|

Grupo Emirates anuncia resultados 2016-17


Grupo Emirates anuncia resultados 2016-17 ...  



São Paulo, maio de 2017 – O Grupo Emirates anunciou seu 29º ano consecutivo de lucro e expansão estável de negócios, apesar de um ano turbulento para os setores de aviação e viagens.

Lançado no seu Relatório Anual de 2016-17, o Grupo Emirates anunciou um lucro de AED 2,5 bilhões (US$ 670 milhões) para o ano fiscal encerrado em 31 de março de 2017, uma queda de 70% em relação ao lucro recorde do ano passado. A receita do Grupo atingiu os AED 94,7 bilhões (US$ 25,8 bilhões), um aumento de 2% em relação aos resultados do ano passado, e o saldo do caixa do Grupo diminuiu 19% para AED 19,1 bilhões (US$ 5,2 bilhões), devido principalmente ao reembolso de dois títulos no vencimento e aos investimentos contínuos em sua frota e ativos relacionados a aeronaves.

Em linha com o atual clima de negócios e para apoiar os planos de investimento futuros do Grupo, nenhum pagamento de dividendos será feito à Corporação de Investimento de Dubai (ICD) para 2016-17.

Sua Alteza (H.H.) Sheikh Ahmed bin Saeed Al Maktoum, presidente e chefe-executivo da Emirates Airline e do Grupo Emirates, disse: “Emirates e dnata continuaram a gerar lucros e a expandir o negócio, apesar de 2016-17 ter sido um dos nossos anos mais difíceis até a presente data.”

“Ao longo dos anos, temos investido para construir nossas capacidades de negócios e a reputação da marca. Aproveitamos agora os benefícios, uma vez que estas fundações fortes ajudaram-nos a superar os acontecimentos desestabilizadores que afetaram a procura de viagens durante o ano – do Brexit aos desafios de imigração e dos ataques terroristas da Europa, das novas políticas que afetam as viagens aéreas aos EUA, a desvalorização cambial e a repatriação de fundos em algumas partes da África e o contínuo efeito de uma lenta indústria de petróleo e gás na confiança das empresas e na demanda de viagens.”

Em 2016-17, o Grupo investiu coletivamente AED 13,7 bilhões (US$ 3,7 bilhões) em aeronaves e equipamentos novos, aquisição de empresas, instalações modernas, tecnologias de ponta e iniciativas de equipe.

Sheikh Ahmed disse: “Esses investimentos fortalecerão ainda mais a nossa capacidade de resiliência, mesmo estendendo nossa vantagem competitiva, e adaptando nossos negócios ao clima de negócios volátil e às rápidas mudanças nas expectativas dos consumidores.”

“Continuamos otimistas para o futuro da nossa indústria, apesar de esperarmos que o ano que vem se mantenha desafiador, com a hiperconcorrência espremendo os rendimentos das companhias aéreas e a volatilidade em muitos mercados impactando os fluxos e a demanda de viagens.”

“A Emirates e a dnata permanecerão em sintonia com os eventos e tendências que afetam nossos negócios, para que possamos responder rapidamente às oportunidades e aos desafios. Também avançaremos em nossa jornada de transformação digital. Estamos redesenhando cada aspecto de como fazemos negócios, alimentados por um conjunto inteiramente novo de tecnologias. Nosso objetivo é oferecer experiências mais personalizadas e viagens perfeitas aos clientes, e tornar nossas operações e funções de back-office ainda mais eficientes.”

Através das suas mais de 80 subsidiárias e empresas, o Grupo aumentou a sua força de trabalho total em 11% para mais de 105 mil colaboradores, representando mais de 160 nacionalidades diferentes.

Performance da Emirates
A capacidade total de passageiros e carga da Emirates atravessou a marca de 60 bilhões, para 60,5 bilhões ATKMs no final de 2016-17, consolidando sua posição como a maior transportadora internacional do mundo. A companhia aérea aumentou a capacidade durante o ano em 4,1 bilhões de toneladas disponíveis por quilômetro (ATKMs), ou 7% em relação a 2015-16.

A Emirates recebeu 35 novas aeronaves, o maior número durante um ano fiscal, composto por 19 A380 e 16 Boeing 777-300ER. Ao mesmo tempo, 27 aviões mais antigos foram eliminados, elevando sua frota total para 259 no final de março. A frota envolvendo 62 aeronaves foi o maior programa já alcançado em um ano e reduziu significativamente a idade da frota da Emirates para 63 meses, comparada com 74 meses no ano passado, e a média da indústria de 140 meses.

Isto ressalta a estratégia da Emirates de operar uma frota jovem e moderna, que é melhor para o meio ambiente, melhor para operações e melhor para os clientes. A companhia aérea continua a ser o maior operador mundial do Boeing 777 e de A380 – ambos os aviões estão entre os mais modernos e eficientes jatos de fuselagem larga a voar nos tempos de hoje.

Durante o ano, a Emirates lançou seis novos destinos de passageiros: Fort Lauderdale, Hanói, Newark, Yangon, Yinchuan e Zhengzhou; e um novo destino adicional de cargas: Phnom Penh. Também acrescentou serviços e capacidade a nove cidades em sua rede de rotas existente em toda a África, Ásia, Europa, Oriente Médio e América do Norte, oferecendo aos clientes ainda maior escolha e conectividade.

Mesmo diante de desvalorizações significativas de moeda em relação ao dólar norte-americano e aos ajustes de tarifas devido a um ambiente de negócios altamente competitivo, a Emirates conseguiu manter sua receita estável em AED 85,1 bilhões (US$ 23,2 bilhões). O aumento implacável do dólar norte-americano em relação às moedas na maioria dos mercados-chave da Emirates teve um impacto de AED 2,1 bilhões (US$ 572 milhões) na receita da companhia aérea e para a linha de fundo da companhia aérea. Foi a segunda maior medida em um ano financeiro após o ano passado.

Os custos operacionais totais aumentaram 8% ao longo do exercício de 2015-16. O preço médio do combustível para aviação diminuiu ligeiramente durante o ano fiscal. Mas devido a uma elevação de 8% maior em linha com o aumento de capacidade, a conta de combustível da companhia aérea aumentou 6% em relação ao ano passado para AED 21,0 bilhões (US$ 5,7 bilhões). O combustível é agora 25% dos custos operacionais, comparado a 26% em 2015-16, mas se manteve o maior componente de custo para a companhia aérea.

A companhia conseguiu gerir uma maior pressão competitiva em todos os mercados para se manter rentável com AED 1,3 bilhão (US$ 340 milhões), uma queda de 82% em relação aos resultados recorde do ano passado e uma margem de lucro de 1,5%.

O crescimento geral do tráfego de passageiros continua a demonstrar o desejo dos consumidores de voar nas aeronaves de última geração da Emirates e pelas rotas eficientes através de seu hub em Dubai.

A Emirates transportou um recorde de 56,1 milhões de passageiros (+ 8%), e atingiu um Passenger Seat Factor de 75,1%. O declínio no fator de assento de passageiros em relação ao ano passado, que foi de 76,5%, é relativo ao forte aumento de 10% na capacidade de assento por assento disponível por quilômetros (ASKMs), e também em parte devido à persistente incerteza econômica e à forte concorrência em muitos mercados.

Sob pressão por causa do enfraquecimento de todas as principais moedas em relação ao dólar norte-americano, o rendimento de passageiros caiu para 24,7 fils (6,7 centavos de dólar) por Receita de Passageiro por Quilômetro (RPKM).
Para financiar seu crescimento de frota em um ano de entregas de aeronaves recordes, Emirates levantou AED 29,1 bilhões (US$ 7,9 bilhões), usando uma variedade de estruturas de financiamento.

A Emirates continuou a explorar o mercado japonês para a estrutura japonesa de arrendamento operacional (JOL) e o arrendamento operacional japonês com opção de compra (JOLCO) nas aeronaves A380-800 e Boeing 777-300ER, ao mesmo tempo em que acessava diversos investidores institucionais e bancos incluindo a Coreia, o Reino Unido, a Alemanha e a Espanha. Além disso, devido à suspensão do apoio à Agência de Crédito à Exportação (ECA), a Emirates estruturou com sucesso uma facilidade de ponte comercial inovadora de AED 4,4 bilhões (US$ 1,2 bilhão) com instituições norte-americanas e chinesas.
Esses negócios se alinham com a estratégia da Emirates de buscar fontes de financiamento diversificadas e ressaltam suas sólidas finanças e a forte confiança dos investidores no modelo de negócios da companhia aérea.
A Emirates fechou o ano em exercício com um saldo de AED 15,7 bilhões (US$ 4,3 bilhões) em ativos líquidos.

As receitas geradas nas seis regiões da Emirates continuam bem equilibradas, sem que nenhuma região contribua com mais de 30% da receita total. A Europa foi a maior região contribuidora de receitas com AED 23,9 bilhões (US$ 6,5 bilhões), inalterada em relação a 2015-16. Ásia Oriental e Australásia seguem de perto com AED 22,6 bilhões (US$ 6,2 bilhões), um aumento de 1%. A região das Américas registrou um crescimento de receita de AED 12,4 bilhões (US$ 3,4 bilhões), um aumento de 3%. A receita do Golfo e do Oriente Médio aumentou 4%, para AED 8,7 bilhões (US$ 2,4 bilhões), enquanto a receita para a África caiu 4%, para AED 8,7 bilhões (US$ 2,4 bilhões). As receitas da Ásia Ocidental e do Oceano Índico diminuíram 3% para AED 7,4 bilhões (US$ 2,0 bilhões).

A Emirates continuou a investir em renovar seus produtos e serviços de acordo com as necessidades dos clientes. A companhia aérea revelou o seu A380 Onboard Lounge, que entrará em serviço em julho de 2017, e anunciou um acordo significativo de vários milhões de dólares com a Thales para equipar a sua futura frota Boeing 777X com o sistema de entretenimento a bordo AVANT.

Outras iniciativas importantes em 2016-17 incluem: uma reformulação de US$ 11 milhões do seu Business Class Lounge no Concourse B no Aeroporto Internacional de Dubai; a abertura de um novo Emirates Lounge em Cape Town; e a introdução de novas amenidades a bordo para passageiros em todas as classes, incluindo cobertores sustentáveis na Classe Econômica feitos a partir de garrafas de plástico 100% reciclado e utilizando a tecnologia patenteada ecoTHREAD™.

Para 2017-18, a Emirates anunciou novas rotas para Phnom Penh no Camboja e Zagreb na Croácia, além de atualizações de capacidade para os destinos existentes.

A Emirates SkyCargo continua a desempenhar um papel integral nas operações de expansão da empresa, contribuindo com 13% da receita total de transporte da companhia aérea.

Em um mercado de carga aérea que permaneceu desafiador com padrões de demanda em rápida mudança, a divisão de carga da Emirates registrou uma receita de AED 10,6 bilhões (US$ 2,9 bilhões), uma queda de 5% em relação ao ano passado, enquanto a tonelagem transportada ligeiramente aumentou 3%, para 2,6 milhões de toneladas.

Este ano, a taxa de frete por frete de tonelada por quilômetro (FTKM) diminuiu 8%, refletindo a forte tendência de queda no setor e o enfraquecimento das principais moedas em relação ao dólar dos Estados Unidos.

A frota de cargueiros total da SkyCargo da Emirates permaneceu inalterada, com 15 aeronaves: 13 Boeing 777Fs e dois Boeing 747-400Fs. Além da capacidade de transporte de passageiros para os novos destinos de passageiros da Emirates, a Emirates SkyCargo lançou novos serviços de cargueiro para Phnom Penh (Camboja), bem como novas ligações entre Dubai-Oslo e Delhi-Hong Kong.

Durante 2016-17, a Emirates SkyCargo inaugurou a Emirates SkyPharma, uma instalação de 4 mil metros quadrados, dedicada ao transporte e ao embarque oportuno e seguro de produtos farmacêuticos sensíveis a temperatura no Aeroporto Internacional de Dubai; e lançou a White Cover Advanced, uma solução de proteção projetada para carga sensível a temperatura.
Os hotéis da Emirates registraram uma receita de AED 738 milhões (US$ 201 milhões), um aumento de 5% em relação ao ano passado em um mercado altamente competitivo, principalmente nos Emirados Árabes Unidos.
Performance da dnata

Em seus 58 anos de operação, 2016-17 foi o mais rentável para a dnata, chegando ao lucro de AED 1,2 bilhão (U$$ 330 milhões) pela primeira vez. Com base nos bons resultados do ano anterior, a receita da dnata cresceu para AED 12,2 bilhões (US$ 3,3 bilhões), 15% a mais. Os negócios internacionais da dnata agora representam 66% de sua receita.

Este aumento substancial da receita foi conseguido através do crescimento orgânico e reforçado por suas novas aquisições da dnata Aviation Services nos Estados Unidos em abril de 2016 e Air Dispatch na República Tcheca em julho de 2016, além de um aumento em sua participação na Oman United Agencies Travel em Omã, e o impacto do ano inteiro da dnata no Brasil adquirido durante o ano anterior.

Com base nos níveis recordes de investimento do ano passado, a dnata continuou a lançar as bases para o crescimento futuro, investindo mais de AED 1 bilhão (US$ 272 milhões) no desenvolvimento de seu pessoal, instalações, tecnologia e novas aquisições.

Em 2016-17, os custos operacionais da dnata aumentaram em 15% para AED 11,0 bilhões (US$ 3,0 bilhões), refletindo o impacto da integração das empresas recém-adquiridas principalmente em suas operações aeroportuárias internacionais.

O saldo de caixa da dnata permanece muito sólido em AED 3,4 bilhões (US$ 926 milhões) e próximo do recorde do ano passado. O negócio entregou um fluxo de caixa de AED 1,3 bilhão (US$ 350 milhões) das atividades operacionais em 2016-17, que é similar ao registro do ano passado da companhia.

A força de funcionários da dnata aumentou para mais de 40 mil, um crescimento substancial de 20%, que inclui funcionários de suas empresas recém-adquiridas. Com a crescente pegada internacional do negócio, a proporção de pessoal da dnata baseada fora dos Emirados Árabes Unidos aumentou para 56%.

A receita das operações aeroportuárias da dnata nos Emirados Árabes Unidos, incluindo aeronaves e movimentação de cargas, aumentou 6%, atingindo AED 3,0 bilhões (US$ 823 milhões).

Em linha com o crescimento da receita, o número de aeronaves movimentadas pela dnata nos Emirados Árabes Unidos aumentou 2% para 216.000, e o manuseio de carga em 4% para 714.000 toneladas, mostrando um primeiro sinal de retorno do mal-estar contínuo da indústria de cargas.

Durante o ano, a dnata também inaugurou seu novo centro de atendimento ao cliente de exportação AED 25 milhões e centro de controle integrado de carga na Zona Livre do Aeroporto de Dubai, aprimorando sua oferta global de produtos para companhias aéreas, transitários e carregadores.

A Divisão de Operações Aeroportuárias Internacionais da dnata cresceu substancialmente em 59%, para AED 3,3 bilhões (US$ 906 milhões), em função do aumento do volume de negócios e dos negócios recém-adquiridos nos Estados Unidos, bem como do impacto total da dnata Brasil e da dnata BV (Países Baixos).

Operações aeroportuárias internacionais representam agora o maior segmento de negócios na dnata por contribuição de receita. O número de aeronaves movimentadas pela divisão mais do que dobrou dentro de um ano em 129% para 408.000, e a divisão Cargo registrou um crescimento substancial de 56% para 2,1 milhões de toneladas de produtos manuseados, impulsionado principalmente pelo ano inteiro da dnata BV, adquirida no último exercício.

A receita da divisão dnata Travel Services registrou um ligeiro declínio de 5% para AED 3,1 bilhões (US$ 854 milhões). O valor de transação subjacente total (TTV) dos serviços de viagens vendidos diminuiu 9% para AED 10,7 bilhões (US$ 2,9 bilhões). Estas tendências são o reflexo da menor demanda de viagens, principalmente de corporações e entidades governamentais na região do Golfo, bem como o declínio no valor da libra britânica em relação ao dólar dos Estados Unidos após a decisão do Brexit.

O negócio da dnata Catering respondeu por AED 2,0 bilhões (US$ 547 milhões) de sua receita total, 7% acima. O negócio de catering a bordo elevou mais de 60 milhões de refeições durante o ano, um aumento de 7% em razão do maior volume em vários mercados e em linha com o crescimento da receita. Durante o ano, foi aberta uma nova instalação construída especificamente em Cairns, ampliando a rede de cozinhas da dnata na Austrália para 11, e foi realizada a construção de uma nova instalação em Melbourne, que começará suas operações em meados de 2017.

O Relatório Anual 2016-17 completo do Grupo Emirates – que compreende a Emirates, a dnata e suas subsidiárias – está disponível em: theemiratesgroup.com/annualreport

Os números em US$ são convertidos em US$ 1 = AED 3,67 e baseiam-se nos valores completos em AED antes do arredondamento.

Sobre a Emirates Airline
A Emirates é uma das companhias aéreas que mais rapidamente crescem no mundo. Recebeu cerca de 500 prêmios internacionais pela sua excelência e conta com 16 milhões de membros Skywards. Atualmente, voa para 155 destinos em 83 países e opera uma frota de 256 aeronaves de fuselagem larga, incluindo o número recorde na indústria de 94 aviões A380. A companhia aérea é a maior operadora mundial de aeronaves A380s e Boeing 777s. Para mais informações, acesse www.emirates.com.


Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented