|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 27/10/2017 / CCR vai à Justiça contra mudança em Pampulha



CCR vai à Justiça contra mudança em Pampulha ...  


Para executivo da concessionária que opera Confins, reabertura de Pampulha para voos de longa distância será prejudicial para os dois terminais ...  


Surpreendidos pela portaria do Ministério dos Transportes que reabre para voos de longa distância o Aeroporto da Pampulha, os concessionários do Aeroporto de Confins vão entrar na Justiça para tentar barrá-la. “Vamos entrar questionando a portaria”, disse ao ‘Estado’ o presidente da Divisão de Aeroportos do Grupo CCR, Ricardo Bisordi. O grupo espera obter uma decisão liminar que suspenda os efeitos da portaria até o julgamento do mérito.

Desde 2004, Pampulha opera apenas voos regionais. O fluxo de passageiros estava concentrado em Confins, na mesma cidade, concedido à iniciativa privada em 2013. “Estudos do próprio governo mostram que a reabertura de Pampulha é prejudicial aos dois terminais”, disse o executivo. Isso porque a quantidade restrita de passageiros deverá provocar uma concorrência predatória. “Foi uma decisão política, isso foi amplamente noticiado”, afirmou Bisordi. “A publicação da portaria coincidiu com outra data importante para o governo.”


(continue a ler abaixo ...)



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


CCR vai à Justiça contra mudança em Pampulha

Para executivo da concessionária que opera Confins, reabertura de Pampulha para voos de longa distância será prejudicial para os dois terminais

Surpreendidos pela portaria do Ministério dos Transportes que reabre para voos de longa distância o Aeroporto da Pampulha, os concessionários do Aeroporto de Confins vão entrar na Justiça para tentar barrá-la. “Vamos entrar questionando a portaria”, disse ao ‘Estado’ o presidente da Divisão de Aeroportos do Grupo CCR, Ricardo Bisordi. O grupo espera obter uma decisão liminar que suspenda os efeitos da portaria até o julgamento do mérito.

Desde 2004, Pampulha opera apenas voos regionais. O fluxo de passageiros estava concen- trado em Confins, na mesma cidade, concedido à iniciativa privada em 2013. “Estudos do próprio governo mostram que a reabertura de Pampulha é prejudicial aos dois terminais”, disse o executivo. Isso porque a quantidade restrita de passageiros deverá provocar uma concorrência predatória. “Foi uma decisão política, isso foi amplamente noticiado”, afirmou Bisordi. “A publicação da portaria coincidiu com outra data importante para o governo.”

A portaria saiu no mesmo dia em que a Câmara discutiu e rejeitou o pedido de abertura de investigação contra o presidente Michel Temer e os ministros da Casa Civil, Eliseu Padilha, e da Secretaria-Geral, Wellington Moreira Franco.

Técnicos e assessores políticos dizem que a medida era pleito do PR, um partido com 38 deputados que domina o Ministério dos Transportes e a Infraero. Além de reabrir Pampulha para voos regulares, o governo também sacramentou anteontem a saída de Congonhas do programa de concessões, outro objeto de pressão da bancada.

“Pampulha e Congonhas não eram pleito do partido”, afirmou o líder do PR na Câmara, deputado João Rocha. “Isso é programa de governo.” A presidência do PR informou, por nota, que “não negociou votos”. Na quarta-feira, deputados do partido ficaram a favor de Temer.

Fonte do Ministério dos Transportes informou que o governo avalia, dentro do contrato de concessão de Confins, formas para que o aeroporto possa conviver com a retomada de voos de longa distância na Pampulha. Ela disse, ainda, que não há no contrato de concessão nada que garantisse exclusividade dos passageiros a Confins. O crescimento do número de passageiros cria condições para a adoção dessa medida, disse.

Ontem, em um evento, o prefeito de Belo Horizonte Alexandre Kalil (PHS) apoiou a mudança. “Os políticos que só usam jatinho descem é lá (na Pampulha). Eles não vão até Confins. Eu, que vou, sei como é difícil.”

GLOBO NEWS


Forças Armadas gastaram apenas 22% da verba disponível para reforçar segurança no RJ


Matéria sobre o gasto das Forças Armadas para reforçar a segurança no Rio de Janeiro exibida na Edição das 16h na última quinta-feira (26/10). A matéria possui três minutos e 49 segundos. Segue link abaixo:

PORTAL UOL


Temer sanciona lei que transforma em crime hediondo posse de armas das Forças Armadas


Luciana Amaral

O presidente da República, Michel Temer (PMDB), declarou nesta quinta-feira (26) ter sancionado o projeto de lei que transforma em crime hediondo o porte e a posse de armas de uso exclusivo das Forças Armadas.
A autoria do projeto é do atual prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB), e foi apresentada em 2015 quando ele era senador. O projeto foi aprovado pela Câmara e pelo Senado e aguardava sanção presidencial desde 5 de outubro. Esta quinta-feira era o último dia para que o projeto fosse sancionado por Temer.
"Até muito a propósito, anuncio com muita satisfação, que na manhã de hoje sancionei esse projeto mencionado pelo prefeito Marcelo Crivella que impede o uso de armas de uso exclusivo do Exército, da Marinha, da Aeronáutica. Porque isso é o que aflige o povo do Rio de Janeiro", afirmou Temer.
Entre as armas que se enquadram na nova lei estão fuzis, metralhadoras e submetralhadoras. O projeto foi criado com o objetivo de combater a violência e as práticas ilícitas por traficantes de drogas. A partir de agora, qualquer pessoa que não pertença às Forças Armadas flagrada com essas armas poderá responder por crime hediondo.
Em fala na solenidade, reservada para convidados da Presidência, o prefeito lamentou a morte de um comandante da Polícia Militar no Rio, falou da situação difícil da violência e então cobrou do presidente a sanção do projeto. Em resposta, na sua vez de discursar, Temer afirmou que sancionou o texto nesta manhã.
A declaração foi dada em cerimônia no Palácio do Planalto, em Brasília, para a assinatura de contrato no valor de R$ 652 milhões para obras de infraestrutura na cidade do Rio de Janeiro entre os governos federal e municipal. O financiamento se dará por meio da Caixa Econômica Federal.
O presidente aproveitou a ocasião para citar ações do governo federal na área de segurança pública e um evento a ser realizado nesta sexta em Rio Branco, no Acre, para tratar do tema. A presença de Temer estava prevista, mas foi cancelada após ele passar mal devido a uma obstrução urológica nesta quinta (25).
Depois, o peemedebista ainda falou que são "muitas as angústias do Rio", não apenas na área de segurança pública, e que um dos aspectos fundamentais do turismo da cidade reside nas belezas naturais e na "alegria" do povo carioca.
"Vamos entrar cada vez mais em um combate [da violência] feroz, feroz e necessário, na proporção de que a toda ação deve corresponder a uma reação igual e contrária", disse.
Do tipo, quando eu era secretário de Segurança Pública em São Paulo, dizia que não há como tratar bandidos com rosas na mão. Você tem de responder à forma pela qual a bandidagem naturalmente age." Michel Temer, presidente da República
Crise de segurança
Desde o mês passado, o Rio enfrenta uma escalada na violência. Traficantes se enfrentam pelo controle da venda de drogas na região da Rocinha, na zona sul da capital fluminense. Por uma semana, quase mil homens das Forças Armadas e polícias fizeram um cerco à favela --parte do contingente de cerca de 10 mil militares que reforçam a segurança no Estado desde o fim de julho.
Em agosto, o governo do Rio decidiu reduzir em 30% o efetivo das UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) como forma de aumentar o número de policiais nas ruas, movimento que foi considerado um recuo no programa implantado em 2008 para tentar retomar áreas dominadas pelo tráfico de drogas.
Pesquisa Datafolha mostra que, se pudessem, 72% dos moradores dizem que iriam embora do Rio por causa da violência. O desejo de deixar a cidade é majoritário em todas as regiões e faixas socioeconômicas --foram ouvidas 812 pessoas, e a margem de erro do levantamento é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.
Nas últimas semanas, segundo o Datafolha, um terço dos moradores mudou sua rotina e presenciou algum disparo de arma de fogo. O levantamento revela que 67% das pessoas ouviram algum tiro recentemente.

Governo gasta 158% a mais com propaganda da ação militar no Rio do que com tropas


Leandro Prazeres E Paula Bianchi

O governo federal gastou 158% a mais na divulgação das ações de reforço das Forças Armadas no Estado do Rio de Janeiro do que com a própria operação das tropas.
De acordo com dados obtidos com exclusividade pelo UOL via Lei de Acesso à Informação, até agosto, foram gastos R$ 4.004.000 na divulgação da ação, batizada de "O Rio quer Segurança e Paz".
Já desde o começo da GLO (Garantia de Lei e Ordem) que autorizava a presença das Forçadas Armadas no Estado, assinada pelo presidente Michel Temer no final de julho, R$ 1.551.849,81 foram destinados às operações e custeio da presença dos cerca de 8,5 mil agentes da Aeronáutica, Exército e Marinha no Estado.
De acordo com o governo, esse valor foi gasto em propagandas de TV e em "mídia exterior eletrônica" veiculados no Rio, São Paulo e Brasília entre 1 e 17 de agosto.
Ao todo, R$ 904 mil partiram da Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, e R$ 3,1 milhões de verbas do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário.
Os militares, segundo o UOL apurou, atuam em apoio às forças de segurança do Estado, não participando do policiamento ostensivo. Entre as atribuições estão ações de cerco e inteligência, com foco monitoramento de comunicações e informações relacionadas aos narcotraficantes.
Para a socióloga e coordenadora do Centro do Estudos de Segurança e Cidadania da Universidade Candido Mendes, Julita Lemgruber, a diferença entre os gastos do governo com a propaganda da GLO e com as tropas é vergonhosa.
"Isso é vergonhoso. Num momento em que a segurança pública passa por uma crise de legitimidade e de operacionalidade, a gente ter conhecimento que o governo federal gastou absurdamente mais com propaganda é chocante", afirmou.
Além de criticar a diferença nos gastos, Lemgruber classifica as recentes ações das Forças Armadas no Rio de Janeiro como "midiáticas e espetaculares".
"Não adianta fazer marketing de algo que, no fundo, todos sabem, são apenas ações espetaculares e midiáticas", disse.
O diretor-presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, Renato Sérgio de Lima, diz que ações de comunicação em intervenções militares são necessárias, mas pondera que a diferença entre o que foi gasto com tropas e o que foi gasto em propaganda sobre as operações chama atenção.
"Isso chama ainda mais atenção porque ao longo dessa operação, houve momentos em que os militares afirmaram que não havia mais dinheiro para as tropas saírem às ruas do Rio de Janeiro", disse o diretor-presidente.
Renato Sérgio de Lima afirma que se a ação militar não for planejada, não "tem propaganda que dê jeito".
"As ações de comunicação são necessárias, mas sozinhas não vão resolver o problema. Não tem propaganda que dê jeito. A forma como as ações das Forças Armadas no Rio foram implementadas mostra que era mais uma tentativa de dar uma resposta para a população do que de fazer as coisas funcionarem efetivamente", afirmou.
Procurados pelo UOL, o Ministério da Defesa e o Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário informaram que não iriam se posicionar a respeito do gasto.
Para a Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência da República, a comparação não se justifica uma vez, segundo o governo, não representa o total dos investimentos do governo federal nesta operação. A Secretaria, no entanto, não informou qual seria esse gasto.
Crise de segurança
O Rio passa por uma escalada de violência. Nesta quinta-feira (26), o comandante do 3º BPM (Méier), tenente-coronel Luiz Gustavo de Lima Teixeira, 48, foi assassinado a tiros no Meier, na zona norte da capital fluminense. Mais cedo, uma adolescente de 12 anos foi vítima de bala perdida quando deixava uma festa evangélica na Rocinha, favela na zona sul.
Desde o mês passado, traficantes se enfrentam pelo controle da venda de drogas na região da Rocinha, na zona sul da capital fluminense. Por uma semana, quase mil homens das Forças Armadas e polícias fizeram um cerco à favela --parte do contingente de cerca de 8,5 mil militares que reforçam a segurança no Estado desde o fim de julho.
Em agosto, o governo do Rio decidiu reduzir em 30% o efetivo das UPPs (Unidade de Polícia Pacificadora) como forma de aumentar o número de policiais nas ruas, movimento que foi considerado um recuo no programa implantado em 2008 para tentar retomar áreas dominadas pelo tráfico de drogas.
Pesquisa Datafolha mostra que, se pudessem, 72% dos moradores dizem que iriam embora do Rio por causa da violência. O desejo de deixar a cidade é majoritário em todas as regiões e faixas socioeconômicas --foram ouvidas 812 pessoas, e a margem de erro do levantamento é de quatro pontos percentuais, para mais ou para menos.
Nas últimas semanas, segundo o Datafolha, um terço dos moradores mudou sua rotina e presenciou algum disparo de arma de fogo. O levantamento revela que 67% das pessoas ouviram algum tiro recentemente.

PORTAL G-1


`Miniaviões´ voam no céu de São José em competição aeronáutica

SAE Brasil AeroDesign incentiva estudantes de engenharia a colocarem em prática os conhecimentos teóricos da faculdade. Público pode conferir o voo.

São José dos Campos recebe até o próximo domingo (29) a 19ª Competição de AeroDesign, que reúne estudantes de diferentes instituições. Divididos em 94 equipes, os 1,3 mil alunos de 76 universidades do Brasil e do exterior vão expor as aeronaves radiocontroladas que projetaram.
Segundo a organização, o objetivo da competição é desafiar os alunos e antecipar experiências que eles encontrarão na profissão quando estiverem no mercado de trabalho.
“Durante o projeto eles têm que exercitar trabalho em equipe, planejamento, empreendedorismo e gerir conflitos”, explicou Tarik Orra, diretor técnico da competição.
Os estudantes passaram pela etapa de elaboração dos projetos, nas próprias instituições, em que definiram as configurações e projetaram os `miniaviões´. Os modelos serão examinados por uma banca nesta quinta-feira (26).
De sexta (27) a domingo (29), serão feitos voos, em que os aviões tem que cumprir metas, entre elas o transporte de cargas.
Para Carlos Magno, capitão da equipe Megazord Aerodesign, da Fatec de São José dos Campos, participar da competição é uma oportunidade para antecipar uma experiência do mercado de trabalho. “Colocar em prática tudo o que vimos na faculdade é algo muito bom. O nível de dificuldade é muito grande e nos desafia. Participar e ganhar nos abre muitas portas”, disse.
Competição
Para compertir, as aeronaves são divididas em três classes: micro, regular e advanced. Na categoria micro, são 25 equipes inscritas; na regular 61 equipes e na advanced oito. As aeronaves não poderão pesar mais do que 30 kg.
As competições de voo são abertas ao público, e acontecem nos dias 27, 28 e 29 de outubro, das 7h30 às 18h, no Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA).
Os espectadores devem entrar pela Avenida Brigadeiro Faria Lima, ao lado do Memorial Aeroespacial Brasileiro, em São José dos Campos/SP.

PORTAL DEFESANET


FAB apoia o combate ao incêndio na Chapada dos Veadeiros

Hércules C-130 libera cerca de 50 mil litros de água/dia na Chapada dos Veadeiros

No segundo dia de operação, tripulação destaca a grande quantidade de fumaça que dificulta o acesso aos pontos mais afetados.
No segundo dia de operação na Chapada dos Veadeiros (GO), quarta-feira (25/10), militares da Força Aérea Brasileira (FAB) iniciaram por volta das 7h da manhã as decolagens do C-130 Hércules para o combate aos focos de incêndio na região.
Por dia, estão previstas quatro partidas para a área de preservação ambiental e cerca de 50 mil litros de água despejados para combater o fogo. Anápolis, onde está situada a Ala 2, foi escolhida como a cidade de apoio para a operação. O C-130 Hércules, do 1º Grupo de Transporte de Tropa (1º GTT), possui um sistema chamado MAFFS, do inglês Modular Airborne Fire Fighting System.
O equipamento é composto por cinco tanques de água, dois tubos que se projetam pela porta traseira do avião e pode levar até 12 mil litros de água. A cada saída, são dois lançamentos, com 6 mil litros cada, que conseguem cobrir uma extensão de 500 metros.
A aproximadamente 40 milhas do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, a tripulação da aeronave já consegue avistar os primeiros pontos de fogo. Uma cortina de fumaça e o alto tráfego de aeronaves na região – que estão ajudando no combate ao incêndio - além do fato de ser uma região montanhosa têm sido os desafios da missão.
Segundo o piloto do Hércules, Capitão Douglas Lopes, a coordenação com toda a equipe é primordial para o bom desempenho da operação. “A área é bem extensa e são muitos focos de incêndio. A fumaça atrapalha a nossa visualização durante a descida e, por isso, a coordenação tem que ser bem feita”, acrescenta.
Ainda de acordo com o capitão, duas tripulações e uma equipe de solo – totalizando 26 militares - estão engajados na missão. Duas piscinas de 22 mil litros de água ficam cheias para que o reabastecimento da aeronave aconteça o mais rápido possível. “A gente prepara a aeronave para abastecer e decolar o mais rápido possível”, afirma o Suboficial André Luiz da Costa Reis, coordenador da equipe de solo.


OUTRAS MÍDIAS


PORTAL AEROFLAP


Aeroporto de Brasília é o mais pontual da categoria de acordo com ranking da OAG

O Aeroporto de Brasília foi considerado o mais pontual na categoria de Terminais com fluxo superior a 100 mil voos em um ano. O ranking foi realizado pela OAG, consultoria especializada em aviação.
O resultado positivo reflete os esforços da Inframerica em parceria com todas as companhias aéreas e Aeronáutica para melhorar as operações no Aeroporto, considerado um dos maiores pontos de conexão de voos domésticos do país.
Com mais de 125 mil voos operados entre outubro de 2016 e setembro de 2017, o Terminal brasiliense recebeu a qualificação cinco estrelas, pontuação máxima na avaliação.
Não é a primeira vez que o Terminal é bem classificado por sua pontualidade. Em janeiro, o Aeroporto de Brasília ficou em quarto lugar no ranking mundial para a categoria “grande porte” – entre 10 e 20 milhões de passageiros ao ano.
De acordo com a OAG, é considerado pontual o voo que chega ao destino ou sai em até 15 minutos além do programado.

GAZETA DO POVO (PR)


Preparados para servir ou guerrear

Carreira militar atrai jovens interessados em prestar serviços ao país, com as garantias de bons salários e estabilidade ao longo da vida
Vinicius Frois
Muito mais do que formar oficiais combatentes para a guerra, as Forças Armadas Brasileiras preparam jovens para atuar em diversas áreas na vida militar. A carreira militar forma médicos, engenheiros, aviadores, especialistas em ciências náuticas, dentistas, entre outros profissionais, que têm como foco servir ao país ou mesmo conseguir uma carreira estável com emprego garantido até a aposentadoria, além de salários acima da média nacional.
E é por meio das instituições de ensino militar que as Forças Armadas promovem a formação de quadros especializados para a Marinha, o Exército e a Aeronáutica. São diversos cursos de graduação reconhecidos pelo Ministério da Educação.
Instituições como o Instituto Militar de Engenharia (IME), Escola Naval, Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), Academia Militar das Agulhas Negras (Aman) são apenas alguns dos exemplos.
Há ainda profissionais formados em faculdades civis que, depois de serem aprovados em concurso, ingressam em instituições de ensino militar para serem inseridos na rotina militar.
Quadro
Para integrar o quadro de militares da Aeronáutica, do Exército ou da Marinha, os candidatos devem participar de processos de seleção ou concursos públicos e os cargos e patentes oferecidos variam de acordo com o nível de escolaridade.
Para quem é formado no ensino superior, o concurso para ingressar como um militar de carreira das Forças Armadas é uma alternativa. Cada batalhão dispõe de setores importantes para o funcionamento do aquartelamento, como os de administração, engenharia, saúde, entre outros, e estas vagas devem ser ocupadas por profissionais graduados em cada uma dessas áreas.
A capitão do Exército Aline Batista de Castro, 41 anos, é médica e tem residência nas áreas de Ginecologia e Obstetrícia. Ela ingressou no Exército por meio de concurso, na Escola de Saúde do Exército (EsSEx), no Rio de Janeiro, e hoje atua na Subseção de Perícias Médicas da 5.ª Região Militar – que abrange o Paraná e Santa Catarina –, com sede em Curitiba.
Aline optou pelas Forças Armadas por gostar da rotina militar. Mas ela destaca que a estabilidade financeira que a carreira oferece é importante. Desde 2002 servindo ao Exército, Aline ingressou para o quadro de oficias em 2009. Desde então, atua na área da saúde e já participou inclusive de missões de paz internacional, como no Haiti.
Oficiais de carreira e temporários
As Forças Armadas possuem duas classes militares – oficiais e praças. Mesmo os profissionais graduados aspiram a cargos de carreira ou temporários dentro destas classes. Os candidatos podem ingressar por concurso público ou análise de currículo.
Os militares de carreira permanecem incorporados pelo tempo de serviço determinado e, quando se aposentam, ficam na lista de militares da reserva, amparados pela Previdência Militar.
Já os militares temporários ingressam com os mesmo direitos e deveres durante o período, mas podem permanecer nas Forças Armadas por, no máximo, oito anos. Após este período, são dispensados e voltam às funções civis.
É o caso da tenente Josiany Stromberg, 33 anos, que é jornalista e atua na área de Comunicação Social da 5.ª Região Militar. Questionada se há alguma distinção entre os profissionais de carreira e os temporários, Josiany diz que a única diferença é a patente. “Quando ingressamos no Exército, a carreira é a mesma. Existe igualdade no salário, no trabalho e nos auxílios de cada patente. Eu sou tenente temporária, mas tenho os mesmos direitos e deveres que um de carreira”, conta.
Serviço militar obrigatório
Os jovens que, ao completar 18 anos são convocados para o período obrigatório, ficam incorporados por aproximadamente um ano. Durante este tempo, os recrutas recebem um treinamento militar básico e depois se especializam em alguma área. Caso queiram continuar nas Forças Armadas, os candidatos passam por um novo processo seletivo e, se aprovados, podem permanecer por mais sete anos.
Quem ingressa nas Forças Armadas através do serviço militar obrigatório pode ainda se candidatar à formação nos Centros de Preparação de Oficiais da Reserva (CPOR) ou nos Núcleos de Preparação de Oficiais da Reserva (NPOR). São estabelecimentos de ensino militar de formação de grau médio, da linha de ensino bélico, que têm como objetivo formar o aspirante a oficial da Reserva de 2.ª classe.
Policial e bombeiro militar
Policiais e bombeiros militares integram o corpo de segurança pública do Brasil, ao lado da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal e Polícia Civil. Para seguir carreira como oficial da Polícia Militar ou do Corpo de Bombeiros, depois de concluir o ensino médio, o estudante passa por um concurso para ingressar no Curso de Formação de Oficiais (CFO), que tem duração de três anos aproximadamente.
No Paraná, para ingressar no CFO é necessário passar em concurso público – realizado através de convênio firmado entre a Universidade Federal do Paraná e a Polícia Militar.
Os cursos de Formação de Oficial Policial-Militar (CFO/PM) e de Formação de Oficial Bombeiro-Militar (CFO/BM) são de nível superior e realizados na Academia Policial Militar do Guatupê, em São José dos Pinhais, em regime de internato.
Mulheres na linha de combate
Neste ano, pela primeira vez em sua história, o Exército Brasileiro abriu vagas para mulheres na Escola Preparatória de Cadetes do Exército (EsPCEx). Foram 40 vagas destinadas às candidatas que pretendem ingressar nas Forças Armadas e seguir carreira como oficial. A EsPCEx é a primeira unidade militar do Brasil a receber mulheres que poderão ir à linha de combate.
R$ 12 mil
É a média do soldo dos oficiais generais, os maiores postos dentro das Forças Armadas. Mas o a remuneração de um militar é composta do soldo e de diversas gratificações e adicionais que variam de acordo com a habilitação obtida ao longo da carreira, o exercício de atividades especiais e outras situações.

JORNAL GGN (SP)


Não tem como elas queimarem sozinhas´, diz moradora da região da Chapada dos Veadeiros

Ricardo Cavalcanti-Schiel
O incêndio que atinge desde o dia 10 o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, segue avançando pela unidade de conservação ambiental considerada patrimônio natural da humanidade. O Instituto Chico Mendes de Conservação e Biodiversidade (ICMBio), que administra o Parque, afirma que o fogo já consumiu 64 mil dos seus 240 mil hectares.
De acordo com o ICMBio, equipes tem atuado noite e dia para conter as chamas. São cerca de 200 brigadistas e bombeiros, além do apoio de cinco aviões tanque do Instituto, helicópteros do IBAMA e polícias Rodoviária Federal e Militar do Distrito Federal, entre outras entidades. A Força Aérea Brasileira (FAB) liberou o avião Hércules para também atuar no combate ao incêndio. Até agora, 1 milhão de litros de água foram utilizados nos focos de incêndio.
Além das forças oficiais, a operação conta ainda com uma rede de voluntários da Chapada dos Veadeiros, ajudando não só no combate às chamas fora do parque, mas também na captação de recursos para dar suporte à ação.
Em entrevista à Sputnik Brasil, a fotógrafa Flávia Davies, voluntária nos esforços de combate às chamas, explicou que o fogo que se alastra pela região atualmente é referente a um de uma série de cinco incêndios, que autoridades e ambientalistas acreditam ser criminosos, provocados por fazendeiros insatisfeitos com a recente ampliação da área de proteção da Chapada, ocorrida em julho.
"Esse, que é o mais forte, começou agora, no dia 17, e, até agora, não foi controlado. Graças a essa rede de apoio que a gente criou neste final de semana, com a contribuição de todos os voluntários daqui da área, é que a gente está conseguindo chamar a atenção e está conseguindo justamente organizar a logística, os voluntários e a comunicação", disse ela, que é moradora da cidade de Alto Paraíso de Goiás, onde a Prefeitura decretou estado de emergência devido ao incidente.
O ministro do Meio Ambiente, Marcelo Cruz, disse na última quarta-feira, 25, que acionou o Ministério da Justiça para pedir investigações da Polícia Federal para apurar a origem das chamas que atingem a Chapada dos Veadeiros.
Para Flávia, há uma série de indicadores que levam a acreditar na versão defendida por muitos de que o fogo teria sido provocado por intervenção humana.
"100% das pessoas com quem eu converso afirmam a mesma coisa. Não chove agora, nessa época. Justamente, é época de seca, não existe raio, não tem nada que possa provocar essa combustão natural. E também o que aconteceu foi que foram faixas de terra capinadas… Não tem como elas queimarem sozinhas. Além disso, colocou fogo na vegetação nos dois lados da rodovia."
Segundo o Instituto Chico Mendes, o parque em questão é refúgio de espécies ameaçadas de extinção ou endêmicas (só existem no local), como o cervo-do-Pantanal, lobo-guará, pato-mergulhão e a onça-pintada, maior mamífero carnívoro da América do Sul, que estão morrendo em grande quantidade ou ficando feridos. Além disso, o parque é composto também por formações vegetais, centenas de nascentes e cursos d´água e rochas com mais de um bilhão de anos.
Na última segunda-feira, 23, em meio ao caos provocado pelo fogo, a Câmara dos Vereadores do município de Alto Paraíso de Goiás decidiu, por 7 votos a 1, acabar com a Secretaria do Meio Ambiente, fazendo uma fusão da mesma com a da Agricultura, decisão considerada muito grave por Flávia Davies.

DIÁRIO DE GOIÁS (GO)


Governo de Goiás dá total suporte para combater fogo na Chapada dos Veadeiros 

A pedido do governador Marconi Perillo e por determinação do secretário Vilmar Rocha (Secima), a superintendente executiva de Meio Ambiente da Secima, Jacqueline Vieira, acompanha pessoalmente as ações em Alto Paraíso e tem coordenado uma força-tarefa montada exclusivamente para combater o incêndio na região. Por ser um Parque Nacional, a gestão e as ações de preservação na Chapada dos Veadeiros são de competência do Ministério do Meio Ambiente, através do ICMBio e do Ibama. No entanto, o Governo de Goiás reconhece a importância do parque como uma das principais áreas de conservação do Cerrado e se empenha para ajudar nas ações e na logística de combate. Além disso, é no município de Alto Paraíso que o Governo desenvolve o projeto de implantação dos 17 Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS), uma plataforma interinstitucional de ações coordenadas que alia a preservação ambiental com o crescimento econômico e a justiça social.
Diante da situação crítica do fogo no parque, a superintendente de Meio Ambiente da Secima convocou, há cerca de 15 dias, uma reunião de emergência, juntamente Ibama, ICMBio, Prefeitura de Alto Paraíso e Corpo de Bombeiros, para tratar do alto número de focos de incêndio que atingem a região do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. O objetivo era buscar soluções e traçar estratégias integradas de trabalho que coíbam ações criminosas de promoção de incêndios em unidades de conservação.
Nesta semana, na segunda-feira, uma nova reunião foi coordenada por Jacqueline Vieira para reforçar a união das instituições envolvidas e definir novas estratégias para conter o incêndio. Essa semana, o ministro da Defesa Raul Jungmann determinou às Forças Aéreas (FAB) que disponibilizem aviões para o auxílio nas operações.
Secima, Ibama, ICMBio, Prefeitura de Alto Paraíso e os Bombeiros de Goiás e do Distrito Federal estão diretamente envolvidos na operação. Conforme o Copo de Bombeiros de Goiás, a tática é reunir todos os esforços em locais prioritários, controlando a disseminação das chamas ponto a ponto. O trabalho foca nas quatro regiões turísticas do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros. Entretanto, há focos de incêndio tanto no parque quanto na Área de Proteção Ambiental (APA) do Pouso Alto, região que circunda o parque e que compreende grande parte da Chapada dos Veadeiros.
As equipes contam com quatro aeronaves e três caminhões-tanque para ações avançadas. As cidades que estão próximas aos focos de incêndio estão protegidas. Cinturões de proteção conseguiram conter o avanço do fogo e impedir que as cidades fossem atingidas.

MANAUS ALERTA


Força Aérea realizará exposição no Shopping Ponta Negra

Em parceria com a Aeronáutica, o Shopping Ponta Negra sedia uma exposição em comemoração ao Dia do Aviador e ao Dia da Força Aérea Brasileira (dia 23). O evento acontecerá entre os dias 27 e 29 e será realizado na praça de evento do centro de compras, localizado no primeiro piso (L1). O acesso é gratuito.
A gerente de Marketing do shopping, Karla Henderson, destaca que se trata de uma oportunidade inédita de conhecer bem de perto os equipamentos operacionais e de resgate, kits de sobrevivência e materiais de exposição da Força Aérea.
“Nesse espaço, será apresentado ao público o trabalho dos Esquadrões Aéreos e das Organizações de infantaria, bem como as formas de ingresso na Força”, adianta a gerente.
No local, ainda haverá um totem de aviador e um painel para fotos e atividades lúdicas para crianças. Quem for ao Shopping Ponta Negra ainda poderá interagir com militares de diferentes quadros e áreas que estarão no estande para esclarecer dúvidas e falar sobre o trabalho na Força Aérea.
Para fechar a exposição, no domingo (29), a Banda de Música da Ala 8 fará, às 19h, uma apresentação, com sucessos de diferentes épocas, para animar e homenagear os visitantes.

BARBACENA ONLINE


Banda Ranier faz homenagem para Esquadrilha da Fumaça

O clipe foi lançado essa semana e está disponível no Youtube
A banda de rock barbacenense, Ranier, lançou esta semana mais uma música, o single O Céu é o Limite, que é uma homenagem à Esquadrilha da Fumaça. A banda que surgiu em 2001 tem sido destaque no cenário musical. No último ano, os clipes das músicas A Máquina e Caminho Sem Volta entraram na programação de programas como TVZ Experimente (Multishow) e Setlist (Canal Bis).
O novo clipe apresenta as aeronaves da Esquadrilha da Fumaça em suas várias exibições pelo Brasil e pelo mundo. O Esquadrão de Demonstração Aérea da Aeronáutica surgiu da iniciativa de jovens instrutores de voo da antiga Escola de Aeronáutica, no Rio de Janeiro que treinavam acrobacias com o intuito de incentivar os cadetes a confiarem em suas aptidões e na segurança das aeronaves. Tendo retomado a agenda de apresentações em 2015, a Esquadrilha encanta a todos por onde passa.
O clipe está disponível no Canal da banda no Youtube e pode ser visto clicando no link https://www.youtube.com/watch?v=DlIB6SO8IsQ (https://www.youtube.com/watch?v=DlIB6SO8IsQ) .




Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented