|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 18/01/2017 / MH370 - Especialista fala da dor do fracasso após suspensão de buscas por avião


MH370 - Especialista fala da dor do fracasso após suspensão de buscas por avião ...  

Kristen Gelineau ...  

O sentimento de frustração dos envolvidos na busca pelo voo 370 da Malaysia Airlines é enorme, abrangendo desde as ondas monstruosas que fustigaram as equipes de busca em uma das áreas oceânicas mais desertas do mundo até a falta de informações sobre o voo, fatores que bloquearam a ação das equipes.

O anúncio feito pela Austrália na terça-feira (17) da suspensão oficial da busca infrutífera pelo avião no oceano Índico, levada adiante por quase três anos, desencadeou um processo inevitável de questionamento dos responsáveis pela operação, que custou US$160 milhões.

Poucos conhecem tão bem a agonia pela qual a equipe de busca está passando quanto o oceanógrafo americano David Gallo.

Em 2010, Gallo e sua equipe do Instituto Oceanográfico Woods Hole, em Massachusetts, foram incumbidos de uma tarefa: teriam dois meses para ajudar a localizar os destroços do avião que fez o voo 447 da Air France que caiu no oceano Atlântico em 2009 quando voava do Rio de Janeiro a Paris.

Quando a aeronave não foi localizada até o fim desse prazo, as autoridades suspenderam a busca. Gallo ficou doente com o fracasso; ele não conseguia dormir e ficava apenas olhando para fotos que tinha sobre sua mesa de pessoas que estavam a bordo do avião.

Ficou torturado por dúvidas, perguntando-se se sua equipe tinha de alguma maneira deixado passar os destroços.

"Foi horrível", ele se recorda. "As famílias ficaram tremendamente desapontadas, as empresas envolvidas –Airbus, Air France– queriam saber o que tinha acontecido. Perguntavam quem eram esses sujeitos que disseram que conseguiriam localizar os destroços, mas não os encontraram."

Depois de um ano de esforços de persuasão, as autoridades deixaram Gallo e sua equipe retomar as buscas. Eles localizaram o avião em pouco mais de uma semana.

Como os investigadores do voo 370, Gallo e sua equipe foram acusados inicialmente de não saber o que estavam fazendo, de fazer uma leitura equivocada dos dados, de utilizar os equipamentos errados. Mas Gallo, que manteve contato estreito com as autoridades australianas no comando das buscas pelo voo 370, acredita que elas fizeram tudo o que estava ao seu alcance, em vista dos dados limitados disponíveis.

Recentemente os investigadores fizeram nova análise de todas as informações disponíveis sobre o avião da Malaysia Airlines e sugeriram que as equipes de busca vasculhassem uma nova região ao norte da área de 160 mil quilômetros quadrados que acabaram de examinar.

O governo australiano vetou a ideia, mas Gallo considera imperativo que as equipes sejam autorizadas a estender a busca.

"Se você termina de examinar uma área, pode dizer com a consciência limpa `fizemos tudo que foi possível na época para encontrar o avião´", ele diz. "Mas, se não levarem a busca àquela área, isso vai nos assombrar para sempre."

E, segundo ele, localizar a aeronave é crucial, por muitas razões.

Gallo ainda pensa nas pessoas que morreram no voo 447 da Air France. Ele vive no litoral do Massachusetts, onde frequentemente vê aviões partindo para atravessar o Atlântico, de Boston à Europa. Ele pensa nos passageiros a bordo, cada um deles com seus entes queridos em casa.

A segurança dos passageiros é sua preocupação e é uma das principais razões por que ele acha crucial que o voo 370 seja localizado – pelo bem da segurança de todos que viajam de avião e pelas famílias das pessoas que estavam a bordo da aeronave que desapareceu.

"Aquelas 239 pessoas sumiram sem deixar rastros. Que preço podemos atribuir a isso?", ele diz. "E o público geral que viaja de avião. Enquanto não soubermos o que aconteceu ali, há o risco de isso acontecer com qualquer um de nós."



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Planejamento alega `prudência´ e segura despesas no primeiro trimestre


Maeli Prado

Diferentemente do ano passado, quando liberou 25% das dotações previstas no Orçamento entre janeiro e março, o Ministério do Planejamento informou nesta terça (17), em decreto publicado no Diário Oficial da União, que permitirá somente 16% de gastos nos primeiros três meses.
O decreto, de acordo com nota divulgada pelo ministério, optou pela "prudência" e leva em conta o momento de incerteza na economia brasileira.
"Ao estabelecer a programação financeira para o exercício, o decreto leva em consideração incertezas da conjuntura econômica, bem como a prudência, princípio norteador da Lei de Responsabilidade Federal, além da sazonalidade natural da execução das despesas pelo governo federal", disse a pasta em comunicado.
No começo de 2015, o ministério também havia citado as "incertezas sobre a evolução da economia" ao determinar que poderiam ser gastos somente pouco mais que 5% do Orçamento por mês (ou 16% em três meses).
A publicação no Diário Oficial estabelece a programação orçamentária e financeira do governo —na quarta-feira (11), foi publicada a Lei Orçamentária Anual 2017 (LOA 2017).
CONTENÇÃO DE GASTOS
Nesta terça, o ministério reforçou que a contenção de despesas no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2016 é necessária para sinalizar o compromisso do governo com a contenção dos gastos públicos.
"A prudência adotada é fundamental para sinalizar aos agentes econômicos o compromisso do governo federal para manter uma política fiscal consistente e para garantir a sustentabilidade da dívida pública no longo prazo."
A pasta lembrou ainda que, em março, realizará a primeira avaliação bimestral de receitas e despesas do ano. "Se necessário, [serão] adotadas medidas de limitação orçamentária e financeira", afirmou o ministério.
A meta para o resultado primário neste ano é de um deficit de R$ 139 bilhões —em 2016, a meta fixada foi de R$ 170,5 bilhões.

Ministro da Defesa diz que militares não vão lidar diretamente com presos


Marina Dias E Gustavo Uribe

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, defendeu nesta terça-feira (17) a atuação das Forças Armadas dentro dos presídios do país disse que os Estados "não estão dando conta" da crise carcerária.
Segundo o ministro, o anúncio feito pelo governo Michel Temer sobre o uso de militares para vistorias dentro das cadeias é "constitucional", mas que o contingente das Forças Armadas não lidará diretamente com os presos, que serão deslocados dentro das unidades durante as vistorias.
"Os Estados hoje, sozinhos, não têm condições de dar conta desse problema [crise penitenciária]", afirmou Jungmann durante visita ao IV Comando da Aeronáutica, em Brasília.
"As Forças Armadas não vão lidar com os presos. Esse papel será das polícias e dos agentes penitenciários, embora o controle da forma de fazer a varredura ficará sob comando dos militares. Mas não haverá interação com presos", completou o ministro.
Para ele, a crise que já matou 134 presos em duas semanas não é apenas um problema de segurança pública, "porque afeta o Brasil como um todo". "Precisamos dar um rotundo basta a essa situação".
"O crime nacionalizou e internacionalizou. Os Estados não estão dando conta", disse o ministro, classificando as prisões brasileiras de "escritórios do crime".
Ele disse ainda que o crime organizado desafiou as instituições e "isso não será tolerado".
Sem muitos detalhes, Jungmann explicou como irão funcionar as vistorias das Forças Armadas nas cadeias, medida anunciada horas antes pelo porta-voz da Presidência da República, Alexandre Parola.
De acordo com o ministro da Defesa, elas serão "periódicas" e acontecerão "de surpresa", para apreender materiais como armas, drogas e celulares. Nos intervalos das vistoriais, a fiscalização ficará sob responsabilidade da polícia e do sistema locais. Os militares disponibilizarão ainda bloqueador de celular, sistema de raio-X e scanner para os presídios.
DECRETO
Nesta terça (17), Temer assina um decreto, que será publicado nesta quarta (18) no Diário Oficial da União, oferecendo aos Estados a ajuda das Forças Armadas.
Em seguida, explicou Jungmann, cada Estado poderá fazer a solicitação formal de reforço com continente militar, alegando insuficiência das forças locais. A partir daí, o governo analisará o caso e autorizará participação dos militares nas ações.
Ainda segundo o ministro, as Forças Armadas "certamente vão colaborar com o Censo prisional".

Especialista fala da dor do fracasso após suspensão de buscas por avião


Kristen Gelineau Da Associated Press, Em Sydney

O sentimento de frustração dos envolvidos na busca pelo voo 370 da Malaysia Airlines é enorme, abrangendo desde as ondas monstruosas que fustigaram as equipes de busca em uma das áreas oceânicas mais desertas do mundo até a falta de informações sobre o voo, fatores que bloquearam a ação das equipes.
O anúncio feito pela Austrália na terça-feira (17) da suspensão oficial da busca infrutífera pelo avião no oceano Índico, levada adiante por quase três anos, desencadeou um processo inevitável de questionamento dos responsáveis pela operação, que custou US$160 milhões.
Poucos conhecem tão bem a agonia pela qual a equipe de busca está passando quanto o oceanógrafo americano David Gallo.
Em 2010, Gallo e sua equipe do Instituto Oceanográfico Woods Hole, em Massachusetts, foram incumbidos de uma tarefa: teriam dois meses para ajudar a localizar os destroços do avião que fez o voo 447 da Air France que caiu no oceano Atlântico em 2009 quando voava do Rio de Janeiro a Paris.
Quando a aeronave não foi localizada até o fim desse prazo, as autoridades suspenderam a busca. Gallo ficou doente com o fracasso; ele não conseguia dormir e ficava apenas olhando para fotos que tinha sobre sua mesa de pessoas que estavam a bordo do avião.
Ficou torturado por dúvidas, perguntando-se se sua equipe tinha de alguma maneira deixado passar os destroços.
"Foi horrível", ele se recorda. "As famílias ficaram tremendamente desapontadas, as empresas envolvidas –Airbus, Air France– queriam saber o que tinha acontecido. Perguntavam quem eram esses sujeitos que disseram que conseguiriam localizar os destroços, mas não os encontraram."
Depois de um ano de esforços de persuasão, as autoridades deixaram Gallo e sua equipe retomar as buscas. Eles localizaram o avião em pouco mais de uma semana.
Como os investigadores do voo 370, Gallo e sua equipe foram acusados inicialmente de não saber o que estavam fazendo, de fazer uma leitura equivocada dos dados, de utilizar os equipamentos errados. Mas Gallo, que manteve contato estreito com as autoridades australianas no comando das buscas pelo voo 370, acredita que elas fizeram tudo o que estava ao seu alcance, em vista dos dados limitados disponíveis.
Recentemente os investigadores fizeram nova análise de todas as informações disponíveis sobre o avião da Malaysia Airlines e sugeriram que as equipes de busca vasculhassem uma nova região ao norte da área de 160 mil quilômetros quadrados que acabaram de examinar.
O governo australiano vetou a ideia, mas Gallo considera imperativo que as equipes sejam autorizadas a estender a busca.
"Se você termina de examinar uma área, pode dizer com a consciência limpa `fizemos tudo que foi possível na época para encontrar o avião´", ele diz. "Mas, se não levarem a busca àquela área, isso vai nos assombrar para sempre."
E, segundo ele, localizar a aeronave é crucial, por muitas razões.
Gallo ainda pensa nas pessoas que morreram no voo 447 da Air France. Ele vive no litoral do Massachusetts, onde frequentemente vê aviões partindo para atravessar o Atlântico, de Boston à Europa. Ele pensa nos passageiros a bordo, cada um deles com seus entes queridos em casa.
A segurança dos passageiros é sua preocupação e é uma das principais razões por que ele acha crucial que o voo 370 seja localizado –pelo bem da segurança de todos que viajam de avião e pelas famílias das pessoas que estavam a bordo da aeronave que desapareceu.
"Aquelas 239 pessoas sumiram sem deixar rastros. Que preço podemos atribuir a isso?", ele diz. "E o público geral que viaja de avião. Enquanto não soubermos o que aconteceu ali, há o risco de isso acontecer com qualquer um de nós."
Tradução de CLARA ALLAIN

Análise: Forças Armadas na segurança tem apelo, mas é caro e pouco eficaz


Guaracy Mingardi

O emprego das Forças Armadas na segurança tem muito apelo popular, mas é dispendioso e pouco eficaz. Nas últimas décadas, vários governos usaram esse recurso quando a situação apertou. Todas as vezes, os soldados entraram, saíram, e a situação continuou igual.
O caso mais emblemático ocorreu no governo Fernando Henrique, quando o Exército invadiu morros cariocas. Os traficantes apenas mudaram provisoriamente os pontos de droga.
Essas operações criam mais problemas do que resolvem. Além do aumento dos casos de corrupção, a proximidade com o mundo do crime já levou alguns militares a atitudes criminosas. O maior escândalo foi em 2008, quando um oficial do Exército entregou três jovens do morro da Providência para traficantes rivais, que os executaram.
Desta vez, os soldados serão empregados dentro dos presídios, para ajudar nas "inspeções em busca de materiais proibidos". Só quem nunca esteve numa cadeia pode acreditar que alguém não treinado, que desconhece o sistema, pode desmontar organizações criminosas. Mesmo a polícia militar tem problemas em trabalhar dentro das grades. É outro mundo, que desnorteia os de fora.
Uma solução mais racional seria a Força Nacional, que ao contrário do Exército é constituída por policiais experientes, muitos com prática no sistema prisional. O problema é que ela está pulverizada, atuando em vários Estados. Numa crise dessa envergadura, porém, eles poderiam ser novamente agrupados e enviados para onde é necessário rapidamente.
Se nos períodos de crise os governos utilizam remendos, durante a bonança não implementam as mudanças estruturais que a segurança necessita. Mais urgente é discutir as falhas de nosso sistema policial, a lentidão do Judiciário e um sistema prisional que, além de punir, recupere.
GUARACY MINGARDI é analista criminal e ex-diretor da Secretaria Nacional de Segurança Pública

Coluna Painel


Foco O Planalto reconhece que há risco na ação das Forças Armadas nos presídios, mas prefere pagar para ver. O governo, sustenta um ministro, é de “ordem e progresso”. “Se não resolver isso, nada mais anda”, diz.
Te conheço? Para o governo, uma das vantagens de os militares fazerem as revistas é a distância entre eles e os presos. Com agentes próximos, diz, a chance de conluio com os detentos é maior.
Outros carnavais Secretário de Segurança Pública do governo FHC, José Vicente da Silva Filho diz que a ideia é uma “temeridade”. “As Forças não são preparadas para esse tipo de operação. A crise prisional pode virar política.”
Mão dupla Na frente internacional, o governo vai abrir postos avançados em países na rota do tráfico, como Cabo Verde, para aprimorar a atividade de inteligência.
Camarada No dia 31,o comando de Defesa, Justiça, Itamaraty e GSI (Segurança Institucional) farão reunião com autoridades colombianas sobre o tráfico internacional.
Origens O governo identificou que uma das causas do conflito entre PCC e Família do Norte é a disputa pelo controle da rota dos centros produtores no Peru e na Colômbia aos mercados consumidores na África e na Europa.

Sob pressão, Temer libera Forças Armadas para atuar em presídios


Com o agravamento da crise no sistema prisional, que teve 134 mortes em 15 dias, o presidente Michel Temer reconheceu que a situação ganhou "contornos nacionais" e anunciou nesta terça-feira (17) que vai liberar as Forças Armadas para atuarem dentro das prisões brasileiras.
A decisão é uma resposta à pressão dos Estados por maior ajuda federal, mas, na prática, militares de Exército, Marinha e Aeronáutica terão função bastante restrita -com aval para ingressar nas unidades para varreduras visando a retirada de armas, drogas e celulares.
A medida é alvo de questionamentos de especialistas devido à falta de treinamento para essas situações.
Segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, os agentes não lidarão diretamente com os detentos –que serão deslocados dentro das unidades prisionais para a realização das vistorias. "As Forças Armadas não vão lidar com os presos. Esse papel será das polícias e dos agentes penitenciários. Não haverá interação com os presos", disse.
As operações de vistoria serão feitas de surpresa, em modelo semelhante ao adotado pelas Forças Armadas no combate ao tráfico de drogas, e só ocorrerá após solicitação formal das administrações estaduais. A autorização concedida valerá por um ano.
Com o pedido, caberá ao Ministério da Defesa analisar caso a caso e decidir autorizar ou não a operação, dependendo da gravidade do quadro.
Segundo Jungmann, atualmente há 350 mil militares em atividade no país que poderão participar das vistorias. "Os Estados hoje sozinhos não têm condição de dar conta desse problema", afirmou.
O anúncio foi feito após três Estados onde houve massacres neste ano (AM, RR e RN) pedirem à gestão Temer que tropas enviadas da Força Nacional tivessem atribuições mais amplas, não apenas fora das prisões, mas para atuar dentro das unidades.
Nos últimos meses, o governo federal chegou a minimizar a dimensão da guerra entre facções criminosas no país. Agora, Temer teme que rebeliões se estendam para presídios do Sul e Sudeste.
O presidente escalou assessores e auxiliares para tratar do tema com os chefes das Forças Armadas, evitando declarações públicas de insatisfação, uma vez que há resistências por parte de grupos de militares à iniciativa.
TIROS
Pelos moldes anunciados, as Forças Armadas não teriam atuação, por exemplo, para conter a situação atual no presídio de Alcaçuz, região metropolitana de Natal, com rebelião de presos desde o final de semana, quando houve ao menos 26 assassinatos.
O governador do RN, Robinson Faria (PSD), disse que o motim foi represália do PCC ao massacre ocorrido em Manaus, onde houve 67 mortes -em ação comandado pela facção Família do Norte, rival do grupo de origem paulista.
Outros 31 presos foram mortos depois em Roraima.
Secretários estaduais de Segurança e de Administração Penitenciária se reuniram nesta terça com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, e cobraram do governo a criação de uma vinculação orçamentária para a segurança pública, o que deve ser avaliado por Temer.
Moraes negou a possibilidade pedida pelos Estados de liberar a Força Nacional para atuar dentro dos presídios. Ele defende a tese -questionada por outros especialistas em segurança- de que a medida seria inconstitucional.
De acordo com o ex-secretário Nacional de Segurança Pública, José Vicente da Silva Filho, a decisão é um equívoco. "As Forças Armadas não têm preparo para o ambiente de presídio. Os Estados têm seus batalhões de choque", diz. "É necessário impedir que o problema se espalhe para outros presídios e não é o Exército que vai fazer diferença", afirma.
O professor de direito constitucional Roberto Dias, da FGV (Fundação Getulio Vargas), também discorda da decisão. "A atuação das Forças Armadas é prevista quando todas as alternativas foram esgotadas. O que existe é uma situação não é enfrentada há muito tempo", afirma.
O pesquisador Leandro Piquet, da USP, acredita que, como decisão emergencial, a decisão pode ser positiva.
"O Exército tem competência acumulada em missões de paz. Se não houver intervenção federal, pode custar muitas vidas", afirma.
ImagemESTADOS
Para o secretário de segurança do Rio Grande do Norte, Caio Bezerra, o apoio das Forças Armadas é bem-vindo, mas é preciso executar um conjunto de medidas para estancar a crise. "Não há solução milagrosa. Precisamos levantar a estrutura física da unidade [Penitenciária de Alcaçuz], realizar transferências de alguns presos. Mas vemos o apoio com bons olhos. Toda ajuda é bem-vinda."
O governo do Amazonas afirmou, em nota, que fará uso "de toda e qualquer iniciativa que possa trazer mais tranquilidade e paz para a população". Afirmou que vai reiterar o pedido de atuação das Forças Armadas também nas regiões fronteiriças, "considerando a nossa fronteira com os principais produtores de cocaína do mundo (Colômbia e Peru)."
Já o secretário de Justiça e Cidadania de Roraima, Uziel Castro, definiu o anúncio como "uma iniciativa útil e interessante", mas não quis comentar se a medida será suficiente para conter a crise por julgar que ainda não está claro de que maneira as Forças Armadas atuarão nos presídios.

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Falta de inteligência

GSI defende ministro da Justiça, plano de segurança e controle de fronteiras

Eliane Cantanhêde

Depois de Lula e Dilma acabarem com as câmeras de segurança no Planalto em 2009, o governo dela extinguiu em 2015 o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), órgão de inteligência que assessora os presidentes da República nas diferentes áreas. Lula e Dilma temiam revelar quem circulava pelo poder? Tinham algo a esconder? E a extinção do GSI, com o esvaziamento da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), foi puro desdém ou confusão entre inteligência e espionagem?
Conforme antecipou o Estado, Michel Temer restaurou logo ao assumir o GSI e nomeou para o cargo o general da reserva Sérgio Etchegoyen, quadro de elite do Exército. Além de encontrar a Abin com um terço da equipe, ele descobriu que não tem como responder a pedidos judiciais ou legislativos sobre a movimentação de pessoas no Planalto. Sabe quem entrou pela portaria principal, mas não se o empreiteiro tal, o lobista qual ou quem quer que seja passou em qual gabinete, em que dia, por quanto tempo.
Qualquer órgão público, prédio de apartamentos, shopping ou loja tem câmeras de segurança, fundamentais para desvendar dezenas, talvez centenas de crimes, como o recente assassinato do embaixador da Grécia. Mas justamente o prédio mais importante do País não tem câmeras há oito anos. Um espanto!
O general disse ontem à coluna que “o leigo confunde inteligência com atividades românticas de 007 ou de espionagem grosseira, mas não é nada disso”. Os agentes são altamente capacitados, em geral trabalham em cima de informações abertas e vêm alertando antes dos massacres de Manaus e Boa Vista para a guerra entre as facções. O PCC mantém “comando nacional único”, o Comando Vermelho “abre franquias” nos Estados e a Família do Norte reage assim: “Neste terreiro já tem galo, quem manda aqui ‘soy yo’”.
Etchegoyen defende o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, o Plano Nacional de Segurança e a destinação de recursos do governo Temer para o Fundo Penitenciário (Funpen): nas despesas pagas, foram R$ 51,2 milhões em 2014, R$ 45,8 milhões em 2015 e R$ 1,17 bilhão em 2016. Por isso, quando ex-ministros petistas assinam manifesto contra Moraes, conseguem o oposto: “Pregaram ele na cadeira”.
Para o chefe do GSI, o plano usa a Olimpíada como modelo e vem sendo construído desde a posse, quando José Serra (Itamaraty) começou a discutir as fronteiras com os países vizinhos. “O contrabando de drogas é o que garante mercado e alimenta as facções criminosas. Não adianta agir só nas penitenciárias”, diz o general, destacando a “Rota do Solimões”, que cruza o Brasil de oeste a este e escoa a droga para países ricos. Por isso, o Brasil está enviando adidos de inteligência para vizinhos ou receptores, como a França. Poliana Torres de Medeiros assumirá o posto em Paris e o próprio Etchegoyen irá ao país nesta semana para contatos bilaterais e uma reunião da União Europeia sobre segurança cibernética.
A segurança, o tráfico e as penitenciárias estão fora de controle? Estão, mas, convenhamos, não dá para culpar o atual presidente, o atual governo, o atual ministro da Justiça. Eles apanham muito, o tempo todo, mas fazem o que podem. O que não podem é fazer milagres.
Entre amigos. O ex-presidente do STF Carlos Ayres Britto, que foi ao Jaburu no domingo, é amigo de Temer há 40 anos, foi seu assistente na PUC-SP nos anos 1980, prefaciou seu último livro e o define como “equilibrado, sereno, sensato, lúcido, bom professor e experimentadíssimo na política”. Ayres Britto considera uma “convergência positiva” ter três constitucionalistas no primeiro escalão da República: Temer, Cármen Lúcia e Alexandre de Moraes. “A saída para a crise é a Constituição”, diz.

Bastidores: Decisão de colocar Forças Armadas nos presídios foi apresentada por Temer

Apesar de ser um tipo de atuação considerada inédita, não houve resistência das Forças Armadas na execução da missão, conforme apurou o `Estado´

Tânia Monteiro Brasília

A decisão de pedir apoio às Forças Armadas foi apresentada na reunião no Planalto pelo próprio presidente Michel Temer. De acordo com um dos integrantes da reunião, os militares das Forças Armadas não lidarão com presos diretamente. Com isso, se tentará evitar a "vista grossa" que muitas vezes acontece na entrada dos presídios. 
Os militares vão operar equipamentos nos presídios para fazer checagem de entrada de armas, celulares e tudo o mais que for proibido. Ou seja, vão atuar na detecção de metais nas entradas e nas instalações, fazendo fiscalização nos presídios. Vão ajudar também na cooperação de inteligência. Apesar de ser um tipo de atuação considerada inédita, não houve resistência das Forças Armadas na execução deste tipo de missão, conforme apurou o Estado.
"Isso se tornou inevitável pela gravidade da situação no País porque hoje se tornou uma questão de segurança nacional. Portanto, não tem jeito", disse um dos participantes da reunião. "É uma operação de apoio com detector de metais nas instalações. Não vamos mexer com presos", emendou, ao explicar que o Estado Maior Conjunto das Forças Armadas vai definir como será esta operação.
Não há definição ainda de quando este sistema de uso dos militares das Forças Armadas nos presídios e a forma efetiva de como isso acontecerá.
Na reunião, Temer falou da sua preocupação com o sistema penitenciário no País e disse que gostaria de "contar com o prestigio das Forças Armadas" para esta ajuda. Os comandantes militares não foram surpreendidos com o anúncio da decisão de Temer na reunião. Eles foram antecipadamente avisados da intenção do presidente pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, ainda na manhã desta terça.
É claro que há uma preocupação por parte das Forças Armadas com o que chamam de contágio que pode acontecer no trabalho dos militares em presídios, a exemplo do que temiam quando eles foram atuar nos morros do Rio de Janeiro. Por isso, toda uma estratégia está sendo montada para definir como será a operação.
Em relação à área de inteligência, os governos usarão como embrião o esquema montado na Copa do Mundo e que funcionou a partir da Abin, a Agência Brasileira de Inteligência.

Análise: Militares querem saber com clareza qual missão cumprir em presídios

Nesta quarta, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, deve anunciar qual é a tropa mobilizada e de onde será deslocada para o trabalho

Roberto Godoy

Soldado é soldado, polícia é polícia - Um grupo cuida da Defesa do País, o outro trata da Segurança Interna, incluída aí as ações contra o crime e a garantia do sistema penitenciário. Por definição, trata-se de organizações de estilos diferentes. Os militares dos três comandos - Exército, Marinha, Aeronáutica - são disciplinados e, claro, atenderão à nova atribuição que receberam ontem do comandante supremo, o presidente Michel Temer, agindo como chefe da nação, mais que na condição de chefe de um governo.
Provavelmente atuando em conjunto, e de forma complementar, com recursos da estrutura policial. Todavia, antes de saírem das suas bases para o campo de operações, é preciso que saibam claramente qual é a missão a ser cumprida. Ontem, em Brasília, isso não estava totalmente claro. Segundo um influente general ouvido pelo Estado, até agora há só um objetivo a ser atingido: “reprimir a entrada de armas, celulares, drogas e artigos vetados nos presídios conflitados - e é isso o que será feito, da forma possível” .
O quadro de pessoal das três Forças soma cerca de 300 mil homens e mulheres. Há times especializados em todas as disciplinas de atuação militar, mesmo na Garantia da Lei e da Ordem, atividade aperfeiçoada em um Centro de Instrução mantido em Campinas, na 11.ª Brigada de Infantaria Leve. Só hoje pela manhã é que o ministro da Defesa, Raul Jungmann, deve anunciar qual é a tropa mobilizada e de onde será deslocada para o trabalho. Em Brasília, estavam cotados os fuzileiros da Marinha, os infantes da força terrestre com experiência no batalhão do Haiti e os integrantes das polícias do Exército e da Aeronáutica. O envolvimento de times das Forças Especiais e da Brigada Paraquedista, tropas de grande capacidade de destruição, ainda não está sendo considerado. Equipamentos necessários e planejamento logístico estão sendo determinados.
O presidente Temer esteve cotado para assumir o Ministério da Defesa quando era vice de Dilma Rousseff. Visitou instalações, centros de pesquisa, unidades de fronteira e fábricas de equipamentos. Revelou interesse pelo setor. Assim, ontem, ao anunciar a oferta da tropa no controle das penitenciárias aos governadores, sabia dos problemas de ordem prática da decisão tomada, a começar do mais básico: quem vai pagar a conta? Operações militares são caras. O primeiro ano da ocupação do Alemão e da Penha, no Rio, em 2010, custou R$ 160 milhões. O programa de parceria apresentado no Planalto tem dimensão nacional e será avaliado por etapas. Pode durar muito tempo.

TV GLOBO - JORNAL NACIONAL


Crise nas cadeias leva secretários de Segurança a se reunirem em Brasília

Exército, Marinha e Aeronáutica só atuam após pedido dos governadores. Mas as Forças Armadas não serão usadas para conter rebeliões.

Governo Federal anunciou a decisão de autorizar o emprego das Forças Armadas nos presídios. O pedido precisa partir dos governos estaduais.
Secretários de Segurança de todos os estados e do Distrito Federal passaram o dia em Brasília. Na reunião com o ministro da Justiça ficou acertado:
A instalação imediata de 27 núcleos de inteligência policial nos estados e no distrito federal, o que está previsto no plano nacional de segurança do Governo Federal.
Atuação integrada para abrir novas vagas em presídios com alas e prédios modulares.
Repasse imediato aos estados de R$ 295 milhões para a compra de bloqueadores de celular, scanners e tornozeleiras.
Propor uma mudança na Constituição para criar uma nova fonte de financiamento para a segurança pública, com repasse obrigatório, como existe para a saúde e a educação.
Os secretários consideram esta medida fundamental para apoiar o Plano Nacional de Segurança, anunciado pelo ministro da Justiça depois dos massacres em Manaus e Roraima.
“Isso consideramos vital. E entendo que não haverá polêmica sobre o que nós apontamos como ponto número 1, sob pena de prejuízo a todos os outros pontos previstos no plano, a vinculação orçamentária. Este aí, essa é uma questão histórica, secretários nossos mais antigos já falam que deixaram de acreditar no alcance dessa possibilidade e ela agora se faz aproximada com essa edição desse novo plano nacional”, diz o secretário de Segurança Pública do Maranhão, Jefferson Portela.

Mas não há unanimidade. Os secretários da Região Norte, por exemplo, consideram prioritária a fiscalização de fronteiras. Segundo eles, a eficiência no combate à crise prisional passa também pelo combate ao tráfico internacional de drogas e armas.
“Nós estamos reagindo há um problema que se arrasta por anos e nós temos que definitivamente discutir ele de uma forma mais eficiente. Que é questão de fronteiras, de monitoramento, em todas as fronteiras, na região norte temos quatro países, Colômbia, Venezuela, Peru e Bolívia que contribuem muito para o tráfico internacional e estão ali do nosso lado, e essa droga vai para São Paulo, que é a maior consumidora. Então precisamos discutir isso de uma forma estratégica”, explica o secretário de Seguranla Pública de Rondônia, Lioberto Ubirajara Caetano de Souza.
O presidente Michel Temer vai receber os governadores da Região Norte nesta quarta (18) para discutir o assunto. Nesta terça (17), Temer reuniu os setores de inteligência do governo e tomou a decisão de usar as forças armadas nos presídios.
“O Presidente da República decidiu lançar novas medidas de apoio aos governos estaduais, que são os responsáveis constitucionais pelos estabelecimentos carcerários. Sem prejuízo dessa responsabilidade, é fato que a crise ganhou contornos nacionais, o que exige ação extraordinária do governo federal”, fala o porta-voz, Alexandre Parola.
Exército, Marinha e Aeronáutica só vão atuar nos presídios depois do pedido oficial dos governadores e em missões específicas de varredura para encontrar armas, drogas e celulares. As Forças Armadas não vão fazer a segurança nas penitenciárias e nem atuar para conter rebeliões.
As PMs dos estados vão fazer o isolamento dos presos. O ministro da Defesa disse que os militares das Forças Armadas não terão contato direto com os presos. Eles farão varredura de surpresa nos presídios.
“Hoje, o desafio que a criminalidade vem fazendo já extrapola, no meu modo de entender, a questão de segurança pública, passando a ser exatamente um desafio as instituições. E neste caso, ela está se tornando um desafio na segurança nacional”, diz o ministro da Defesa Raul Jungmann.
No Supremo Tribunal Federal, terminou nesta terça (17) o prazo para que os Tribunais de Justiça informassem a quantidade de juízes e funcionários necessários para acelerar o exame dos processos de presos. A assessoria disse apenas que a maioria respondeu.
Os governos do Amazonas, do Rio Grande do Norte e de Roraima, estados que somaram 123 presos mortos nos últimos dias, declararam que têm interesse em pedir reforço das Forças Armadas.

GLOBO NEWS


"ENTRE ASPAS"


O que as Forças Armadas podem fazer para combater a crise nos presídios?

http://globosatplay.globo.com/globonews/v/5584516/

JORNAL CORREIO BRAZILIENSE


Militares nos presídios


Julia Chaib

Em mais uma tentativa de responder à crise no sistema penitenciário, o governo colocou à disposição o uso das Forças Armadas para atuar dentro dos presídios. A proposta foi levada pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, à reunião com secretários de Segurança Pública, que foram surpreendidos com a medida. Para que as Forças Armadas sejam usadas nos presídios, será necessário a autorização dos governadores. O emprego dos militares é disponibilizado após mais de 100 presos morrerem em rebeliões no Amazonas, em Roraima e no Rio Grande do Norte. Ontem, após o massacre do fim de semana, com a morte de 26 detentos na Penitenciária de Alcaçuz, na Grande Natal, o presídio amanheceu novamente com presos em cima do telhado e ameaças de novos tumultos.
A proposta do emprego do Exército nas prisões foi apresentada ontem à tarde no Palácio do Planalto, sem maiores detalhes, após reunião do presidente Michel Temer com o grupo de inteligência do governo. Temer se reuniria hoje com todos os governadores para a assinatura de um Pacto pelo segurança pública, mas o encontro acabou cancelado e fatiado. Nesta tarde, o presidente encontrará os governadores do Mato Grosso do Sul e da região Norte do país. Nessa região, houve duas das três grandes rebeliões em presídios neste início de ano.
A ideia é que, uma vez autorizado o uso, os militares conduzam inspeções nos presídios sob a determinação do Ministério da Defesa, mas sem aviso prévio às autoridades locais. A intenção de fazer as visitas de surpresa é para coibir a ação de agentes de Estado eventualmente corrompidos em favor de integrantes de facções. A proposta, incluindo a escolha do grupo das Forças que será deslocado, será detalhada na manhã de hoje. Em decreto a ser publicado nesta quarta no Diário Oficial da União, está determinado o uso das Forças para a detecção de "aparelhos de telefonia móvel, drogas e outros materiais ilícitos e proibidos".
Ao disponibilizar o emprego das Forças, o governo tenta responder a uma demanda dos estados pelo uso da Força Nacional dentro dos presídios, o que não é permitido pela Lei. A decisão foi tomada pelo presidente em reunião com o grupo de inteligência do governo, com a presença do ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, da Defesa, Raul Jungmann, e do Gabinete de Segurança Institucional, Sérgio Etchegoyen, que ocorreu ontem. Depois do encontro, Moraes apenas anunciou brevemente a medida em reunião com os secretários de Segurança.
Ao fim, o secretário de Segurança Pública do Rio Grande do Sul, Cezar Schirmer, afirmou ter sido surpreendido. "Se for necessário o concurso das Forças Armadas, vamos pedir. Mas obviamente que precisamos de mais. Precisamos da ampliação das Forças Armadas nas barreiras e da inteligência militar nas fronteiras", disse.
O presidente também determinou a criação de uma comissão para reformar o Sistema Penitenciário brasileiro, com integrantes do Executivo, Judiciário, Legislativo e sociedade civil organizada. Temer também determinou a criação do comitê de integração e cooperação na área da inteligência, a exemplo do que foi feito durante as Olimpíadas. Foi determinada também a criação de uma comissão de reforma do Sistema Penitenciário, com a participação de integrantes da Sociedade Civil, do Executivo, do Legislativo e do Judiciário.
Retaliação
Ontem, o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, encontrou-se com o ministro da Justiça e pediu o envio de mais homens da Força Nacional para o estado. O Rio Grande do Norte está com um efetivo da Força, desde o ano passado, atuando nas ruas. Além disso, Robinson solicitou também a alocação de recursos já disponibilizados pelo Ministério no ano passado para a reconstrução do presídio de Alcaçuz, que, segundo o governador, ficou destruído.
O governo do RN identificou 10 líderes do PCC, responsabilizados pelas mortes, e solicitou a transferência para penitenciárias federais. “Há muitos anos eles estavam lá. E isso (a rebelião no Amazonas) desencadeou a rixa. Não vai parar no meu estado”, disse o governador. O governo federal, ao disponibilizar as Forças Armadas, quer a atuação dos militares de forma pontual, justamente para coibir que mais rebeliões ocorram. O Estado tem alertas para a ocorrência de motins em outras penitenciárias com detentos de facções diversas.
Fora das cadeias
A lei nº 11.473/ 2007 define que a Força Nacional poderá ser usada em ações emergenciais solicitadas pelo estado, como polícias, em atividades de inteligência de segurança pública. Segundo o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, a legislação impede que a Força seja usada dentro dos presídios, porque só poderia atuar ao redor. Os estados queriam o emprego dos efetivos dentro das penitenciárias auxiliando os agentes penitenciários. No fim do ano passado, Moraes negou um pedido feito pelo governo de Roraima, onde 31 presos foram mortos, para reforçar o policiamento dentro do presídio de Boa Vista.

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Governo aciona Forças Armadas para atuar em crise


Andrea Jubé

No gesto mais ousado até agora no enfrentamento da crise do sistema penitenciário, o presidente Michel Temer colocou ontem as Forças Armadas à disposição dos governadores para reforçar a segurança dos estabelecimentos penais. Decreto publicado hoje no "Diário Oficial da União" autoriza a atuação dos militares nas dependências dos presídios para garantia da lei e da ordem.
Temer discutia a legalidade dessa medida havia alguns dias com ministros e amigos juristas. Na segunda-feira, determinou que o ministro da Defesa, Raul Jungmann, consultasse os comandantes das Forças Armadas sobre a iniciativa, que acabou sendo divulgada ontem, após reunião do presidente com a cúpula de inteligência do governo.
Alguns governadores solicitaram reforço da Força Nacional de Segurança, mas os limites constitucionais de atuação desse contingente impedem que atuem dentro dos presídios.
"É fato que a crise ganhou contornos nacionais, o que exige ação extraordinária do governo federal", justificou Temer, por meio do porta-voz presidencial. "Essa operação visa a restaurar a normalidade e os padrões básicos de segurança", completou.
Do início do ano até hoje, houve rebeliões em presídios de Manaus (AM), Boa Vista (RR) e Natal (RN), culminando na morte violenta de 134 detentos.
De acordo com o decreto presidencial, as Forças Armadas atuarão nas dependências das prisões para detectar a presença de armas, aparelhos celulares, drogas ou outros itens proibidos em poder dos detentos. O custo das operações não foi divulgado, mas virá de recursos federais.
"Os presídios deixarão de ser os escritórios do crime, o `home office´ dos criminosos", disse o ministro da Defesa, Raul Jungmann. Atualmente, há 350 mil militares na ativa. Jungmann esclareceu que estarão disponíveis militares das três Forças, e citou fuzileiros, a infantaria e paraquedistas, por exemplo.
As varreduras serão periódicas e de surpresa. A requisição do reforço militar, contudo, dependerá da concordância expressa do governador, já que a segurança pública é atribuição primordial dos Estados, conforme previsto na Constituição Federal. A presença das Forças Armadas será temporária, não permanente. A segurança das prisões continua sendo atribuição dos Estados.
"No intervalo entre uma e outra varredura, a responsabilidade será dos agentes penitenciários e da força de segurança dos Estados", explicou o ministro. O reforço militar representa o entendimento do presidente de que a crise carcerária é uma "questão nacional", e que "os Estados sozinhos não dão conta deste problema".
Jungmann acrescentou que as operações serão coordenadas pelas Forças Armadas, mas os militares não terão contato direto com o presos, nem no momento da varredura. "Vamos fazer nas instalações administrativas, os presos vão passar por raio X, por `scanners´, haverá bloqueio prévio dos celulares e da comunicação".
Além desta iniciativa, Temer determinou maior integração dos órgãos de inteligência do governo, nos moldes praticados durante os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro. O objetivo é viabilizar "intensa troca de informações" entre os setores de inteligência dos Estados e do governo federal sobre o combate ao crime organizado.
Também será criado um comitê de integração na área de inteligência formado pelos ministérios da Justiça, da Defesa e do Gabinete de Segurança Institucional.
Temer discutirá a crise, agora, com os governadores de cada região, a começar pela região Norte. O anúncio do reforço militar foi feito logo após reunião comandada ontem por Temer com os ministros da Justiça, Alexandre de Moraes, da Defesa, Raul Jungmann, do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, e a cúpula dos órgãos de inteligência do governo: os comandantes das Forças Armadas e dirigentes da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), o secretário Nacional de Segurança Pública, da Receita Federal, do Coaf, da Polícia Federal e da Polícia Rodoviária Federal.

JORNAL ZERO HORA


Um novo papel para as Forças Armadas

Soldados não substituirão agentes penitenciários nem serão guardas de presídios: sua tarefa será fazer varreduras para localizar drogas, armas e celulares

O clamor da população pelo uso das Forças Armadas no combate ao crime sempre esbarrou na resistência dos ministros da Defesa e dos comandantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica. A alegação era de que os soldados são treinados para a guerra e que seria arriscado colocá-los nas ruas, no papel de polícia ostensiva. A partir da decisão do presidente Michel Temer de incluir as Forças Armadas no combate ao caos nos presídios, os governadores poderão pedir socorro em casos excepcionais, mas isso não pode ser visto como panaceia. Serão ações pontuais, em operações de contenção de rebeliões e de varreduras para apreensão de armas, drogas e celulares nos presídios.
Que ninguém se iluda imaginando que os soldados substituirão agentes penitenciários ou policiais militares que hoje cuidam dos presídios. Essa tarefa continuará sendo de responsabilidade dos Estados, mas é um avanço indiscutível, como foi a criação da Força Nacional, poder requisitar ajuda em casos de emergência.
No Rio Grande do Sul, o Exército já vem cooperando com o governo, seja na reforma do prédio que abrigará o Centro de Triagem e que deverá estar pronto em 20 dias, seja nas barreiras conjuntas com a Brigada.
A solução para o problema do sistema carcerário é bem mais complexa do que chamar as Forças Armadas para retirar drogas. armas e telefones de circulação. Antes de mais nada é preciso construir presídios, para acabar com a superlotação que transforma as cadeiras em barris de pólvora. E impedir que o material apreendido retorne valorizado pela lei da oferta e da procura.
O secretário da Segurança, Cezar Schirmer, é cauteloso. Diz que não está clara a forma como se dará o socorro aos Estados. Os detalhes serão definidos pelo ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, em reuniões regionais com os governadores.
Schirmer disse ao ministro que a melhor ajuda que as Forças Armadas podem dar é patrulhar as fronteiras par impedir a entrada de armas e drogas. O secretário também propôs que seja criada uma linha especial de crédito do BNDES ou do Banco Mundial, com juros baixos e prazos longos de carência e de pagamento, para construir presídios por um sistema diferenciado e mais rápido.

JORNAL ESTADO DE MINAS


PPP é estimada em R$ 4,3 bi com economia de até 30%, esclarece Aeronáutica


Agência Estado

Brasília, 17 - O Comando da Aeronáutica esclareceu que o projeto de Parceria Público-Privada (PPP) para gestão da rede de telecomunicações tem valor estimado de R$ 4,3 bilhões em operação e manutenção, sendo R$ 1,55 bilhão em investimento e o restante em custos operacionais. A expectativa da Aeronáutica é que durante o processo de concorrência seja possível receber propostas que permitam redução de até 30% na operação, o que resultaria no valor total envolvido no projeto para cerca de R$ 3,4 bilhões.

PORTAL G-1


Aeronáutica abre concurso para 358 vagas de formação de sargentos

Candidatos devem ter nível médio e idade entre 18 e 24 anos. Curso de formação será em Guaratinguetá (SP).

A Aeronáutica divulgou edital do concurso para o exame de admissão do curso de formação de sargentos para o primeiro semestre de 2018 (EA CFS 1/2018). No total, são oferecidas 358 vagas.
As oportunidades são para as especialidades de mecânico de aeronaves (50), material bélico (13), comunicações (14), foto inteligência (10), guarda e segurança (30), eletricidade e instrumentos (18), equipamento de voo (6), meteorologia (10), suprimento (14), informações aeronáuticas (10), cartografia (6), desenho (5), estrutura e pintura (8), eletromecânica (12), metalurgia (6), bombeiro (18) e controle de tráfego aéreo (128).
Os candidatos devem ter nível médio reconhecido por órgão oficial de ensino competente. É exigido ainda não ter menos de 17 anos e nem completar 25 anos de idade até 31 de dezembro de 2018.
As inscrições estarão abertas de 19 de janeiro a 17 de fevereiro pelo site http://ingresso.eear.aer.mil.br. A taxa é de R$ 60
O Curso de Formação de Sargentos da Aeronáutica (CFS) é ministrado sob regime de internato militar na EEAR, em Guaratinguetá-SP, com duração aproximada de 2 anos e abrange instruções nos campos geral, militar e técnico-especializado.
O processo seletivo terá prova escrita, inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica e teste de avaliação do condicionamento físico.
As provas escritas serão aplicadas na data provável de 14 de maio, às 9h, nas cidades de Belém, Recife, Fortaleza, Salvador, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, São Paulo, São José dos Campos (SP), Campo Grande, Canoas (RS), Santa Maria (RS), Curitiba, Manaus, Porto Velho e Brasília.
Aeronáutica
Vagas: 358
Inscrições: 19 de janeiro a 17 de fevereiro
Taxa: R$ 60
Provas: 14 de maio

Padilha aposta em efeito psicológico das Forças Armadas em presídios


Gerson Camarotti Blog Do Camarotti

Em conversa com o Blog, o ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que haverá um efeito psicológico na presença das Forças Armadas dentro dos presídios para vistorias. Ele ressaltou que o uso de homens do Exército, da Marinha e da Aeronáutica só acontecerá diante da solicitação dos governadores.
“A atuação das Forças Armadas em presídios vai depender da solicitação dos estados para que haja a Garantia da Lei e da Ordem”, enfatizou Padilha.
Reguladas pela Constituição, as missões de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) ocorrem nos casos em que há o esgotamento das forças tradicionais de segurança pública, em graves situações de perturbação da ordem.
O ministro destaca ainda o aparato tecnológico das Forças Armadas para fazer a revista nos presídios. A decisão de colocar as Forças Armadas à disposição dos governadores para operações específicas em presídios foi tomada pelo presidente Michel Temer depois de constatar que esta é uma situação de segurança nacional. Temer começou a fazer consultas aos auxiliares mais próximos nesta segunda-feira (16).
Questionado pelo Blog sobre uma eventual reação de presos às vistorias das Forças Armadas, Padilha considerou esse cenário improvável.
“A presença das Forças Armadas nos presídios terá um efeito emocional importante. Esse fator psicológico é importante neste momento para mostrar a presença do Estado. Até porque se acontecer um ataque aos militares, haverá uma resposta”, argumentou Padilha.

Temer oferece Forças Armadas para operações em presídios, diz porta-voz

Ações serão `rotineiras´ e buscarão `restaurar normalidade´ em penitenciárias, segundo o Planalto; ida de militares para os estados dependerá de aval dos governadores.

Luciana Amaral

O porta-voz do governo federal, Alexandre Parola, afirmou nesta terça-feira que o presidente Michel Temer decidiu colocar as Forças Armadas à disposição dos governadores para operações específicas em presídios.
A declaração à imprensa no Palácio do Planalto aconteceu logo após reunião de Temer com representantes de órgãos de inteligência federal e ministros para discutir ações contra a violência nos presídios brasileiros e contra o crime organizado.
"O presidente da República coloca à disposição dos governos estaduais o apoio das Forças Armadas. A reconhecida capacidade operacional de nossos militares é oferecida aos govenadores para ações de cooperação específicas em penitenciárias”, afirmou o porta-voz (assista no vídeo abaixo). Segundo ele, a ida de militares para os estados dependerá do aval dos governadores.
De acordo com Parola, as Forças Armadas irão entrar nos presídios para fazer inspeções de rotina e buscar materiais proibidos.
“Haverá inspeções rotineiras dos presídios com vistas à detecção e à apreensão de materiais proibidos naquelas instalações. Essa operação visa a restaurar a normalidade e os padrões básicos de segurança dos estabelecimentos carcerários brasileiros”, acrescentou.
Ministro da Defesa
Após o anúncio de Parola, o ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou que não haverá contato direto entre os militares e os presos. Ele explicou que as varreduras serão periódicas e acontecerão "de surpresa".
Segundo Jungmann, para que as Forças Armadas atuem nos presídios, será necessário que os governadores solicitem um decreto de Garantia da Lei da Ordem (GLO) ao presidente, que vai determinar o envio dos militares.
"Entretanto, as Forças Armadas não vão lidar com os presos. Esse papel vai ficar com as polícias e com os agentes penitenciários", acrescentou.
A decisão de o governo ceder militares para os estados será publicada na edição desta quarta (18) do "Diário Oficial da União".
"Neste caso, o instrumento legal será uma GLO, uma Garantia da Lei e da Ordem, ou seja, o governador, solicitando ao presidente, o presidente vai, então, editar um decreto de GLO e, obviamente, essas operações, elas serão coordenadas plenamente pelas Forças Armadas", explicou o ministro.
O ministro não deu mais detalhes sobre a quantidade de militares que vão auxiliar na operação, sobre quanto será gasto na operação e nem a data de início do envio das tropas. "Os detalhes serão divulgados amanhã", disse.
O governo marcou uma entrevista coletiva no Ministério da Defesa para as 10h desta quarta (18).
Ação do governo
Alexandre Parola disse que Temer decidiu lançar as medidas de apoio aos governos estaduais "diante da crise", o que, segundo ele, "exige a ação extraordinária do governo federal".
Entretanto, o porta-voz ressaltou que os estados continuam sendo os responsáveis pelos presídios constitucionalmente.
"Diante da crise no sistema penitenciário nacional, o presidente da República decidiu lançar novas medidas de apoio aos governos estaduais, que são os responsáveis constitucionais pelos estabelecimentos carcerários. Sem prejuízo desta responsabilidade, é fato que a crise ganhou contornos nacionais, o que exige a ação extraordinária do governo federal", declarou.
A iniciativa do Planalto acontece logo depois de diversos governadores pedirem o reforço da Força Nacional para a segurança dentro dos presídios estaduais. Apesar de fazer um policiamento mais ostensivo nos estados quando solicitada, a tropa não pode entrar nas penitenciárias.
Força Nacional
Nesta terça, o governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria, pediu reforço da Força Nacional para intervir e entrar na Penitenciária de Alcaçuz, onde 26 detentos morreram após rebelião, além de "promover a retomada do controle no sistema prisional", segundo carta enviada ao governo federal.
No início do mês, os governos do Amazonas e de Roraima também pediram ajuda à Força Nacional após massacres em presídios de Manaus e Boa Vista.
O governo de Roraima chegou a anunciar, inclusive, que os agentes da Força Nacional atuariam dentro e fora das unidades prisionais, o que foi prontamente corrigido pelo Ministério da Justiça.

Falha na iluminação da pista desvia e cancela voos no aeroporto de Goiânia

Infraero informa que já trabalha para corrigir problema no sistema de luzes. Onze voos foram desviados a outros aeroportos; oito foram cancelados.

G1 Go

Uma falha no sistema de iluminação da pista do Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, cancelou e desviou voos na noite desta segunda-feira (16). Segundo a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), não há previsão para normalização dos serviços.
De acordo com o site da Infraero, até as 22h30, o aeroporto estava fechado e oito voos que deveriam decolar do local foram cancelados. Outros onze previstos para pousar na cidade foram desviados para outros aeroportos.
A Infraero informou que o problema ocorreu no sistema de balizamento - também chamado de luzes de aproximação - que ajuda a orientar os aviões nos pousos e decolagens. A empresa destacou que equipes de manutenção já trabalham no local para restabelecer o sistema.

Avião cai após bater em árvore durante nevoeiro e piloto sobrevive

Queda de avião agrícola aconteceu em fazenda de Monte do Carmo. Acidente foi enquanto plantação de soja era pulverizada.

João Guilherme Lobasz

Um avião agrícola caiu na manhã desta terça-feira (17), em uma fazenda na zona rural de Monte do Carmo, região central do Tocantins. Segundo a Polícia Militar, que atendeu a ocorrência, a aeronave bateu em uma árvore durante um nevoeiro. A batida danificou uma das asas. O piloto tentou um pouso de emergência, mas caiu próximo a uma estrada rural.
O acidente aconteceu na fazenda Esteio. O piloto, Thiago Formehl, de 21 anos é filho do dono da propriedade. Ele ficou ferido durante o acidente e foi levado, primeiro para o Hospital Municipal de Monte do Carmo e depois transferido para um hospital particular em Palmas. O pai de Thiago, Eusir Formehl, informou que ele teve apenas escoriações. Ele está consciente e passa bem. Thiago vai passar a noite internado para se recuperar.
Ainda de acordo com Eusir, Thiago estava indo da fazenda Esteio para outra fazenda de propriedade da família, a Gameleira. Ele iria encontrar o restante dos familiares, que estavam reunidos na segunda propriedade. O pai contou que o piloto teria se perdido em função do nevoeiro.
Eusir informou que Thiago já pilota há dois anos, fazendo serviços de pulverização nas propriedades da família. Ele nunca tinha sofrido nenhum tipo de acidente.
O G1 procurou a Força Aérea Brasileira. Até as 19h desta terça-feira (17) eles ainda não haviam registrado o acidente.

Empreendedores, ex-alunos do ITA comandam empresa milionária

Plataforma criada por eles reúne descontos para estudantes no Brasil. Em 2016, negócio em São José dos Campos gerou R$ 25 milhões.

Poliana Casemiro

Um grupo de ex-alunos do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA), em São José dos Campos, decidiu empreender depois da faculdade. Seis anos depois, a empresa que eles criaram gerou, só em 2016, uma receita de R$ 25 milhões. O trabalho dos jovens é gerir uma plataforma para busca de bolsas de estudo com desconto em todo o país.
O trabalho começou envolvendo cinco profissionais e hoje conta com cerca de 120 funcionários, a maioria jovens até 25 anos, em um escritório da cidade. Os estudantes explicam que o segredo do sucesso no empreendedorismo é a persistência. Os engenheiros da computação decidiram abrir o próprio negócio depois de se formar pelo ITA e constatarem que o mercado para a atuação na área em que eram formados era restrito.
O fundador da empresa, Bernardo de Pádua, 34 anos, explica que tiveram a ideia de do negócio próprio em 2007 com um projeto da própria universidade.
A ideia inicial era investir em educação, um mercado em expansão na época com a popularização do acesso ao ensino superior. O projeto inicial deles era uma rede social para ex-universitários em que as instituições de origem destes alunos, onde eles se formaram, conseguissem fidelizá-lo quando eles optassem continuar os estudos, em cursos de especialização, mestrado e doutorado. O modelo do negócio fracassou.
Eles não desistiram e, após fazerem um estudo de mercado, criaram um `marketplace´ na web, que uma plataforma que funciona como um shopping virtual com a oferta de cursos de formação. O Quero Bolsa começou a funcionar em 2010.
À época com 26 anos, o engenheiro Bernardo conta que começou as atividades com um fundo de R$ 500 mil que obteve por meio de financiamento associado à busca por parcerias com instituições de ensino. “Saí da faculdade pensando em empreender, eu queria criar algo. Mas tivemos que fazer um trabalho de `formiguinha´, com cinco pessoas e fomos dando pequenos passos que nos levaram ao que somos hoje”, explicou.
A plataforma funciona como sites que oferecem descontos em viagens, por exemplo, só que nesse caso com redução nos preços em cursos de graduação e pós-graduação. O desconto na parceria com as instituições oferecido na página da empresa varia de 10% a 80%.
Um dos fundadores da empresa, o engenheiro Lucas Silveira, de 29 anos, recordou que há seis anos, a iniciativa era arriscada. Ele decidiu trocar a possibilidade de atuar em uma empresa consolidada pela incerteza de investir no próprio projeto.
“É preciso, acima de tudo, coragem para empreender. Um negócio não se estabiliza da noite para o dia. Mas é recompensador ver os pequenos passos no negócio gerarem resultado”, contou Lucas.
Segundo ele, com base na experiência que adquiriu, projetos que dão errado normalmente se baseiam apenas na vontade de ter um negócio - sem um estudo prévio do mercado. Para ele, a falha do grupo no primeiro projeto foi o pontapé para entender o que alunos e instituições buscava,.
“Elas queriam novos alunos e os alunos queriam ingressar no ensino superior, mas queriam preços melhores. A gente uniu isso em um produto”, disse.
A empresa vinha até 2015 com rendimento médio, anual, de cerca de R$ 5 milhões. Em 2016 atingiu seu melhor rendimento, ao alcançar cem mil estudantes e render R$ 25 milhões.
Especialista
O gerente do Sebrae de São José dos Campos, Rodrigo Matos do Carmo, explica que empreender é um bom começo para a carreira, mas é preciso ter além de uma ideia, conhecimento sólido do nicho em que pretende atuar e de que maneira isso vai funcionar.
“O empreendedor precisa conhecer o mercado, saber suas necessidades e estudar a melhor maneira de oferecer uma solução para essa demanda. Depois disso, é saber que se começa com o menor custo possível e que manter o negócio é uma busca constante em se adequar às demandas do seu público. É um processo”, explicou o especialista.

Estados não resolvem sozinhos `emergência nacional´, diz Jungmann

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, falou com exclusividade ao Blog.

Blog Do Camarotti

Leia abaixo a transcrição da entrevista do ministro Raul Jungmann ao Blog:
Blog do Camarotti: Ministro, qual foi o objetivo dessa decisão de colocar as Forças Armadas para essa vistoria, varredura dentro dos presídios?
Raul Jungmann: Bom, a ideia aqui é apoiar os governos estaduais e, ao mesmo tempo, contribuir para frear essa aspiral de violência que está ocorrendo dentro do sistema prisional do país. Nós estamos, além das Forças Armadas, que vão realizar a vistoria, a varredura e retirar as armas e explosivos e retirar tudo aquilo que tem contribuído para esta carnificina dentro do sistema prosional, o governo federal, através de determinação do presidente Temer, está oferecendo recursos para compra para todo sistema prisional de bloqueadores de celular, de raio x e de scanners. Então, feita a limpeza dos presídios e penitenciárias, retirando todos esses objetos que contribuem para esta situação e também tirando os celulares, que é um meio de comunicação que existe atualmente do crime no interior dos presídios com as gangues lá fora e, colocando essa ferramentas à disposição dos governos, nós estaremos dando uma contribuição que nós repitamos importante para reduzir não apenas essa violência no interior do sistema, mas também para cortar essa relação dos chefes que estão presostêm com suas quadrilhas que estão fora das prisões e penitenciárias. Essa é a razão dessa determinação do presidente Temer e que as Forças Armadas vão cumprir, como sempre, com a competência, logística e planejamento que elas desenvolveram ao longo do tempo.
Blog: No momento da varredura das Forças Armadas nos presídios, caso haja uma rebelião, como se evitaria um novo Carandiru?
Jungmann: Em primeiro lugar, quem vai lidar com os presos serão as polícias militares, os agentes penitenciários e, em alguns casos, a Força Nacional. O que as Forças Armadas vão cuidar é de fazer uma limpeza completa nas instalações, deixando elas limpas e, daí em diante, a responsabilidade para que elas assim permaneçam vai ficar na mão dos governos estaduais e dos sistemas prisionais dos estados e para isso estamos colocando um conjunto de ferramentas: o scanner, o raio x, o bloqueador para que de fato não voltem a entrar esses instrumentos ou substância que contribuem para a insegurança e o descontrole dos presídios brasileiros.
Blog: Risco de confronto não haveria?
Jungmann: Eu diria que todo planejamento será feito e será bem feito para evitar isso. Além do mais, quando um governador solicitar ao presidente da República que as Forças Armadas façam essa limpeza nas penitenciárias, o instrumento legal será o GLO. Ou seja, um decreto de Garantia da Lei e da Ordem. Nesse decreto, que observa o mandamento constitucional, o controle do planejamento e a execução ficam nas mãos das Forças Armadas, que contarão com o apoio e o suporte das polícias Civil e Militar, do sistema penitenciário e seus agentes, e também, quando necessário, da Força Nacional de Segurança. Isso significa que vai se reduzir ao mínimo a possibilidade de qualquer tipo de confronto.
Blog: Essa decisão do presidente Michel Temer de colocar as Forças Armadas é uma resposta, é um sinal de que essa é uma grave crise de segurança não só dos estados, mas do país como um todo?
Jungmann: Eu não diria que o país ou a nação está em crise mas, de fato, é uma emergência nacional que nós estamos vivendo e, em particular, dado que o crime se nacionalizou no Brasil, o PCC e Comando Vermelho estão em praticamente em todos os estados, e que eles também começam a disputar mercado na área internacional, é evidente que os governos estaduais sozinhos não poderiam resolver essa emergência. Daí, a decisão do presidente, que é uma decisão corajosa, de empregar a força do Estado, o prestígio, a capacidade que têm as Forças Armadas para darem apoio aos estados e também para cortar essa aspiral de violência e tragédias que tem ocorrido no interior do sistema.
Blog: Como foi recebida pelas Forças Armadas essa decisão do presidente Michel Temer?
Jungmann: As Forças Armadas já vêm, através de, por exemplo, decretos de Garantia da Lei e da Ordem, só citando os mais recentes, em Natal, nós entramos quando havia uma situação de rebelião e de ameaça à ordem pública. No caso também de São Luis, a mesma coisa: o desafio dos criminosos à ordem e à segurança e nós também fomos lá, no caso as Forças Armadas. Mais recentemente, em Pernambuco, onde uma greve das polícias colocava em risco a segurança, a propriedade e as pessoas. Em todos esses casos, as forças estavam contribuindo para restaurar ou manter a segurança e a ordem pública, então, elas encaram isso como missão. E missão para as Forças Armadas aqui é sempre dito e sempre respondido o seguinte: missão dada, missão cumprida! E assim vai ser feito.

AGÊNCIA BRASIL


Governadores deverão solicitar atuação das Forças Armadas em presídios


Heloisa Cristaldo

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou hoje (17), em Brasília, que as Forças Armadas serão usadas mediante a demanda dos governadores dos estados afetados pela crise no sistema penitenciário. O uso das tropas militares na inspeção de materiais considerados proibidos nos presídios foi divulgado no início da tarde pela Presidência, após reunião entre o presidente Michel Temer e autoridades dos órgãos de segurança e de instituições militares do governo federal.
“O presidente da República determinou que as Forças Armadas participem mais intensamente do Plano Nacional de Segurança. Colocou à disposição o Exército, a Marinha, a Aeronáutica para aqueles governadores que quiserem contar com a participação das Forças Armadas na varredura, detecção e levantamento de armas, drogas, celulares, enfim, tudo aquilo que não é permitido dentro de presídios”, explicou o ministro da Defesa.
Segundo ele, os militares não terão contato com os presos durante as vistorias. Os detentos serão encaminhados aos pátios das penitenciárias para realização das inspeções. O governo federal vai oferecer aos estados equipamentos como bloqueadores de celular, scanners e aparelhos de raios X para realizar as inspeções.
“Em todos os presídios e penitenciárias que os governadores julgarem importantes, sensíveis e necessários, as Forças Armadas, periodicamente e de surpresa, vão fazer a revista. A responsabilidade [pelo gerenciamento e segurança das unidades] ficará, obviamente, com os agentes penitenciários e com as forças de segurança dos estados”, disse.
Para fazer uso das Forças Armadas, os governadores devem solicitar ao presidente um decreto de Garantia da Lei da Ordem (GLO), que é o instrumento legal que vai determinar o envio dos militares. Neste caso, o comando da operação fica a cargo das Forças Armadas.
“Essa é uma questão nacional. O crime no Brasil se nacionalizou e se internacionaliza e os estados sozinhos não têm, hoje, condições de dar conta do problema. Os presídios hoje são autênticos escritórios de trabalho do crime organizado. Crime esse que vem saindo da esfera da segurança pública para ser um desafio às instituições. Isso não é e nem será tolerado”, destacou Jungmann.
O ministro não informou a previsão de início da operação, detalhes da atuação das Forças Armadas e nem o efetivo envolvido na iniciativa. Segundo ele, as informações serão divulgadas em entrevista coletiva no Ministério da Defesa na manhã desta quarta-feira (18).
Satélite
As declarações de Jungmann foram dadas durante visita ao Centro de Operações Espaciais do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas, em Brasília. Esse satélite será lançado no dia 21 de março, no Centro Espacial de Kourou, na Guiana Francesa. Cerca de R$ 2,1 bilhões serão investidos no projeto, que deve iniciar as operações em 2018.
O aparelho ficará estacionado a uma distância de 36 mil quilômetros da superfície da Terra e dará cobertura a todo o território nacional e parte do Oceano Atlântico. Segundo o ministro, o lançamento do satélite vai permitir a universalização da internet em banda larga no país.

JORNAL A CRÍTICA (AM)


Aeronáutica não tem prazo para encerrar investigações sobre quedas de aviões no AM

A Força Aérea continua a investigar as causas dos dois acidentes aéreos ocorridos em Manaus e Tabatinga em dezembro

Vinicius Leal

A Força Aérea Brasileira continua a investigar as causas dos dois acidentes aéreos ocorridos durante o mês de dezembro no Amazonas, o primeiro em Manaus no dia 7 de dezembro, e o segundo em Tabatinga no dia 23 de dezembro. Segundo o Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa VII), ainda não há prazo para encerrar as investigações.
“Não é possível prever um prazo para o término das investigações, o que varia de acordo com a complexidade do acidente”, informou por meio de nota o Seripa VII. “É importante esclarecer que a investigação tem o objetivo de prevenir acidentes e não apontar culpados. As investigações das duas ocorrências aeronáuticas estão em andamento”, declarou o Seripa.
O primeiro acidente, no dia 7 de dezembro em Manaus, vitimou seis pessoas, entre eles uma menina de 4 anos. A aeronave de pequeno porte modelo Embraer 720, de matrícula PT-REI, caiu por volta das 8h em uma área verde do bairro Parque Dez, na Zona Centro-Sul da cidade. O avião decolou às 7h45 do Aeroclube de Manaus com destino a Novo Aripuanã, e caiu de uma altura considerável até explodir contra o chão.
O outro acidente aéreo ocorreu no dia 23 de dezembro em Tabatinga, com três vítimas fatais e um sobrevivente. O avião modelo BE-58, matrícula PT-ICU, decolou às 10h32 do município de Tefé e às 11h30 desapareceu dos radares, até cair a cerca de 13,5 quilômetros de distância da pista do aeródromo de Tabatinga, o destino final.

MINISTÉRIO DA DEFESA


Ministro Jungmann visita Centro de Operações Espaciais do Satélite Geoestacionário


Por Alexandre Gonzaga

O Brasil vai colocar em órbita, em março, um moderno satélite para permitir a melhora na fiscalização dos 17 mil quilômetros de fronteira com 10 países sul-americanos. Para o ministro da Defesa, Raul Jungmann, o equipamento também irá por fim no apartheid da internet, assegurando o serviço de banda larga para todo território nacional.
“Esse satélite vai permitir uma grande melhoria nas condições de fiscalização das fronteiras”, informou Jungmann, que visitou nesta terça-feira à tarde, em Brasília, o Centro de Operações Espaciais, responsável por operar, da terra, o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC).
“O satélite geoestacionário vai acabar com o apartheid digital. Todo o brasileiro, do Oiapoque ao Chuí, da Cabeça do Cachorro até Fernando de Noronha, vai dispor de banda larga”, comentou o ministro.
Ainda segundo Jungmann, o SGDC é o maior projeto de inclusão digital que o País já teve. “Além disso, o satélite, que será controlado pelos brasileiros, vai propiciar a segurança das comunicações na área de defesa e na área governamental”, acrescentou.
Ao falar com os jornalistas, durante a visita, o ministro disse que o satélite vai representar um grande salto em termos de soberania e segurança das comunicações. “O satélite representa uma aquisição de tecnologia, porque engenheiros brasileiros participaram desde o início do seu projeto.”
O lançamento do SGDC está previsto para o dia 21 de março, às 19 horas, do Centro Espacial de Kourou, localizado na Guiana Francesa.
O ministro informou aos jornalistas que está indo nesta quarta-feira (18) para Tabatinga (AM) e, depois, para Dourados (MS), para supervisionar o trabalho de segurança e defesa das fronteiras feito pelos militares das Forças Armadas e conhecer o projeto piloto do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron).
Satélite Geoestacionário
O projeto é uma parceria entre os Ministérios da Defesa e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, e envolve investimentos da ordem de R$ 2,1 bilhões. O Satélite, adquirido pela Telebras, terá uma banda KA, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), e uma banda X, que corresponde a 30% do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas. O Ministério da Defesa investiu cerca de R$ 500 milhões para utilização da banda X pelos próximos 18 anos, tempo de vida estimado do produto.
Com isso, o Brasil passará a fazer parte do seleto grupo de países que contam com seu próprio satélite geoestacionário de comunicações, diminuindo a necessidade de alugar equipamentos de empresas privadas, o que vai gerar uma economia significativa aos cofres públicos e maior segurança em suas comunicações.
O SGDC expandirá a capacidade operacional das Forças Armadas, por exemplo, em operações conjuntas nas regiões de fronteira terrestre, em eventuais operações de resgate em alto mar e ainda no controle do espaço aéreo.

JORNAL O TEMPO (MG)


Balão sem tripulantes cai em casa de Dores do Campo

De acordo com a polícia da cidade, foi feito uma busca na região e nas unidades hospitalares da cidade e ninguém foi encontrado ferido ou se responsabilizando pelo balão.

Natália Oliveira

Um balão artesanal caiu nesta segunda-feira (16) na zona rural de Dores dos Campos, no Campo das Vertentes. De acordo com a Polícia Militar da cidade, o balão caiu em um lugar chamado Lagoa Seca, em uma área de mata de difícil acesso, o mais curioso foi que ninguém foi encontrado dentro do balão.
De acordo com a polícia da cidade, foi feito uma busca na região e nas unidades hospitalares da cidade e ninguém foi encontrado ferido ou se responsabilizando pelo balão. O morador do local onde caiu o balão contou que a princípio pensou que seu terreno tinha sido invadido por ciganos e só depois percebeu que era um balão.
Uma perícia da Força Aérea Brasileira (FAB) foi acionada para investigar o caso, porém até a tarde desta terça-feira (17) não se sabia a origem do balão.

OUTRAS MÍDIAS


DEFESA E SEGURANCA


Indústria brasileira pode suprir todas as demandas das Forças, acredita Basílio

O secretário de Produtos (Seprod) do Ministério da Defesa, Flávio Basílio, acredita que a indústria brasileira tem condições de suprir toda a demanda das Forças Armadas. Mas, para ele, o fortalecimento da indústria nacional depende da mudança na percepção da sociedade sobre a Defesa, para que se possa garantir investimentos para desenvolver a independência tecnológica do setor. É essa mudança que o secretário define como diretriz central da sua gestão na pasta. Em entrevista exclusiva ao ID&S, Basílio aponta as ações tomadas para ampliar os investimentos do setor, que movimenta anualmente mais de R$ 200 bilhões.
ID&S: Quais as principais metas da SEPROD em 2017?
Flávio Basílio: Uma de nossas prioridades será, certamente, concluir a revisão do marco regulatório para o setor de defesa. Além disso, precisamos estruturar e ampliar nossa inteligência comercial, e os mecanismos institucionais da relação governo a governo na área da indústria de defesa.
ID&S: O senhor crê que é possível o Brasil suprir as suas Forças Armadas a partir da indústria nacional?
Flávio Basílio: Não tenho dúvidas disso. Atualmente, nossa Base Industrial de Defesa já reúne condições para atender boa parte das demandas das Forças Armadas, não só pela elevada capacidade industrial, mas, especialmente, pelo alto índice de inovação tecnológica dos profissionais envolvidos. Cabe destacar, no entanto, que mesmo países como os Estados Unidos, que poderiam suprir todas as necessidades de suas Forças por produtos de defesa, estão sempre buscando novas parcerias. Isso porque o setor de defesa está inserido numa cadeia globalizada, na qual a troca por produtos e conhecimento precisa ser fomentada. Sendo assim, precisamos resguardar os objetivos estratégicos do Brasil, identificar quais as tecnologias críticas que desejamos dominar e, principalmente, estabelecer parcerias estratégicas de longo-prazo para aumentar a capacidade produtiva e de inovação da nossa indústria.
ID&S: A indústria de defesa desempenha um grande papel na inovação tecnológica, que é o principal fator de geração de riquezas das nações desenvolvidas. Como o senhor crê que a nossa indústria possa ser estimulada a buscar inovações tecnológicas?
Flávio Basílio: Talvez, o principal vetor de desenvolvimento tecnológico e industrial no Brasil está vinculado à obtenção das Forças Armadas. Se hoje dominamos a tecnologia aeronáutica, este resultado só foi possível porque, no passado, pioneiros e desbravadores engenheiros e militares acreditaram na nossa indústria e no desenvolvimento tecnológico no Brasil. Não tenho dúvidas que do ponto de vista financeiro de curto-prazo, esta foi a decisão mais arriscada e mais cara. No entanto, permitiu um enorme salto tecnológico no Brasil ao ponto de sermos o terceiro maior produtor de aviões de todo o mundo. Precisamos manter a coragem e a determinação desses pioneiros. A nossa indústria é constantemente desafiada a desenvolver soluções para as nossas Forças Armadas, razão pela qual o Brasil conta com elevado nível de Inovação Tecnológica. Aqui, o conhecimento e os benefícios gerado na indústria de defesa não se limitam ao meio militar, mas transbordam para outras áreas com benefícios para toda a sociedade brasileira.
ID&S: Quais medidas de incentivo deverão ser implementadas ao longo de 2017 no sentido de apoiar a Indústria de Defesa?
Flávio Basílio: Um dos principais desafios da SEPROD para o próximo ano será inserir e dar voz ativa à indústria de defesa no setor de comércio exterior. É essencial a nossa participação na Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) da Presidência da República, para que o segmento possa contar com tratamento justo e simétrico em relação a outros setores da atividade produtiva. Também estamos avaliando a inserção dos produtos de defesa como beneficiários dos créditos concedidos pelos Fundos Constitucionais de Desenvolvimento, estamos estruturando linha de crédito específica para países interessados em adquirir nossos produtos de defesa e buscando aperfeiçoar os mecanismos institucionais de seguro e garantia de exportações.

PORTAL TELE.SÍNTESE (SP)


Aeronáutica pretende passar para iniciativa privada sua rede de telecom

A intenção é lançar o edital em junho e assinar o contrato no segundo semestre.
DA REDAÇÃO
A Aeronáutica pretende lançar consulta pública este mês e lançar o edital em junho para a criação de uma Parceria Público Privada (PPP) que ficará responsável pelo projeto, instalação, operação, gestão e manutenção de toda a sua rede de telecomunicações.
Conforme a agência Estado, a Aeronáutica tem hoje 68 diferentes contratos de serviço de telecomunicações entre oito órgãos, como o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) e os Centros Integrados de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta). A rede usa satélites, redes de fibra óptica e micro-ondas, além de instalações como estações terrestres.
A ideia é remunerar a empresa – que passará a ter 100% de capital privado – mensalmente. Mas a PPP poderá permitir que a capacidade ociosa dessa rede seja revendida no mercado, e assim o valor a ser pago pela Aeronáutica seja menor. Estima-se que o projeto irá demandar R$ 1,55 bi em investimentos e R$ 1,2 bi em custos operacionais. (com agência)

MIDIA NEWS (MT)


“Foi uma despedida; eles estavam muito felizes”, diz prima

Familiares relatam últimos dias ao lado de vítimas de um acidente de carro no interior de Goiás
ÉRIKA OLIVEIRA
A família de Guarantã do Norte (745 km ao Norte de Cuiabá) que morreu em um trágico acidente no interior de Goiás, no último final de semana, voltava de uma viagem de férias na casa de parentes, em Fortaleza (CE).
As vítimas são João Victor Catunda, 34 anos, sua esposa Michelly Damin, cuja idade não foi revelada, e os filhos - uma menina de 12 anos e um bebê de apenas cinco meses.
Abalados, familiares relataram que os últimos dias em que estiveram ao lado das vítimas pareciam ser “uma despedida”.
“Foi praticamente uma despedida, eles estavam muito felizes e nós estávamos em festa com a vinda deles”, disse Camilla Catunda, prima de João Victor, em entrevista ao MidiaNews.
Segundo Camilla, João Victor – que era capitão da Aeronáutica - havia se mudado recentemente para Brasília em função de seu trabalho.
“Eles tinham vindo para Fortaleza [onde moram parentes de Catunda] passar as férias, para a minha formatura, que foi no dia 07 de janeiro, e para nos apresentar o J.M, que completaria cinco meses nesta segunda-feira”, disse.
Michelly Damin e a filha mais velha – fruto de outro relacionamento - eram mato-grossenses de Guarantã do Norte. Ela era assistente social, mas desde o nascimento de J.M se dedicava aos cuidados do filho caçula.
Conforme o relato, o casal, que havia completado dois anos de casado em dezembro, estava radiante com a família que tinha formado.
“A J. era filha só dela, mas eles se casaram e o João Victor assumiu. Ele a chamava de filha e os dois tinham uma relação muito bonita. E agora eles estavam vivendo esse momento da chegada do J. M., que era o primeiro filho deles enquanto casal” revelou Camilla.
“Primo, sua família era maravilhosa. Qualquer pessoa, mesmo de longe, conseguia ver a felicidade que todos vocês estavam sentindo!”, escreveu outra familiar, em uma homenagem no Facebook.
As primeiras notícias sobre o acidente e a morte da família foram repassadas pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) ao irmão de Michelly e, posteriormente, um tenente da Aeronáutica se encarregou de comunicar os familiares de João Victor.
Após a tragédia, os corpos foram velados em Brasília, onde as vítimas estavam morando atualmente. Um segundo velório foi realizado na Serra do Cachimbo (PA), onde João Victor serviu a Aeronáutica. Por último, os corpos para Guarantã do Norte, onde foram sepultadas ontem à tarde.
O acidente
O acidente, que matou seis pessoas no último sábado (14), aconteceu na cidade de Flores de Goiás (437 km de Goiânia).
A família mato-grossense seguia em um Honda City, quando colidiu contra um Pálio – com placas de Alvorada do Norte (GO) -, no Km 103 da BR 0-20.
Conforme a equipe do Corpo de Bombeiros que atendeu a ocorrência, com a batida, a mulher e o bebê da família de Mato Grosso foram arremessados para fora do veículo. Os demais ocupantes do City ficaram presos às ferragens.
O casal que ocupava o Palio também não resistiu aos impactos da batida. O motorista morreu no local. Já a passageira foi socorrida por uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas faleceu a caminho do hospital.
“O cenário era muito devastador. A violência do impacto foi muito grande”, disse o major do Corpo de Bombeiros, Bráulio Flores.
De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), ainda não há informações sobre a causa do acidente. A identidade das outras vítimas não foi revelada.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented