|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 29/06/2016 / Piloto de caça criado por inteligência artificial vence humano em combate simulado


Piloto de caça criado por inteligência artificial vence humano em combate simulado ...


Chris Baraniuk ...

Um sistema de pilotagem de caças criado por inteligência artificial derrotou dois jatos em uma simulação de combate. O piloto, batizado de Alpha, usou quatro jatos virtuais para defender uma área de litoral dos dois caças - e não sofreu perdas. Desenvolvido por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos, o sistema também venceu um piloto aposentado de caças da Força Aérea Americana - logo, bastante experiente.

Na simulação descrita no estudo, os dois jatos que atacavam o litoral - chamada de equipe azul - tinham um sistema de armas mais poderoso que os jatos usados pelo Alpha, chamados de equipe vermelha. Mas o sistema criado por inteligência artificial conseguiu se livrar dos inimigos depois de realizar uma série de manobras evasivas.

Um especialista em aviação afirmou que os resultados são promissores.

"Adversário letal"
Na pesquisa, os cientistas da Universidade de Cincinnati e a companhia especializada em tecnologia Psibernetix chamam o sistema Alpha de um "adversário letal". Descrevendo as simulações de combate entre o sistema de inteligência artificial e o piloto aposentado Gene Lee, os pesquisadores escreveram que o americano "não apenas não conseguiu uma morte contra (o Alpha), mas também foi derrubado pelos vermelhos todas as vezes nos combates prolongados".

O Alpha usa uma forma de inteligência artificial baseada no conceito de lógica difusa (ou "fuzzy"), na qual um computador analisa uma série ampla de opções antes de tomar a decisão. Devido ao fato de um caça virtual produzir uma quantidade grande de dados para serem interpretados, nem sempre fica óbvio quais as manobras são mais vantajosas e, um combate ou mesmo em que momento uma arma deve ser disparada.

Sistemas que usam a lógica difusa podem analisar a importância desses dados individuais antes de tomar uma decisão mais ampla. O grande feito atingido pelos pesquisadores americanos com o sistema Alpha foi a capacidade de tomar essas decisões em tempo real e com a eficiência de um computador.

"Aqui você tem um sistema de inteligência artificial que parece ser capaz de lidar com o ambiente exclusivamente aéreo, é extraordinariamente dinâmico, tem um número extraordinário de parâmetros e, na teoria, consegue enfrentar muito bem um piloto de combate qualificado, capaz e experiente", disse Doug Barrie, analista aeroespacial militar da consultoria IISS. "É como um campeão de xadrez perdendo para um computador", acrescentou.

Ética
Apesar do entusiasmo, Barrie lembrou à BBC que pode não ser tão fácil ou apropriado tentar usar o Alpha em ambientes de combate na vida real. A analista afirmou que se o sistema for usado de verdade e decidir atacar um alvo não militar, por exemplo, os resultados poderão ser terríveis. "A indignação do público seria imensa."

Barrie acrescentou, porém, que o Alpha tem potencial para se tornar uma ferramenta de simulação de combate ou para ajudar a desenvolver sistemas melhores para uso dos pilotos humanos.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.



PORTAL G-1


Áudio: deputado do DF sugere a PMs faltar ao trabalho durante Olimpíada

Categoria quer reajuste salarial e melhorias no plano de saúde. Alberto Fraga (DEM-DF) nega crime: todo mundo fica doente.

Raquel Morais Do G1 Df

Áudios obtidos pelo G1 revelam que o deputado federal Alberto Fraga (DEM-DF) propôs a policiais militares que faltem ao trabalho no período da Olimpíada como forma de pressionar o governo por reajuste salarial de 27,9% e melhorias no plano de saúde da corporação. Atualmente, o DF tem 7,8 mil bombeiros militares e 13,6 mil policiais militares.
“Agora, independente de anunciar greve, independente de qualquer coisa que a gente possa deixar a sociedade apavorada, nós podemos anunciar um dia de não comparecimento ao quartel (sic). A maioria aqui já está bem idoso, já está bem crescido. Alguém aqui terá qualquer dia de problema se no dia 4 de julho, 5 de julho, que no dia da Olimpíada a gente não vai trabalhar?”, indaga o deputado na gravação.
A proposta de paralisação foi criticada pelo presidente da Associação dos Oficiais da PM do DF, Fábio Barbosa Pizetta. Ele disse que a entidade, que representa 1,5 mil servidores, não participou do encontro, que aconteceu na Câmara dos Deputados, no dia 20 de junho, e durou seis horas.
“A associação atua dentro da lei. Greve e paralisações são crime. Incitar também é crime”, afirmou Pizetta. Policiais militares são impedidos de fazer greve, segundo o Código Penal Militar. A pena pode chegar a três anos de prisão, por motim e insubordinação.
A professora de Código Penal Militar e doutora em direito Ester Kosovski aponta que greves e paralisações são consideradas ilegais pela esfera militar. “Em uma democracia, a greve é facultada e nem sempre ilegal. Mas funcionários públicos e militares respondem a regimes diferenciados devido às imposições de suas funções. Os militares, assim como bombeiros, respondem ao Código Penal Militar, em que estão passíveis a outros crimes, além dos que o civil comete e que está previsto no Código Penal”, explica.
Ao participarem de uma greve, os PMs podem ser responsabilizados por crimes de motim e insubordinação, previstos no Código Penal Militar. O artigo 182, que trata do amotinamento, prevê pena de reclusão até três anos aos “cabeças” e detenção de até dois anos para quem participar. Oficiais que se abstiverem de tomar alguma providência também podem ser punidos. Já a desobediência, prevista no artigo 163, pode levar à detenção de até dois anos, caso não haja implicações maiores, diz a lei.
A anistia concedida em lei é apenas para a greve e as punições do Código Penal Militar, diz a professora. Grevistas ainda podem responder processos administrativos internos da corporação, pelos quais podem até ser expulsos.
Em outro trecho da gravação, Fraga diz que o Exército chegou a discutir uma alternativa a uma eventual greve da PM em Brasília durante os Jogos Olimpícos. “Essa semana teve várias reuniões visando a Olimpíada no QG [quartel geral] do Exército. E nessas reuniões falaram o que fazer se as polícias pararem. Estão temendo que o Fraga delibere um movimento que inicie em Brasília e se estenda por outros estados. Já estão preparando as tropas para atuar no DF caso a PM venha parar.”
O Exército negou que estude o uso de tropas no DF caso os policiais militares cruzem os braços. A Olimpíada acontece entre os dias 5 e 21 de agosto. Brasília é uma das seis cidades a sediar jogos de futebol – sete partidas do masculino, incluindo os dois primeiros confrontos da seleção brasileira, e três do feminino.
Reivindicações
Fraga disse ao G1 que, caso Rollemberg não se posicione até o início de julho, policiais militares farão assembleia para decidir que ações adotar. Entre as possibilidades estão uma operação tartaruga e faltas ao trabalho. O governo do DF informou que Rollemberg não comentaria as declarações do deputado.
Questionado sobre a possibilidade de prejuízos à segurança da população com uma eventual paralisação de policiais, o parlamentar afirmou não ver “como fazer omelete sem quebrar os ovos.” “Ou os governantes tratam com respeito os operantes da segurança pública ou vão brincar de ser o chefe, e os policiais vão brincar de ser mandados.”
A secretária de Segurança Pública, Márcia de Alencar, disse não ver risco real de paralisação. “A gente vê em alguns grupos de redes sociais isso [de greve] circulando. Acredito que a PM tem responsabilidade legal de não entrar em greve e também a responsabilidade social de manter a segurança da população. O governo está seguro de que é um episódio de alguns setores, mas que não representa a vontade da maioria nem da instituição”, disse.
Ela afirmou que, apesar de a verba para pagamento de categorias ligadas à segurança pública vir do Fundo Constitucional, ela descartou a concessão de aumento. “Nesse momento o governo não tem como fazer ajuste para as polícias de forma geral em função da Lei de Responsabilidade Fiscal [que impôs restrições ao DF, por ter estourado o limite prudencial de gastos]. Embora o dinheiro venha do Fundo Constitucional, entra para as contas do Estado.”
Em relação ao plano de saúde, ela declarou estar negociando junto às secretarias de Planejamento e Fazenda melhorias, mas não deu detalhes do que vem sido discutido. Por causa de dívidas do governo que se arrastam desde 2014, parte dos hospitais rompeu os contratos que tinha com o plano de saúde da Polícia Militar.

Aeroporto de Governador Valadares pode receber novo instrumento

Instrumento possibilitará pousos e decolagens com visibilidade zero. Campanha para compra do aparelho pretende captar R$ 100 mil.

A Agenda de Convergência Rio Doce anunciou na manhã desta terça-feira (28) o lançamento de uma campanha de arrecadação de fundos para obras de adequação e mudanças de características físicas na pista do aeroporto regional de Governador Valadares (MG). A campanha pretende arrecadar R$ 100 mil para que o Aeroporto Coronel Altino Machado possa operar com um instrumento que possibilite o pouso e a decolagem de aeronaves em condições de visibilidade zero.
O coordenador do eixo infraestrutura da Agenda e presidente da Associação Comercial e Empresarial de Governador Valadares, Maurício Dutra, explicou como empresários e moradores da cidade poderão ajudar na campanha. “Pro empresário, a doação mínima é de R$ 1 mil, e à sociedade civil qualquer valor poderá ser doado. A partir de quinta-feira (30) as doações podem ser feitas”.
Segundo Maurício, após conseguir arrecadar o recurso necessário e dar início as obras, o novo instrumento poderá ser colocado em execução em até três meses. As melhorias na estrutura da pista possibilitariam o aumento no número de voos que partem da cidade; atualmente são apenas três.
Além disso, o aeroporto poderia ser usado por empresas com interesse em operar com o transporte de passageiros e cargas, além de ser usado como uma rota de abastecimento das aeronaves, o que aumentaria a concorrência no aeroporto e poderia provocar a diminuição no valor das passagens aéreas.
A consultora e gestora de operações aéreas, Patricia Peres, explicou que o instrumento que será instalado servirá como uma espécie de GPS para os aviões. “O aeroporto hoje é apenas visual. A aeronave aproxima, comunica com a rádio e, se ela enxergar a pista, vai pousar. Se não, ela vai alternar para o aeroporto mais próximo”. Ainda segundo Patricia, para que o instrumento seja utilizado, mudanças na pista devem ser feitas. Entre elas, a implantação da sinalização horizontal no aeroporto e implantação da sinalização luminosa.
Estrutura do aeroporto
O Aeroporto Coronel Altino Machado foi inaugurado em 1966 e atualmente possui uma companhia aérea atuando com três voos diários para Belo Horizonte. Quando a visibilidade da pista é zero, os aviões que pousariam na cidade geralmente alternam a rota para o Aeroporto Regional do Vale do Aço, em Santana do Paraíso (MG).
Segundo a ANAC, o aeroporto de Governador Valadares tem uma média anual de 100 mil passageiros e, caso o aparelho em questão seja comprado, essa média pode saltar para 240 mil passageiros por ano. Com o novo instrumento, aeronaves poderiam operar na cidade independente das condições climáticas, inclusive durante à noite.
Em janeiro deste ano, um grupo de manifestantes se mobilizou, com cartazes e carro de som, na porta do aeroporto para exigir do poder público melhorias na infraestrutura do local.

Queda de helicóptero será investigada junto com Aeronáutica, diz delegado

Guardas da Divisão Florestal de Jundiaí auxiliaram bombeiros nas buscas. Duas das cinco vítimas foram enterradas em São Paulo nesta terça.

A investigação sobre a queda do helicóptero na região de Jundiaí (SP), que matou cinco pessoas, no domingo (26), deve contar com o apoio da Polícia Civil, da Aeronáutica e do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa), informou o delegado de Jundiaí, Fábio Cenachi.
A Polícia Civil de Jundiaí esteve no local e ajuda nas investigações. "Nos deslocamos para lá para levantamento do local inicial, solicitamos o concurso do nosso setor de engenharia do IC, que esteve lá com o seu perito. Essa perícia é meramente descritiva do local. As condições do acidente vão ser verificadas em ação conjunta realizada, posteriormente, com a Aeronáutica", afirmou o delegado.
O Seripa, ligado à Força Aérea Brasileira e que está à frente do caso, indica que os destroços irão contribuir com as investigações. "Todas as peças pudemos coletar vamos fazer. Vamos recolher tudo que pudermos. Inclusive, em termos de imagem, nós conhelheremos todas as imagens para que a gente possa fazer uma imagem bem completa", explica o Comandante do Seripa, Coronel Adalberto Prado, que esteve na área onde a aeronave caiu.
Duas das cinco vítimas do acidente foram enterradas nesta terça-feira (28). Osmar Marchini e Francisco Roberto Rebolo foram sepultados em um cemitério particular no bairro Jardim das Oliveiras em São Paulo. Além deles, morreram a piloto Jovilde Aparecida Calisctil, o empresário Geraldo Vagner Oliveira, de 61 anos, e o publicitário Wagner Lanzoti, de 56 anos.
Auxílio nas buscas
Guardas da Divisão Florestal de Jundiaí auxiliaram os bombeiros nas buscas pelo helicóptero. Na segunda-feira (27), Guardas Municipais da Divisão Florestal em conjunto com uma equipe do corpo de Bombeiros de Jundiaí, localizaram o Helicóptero modelo Bell 407, prefixo PR-CBB, em uma remota área do bairro Tijuco Preto. O helicóptero Águia da PM também ajudou nas buscas da aeronave.
Depois de quase duas horas de caminhada, as primeiras equipes chegaram ao local. Foi preciso o auxílio de uma corda pra chegar aos destroços. De acordo com o corpo de bombeiros, o helicóptero seguiu passou entre as árvores, acabou batendo em uma delas.
Em seguida, os destroços foram caindo pelo chão, até que a aeronave atingiu o solo. "Infelizmente, nós localizamos os cinco corpos da aeronave e a maior dificuldade é abrir a mata par a retirada dos corpos e das peças que vão ser periciadas pela Aeronáutica", completa o capitão do Corpo de Bombeiros, Anderson Lima.
Homens do Seripa foram ao local para investigar o caso. A FAB informou que não foram encontrados sobreviventes no local. "Em função das condições de visibilidade e das características geográficas da região, foi deslocado um helicóptero Águia da Polícia Militar de São Paulo para o local, que confirmou que se tratava dos destroços da aeronave desaparecida e que, lamentavelmente, não há sobreviventes", diz nota.
Entenda o caso
A aeronave estava desaparecida desde domingo (25) e foi localizada por volta das 8h desta segunda.
Segundo associações de pilotos, o helicóptero era pilotado pela comandante Jovilde Aparecida Calisctil, uma ex-comissária de bordo da Gol que se tornou instrutora de voo e apaixonada por helicópteros. Jovilde tinha 13 anos de aviação civil e 4.500 horas de voo, segundo Associação Brasileira de Pilotos de Helicóptero (Abraphe).
Os bombeiros receberam as informações do helicóptero Águia, que sobrevoava a região e avistou os destroços logo cedo, entre o km 48 e o km 49, às margens da Rdovia dos Bandeirantes.
Documentação regular
O helicóptero estava com a documentação regular, informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). As cinco pessoas a bordo morreram, segundo o Corpo de Bombeiros e a Força Aérea Brasileira (FAB).
A aeronave modelo Bell 407, matrícula PRCBB, saiu do aeroporto de Congonhas, na Zona Sul de São Paulo, às 7h56 de domingo e desapareceu quando seguia em direção a Americana, no interior. Os destroços foram localizados na manhã de segunda-feira.
De acordo com a Anac, tanto o Certificado de Aeronavegabilidade (CA) e a Inspeção Anual de Manutenção (IAM) estavam válidos (o primeiro venceria em 18 de março de 2022 e o outro, em 18 de março do ano que vem). No site da agência, a situação de aeronavegabilidade do helicóptero era considerada normal.
A aeronave tinha seis lugares e podia decolar com até 2.268 kg. Ela possuía um motor turboeixo e estava em nome de Safra Leasing S.A. Arrendamento Mercantil.

JORNAL DIÁRIO DE CUIABÁ


MPF quer combate a "pistas do tráfico"

A utilização de pistas de pouso em áreas de Mato Grosso por traficantes para a entrada de drogas no Brasil tem sido cada vez mais constante

Aline Almeida Da Reportagem

A utilização de pistas de pouso em áreas de fronteira de Mato Grosso por traficantes para a entrada de drogas no Brasil tem sido cada vez mais constante. Tanto que o Ministério Público Federal de Mato Grosso instaurou um inquérito civil para apurar quais medidas estão sendo adotadas pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e pelas Forças Armadas para a destruição de pistas de pousos irregulares em faixa de fronteira.
Isso porque, segundo o Ministério Público Federal, cabe à Aviação Civil a regularização dos aeródromos e, às Forças Armadas, a destruição das pistas clandestinas situadas na área de fronteira. A portaria foi assinada pela procuradora Ana Carolina Haliuc Bragança, do Ministério Público Federal de Cáceres.
A representação surgiu após relatório feito pelo Grupo Especial de Segurança de Fronteira da Polícia Militar de Mato Grosso (Gefron). Na ocasião o Gefron buscava realizar uma operação integrada para explodir pistas irregulares em duas fazendas onde foram apreendidos entorpecentes e aeródromo utilizado pelo tráfico internacional.
Em resposta ao ofício encaminhado pelo Ministério Público Federal, a Anac indicou haver aeródromos com quatro características no Estado: em análise, isto é, com pedido de regularização em fase de exame por parte do órgão; autorizado, isto é, com construção deferida administrativamente, sem permissão para operação de voos. Além de ativado, isto é, com construção e operação deferidas administrativamente e desativado, isto é, aeródromo sem cadastro renovado na Anac. No total, foram indicados pela Agência 92 aeródromos, dos quais 29 se encontram formalmente desativados, sem que haja notícia de que deixaram de fato de ser utilizados.
Conforme o Ministério Público Federal, diante das constatações é necessário “apurar se as Forças Armadas têm condições de fazer levantamentos a respeito de pistas de pouso em tudo clandestinas, isto é, jamais levadas a conhecimento da Anac; se a Anac tem informado às Forças Armadas a respeito da condição “desativada” das pistas cujo cadastro não é renovado, para fins de destruição”, ressalta trecho de portaria.
O Ministério Público Federal requereu ainda que seja apresentado qual o procedimento adotado pelas Forças Armadas para destruição de pistas irregulares; e se, nesse procedimento, podem as Forças Armadas valer-se do auxílio de outros órgãos de segurança pública, como o Grupamento Especial de Fronteira de Mato Grosso.
A ação pede ainda que o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA) da Força Aérea Brasileira, informe, no prazo de trinta dias, se existe cadastro das pistas de pouso regulares e irregulares situadas na faixa de fronteira do Estado de Mato Grosso, entre outros.
Solicitou ainda que a Agência Nacional de Aviação Civil informe, no prazo de trinta dias, se há comunicação às Forças Armadas nas ocasiões em que um aeródromo deixa de ter autorização para funcionamento, passando à condição de “desativado”, para fins de destruição da pista de pouso.
DADOS – Levantamento da Secretaria de Estado de Segurança Pública apontou que nos primeiros cinco meses de 2016, o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron), em cooperação com os outros órgãos policiais do Estado, apreendeu quase duas toneladas de drogas na fronteira do Brasil com a Bolívia. O montante supera em 10% o total de entorpecentes (pasta-base, maconha e haxixe) apreendido em todo o ano passado.
Se considerado somente o período de janeiro a maio de 2015, o crescimento é de 271%. A secretaria aponta que no Estado, o crime nos mais de 900 quilômetros da faixa de fronteira entre o Brasil e a Bolívia é realizado por “mulas”, pessoas usadas pelos traficantes para o transporte de drogas.
O transporte do entorpecente utiliza o meio fluvial, terrestre e aéreo, sendo este último em rápidos descarregamentos em pistas improvisadas ou zonas rurais, por meio de arremessos. Os tipos de drogas mais apreendidas entre o Brasil e a Bolívia, em Mato Grosso, são pasta-base, cocaína e maconha.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Petistas cobram mais viagens, e Dilma decide fazer vaquinha para pagar voos


Marina Dias, Catia Seabra

Em reunião nesta terça (28) no Palácio da Alvorada, a presidente afastada, Dilma Rousseff, foi cobrada por petistas a viajar mais pelo país e decidiu adotar uma plataforma digital como forma de arrecadar dinheiro para pagar seus voos em aviões da FAB (Força Aérea Brasileira).
O primeiro trecho que será custeado por Dilma está previsto para esta quinta-feira (30), quando a petista deve ir a Belém (PA) para participar de um evento com simpatizantes de seu governo.
Depois que a Justiça Federal do Rio Grande do Sul autorizou, na semana passada, que Dilma utilize os jatos da FAB para além do percurso Brasília-Porto Alegre, desde que arque com os custos da viagem, ela resolveu encampar a ideia do financiamento coletivo.
Intitulada "Jornadas pela Democracia", a ferramenta na internet, ou crowdfunding, será organizada por algumas amigas da petista da época da ditadura. A ideia de fazer um financiamento coletivo foi antecipada pela coluna Mônica Bergamo.
A assessoria de Dilma não sabe dizer quando a plataforma vai entrar no ar e, portanto, não está claro se a viagem de quinta poderá ser paga com esses recursos.
Procurada pela Folha, a FAB informou que não pode divulgar o custo logístico das horas de voo por questões "estratégicas" da aviação militar.

JORNAL ZERO HORA


Saindo de Canoas, avião da FAB transporta coração de Lages a Curitiba

Deslocamento começou no final da tarde de segunda-feira. Órgão foi levado ao destino à 1h desta terça-feira

Fugindo da operação rotineira, o 5º Esquadrão de Transporte Aéreo — Esquadrão Pégaso, unidade da Força Aérea Brasileira (FAB) sediada na Base Aérea de Canoas, foi acionado na segunda-feira para fazer um transporte especial. A missão era levar um coração de Lages, em Santa Catarina, até Curitiba, no Paraná, onde ocorreria a cirurgia de transplante.
Tripulada por dois pilotos, um mecânico e um comissário, a aeronave C97 (Brasília) partiu do Rio Grande do Sul rumo à capital paranaense no final da tarde de segunda-feira. Lá, ocorreu o embarque da equipe médica.
Às 20h20min, o avião decolou em direção ao aeroporto de Lages. O retorno para a capital paranaense ocorreu após a realização dos procedimentos de coleta do órgão doado, por parte da equipe médica, na cidade catarinense. O transporte do coração para Curitiba foi realizado à 1h desta terça-feira.
Conforme a assessoria de imprensa do 5º Esquadrão de Transporte Aéreo da Base Aérea de Canoas, este foi a segunda operação do gênero feita nesta semana.
"Mais uma vez, a FAB cumpre a missão de salvar vidas com o máximo de esforço e empenho, pois todos nós sabemos o valor que ela representa para a sociedade", afirmou o Esquadrão Pégaso, em nota.

PORTAL BRASIL


Campanha alerta sobre os perigos dos balões juninos

Balões prejudicam seriamente a aviação civil, gerando risco de uma colisão ou necessidade de manobras de aeronaves

Para alertar a população sobre os perigos dos balões não tripulados, a Secretaria de Aviação Civil lançou a campanha “Balão é coisa séria”, nos portais institucionais e redes sociais Facebook, Twitter e Youtube.
Os balões são soltos com maior frequência durante o período de festas juninas. Segundo o secretário de Navegação Aérea Civil, Rafael Botelho, os Estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Paraná são os locais que possuem maior quantidade de ocorrências desses balões no País.
“Nosso trabalho é conscientizar a população dos riscos que essa prática oferece à segurança do espaço aéreo brasileiro, ou seja, aos passageiros. Temos de lembrar que aqueles que põem em risco aeronaves e atrapalham a navegação aérea estão sujeitos às penas previstas pelo Código Penal Brasileiro”, pontuou.
Qualquer cidadão que tenha avistado balões perto de aeronaves em procedimento de pouso, decolagem ou em voo de cruzeiro, pode fazer o registro da ocorrência no portal do Cenipa. Ações suspeitas podem ser também reportadas para à Polícia (190) ou pelo Disque-Denúncia (181).
Ocorrências
No mês de junho, o Aeroporto Internacional de Guarulhos, em São Paulo, registrou seis ocorrências, sendo 39 desde o início do ano. Segundo a GRU Airport, esses foram apenas aqueles balões que caíram na pista ou dentro do sítio aeroportuário. Viracopos, por sua vez, registrou 10 quedas de balão dentro da área do aeroporto este ano, sendo que em 2015 foram 35 registros.
Em Curitiba (PR), só no mês de junho, a Infraero registrou cinco ocorrências no Aeroporto Internacional Afonso Pena. Ao todo, já foram nove registros no ano, inclusive, um deles provocou um princípio de queimada.
É importante lembrar que mesmo os balões chamados de “ecológicos”, apesar de não causarem incêndios, põe em risco o tráfego aéreo. Além disso, o Brasil já possui regulamentação específica para a soltura desses artefatos não tripulados, assim como em outros países. A norma segue a orientação da Organização da Aviação Civil Internacional (OACI) e foi editada pelo Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), em 2013, conhecida como Regras do Ar (ICA 100-12).
Riscos
Os balões não tripulados prejudicam seriamente a aviação civil em diversos aspectos, desde o risco de uma colisão até a necessidade de manobras evasivas abruptas e a interrupção de pousos e decolagens, que acarretam atrasos.
Além disso, os balões não tripulados também podem causar danos à rede elétrica e cair em florestas, residências e indústrias, provocando incêndios e colocando em risco a segurança das pessoas também no solo.
Grupo de Trabalho
Diante desse quadro, o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, por meio da Secretaria de Aviação Civil, anunciou em maio deste ano um pacote de propostas voltadas para o combate do "risco baloeiro". O objetivo do grupo é debater, analisar alternativas e criar um plano de ação para minimizar os riscos causados pelos balões não tripulados à aviação.
O grupo reúne representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), do Cenipa, Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), Associação Brasileira de Empresas Aéreas (Abear), Sindicato Nacional de Aeronautas (SNA), Associação Internacional de Pilotos (IFALPA), Ministério de Justiça e a Associação Nacional das Empresas Administradoras de Aeroportos (Aneaa). 

PORTAL BBC


Piloto de caça criado por inteligência artificial vence humano em combate simulado


Chris Baraniuk

Um sistema de pilotagem de caças criado por inteligência artificial derrotou dois jatos em uma simulação de combate. O piloto, batizado de Alpha, usou quatro jatos virtuais para defender uma área de litoral dos dois caças - e não sofreu perdas. Desenvolvido por uma equipe de pesquisadores da Universidade de Cincinnati, nos Estados Unidos, o sistema também venceu um piloto aposentado de caças da Força Aérea Americana - logo, bastante experiente.
Na simulação descrita no estudo, os dois jatos que atacavam o litoral - chamada de equipe azul - tinham um sistema de armas mais poderoso que os jatos usados pelo Alpha, chamados de equipe vermelha. Mas o sistema criado por inteligência artificial conseguiu se livrar dos inimigos depois de realizar uma série de manobras evasivas.
Um especialista em aviação afirmou que os resultados são promissores.

"Adversário letal"
Na pesquisa, os cientistas da Universidade de Cincinnati e a companhia especializada em tecnologia Psibernetix chamam o sistema Alpha de um "adversário letal". Descrevendo as simulações de combate entre o sistema de inteligência artificial e o piloto aposentado Gene Lee, os pesquisadores escreveram que o americano "não apenas não conseguiu uma morte contra (o Alpha), mas também foi derrubado pelos vermelhos todas as vezes nos combates prolongados".
O Alpha usa uma forma de inteligência artificial baseada no conceito de lógica difusa (ou "fuzzy"), na qual um computador analisa uma série ampla de opções antes de tomar a decisão. Devido ao fato de um caça virtual produzir uma quantidade grande de dados para serem interpretados, nem sempre fica óbvio quais as manobras são mais vantajosas e, um combate ou mesmo em que momento uma arma deve ser disparada.
Sistemas que usam a lógica difusa podem analisar a importância desses dados individuais antes de tomar uma decisão mais ampla. O grande feito atingido pelos pesquisadores americanos com o sistema Alpha foi a capacidade de tomar essas decisões em tempo real e com a eficiência de um computador.
"Aqui você tem um sistema de inteligência artificial que parece ser capaz de lidar com o ambiente exclusivamente aéreo, é extraordinariamente dinâmico, tem um número extraordinário de parâmetros e, na teoria, consegue enfrentar muito bem um piloto de combate qualificado, capaz e experiente", disse Doug Barrie, analista aeroespacial militar da consultoria IISS. "É como um campeão de xadrez perdendo para um computador", acrescentou.
Ética
Apesar do entusiasmo, Barrie lembrou à BBC que pode não ser tão fácil ou apropriado tentar usar o Alpha em ambientes de combate na vida real. A analista afirmou que se o sistema for usado de verdade e decidir atacar um alvo não militar, por exemplo, os resultados poderão ser terríveis. "A indignação do público seria imensa."
Barrie acrescentou, porém, que o Alpha tem potencial para se tornar uma ferramenta de simulação de combate ou para ajudar a desenvolver sistemas melhores para uso dos pilotos humanos.

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Previdência de militares fica fora do debate sobre reforma


Edna Simão E Lucas Marchesini

Apesar de representar 44,8% do rombo na previdência dos servidores da União, a concessão de aposentadorias e pensões aos militares não faz parte, até agora, do debate sobre a reforma do setor.
No ano passado, o déficit previdenciário dos servidores públicos somou R$ 72,5 bilhões, um aumento de 8,37% sobre 2014. Desse total, R$ 35,5 bilhões se referem a pagamento de benefícios a civis; R$ 32,5 bilhões a militares e R$ 4,5 bilhões para outros. A União atende 945.262 aposentados e pensionistas, sendo que 299.044 são militares.
O debate da reforma da Previdência tem se concentrado na convergência gradual dos critérios de concessão de aposentadoria entre trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos. A ideia é fixar uma idade mínima para o INSS, por volta dos 65 anos, que é a média nos países da OCDE. A convergência gradual de regras de aposentadoria de homens e mulheres também está no debate. Hoje, governo e centrais sindicais voltam a se reunir para dar continuidade às negociações sobre o assunto.


OUTRAS MÍDIAS


NOTÍCIAS AO MINUTO (Portugal)


Embraer acredita que Portugal compre aviões KC-390 e mantém "conversas"

O presidente da Embraer Defesa e Segurança, Jackson Schneider, disse hoje acreditar na aquisição por Portugal do novo avião militar KC-390, revelando que "as conversas" com o Governo decorrem de forma "normal" e sem "pressão".

"Respeitamos o tempo do Governo português e as conversas estão a caminhar de forma absolutamente normal e sem nenhum tipo de pressão de nenhum dos lados", afirmou o responsável.

Jackson Schneider falava aos jornalistas em Évora, durante o Embraer Media Day, realizado hoje nas fábricas da empresa na cidade alentejana, como preparação para a feira aeronáutica de Farnborough, que vai decorrer em Inglaterra, de 11 a 17 de julho.
A Embraer espera apresentar neste festival aéreo o novo avião KC-390, mas, antes do arranque do certame, "Portugal vai ser o primeiro país do mundo" onde a aeronave vai ser apresentada.
"Na ida para o certame, pararemos em Portugal. Só estamos à espera das autorizações", mas "a ideia é fazer em Portugal a primeira presença mundial do KC-390", afirmou o responsável, sem precisar a data, nem o local para essa apresentação e limitando-se a revelar que será "no princípio de julho".
Portugal, lembrou o presidente da Embraer Defesa e Segurança, é "o maior" e "mais importante parceiro" da construtora aeronáutica brasileira no projeto do KC-390, cujos protótipos estão, atualmente, em fase de testes.
"Portugal é o maior parceiro industrial da Embraer", frisou, destacando que a empresa "está, inclusive, a aumentar os investimentos" em Évora, num valor global de 93,6 milhões de euros, com a ampliação das duas fábricas.
Por isso, Schneider disse acreditar que Portugal virá a adquirir aeronaves KC-390: "Todos os negócios de que vamos atrás, eu acredito que se vão concretizar" e "este em especial, pela representatividade emblemática que Portugal tem para o projeto".
O KC-390, cujo primeiro avião da fase de produção em série está previsto ser entregue no início de 2018, à Força Aérea Brasileira, é uma aeronave adaptada ao transporte e lançamento de cargas e tropas, reabastecimento aéreo, busca e resgate e combate a incêndios florestais.
Portugal está envolvido no projeto, através do Centro de Excelência para a Inovação e Indústria (desenvolvimento e testes) e das unidades da Embraer no país: a OGMA, em Alverca, e as fábricas de Évora (construção de componentes).
Além destas, "outras 13 empresas portuguesas" já estão envolvidas na cadeia de fornecedoras de peças para o KC-390, destacou Jackson Schneider, revelando que, "no segundo semestre" deste ano a empresa vai "começar com uma segunda "onda" para atrair mais fornecedores portugueses" para o projeto.
Tal como outros 30 países, Portugal assinou uma carta de intenção de compra do KC-390, de até seis aeronaves.
Em abril, numa visita às fábricas da Embraer em Évora, o ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, afirmou que o Estado mantém o interesse na compra destes aviões, para substituírem os atuais Hércules C-130 da Força Aérea, que têm uma vida útil até 10 anos, e admitiu que a decisão "vai ter de ser tomada mais tarde ou mais cedo".

PORTAL RONDONIAGORA


Aeronáutica autoriza conclusão das obras do Espaço alternativo, afirma Garçon

Uma boa notícia. Lutando pelo reinício das obras do Espaço Alternativo, o deputado federal Lindomar Garçon (PMDB), após assumir a presidência da Subcomissão de Fiscalização Financeira e Controle, definiu como meta a retomada de obras paralisadas em Porto Velho e no estado, começando pelos viadutos e em seguida pelas obras do espaço alternativo. “Por se tratar de uma região que influencia no espaço aéreo, havia necessidade de uma autorização da Aeronáutica para dar continuidade às obras do estacionamento. Agora, com a autorização em mãos, as obras poderão ser retomadas imediatamente”, comemora o deputado.
O governador Confúcio Moura, juntamente com o diretor geral do DER, Ezequiel Neiva, fizeram questão de agradecer ao Parlamentar pelo empenho para que esse momento viesse acontecer. Ezequiel Neiva, por determinação do governador Confúcio, está preparado para reiniciar as obras a partir desta semana. “Vamos começar pelas calçadas, em seguida vamos dar continuidade fazendo as obras de arte, as passarelas elevadas e o estacionamento”, afirmou.
“Espero agora ver estas obras concluídas, por ser um desejo de todos os moradores da nossa capital”, finalizou Lindomar Garçon.

CLEVELAND (OHIO, EUA)


FAA sets commercial drone rules; use should be commonplace soon

Stephen Koff
WASHINGTON, D.C. -- Besieged with requests and convinced that it is safe, the Federal Aviation Administration has finally agreed to ease up on rules that made it cumbersome for businesses to use drones -- or small unmanned aircraft.
Under a replacement set of rules, Realtors will begin using drones to photograph houses for sale. News organizations will use drones to take photos and video from on high. Farmers will use drones to check the condition of crops. Insurers will use them to check out storm damage. Naturalists will use them to check on wildlife, and utility companies will use them to check on pipelines and power lines, the FAA said.
Few of these uses are new. But until now, these activities required the drone operator to have a private aircraft pilots license or apply for a waiver, the latter of which thrust an avalanche of requests on the FAA as the drone industry grew. Now the rules will change, effective late August, and what once required an exemption should now become routine.
"We are part of a new era in aviation, and the potential for unmanned aircraft will make it safer and easier to do certain jobs, gather information, and deploy disaster relief," U.S. Transportation Secretary Anthony Foxx said when making the announcement.
A different kind of license required:
Under new rules announced last week, commercial drone operators -- photographers or those in need of photography, in large part -- will be able to get a remote pilot airman certificate by passing a test of their aeronautical knowledge. The FAA estimates this will cost the remote pilot about $150. Someone without a license can operate the drone, but only under the supervision of a licensed operator.
This does not mean they can fly their drones anywhere, any time. They will be restricted to daylight hours unless they get special FAA permission, although twilight flying will be allowed if the drone has anti-collision lighting. Drone operators also will have to restrict their operation to:
- flying 400 feet or lower or, if over a structure, within 400 feet of it.
- flying at air speeds no greater than 100 miles per hour.
- not flying over people who are not directly involved in their operations, unless the people are inside a structure or in a stationary car or truck.
Their drones must weigh less than 55 pounds and must be within the line of operators of sight at all times. This means no long-distance or cross-town Amazon.com deliveries. It will be okay to operate a drone from a moving vehicle, but only in sparsely populated areas.
Similarly, it will be okay to use a drone for news photography, but the restrictions apply. Says an FAA fact sheet: "Organizations may request a waiver to fly over people, and will need to provide sufficient mitigations to ensure public safety."
Hobbyists -- those not flying for a commercial purpose -- need not get an license of operator, but their unmanned aircraft must be registered.
Good for the economy, but concerns remain:
The drone industry has grown quickly since 2008, and people who use photography in their businesses have sought waivers from the old rules at a rapid clip. In 2012, Congress directed the FAA to study the public and national security risks and, if appropriate, to establish new standards.
The FAA says it expects commercial drone use will create 100,000 jobs within a decade, and generate $82 billion for the economy.
Yet the popularity of drones is not without concerns. One is interference with safety operations and manned aircraft. The FAA says in its new rules that a drone may not interfere with any manned aircraft -- an extension of an old rule. But that has not kept some people from flying their drones over wild fires in Arizona, Utah and California and interfering with aerial firefighting efforts.
The new rules will not address another concern: privacy.
What can you do if a drone-operated camera flies by your window? That is up to your local authorities. After hearing from privacy advocates and those who wanted the ability to fly and photograph freely, the FAA concluded that privacy is not its business.
Instead, said the agency when announcing the rules: "The FAA strongly encourages all UAS pilots to check local and state laws before gathering information through remote sensing technology or photography."

Air Force Technology.com (Reino Unido)


Brazilian Air Force begins operational testing of KC-390 transport aircraft

The Brazilian Air Force is conducting operational testing of the KC-390 transport / tanker aircraft at Campo Grande air base.The first trials were successfully completed by dropping paratroopers from the Embraer-built aircraft.
Brazilian Air Force KC-390 programme technical manager colonel Claudio Evangelista said: "There were major concerns about the paratroopers exit from the fuselage because there is an aerodynamic flow around a new airframe.
"Fortunately, the feedback we received from the military was very positive, they reported that the exit was very smooth."The trials will involve dropping of supplies and checks of the stability of extractor parachutes.
During the scheduled trials that will continue until 9 July, the aerodynamic modifications of the aircraft will be examined.The test results will support the final development and certification of the KC-390 aircraft.
Embraer engineer André Gama said: "It is almost a war exercise."In a few days, the campaign will expand to involve over 200 people, including Embraer professionals and military personnel."
Embraer has developed KC-390 aircraft, under a $1.3bn development order awarded by Brazilian Air Force in 2009.The aircraft will replace the 22 Lockheed Martin C-130E/H and KC-130 that are currently a part of the Air Force.
The transport jet comes with V2500-E5 powerplant, landing gear system, two head-up displays (HUD), self-defence system and night vision goggle (NVG).
BAE Systems will supply and install flight control electronics in the KC-390 transport aircraft.

PORTAL MAXPRESS (SP)


Ministro lança guia para orientar passageiro em aeroportos nos Jogos Rio 2016

Maurício Quintella também apresenta manual de planejamento e operações especiais do setor de aviação no período da Olimpíada e Paralimpíada.
O ministro dos Transportes, Portos e Aviação Civil, Maurício Quintella, lança nesta quarta-feira (29) o hotsite Aeroportos nos Jogos Rio 2016, um guia online com informações sobre aeroportos brasileiros, cujo objetivo é orientar turistas nacionais e estrangeiros em trânsito no País.Quintella apresenta também o Manual de Planejamento do Setor de Aviação Civil para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, um grande acordo operacional e de planejamento estratégico para 40 aeroportos que funcionarão sob regime especial durante o megaevento esportivo.
Também participam da solenidade o Tenente-Brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino, Diretor-Geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) e o Brigadeiro do Ar Luiz Ricardo de Souza Nascimento, Chefe do Subdepartamento de Operações (SDOP) do DECEA e Coordenador da Sala Master de Comando e Controle de Tráfego Aéreo para os Jogos Rio 2016.
Ao fim da atividade, o ministro atenderá a imprensa.
SERVIÇO
Lançamento do Manual de Planejamento do Setor de Aviação Civil ? Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 e do hotsite Aeroportos nos Jogos Rio 2016
Data e hora: 29 de junho, quarta-feira, às 10h
Local: Auditório do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) - entrada pela portaria próxima ao aeroporto Santos Dumont. Praça Senador Salgado Filho, s/n., 5º andar. Centro do Rio de Janeiro (RJ)
Credenciamento de jornalistas: informar nome, email, identidade e veículo por whatsapp (61 9 9905-2466)



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented