francês em razão das “grandes manifestações” na região e nas estradas que levam ao Brasil e ao Suriname, países vizinhos”.
Os protestos provocaram o atraso no lançamento do foguete Ariane 5, vitrine econômica do território, e que colocaria em órbita o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações (SGDC), do Brasil. Vários estabelecimentos escolares também foram fechados.
O primeiro-ministro francês, Bernard Cazeneuve, pediu “calma” e “diálogo” aos moradores. Já a ministra responsável pelos territórios Ultramarinos, Ericka Bareigts, disse que “a situação continua tensa”. Paris enviou uma missão interministerial a Caiena. O grupo deve desembarcar ainda neste sábado (25).
Uma em cada quatro famílias da Guiana Francesa vive abaixo da linha da pobreza e o índice de desemprego atinge 22%, contra 9,7% na França metropolitana. O território também não consegue administrar a explosão demográfica da região, provocada por altas taxas de natalidade e de imigração, vinda de vários países, inclusive do Brasil. A população da Guiana cresce 2,8% ao ano.

JORNAL DIA DIA


Indústria nacional de Defesa mira no exterior para expansão dos negócios 

Empresas brasileiras têm potencial para aumentar as exportações de produtos e serviços e assim alavancar as vendas do setor em 2017
Ray Santos
Em tempos de instabilidade econômica, focar as estratégias na exportação de produtos e serviços parece ser uma alternativa adequada para a indústria nacional de defesa. O potencial para ampliar o alcance para mercados fora do Brasil já existe, mas alguns desafios ainda precisam ser superados pelas empresas brasileiras que desejam continuar ou começar a fazer negócios no exterior.
Para o diretor comercial e de Desenvolvimento de Negócios da Akaer, Aldo da Silva Junior, o potencial de exportação do País é enorme, em especial, para as nações que precisam, ou preferem, tecnologias e soluções com maior independência dos controles e restrições dos países desenvolvidos como Estados Unidos, por exemplo. A Akaer é especializada no desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas para diversos mercados – aeroespacial, defesa, energia e automotiva.
“O Brasil tem uma estrutura de custos e de impostos que reduzem a competitividade das empresas brasileiras frente aos seus competidores diretos no mercado global. Os produtos e serviços nacionais têm alta qualidade e conteúdo tecnológico, mas muitas vezes deixam de ser competitivos mesmo com o câmbio favorável”, afirma Junior, que acrescenta: “felizmente contamos com entidades que estão trabalhando diligentemente para reduzir estas dificuldades, como a Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança (ABIMDE) e a Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (APEX)”.
Com forte atuação no mercado externo a Agrale, fabricante de veículos e motores, possui uma gama de produtos que são exportados, com destaque para a família de Viaturas Agrale Marruá. “A potencialidade de exportação é influenciada por diversos fatores, que além dos político-econômicos e do câmbio, incluem também a competitividade, a capacidade produtiva, tecnológica e de inovação das empresas da Base Industrial de Defesa do Brasil”, afirma o diretor comercial da Agrale, Edson Martins.
“O Brasil é uma nação que não está envolvida em nenhum conflito e é reconhecida mundialmente como neutra o que facilita a inserção das viaturas Agrale Marruá em muitos mercados. Como fator negativo temos as dificuldades orçamentárias enfrentadas pelos países tradicionalmente clientes de produtos brasileiros, como por exemplo os países sul-americanos, e o fato das compras militares serem cíclicas”, completa Martins.
Expectativas – Com uma carteira de clientes no exterior que inclui países como EUA, Canadá, China, Espanha e França, atualmente a Akaer presta serviços para a Saab e a Pratt & Whitney – United Technologies. “Apesar de um ano desafiador como o de 2016, a Akaer aumentou seu faturamento em mais de 10% ao mesmo tempo em que o percentual de receitas de serviços em exportação subiu para 40%. Além disso, a empresa fez fortes investimentos como a mudança da sede principal para o Parque Tecnológico de São José dos Campos e a aquisição da divisão de Espaço e Defesa da Opto Eletrônica S.A, agora denominada OPTO Space & Defense”, salienta o diretor comercial e de Desenvolvimento de Negócios da Akaer, Aldo da Silva Junior.
Já o diretor comercial da Agrale, Edson Martins, destaca as atuações da empresa em países da América do Sul e África no último ano. “Apenas de exportações da família de viaturas Agrale Marruá, podemos citar alguns países tais como: Argentina, Equador, Namíbia, Paraguai, Gana, além das viaturas usadas pelo Exército Brasileiro nas Missões de Paz da ONU no Haiti e no Sudão do Sul. Em 2017, a expectativa é de aumentar a penetração nos mercados onde atuamos e buscar a abertura de novas fronteiras para as diversas linhas de produtos da Agrale”, afirma Martins.
Outra empresa que investirá no mercado exterior em 2017 é a Protecta, especializada em proteção balística. “A Protecta vem experimentando um crescimento importante da ordem de 30% ao ano. Esse resultado é reflexo principalmente em razão dos novos mercados que estamos atuando e o constante investimento em novos produtos. Com a expectativa de estabilidade do mercado doméstico este ano, vamos apostar nas exportações para manter nosso crescimento. Já contamos com alguns clientes na América Latina e na África”, afirma o diretor geral da Protecta, Christian Callas.
Encontro da Indústria de Defesa e Segurança – AAkaer, Protecta e Agrale fazem parte do time de mais de 600 marcas que estarão presentes na LAAD Defence & Security 2017 com o objetivo de fomentar novos negócios e apresentar suas soluções e serviços. O encontro acontece de 4 a 7 de abril no Riocentro, no Rio de Janeiro, e irá reunir empresas nacionais e internacionais fornecedoras de equipamentos, serviços e tecnologias para as Forças Armadas e Forças Policiais, além de gestores de segurança de grandes corporações, concessionárias de serviços e infraestrutura crítica.
O diretor comercial e de Desenvolvimento de Negócios da Akaer ressalta a importância da LAAD para a empresa. “Na edição de 2015 o evento foi muito proveitoso para a Akaer. Já para este ano triplicamos o tamanho de nosso estande e investimento na feira. Nossa expectativa é de que a Akaer continue seu caminho de consolidação como uma das maiores empresas brasileiras no desenvolvimento de soluções tecnológicas integradas para diversos mercados – como aeroespacial, defesa, energia e automotiva. Queremos também ampliar nossa rede de relacionamento e conquistar novos parceiros e negócios”, conclui.
Sobre a LAAD Defence & Security – Maior e mais importante feira de defesa e segurança da América Latina, a LAAD Defence & Security chega em 2017 a sua 11ª edição. Reúne bienalmente no Riocentro, no Rio de Janeiro, empresas brasileiras e internacionais especializadas no fornecimento de soluções para as três Forças Armadas e Forças Policiais. Além de exposição, o evento conta com programa de conteúdo exclusivo como o Seminário de Defesa LAAD e o Seminário de Segurança LAAD. Na última edição, em 2015, o evento reuniu 642 marcas expositoras de 41 países, 36.250 visitantes de 90 países e 170 delegações oficiais de 74 países.
Clarion Events – Por mais de 65 anos, a Clarion Events dedica-se à promoção e organização de feiras de negócios, eventos e congressos. Reúne aproximadamente 700 mil visitantes e congressistas e 12 mil expositores e patrocinadores em mais de 200 eventos realizados ao redor do mundo. A Clarion Events tem presença global – atua em 12 escritórios em 9 países e está no Brasil desde 2008.
LAAD Defence & Security 2017 – Feira Internacional de Defesa e Segurança
Data: 04 a 07 de abril
Local: Riocentro – Av. Salvador Allende, 6.555 – Barra da Tijuca – Rio de Janeiro – RJ
Horário da Exposição: 04 a 06 de Abril – das 10h às 18h / 07 de Abril – das 10h às 17h
Horário dos Seminários: 04 de Abril – das 14h às 17h / 05 e 06 de Abril – das 10h às 17h



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented