|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 21/05/2016 / Ninguém sabe por que uma nave secreta dos EUA está no espaço há um ano

Imagem

Ninguém sabe por que uma nave secreta dos EUA está no espaço há um ano ...


X-37B faz parte de programa ultrassecreto do governo americano para desenvolver tecnologias de aeronaves não tripuladas e reutilizáveis e realizar experimentos ...

 PC World / EUA

Já faz um ano que a Força Aérea dos EUA lançou o misterioso X-37B ao espaço, deixando muita gente se perguntando por que ele está lá.

À primeira vista, se parece com uma mini Space Shuttle. Mas essa primeira impressão pode estar errada.

O X-37B faz parte de um programa ultrassecreto do governo americano para desenvolver tecnologias de aeronaves não tripuladas e reutilizáveis e realizar experimentos.

A Força Aérea americana já completou com sucesso três missões do X-37B com o primeiro lançamento em abril de 2010. As três missões e as duas aeronaves X-37B provaram tecnologias de voo, pouso e relançamento reutilizáveis. Mas então por que esse último veículo foi lançado?

O mistério do X-37B pode não estar tanto na estrutura do veículo, mas no que ele carrega, afirma o astrônomo do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, Jonathan McDowell.

As longas missões são perfeitas para transportar cargas sensíveis ao espaço para testes, explica.

“Eles estão enchendo a seção de carga útil com vários experimentos. Provavelmente experiências diferentes a cada voo, talvez para consumidores diferentes.”

A Força Aérea falou um pouco sobre algumas das tecnologias testadas no último voo, incluindo orientações avançadas, material de isolamento reutilizável, e sistemas de propulsão avançados. Mas McDowell aposta que o governo também está realizando alguns experimentos secretos.

“Os tipos de coisas que você iria querer com algo como isso...você desenvolve novos sensores de tecnologia como novas câmeras, novos aparelhos de audição, antenas de rádio que reúnem inteligência, e talvez um novo prato de antena que se abre de uma nova maneira. E você quer testar isso várias vezes no espaço e então trazer de volta para a Terra”, aponta.

O X-37B também pode estar testando reviravoltas e relançamentos rápidos.

McDowell aponta que essa é a primeira vez que a Força Aérea não especificou qual dos dois X-37B foi lançado. É possível que tenham enviado o mesmo veículo sete meses após ter pousado em 17 de outubro de 2014, diz.

Então quanto tempo essa missão mais recente pode durar? O tempo das últimas três aumentou progressivamente, de 240 dias para 469 dias, e finalmente para 674 dias. Mesmo assim, McDowell prevê um retorno mais cedo do que isso.

“O que espero ver em algum momento ... é que veremos essa aeronave pousar e então possivelmente o mesmo veículo voltar ao espaço após um período mais curto de tempo”, completa.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL SPUTNIK BRASIL


Rússia apresenta nova aeronave do Sistema Aéreo de Alerta e Controle


ImagemO Ministério da Defesa da Rússia apresentou nesta sexta-feira (20) as suas mais novas aeronaves do Sistema Aéreo de Alerta e Controle Aerotransportado (AWACS) A-50U. As imagens da apresentação, feita no aeródromo Severny, na cidade de Ivanovo, foram publicadas pelo canal RT.
O Ministério da Defesa da Rússia destacou que, em relação ao modelo precedente, o A-50U possui uma maior autonomia de voo, processamento mais rápido de dados, sinal de rastreio melhorado e detecção melhorada de alvo.
O desenvolvimento do A-50U, usando o A-50 - "37 Red" da Força Aérea Russa como protótipo, foi iniciado alguns anos atrás, e os primeiros testes aconteceram 10 de Setembro de 2008.

AGÊNCIA BRASIL


Forças Armadas podem substituir PM na segurança de vias durante a Rio 2016


Isabela Vieira

As Forças Armadas poderão atuar na segurança de vias expressas do Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos para que a Polícia Militar seja liberada para outras funções no período. Entre os locais de atuação dos militares estão a Avenida Brasil e a Linha Vermelha.
“O governador [Francisco Dornelles] nos informou que enviará um pedido ao presidente [interino] Michel Temer de que as Forças Armadas venham a cuidar de algumas vias, Transolímpica, Linha Vermelha, talvez, liberando o pessoal de segurança pública do estado para cumprir outras missões”, disse hoje (20) o ministro da Defesa, Raul Jungmann, após reunião no Palácio Guanabara.
Ao todo, 38 mil homens da Forças Armadas atuarão na segurança pública durante a Rio 2016, de 5 a 21 de agosto deste ano. Desse total, 20 mil atuarão na cidade-sede e o restante do efetivo será distribuído entre as cinco cidades que receberão partidas de futebol masculino e feminino: Brasília, Belo Horizonte, Manaus, Salvador e São Paulo.
O secretário estadual de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, cogitou a atuação das forças armadas em todos corredores expressos da cidade, para liberar a PM para outras tarefas de segurança pública. Segundo Beltrame, o pedido de reforço ao governo federal não está relacionado à crise financeira do estado. “A gente vai aceitar e precisa de apoio, não vamos perder essa oportunidade.”
O ministro e o secretário, descartaram, no entanto, atuação das Forças Armadas em áreas de conflito da cidade, como já ocorreu em outras ocasiões, nas comunidades da Maré e no Complexo do Alemão, sob forte crítica de organizações de direitos humanos e moradores.

PORTAL UOL


Alerta de fumaça foi registrado no avião da EgyptAir antes da queda, diz CNN


A comunicação entre a aeronave da EgyptAir e o solo registrou alertas de fumaça minutos antes de o avião desaparecer dos radares no Mar Mediterrâneo na madrugada de quinta-feira. A informação foi divulgada pela rede norte-americana CNN nesta sexta-feira. Os sinais registrados coincidem com os momentos próximos ao desaparecimento da aeronave.
A CNN disse que os dados foram obtidos através de uma captura de tela de uma fonte egípcia, e que os dados vieram de um sistema automático a bordo do avião. No entanto, uma autoridade dos EUA caracterizou o relato como um rumor não confirmado.
O jornal americano "Wall Street Journal" publicou que alertas automáticos indicaram que havia fumaça no nariz da aeronave e um problema aparente com o sistema de controle de voo.
Os avisos, que foram enviados automaticamente pelos sistemas informáticos do Airbus A320, chegaram às 02:26 de quinta-feira, hora local, pouco antes dos controladores de tráfego aéreo perderem contato com o avião que transportava 66 pessoas, segundo o jornal.
As mensagens indicaram que havia uma fumaça intensa na parte da frente do avião, especificamente no banheiro e em um compartimento abaixo da cabine. Os avisos de erro também indicaram que o computador de controle de voo teve problemas de funcionamento, segundo o relatório.
Assentos, malas e corpos estão entre os primeiros elementos identificados nesta sexta-feira (20) do avião da EgyptAir que caiu por causas ainda desconhecidas com 66 pessoas a bordo.
"Aviões e navios das Forças Armadas encontraram objetos pessoais dos passageiros e destroços da aeronave 290 quilômetros ao norte de Alexandria", afirmou o exército egípcio em um comunicado. "A busca continua, estamos retirando da água tudo o que encontramos", completa a nota oficial.
Atentado terrorista
A hipótese de um atentado no voo MS804 que fazia a rota Paris-Cairo ganha consistência aos olhos das autoridades egípcias e de especialistas, devido à ausência de pedidos de ajuda por parte da tripulação antes da repentina queda da aeronave, que se preparava para iniciar as manobras de aterrissagem.
O acidente com o Airbus não foi reivindicado por nenhum grupo insurgente ativo na região, como por exemplo o braço egípcio da organização Estado Islâmico (EI), que reivindicou rapidamente a explosão de uma bomba em pleno voo de um avião com turistas russos em 31 de outubro, quando sobrevoava o Sinai. O atentado matou as 224 pessoas a bordo.
Apesar de as autoridades egípcias acreditarem mais na possibilidade de um atentado terrorista do que em uma falha técnica, o ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Marc Ayrault, reiterou a necessidade de manter a cautela enquanto não houver provas reais que apontem as causas do acidente.
Em estado de emergência desde os atentados de novembro em Paris e até o final de julho, quando acontecem a Eurocopa e o Tour de France, a possibilidade de uma falha no território francês minaria a eficácia do esquema de segurança da França.
Golpe na recuperação do turismo
O avião decolou do aeroporto Roissy-Charles de Gaulle, ao norte de Paris, pouco depois das 23h00 locais (18h00 de Brasília) de quarta-feira e tinha previsão de pouso no Cairo na quinta-feira às 03h05 (22h05 de Brasília, quarta-feira).
Desapareceu dos radares às 00h30 GMT (21h30 de Brasília), quando já estava no espaço aéreo egípcio.
A catástrofe, depois da registrada em outubro, desfere um golpe letal no turismo, um setor essencial para a economia egípcia, abalada pelos atentados jihadistas e as tensões políticas.
O acidente pode provocar consequências desastrosas. O Egito busca atrair turistas e investidores estrangeiros que deixaram o país depois do levante popular da Primavera Árabe de 2011.
Em 2015, a indústria turística faturou 6,1 bilhões de dólares, 15% a menos que em 2014, segundo dados oficiais.
As autoridades esperam que o material recuperado facilite a investigação sobre as causas do acidente, que ocorreu em condições meteorológicas favoráveis e com uma tripulação experiente. (Com agências internacionais)

PORTAL R7


Quatro pontos para entender a reforma da Previdência

Entenda onde estão os principais buracos no sistema de aposentadoria dos brasileiros

Richard Rytenband

Os anos de bonança permitiram a sociedade brasileira adiar o debate em torno da Previdência Social e ocultar suas principais contradições. No entanto, com a severa crise econômica e o forte desequilíbrio das contas públicas, a reforma da Previdência virou prioridade na nova equipe econômica do governo interino de Michel Temer, que criou uma comissão que deverá apresentar uma proposta de mudança nas regras de aposentadoria em até 30 dias.
Para contribuir com o debate da Reforma da Previdência, selecionei quatro fatos sobre o tema que todo brasileiro deve saber, e com essas informações entender melhor os pontos críticos do sistema atual.
1. A previdência rural é a grande responsável pelos déficits no INSS desde 2009.
Nem todos sabem, mas o RGPS (Regime Geral de Previdência Social), que atende aposentados e pensionistas do INSS, é dividido em Previdência Urbana e Rural. O que talvez um número ainda menor de pessoas faz ideia, é que no sistema atual, o maior impacto e déficits tem sido gerado pela que possui um número menor de contribuintes e beneficiados, a Previdência Rural.
Com base nos dados do Tesouro Nacional, em 2015 a Previdência Rural teve um déficit de R$ 90,9 bilhões, em contrapartida, a Previdência Urbana teve um superávit de R$ 5,14 bilhões, e esteve superavitária de 2009 a 2015.
O que tem gerado questionamentos, é que dos 28 milhões de atendidos pelo INSS, cerca de 9 milhões pertencem a previdência rural, ou seja, cerca de um terço do total atendido pelo sistema.
As diferenças nas regras envolvendo os trabalhadores urbanos e rurais podem ser destacados entre os pontos que mais impactam nas deficiências do sistema previdenciário. Entre pontos importantes, está o fato de a Previdência Rural estar legível para receber o benefício, a pessoa física residente no imóvel rural, aos 60 anos para homens e 55 anos para mulheres, mesmo sem ter cumprido a exigência feita ao trabalhador urbano, que deve contribuir por ao menos 30 anos (mulheres) e 35 anos (homens).
O benefício mínimo é equivalente a um salário mínimo e são considerados segurados especiais o produtor, o parceiro, o meeiro e os arrendatários rurais, o pescador artesanal e o assemelhado, que exerçam essas atividades individualmente ou em regime de economia familiar.
 2. O rombo da previdência dos servidores públicos e militares foi próximo do gerado por todo INSS em 2015
O Regime Próprio de Previdência Social, chamado RPPS, atende os servidores públicos da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos militares dos Estados e do Distrito Federal.
Enquanto o RGPS do INSS atende cerca de 28 milhões de pessoas, o RPPS atende apenas cerca de 1 milhão de pessoas, mas gerou um déficit financeiro muito próximo.
Em 2015, o déficit do RGPS foi de R$ 85,8 bilhões, enquanto que o rombo na previdência dos servidores públicos e militares foi de R$ 72,51 bilhões.
3. O Brasil é um ponto fora da curva nos gastos com Previdência
É natural um país gastar mais com previdência, conforme a população idosa aumenta, já que teremos mais aposentados. Recentemente, o Instituto Mercado Popular elaborou um interessante estudo em que foram analisados os gastos com previdência no mundo em relação a população idosa (com mais de 65 anos).
O resultado confirmou que os países com mais idosos em proporção de sua população tendem a gastar uma parcela maior do PIB com a previdência. Porém, o Brasil se comportou como um ponto fora da curva, já que gasta muito mais do que o esperado pelo tamanho de sua população idosa. Pelo tamanho de sua população idosa, seria esperado que o Brasil gastasse cerca de 4% do PIB com previdência, e não os 11% do PIB atualmente gastos.
Para efeitos de comparação, na Alemanha, por exemplo, idosos são 21% da população e gasta-se 10% do PIB com a previdência. Já no Brasil, idosos são apenas 7,5% da população e se gasta mais de 11%. Se não houver um ajuste, quando a população brasileira for tão velha quanto a da Alemanha, estaremos gastando quase 20% do PIB com a previdência.
 4. A Aritmética da Previdência
O atual sistema de previdência social é sustentável? No Brasil, as contribuições dos trabalhadores ativos pagam as aposentadorias e pensões dos inativos, sistema chamado de “pay-as–you-go” ou repartição simples.
Isso quer dizer que as contribuições de quem trabalha hoje são usadas para pagar o benefício de quem já saiu do mercado de trabalho. Obviamente, esse sistema só pode ser sustentável enquanto houver muito mais trabalhadores ativos do que aposentados e pensionistas, mas tende a quebrar quando a tendência se inverte.
O atual Secretário de Acompanhamento Econômico, Mansueto Almeida Jr, recentemente publicou uma análise a respeito do tema, justamente indicando está tendência. Segundo ele, é possível verificar a trajetória rápida de envelhecimento da população brasileira e, consequentemente, a redução da população economicamente ativa. Envelhecimento da População Brasileira — População com 65 ou mais anos/População de 15-64 anos.
Quantas pessoas existem em idade ativa para cada pessoa com 65 anos ou mais de idade?
De uma forma bem simples, o número de trabalhadores ativos será cada vez menor em proporção aos inativos, em outras palavras, menos pessoas terão que contribuir mais.

JORNAL O DIA


Estado quer Exército nas vias expressas nos Jogos Olímpicos

Estratégia de Beltrame é liberar mais policiais para o patrulhamento no resto da cidade

Marlos Bittencourt

Rio - A segurança das vias expressas do Rio, palco de arrastões e da morte da estudante Ana Beatriz Frade, no início do mês, deve ficar com os homens do Exército durante a Olimpíada. Pelo menos é o que quer o secretário de Segurança Pública, José Mariano Beltrame, que se reuniu ontem com o governador em exercício, Francisco Dornelles, e o ministro da Defesa, Raul Jungmann, no Palácio Guanabara, para pedir reforço de tropas federais para a cidade.
O objetivo é trazer, além dos 9,3 mil soldados da Força Nacional de Segurança já assegurados, mais militares do Exército (a quantidade ainda não foi definida) para a capital. Beltrame quer que os homens das Forças Armadas patrulhem áreas como Transolímpica, linhas Vermelha e Amarela e corredores próximos à Barra da Tijuca.
O envio de mais tropas ao Rio ainda depende de aprovação do presidente em exercício, Michel Temer. O ministro Jungmann será o interlocutor entre o estado e a União. Mesmo sem a aprovação da Presidência, Beltrame adiantou que a PM fará um levantamento das áreas e vias expressas da capital que poderão ser ocupadas pelo Exército. “A nossa ideia (com a atuação do Exército) é liberar a PM para sua principal função, a segurança pública, cuidar do turista que estará na cidade”, disse o secretário.
Por meio de nota, a assessoria de comunicação da PM informou que o comandante do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas, coronel Ubiratan, disse que toda e qualquer ajuda é bem-vinda.
No dia 7 de maio, Ana Beatriz Pereira Frade, de 17 anos foi morta após bandidos fazerem um arrastão para assaltar motoristas em um acesso à Linha Amarela, na altura na saída 4, em Del Castilho, na Zona Norte. A jovem foi atingida por um tiro e não resistiu.
Os tiroteios e arrastões têm sido frequentes corriqueiros nas vias expressas da cidade. Na última quarta-feira, em um assalto a dois veículos carregados com cigarros, oito bandidos armados de fuzis atiraram, e um motorista foi baleado na perna.
Número de homicídios cresce 23% na Baixada
Enquanto a preocupação com a segurança na capital do estado ganha peso na agenda do governo, a Baixada Fluminense sofre uma escalada da violência. “Vamos nos reunir para discutir este assunto porque o crescimento do índice de homicídios na Baixada nos preocupa”, afirmou o secretário Beltrame, após a reunião com Jungmann e o governador em exercício.
O número de homicídios dolosos na Baixada aumentou 23,7% se comparado o mês de abril deste ano com o mesmo período de 2015: de 135 subiu para 167, segundo o ISP. Nas regiões de Duque de Caxias, Campos Elísios, Xerém e Imbariê houve um aumento de 52%, passando de 25 homicídios para 38 se comparando abril de 2015 e abril de 2016. Já em São João de Meriti mais do que dobrou comparando abril de 2015 com o mês passado: de 9 passou para 19. Em Seropédica, Itaguaí, Paracambi, Queimados e Japeri subiu 23,5% no mesmo período. Houve, no entanto, queda de 23% em Nova Iguaçu, Mesquita, Comendador Soares, Nilópolis e Posse: de 52 em abril de 2015 para 40 em abril deste ano.
Rocinha tem dia de tiroteios
Poucas horas após o secretário de Segurança José Mariano Beltrame dizer que vai solicitar o Exército para a segurança nas vias expressas, um intenso tiroteio na Rocinha chegou a fechar as pistas do sentido São Conrado da Autoestrada Lagoa-Barra no fim da tarde de ontem, deixando o trânsito complicado. Segundo moradores, a troca de tiros foi mais intensa entre 16h e 17h, enquanto o Batalhão de Operações Especiais (Bope) realizava operação na comunidade.
Na subida do morro, em São Conrado, muitos moradores esperavam o fim do confronto para voltar para casa. “É um absurdo fazer operação nesse horário, cheio de criança voltando da escola. Depois um tiro pega em uma criança, e vão colocar a culpa nos bandidos. Se a polícia não subisse neste horário, não tinha tiroteio agora”, afirmou uma moradora que aguardava para voltar para a casa com a filha e pediu para não ser identificada.
Em alguns momentos do tiroteio mais intenso, os policiais da UPP local fecharam a saída do Túnel Zuzu Angel, sentido São Conrado, para a segurança dos motoristas. Já por volta das 18h, moradores é que tentaram bloquear a via para protestar contra a operação, mas foram impedidos pelos policiais. O Batalhão de Choque chegou também à comunidade pouco antes das 19h.
A Polícia Militar informou que, com base em informações levantadas pelo serviço reservado, a operação tinha o objetivo de prender o chefe do tráfico local Rogério Avelino da Silva, conhecido como Rogério 157. Até o fechamento desta edição, segundo a corporação, não houve feridos ou presos.

JORNAL CORREIO BRAZILIENSE


Após mais de 70 anos, escola para cadetes do Exército abre primeiro concurso para mulheres

A seleção, porém, reserva menos que 10% das vagas ao sexo feminino e oferece menos áreas de atuação em relação aos homens

Lorena Pacheco

Apesar de já admitir desde 1992 a presença de mulheres em outras carreiras que não sejam da linha militar bélica, o Exército brasileiro está com as inscrições abertas para o primeiro concurso que aceitará representantes do sexo feminino para formação de cadetes. Desde a criação do ensino preparatório do Exército há 77 anos, essa é a primeira vez que mulheres poderão se tornar oficiais combatentes. Apesar da inovação, a participação feminina na carreira começou limitada. Das 440 vagas abertas na seleção, apenas 40 são reservadas às mulheres, ou seja, menos de 10% do total de oportunidades oferecido. E as áreas para atuação no curso de formação se restringem a apenas duas, enquanto os homens podem optar entre sete especialidades.
Segundo a assessoria do Exército, a inserção feminina na carreira só aconteceu agora por determinação da Lei 12.705, de 2012, que deu prazo de até cinco anos para que fosse permitido o acesso de mulheres. Sobre o quantitativo de vagas limitado do novo edital, o Exército respondeu que se deve “em razão da política de pessoal e da atuação, inicialmente, na área logística, considerados o percentual de vagas destinada para esta atividade e preservada a operacionalidade da Força Terrestre”.
Ainda de acordo com o Exército, mesmo atuando inicialmente na logística, o perfil esperado da profissional combatente, ao longo da carreira, é diferente de outras áreas. Dentre os principais aspectos, a oficial e a sargento combatentes travarão contato de modo direto, nos primeiros postos e graduações da carreira, com as atividades em campanha e conviverá permanentemente com os riscos inerentes à profissão militar. A mobilidade geográfica, a disponibilidade e a preocupação com o vigor físico, em parâmetros semelhantes aos candidatos homens, também estarão presentes. “As tarefas inerentes ao cargo ou função que desempenharão serão realizadas sem distinção de sexo e sua presença tende a ser cada vez maior”, informou o órgão.
Para receber as novas aspirantes a cadete, a escola de preparação, localizada em Campinas/SP, passou por adaptações. Como estudos sobre os padrões de desempenho de mulheres, que incluíam aptidão física; estudos para adoção de novos uniformes e sua implantação na cadeia logística; e adaptações nas instalações de vestiários para instrutoras e alunas, alojamentos, banheiros e instalações de saúde.
Mas, mesmo conseguindo ser aprovada no concurso atual, ainda vai demorar para que a primeira mulher se torne de fato uma oficial combatente. Isso porque a formação começa na condição de aluna, que dura um ano, a partir de 2017. Se aprovada, ela tem ingresso assegurado na Academia Militar das Agulhas Negras, na condição de cadete, continuando o aprendizado por mais quatro anos. Durante sua formação, a jovem recebe alojamento, alimentação e fardamento por conta do Exército, além dos proventos previstos em lei. Participa, também, de operações militares, mas apenas da área de especialização que escolher seguir. Elas terão direito a apenas duas opções: quadro de material bélico ou serviço de intendência, diferentemente do cadete homem, que, além dessas duas opções, ainda pode optar por infantaria, cavalaria, artilharia, engenharia e comunicações. A formação como oficial combatente deverá ser completada somente no ano de 2.021.
O concurso
Para concorrer é preciso ter nível médio completo, idade entre 17 e 22 anos e ter altura mínima de 1,55m (mulheres) e 1,60m (homens). As inscrições podem ser feitas até 28 de junho, pelo site www.espcex.ensino.eb.br. A taxa custa R$ 90. O concurso vai aplicar exame intelectual nos dias 10 e 11 de setembro (com questões de português, redação, física, química, matemática, geografia história e inglês) comprovação de requisitos biográficos, inspeção de saúde e exame de aptidão física. A matrícula no curso de formação está prevista para 18 de fevereiro de 2017.

PORTAL BRASIL


Suécia e Brasil impulsionam parcerias em pesquisa

Seminário reuniu cerca de 200 pesquisadores, agências de fomento, representantes do governo e gestores de universidades

Cerca de 200 pesquisadores suecos e brasileiros, agências de fomento e representantes do governo foram recebidos, nesta terça (17) e quarta-feira (18), juntamente com gestores de universidades, na sede da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em Brasília (DF). No Seminário de Excelência Brasil-Suécia, eles discutiram temas relacionados com a investigação, a internacionalização e colaboração relevantes para a Suécia e o Brasil. 
O secretário de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), Jailson de Andrade, reforçou a importância da cooperação bilateral. Até sexta-feira (20), uma delegação do país escandinavo participa de encontros e oficinas em Belém (PA), Belo Horizonte (MG), Campinas (SP), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro(RJ).
Na visão de Jailson, o seminário representou uma oportunidade para se discutir desafios e possibilidades para o futuro da cooperação entre as nações. "A Suécia é considerada uma sociedade do conhecimento e um dos países mais inovadores do mundo. Já o Brasil tem a quinta maior população do planeta e hoje pode contar com um amplo e dinâmico sistema de produção científica", disse, na abertura do evento.
O secretário reconheceu "o papel da capacidade de inovar na geração de empregos, no crescimento econômico e na criação de soluções para desafios em energia, água, alimentação e saúde, áreas que requerem envolvimento global e coletivo". Nos dois dias do seminário, os pesquisadores brasileiros e suecos debateram temas como educação inclusiva, nanotecnologia e desenvolvimento sustentável.
Participaram da organização do seminário, além do MCTIC, o Fórum Sueco de Colaboração Acadêmica (SACF, na sigla em inglês), a Capes, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCTIC) e o Ministério da Educação e Cultura (MEC). Formado por seis universidades suecas líderes em pesquisa, o SACF promove encontros sobre educação superior em países como China, Coreia do Sul, Indonésia e Singapura.
Debate
Ainda na abertura do seminário, o presidente da Capes, Carlos Nobre, ressaltou o progresso recente do Brasil em ciência e pós-graduação, "embora ainda precisemos avançar no número de doutores em relação à população, para chegarmos ao patamar de sociedade do conhecimento."
Nobre informou que o programa Ciência sem Fronteiras (CsF) enviou 547 estudantes brasileiros para a Suécia. "Esperamos aumentar esse número como consequência desse encontro", afirmou. "Hoje, o Brasil é o 13º colocado no ranking da produção científica mundial e queremos atrair mais pesquisadores para continuar o processo de internacionalização da nossa educação superior. Já temos alguns programas de pós-graduação com aulas em inglês", completou.
Para o presidente do CNPq, Hernan Chaimovich, o impacto de publicações conjuntas costuma ser maior do que artigos desenvolvidos somente por pesquisadores de um país. "Quando duas culturas pensam juntas sobre um mesmo problema, a capacidade de se apresentar soluções se multiplica", comentou. "Em 2015, tivemos mais de 600 artigos conjuntos. Devemos nos empenhar agora para que as relações pessoais entre grupos de cientistas sejam institucionalizadas e, assim, a cooperação chegue a outro patamar."
Suecos
O embaixador da Suécia no Brasil, Per-Arne Hjelmborn, destacou a presença de cientistas no seminário. "Temos uma delegação proeminente, com mais de cem pesquisadores suecos de ponta. E o mesmo podemos dizer do lado brasileiro", observou. "Esperamos criar redes e compartilhar ideias."
Chefe da delegação sueca, a reitora da Universidade de Linköping, Helen Dannetun, lembrou que o país nórdico investe 1,9% de seu Produto Interno Bruto (PIB) em educação e possui 48 instituições de ensino superior – 11 delas entre as 500 melhores do mundo, de acordo com o ranking de Xangai.
Desde 2011, os dois países mantêm o Centro de Pesquisa e Inovação Sueco-Brasileiro (Cisb), em São Bernardo do Campo (SP), a fim de identificar, desenvolver e apoiar projetos de alta tecnologia, em áreas como aeronáutica, cidades do futuro, defesa e segurança, energia sustentável e transporte. O modelo operacional é inspirado em parques tecnológicos suecos.
Já a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep/MCTI) e a agência de inovação da Suécia, Vinnova, assinaram um acordo de cooperação em maio de 2013, com objetivo de consolidar parcerias para promover o intercâmbio de experiências, o desenvolvimento de planos de ação e o financiamento de projetos e atividades em áreas de interesse mútuo entre os dois países.

Militares usam cenários virtuais para treinar defesa aérea

Mais de cem situações complexas testam estratégias para garantir defesa do espaço aéreo durante os Jogos Olímpicos

Militares do Exército, Marinha e Aeronáutica participam de treinamentos práticos em que são simulados e avaliados os processos de planejamento, coordenação, execução e controle do Sistema de Defesa Aeroespacial Brasileiro em cenários previamente estabelecidos para atuação durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.
Desde a última segunda-feira (16), 65 militares praticam exercícios simulados a partir de seis cenários criados virtualmente em 110 situações, nas quais é possível praticar e definir quais as estratégias devem ser tomadas para garantir a defesa do espaço aéreo durante os eventos.
Os Controladores de Tráfego Aéreo do Centro de Controle de Área de Brasília (ACC-BS), órgão operacional do Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I), também estão realizando treinamento para a Olimpíada e Paralimpíada Rio 2016. Até a próxima sexta-feira (20), eles recebem instrução teórica e prática simulada em tempo real, visando atender o aumento do fluxo de tráfego aéreo.

JORNAL O VALE (S.J. DOS  CAMPOS -SP)


Embraer vai ser parceira no modelo "NG"


A principal parceira da Saab no Gripen NG é a Embraer, que tem sede em São José. As duas empresas construirão um Centro de Engenharia na fábrica da Embraer em Gavião Peixoto (SP), para apoiar os aviões.
A Embraer anunciou que ficará responsável por trabalhos na área de desenvolvimento de sistemas, integração e testes de voo.
As duas empresas trabalharão juntas, ainda, no desenvolvimento da versão para dois pilotos do Gripen NG. Das 36 unidades para a FAB, oito terão essa característica.
Engenheiros e técnicos da Embraer foram enviados à Suécia, no ano passado, para treinamento inicial na manutenção e no trabalho de desenvolvimento dos caças.
Outras empresas serão parceiras no projeto, como AEL, Atech e Akaer, que transferiu a sua sede para o Parque Tecnológico de São José.

Futuro caça da FAB, "Gripen E" é apresentado na Suécia


Com participação do comandante da FAB (Força Aérea Brasileira), Nivaldo Luiz Rossato, a empresa Saab apresentou na última quarta-feira, em suas instalações em Linköping, na Suécia, o futuro caça supersônico que será usado no Brasil.
Chamado pela fabricante de "Gripen E" ou "caça inteligente", o modelo possui a mesma base que será utilizada na versão escolhida pela FAB. O Brasil irá comprar 36 aviões por US$ 5,4 bilhões --R$ 19,3 bilhões pela cotação do dólar de ontem.
No país, o caça será chamado de Gripen NG (New Generation). As aeronaves serão entregues a partir de 2019 e até 2024.
Melhorias. De acordo com a Saab, que reuniu 500 convidados para apresentar o caça de última geração, o novo Gripen apresenta "melhorias significativas no sistema aviônico" em comparação aos modelos anteriores.
"A capacidade de transportar mais armas e o melhor desempenho de alcance são proporcionados pelo motor ainda mais potente e a capacidade de carregar mais combustível", informou a fabricante.
A apresentação do avião finaliza a fase de desenvolvimento da aeronave de combate, considerada uma das mais modernas do mundo. Agora, a Saab dará início à fase de ensaios em voo.
"É mais um passo em direção à aeronave de superioridade aérea almejada nos últimos 20 anos", disse o comandante da FAB, Nivaldo Luiz Rossato. "Estamos construindo um futuro promissor. A indústria de defesa precisa ser cada vez mais fortalecida, pois é uma das principais impulsionadoras do desenvolvimento científico e tecnológico do Brasil."
Pelo acordo com o Brasil, 15 caças serão totalmente fabricados no país e 21 na Suécia, sendo que 13 deles com a participação de brasileiros e oito somente por brasileiros, sob a supervisão de suecos.
Divisor. Segundo Rossato, a apresentação do Gripen é um divisor de águas para a indústria de defesa e que o projeto é estratégico para o país. "A qualificação de recursos altamente especializados, acompanhada pelo processo de transferência de conhecimentos proporcionará um novo impulso ao desenvolvimento do nosso complexo científico tecnológico, o que julgo ser um dos mais importantes legados desse projeto promissor".
Os caças atenderão as necessidades operacionais da Força Aérea Brasileira pelos próximos 30 anos. "Será uma Força Aérea diferente da que temos hoje. Há muito tempo não tínhamos um avião com essa capacidade, com essa superioridade aérea. Ele se compara a um dos melhores aviões que existem hoje no mundo", disse Rossato.

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Após três décadas, "noite ufológica" ainda é um mistério no Brasil

Episódio em São José dos Campos causou curiosidade na cidade, mas nenhuma explicação foi dada; caças da FAB foram acionados

Reginaldo Pupo

ImagemSÃO JOSÉ DOS CAMPOS - Um dos maiores eventos ufológicos já registrados completa 30 anos nesta quinta-feira, 19, e ainda é um mistério. Eram 23h15 do dia 19 de maio de 1986 quando o radar da torre de controle do aeroporto de São José dos Campos, interior de São Paulo, detectou a presença de dezenas de objetos voadores não identificados realizando voltas pelos céus da cidade, numa noite clara. Trata-se de um dos raros casos de aparições admitidas por autoridades militares brasileiras. 
O fato, que ficou conhecido como “Noite Ufológica”, atraiu a atenção da Nasa, agência espacial norte-americana, que investigou o caso. Naquela noite, cinco caças da Força Aérea Brasileira (FAB) foram enviados para acompanhar o fato inusitado. A investida, porém, foi em vão, pois as aeronaves foram incapazes de acompanhar a velocidade dos objetos, que faziam evoluções a uma velocidade inalcançável pelos caças.
Sérgio Mota da Silva, que trabalhava naquela noite como controlador de voo, afirma ter visto diversos pontos luminosos e acionou um caça que passava na mesma rota. Na mesma hora, o então presidente da Embraer e recém-nomeado presidente da Petrobrás, Ozires Silva, voava num avião Xingu e também relatou ter visto as luzes.
À época, ele havia afirmado que “as luzes tinham presenças reais, eram alvos primários no radar, alvos positivos, uma coisa concreta. A visibilidade estava muito boa, noite estrelada. E entre as estrelas vi um objeto que parecia um astro, meio arredondado e vermelho. Só que astros não aparecem no radar".
“Luzes multicoloridas”. O repórter-fotográfico Adenir Britto, 51, que trabalhava para o hoje extinto jornal “ValeParaibano”, testemunhou o fato e foi o único profissional a registrá-lo. “Estávamos no fechamento de edição, quando repórteres atendiam ligações de pessoas que diziam estar avistando ‘discos-voadores’ nos céus de São José dos Campos. De início, não demos muita importância, pensando se tratar de trotes. Mas o número de ligações na redação aumentavam , vindo de diferentes regiões da cidade", disse.
Imagem"Incrédulos, eu e a jornalista Iara de Carvalho decidimos ir até o pátio do jornal para conferir. Começamos a olhar para o céu, quando avistamos luzes multicoloridas que se movimentavam rapidamente em todas as direções, onde as cores vermelha, amarela e alaranjada predominavam. O que mais impressionava eram as retomadas de velocidade, seguidas de uma desaceleração brusca. Vimos que não se tratava de objetos com interferência humana como balões, aviões e outros. Era impossível existir invenções humanas capaz de impor tamanha velocidade e de repente ficar imóvel”, relembra Britto.
Segundo ele, representantes da Nasa, acompanhados por militares do Centro Tecnológico Aeroespacial (CTA) de São José dos Campos, levaram os negativos fotográficos para “estudos”. O material nunca foi devolvido. O que restaram foram recortes de jornais da época, com as fotos publicadas.
Em nota, o Comando da Aeronáutica afirmou que “não dispõe de estrutura e de profissionais especializados para realizar investigações científicas ou emitir parecer a respeito desse tipo de fenômeno aéreo”.
Repercussão. Na edição de 22 de maio de 1986, o Estado repercutia o episódio em sua capa, com a chamada: "Aventura, o piloto procurando os OVNIs". O texto dizia: "Dez oficiais da Força Aérea Brasileira falaram mais de duas horas para jornalistas sobre OVNIs perseguidos no dia 19, mas a conclusão foi que os F-5 e os Mirage não chegaram sequer a identificar os pontos luminosos identificados pelos radares do Centro Integrado de Defesa Aérea. Os aviões carregavam mísseis e canhões, mas a ordem era apenas identificar o alvo, que no final não pôde ser cumprida por ninguém."
Na página interna, o jornal destacava a "Invasão aérea. São os tais OVNIs", relatando a aventura de oficiais da aeronáutica em busca de respostas para as luzes no céu de São Paulo. O ministro da Aeronáutica tentou oferecer explicações, mas se rendeu ao ineditismo do fato. "O próprio ministro admite que as informações dos pilotos e das bases em terra são "fantásticas", e que no momento não há como explicá-las. Oficialmente, disse, trata-se de "um fenômeno inexplicável".

JORNAL O POVO (CE)


Desenho político reposiciona CE na disputa?

Ceará não tem ministros no primeiro escalão do governo Temer. Contra o Estado pesariam as escolhas do pernambucano Raul Jungmann (PPS) e potiguar Henrique Alves (PMDB), para a Defesa e Turismo, respectivamente

átila Varela

ImagemO Ceará era considerado, nos bastidores, como sede do hub da empresa aérea Latam. As negociações intensificadas com o governo da presidente afastada Dilma Rousseff também eram vistas como diferenciais. Em fevereiro, numa viagem ao Chile para conversar com empresários, a mandatária fez contato telefônico com a presidente da TAM e o CEO da Lan (antes de se transformar Latam) recomendando o Estado (a companhia não confirma o diálogo). Mas o desenho político agora é outro. O peemedebista potiguar Henrique Alves assume o Turismo. O pernambucano do Raul Jungmann (PPS) fica na Defesa. E não há cearenses no primeiro escalão no Planalto que poderiam “brigar” pelo Estado.
O aspecto político é um peso indireto. A avaliação vai se dar de maneira técnica, seja pela infraestrutura, economia e outros fatores pertinentes a Latam. “Os políticos vão atuar a favor do hub em seus estados de origem. Mas ministro não tem papel importante. As escolhas são técnicas e não políticas”, avalia Carlos Grotta, especialista em transporte aéreo e infraestrutura aeroportuária. Para ele, o hub é um projeto a ser consolidado. A operação começará a mudar os rumos do fluxo de passageiros em dois ou três anos. “Os aeroportos de Fortaleza, Rio Grande do Norte e Pernambuco são equivalentes e com possibilidades estruturais interessantes”, adianta.
Felipe Carreras, secretário do Turismo, Esporte e Lazer de Pernambuco, também não acredita na influência dos ministros na escolha. O porte econômico e turístico, além das desonerações são os atrativos do Estado, são os trunfos do Estado para que o hub seja sede no aeroporto de Recife. Ele avalia que o dever de casa foi feito. E que, apesar de ter um ministro pernambucano, as tratativas se dão de maneira idônea.
Perguntado sobre se a concessão não seria o diferencial para Fortaleza ganhar a disputa, Carreras vê não como um trunfo, mas sim um empecilho. “Daqui que ocorra o certame licitatório e tenha vencedor, não será menos de um ano e meio. E o hub já seria implantado antes. Outro ponto que dificulta para a Latam é saber quem ela irá negociar”, destacando se os diálogos serão com a Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) ou com o consórcio vencedor do leilão.
Durante uma semana, O POVO tentou contato com Ruy Gastar, secretário do Turismo do Rio Grande do Norte. Não houve retorno das ligações.
Melhor preparado
Cearenses não figurando no primeiro escalão do governo Temer não assustam Arialdo Pinho, secretário do Turismo do Ceará. Se antes havia trânsito livre com Dilma Rousseff, até então não ocorreram sinalizações com a nova conjectura presidencial. Ele aponta, contudo, que a mudança de gestão, do ente público para o privado na concessão não prejudica a Latam. “A Latam conhece a Infraero. E a companhia também conhece o aeroporto de Pernambuco e sabe quais são as dificuldades. Eles que irão conviver com a estatal”, disse informando que o a empresa aérea terá celeridade em dialogar com o ente privado.
O estado potiguar também não é visto como ameaça na disputa. “O Rio Grande tem números menos expressivos em relação ao Ceará, sejam em número de passageiros do aeroporto ou na própria economia”, adianta. Já sobre a escolha do ministro do Turismo ser o potiguar Henrique Alves, Arialdo critica a representatividade do parlamentar. “Não tem respaldo no turismo. Não entende de turismo. É um político que não tinha arrumado um ministério”.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL JORNAL CORREIO DE NOTÍCIAS (CANOAS)


Aeronáutica e MP firmam convênio para inserção social de crianças e adolescentes

Na última quinta-feira, 19 de maio, o Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR) assinou o convênio de parceria com o Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, para a inserção social de crianças e adolescentes por meio do Projeto “Aprendiz do Ar”, parte do Programa Forças no Esporte (PROFESP), instituído pelo Ministério do Esporte, do Desenvolvimento Social e da Defesa.
A Cerimônia de assinatura do convênio entre o V COMAR e o Ministério Público, na ocasião representado pelo Promotor de Justiça da Comarca de Canoas, Dr. João Paulo Fontoura de Medeiros, ocorreu no Salão Nobre deste Comando e teve a participação da 1ª Turma de Aprendizes do Ar, que uniformizados com abrigo esportivo do projeto, cantaram o hino entusiasmados apresentando um espírito cívico, emocionando o Comandante, Major-Brigadeiro do Ar Jeferson Domingues de Freitas, idealizador do Projeto.
O Projeto Aprendiz do Ar do V COMAR tem como objetivo contribuir para a inserção social das crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social, por meio da prática desportiva e do convívio social com base nos valores de respeito e dignidade. O projeto oferece vagas nos turnos da manhã e da tarde (contraturno escolar) e, ainda, café da manhã e almoço para os adolescentes participantes.
Segundo a Coordenadora-Adjunta do Projeto, a 3º Sargento Joice da Silva Coutinho, “a finalidade é apresentar aos jovens uma nova perspectiva por meio de atividades de preparação para a vida, facilitando o acesso ao esporte educacional de qualidade, como forma de inclusão social”. A Sargento Joice é um exemplo da importância e da grandiosidade deste projeto. Antes de ingressar na Força Aérea Brasileira, ela foi aluna de uma das primeiras turmas do Projeto, nos anos 90, da Universidade da Força Aérea (UNIFA) em parceria com a Vara da Infância e da Juventude do Rio de Janeiro.
Para o Capitão R1 Sansone, Coordenador-Geral do Projeto, “a implantação de todo e qualquer trabalho, exige esforço, dedicação e perseverança por parte daqueles que tem por meta a sua realização, mas a implantação de um trabalho de atendimento, que traz como foco alicerçar princípios e valores sociais em adolescentes, necessita de mentes sanas, corações sensíveis e mãos dispostas a somar esforços para se construir um futuro melhor”.
Em seus discursos, o Promotor Dr. João Paulo e o Comandante do V COMAR, Maj Brig Domingues, ressaltaram a importância do projeto na construção do processo socioeducativo da criança e para a efetivação da cidadania, através do desenvolvimento de ações de civismo, disciplina, ética, atividades cognitivas e a prática desportiva educacional. Com a assinatura deste convênio, são muitas as oportunidades que se abrem, completou o Promotor.

FOLHA DIRIGIDA


Na metodologia de estudo, o segredo para a classificação

Renato Deccache
Formado pelo Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), o engenheiro de Computação Alex Lopes Pereira conseguiu o que muitos concurseiros sonham: ingressar no serviço público após poucos meses de preparação. Segundo ele, na primeira vez em que conseguiu classificação, para analista em Ciência e Tecnologia do Ministério da Defesa, em 2012, ele estudou aproximadamente 1.100 horas, ao longo de seis meses.
Mas, alcançar um feito como este está longe de ser fácil. Não basta só adotar uma rotina intensa de estudos (no caso de Alex, equivale a uma média de pouco mais de seis horas por dia). Para ele alcançar um resultado tão expressivo, foram fundamentais sua trajetória acadêmica e a metodologia de estudos que ele empregou.

Só o fato de ter se graduado pelo ITA, instituição que tem um dos concursos para ingresso mais difíceis do país, já traz um diferencial para o engenheiro. No entanto, ele ainda tem em seu currículo um mestrado e doutorado em Engenharia Eletrônica e de Computação, em ambos os casos no ITA. Esse histórico e o fato de ter tentado um concurso para de Informática, na qual se formou, certamente foram decisivos para ele ingressar na carreira pública tão rápido.

“Alguns fatores foram relevantes para este prazo ter sido relativamente curto. Primeiro, o meu histórico consistente de dedicação aos estudos desde a preparação para o concorrido vestibular do ITA. Então para se saber quanto tempo de estudo foi necessário para eu passar, deveríamos considerar também incontáveis horas de estudo durante os 12 anos anteriores dedicados majoritariamente aos estudos de Tecnologia da Informação”, ressalta Alex Lopes Pereira.

A trajetória de Alex não foi apenas de êxitos. Em dois concursos dos quais participou, para o Senado Federal e para a Controladoria Geral da União (CGU), ambos em 2012, ele não obteve o resultado que esperava. Mais recentemente, no entanto, ele logrou mais um êxito: ficou na 5ª colocação para o concurso de analista de Planejamento e Orçamento do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (MPOG). Dentro do número de vagas (a seleção tem, ao todo, sete), ele aguarda convocação.

“Na verdade, tive uma vida inteira de estudos. Acredito minha trajetória deixa uma mensagem de que uma vida de sucesso é construída no longo prazo. Por isso, é importante ter o maior aproveitamento possível. Infelizmente, isto não é muito comum entre os estudantes brasileiros”, comenta Alex Lopes. Atualmente, o engenheiro atua no Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia (Censipam), órgão vinculado ao Ministério da Defesa. Seu trabalho possibilita, entre outras coisas, o levantamento de informações essenciais para a Segurança Nacional, que são compartilhadas com outros órgãos do governo.
Outro diferencial na trajetória de Alex Lopes foi a metodologia de estudos que ele desenvolveu para estudar. Como ele priorizou cargos na área de Informática, não precisou dedicar muito tempo à preparação para as questões específicas, pois, nesse caso, a formação ao longo da vida foi decisiva. Seus esforço maior foi para as outras disciplinas dos concursos, em especial, as da área de Direito, com as quais teve menos contato ao longo de sua vida acadêmica.
Alex seguiu um pensamento do físico Isaac Newton, para escolher a melhor forma de estudar: “se eu vi mais longe, foi por estar sobre ombros de gigantes.” “Então, sabia que eu precisava me inspirar no que os especialistas e os candidatos que conseguiram as primeiras colocações em concursos fizeram”, destaca. Nessa linha, o engenheiro procurou ler obras e textos de referências na área de aprovação de concursos públicos. Entre os autores que ele estudou, estão William Douglas, e Rogério Neiva, este último autor do livor “Como se Preparar para Concursos Públicos com Alto Rendimento.” Ele também cita como inspiração especialistas como Lair Ribeiro (que defende que, se alguém falha em planejar, está planejando falhar) e uma frase de Abraham Lincoln (se tivesse seis horas para derrubar uma árvore, eu passaria as primeiras quatro afiando o machado). “Investi várias horas afiando o machado, lendo sobre como me preparar.”
Seu objetivo era entender como poderia melhorar os processos envolvidos em uma preparação para concursos públicos. Para isto, empregou conhecimentos do chamado Ciclo de PDCA (sigla em Inglês para a sequência planejar, executar, checar e atuar), que contribuem para o controle estatístico da qualidade no campo da Administração.

Ao começar a se preparar, Alex percebeu que errava muitas questões por falha na interpretação ou distração. E ao estudar mais sobre preparação para concursos, ele percebeu que julgamento incoerente por falha de interpretação é bastante comum e inclusive tema de pesquisas científicas. A partir daí ele desenvolveu uma estratégia de resolução de provas muito adequada às avaliações feitas pelo Cespe-UnB, que propõem questões que têm como resposta apenas duas opções: certo ou errado.

“A taxa de erros ao julgar um item cujo gabarito é Falso (F) é bem menor do que a taxa de erros de se julgar um item cujo gabarito é Verdadeiro (V). Isto ocorre porque, via de regra, quando se julga um item como F é porque se encontrou alguma inconsistência (situação dificilmente reversível por eventual falha de interpretação). Já ao se julgar um item como verdadeiro, o significado subjacente é que candidato não foi capaz de encontrar nenhuma inconsistência. No caso da inconsistência existir (gabarito do tipo F), a falha de interpretação foi a causa”, destaca. A partir daí, ele aplicou um procedimento que torna menor a chance de cometer erros por má interpretação ou distração nesse tipo de prova.

“A abordagem recomendada é: ler os itens procurando inconsistências que os deixem falsos e não fazer o mais intuitivo, que é ler os itens e responder entre V ou F já na primeira leitura”, destaca Alex Lopes, ressaltando que também, é possível também aplicar a mesma metodologia, a partir de uma estruturação mais complexa, em provas com mais opções de resposta.

PORTAL GOVERNO EST. S. PAULO


Combate ao Aedes aegypti: 17,9 milhões de imóveis foram vistoriados

Foram feitos mutirões de vistoria e enfrentamento ao mosquito conjuntamente por agentes estaduais, municipais, das Forças Armadas e cidadãos
Desde janeiro de 2016, 17,9 milhões de imóveis passaram por varreduras completas, com a eliminação de criadouros do mosquito transmissor de dengue, zika e chikungunya, como parte da campanha “Todos juntos contra o Aedes aegypti”, do Governo do Estado de São Paulo. No total, foram feitas 24,5 milhões de visitas, incluindo o deslocamento de agentes a locais onde a entrada não foi possível – imóveis fechados ou onde não houve autorização para entrada.
Casos de dengue caem 81% no estado de São Paulo
Semanalmente, mutirões de vistoria e enfrentamento ao Aedes foram feitos conjuntamente por agentes estaduais, municipais, das Forças Armadas e cidadãos. O contingente foi reforçado pela Defesa Civil do Estado que realizou a mobilização de voluntários em todo o Estado, além de profissionais das defesas civis municipais.
SP terá "operação de inverno" para combater e prevenir arboviroses
Agentes municipais receberam diárias extras de R$ 120,00, por sábado trabalhado, por meio do Programa de Incentivo criado pela Secretaria de Estado da Saúde. Além disso, a pasta dobrou o efetivo da Sucen (Superintendência de Controle de Endemias), que passou a contar com mil agentes disponíveis para auxiliar as prefeituras nas ações de campo.
O resultado dessas atividades nas residências foi a queda expressiva verificada na avaliação de densidade larvária, que indica o número de criadouros dos mosquitos nas residências. O índice norteia as ações de prevenção e controle da doença. O índice de infestação médio no estado caiu logo em fevereiro e, em abril chegou à proporção de, no máximo, 1 recipiente a cada 100 imóveis, o que representa um cenário considerado satisfatório.
Em dezembro de 2015, o índice era de 3,5 recipientes com presença de larvas do Aedes aegypti a cada 100 imóveis pesquisados, o que configurava um cenário de alerta – muito próximo ao de risco, contado a partir da proporção de 3,9 criadouros a cada 100 imóveis.

PORTAL RMC (SP)


Escola Preparatória de Cadetes de Campinas abre vagas para mulheres com possibilidade de chegar a Comandante do Exército

ImagemPela primeira vez em sua historia a Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx) de Campinas abre concurso para admissão de 40 mulheres com possibilidade de chegar ao mais alto cargo do Exército Brasileiro, o de Comandante. Segundo o comandante e diretor de ensino da EsPCEx, coronel Gustavo Henrique Dutra de Menezes, a procura das mulheres pela carreira militar tem sido grande. Nas duas primeiras semanas de inscrição, dos 28.900 interessados em fazer a prova, 7.600 são mulheres.
“Dentro das Forças Armadas, na linha bélica, o Exército é o último a integrar a mulher. Acredito que a chegada delas vai alavancar nosso nível disciplinar e estudantil. As mulheres são muito determinadas e destemidas. Esperamos receber, em janeiro de 2017, 40 moças extremamente preparadas“, ressalta o militar.
Depois de passar pelo vestibular em setembro, as mulheres enfrentarão outro desafio: a longa e grande peneira das forças armadas. Se tudo der certo, elas serão oficiais do exército em 2021 e, a partir daí precisarão chegar às patentes de 2º tenente, 1º tenente, capitã, major, tenente coronel, coronel, general de brigada, general de divisão, general de exército e, só depois, comandante do exército. Quem entrar para o exército no próximo ano, sendo mulher ou homem, só pode atingir o cargo de comandante de tropa em 2063.
Pois o militar só pode disputar uma promoção de General depois de 30 anos de formado. E, quando se torna general, é preciso estudar por mais 12 anos. E só o general de exército pode concorrer para ser um comandante do exército.

Adequação da estrutura
Para receber as mulheres, o prédio da Escola de Cadetes passou por reformas. Dentre as adequações, foi feita a adaptação de um pavilhão para o alojamento feminino, com vestiários, banheiros, sala de estudo e grêmio estudantil. Também será construída uma nova ala de saúde para o atendimento feminino.

Preparo físico
Após um ano de curso na EsPCEx, as alunas aprovadas seguirão para a Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), onde escolherão a área de especialização: o Quadro de Material Bélico ou o Serviço de Intendência. As exigências serão as mesmas para ambos os sexos, com ressalva de que os índices dos exercícios físicos serão adaptados para as mulheres já na escola de cadetes.

Mulheres no Exército
Hoje, as mulheres podem ingressar voluntariamente no Exército como militar de carreira ou temporário, mas não podiam seguir no Quadro de Material Bélico ou no Serviço de Intendência. A mudança só se tornou possível graças à Lei nº 12.705, sancionada em 2012 pela então presidente Dilma Rousseff, permitindo que militares do sexo feminino atuem como combatentes do Exército Brasileiro em áreas antes restritas aos homens.
De acordo com o edital do concurso para ingresso na escola de cadetes, em caso de gravidez, as alunas poderão trancar suas matrículas durante toda a gestação e no período da licença maternidade. No entanto, elas só poderão voltar a estudar no início do ano letivo, ou seja, em janeiro seguinte.
Se, por um acaso, o período de licença maternidade acabar em junho, ela só poderá voltar a estudar em janeiro do ano seguinte.
Concurso Militar
As inscrições para a prova da EsPCEx ocorrem até o dia 28 de junho. Os interessados devem estar concluindo ou ter concluído o ensino médio, possuir entre 17 e 22 anos no ano da matrícula e estar em dia com o Serviço Militar e com a Justiça Eleitoral.
O período de instrução e formação do aluno na EsPCEx é de um ano em regime de internato. Dentre os benefícios, o aluno recebe auxílio fardamento, ajuda de custo mensal de R$ 969,54, alimentação, assistência médica e odontológica.
Após a conclusão da EsPCEx, o aluno tem acesso garantido na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN), em Resende, Rio de Janeiro, onde cursa outros quatro anos, completando assim a formação superior militar e tornando-se Aspirante a Oficial, com salário inicial de R$ 5.622,00 e uma carreira pública no Exército Brasileiro.
A primeira fase do concurso ocorrerá nos dias 10 e 11 de setembro de 2016, em 43 locais dentro do território nacional. A taxa de inscrição é de R$ 90,00.

PORTAL IDG NOW!


Ninguém sabe por que uma nave secreta dos EUA está no espaço há um ano

X-37B faz parte de programa ultrassecreto do governo americano para desenvolver tecnologias de aeronaves não tripuladas e reutilizáveis e realizar experimentos.
 PC World / EUA
ImagemJá faz um ano que a Força Aérea dos EUA lançou o misterioso X-37B ao espaço, deixando muita gente se perguntando por que ele está lá.
À primeira vista, se parece com uma mini Space Shuttle. Mas essa primeira impressão pode estar errada.
O X-37B faz parte de um programa ultrassecreto do governo americano para desenvolver tecnologias de aeronaves não tripuladas e reutilizáveis e realizar experimentos.
A Força Aérea americana já completou com sucesso três missões do X-37B com o primeiro lançamento em abril de 2010. As três missões e as duas aeronaves X-37B provaram tecnologias de voo, pouso e relançamento reutilizáveis. Mas então por que esse último veículo foi lançado?
O mistério do X-37B pode não estar tanto na estrutura do veículo, mas no que ele carrega, afirma o astrônomo do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, Jonathan McDowell.
As longas missões são perfeitas para transportar cargas sensíveis ao espaço para testes, explica.
“Eles estão enchendo a seção de carga útil com vários experimentos. Provavelmente experiências diferentes a cada voo, talvez para consumidores diferentes.”
A Força Aérea falou um pouco sobre algumas das tecnologias testadas no último voo, incluindo orientações avançadas, material de isolamento reutilizável, e sistemas de propulsão avançados. Mas McDowell aposta que o governo também está realizando alguns experimentos secretos.
“Os tipos de coisas que você iria querer com algo como isso...você desenvolve novos sensores de tecnologia como novas câmeras, novos aparelhos de audição, antenas de rádio que reúnem inteligência, e talvez um novo prato de antena que se abre de uma nova maneira. E você quer testar isso várias vezes no espaço e então trazer de volta para a Terra”, aponta.
O X-37B também pode estar testando reviravoltas e relançamentos rápidos.
McDowell aponta que essa é a primeira vez que a Força Aérea não especificou qual dos dois X-37B foi lançado. É possível que tenham enviado o mesmo veículo sete meses após ter pousado em 17 de outubro de 2014, diz.
Então quanto tempo essa missão mais recente pode durar? O tempo das últimas três aumentou progressivamente, de 240 dias para 469 dias, e finalmente para 674 dias. Mesmo assim, McDowell prevê um retorno mais cedo do que isso.
“O que espero ver em algum momento...é que veremos essa aeronave pousar e então possivelmente o mesmo veículo voltar ao espaço após um período mais curto de tempo”, completa.

PORTAL CORREIO DA MANHÃ (PORTUGAL)


Localizadas caixas negras do avião da EgyptAir

Exército egípcio divulgou imagens dos destroços no Facebook.
Cátia Carmo
Foram localizadas, este sábado, as caixas negras do Airbus A320 da EgyptAir, que se despenhou na noite de quarta-feira com 66 passageiros. Estes objetos foram encontrados perto do local onde o avião se terá despenhado, no Mediterrânio, a norte de Alexandria, avança a imprensa egípcia.
O exército egípcio divulgou no Facebook, este sábado, as primeiras imagens dos destroços do avião. Nas imagens é possível verem-se assentos do avião, malas e outros objetos recuperados pelas autoridades egípcias.
O A320 da EgyptAir fazia a ligação Paris-Cairo com 66 pessoas a bordo, incluindo 30 egípcios, 15 franceses e um português.
Os primeiros destroços do aparelho foram descobertos a 290 quilómetros a norte de Alexandria por aviões e navios destacados para as buscas pelo Exército egípcio.

PORTAL DE OLHO NO TEMPO METEOROLOGIA (SP)


Temporal com granizo danifica plantações em São Pedro da União, MG

Uma célula localizada de temporal produziu precipitação de granizo ao final da tarde desta quinta-feira (19) no município de São Pedro da União, no sul de Minas Gerais.
De acordo com produtores rurais, em apenas 10 minutos, o granizo triturou folhas e derrubou grãos de café nas plantações. Ao menos 10% dos frutos que caíram ainda verdes foram perdidos.
Dados meteorológicos
A estação meteorológica automática operada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) no município de Passos, a mais próxima de São Pedro da União, registrou apenas 3,6 milímetros de precipitação.
Já dados do radar meteorológico do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea) da Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica (Redemet) instalada no leste de São Paulo, no município de São Roque, detectaram taxas elevadas de refletividade sobre a região compatíveis com granizo.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented