|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 23/03/2017 / Após três tentativas frustradas, governo não sabe quando lançará satélite


Após três tentativas frustradas, governo não sabe quando lançará satélite ...  

Satélite geoestacionário será lançado da Guiana Francesa, mas, com greve no país, governo já adiou cerimônia por três vezes. Ministério diz que ainda não há nova previsão ...  

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações informou nesta quarta-feira (22) que, após três tentativas frustradas, o governo brasileiro não sabe mais quando lançará o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas.

O satélite será lançado da Guiana Francesa, mas uma greve no país fez com que a cerimônia fosse adiada três vezes.

Inicialmente, o equipamento seria lançado da cidade de Kourou para o espaço nesta terça (22), mas o governo adiou para esta quarta (22) e, depois, para quinta (23).

De acordo com a imprensa da Guiana Francesa, a greve local é promovida por funcionários de uma empresa de energia elétrica e de um centro médico. Durante os protestos, foram feitas barricadas na entrada do centro espacial com carros, pneus e pedaços de madeira.

Agora, o governo brasileiro e a empresa aeroespacial Arianespace aguardam o fim dos protestos para poder definir a data do lançamento. Ao todo, o projeto custou R$ 2,1 bilhões.

O satélite brasileiro
O satélite gira na mesma velocidade da Terra e fica "estacionado" sobre um mesmo ponto do planeta. Ele é utilizado em telecomunicação, meteorologia e comunicações militares. Atualmente, o governo aluga o sinal de satélites privados.

O equipamento será o primeiro satélite brasileiro que poderá ser utilizado para fins civis e militares.

Entre os objetivos do satélite, estão:

ampliar a oferta de internet banda larga no Brasil (com foco em áreas de difícil acesso);
ajudar as Forças Armadas em operações nas fronteiras;
auxiliar ações de resgate em alto mar;
ajudar a segurança do espaço aéreo.

Construção
O satélite pesa 5,8 toneladas e tem 5 metros de altura. O equipamento vai ficar posicionado a 36 mil quilômetros da Terra e cobrirá todo o território brasileiro, além do Oceano Atlântico. A previsão de vida útil do satélite é de 18 anos.

A construção do satélite foi feita em Cannes e Toulouse, na França, pela empresa Thales Alenia Space, e durou 2 anos. O projeto foi supervisionado pela Visiona Tecnologia Espacial (parceria entre Embraer e Telebras).

De acordo com o Ministério da Defesa, o processo envolveu transferência de tecnologia e intercâmbio entre profissionais brasileiros dessas empresas e da Agência Espacial Brasileira (AEB) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL VALOR ECONÔMICO


Operação Deriva autua quatro empresas de aviação agrícola


O Ministérios Públicos Federal (MPF), o Ministério Público do Trabalho (MPT) e o Ministério Público de Mato Grosso do Sul (MPMS) deflagraram ontem e hoje a Operação Deriva, que autuou quatro empresas de aviação aérea do Estado por irregularidades ambientais e regulatórias.
A Comanche Aviação foi lacrada e multada em R$ 250 mil por realizar atividade de pulverização agrícola sem a devida licença e ainda foi autuada pela prática de táxi aéreo clandestino. Além disso, uma aeronave da companhia foi interditada por alteração na forma de combustível sem autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). 
A Iaco Agrícola foi multada em R$ 20,7 mil por manter em depósito galões de agrotóxicos vencidos, que foram apreendidos. A empresa também foi autuada por contratar a empresa Comanche, que não possui autorização de operação. 
A JM Aviação Agrícola teve suas atividades suspensas por irregularidades no pátio de descontaminação e pela ausência de licenças e certificados exigidos pela Anac na operacionalização de aeronaves. A Aviação Agrícola e Logística Chapadão do Sul foi interditada por irregularidades em seis aeronaves. A operação identificou falta de apresentação de licença de operação, alteração no motor de aeronave, bomba eólica sem prévia autorização e documentos aeronáuticos vencidos.
Segundo o MPT, a operação foi a primeira de uma série de fiscalizações conjuntas previstas para Mato Grosso do Sul.

JORNAL ESTADO DE MINAS


Mineira de um ano e quatro meses aguarda transplante de coração em Brasília

A família de Charlotte Santos Barbosa se mobiliza nas redes sociais para encontrar um doador para a menina diagnosticada com Miocardia dilatada

A família de Charlotte Santos Barbosa, de um ano e quatro meses, vem mobilizando as redes sociais na intenção de conseguir um coração para a pequena. Natural de Tiradentes, na Região Central do estado, Charlotte foi diagnosticada aos sete meses de vida com Miocardia dilatada – uma doença que acarreta no crescimento nos músculos do coração, dificultando a circulação de sangue e causando insuficiência cardíaca.

Segundo o administrador e pai da menina, João Bosco Barbosa Júnior, de 32 anos, Charlotte começou a apresentar os primeiros sintomas após uma gripe forte. Segundo Bosco, era comum gemidos e chiados. “Ela teve uma gripe e essa gripe a deixou toda vermelhinha. Passou uns 20 dias e ela começou com uns gemidos, chiados pequenos e vômitos. Os médicos acreditavam ser dor de dente ou uma alergia, mas quando vimos que não estava passando, levamos ela novamente ao médico e aí o exame de raio-x mostrou que o coração dela estava muito dilatado,” relatou. 
O pai, no entanto, acredita que a doença foi contraída após uma suspeita de dengue na mãe que ainda amamentava a criança. “Minha esposa teve suspeita de dengue e eu acredito que foi neste momento que a Charlotte contraiu a doença. Ela ainda estava amamentando e a neném tinha 6 meses. As datas coincidem e os médicos também acreditam nisto, já que a doença também pode ser contraída de maneira viral”.
Após o diagnóstico, a menina chegou a ficar internada por sete meses na em um hospital de BH. Hoje, ele dá continuidade ao tratamento em Brasília, na Unidade de Tratamento Intensivo – UTI do Hospital das Forças Armadas. De acordo com João, Charlotte passa por um processo de condensação do coração, para tentar amenizar a doença e manter o órgão vivo. Ainda segundo o administrador, o único tratamento que pode trazer plena saúde novamente à filha, é o transplante de coração.
“Ja tivemos um coração pra ela, mas nas análises clínicas, o coração tinha passado o tempo de espera para ser transplantado. Nós estamos tranquilos e temos expectativa e fé de que ela vai voltar a ter uma vida normal. Estamos lutando com a campanha e vamos lutar para que aconteça isto.”

Transplantes no Brasil
Para os interessados em doar, o peso mínimo corporal tem de ser 5 Kg e a idade máxima para os doadores é de 40 anos. Charlotte Santos está, hoje, na lista nacional de espera do Instituto de Cardiologia do Distrito Federal à espera do transplante. No Facebook, a página “Somos Todos Charlotte” já alcançou mais de sete mil seguidores e conta com a adesão de personalidas como a atriz Nicette Bruno.
No Brasil atualmente, segundo o Ministério da Saúde e o Sistema Nacional de Transplantes – SNT, 364 pessoas estão na espera por um transplante de coração e a maior incidência é entre 50 e 64 anos. Desse montante, 35 casos são de mineiros que aguardam na fila.
Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, em 2016 o Brasil bateu o recorde em transplantes de coração em 2016, com 357 procedimentos. Um decreto assinado pelo presidente Michel Temer, em junho, estabeleceu que a Aeronáutica mantenha um avião da Força Aérea Brasileira – FAB à disposição para atender os chamados de transporte de órgãos ou pacientes que estejam aguardando o transplante no Sistema Único de Saúde – SUS.

PORTAL G-1


Número de alistamentos militares voluntários sobe em meio à crise no RJ

Em 2012, 52% dos jovens que fizeram o alistamento obrigatório queriam servir. Em 2016, a proporção chegou a 68%.

Para contornar a crise, alguns jovens do Rio têm aproveitado o momento do alistamento militar como uma oportunidade para buscar uma carreira e remuneração, como mostrou o RJTV.
No ano de 2012, 52% dos jovens alistados se voluntariaram. Já em 2013, o numero subiu para 58%. Em 2014, foi pra 60% e, em 2015, já com os efeitos da crise, o registro foi para 64%. Já em 2016, a proporção chegou a 68%.
“O mercado de trabalho é muito concorrido, é muita gente pra pouca vaga, então a maioria dos meus amigos estão desempregados, estão sofrendo com essa dificuldade”, conta o recruta Mateus Attinã, de 19 anos. “Não é tanta ralação, é mais a gente se acostumar com o padrão de vida militar. A gente tem que batalhar, tem que chegar duro para conquistar nossos objetivos”, acrescenta.
Para o major Angelo Silva, do Batalhão de Polícia do Exército, o jovem percebeu que ele pode adquirir nas Forças Armadas capacidades que hoje são muito valorizadas no mercado de trabalho. “Essas capacidades estão todas relacionadas aos nossos valores, no que se refere à hierarquia, disciplina, entusiasmo profissional, comprometimento”, afirma.
Desde pequeno, André Lucas tinha esse desejo de ser militar das Forças Armadas. Agora, aos dezoito anos, ele faz parte do Primeiro Batalhão de Polícia do Exército, no Andaraí.
“Lá fora eu trabalhava no comércio ate ter o período de alistamento, me alistei, fiz peneira, pra poder servir ao quartel e hoje eu estou aqui. Meu sonho é seguir carreira”, conta André.
A taxa de desemprego para jovens entre 18 a 24 anos no Rio era de 14% no último trimestre de 2014. No mesmo período do ano passado, o desemprego nessa faixa etária dobrou, ficando em 30,7%.

Polícia Civil apreende helicóptero sem permissão para voar desde 2010

Aeronave foi abordada logo após pousar em bairro de Pato Branco (PR). Segundo delegado, helicóptero era usado em voos panorâmicos pela região.

Policiais civis de Pato Branco, no sudoeste do Paraná, apreenderam um helicóptero com várias irregularidades como a permissão para voar cancelada desde 2010. A aeronave foi abordada na tarde de terça-feira (21) logo após pousar no bairro La Salle.
Além da proibição de voar, o helicóptero não tinha documentos e o prefixo não estava visível, o que dificulta a identificação. A permissão para voos é fornecida pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que atesta, entre outros, se a aeronave tem condições de voar.
Segundo o delegado Getúlio Vargas, pelas redes sociais eram oferecidos voos panorâmicos pela região.
Após a abordagem, o piloto foi encaminhado para a delegacia, onde prestou esclarecimentos sobre as irregularidades e foi liberado. Ele deve responder por colocar a vida de pessoas em risco e por atentado contra a segurança do transporte aéreo.
A aeronave apreendida foi levada para o aeroporto de Pato Branco.

Após três tentativas frustradas, governo não sabe quando lançará satélite

Satélite geoestacionário será lançado da Guiana Francesa, mas, com greve no país, governo já adiou cerimônia por três vezes. Ministério diz que ainda não há nova previsão.

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações informou nesta quarta-feira (22) que, após três tentativas frustradas, o governo brasileiro não sabe mais quando lançará o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas.
O satélite será lançado da Guiana Francesa, mas uma greve no país fez com que a cerimônia fosse adiada três vezes.
Inicialmente, o equipamento seria lançado da cidade de Kourou para o espaço nesta terça (22), mas o governo adiou para esta quarta (22) e, depois, para quinta (23).
De acordo com a imprensa da Guiana Francesa, a greve local é promovida por funcionários de uma empresa de energia elétrica e de um centro médico. Durante os protestos, foram feitas barricadas na entrada do centro espacial com carros, pneus e pedaços de madeira.
Agora, o governo brasileiro e a empresa aeroespacial Arianespace aguardam o fim dos protestos para poder definir a data do lançamento. Ao todo, o projeto custou R$ 2,1 bilhões.
O satélite brasileiro
O satélite gira na mesma velocidade da Terra e fica "estacionado" sobre um mesmo ponto do planeta. Ele é utilizado em telecomunicação, meteorologia e comunicações militares. Atualmente, o governo aluga o sinal de satélites privados.
O equipamento será o primeiro satélite brasileiro que poderá ser utilizado para fins civis e militares.
Entre os objetivos do satélite, estão:
ampliar a oferta de internet banda larga no Brasil (com foco em áreas de difícil acesso);
ajudar as Forças Armadas em operações nas fronteiras;
auxiliar ações de resgate em alto mar;
ajudar a segurança do espaço aéreo.
Construção
O satélite pesa 5,8 toneladas e tem 5 metros de altura. O equipamento vai ficar posicionado a 36 mil quilômetros da Terra e cobrirá todo o território brasileiro, além do Oceano Atlântico. A previsão de vida útil do satélite é de 18 anos.
A construção do satélite foi feita em Cannes e Toulouse, na França, pela empresa Thales Alenia Space, e durou 2 anos. O projeto foi supervisionado pela Visiona Tecnologia Espacial (parceria entre Embraer e Telebras).
De acordo com o Ministério da Defesa, o processo envolveu transferência de tecnologia e intercâmbio entre profissionais brasileiros dessas empresas e da Agência Espacial Brasileira (AEB) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

AGÊNCIA REUTERS


Brasil desenvolve tecnologia para lançamento de satélites produzidos no país e com foguete próprio


Brad Haynes

O Brasil está desenvolvendo tecnologia para enviar satélites produzidos no país e com seus próprios foguetes até o final da década, afirmaram executivos do setor aeroespacial e autoridades antes do lançamento do primeiro satélite de comunicação e defesa do país.
O lançamento do satélite produzido na França, o primeiro projeto do tipo liderado pelo setor privado no Brasil, foi originalmente previsto para terça-feira, mas remarcado para a noite desta quinta-feira por causa de protestos em torno do local de decolagem, na Guiana Francesa.
O satélite geoestacionário de 5,8 toneladas vai transmitir Internet em alta velocidade de uma altitude de 36 mil quilômetros para regiões remotas do Brasil e fornecer canais de comunicação segura para membros das Forças Armadas e do governo.
A missão de lançamento ganhou urgência depois das revelações em 2013 de que a agência nacional de segurança dos Estados Unidos NSA tinha espionado a ex-presidente Dilma Rousseff.
"Nós não podemos garantir a soberania do Brasil enquanto nossas comunicações estão sendo transmitidas por satélites de outros países", disse José Raimundo Braga Coelho, presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB). "O Brasil é um país gigantesco e precisamos de satélites brasileiros sobre ele."
O lançamento marca um renovado esforço para expandir a indústria aeronáutica brasileira para o espaço, com a Embraer, terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo, buscando se consolidar como fornecedora nacional.
A subsidiária da Embraer Visiona, uma joint-venture com a estatal Telebras, foi uma das principais contratadas no projeto do satélite de 1,3 bilhão de reais. A Visiona subcontratou a montagem do satélite para a francesa Thales, que também treinou dezenas de engenheiros brasileiros e contratou a Arianespace para o lançamento.
Apesar da indústria brasileira ter sido responsável por pequena fração do satélite, ela poderia fornecer a maioria dos componentes para uma classe menor de satélite, com peso de cerca de 100 quilos e que orbita a cerca de 1.000 quilômetros, disse o presidente da Visiona, Eduardo Bonini.
O executivo afirmou que um "micro satélite" deste tipo, que a Visiona poderá lançar dentro de dois a três anos, poderá atender missões importantes no Brasil, desde acompanhamento da situação de reservatórios de hidrelétricas e de desmatamento a monitoramento da fronteira de 17.000 quilômetros do país.
Coelho afirmou que pesquisadores do Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) também estão desenvolvendo tecnologia proprietária de foguetes que poderão colocar em órbitas baixas micro satélites até 2019.
"A demanda existe", disse Bonini. "É uma questão do governo definir prioridades."
Enquanto a Visiona espera uma definição sobre o próximo satélite do Brasil, Bonini afirmou que a empresa está buscando fontes mais estáveis de receita, como contratos sobre processamento de imagens obtidas por redes de micro satélites. A Visiona registrou vendas de cerca de 8 milhões de reais com este serviço no ano passado, disse o executivo.

JORNAL HOJE EM DIA (MG)


Bebê mineiro está na fila de espera por coração; família se mobiliza na internet com ajuda de atriz


Um bebê de um ano e quatro meses está na corrida contra o tempo à espera de um coração. Por isso, a família da menina Carlotte Santos Barbosa, que é de Tiradentes, na Região central de Minas Gerais, criou um perfil no Facebook para chamar a atenção da população para a importancia da doação de órgãos.
Aos seis meses de vida, a menina foi diagnosticada com Miocardia dilatada – uma doença que acarreta no crescimento nos músculos do coração, dificultando a circulação de sangue e causando insuficiência cardíaca. Charlotte chegou a ficar internada em Belo Horizonte e atualmente está na Unidade de Tratamento Intensivo do Hospital das Forças Armadas, em Brasília, onde vive a base de medicamentos, segundo informações da família.
No Facebook, a página "Somos Todos Charlotte" já alcançou mais de sete mil seguidores e conta com o apoio da atriz Nicette Bruno.
Doação no Brasil
O Brasil registrou o maior número de doadores efetivos da história pelo Sistema Único de Saúde (SUS): foram 2.983 doadores em 2016. O número representa uma taxa de 14,6 por milhão da população, 5% maior em comparação a 2015. Além disso, houve crescimento também 103% no número de potenciais doadores entre 2010 e 2016, passando de 4.997 para 10.158, segundo dados do Ministério da Saúde.
Outro recorde ocorreu em relação aos transplantes de coração. Em 2016, foram 357 procedimentos, crescimento 13% em relação ao ano anterior. O decreto federal nº 8.783 assinado em junho de 2016, viabilizou aumento de 13% dos transplantes de coração, passando de 5, em 2015, para 46 órgãos transportados, somente pela Força Aérea Brasileira (FAB).
Somando todos os órgãos transportados pela FAB, como coração, fígado, pulmão e rim, houve aumentou de 3.340%, passando de cinco para 172 após a publicação da lei. O decreto estabeleceu que a Aeronáutica deve manter um avião em solo, à disposição, para qualquer chamado de transporte de órgãos ou de pacientes em aguardo de transplantes no Sistema Único de Saúde (SUS).
Entre 2010 e 2016, houve aumento de 19% no número geral de transplantes, com destaque para quatro órgãos, além do coração: rim (aumento de 18%, passando de 4.660 para 5.492 transplantes); fígado (aumento de 34%, passando de 1.404 para 1.880); medula óssea (crescimento de 39%, saltando de 1.695 para 2.362); e pulmão (crescimento de 53%, passando de 60 para 92).
Em relação à fila de espera, em dezembro do ano passado, havia 41.042 pessoas aguardando por um transplante, sendo a maior parte delas (24.914) para rim. Já a taxa de aceitação familiar, em 2016, foi de 57% (anos anteriores: 2013 – 56%; 2014 – 58%; e 2015 – 56%).

PORTAL BRASIL


FAB realiza primeira missão de auxílio a vítimas de enchentes no Peru

Aeronave C-130 Hércules, da Força Aérea Brasileira, transportou 93 pessoas que estavam ilhadas na cidade de Trujillo para a capital Lima

A aeronave C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB) realizou a primeira missão de apoio a população peruana, que tem enfrentado fortes chuvas provocadas pelo fenômeno “El Niño Costero”. 
Um total de 93 passageiros, sendo sete crianças de colo, foram transportados nesta quarta-feira (22) da cidade de Trujillo – há 550 km da capital Lima, onde estavam ilhados.
O avião da FAB, que chegou a Lima na última terça-feira (21), conta com uma tripulação formada por 14 militares do Esquadrão Gordo (1º/1º GT). Segundo Liz Sales, o apoio deixa os peruanos mais seguros.
Outras duas cidades peruanas, também atingidas pelas fortes enchentes, Piura e Chiclayo, serão atendidas pela FAB. A previsão é de três saídas diárias, fazendo transporte de moradores e materiais. Também estava previsto para esta quarta-feira o transporte de 12 toneladas de carga para Tumbes, noroeste do país.


PORTAL DEFESANET


FAB apoia vítimas de enchentes no Peru

Mais de 630 mil pessoas foram atingidas e 800 cidades declararam estado de emergência

Ten Cynthia Fernandes

Uma aeronave C-130 Hércules da Força Aérea Brasileira (FAB), do Esquadrão Gordo (1º/1º GT), decolou, nesta terça-feira (21/3), às 8h34, do Rio de Janeiro, em direção a Lima, no Peru, para prestar apoio às vítimas da enchente no norte do País. A previsão de deslocamento é de 9 horas de voo, com escala em Porto Velho (RO) para reabastecimento.
Ao todo, 14 militares da FAB estarão engajados na missão humanitária, que prevê deslocamentos diários entre três cidades atingidas pelas fortes chuvas: Piura, Trujillo e Chiclayo.
"Vamos operar, junto com as autoridades locais, em atendimento às regiões afetadas", declara o Capitão Gustavo Magaldi, comandante da aeronave. A missão tem previsão de término na sexta-feira (24/03) e retorno da equipe da FAB no sábado (25/03).
Cerca de 800 municípios peruanos declararam estado de emergência desde o início das chuvas, que causaram deslizamento de terras e enchentes de rios. Algumas cidades ficaram totalmente alagadas. Segundo o último balanço divulgado, mais de 70 pessoas morreram e 100 mil estão desabrigadas. A queda de pontes em várias localidades tem dificultado o trabalho de assistência às áreas, que na maioria estão sem água potável e energia elétrica.
Aeronave da FAB atenderá cidades atingidas pelas fortes chuvas
“A intenção é que o governo brasileiro, através da Força Aérea Brasileira (FAB), possa ajudar da melhor forma possível essa nação amiga”. A declaração é do Coronel Carlos Alberto Tavares Pereira, Adido Aeronáutico no Peru, que tem auxiliado nos diálogos com o governo peruano para oferecer ajuda, depois que mais de 800 municípios declararam estado de emergência devido a fortes chuvas e alagamentos no país. Um C-130 Hércules, do Esquadrão Gordo (1º/1º GT), com 14 militares, pousa, ainda nesta terça-feira (21/3), na capital Lima.
A previsão é que a aeronave da FAB faça, em média, três saídas diárias para as cidades de Piura, Chiclayo, Trujillo, situadas na região norte do Peru, áreas mais afetadas do país. Segundo o Centro de Operações de Emergência Nacional (COEN), já foram confirmadas 75 mortes e 100 mil pessoas desabrigadas. Mais de 630 mil pessoas foram afetadas pelas fortes chuvas provocadas pelo fenômeno “El Niño costero”, que provocou transbordamento de rios e alagamentos.
Ainda de acordo com o Coronel Carlos Alberto, militares das Forças Armadas e a Polícia Nacional foram mobilizados para apoiar as equipes de trabalho nas zonas mais afetadas. “A aeronave brasileira ficara até o dia 27 de março no Peru auxiliando nos trabalhos de transporte de material e pessoal”, acrescenta.
Hércules - Em 2010, uma aeronave C-130 Hércules foi empregada numa missão de transporte de 68 brasileiros que estavam isolados em Machu Picchu. Eles foram resgatados por helicópteros do governo peruano e regressaram ao país na aeronave da FAB. Na época, 278 brasileiros visitavam o sítio histórico quando fortes chuvas provocaram enchentes na região.
Saiba um pouco mais sobre as características do avião:
Envergadura: 40,40 m
Comprimento: 29,80 m
Altura: 11,60 m
Peso Vazio: 36.400 kg
Peso máximo de decolagem: 69.750 kg
Motor: 04 Turbo-hélices Alisson T56-A-15
Teto de serviço: 32.000 ft (9.754 m)
Missões: Transporte Aéreo Logístico, Infiltração Aérea, Assalto Aeroterrestre, Reabastecimento em Voo, Busca e Salvamento e Combate a Incêndio em Voo.

Brasil, Chile, Equador e Colômbia vão trocar informações logísticas sobre A-29

Os quatro países que operam o caça de ataque leve assinaram memorando de entendimento nessa segunda (20/03)

Ten Jussara Peccini

Brasil, Chile, Equador e Colômbia vão trocar informações logísticas e operacionais sobre o A-29 Super Tucano. O memorando de entendimento, assinado nessa segunda-feira (20/03), em Santiago, da qual participou o ministro de Defesa do Chile, José Antonio Gómez Urrutia, cria um fórum entre as Forças Aéreas com a finalidade de estabelecer cooperação quanto aos aspectos técnicos, logísticos e operacionais do caça de ataque leve.
A Força Aérea Brasileira foi representada pelo Comandante-Geral de apoio (COMGAP), Tenente-Brigadeiro do Ar Paulo João Cury; a Força Aérea do Chile, representada pelo seu Comandante em Chefe, General del Ayre Jorge Robles Mella; a Força Aérea do Equador pelo Comandante General Patricio Mora Escobar. A Força Aérea da Colômbia ainda assinará o documento.
A colaboração também reconhece a importância de se proporcionar apoio e engajamento para alcançar os objetivos comuns e considera as questões de custo-benefício, aquisição e de desenvolvimento.
Por meio do documento, ficam estabelecidos cursos pertinentes aos profissionais da aeronave. O memorando ainda formaliza a cooperação mais estreita por intermédio do grupo de operadores que envolverá o conhecimento e a experiência operacional, o desenvolvimento de capacidades, as aquisições de equipamentos, os programas de desenvolvimento e modificações, o apoio logístico e de serviços relacionados, assim como o intercâmbio de informações e projetos cooperativos.

Uso comercial de drones nos EUA vai crescer 10 vezes até 2021, diz agência


 O número de aeronaves não tripuladas, ou drones, nos Estados Unidos vai saltar nos próximos cinco anos, afirmou a Administração Federal de Aviação (FAA) nesta terça-feira.
O aumento vai ocorrer depois que o governo de Barack Obama implementou em 2016 novas regras que abriram os céus para pequenos drones usados para educação, pesquisa e uso comercial rotineiro. Reguladores ainda estão debatendo uma eventual abertura mais ampla para atividades que incluem entregas de encomendas, quando aeronave fica fora do campo de visão do operador.
A FAA estima que a frota de drones de amadores vai mais que triplicar, de estimadas 1,1 milhão de aeronaves em 2016 para mais de 3,5 milhões até 2021. A agência também estima que a frota de drones comerciais vai crescer de 42 mil unidades no final do ano passado para cerca de 442 mil aeronaves até 2021.
A agência também estimou que prevê que o número de pilotos de drones deve subir de 20 mil em 2016 para uma faixa 10 a 20 vezes maior até 2021.

Caçadores de drones emergem em nova fronteira aérea

O drone inimigo voa à distância. O Interceptor, uma máquina caçadora de drones da empresa de tecnologia iniciante Airspace Systems, do Vale do Silício, deixa a plataforma de lançamento e inicia uma perseguição.
O caçador gira no ar para evitar árvores, dispara uma rede para capturá-lo e então leva o drone de volta à base, como uma águia carrega sua presa.
A Airspace está entre cerca de 70 empresas que trabalham em sistemas de combate a drones. Mas em vez de desativá-los ou derrubá-los, o equipamento tem como objetivo a captura de drones.
A demonstração na sede do Airspace em San Leandro, na Califórnia, mostrou uma aeronave compacta de apenas alguns metros de envergadura, mas capaz de navegação sofisticada e autônoma e que consegue acompanhar precisamente um drone em movimento.
O negócio de defesa contra aeronaves não tripuladas ainda está nos seus primórdios. Profissionais de segurança, tanto públicos quanto privados, se preocupam com drones perigosos em locais militares, aeroportos, centrais de processamento de dados e locais públicos como estádios. Mas medidas de defesa também trazem riscos.
Por exemplo, a Força Aérea dos EUA recentemente testou munição para derrubar drones. Mas se o drone estiver carregando uma bomba ou arma química ainda pode causar danos.
Misturar os sinais de rádio para o drone tampouco funciona sempre. Drones diferem de aeronaves controladas remotamente porque podem percorrer coordenadas predeterminadas autonomamente. Os drones mais rápidos podem chegar a 240 quilômetros por hora, muito rápido para pilotos humanos direcionarem outro drone para capturá-los.
O desafio técnico de parar com segurança um drone perigoso atraiu Guy Bar-Nahum, um dos inventores do iPod, da Apple, e um dos cérebros de engenharia por trás de Airspace Systems.
"Estamos criando um cérebro muito primitivo de um inseto, uma libélula", disse Bar-Nahum. "Acorda, vê o mundo e realmente não sabe onde está, mas tem metas para capturar o outro drone, e está planejando um caminho no mundo e sabe como se mover por ele."
O cérebro do Interceptor precisa de poder de computação e software sofisticado. Diferente de um carro sem motorista, o drone-caçador tem que compreender seu ambiente sem o benefício de uma conexão de Internet a um imenso banco de dados de mapeamento.
O modelo de negócio é um desafio também. Nos Estados Unidos, por exemplo, apenas agentes da lei têm autoridade para interferir no voo de outro drone. A regulamentação também exige que um piloto certificado esteja pronto para intervir em qualquer voo de drone comercial e manter uma linha de visão da aeronave.
Assim, a Airspace Systems não venderá a aeronave, mas sim alugará o sistema, com operadores e um centro de comando móvel.
O perigo dos drones hostis tornou-se mais claro nos últimos meses, quando os militares dos EUA disseram que os combatentes do Estado Islâmico os usaram para atacar tropas iraquianas na batalha pelo controle de Mosul. O site de notícias militar Defense One relatou que o Estado Islâmico estava usando uma série de drones de consumo para lançar explosivos.

PORTAL CAMPO GRANDE NEWS


Operação com aviões de guerra para combater tráfico começa nesta sexta

Operação deve prosseguir até o fim do ano e envolve o uso de aeronaves de combate e de reconhecimento, além de uma rede de radares posicionados na fronteira

Luana Rodrigues

Começa nesta sexta-feira (24) uma operação da FAB (Força Aérea Brasileira) que irá usar aeronaves de guerra para coibir voos irregulares ligados a crimes como o narcotráfico. A Operação Ostium, como foi batizada, atuará no Estado, principalmente nas cidades de Dourados e Corumbá – distante 233km e 419km de Campo Grande, respectivamente.
Segundo a FAB, a operação deve prosseguir até o fim do ano e envolve o uso de aeronaves de combate e de reconhecimento, além de uma rede de radares posicionados na fronteira. O número de aviões e agentes envolvidos não é divulgado, por questões de segurança, conforme a Força Aérea.
As ações serão coordenadas a partir do Comae (Comando de Operações Aeroespaciais), localizado em Brasília (DF), e fazem parte do PPIF(Programa de Proteção Integrada de Fronteiras), desenvolvido pelo Ministério da Defesa.
Nesta sexta-feira (24), uma aeronave da FAB será utilizada para deslocar profissionais de imprensa de Campo Grande para Dourados, onde irão acompanhar a operação de helicópteros de combate AH-2 Sabre e H-60 Black Hawk, caças A-29 Super Tucano e drones.
Estarão à disposição só em Mato Grosso do Sul aeronaves como o helicóptero ‘falcão negro’, famoso pela atuação em territórios de guerra, além de novos caças recentemente comprados pela União.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL CLICKPB (PB)


Prefeitura de Patos autoriza construção de torre de controle aéreo

Sistema controla a utilização do espaço aéreo de aeronaves e outros equipamentos de navegação aérea, exercendo um controle do tráfego aéreo


O prefeito de Patos, Dinaldinho Wanderley (PSDB), autorizou que o Departamento de Controle do Espaço Aéreo, subordinada ao Comando da Aeronáutica, a implantar uma torre de uma estação VHF, destinada a fazer parte do Sistema de Controle do Espaço Aéreo Brasileiro. A obra está avaliada em aproximadamente R$ 2,6 milhão.
O sistema controla a utilização do espaço aéreo de aeronaves e outros equipamentos de navegação aérea, exercendo um controle do tráfego aéreo. A data de instalação do equipamento ainda não foi divulgada pela Departamento de Controle.
De acordo com Dinaldinho Wanderley, a Prefeitura de Patos garantiu a cessão de uso de um terreno (área de 455m²) nas condições solicitadas pela Comissão de Instalação de Controle do Espaço Aéreo (Ciscea), localizado nas proximidades do Aeroporto Brigadeiro Firmino Ayres; enquanto o Governo Federal os demais investimentos. O acordo foi firmado no início deste ano.
A instalação desse equipamento, segundo o prefeito de Patos, deve antecipar a implantação de linhas aéreas que servirão a região, quando for realizada a reforma do aeroporto Brigadeiro Firmino Ayres, prevista pelo Governo Federal. A novidade terá papel importante no processo de regionalização do tráfego aéreo na região.
Dinaldinho Wanderley lembrou que o aeroporto de Patos está inserido no Plano de Aviação Regional da Secretaria de Aviação Civil (SAC), que contempla a modernização de aeroportos. A iniciativa contempla a reforma, ampliação e modernização do novo aeroporto regional de Patos. “Com isso, estamos dialogando com a SAC e a Ciscea para garantir abastecimento e melhorias”, destacou o prefeito, acrescentando que, caso o Governo do Estado não tenha interesse na manutenção, a Prefeitura aceita a municipalização.
Modernização - O deputado federal Hugo Motta (PMDB) disse que esteve com o ministro dos Transportes, Maurício Quintela, neste mês e que ele garantiu a aplicação de investimentos na ordem de R$ 20 milhões para a reforma do Aeroporto Regional de Patos. Segundo Motta, Quintela garantiu que o processo licitatório será realizado neste ano. "o ministro disse que o projeto está pronto e falta apenas ir para a licitação", concluiu.

Diário Digital


Avião-radar é nova arma no combate ao narcotráfico

A partir desta sexta-feira, 24 de março, Campo Grande e Dourados vão ser bases de uma operação da Força Aérea Brasileira (FAB) criada para coibir voos irregulares que possam estar ligados a crimes como o narcotráfico. A Operação Ostium deve prosseguir até o fim do ano e envolve o uso de aeronaves de combate e de reconhecimento, além de uma rede de radares posicionados na fronteira. Um avião-radar E-99, da FAB, já está posicionado no hangar da base aérea para atuar nas operações. A aeronave será apoiado por dois radares móveis, instalados em Corumbá e Dourados. Além do avião-radar E-99, a operação será apoiada ainda pelos helicópteros de combate AH-2 Sabre e H-60 Black Hawk, caças A-29 Super Tucano e Aeronaves Remotamente Pilotadas RQ-450, popularmente conhecidas como “drones”.

Jornal O Nortão (AM)


Pista é fechada após avião derrapar em Província Petrolífera no Amazonas

Um avião modelo ATR-42 derrapou em uma pista da Província Petrolífera de Urucu, a 650 km de Manaus, na segunda-feira (20). Não há registro de feridos. Extração de petróleo e gás natural é feita no local. A localidade fica no meio da floresta amazônica, no município de Coari. Segundo funcionários, os pousos e decolagens foram suspensos após o acidente. Como o acesso de funcionários é feito apenas por via aérea, eles estão impossibilitados de deixar o local. 
De acordo com a Petrobras, o deslocamento da aeronave da pista principal do Aeroporto de Porto Urucu para a área de escape ocorreu por volta das 22h45 (horário de Brasília) da noite do dia 20. A companhia informou que a aeronave transportava quatro profissionais da tripulação. Ninguém ficou ferido. A Petrobras disse que comunicou às autoridades competentes e irá instaurar uma comissão para investigar as causas do ocorrido.
Segundo um funcionário que prefere não se identificar, o acidente ocorreu durante uma chuva, na noite da segunda-feira. "Quem estava embarcado permanece lá, quem tinha que embarcar não pode ir. Estão aguardando a liberação", disse ao G1.
Ainda segundo o funcionário, o avião derrapou na pista e parou na mata. O transporte de funcionários que trabalham em Urucu é feito por aeronaves de uma companhia comercial.
De acordo com a Aeronáutica, a ocorrência envolveu uma aeronave de matrícula PR-TTH. O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA) e Sétimo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (SERIPA VII) investigam as causas do acidente.
"A Ação Inicial é o começo do processo de investigação e possui o objetivo de fotografar cenas, retirar partes da aeronave para análise, ouvir relatos de testemunhas e reunir documentos.
A investigação realizada pelo CENIPA tem o objetivo de prevenir que novos acidentes com as mesmas características ocorram. À medida que são identificados os fatores contribuintes, Recomendações de Segurança são emitidas a fim de tornar a aviação mais segura", diz nota enviada ao G1.
De acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), o Aeroporto de Porto Urucu é um aeródromo privado em condições para receber pousos e decolagens. A pista está interditada, temporariamente, devido ao incidente.
Gasoduto
O gás extraído em Coari alimenta os 663 quilômetros de gasoduto de transporte com passagem e abastecimento termoelétrico nos municípios de Caapiranga, Anori, Anamã e Codajás. Antes de chegar em Manaus, o combustível passa também pelos municípios de Iranduba e Manacapuru. Manaus conta com uma rede de distribuição de 93 quilômetros de extensão. Do total, cerca de 35 quilômetros estão situados na região do Distrito Industrial.

Capitan Bado (Paraguai)


PONTA PORA.: Brasil ordena que aviones de guerra derribe vuelos sospechosos en la frontera con Pedro Juan Caballero

El vecino país resolvió controlar con aviones de guerra en la frontera paraguaya, con el Amambay, a través de la la megaoperación “Ostium”, que implicará una vigilancia de 24 horas durante todo este año, ante el auge del narcotráfico y el contrabando de armas. La base de la Fuerza Aerea Brasileña estará en Dourados, estado de Mato Grosso do Sul, distante a unos 100 kilómetros de Pedro Juan. Se preparan helicópteros de combate H60 Black Hawk, “Alcón Negro” famosos por su actuación en territorios de guerra, así como los cazas A-29 Super Tucano y drones RQ-450. También está en acción el avión radar E-99, patrullando la zona fronteriza.
El artículo 303 del Código brasileño de Aeronáutica (CBA) establece la posibilidad de aplicar medidas de destrucción de aeronaves que vuelan el espacio aéreo brasileño una vez agotadas las medidas coercitivas para aterrizar en la pista que se le haya indicado, transcribe el sitio defesanet.com.br. Estos son los pasos previos y los requisitos para abatir un avión considerado hostil:
1- El piloto despega para hacer averiguaciones (reconocimiento a distancia, acompañamiento, interrogación).
2- Si el avión sospechoso le desobedece, aplica medidas de intervención (exigir modificación de ruta o aterrizaje obligatorio)
3- En caso de que la aeronave sospechosa ignore la tercera orden, la ley faculta a realizar una medida de persuasión (tiro de aviso).
4- Si aún así el sospechoso insiste en continuar su vuelo ilícito, la aeronave pasa a ser considerada hostil. El armamento de caza de la Fuerza Aérea Brasileña (FAB) será accionado (medida de detención). El nuevo tiro tiene por objetivo obligar al aterrizaje de la aeronave hostil.
5- Para ejecutar medidas de detención, el piloto deberá elegir el momento de sobrevuelo en un área no densamente poblada. Además, las comunicaciones y las imágenes deben ser grabadas, la aeronave debe ser considerada hostil y requiere una autorización expresa del comandante de la Aeronáutica.
Una parte de la FAB se instalará este viernes en Dorados (Brasil), a poco más de 100 kilómetros de Pedro Juan Caballero, con helicópteros de combate H60 Black Hawk, “alcón negro” famosos por su actuación en territorios de guerra, así como los cazas A-29 Super Tucano y drones RQ-450. También está en acción el avión radar E-99, patrullando la zona fronteriza.
Otra base estará en Corumbá, mucho más al norte, donde también el objetivo es el mismo. Brasil considera que la zona es la principal ruta del tráfico, porque circula marihuana proveniente de Paraguay y cocaína llegada desde Bolivia. Por motivos de seguridad, no se da a conocer la cantidad total de aeronaves involucradas en la operación.
El despliegue se realiza dos meses después del pedido hecho por el gobierno del Estado de Matto Grosso, tras declararse impotente ante el auge del crimen transnacional. Por ese motivo el ministerio de Defensa del vecino país organiza la mega operación que estará coordinada desde Brasilia a través del Comae (Comando de Operaciones Aeroespaciales).
Un grupo de periodistas acompañará en Dorados la acción de los militares brasileños. El refuerzo de la vigilancia aérea a través de la megaoperación alcanzará a Chapecó (Santa Catarina), Cascavel y Foz de Yguazú (Paraná), según la FAB.
“Ostium” -que en este caso es una operación militar- proviene de una palabra muy usada en la medicina para denominar a los orificios corporales, especialmente las trompas y el oído. También se dice que es un estrecho que sirve para comunicar una cavidad menor a una mayor o con el exterior.




Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos







Publicidade






Recently Added

Recently Commented