|

Grupo Lufthansa fortalece base financeira com o melhor resultado de nove meses de todos os tempos



Grupo Lufthansa fortalece base financeira com o melhor resultado de nove meses de todos os tempos ...  


De janeiro a setembro de 2017
• EBIT ajustado subiu de 883 milhões de euros para 2,6 bilhões de euros
• As receitas aumentaram de 2,9 bilhões de euros para 26,8 bilhões de euros
• O fluxo de caixa livre aumentou mais de 80% para 2,8 bilhões de euros
• A dívida financeira líquida foi reduzida em mais de 80% para 521 milhões de euros

Perspectiva do ano inteiro de 2017
Menor declínio nos custos unitários esperado no quarto trimestre
As receitas unitárias deverão ser "ligeiramente positivas" no quarto trimestre


Dublin & New York, Novembro de 2017 - “Nós alcançamos um outro resultado recorde nos primeiros nove meses do ano,” disse Carsten Spohr, Chairman do Conselho Executivo da Deutsche Lufthansa AG, ontem (25.10) durante a apresentação dos resultados do Grupo Lufthansa para os nove meses do ano.  “Um resultado que nos dá a capacidade de investimento e crescimento que precisamos para que possamos ter um papel ativo na consolidação do mercado europeu de companhias aéreas, e continuar a investir no futuro da nossa companhia.”

O Grupo Lufthansa registrou um aumento das receitas totais para os primeiros nove meses do ano em 12,1%, passando para  26,761 milhões de euros (no mesmo período do ano anterior: 23.870 milhões de euros). As receitas de tráfego aumentaram 14,4%, chegando em 21.360 milhões de euros (no mesmo período do ano anterior: 18,674 milhões de euros). O indicador de desempenho chave do EBIT ajustado aumentou de 883 milhões de euros para 2.560 milhões de euros (no mesmo período do ano anterior: 1,677 milhões de euros). Assim, o resultado do Grupo Lufthansa para o período apresentou uma melhoria substancial em relação ao recorde anterior de 2016.

Este resultado positivo para os nove meses do ano é primeiramente atribuído à continuidade das tendências positivas de negócios entre as companhias aéreas do grupo. Apesar do aumento geral de capacidade de 11,7% no período, as companhias aéreas aumentaram a taxa de ocupação em 2,1 pontos percentuais. Os custos unitários, exceto combustível e câmbio, foram reduzidos em 0,8% no mesmo período, embora um pequeno aumento de 0,2% tenha sido registrado para o terceiro semestre principalmente em função das provisões para maiores pagamentos de participação nos lucros de 1,1 pontos percentuais.

As companhias aéreas do grupo registraram maiores taxas de ocupação em todas as regiões chave de tráfego. Receitas unitárias, excluindo câmbio, subiram 2% nos primeiros três trimestres e 4,5% só no terceiro trimestre. A margem do EBIT ajustado de 9,6% foi uma alta de 2,6 pontos percentuais comparada com o mesmo período do ano anterior. No terceiro trimestre, a margem do EBIT ajustado ficou em 15,5%, com todas as companhias aéreas do grupo registrando aumentos significativos de margem (incluindo Lufthansa Cargo). Maiores custos de combustível sobrecarregaram o resultado de nove meses com 243 milhões de euros. No total, isso chegou a 3,939 milhões de euros – um aumento de  6.6% sobre o mesmo período do ano anterior, embora uma parte deste valor possa ser atribuída à consolidação  da Brussels Airlines e às necessidades maiores de combustível.

Uma melhoria material adicional nos indicadores financeiros do Grupo

O lucro líquido nos primeiros nove meses do ano de 2017 chegou a 1.853 milhões de euros,  amplamente em linha com um resultado do ano anterior que sentiu o impacto positivo de 713 milhões de euros em certos itens não recorrentes. Atribuído principalmente ao resultado positivo e mais reservas antecipadas, o fluxo de caixa das atividades operacionais aumentou de 1.405 milhões de euros para 4.459 milhões de euros. Apesar do aumento de 10,3% nas despesas de capital para 1.802 milhões de euros, o fluxo de caixa livre aumentou em 83.3% e subiu para 2.790 milhões de euros (ano anterior: 1.518 milhões de euros). A dívida líquida financeira caiu para 521 milhões de euros, chegando a uma redução de 80,7% desde o começo do ano  (fim do ano de 2016: 2.701 milhões de euros). Os passivos das pensões foram reduzidos em quase meio bilhão de euros para 7.888 milhões de euros sobre o mesmo período de nove meses graças, em particular, ao desenvolvimento positivo dos ativos dos fundos de pensão. No final do trimestre, o índice de patrimônio líquido foi de 22,3%, um aumento de 1,7 pontos percentuais desde o início do ano.

“Apesar dos investimentos mais elevados, nós praticamente dobramos o fluxo de caixa livre e reduzimos nossa dívida líquida financeira em mais de 80% nos primeiros nove meses do ano”, disse Ulrik Svensson, CFO (chief financial officer) da Deutsche Lufthansa AG. “Particularmente encorajador,” Svensson continuou, “é que todas as companhias aéreas do grupo foram capazes de ampliar suas margens. O cenário econômico positivo fez seu papel nisso. Mas este resultado - acima de tudo - reflete todo o nosso trabalho duro nos últimos anos, que agora estão rendendo frutos. Agora precisamos continuar trabalhando para reduzir consistentemente os custos e criar o fortalecimento financeiro que precisamos para o futuro.”

Companhias aéreas de linha continuam a trazer resultados positivos
As companhias aéreas de linha do Grupo Lufthansa geraram receitas totais de 17.695 milhões de euros para os primeiros nove meses de 2017. Isso é um aumento de 1.065 milhões de euros sobre o mesmo período do ano anterior. Elas reportaram  um EBIT ajustado de 1.947 milhões de euros (mesmo período do ano anterior: 1.324 milhões de euros). A margem do EBIT ajustado das companhias aéreas chegou a 11% nos primeiros três trimestres do ano e 18% no terceiro trimestre somente.

Todas as três companhias aéreas registraram alta no resultados de EBIT ajustado: Lufthansa aumentou para 1.405 milhão de euros (mesmo período do ano passado: 922 milhões de euros), SWISS aumentou para 442 milhões de euros (mesmo período do ano anterior:  322 milhões de euros) e a Austrian Airlines aumentou para 100 milhões de euros (mesmo período do ano anterior: 79 milhões de euros).

Companhias aéreas ponto a ponto com contribuições positivas
Com a consolidação pela primeira vez da Brussels Airlines e a adição das operações de leasing da Air Berlin, o grupo de companhias aéreas ponto a ponto praticamente dobrou as receitas nos primeiros nove meses do ano chegando a 3.031 milhões de euros. Elas reportaram um EBIT ajustado claramente positivo de 145 milhões de euros para o período (mesmo período do ano anterior: -24 milhões de euros). Elas também atingiram uma alta dos custos unitários para o período, incluindo uma redução no terceiro trimestre pouco abaixo de 10%. “Esperamos que a Eurowings vá apresentar um resultado positivo já este ano positive”,  Ulrik Svensson confirmou, “o que é um ano antes do originalmente previsto.”

Serviços de aviação
Com a demanda de frete aéreo ainda flutuante em todas as regiões, a Lufthansa Cargo elevou seus rendimentos, excluindo fatores monetários, em 10,6% no terceiro trimestre. Isso gerou uma contribuição positiva para o quarto trimestre consecutivo.O EBIT ajustado dos nove meses chegou a 98 milhões de euros (mesmo período do ano anterior: - 69 milhões de euros).

Como resultado de vários fatores, incluindo o fechamento das operações de manutenção em Hamburgo e a alta dos custos de materiais, o EBIT ajustado da Lufthansa Technik para os nove meses recuou 33 milhões de euros para 333 milhões de euros (mesmo período do ano anterior: 366 milhões de euros).

O grupo LSG atingiu um EBIT Ajustado de 66 milhões de euros (mesmo período do ano anterior: 80 milhões de euros). Os 14 milhões de euros de queda refletem os custos da reestruturação em andamento.

Perspectivas
As receitas unitárias para o quatro trimestre devem aumentar ligeiramente em relação ao crescimento da capacidade orgânica em cerca de 5,5%. A perda financeira de 100 milhões de euros resultante de greves no quarto trimestre do ano passado não se repetirá. O Grupo espera ver uma ligeira redução nos custos unitários do quarto trimestre excluindo os efeitos de combustível e de moeda nas suas companhias aéreas de passageiros. Os custos de combustível (incluindo a Brussels Airlines) deverão ascender a cerca de 5,3 mil milhões de euros este ano.

Isto reflete um aumento de custos de cerca de 50 milhões de euros no quarto trimestre (excluindo a Brussels Airlines). Os serviços de aviação devem reportar um EBIT ajustado para o ano, que é amplamente igual ao seu nível de 2016.

"A modernização do Grupo Lufthansa fez bons progressos", concluiu Carsten Spohr. "Como nossos sólidos resultados confirmam, estamos implementando com sucesso nossas iniciativas estratégicas em todos os nossos segmentos de negócio. Esta é uma grande conquista de equipe, para qual todos os nossos 130 mil funcionários contribuíram. Nosso sucesso compartilhado nos motiva a avançar consistentemente nesse caminho estratégico."

O relatório interno do GrupoLufthansa para os primeiros nove meses de 2017 está publicado simultaneamente com este comunicado de imprensa e disponível em https://investor-relations.lufthansagroup.com/pt.html


Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented