|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 16/11/2016 / Embraer anuncia venda de US$ 1 bilhão aos EUA


Embraer anuncia venda de US$ 1 bilhão aos EUA ...

Segunda maior linha aérea do país norte-americano, United Airlines vai adquirir 24 jatos E175 ...

A Embraer anunciou ontem que assinou um contrato com a United Airlines, segunda maior linha aérea dos Estados Unidos e do mundo, para a venda de 24 jatos E175. O contrato tem valor de US$ 1,08 bilhão, a preço de lista.

A encomenda, segundo a fabricante, representa uma transferência de 24 jatos E175 previamente alocados para a Republic Airways Holdings, atualmente na carteira de pedidos da Embraer, que agora serão cancelados.

Os 24 aviões para a United Airlines estão programados para ser entregues em 2017.

De acordo com a Embraer, o movimento estará refletido nos resultados da companhia do quarto trimestre de 2016, mas não terão impacto na atual carteira de pedidos da empresa.

Em 30 de setembro deste ano, no fechamento do terceiro trimestre do ano, a carteira de pedidos firmes a entregar da Embraer alcançou US$ 21,4 bilhões.

Recuperação. A transferência do contrato da Republic para a United Airlines vem em um momento de recuperação da Embraer diante de questões conturbadas. A empresa fechou o terceiro trimestre do ano com prejuízo líquido de R$ 111,4 milhões, valor 66,97% menor do que o prejuízo reportado no segundo trimestre de 2016, de R$ 337,3 milhões.

A receita líquida da companhia atingiu R$ 4,913 bilhões, entre julho e setembro, aumento de 7,34% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 4,577 bilhões. Segundo a Embraer, a alta na receita se deu principalmente pelo crescimento de vendas dos segmentos de aviação comercial e na área de defesa e segurança.

Demissão. Desde o começo de outubro, depois de um PDV (Programa de Demissões Voluntárias), a empresa demitiu 1.642 trabalhadores e ainda anunciou, na semana passada, negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos para suspender, por até cinco meses, o contrato de trabalho de 2.000 pessoas em São José.

Reunião hoje pode determinar greve
Negociando em nome da Embraer, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) terá hoje nova reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos para discutir o reajuste salarial dos trabalhadores da companhia.

A categoria ameaça greve caso a entidade não proponha um índice para aumento salarial. Até agora, a Fiesp propôs o pagamento de um abono fixo, que pode chegar a R$ 9 mil, no lugar de um reajuste salarial para os trabalhadores da Embraer e do setor aeronáutico. Em assembleias nas últimas semanas, empregados da companhia rejeitaram a proposta do abono fixo.

O sindicato defende 11% de reajuste e estabilidade no emprego. A data-base da categoria é 1º de novembro. Apenas em São José, a Embraer emprega 13 mil dos seus 17,5 mil funcionários.



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL UOL


Rio requisita Força Nacional para manter ordem


Josias De Souza

ImagemO governador fluminense Luiz Fernando Pezão requisitou ao ministro Alexandre Moraes (Justiça) o envio de um efetivo de 500 soldados da Força Nacional para assegurar a manutenção da ordem pública no Rio de Janeiro durante o processo de votação do pacote anticrise na Assembléia Legislativa do Estado. Por ordem de Michel Temer, o pedido foi atendido. Os soldados permanecerão no Rio por pelo menos 15 dias.
O pedido de socorro de Pezão escancara as dificuldades do governador com as forças de segurança do Rio, em pé de guerra contra o pacote fiscal editado para tentar atenuar a falência do Tesouro estadual. No ofício endereçado à pasta da Justiça, Pezão anotou que pediu ajuda por conta da “insuficiência de meios e esgotamento dos instrumentos destinados à preservação da ordem pública, da incolumidade das pessoas e do patrimônio.”
A ideia é que a tropa da Força Nacional ajude a Polícia Militar do Rio a garantir a segurança na área ao redor da Assembleia Legislativa, que inicia o processo de discussão e votação do pacote anticrise nesta quarta-feira. Servidores públicos ativos e aposentados organizam protestos.
O Ministério da Justiça divulgou na noite desta terça-feira uma nota. Vai abaixo a íntegra:
"Hoje, 15/11/16, o governador do Estado do Rio de Janeiro, Luiz Fernando de Souza, solicitou ao Ministério da Justiça e Cidadania o apoio da Força Nacional naquele Estado, com o objetivo de apoiar na preservação da ordem pública, por ocasião das medidas de ajustes propostas pelo Poder Executivo estadual,e que já ocasionou graves transtornos à segurança pública do Estado.
Dessa forma, o ministro Alexandre de Moraes autorizou o deslocamento imediato de um efetivo da Força Nacional para a cidade do Rio de Janeiro a fim de atender ao solicitado, por um prazo inicial de 15 dias."

JORNAL CORREIO BRAZILIENSE


HFA abre sindicância contra médicos suspeitos


Otávio Augusto

Apontado como um dos médicos mais atuantes no esquema investigado pela Operação Mister Hyde, Rogério Gomes Damasceno é alvo também de uma sindicância no Hospital das Forças Armadas (HFA), no Cruzeiro, onde trabalha há 14 anos. A unidade de saúde vinculada ao Ministério da Defesa iniciou a apuração interna a pedido do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), após uma possível ligação de profissionais do HFA com a Máfia das Próteses — fraude com órteses e próteses vencidas e cirurgias desnecessárias (leia Entenda o caso). Rogério chegou a ficar preso temporariamente.
A promotoria de Justiça Criminal de Defesa dos Usuários dos Serviços de Saúde (Pró-Vida) encaminhou documentos e áudios de conversas à direção da instituição hospitalar para encorpar a investigação. Em trechos das gravações feitas pela Polícia Civil, Rogério se refere a escolhas de “comportamento” adotado no HFA. “Ele fez comentários sobre procedimentos realizados no hospital”, detalha o promotor Maurício Miranda.
O suspeito ingressou em abril de 2002 no quadro de funcionários do Hospital das Forças Armadas como médico classe D. Em julho de 2009, ele ganhou uma promoção e passou para classe A. A remuneração do profissional, de acordo com levantamento do Portal da Transparência do Governo Federal, chegou a R$ 15.286,48, em setembro, dado mais recente divulgado. A carga horária dele é de 20 horas semanais na neurocirurgia. A defesa do médico não comentou o caso.
O Comando Logístico do HFA coordena a investigação no hospital. Por a sindicância ainda estar em andamento, a unidade não detalhou a apuração. “A operação abrange uma possível participação de médicos que também trabalham no Hospital das Forças Armadas (HFA). Atendendo solicitação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios, instauramos sindicâncias para colaborar com a referida investigação”, informou a unidade, em nota. Em setembro, a instituição havia negado qualquer envolvimento de profissionais de sua equipe na Máfia das Próteses.
Maurício Miranda ainda não teve acesso às informações da sindicância. Para ele, o cruzamento de dados é importante para o trabalho. “Mesmo se o assunto não tiver ligação com o MPDFT, é necessário de manter a transparência nessa situação”, conclui. Se ficar comprovada alguma lesão aos cofres da União, quem passa a investigar o caso específico do HFA é o Ministério Público Federal (MPF) e a Polícia Federal.
Atendimento
Proprietário da Clínica Esplendor, na Asa Sul, Rogério também mantém a rotina com pacientes particulares. Ele atende às terças e às quintas-feiras, e o valor da consulta chega a R$ 250. Há 15 dias, o Correio mostrou que quatro médicos acusados de participarem da fraude voltaram a clinicar na capital federal. O Conselho Regional de Medicina (CRM-DF) avalia a possibilidade de suspender provisoriamente o direito de exercício da profissão dos envolvidos na Máfia das Próteses.
Os suspeitos poderão ser acusados de pelo menos seis crimes. Há argumentos, segundo o promotor Maurício Miranda, para denunciá-los por lesão corporal dolosa com resultados gravíssimos, estelionato, crime organizado, manipulação de material médico, crimes contra a saúde pública e lavagem de dinheiro. Em algumas situações, pode haver, também, a acusação de destruição de provas. Cinco pessoas continuam presas.

Entenda o caso
Cirurgias desnecessárias
A Polícia Civil e o Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) deflagraram, em 1º de setembro, a Operação Mister Hyde. A ação investiga médicos, hospitais e empresas fornecedoras de órteses, próteses e materiais especiais (OPMEs), que, supostamente, enriqueciam com a realização de cirurgias desnecessárias, superfaturamento de equipamentos, troca fraudulenta de materiais e uso de produtos vencidos em pacientes. Treze pessoas foram presas, e cerca de R$ 500 mil, apreendidos. Os investigadores estimam que o grupo movimentou mais de R$ 30 milhões. Até o momento, 200 vítimas denunciaram possíveis falhas em procedimentos.

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Galeão terá aporte da Infraero


Por Daniel Rittner De Brasília

Pressionado pela necessidade de pagar R$ 1 bilhão em outorga nas próximas semanas, o grupo responsável pela operação do aeroporto do Galeão (RJ) advertiu o governo de que a arbitragem extrajudicial estudada para tratar as concessões problemáticas não resolve seus problemas em tempo "adequado" e inviabiliza a entrada imediata de sócios.
Para dar um alívio ao caixa do Galeão e facilitar o pagamento da outorga, a Infraero deve fazer aporte de R$ 380 milhões na concessionária. O governo tinha impedido aportes pela estatal, mas mudou de postura com a entrada do dinheiro da repatriação de recursos do exterior.
Para a concessionária, a arbitragem é interessante, mas uma decisão extrajudicial demoraria cerca de um ano. Por isso pede a "reprogramação" do pagamento de outorga.

JORNAL ZERO HORA


Esquadrilha da Fumaça volta a se apresentar em Canoas depois de quatro anos

Retorno das sete famosas aeronaves e suas acrobacias aéreas ocorreu no evento Portões Abertos da Base Aérea

Jéssica Rebeca Weber

ImagemEnquanto os pilotos da Esquadrilha da Fumaça exibiam aquelas manobras em que parecem despencar do céu, a balconista Isabel Bolzan, 53 anos, preferia fechar os olhos.
— Meu Jesus! Ai Cristo! Vai cair! — afligia-se ela, mas sem deixar de gravar com o celular para depois compartilhar com as amigas no WhatsApp.
Dar sustos no público faz parte do show de acrobacias aéreas das sete famosas aeronaves, a atração mais esperada do Feriado na Base Aérea de Canoas — Portões Abertos. Realizado desde 1986 para estreitar os laços entre a Força Aérea Brasileira (FAB) e a comunidade, o evento atraiu milhares nesta terça-feira abafada. Ele é tradicionalmente realizado no Dia das Crianças, mas neste ano foi adiado em função da reestruturação da FAB.
— As pessoas têm curiosidade de conhecer as atividades dentro da nossa organização militar. Então, hoje estamos recebendo o público externo — explica o coronel Rodrigo Alvim de Oliveira, comandante da Base Aérea de Canoas.
Além de conhecer um pouco da área de 813 hectares, os visitantes assistiram a decolagens e a pousos de aeronaves, tiraram selfies com os veículos expostos e desfrutaram do retorno da Esquadrilha da Fumaça, cuja última apresentação na cidade havia sido em 2012. Em 2013, o grupo chegou a vir ao Rio Grande do Sul, mas não se apresentou em razão das condições do tempo, e, em 2014 e 2015, foi dado um tempo para modernização e treinamento com as novas aeronaves (A-29 Super Tucano).
Ao longo do dia, teve ainda lançamento de três paraquedistas do Para-Sar, unidade da FAB.
Morador de Novo Hamburgo, o pintor Everaldo Bastos, 46 anos, levou a mulher, os dois filhos e um amigo das crianças para o evento. Não deixou passar a oportunidade de, pela primeira vez, ver de perto os aviões que tanto escuta.
— Eu trabalho aqui perto e ouço o barulhão em cima da cabeça o dia inteiro. É legal conhecer — diz ele.
A Base Aérea também abre suas portas para visitas guiadas de escolas, previamente agendadas. Informações podem ser obtidas pelos telefones (51) 3462-5164 ou 3462-5165.

PORTAL G-1


Maior avião do mundo decola do aeroporto de Guarulhos

Antonov pousou no Aeroporto de Guarulhos na noite de segunda (14). Aeronave atraiu centenas de admiradores.

Do G1 São Paulo

O Antonov 225, maior avião do mundo, decolou às 22h45 desta terça-feira (15) do Aeroporto Internacional de Guarulhos. A decolagem estava prevista inicialmente para as 8h e foi adiada devido a um ajuste no alinhamento do avião com os trilhos que conduziram a carga para dentro da aeronave. Fãs acompanharam a decolagem no aeroporto e pelas redes sociais.
A aeronave pousou às 23h38 de segunda-feira (14) na pista do Aeroporto Internacional de São Paulo sob aplausos.
A expectativa pela chegada da aeronave provocou extensas filas de carros e atraiu dezenas de fãs de aviação. Horas antes do pouso, dezenas de pessoas já ocupavam as áreas verdes próximas ao aeroporto ao longo da Rodovia Hélio Smidt.
Esta é a segunda vez que o avião vem ao Brasil. A aeronave chegou nesta manhã, no Aeroporto de Viracopos, em Campinas. A primeira foi em fevereiro de 2010. Depois de passar por São Paulo, a aeronave decolaria em direção ao Chile.
Fila e humor

Centenas de pessoas se espremiam nesta madrugada para ter uma visão da aeronave no pátio.
Daniel Ramirez e o filho Mateus Campos saíram de Santo André e chegaram ao aeroporto às 16h, e disseram que valeu a pena o esforço. Mateus, de 12 anos, sabe tudo sobre aviação e quer ser piloto quando crescer.
O administrador Hamilton Freire saiu de Embu Guaçu e a comissária de bordo Fernanda Branco, de Ribeirão Pires, no ABC. Todos queriam ver o gigante.
"Eu sou apaixonada por aviação", diz Fernanda. Ela contou que viu o Antonov em 2010 e agora queria ver de novo. "Se o mundo acabasse hoje e eu pudesse realizar um sonho seria chegar perto do Antonov", afirmou.
A concentração de carros de fãs do Antonov no acostamento mobilizou equipes da Polícia Militar (PM) e da Polícia Rodoviária Federal (PRF), que tentaram evitar o estacionamento às margens da rodovia.
Por fim, admiradores estacionaram no gramado e não foram mais incomodados.
Para ver o avião, os fãs afundaram os pés no gramado encharcado pela chuva que atingiu a região ao longo do dia e deu trégua durante a noite.
“Deixa a gente ver o Antônio, brincou um funcionário da Aeronáutica para os espectadores colados no vidro do aeroporto de Cumbica para ver o Antonov, o maior avião do mundo.
O avião realizava operações em Cumbica no início da madrugada desta terça (15).
“Pessoal, o estacionamento vai fechar”, brincava outro, interessado em fazer a fila andar.
“Ele abre o bico”, reparava uma menina. “Parece a boca de um tubarão”, comentaram observadores.
Estudantes de ciência aeronáutica saíram de Botucatu e chegaram a Cumbica no exato momento em que o avião pousava. “A gente viu ele por fora pela rodovia e viu ele pousando. A gente deu sorte porque teve uma batida na rodovia, então a gente veio bem devagar e chegou no momento em que ele estava pousando”, disse Gabriel Tassi.
“É um sonho. Arrepiou no momento do pouso. Foi emocionante para nós”, disse Thalles Coutinho.
Com 84 metros de comprimento, 88 metros de envergadura (distância entre as pontas das asas) e 175 toneladas sem carga e sem combustível, o avião tem capacidade para transportar 250 toneladas de carga em longas distâncias. São seis turbinas e 32 rodas do trem de pouso.
Ele vai transportar um transformador de 150 toneladas até Santiago e antes de chegar a Guarulhos, fará uma escala em Campinas para pegar uma peça que servirá de suporte. Essa é a segunda maior carga a ser transportada na história da aviação, de acordo com a assessoria do aeroporto de Guarulhos.

Imagem

JORNAL O VALE (S.J. DOS  CAMPOS -SP)


Embraer anuncia venda de US$ 1 bilhão aos EUA

Segunda maior linha aérea do país norte-americano, United Airlines vai adquirir 24 jatos E175

A Embraer anunciou ontem que assinou um contrato com a United Airlines, segunda maior linha aérea dos Estados Unidos e do mundo, para a venda de 24 jatos E175. O contrato tem valor de US$ 1,08 bilhão, a preço de lista.
A encomenda, segundo a fabricante, representa uma transferência de 24 jatos E175 previamente alocados para a Republic Airways Holdings, atualmente na carteira de pedidos da Embraer, que agora serão cancelados.
Os 24 aviões para a United Airlines estão programados para ser entregues em 2017.
De acordo com a Embraer, o movimento estará refletido nos resultados da companhia do quarto trimestre de 2016, mas não terão impacto na atual carteira de pedidos da empresa.
Em 30 de setembro deste ano, no fechamento do terceiro trimestre do ano, a carteira de pedidos firmes a entregar da Embraer alcançou US$ 21,4 bilhões.
Recuperação. A transferência do contrato da Republic para a United Airlines vem em um momento de recuperação da Embraer diante de questões conturbadas. A empresa fechou o terceiro trimestre do ano com prejuízo líquido de R$ 111,4 milhões, valor 66,97% menor do que o prejuízo reportado no segundo trimestre de 2016, de R$ 337,3 milhões.
A receita líquida da companhia atingiu R$ 4,913 bilhões, entre julho e setembro, aumento de 7,34% em relação ao mesmo período do ano passado, de R$ 4,577 bilhões. Segundo a Embraer, a alta na receita se deu principalmente pelo crescimento de vendas dos segmentos de aviação comercial e na área de defesa e segurança.
Demissão. Desde o começo de outubro, depois de um PDV (Programa de Demissões Voluntárias), a empresa demitiu 1.642 trabalhadores e ainda anunciou, na semana passada, negociações com o Sindicato dos Metalúrgicos para suspender, por até cinco meses, o contrato de trabalho de 2.000 pessoas em São José.
Reunião hoje pode determinar greve
Negociando em nome da Embraer, a Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) terá hoje nova reunião com o Sindicato dos Metalúrgicos para discutir o reajuste salarial dos trabalhadores da companhia.
A categoria ameaça greve caso a entidade não proponha um índice para aumento salarial. Até agora, a Fiesp propôs o pagamento de um abono fixo, que pode chegar a R$ 9 mil, no lugar de um reajuste salarial para os trabalhadores da Embraer e do setor aeronáutico. Em assembleias nas últimas semanas, empregados da companhia rejeitaram a proposta do abono fixo.
O sindicato defende 11% de reajuste e estabilidade no emprego. A data-base da categoria é 1º de novembro. Apenas em São José, a Embraer emprega 13 mil dos seus 17,5 mil funcionários.


AGENCIA FRANCE PRESSE - AFP


Forças de Assad e Rússia bombardeiam regiões rebeldes na Síria


A Rússia realizou nesta terça-feira (15) seus primeiros ataques aéreos sobre a Síria, partindo de seu porta-aviões no Mediterrâneo, enquanto a Aviação síria atingiu pela primeira vez em um mês bairros residenciais de Aleppo controlados pelos insurgentes - ações que, para Washington, violam as leis internacionais.
"Pela primeira vez na história da frota russa, o porta-aviões ´Almirante Kuznetsov´ participou de operações armadas", fazendo decolar aviões Su-33, declarou o ministro russo da Defesa, Sergei Shoigu, durante uma reunião com o presidente Vladimir Putin e com o Estado-Maior.
Segundo ele, o Exército russo começou uma operação de magnitude contra posições da organização Estado Islâmico (EI) e da Frente Fateh al-Sham (ex-Frente al-Nusra, Al-Qaeda na Síria) nas regiões de Idleb e de Homs, no noroeste e centro do país, respectivamente. Essa operação também envolve a fragata russa "Almirante Grigorovich", que disparou mísseis de cruzeiro Kalibr.
De acordo com o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH), os ataques russos visaram as localidades de Saraqeb, Jisr al-Shughour, Ariha, Maaret al-Noomane, Kafar Nebbol, redutos da oposição, a qual controla quase toda a província.
O porta-aviões "Almirante Kuznetsov" chegou na semana passada ao largo da costa da Síria para reforçar a presença militar russa no país dilacerado pela guerra desde 2011 e onde Moscou realiza há mais de um ano uma operação em apoio às forças do governo do presidente Bashar al-Assad.
Enquanto isso, após uma pausa de um mês a pedido dos russos, o Exército sírio bombardeou áreas residenciais na parte leste da cidade de Aleppo, controladas por rebeldes, informou o OSDH.
Ainda segundo a ONG, nas últimas 24 horas, três hospitais situados em zonas rebeldes do norte da Síria foram atingidos pelos bombardeios. Vários médicos e pacientes ficaram feridos, acrescentou a fonte.
Os Estados Unidos condenaram os ataques aéreos russos e advertiram que bombardear alvos civis viola o Direito Internacional.
A porta-voz do Departamento de Estado americano, Elizabeth Trudeau, disse que Washington recebeu informes de que os últimos ataques de Moscou e do governo sírio tiveram como alvo clínicas e hospitais.
"Condenamos firmemente a retomada dos ataques aéreos da Rússia na Síria, assim como do regime sírio contra hospitais. Acreditamos que seja uma violação do Direito Internacional", afirmou Elizabeth Trudeau.
Essa declaração "demonstra mais uma vez a retórica do Departamento de Estado sobre a situação na Síria baseada em mentiras", reagiu o porta-voz do Ministério russo da Defesa, general Igor Konashenkov.
Os bombardeios são a primeira operação de grande envergadura na Síria desde a eleição de Donald Trump para suceder a Barack Obama na Casa Branca.
Em entrevista transmitida nesta terça-feira à noite (15) pela emissora pública portuguesa RTP, o presidente sírio declarou que Trump será "um aliado natural", se lutar contra o terrorismo.
"Não podemos dizer nada do que ele vai fazer, mas, vamos dizer que, se ele vai lutar contra o terrorismo, é claro que vamos ser aliados, aliados naturais da mesma maneira que somos dos russos, dos iranianos e de muitos outros países que querem derrotar o terrorismo", afirmou Assad na entrevista à RTP.
"Ataques aéreos e barris explosivos"
"As forças do regime realizaram ataques e lançaram barris de explosivos em vários bairros de Aleppo pela primeira vez desde 18 de outubro", disse o diretor do OSDH, Rami Abdel Rahman.
De acordo com um fotógrafo da AFP, os bairros de Sakhour e de Massaken Hanano foram alvos, com o OSDH evocando pelo menos cinco civis mortos e muitos feridos nos ataques.
O correspondente da AFP relatou seis ataques em Sakhour e dois barris de explosivos lançados sobre o bairro. Ele viu feridos sendo evacuados para hospitais e, pela primeira vez, aviões desviando para não serem atingidos por mísseis terra-ar.
As Forças Aéreas russa e síria tinham cessado seus ataques em 18 de outubro, três dias antes de uma trégua concebida por Moscou e Damasco.
Antiga capital econômica da Síria, Aleppo é um grande objetivo tanto para o governo do presidente Bashar al-Assad quanto para os insurgentes, que lutam desde 2011 em uma guerra cada vez mais complexa, que matou mais de 300.000 pessoas.
As forças governamentais tentam retomar o controle total desta que é a segunda maior cidade do país, dividida desde 2012 em setores rebeldes, a leste, e zonas sob o controle oficial, a oeste.
Produção alimentar em nível mais baixo
Após cinco anos de guerra, a produção de alimentos na Síria caiu a um mínimo histórico, alertaram nesta terça-feira a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) e o Programa Mundial de Alimentos (PMA).
"A produção alimentar na Síria se encontra em um mínimo histórico (...), e o clima desfavorável em algumas regiões do país continua dificultando o acesso à terra, aos fornecimentos agrícolas e aos mercados", disseram as organizações.
Essas condições "tornam cada vez mais difícil para os agricultores manter seus meios de subsistência e alimentar em um país assolado pela guerra", acrescentaram.
Cerca de 8,7 milhões de pessoas - mais de um terço da população síria - não dispõem de comida suficiente, segundo números da FAO e do PMA divulgados em agosto.
De acordo com uma missão de avaliação conjunta da FAO e do PMA, na temporada 2015-2016, as áreas reservadas ao cultivo de cereais foram de 900 mil hectares, comparado ao 1,5 milhão de antes da guerra.
A produção mostra uma queda "ainda mais drástica", com 1,5 milhão de toneladas de trigo colhidas este ano, contra 3,4 milhões antes da guerra, ou 55% menos.

JORNAL DIÁRIO CATARINENSE


Temer parte para o corpo a corpo na última rodada de negociações da reforma da Previdência Social


Por Guilherme Mazui E Caetanno Freitas

O Palácio do Planalto programa uma última rodada de conversas antes do envio da proposta de reforma da Previdência ao Congresso, previsto para o próximo mês. Entre novembro e dezembro, as cúpulas das áreas econômica e política do governo querem se reunir com centrais sindicais e líderes da base para discutir as mudanças, já apresentadas ao presidente Michel Temer.
— A reforma da Previdência já está formatada. É uma reforma para perdurar para sempre — afirmou Temer em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, na segunda-feira.
A intenção é diminuir a resistência às mudanças, que preveem incluem a idade mínima de 65 anos para homens e mulheres (com regra de transição) de forma geral — no setor privado, entre servidores públicos, professores ou trabalhadores rurais.
No projeto do Planalto, a reforma não afeta quem está aposentado ou já cumpre os requisitos para pedir o benefício. Homens com menos de 50 anos e mulheres com menos de 45 serão enquadrados nas alterações, que incluem o aumento da alíquota de contribuição do funcionalismo, a pedido dos governadores, e a proibição do acúmulo de pensão por morte e aposentadoria. O governo garante que o teto do benefício será universal.
— O teto será o mesmo para todos. Acima dele, só com previdência complementar — diz um auxiliar de Temer.
Considerada fundamental pela equipe econômica, a idade mínima desagrada às centrais. Ligado à Força Sindical e integrante da base de Temer, o deputado Paulinho da Força (SD-SP) declarou-se contrário à medida que fará parte dos brasileiros trabalhar mais. Dados do governo apontam que, em 2015, a média de idade da aposentadoria no país ficou em 58 anos no regime geral e em 60,7 anos entre servidores públicos da União.
A reforma ainda deve trazer cálculo mais rígido para o ganho do benefício máximo do INSS, exigindo mais de 40 anos de contribuição. Centrais e partidos de oposição vão endurecer.
— Se não topamos mudanças que a (ex-)presidente Dilma (Rousseff) mandou, não vamos aprovar a reforma do Temer, que vai retirar direitos — avisa o deputado Dionilso Marcon (PT-RS).
Presidente terá papel direto na articulação
Ciente de que o projeto provocará dissidências em sua base no Congresso, já que as mudanças afetam de forma direta a população, que cobrará dos parlamentares, o próprio Temer vai entrar nas negociações. Deve participar de reuniões e oferecer jantares, a exemplo do que ocorre na proposta de emenda à Constituição (PEC) do teto, aprovada na Câmara e com previsão de ser votada nos dois turnos pelos senadores na primeira quinzena de dezembro, abrindo espaço para o envio da reforma da Previdência.
Um dos argumentos que serão apresentados é a necessidade de a reforma complementar o esforço da PEC do teto. Consultor de orçamento da Câmara, especializado em Previdência, Leonardo Rolim concorda:
— Sem a reforma, a PEC do teto não vai resolver nem 10% do problema das contas públicas, e, mesmo que a reforma seja aprovada, o governo ainda terá de cortar despesas.
O Planalto prepara campanha publicitária para explicar a proposta, necessária para equilibrar o sistema em um quadro no qual os brasileiros envelhecem e a parcela de jovens que contribuem diminui. As projeções indicam que o rombo da Previdência deva bater em R$ 150 bilhões no regime geral este ano, com a possibilidade de ficar em R$ 200 bilhões em 2017.
— As pessoas precisam entender que, se não for aprovada a reforma, em uma década haverá o risco real de o governo não ter dinheiro para pagar as aposentadorias — alerta o deputado Darcísio Perondi (PMDB-RS).
As Forças Armadas tendem a ficar de fora das mudanças, apesar da pressão de parte da equipe econômica para que os militares possam ir para a reserva mais tarde e as alíquotas de contribuição sejam elevadas.

OUTRAS MÍDIAS


JORNAL O PROGRESSO (MS)


Exército simula socorro aéreo de ferido e atende população

Operação com militares da reserva mobilizável e efetivo de batalhão de saúde realizaram exercícios no Parque Ayrton Senna, na Capital
 Elvio Lopes
O Exército Brasileiro realizou, de sábado (12) a segunda-feira (14), no Parque Ayrton Senna, no Bairro Aero Rancho, na Capital, o exercício de mobilização denominado Operação Dr. Antônio da Luz, com a finalidade de adestrar uma companhia de saúde avançada e emprego de reserva mobilizável para prestar atendimento ambulatorial com tratamento médico e odontológico à população previamente cadastrada pela Secretaria Municipal de Saúde que estavam com demanda reprimida no setor.
Nos três dias, ação, que mobilizou um efetivo de 25 reservistas, sendo 5 tenentes, 10 sargentos, 4 cabos e 6 soldados, conforme o quadro de cargos remetido pelo Comando de Operações Terrestres (Coter), atendeu mais de mil pessoas, nas barracas e contêineres montados no parque.
Os reservistas receberam fardamento e materiais para a execução das atividades e identificaram as regras para a exploração de rádio, sintonização e operação dos equipamentos e realizaram uma simulação de socorro a um militar ferido em área de combate, com transporte aéreo a partir dos primeiros atendimentos no Posto de Atendimento Avançado do Parque Ayrton Senna.
Ainda dentro do cronograma foram inseridas a utilização de ração operacional, atividades físicas, tratamentos de ferimentos, apronto operacional, temas sobre como se comportar corretamente dentro e fora do quartel, além de outros assuntos relacionados à vida militar.
Os trabalhos da operação inédita do Exército Brasileiro foram realizados pelo Comando Militar do Oeste (CMO) e coordenados pela 9ª Região Militar e executados em parceria com o Grupamento Logístico, Núcleo do 9º Batalhão de Saúde e da 9ª Companhia de Pessoal.
No domingo, enquanto a população era atendida nos consultórios e salas de exames, o general de Exército Gerson Menandro Garcia de Freitas, comandante Militar do Oeste visitou o parque, recebendo relatório dos coordenadores da operação, entre os quais o general de Brigada Luciano José Penna, comandante da 9ª Região Militar e outros oficiais acompanharam a simulação de resgate de militar ferido em batalha por um helicóptero do CMO ao Hospital Militar de Campo Grande.
O exercício, segundo a assessoria do CMO, garante a oportunidade de empresas interessadas na defesa Nacional se cadastrarem, visa a conscientizar os militares da reserva não remunerada sobre a importância da mobilização de pessoal nas operações de interesse da Pátria, adestrar os integrantes do Sistema de Mobilização do Exército (Simobe), reforçar o vínculo do pessoal da reserva com a Força Terrestre e capacitá-los por meio de diversas atividades.
As atividades começaram no dia 7 e seguem até hoje (16) com instruções e orientações aos reservistas.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented