|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 03/04/2017 / Marinha vai investir US$ 1,8 bi em novos navios


Marinha vai investir US$ 1,8 bi em novos navios ...  

Projeto prevê a construção, no Brasil, de quatro corvetas; licitação termina em 2018 ...

A Marinha vai investir US$ 1,8 bilhão na construção, no Brasil, de quatro corvetas médias, da nova classe Tamandaré, de 2,7 mil toneladas. Pelo projeto, serão navios avançados, com ampla carga digital, sistemas e armamento de última geração.

O projeto vai atender à necessidade da Força de renovar seus meios de escolta e de emprego geral, além de contemplar futuros negócios no mercado internacional de equipamentos de Defesa. Cada unidade vai sair por US$ 450 milhões.

Os estaleiros nacionais envolvidos no empreendimento trabalharão consorciados com empresas estrangeiras, especializadas na produção e desenvolvimento de embarcações militares, em regime de ampla transferência de tecnologia. Segundo o contra-almirante Petrônio Aguiar, diretor de gestão de projetos da Marinha, a iniciativa “contribuirá para a capacitação da Marinha no domínio do ciclo completo da produção de seus próprios navios”.

Ao longo dos próximos meses, até o fim do ano, a Marinha cumprirá uma agenda de consultas técnicas aos estaleiros interessados no projeto, daqui e do exterior. O processo licitatório será encerrado em 2018. O início da construção está previsto para 2019 e as entregas serão feita no período de 2022 a 2025 – na cadência de um navio por ano.

A longo prazo, as encomendas podem chegar a 12 unidades. O Arsenal da Ilha das Cobras, no Rio, principal instalação industrial da Marinha nesse setor, será considerado na negociação, provavelmente nas tarefas de integração final dos sistemas.

Substituição
Há uma certa pressa na execução do processo. A frota de seis fragatas de 3,8 mil toneladas, mais duas de 4,4 mil toneladas, está completando 40 anos de atividade na Marinha brasileira. Passaram por um ciclo de modernização e receberam novos recursos de aperfeiçoamento em vários momentos durante o tempo de serviço. Mas, segundo especialistas militares ouvidos pelo Estado, um outro procedimento do mesmo tipo teria de ser muito extenso e os custos seriam elevados, com resultado incerto. O grupo será gradualmente retirado de operação na próxima década.

O conceito das corvetas Tamandaré faz delas uma espécie de mini-fragatas. A geração imediatamente anterior, a V-34 Barroso, construída no Brasil, desloca pouco mais de 1,7 mil toneladas – mil a menos que a nova classe. Claro, são os menores modelos de navios de combate, pouco confortáveis para a tripulação, têm menor capacidade de autonomia e de raio de ação, e também menores alcances dos sensores de vigilância e das armas. Todavia, cumprem a missão: em 2015, a Barroso integrou a Força Tarefa Marítima da ONU no Líbano, substituindo a fragata União.

Mais ampla, a V-35 Tamandaré terá espaço para receber os tubos de lançamento dos mísseis antinavio Mansup, brasileiros, da mesma classe dos Exocet MM-40/3, e os casulos de disparo vertical dos Sea Ceptor, antiaéreos, comprados da MBDA europeia. O desenho crítico das linhas do casco reduz a visibilidade nas telas do radar, dando à embarcação uma certa condição “stealth”, de furtividade. A bordo haverá acomodações para 136 pessoas – tripulantes, mergulhadores, fuzileiros, mais pilotos e mecânicos do helicóptero orgânico, provavelmente configurado para o combate anti-submarino.

Plano revisto
Em 2010, como resultado da economia estável e da decisão do governo de reequipar as Forças Armadas, a Marinha apresentou o projeto ProSuper, destinado a renovar o conjunto de suas embarcações de superfície, compreendendo 11 navios, com investimentos estimados em US$ 6 bilhões.

O inventário abrangia, então, cinco fragatas de 6 mil toneladas, quatro navios-patrulha oceânicos, de 1,8 mil toneladas, e um navio de apoio, de 22 mil toneladas. Correndo por fora, poderia entrar na lista um gigante de múltiplo emprego, de 32 mil toneladas, capaz de transportar tropas, blindados, lançadores de foguetes, lanchas de desembarque e muitos helicópteros. Porém, faltou dinheiro, e o programa não avançou.

Mesmo com a escassez de recursos, a Marinha mantém em andamento avançado o programa ProSub, contratado com a Odebrecht Defesa e Tecnologia e a DCNS, da França, por cerca de ¤ 6,7 bilhões, e que resultará em quatro submarinos convencionais de 2,2 mil toneladas da classe Scórpene/Br, de tecnologia francesa, mais um de propulsão nuclear. O negócio cobre a construção do estaleiro de onde sairão os navios e de uma base de operações, tudo em Itaguaí, no litoral sul do Rio de Janeiro.



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Marinha vai investir US$ 1,8 bi em novos navios

Projeto prevê a construção, no Brasil, de quatro corvetas; licitação termina em 2018

A Marinha vai investir US$ 1,8 bilhão na construção, no Brasil, de quatro corvetas médias, da nova classe Tamandaré, de 2,7 mil toneladas. Pelo projeto, serão navios avançados, com ampla carga digital, sistemas e armamento de última geração.
O projeto vai atender à necessidade da Força de renovar seus meios de escolta e de emprego geral, além de contemplar futuros negócios no mercado internacional de equipamentos de Defesa. Cada unidade vai sair por US$ 450 milhões. Os estaleiros nacionais envolvidos no empreendimento trabalharão consorciados com empresas estrangeiras, especializadas na produção e desenvolvimento de embarcações militares, em regime de ampla transferência de tecnologia. Segundo o contra-almirante Petrônio Aguiar, diretor de gestão de projetos da Marinha, a iniciativa “contribuirá para a capacitação da Marinha no domínio do ciclo completo da produção de seus próprios navios”.
Ao longo dos próximos meses, até o fim do ano, a Marinha cumprirá uma agenda de consultas técnicas aos estaleiros interessados no projeto, daqui e do exterior. O processo licitatório será encerrado em 2018. O início da construção está previsto para 2019 e as entregas serão feita no período de 2022 a 2025 – na cadência de um navio por ano.
A longo prazo, as encomendas podem chegar a 12 unidades. O Arsenal da Ilha das Cobras, no Rio, principal instalação industrial da Marinha nesse setor, será considerado na negociação, provavelmente nas tarefas de integração final dos sistemas.
Substituição
Há uma certa pressa na execução do processo. A frota de seis fragatas de 3,8 mil toneladas, mais duas de 4,4 mil toneladas, está completando 40 anos de atividade na Marinha brasileira. Passaram por um ciclo de modernização e receberam novos recursos de aperfeiçoamento em vários momentos durante o tempo de serviço. Mas, segundo especialistas militares ouvidos pelo Estado, um outro procedimento do mesmo tipo teria de ser muito extenso e os custos seriam elevados, com resultado incerto. O grupo será gradualmente retirado de operação na próxima década.
O conceito das corvetas Tamandaré faz delas uma espécie de mini-fragatas. A geração imediatamente anterior, a V-34 Barroso, construída no Brasil, desloca pouco mais de 1,7 mil toneladas – mil a menos que a nova classe. Claro, são os menores modelos de navios de combate, pouco confortáveis para a tripulação, têm menor capacidade de autonomia e de raio de ação, e também menores alcances dos sensores de vigilância e das armas. Todavia, cumprem a missão: em 2015, a Barroso integrou a Força Tarefa Marítima da ONU no Líbano, substituindo a fragata União.
Mais ampla, a V-35 Tamandaré terá espaço para receber os tubos de lançamento dos mísseis antinavio Mansup, brasileiros, da mesma classe dos Exocet MM-40/3, e os casulos de disparo vertical dos Sea Ceptor, antiaéreos, comprados da MBDA europeia. O desenho crítico das linhas do casco reduz a visibilidade nas telas do radar, dando à embarcação uma certa condição “stealth”, de furtividade. A bordo haverá acomodações para 136 pessoas – tripulantes, mergulhadores, fuzileiros, mais pilotos e mecânicos do helicóptero orgânico, provavelmente configurado para o combate anti-submarino.
Plano revisto
Em 2010, como resultado da economia estável e da decisão do governo de reequipar as Forças Armadas, a Marinha apresentou o projeto ProSuper, destinado a renovar o conjunto de suas embarcações de superfície, compreendendo 11 navios, com investimentos estimados em US$ 6 bilhões.
O inventário abrangia, então, cinco fragatas de 6 mil toneladas, quatro navios-patrulha oceânicos, de 1,8 mil toneladas, e um navio de apoio, de 22 mil toneladas. Correndo por fora, poderia entrar na lista um gigante de múltiplo emprego, de 32 mil toneladas, capaz de transportar tropas, blindados, lançadores de foguetes, lanchas de desembarque e muitos helicópteros. Porém, faltou dinheiro, e o programa não avançou.
Mesmo com a escassez de recursos, a Marinha mantém em andamento avançado o programa ProSub, contratado com a Odebrecht Defesa e Tecnologia e a DCNS, da França, por cerca de ¤ 6,7 bilhões, e que resultará em quatro submarinos convencionais de 2,2 mil toneladas da classe Scórpene/Br, de tecnologia francesa, mais um de propulsão nuclear. O negócio cobre a construção do estaleiro de onde sairão os navios e de uma base de operações, tudo em Itaguaí, no litoral sul do Rio de Janeiro.

REVISTA VEJA


Cargueiro desaparece no Oceâno Atlântico após deixar o Brasil

Vinte e duas pessoas estão desaparecidas desde sexta-feira; Avião da Marinha do Brasil foi enviado para auxilar nos resgates

Um navio cargueiro sul-coreano, com 24 pessoas a bordo, desapareceu no Atlântico Sul depois de sair do Brasil. De acordo com a Marinha do Uruguai, indícios de naufrágio do Stella Daisy, com mais de 260.000 toneladas, foram encontrados por navios mercantes, 3,7 quilômetros a leste do porto de Montevidéu. Até o momento, dois marinheiros filipinos foram encontrados em um bote salva-vidas e resgatados. Segundo os tripulantes, a embarcação em que navegavam se partiu. O chamado de emergência do Stella Daisy foi feito às onze e meia da manhã locais desta sexta-feira.
Segundo porta-voz da Marinha uruguaia, a tripulação enviou uma mensagem de texto informando uma “entrada de água” no navio de 312 metros de comprimentos e, depois, lançou um sinal de emergência. Os barcos uruguaios mercantes se dirigiram a essa parte do Oceano Atlântico, onde encontraram os dois filipinos resgatados. “Durante a noite de sábado, um navio visualizou manchas de combustível e resíduos, além de sentir um forte odor de combustível, o que dá indícios de que o navio acidentado tenha afundado”, assinala um comunicado.
De acordo com as autoridades coreanas, não havia brasileiros na embarcação. Dos 24 tripulantes, oito eram sul-coreanos e dezesseis filipinos. As buscas continuam e um avião da Aviação Naval Brasileira foi enviado para reforçar as operações de resgate.

PORTAL G-1


Avião que caiu em aeroporto e matou dois estava apto para voar, diz Anac

Segundo agência, aeronave, do tipo ultraleve, era de categoria experimental. Testemunhas relataram à Polícia Civil que motor desligou no ar, em Goiás.

Sílvio Túliodo G1 Go Sílvio Túliodo G1 Go

O avião que caiu no Aeroporto de Aragarças, região sudoeste de Goiás, matando os dois ocupantes, estava apto para voar, segundo informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). A aeronave, matrícula PUCST, pertencia à categoria experimental, quando é construído de forma amadora e atende a regras diferentes das utilizadas na aviação comercial.
Ainda de acordo com a Anac, por conta desta situação, o avião não precisa apresentar certificado de aeronavegabildade, documento necessário para que a aeronave possa voar, e Inspeção Anual de Manutenção (IAM), que avalia as condições mecânicas do avião. A aeronave, do tipo ultraleve, só podia voar com no máximo 500 kg e durante o dia.
O acidente aconteceu na noite de sábado (1º), por volta das 18h. Os pilotos Elderan Mendes de Oliveira, de 37 anos, e Luciano Amorim Alves, de 21 anos, morreram. De acordo com a Polícia Civil, o acidente aconteceu no momento em que a aeronave fazia a decolagem. Testemunhas relataram que o motor parou de funcionar no ar.
Os corpos dos pilotos estão sendo velados juntos em uma casa de velórios de Barra do Garças, cidade onde também devem ser enterrados.
Segundo o delegado Ricardo Galvão, pilotos que estavam no aeroporto disseram que, por conta da falha, é possível que a tripulação não tenha conseguido fazer as manobras necessárias. “Eles me disseram que a manobra correta a ser executada seria o avião ir em linha reta por local ermo, mas com o motor desligado e não teve força para operar desta forma”, contou.
A assessoria de imprensa da Anac informou ao G1, por telefone, que as investigações de acidentes envolvendo aviões experimentais ficam a cargo da Polícia Civil.
Mesmo assim, a assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB) afirmou ao G1, também por telefone, que uma equipe do Sexto Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes (SERIPA VI) foi deslocada para o local para fazer o "trabalho inicial" de apuração.
Somente após essa etapa, é que será verificado quem ficará responsável pelas investigações.

Avião cai e mata duas pessoas na pista do aeroporto de Aragarças, GO

Segundo delegado, testemunhas disseram que motor desligou no ar. Ele afirma que aeronave tinha apresentado problemas dias antes da queda.

Por Murillo Velasco

Os pilotos Elderan Mendes de Oliveira, de 37 anos, e Luciano Amorim Alves, de 21 anos, morreram no sábado (1°) após o avião em que eles estavam cair, na pista do aeroporto de Aragarças, na região sudoeste de Goiás. De acordo com a Polícia Civil, o acidente aconteceu no momento em que a aeronave fazia a decolagem. Segundo o delegado Ricardo Galvão, testemunhas relataram que o motor parou de funcionar no ar.
Ele afirmou ao G1 que o avião já havia apresentado problemas dias antes do acidente. “Eles fizeram a decolagem do avião. O avião por algum motivo falhou o motor. Pela apuração preliminar que fizemos, o motor do avião tinha dado problema dias anteriores, eles arrumaram e foram utilizar o avião ontem. Testemunhas dizem que o motor desligou ainda no ar e o avião caiu na pista”, disse.
O acidente aconteceu por volta das 18h do sábado. Conforme relatou o delegado, o avião é do tipo ultraleve, destinado para fins experimentais.
Após a queda, o Corpo de Bombeiros foi acionado para retirar os corpos e a área foi isolada pela Polícia Militar.
Segundo o delegado, pilotos que estavam no aeroporto disseram que, como o motor parou de funcionar, é possível que a tripulação não tenha conseguido fazer as manobras necessárias. “Eles me disseram que a manobra correta a ser executada seria o avião ir em linha reta por local ermo, mas com o motor desligado e não teve força para operar desta forma”, contou.
Os corpos dos pilotos estão sendo velados juntos em uma casa de velórios de Barra do Garças . O enterro deve acontecer às 17h, no cemitério da cidade.
O G1 entrou em contato com a assessoria de imprensa da Força Aérea Brasileira (FAB), responsável pela apuração do acidente e aguarda o posicionamento do órgão sobre o ocorrido.

Mais de 120 concursos abertos reúnem 6,4 mil vagas no país

Salários chegam a R$ 24.818,90 no Ministério Público do Paraná. Cargos são em todos os níveis de escolaridade.

Por Pâmela Kometani, G1

Pelo menos 122 concursos públicos no país estão com inscrições abertas nesta segunda-feira (3) e reúnem 6,4 mil vagas em cargos de todos os níveis de escolaridade. Os salários chegam a R$ 24.818,90 no Ministério Público do Paraná.
Veja abaixo a lista de concursos abertos:
CONFIRA A LISTA COMPLETA DE CONCURSOS E OPORTUNIDADES
Além das vagas abertas, há concursos para formação de cadastro de reserva – ou seja, Neos candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso.
Entre os órgãos com inscrições abertas estão a Aeronáutica com concurso para 86 vagas de nível médio, a Marinha com concurso para 36 vagas de sargentos músicos, o Tribunal de Justiça de São Paulo com 206 vagas e salário de até R$ 6 mil, e a Polícia Militar do Piauí com 480 vagas e salário de até R$ 3,1 mil.

Como saber se uma notícia é falsa

Especialistas dão dicas de como detectar a procedência de uma informação que está circulando na internet.

Por Clara Velasco

Todas as notícias e informações que você compartilha nas suas redes sociais são verdadeiras? As notícias falsas só circulam porque muita gente as passa em diante. Com um pouco de atenção, porém, é possível escapar das armadilhas que circulam pela web.
Neste 2 de abril, o primeiro Dia Internacional da Checagem de Fatos - comemorado apenas um dia depois do Dia da Mentira -, o G1 lista dicas dadas por especialistas para detectar a procedência de uma notícia e questões que, se não provam que a informação é falsa, pelo menos ajudam a ligar o "desconfiômetro" das chamadas fake news (notícias falsas). Veja abaixo.
1 - Você conhece o site da notícia?
Você conhece aquele site? Sabe que tem uma equipe responsável por ele? Segundo material produzido pelo Instituto Poynter, entidade americana que analisa e estuda a imprensa, quando você acessa um site, a primeira coisa que deve fazer é verificar onde está e quem está por trás das páginas que está lendo. Se não conseguir encontrar nenhuma informação sobre o autor ou nenhuma seção que explique o que é o site, é melhor ficar atento.
"É importante prestar atenção na página para saber que tipo de site é aquele e pensar se já leu coisas sobre aquela publicação", diz Fabio Goveia, coordenador do Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic) da Universidade Federal do Espírito Santo. "Às vezes, são sites que espelham o jornalismo, copiam nome e tipo de página de sites grandes, como o próprio G1, mas é um jornalismo fake news, um jornalismo de paródia, e a pessoa compartilha como se fosse verdade."
É o caso também de sites de humor, que usam a estética e a linguagem jornalísticas para brincar com as informações. O problema é que um leitor não atento pode acreditar e compartilhar o humor como sendo verdade.
Pablo Ortellado, do Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso a Informação da Universidade de São Paulo (USP), afirma ainda que deve-se olhar para o histórico do veículo com uma perspectiva "não política". "Numa situação polarizada, as pessoas acreditam em qualquer coisa que confirme sua opinião."
2 - Dá pra saber de quando é a notícia?
Geralmente, notícias falsas não indicam quando o fato narrado aconteceu - se nesta semana, se neste ano, se há dez anos. Por isso, é muito fácil que boatos antigos voltem a circular nas redes de tempos em tempos. Como não há indicação de tempo, aquela “notícia” pode sempre ser atual. Por isso, veja se a notícia é datada de alguma forma. Caso o texto tenha uma data de publicação, se atente a ela - pode ser que aquele link seja antigo.
Muitas vezes, uma notícia de anos antes viraliza em um momento específico. Foi o que aconteceu há uns anos com uma notícia verdadeira sobre o cancelamento do Enem. Um link de uma reportagem sobre o assunto foi difundido às vésperas do Enem de 2012, provocando pânico nos candidatos. Só que o link era de uma notícia de 2009, quando o Enem foi adiado para todos os inscritos após a notícia do furto de provas. O caso foi parar na Polícia Federal, e o Ministério da Educação convocou uma coletiva para desmentir o cancelamento.
3 - A notícia é assinada? Por quem?
Não, você não precisa conhecer todos os jornalista do mundo pelo nome. Mas, segundo especialistas, a maioria das notícias falsas compartilhadas nas redes sociais não tem um autor identificado - principalmente quando são apenas textos repassados por Whatsapp e não estão hospedados em sites.
Em outros casos, os textos são “assinados” por personalidades conhecidas, como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso ou o jornalista Arnaldo Jabor. Nesses casos, é importante ligar o “desconfiômetro”: é muito fácil escrever uma mensagem de cunho político, colocar que o autor é alguém conhecido e repassar no Whatsapp. Caso aquela mensagem seja verdadeira, uma rápida busca online pode levar rapidamente a sites repercutindo as informações. Caso a busca não traga nada claro, tudo indica que é mentira.
4 - Você consegue identificar a fonte das informações?
Pode até ser que a notícia esteja datada e assinada, mas as informações do texto são creditadas a alguém? "Esse texto está citando um documento? Ele cita uma fonte? Fez uma entrevista com um dono de empresa, com um porta-voz do governo? Ou é apenas uma afirmação forte, sem nenhum embasamento? É apenas a voz de quem está relatando aquela notícia?", elenca Ortellado.
Caso seja difícil identificar a fonte das informações, você já tem outro sinal amarelo de que aquela notícia pode ser falsa. É fácil inventar um texto e não ter que deixar claro para o seu leitor de onde ele veio. Isso possibilita que as pessoas escrevam qualquer coisa, já que não precisam provar nada para ninguém.
Em muitos casos, porém, órgãos e nomes bastante conhecidos são usados para dar credibilidade à informação. Correntes de e-mail e do WhatsApp circulam frequentemente com a assinatura completa de um médico, um funcionário público ou outro especialista. Se a suposta fonte de informação é um órgão público, basta encontrar o site oficial e checar as últimas notícias – a maior parte deles mantém assessorias de imprensa dedicadas a publicar esse tipo de comunicado.
Também é possível fazer uma busca online do nome da pessoa que assina a informação, o que pode levar a desmentidos. Caso isso não aconteça, será possível comprovar, com a busca, se a pessoa efetivamente existe, se trabalha na empresa envolvida, entre outras informações.
5 - A notícia é “bombástica”?
Aqui entra a questão de bom senso: se uma notícia parecer, à primeira vista, “inacreditável”, talvez seja justamente porque ela não existe. Segundo especialistas, em geral, quem tenta enganar os leitores escolhe exagerar ou inventar eventos absurdos para mexer com a emoção do público, principalmente quando as opiniões estão polarizadas.
A tendência é que as pessoas aceitem como verdade até informações flagrantemente falsas porque elas estão de acordo com o que acreditam. Por isso, segundo Ortellado, vale pensar duas vezes e dar uma busca na internet para ver se a mesma notícia está sendo repercutida em outros lugares.
Um exemplo dado por ele é a morte de Teori Zavascki, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) que cuidava dos casos da Operação Lava Jato e que sofreu um acidente de avião em Paraty (RJ). Pouco depois do acidente, os boatos já começaram a circular. “Se alguém tivesse descoberto realmente que um sargento da Aeronáutica tinha dado instruções falsas para o avião do Teori, isso estaria em todos os veículos”, explica Ortellado. “Se não está, é um forte indício de que essa notícia não foi verificada: ou ela é falsa, ou é um boato.”
Também é comum que notícias falsas usem recursos para parecer ainda mais "bombásticas", como colocar o título em caixa alta. Segundo o Instituto Poynter, esse recurso costuma ser usado por caça-cliques - ou seja, pessoas que tentam chamar a atenção para conseguir cliques do leitor.
Dica bônus: Eu penso, logo compartilho
Por fim, mas não menos importante, os especialistas destacam a importância de exercitar o senso crítico e tentar deixar de lado a ansiedade que o rápido compartilhamento das notícias nas redes sociais traz. "As pessoas tendem a compartilhar essas informações como se estivessem fazendo uma coisa muito boa, protegendo seus familiares e seus amigos. E nesse afã de querer compartilhar logo, de ser o primeiro a passar aquela notícia, a pessoa acaba dando mais munição para quem está por trás [dessas publicações falsas]", diz Goveia.
Segundo ele, ironicamente, essa cultura da velocidade vem do próprio jornalismo , pois a forma atual de repassar informações do setor é tão objetiva que as pessoas buscam sempre essa objetividade e essa rapidez. "Assim como no jornalismo, agora toda a sociedade tem essa relação com a notícia, de que é quente, rápida. Além disso, o breaking news é mais simples, então as pessoas conseguem reproduzir com facilidade. Por isso, tanto para o jornalismo como para o leitor, essa preocupação de observar outros elementos além daqueles que costuma ter na mão, no celular, tem que estar presente."
O senso crítico também vale para o teor das notícias. Em uma época em que as opiniões políticas estão tão polarizadas, é mais fácil cair nas notícias falsas sobre políticos que circulam pela internet, já que as pessoas já estão predispostas a acreditar em certas coisas.
O Grupo de Pesquisa em Políticas Públicas para o Acesso a Informação da USP mediu esse fenômeno aplicando questionários durante grandes manifestações a favor e contra o governo de Dilma Rousseff, na Avenida Paulista. Segundo Ortellado, entre as afirmações falsas que foram tomadas como verdadeira por manifestantes anti-Dilma estão a denúncia mentirosa de que a ex-presidente trouxe haitianos ao Brasil para que eles votassem nela. Já entre as afirmações falsas com as quais a maior parte dos manifestantes pró-Dilma concordaram está a denúncia de que os protestos de junho foram articulados pelos Estados Unidos para tomar o pré-sal brasileiro.
"As pessoas acabam vivendo em uma bolha, isoladas em um grupo que só fala de um partido A ou de um partido B. Isso acaba impedindo que elas tenham acesso a informações contraditórias. Como a pessoa já está predisposta a ter uma opinião, a corrente [de informações falsas] funciona como um reforço do que ela acredita. Por isso, acaba circulando mais forte", diz Goveia.
Colaboraram Ana Carolina Moreno, Helton Simões Gomes, Ricardo Gallo e Shin Suzuki

Inpe desenvolve combustível mais barato para foguetes e satélites

Composto menos que o usado atualmente em lançamentos espaciais. Quilo do material custa R$ 35, combustível comum custa R$ 1 mil.

Por Poliana Casemiro G1 Vale Do Paraíba E Região

Pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) de São José dos Campos desenvolveram um novo tipo de combustível que pode ser utilizado para a propulsão de motores de foguetes e satélites. Com compostos mais baratos, a fórmula tem valor mais barato que o usado atualmente.
A pesquisa faz parte de um projeto do Laboratório Associado de Combustão e Propulsão (LCP). A ideia era apresentar um combustível barsileiro e que trouxesse menores custos. A fórmula desenvolvida utiliza a combinação de etanol e etanolamina que reage com peróxido de hidrogênio - a popular água oxigenada. Os comumente usados pela indústria espacial usam a hidrazina e o tetróxido de nitrogênio.
Segundo o responsável pelo projeto, o doutor em físico-química, Ricardo Vieira, o quilo do combustível produzido por eles em laboratório custa R$ 35, o usado atualmente em satélites e foguetes custa R$ 1 mil.
Além da economia de produção, o composto gera uma reação hiperbólica. O nome complicado traz um resultado mais simples, uma reação de combustão espontânea no contato do combustível com o oxidante –já que não espaço não há oxigênio- sem necessitar de outros mecanismos de ignição. (Veja vídeo acima)
“Com ele, o atraso de ignição é bem menor, aumenta o desempenho do motor e reduz os custos do combustível. A gente tinha uma ideia, mas os resultados surpreenderam”, explica Ricardo. A pesquisa levou três anos até os resultados apresentados.
Após a descoberta, o projeto passa agora por uma parte mais prática para que então possa competir no mercado. A Agência Espacial Brasileira (AEB) fechou com o laboratório a execução de um motor para a combinação que será produzido com a Universidade Federal do ABC. O motor vai ser feito para aceitar a combustão automática na combinação dos líquidos. Após a fase de testes, está pronto para uma das etapas mais difíceis, que é o convencimento do mercado espacial.

PORTAL R7


Homem em situação de rua é morto após invadir Base Naval de Aratu, em Salvador

Homem foi baleado após esgotados os procedimentos de segurança para contê-lo, diz Marinha

Um homem morreu na noite do último sábado (1º) após invadir a Base Naval de Aratu, em Salvador. Segundo informações da Central de Polícia, o crime aconteceu por volta das 19h.
A vítima, que não teve a identidade divulgada, foi atingida na perna e socorrida para o Hospital do Subúrbio, mas não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
Por meio de nota, a Marinha do Brasil informou que o homem foi baleado após serem esgotados os procedimentos de segurança para contê-lo.
As Polícias Militar e Civil foram imediatamente acionadas e iniciaram a confecção o de um boletim de ocorrência sobre o caso. Um inquérito policial militar foi instaurado para apurar o ocorrido.

JORNAL O DIA


Paraquedistas do Exército caem em cima de casas na Zona Oeste


Reportagem Do Estagiário Rafael Nascimento

Quatro paraquedistas caíram em cima de casas durante treinamento, em Campo dos Afonsos, na Zona Oeste do Rio, neste sábado. De acordo com o Exército Brasileiro, a queda foi provocada pelo forte vento que atingiu o local. Nenhum deles ficou ferido.
O órgão explicou que os alunos estavam em um avião de grande porte, que comporta 30 pessoas. Em uma foto enviada ao WhatsApp O DIA (98762-8248), é possível ver um telhado quebrado após o acidente.
Uma equipe da Brigada Paraquedista esteve na região, neste domingo, para apurar as causas da queda e fazer o reparo das residências danificadas. Segundo relatos, o instrutor teria ordenado que os alunos pulassem antes do local específico.
No entanto, até o momento, o Exército não confirmou esta informação e não disse se abrirá alguma investigação sobre o caso.

JORNAL O TEMPO (MG)


Cargueiro com 24 pessoas desaparece depois de sair do Brasil

Barco teria afundado a aproximadamente 3.700 quilômetros a leste do porto de Montevidéu

Um cargueiro sul-coreano desapareceu na costa do Uruguai neste sábado (1), com 24 pessoas a bordo, após lançar um pedido de ajuda, anunciou neste sábado a chancelaria da Coreia do Sul. A embarcação havia deixado o Brasil, depois de ser carregado. Acredita-se que a embarcação afundou a 2.000 milhas náuticas (cerca de 3.700 quilômetros) a leste do porto de Montevidéu.
O Stella Daisy, com tripulação de oito sul-coreanos e 16 filipinos, sumiu após enviar uma mensagem anunciando que a embarcação estava afundando", informou o ministério. A guarda costeira uruguaia lançou uma operação de busca e neste domingo dois dos ocupantes foram encontrados em um bote salva-vidas por um barco comercial que ajuda na busca.
"Não se sabe se a tripulação conseguiu se salvar", assinalou um representante do ministério, citado pela agência Yonhap. O Stella Daisy tem capacidade de carga de 260 mil toneladas e antes do desaparecimento seus tripulantes enviaram mensagens contando que havia água entrando na embarcação.
"A operação de busca continua para encontrarmos as outras 22 pessoas", disse um oficial sul-coreano do ministério.
A Força Aérea Brasileira (FAB) enviou uma aeronave para ajudar nas buscas.

PORTAL DEFESANET


Orçamento - Por pressão Governo Ataca Projetos de Defesa

De 42 Bi de cortes Defesa sofre com 7,48 Bi (18%)

Por Martha Beck

ImagemOs ministérios da Defesa, Transportes e Educação foram os mais afetados pelo contingenciamento de R$ 42,1 bilhões feito pelo governo para garantir o cumprimento da meta fiscal de 2017. A Defesa teve a maior tesourada de R$ 5,758 bilhões. Em segundo lugar ficou a pasta dos Transportes, com R$ 5,131 bilhões, seguida pela Educação, com R$ 4,308 bilhões. Segundo integrantes do governo, o corte vai comprometer obras, entre elas, as de combate à seca. Já a região mais afetada deve ser o Nordeste, onde estão grandes projetos de infraestrutura.
— Algumas obras vão ter que parar porque não haverá dinheiro. Se o contingenciamento não for revertido logo, vamos ver parlamentares da base indo em romaria ao Planalto para reclamar — admitiu um interlocutor da área econômica.
O Ministério das Cidades, responsável pela gestão do programa Minha Casa Minha Vida, também sofreu um corte significativo: de R$ 4,172 bilhões. Já o de Ciência e Tecnologia teve uma redução de R$ 2,579 bilhões, seguido pelo Desenvolvimento Social (que cuida do Bolsa Família), com R$ 2,253 bilhões. Em seguida vem Fazenda, com uma tesourada de R$ 1,812 bilhão, e Integração Nacional, de R$ 1,803 bilhão. A Saúde foi preservada.

TESOURADA DE R$ 10,5 BI NO PAC
O Ministério da Educação informou ontem que vai realizar os estudos necessários para implementar a limitação de gastos sem afetar “o bom andamento das políticas públicas”. A pasta disse, ainda, que o corte é resultado da atual conjuntura econômica e que tão logo a situação melhore, terá condições de negociar uma liberação do Orçamento. A pasta destacou que, apesar do aperto, o orçamento em 2017 será superior em R$ 4,4 bilhões ao que de 2016.
Já o Ministério do Desenvolvimento Social afirmou que o corte é temporário e não vai atingir programas sociais como o Bolsa Família e o Benefício de Prestação Continuada (BPC). “Os programas sociais não serão afetados, e, como se tratam de despesas de custeio, o ministério fará um planejamento para analisar os ajustes necessários”, diz nota da pasta.
O Ministério da Integração Nacional informou que está avaliando como executar o corte, mas adiantou que o projeto de transposição do Rio São Francisco — uma das prioridades do presidente Michel Temer — será preservado. Os ministérios de Ciência e Tecnologia e Transportes dizem que ainda estão avaliando os cortes. As demais pastas foram procuradas, mas não se manifestaram.
O corte bloqueou R$ 10,5 bilhões do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Segundo o Planejamento, as pastas mais afetadas foram Transportes (R$ 3,732 bilhões), Cidades (R$ 3,035 bilhões), Defesa (R$ 1,811 bilhão) e Integração Nacional (R$ 941,5 milhões).
MANSUETO CULPA A PREVIDÊNCIA
A equipe econômica acredita que o corte de R$ 42,1 bilhões pode ser revisto em breve, pois é certo o ingresso de R$ 8,6 bilhões em receitas de precatórios.
O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, Mansueto Almeida, afirmou, ontem, que a Previdência “já começou a comer” parte do orçamento de outras áreas do governo. Ele fez o comentário num grupo de WhatsApp sobre a reforma da Previdência.
Mansueto lembrou o corte de R$ 42 bilhões e o esforço extra de arrecadação de R$ 16 bilhões, o que deixaria o governo federal com superávit de R$ 50 bilhões. Quando entra o rombo da Previdência, projetado em R$ 189 bilhões, o número se transforma num déficit primário de R$ 139 bilhões, a meta fiscal do governo: “A Previdência já começou a comer a parte do orçamento público de todas as demais funções. O Tesouro terá de fazer superávit de R$ 50 bilhões para reduzir o rombo da Previdência e o governo federal conseguir cumprir a meta fiscal do ano”.
Nota DefesaNet
O Ministério da Defesa não definiu, até o momento (02ABR2017), onde e em que programas serão executados os cortes.

PORTAL BRASIL


Avião da FAB faz buscas a cargueiro desaparecido no mar do Uruguai

Embarcação desapareceu na tarde da última sexta (31). Tripulação é composta por 24 pessoas; dois tripulantes foram resgatados

A aeronave KC130 da Força Aérea Brasileira (FAB) decolou do Rio de Janeiro na noite desse sábado (1º) para realizar buscas ao cargueiro sul-coreano Stella Daisy, desaparecido em área marítima do Uruguai.
A embarcação, com 24 tripulantes, 16 filipinos e oito coreanos, desapareceu na tarde da última sexta-feira (31) e, até o momento, apenas dois tripulantes foram resgatados por um navio que estava próximo ao local.
O KC130 decolou por volta das 23h e tem autonomia de voo, para essa missão, de cerca de 14 horas e 30 minutos. A tripulação é composta por duas equipes de 20 militares, sendo cada uma com dois pilotos, um mecânico de voo, dois mestres de carga, um rádio operador, e quatro observadores SAR (do ingês, Search And Rescue, busca e salvamento).
“O objetivo é auxiliar em voo, observando algum sobrevivente ou bote, para ver se o cargueiro é encontrado mais rapidamente", ressalta o oficial de Operações do 1º GTT, Major Bruno Rocha.
Caso seja localizada, a informação é repassada para as embarcações que estão fazendo as buscas no mar se dirigirem ao local e resgatarem os sobreviventes. O local do desaparecimento foi em uma área distante 2.740 Km da costa brasileira.
Missão
O Mercante naufragou por volta de 12h de sexta-feira (31) e fez o pedido de socorro ao MRCC do Uruguai; imediatamente foram deslocados quatro navios mercantes, próximo à área da ocorrência.
Conforme Convenção Internacional sobre Busca e Salvamento Marítimos, os países signatários devem cooperar no auxílio às missões de busca sempre que solicitado pelo país responsável pela área. Após confirmação dos dados com o Uruguai, a Força Aérea Brasileira disponibilizou a aeronave KC130.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL GAZETAWEB (GRUPO GLOBO)


Avião tinha autonomia para voar sete horas e o trajeto de Manaus a Sorocaba era feito em até cinco horas

A liberação dos corpos do casal Milton José Cardille e Jumara Nogueira Vieira, morto na queda de um avião na zona norte de Sorocaba (SP), foi feita pelo empresário Marcelo Cardille, irmão do piloto e sócio dele em uma pousada localizada em Roraima. Ainda muito abalado com o acidente, Marcelo disse em entrevista ao G1 que conversou com o irmão horas antes do acidente.
Marcelo conta que o avião tinha autonomia para voar sete horas e o trajeto de Manaus a Sorocaba era feito em até cinco horas. "Ele morava em Manaus e vinha para cá quando acabava a temporada de pesca, agora em março."
O casal deveria ficar em São Paulo até meados de setembro, como fazia todos os anos, e retornar para Roraima no início da temporada de pesca esportiva. A aeronave passaria por uma manutenção de rotina e, segundo Marcelo, sempre era trazida ao aeroporto de Sorocaba, referência em manutenção.
Milton será sepultado em Ribeirão Pires (SP) às 9h deste domingo (2). O corpo de Jumara será levado em um voo comercial para Urucará (AM) e o enterro está marcado para segunda-feira (3), no cemitério municipal da cidade.
Um amigo da família que trabalha em uma empresa de manutenção de aeronaves, e preferiu ter a identidade preservada, afirmou ao G1 que estava no aeroporto esperando o casal e desconhece a informação passada pela Força Aérea Brasileira (FAB), de que o destino era a cidade de Barra do Garças, em Mato Grosso.
"Eu conhecia ele há 35 anos, sempre vinham para cá fazer manutenção e depois seguiam para São Paulo." O homem conta que recebeu a informação sobre o acidente enquanto estava no aeroporto e não imaginava que pudesse ser o avião de Milton, ressaltando que ele tinha vasta experiência.
"Ele fazia essa viagem direto. Quando vi fotos do acidente percebi que era o avião dele e avisei o Marcelo", afirma. Sobre a queda do acidente, o amigo da família diz que foi ao local da queda, mas ainda é difícil o que pode ter acontecido. "Vamos esperar a investigação."
Acidente aéreo
O avião bimotor turbohélice de 1981, com prefixo PP-EPB, caiu em uma área de mata no início da tarde de sexta-feira, por volta das 14h45. Uma câmera de segurança registrou o momento que o avião caiu em Sorocaba.
Segundo a Polícia Militar, o voo partiu de Manaus e iria pousar em Barra do Garças, em Mato Grosso. A FAB informou que os aeroportos de Sorocaba e de Campinas (SP) faziam parte do plano de voo, caso houvesse algum problema no percurso. Informação negada pela família do piloto.
Equipes do Corpo de Bombeiros, Polícias Militar e Civil, e Defesa Civil se mobilizaram para isolar a área. O helicóptero Águia, da PM, também atendeu a ocorrência. A FAB divulgou que equipes do Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes (Seripa) foram acionados para começar as investigações.
Segundo a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o avião estava com a documentação em dia. Técnicos do Cenipa foram até o local do acidente para investigar a causa da queda. Eles recolheram vários materiais para a perícia.
Saques na aeronave
Logo após o acidente, curiosos foram ao local da queda. Um vídeo gravado por um morador mostra algumas pessoas invadindo o avião e saindo inclusive com sacolas (veja acima). Nas imagens, feitas antes da chegada dos policiais, é possível ouvir que um dos suspeitos ainda brinca com a situação. "Vocês me filmaram catando as roupas dos ?defuntos?."
O pintor Luan Henrique Sousa mora na área verde bem perto do acidente e conta que estava saindo de casa quando o avião caiu. Assustado e com medo de alguma explosão, ele ficou dentro de casa e diz que viu o saque de pertences das vítimas. "Uns três homens saíram com roupas e ainda tem algumas peças por ali", afirma.
A delegada Luciane Regina Bachir, responsável pela investigação da Polícia Civil, disse que viu alguns vídeos e que todas as imagens serão anexadas ao inquérito. Caso os suspeitos sejam identificados, podem responder pelo suposto saque.
Experiente em pistas curtas
O fotógrafo Armando Perez, amigo do empresário Milton José Cardille que morreu na queda de um avião em Sorocaba (SP) nesta sexta-feira (31), afirma que o piloto era experiente. "Pousava em pistas curtíssimas, esburacadas e cheias de mato onde era impossível errar", disse em vídeo enviado ao G1. O acidente em uma área verde da zona norte da cidade também causou a morte de Jumara Nogueira Vieira.
Amigo diz que piloto morto em queda de avião em Sorocaba era experiente
Armando já se hospedou na pousada Itapará, em Roraima, de propriedade de Milton, e conta que o empresário construiu uma pista asfaltada no local para receber aviões de pequeno e médio portes. Em um vídeo divulgado no canal da pousada, Milton explica que a pista tem 1.100 metros de extensão e um avião bimotor próprio para levar até oito hóspedes de Manaus ao local, em uma viagem de 1h20 de duração.
"Ele contava contava os casos em que era militar e quando comprou o primeiro avião e fazia o transporte de garimpeiros e de todo o material necessário para o garimpo em Serra Pelada (Pará)", afirma Armando Perez.

PORTAL FORÇA MILITAR


FAB continua auxiliando vítimas da enchente no Peru 

Esquadrão Gordo retorna ao Brasil após 10 dias de missões
Após dez dias auxiliando as vítimas das enchentes no Peru, a aeronave C-130 Hércules do Esquadrão Gordo (1º/1º GT), retorna, neste sábado, ao Brasil. A tripulação, composta por 16 militares, cumpriu mais de 60 horas de missões humanitárias de transporte de pessoas, água, mantimentos e medicamentos.
“Foram dez dias operando junto com a Força Aérea Peruana, transportamos mais de 180 toneladas de materiais diversos e mais de 1100 passageiros. Estamos voltando com o sentimento de dever cumprido. A cada pouso observamos o olhar de gratidão dos passageiros e isso mostra para cada um dos tripulantes a importância do nosso trabalho aqui”, destacou o Capitão Gustavo Magaldi, um dos pilotos do esquadrão.
Na sexta-feira (31) à noite um C-130 do Esquadrão Cascavel (1º GTT) pousou em Lima transportando dez toneladas de barracas cedidas pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec).
Já neste sábado (1º) essa aeronave começa a ser empregada nas missões de transporte de pessoas e materiais no país andino. O efetivo, também de 16 militares, deve permanecer no apoio às vítimas da enchente até o dia 8 de abril. A primeira missão será o transporte das barracas levadas do Brasil até uma cidade próxima a Lima.
Entenda
Após fortes chuvas, que causaram deslizamentos de terra e alagamentos, foram registradas 97 mortes. Mais de 124 mil moradores do Peru foram atingidos pelas enchentes e 1.200 pessoas estão desabrigadas. A FAB intensifica o apoio em cidades mais atingidas pelas temporais, como Tumbes, Chiclayo e Trujillo.

CONCURSO NEWS (PI)


Aeronáutica realiza Exame de Admissão CPCAR

IE/EA CPCAR 2018 abre 160 vagas para sexo masculino e 20 para sexo feminino
Por: Epifanio Santos
Mediante lançamento de edital, a Aeronáutica realiza processo seletivo para Exame de Admissão ao Curso Preparatório de Cadetes do Ar do ano de 2018 (IE/EA CPCAR 2018). O órgão oferece 160 vagas para sexo masculino e 20 para sexo feminino.
O CPCAR, ministrado pela Escola Preparatória de Cadetes do Ar, em Barbacena/MG, destina-se a preparar, sob o regime de internato, jovens para o ingresso no Curso de Formação de Oficiais Aviadores da Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga/SP. O CPCAR tem duração de 3 (três) anos, sendo equivalente ao Ensino Médio regular do Sistema Nacional de Ensino e abrange instruções nos Campos Geral e Militar.
Inscrições devem ser efetivadas pelo http://ingresso.afaepcar.aer.mil.br/, com prazo estabelecido para o período compreendido entre 19 de abril de 2017 a 09 de maio de 2017. O valor da taxa de inscrição para o EA CPCAR 2018 é de R$ 60,00.
De acordo com o cronograma estabelecido, a prova escrita será aplicada no dia 09/07/2017. O prazo de validade do EA CPCAR 2018 é de 10 (dez) dias corridos, a contar da data do início do curso.

PORTAL PLANO BRASIL


“CAÇADOR” da Avionics Services S/A recebe aprovação do Ministério da Defesa como PED (Produto Estratégico de Defesa)

Após os voos de teste bem-sucedidos da ARP Caçador no Brasil, a Avionics Services S.A. e a IAI orgulhosamente têm o prazer de anunciar na LAAD 2017 que o Caçador, após uma longa jornada, foi a primeira ARP (Aeronave Remotamente Pilotada) a receber a aprovação do Ministério da Defesa como um PED (Produto Estrátegico de Defesa).
A ARP Caçador é uma versão brasileira do UAV Heron-1, desenvolvido pela Israel Aerospace Industries (IAI). O Heron está operacional globalmente em mais de 20 clientes. O Caçador, como produto, está de acordo com os requisitos de DCN (Declaração de Conteúdo Nacional). O protótipo em nossa base localizada em Botucatu (SP), aeródromo SDBK, fez com sucesso vários voos de teste, depois de cumprir todos os regulamentos e obter todas as aprovações e permissões de voo exigidas pelas Autoridades Governamentais Brasileiras.
Desde a assinatura de um convênio de cooperação há 3 anos, a IAI e a Avionics Services têm trabalhado em conjunto para estabelecer uma forte base industrial brasileira no campo dos sistemas não tripulados (ARP). O processo incluiu esforços significativos de transferência de tecnologia e conhecimento para garantir maior independência da Indústria Brasileira na complexa proficiência de sistemas avançados não tripulados (ARPs). A Avionics Services estabeleceu no aeródromo de Botucatu a infraestrutura profissional necessária para a produção e manutenção de ARPs, sendo um centro de excelência para sistemas aéreos não tripulados (ARP’s).
O ARP Caçador é um UAV de Média Altitude e de Longo Alcance (MALE), capaz de voar mais de 40 horas, a altitudes de até 30.000 pés. O peso máximo de decolagem do ARP é de 1.270kg, o que lhe permite transportar 250kg de várias cargas simultaneamente para realizar uma variedade de missões. Além disso, o link de comunicação na banda “C” do Caçador permite atingir um raio de 250km (linha de visada). Se incluir um canal de comunicação via satélite de banda larga (KU), permite operar a distâncias superiores a 1.000 km de sua base, com sua estação de comando e controle (AGCS) localizada em qualquer ponto estratégico do País – Essa capacidade agrega alto valor estratégico, especialmente para países com grande extensão territorial como o Brasil.
A aprovação do ARP “Caçador” como PED (Produto Estratégico de Defesa) demonstra a competência e capacidade da Avionics Services na implantação de tecnologias de ponta e na liderança nos mercados de ARP (UAVs) da América Latina e Brasil, com o suporte constante da equipe da IAI.
O ARP “Caçador”, bem como os demais produtos desenvolvidos em conjunto com a IAI, oferece sistemas estratégicos de ARP’s para clientes no Brasil e na América Latina, para aplicações Civis e Militares, garantindo suporte local e resposta imediata aos clientes nessas regiões.
O “Caçador” é um sistema perfeito para: Controle de fronteiras, monitoramento de atividades ilegais, monitoramento ambiental, controle de poluição, indústrias de petróleo e gás, agricultura de precisão e aplicação militar de missões múltiplas com informações em tempo real.
Israel Aerospace Industries Ltda:A IAI Ltd. é a maior empresa aeroespacial e de defesa de Israel e líder mundial em tecnologia e inovação, especializada no desenvolvimento e fabricação de sistemas avançados e modernos de segurança aérea, espacial, marítima, terrestre, cibernética e nacional. Desde 1953, a empresa fornece soluções de tecnologia avançada para clientes governamentais e comerciais em todo o mundo, incluindo: satélites, mísseis, sistemas de armas e munições, sistemas não tripulados e robóticos, radares, C4ISR e muito mais. A IAI também projeta e fabrica jatos de negócios e estruturas aero, realiza revisões e manutenção em aviões comerciais e converte aeronaves de passageiros em configurações de reabastecimento e carga.
A.S. Avionics Services SA:A Avionics Services é uma empresa brasileira com mais de 21 anos de experiência no mercado civil e militar. Avionics tem se especializado em desenvolvimento, certificação e integração de qualquer Sistema de Aviônicos, sistemas diversos bem como equipamentos de defesa.A Companhia oferece soluções para equipamentos e sistemas de aviônica para aeronaves de asas fixas e rotativas, bem como simuladores. A excelência da Avionics provém de uma herança de experiencias estabelecida de alta qualidade e segurança, com alta satisfação do cliente. A Avionics Services é certificada pela ANAC, Exército Brasileiro, Força Aérea e Marinha. Detém certificação ISO-9001, NBR 15100 / AS9100 e é definida como uma EED -Empresa Estrategica de Defesa.

180 GRAUS (DF)


Gastos sigilosos da PF caem quase R$ 500 mil no atual governo federal

A Polícia Federal reduziu seus gastos sigilosos com cartões corporativos comparando-se os meses de dezembro de 2015 e dezembro de 2016, em quase meio milhão de reais, totalizando a cifra de R$ 476.857,21.
Juntando todos os demais gastos sigilosos dos demais órgãos do governo federal, como a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN) - CLIQUE E LEIA - e a Aeronáutica, por exemplo, o decréscimo foi de R$ 629.970,00 no governo de Temer nesse período, segundo levantamento do Blog Bastidores, do 180 (VEJA MATÉRIA).
No tocante à PF, em dezembro de 2015, a instituição gastou de forma sigilosa o montante de R$ 1.560.903,10.
Já em dezembro de 2016, os gastos reduziram para R$ 1.084.045,79.

PORTAL PLANO BRASIL


Boa notícia para a Aviação de Caça da FAB: Programa do míssil A-Darter entra na última fase de seu desenvolvimento

A Agência Força Aérea liberou, neste domingo, algumas informações sobre o desenvolvimento do programa do míssil ar-ar de curto alcance A-Darter, conduzido por uma parceria da África do Sul com o Brasil.
De acordo com o gerente brasileiro do projeto, tenente-coronel Anderson Moreira, o míssil A-Darter entra agora na fase de ensaios de certificação, “praticamente a última fase” de seu desenvolvimento.
Os testes devem ocorrer ainda neste ano no continente africano.
“Encerraram-se os ensaios de desenvolvimento e agora estamos nos preparando para comprovar para as autoridades certificadoras que o produto funciona de acordo com a especificação dos fabricantes e o atendimento aos requisitos dos clientes”, afirmou o militar à Agência Força Aérea.
Considerado armamento de 5ª geração destinado a equipar aeronaves de combate como o Gripen NG, o A-Darter, com guiamento infravermelho e alcance entre 8 e 12 km, é uma iniciativa hoje submetida, no lado brasileiro, à Comissão Coordenadora do Programa Aeronave de Combate (COPAC).
As características do míssil atendem aos desafios dos combates aéreos contra caças de última geração em ambientes hostis de contramedidas eletrônicas.
Entre os diferenciais do projeto estão (a) a capacidade de alto ângulo de visada e de manobra, (b) a detecção de alvos além do alcance infravermelho, (c) comunicação com a visualização integrada ao capacete – o chamado HMD – Helmet-Mounted Display – e (d) contramedidas eletrônicas para evitar falsos alvos.
“O míssil tem capacidade de detectar e ignorar o flare [contramedida de defesa de aeronaves] e ir para o alvo correto”, explica o tenente-coronel Anderson.
Além de equipar a defesa aérea da FAB, o projeto capacita a indústria nacional, especialmente a base industrial de defesa, para desenvolvimento de sistemas bélicos de alta tecnologia. Avibras, Mectron e a Opto Defesa e Espaço, do grupo Akaer, foram beneficiárias do processo de transferência de tecnologia.
No Brasil, o projeto conta com o financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações, por meio da Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP).

PORTAL DIÁRIO DO AMAZONAS


Em defesa do povo

Por Arnaldo Carpinteiro Peres
A proposta de Reforma da Previdência, que deixa milhões de brasileiros sem aposentadoria e sem nenhum tipo de proteção social acaba de receber um duro golpe. Mais uma vez a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) sai em defesa dos excluídos ao se manifestar publicamente contra a proposta de mudança, cujo projeto vem sendo defendido pelo governo. Em nota, os bispos convocam “os cristãos e pessoas de boa vontade a se mobilizarem, a fim de buscar o melhor para a nossa gente, principalmente os mais fragilizados”.
Se o povo é a voz de Deus, como dizem, a CNBB certamente há muito tempo vem sendo a voz do povo. Ao longo da história, a Igreja sempre teve uma posição de vanguarda em defesa da população brasileira, sobretudo dos mais humildes. Foi assim, mesmo em tempos tenebrosos da nossa história, durante a ditadura quando defendeu corajosamente o respeito aos direitos humanos e a restauração da democracia no país. Tornou-se referência naquele período obscuro da vida nacional, seja enxugando lágrimas provocadas pela repressão, seja agindo contra os poderosos de então.
Vale lembrar que o cardeal dom Paulo Evaristo Arns, recentemente falecido aos 95 anos, teve uma luta incansável pela liberdade e em defesa dos oprimidos. Na época, enquanto muitos se omitiam, enfrentou corajosamente o arbítrio ao criar a Comissão de Justiça e Paz e transformar a Catedral da Sé numa fortaleza de resistência ao regime militar.
Além dele, a Comissão Pastoral da Terra em 1975, também foi outro marco importante sobre os problemas da terra, em particular a reforma agrária, tendo à frente a figura de Dom Pedro Casaldáliga. Enfim, durante todos esses anos, foram muitas ações da CNBB unindo maiorias e minorias, apontando caminhos de importantes conquistas sociais, onde as grandes mobilizações da sociedade civil organizada encontraram sempre as portas abertas. É verdade que no passado já foi mais conservadora mas a partir dos anos 1960, com bispos como Dom Helder Câmara, Paulo Evaristo Arns, Aloísio Lorscheider e outros líderes católicos, passou a adotar uma postura mais liberal.
Por isso, não foi novidade a posição do cardeal Dom Sérgio da Rocha, Secretário-Geral que criticou duramente o governo, a política econômica e em especial a Reforma da Previdência, ao lembrar ainda que “a previdência não é uma concessão governamental ou um privilégio, mas sim um direito assegurado na Constituição de 1988”.
Por outro lado, também não se discute sobre a necessidade da reforma que precisa ser feita e com urgência, diante de um déficit que hoje seria de R$ 150 bilhões. Quanto a isso ninguém contesta, nem a Igreja, mesmo sem uma auditoria, como entendem alguns parlamentares e setores da sociedade.
O que não se aceita é o projeto da forma que foi apresentado. Afinal, não podem servidores e trabalhadores serem os únicos responsabilizados por esse rombo, quando inúmeras outras causas são bem conhecidas. Sem falar que restringe excessivamente o valor das pensões, colocando em risco a família do pensionista e rompe com a tradição do tratamento dado às mulheres, equiparando-as aos homens.
E o mais grave, desestimula a adesão à previdência pública ao exigir elevada idade para aposentadoria, estimulando a previdência complementar. Agora, perguntar não ofende. Como é possível, retirar-se mais direitos sociais num país onde os indicadores são vergonhosos e tem a segunda pior distribuição de renda do mundo? O que mostra, só aí, a total insensibilidade da reforma, sem esquecer a manifesta ofensa à dignidade da pessoa.

PORTAL MEON (VALE DO PARAÍBA)


Feira de defesa e segurança reúne empresas da RMVale

Embraer e Avibras farão exibição de seus projetos
A Embraer e Avibras participam da maior e mais importante feira de defesa e segurança da América Latina. A LAAD Defence & Security reúne empresas especializadas no fornecimento de soluções para as três Forças Armadas e Forças Policiais, em sua 11ª edição, que vai de terça-feira (4) a sexta-feira (7), no Rio de Janeiro.
Esta edição da feira acontece em um momento de grandes perspectivas para a indústria da defesa e segurança do Brasil. O Ministério da Defesa está formalizando um acordo com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) para financiar governos de outros países a comprarem produtos da indústria brasileira do setor.
A Embraer com a atuação em Defesa e Segurança promoverá na feira, o novo avião de transporte multimissão KC-390 e o avião de ataque leve e treinamento avançado A-29 Super Tucano, assim como um amplo conjunto de soluções integradas desenvolvidas para aplicações de defesa, segurança e espaço.
Já a empresa Avibras levará o protótipo da viatura Guará 4WS Blindada Leve sobre Rodas para exibição na feira e os programas de alta tecnologia realizados em parceria com as Forças Armadas do Brasil.
A feira receberá também 195 delegações oficiais provenientes de 85 países com destaque para Ministros de Defesa e autoridades de alta patente das Forças Armadas da América Latina, que participam de reuniões com as empresas expositoras e também de encontros bilaterais com autoridades brasileiras.

JORNAL CRUZEIRO DO SUL (SOROCABA E REGIÃO)


Destroços de avião que caiu em Sorocaba são levados para perícia

Os últimos destroços do avião bimotor Piper Aircraft modelo PA-42, que caiu na última sexta-feira no Jardim Novo Horizonte, em Sorocaba, foram retirados neste sábado (1), por volta das 15h30. Equipes do Corpo de Bombeiros, da Polícia Militar e do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) trabalharam no local desde as primeiras horas do dia.
Os destroços foram colocados em dois caminhões, sendo um deles equipado com guindaste. Os dois motores do avião foram acomodados no caminhão menor e serão mantidos nele até o início do trabalho da perícia.
As peças maiores foram retiradas com o próprio guindaste, enquanto as menores, como as hélices e pedaços da fuselagem, foram recolhidas pelos próprios homens que trabalhavam no local. Com os destroços acomodados nos caminhões, era possível identificar partes do avião, como o bico, algumas poltronas e o trem de pouso.
Enterros
Os corpos das duas vítimas do acidente serão sepultados hoje e amanhã. O piloto Milton José Cardille, 56 anos, será enterrado hoje, às 9h, na cidade de Ribeirão Pires, na Região Metropolitana de São Paulo. Ele era proprietário da pousada Itapará, situada em Roraima.
Já Jumara Nogueira Vieira, 32, será sepultada amanhã, dia em que completaria 33 anos de idade. O enterro ocorre na cidade de Urucará (AM), às 8h.
O avião saiu de Manaus (AM) e seguia para Barra do Garças (MT). O acidente aconteceu por volta das 14h de sexta. A aeronave caiu perto de residências e a uma distância de aproximadamente 1,5 quilômetro do aeroporto de Sorocaba, onde passaria por manutenção. Após a queda, pessoas saquearam o interior da aeronave.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos







Publicidade






Recently Added

Recently Commented