|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 22/03/2017 / Embraer realiza voo inaugural do quarto protótipo do E190-E2


Embraer realiza voo inaugural do quarto protótipo do E190-E2 ...  


A Embraer realizou na tarde da última sexta-feira, na fábrica de São José dos Campos, o primeiro voo do quarto protótipo do jato E190-E2, que foi concluído em duas horas. Essa aeronave será utilizada para testes específicos de interior, tais como evacuação de cabine, conforto ambiental e ruído interno.

A aeronave, número de série 20.004, vai se juntar à frota de testes em voo, composta pelos três primeiros protótipos E190-E2, que, juntos, acumularam mais de 650 horas de voo até o momento. O primeiro jato E190-E2 está programado para ser entregue no primeiro semestre de 2018 e o operador de lançamento será a Widerøe, maior companhia aérea regional da Noruega.

“Em termos de campanha de certificação, a Embraer já realizou o congelamento da configuração aerodinâmica e concluiu vários testes, tais como a verificação da qualidade de voo, decolagem e aterrisagem curtas, desempenho em subida, determinação da tração em voo, estabilidade de trem de pouso e outros testes de sistemas. Em breve vamos avaliar a qualidade de voo em alta velocidade, executar testes de estabilidade aeroelástica, gelo natural e operações em baixa temperatura”, explica Luís Carlos Affonso, Vice Presidente de Operações da Embraer Aviação Comercial.

Além da campanha de testes em voo, a Embraer está realizando mais de 30 mil horas de testes em solo, bem como análises de integração. Com o objetivo de entregar um avião mais maduro no momento da entrada em serviço, a companhia emprega bancadas de testes, como rigs e o iron bird, onde todos os sistemas de aeronaves estão disponíveis em escala completa, incluindo a cabine de pilotagem. Esta ferramenta permite à Embraer simular os voos de cada modelo de E2, otimizar o desempenho de sistemas e refinar a qualidade de voo.



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


"Mais de 10 aeroportos poderão ser concedidos", diz ministro do Planejamento

Dyogo Oliveira afirmou que oferta deve ocorrer em 2018 e "previu" inflação baixa "por um bom tempo"

Adriana Fernandes, Fernando Nakagawa E Anne Warth Broadcast

Brasília - O ministro do Planejamento anunciou que os aeroportos de Goiânia, Recife e Vitória deverão fazer parte de uma nova oferta para a concessão de 10 novos terminais da Infraero para a iniciativa privada. A oferta ainda está em estudo e deve ocorrer apenas em 2018. O ministro também confirmou que os aeroportos de Congonhas em São Paulo, Santos Dumont no Rio de Janeiro, Curitiba e Manaus continuarão sob o guarda-chuva da Infraero.
Em evento organizado pelo Council of the Americas na capital federal nesta terça-feira, 21, Dyogo Oliveira disse que o governo estuda "uma extensa lista" de aeroportos para uma nova oferta de terminais à iniciativa privada. Entre os nomes em estudo, o ministro mencionou que os aeroportos de Goiânia, Recife e Vitória poderão ser concedidos à iniciativa privada - a exemplo da bem sucedida concessão dos terminais de Porto Alegre, Florianópolis, Salvador e Fortaleza realizada recentemente.
Dyogo Oliveira também confirmou informação antecipada pelo Broadcast de que a Infraero continuará responsável por Congonhas, Santos Dumont, Curitiba e Manaus. Segundo o ministro, ainda está em estudo qual será o plano de negócios dessa "Nova Infraero" e o governo trabalha com a possibilidade de uma oferta inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) dessa nova companhia ou uma operação de fusão e aquisição (M&A). O modelo do negócio será decidido após contratação de assessoria financeira para esse plano e avaliação do valor dessa empresa.
Retomada
O ministro também afirmou acreditar que a inflação continuará bem comportada, o que permitirá reduzir a taxa de juro. Além das condições monetárias, o ministro defendeu que retomada da economia também precisa da agenda de reformas estruturais para que o crescimento seja sustentável.
"A inflação está abaixo do centro da meta. Eu sou otimista e acho que a gente vai manter a trajetória abaixo do centro da meta por algum tempo. Isso é uma boa notícia pois permite prosseguimento da política monetária mais flexível", disse.
O ministro reconhece que a economia já dá sinais de retomada, mas, para que o movimento seja continuado, ele defende a realização da agenda de reformas. "Nosso grande desafio é o ajuste das contas públicas e a continuidade do ajuste fiscal", disse, ao comentar que o primeiro movimento dessa agenda foi a aprovação da PEC do teto de gastos. "A segunda parte do ajustamento é a reforma da Previdência. É o divisor de águas para a situação que nós queremos alcançar", disse.
Oliveira notou que investidores já se movimentam diante da perspectiva de aprovação dessa reforma, especialmente porque a aprovação do projeto permitirá que o governo tenha menor presença na economia. Sem a reforma, o ministro prevê que a despesa com a Previdência saltaria do patamar equivalente a 8% do Produto Interno Bruto para cerca de 17% em 2060. "Isso será revertido com a reforma. A reforma permite a estabilização desse gasto em relação ao tamanho da economia e a despesa fica estável entre 8% e 9% do PIB. Isso é o que nós estamos buscando".
Oliveira destacou que muitos investidores já têm percepção positiva sobre essa agenda reformista e deu como exemplo a queda do indicador do risco país. "A percepção de risco caiu fortemente nos últimos meses e estamos voltando ao nível de quando nós tínhamos investment grade", disse, ao lembrar da recente mudança da perspectiva anunciada pela agência Moody´s.
O ministro também lembrou de outras iniciativas reformistas, como a mudança na legislação trabalhista que reduzirá os litígios, a mudança nos processos de concessões, a regularização de terras, redução de conteúdo local na indústria do petróleo e a liberação dos recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), entre outras medidas. "Há uma ampla agenda e o governo está agindo em diversas frentes para melhorar o ambiente de negócios".
Orçamento
O ministro do Planejamento fugiu de todas as perguntas sobre o corte do Orçamento que será anunciado nesta quarta-feira, 22. "Amanhã saberemos se haverá corte", disse. Segundo ele, ainda não está fechado o tamanho do corte, o que dependerá de definições sobre a sua composição que serão feitas entre hoje e amanhã. O ministro garantiu que o corte será feito com transparência para mostrar o cumprimento da meta fiscal desse ano, no relatório de avaliação de despesas e receitas do Orçamento que será enviado ao Congresso amanhã.

PORTAL G-1


Norte-americano que estudou no Brasil volta aos EUA após ser aceito no MIT

Thiago Bergamaschi nasceu em Nova Iorque, mas se mudou para o Brasil aos 9 anos. Agora vai voltar aos EUA para estudar engenharia elétrica e física

Vanessa Fajardo

Nove anos depois de ter deixado os Estados Unidos, país onde nasceu, para se mudar para o Brasil com os pais, Thiago Bergamaschi, de 18 anos, se prepara para voltar. Ele foi aceito pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), onde quer estudar engenharia elétrica e física.
A aprovação de Thiago foi anunciada em dezembro porque ele fez a candidatura antecipada, no chamado “early action”. Os demais resultados foram divulgados no dia 13 de março. Além de Thiago, outros três brasileiros foram aceitos.
O estudante também foi aprovado em universidades tradicionais brasileiras como o Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade de São Paulo (USP), mas quer mesmo estudar nos Estados Unidos. Ele ainda aguarda o resultado de outras “aplicações”, como Stanford e Caltech.
O pai de Thiago é brasileiro, e conheceu a mãe, inglesa, enquanto trabalhava nos Estados Unidos. Ele nasceu em Nova York. Quando se mudaram para Vinhedo, no interior de São Paulo, Thiago tinha 9 anos.
Ainda na infância, ele se apaixonou pelas olimpíadas de física. Na coleção de 20 prêmios, possui uma medalha internacional de ouro conquistada na Suíça, no ano passado. Viajou para Suíça, Romênia, Tailândia e Argentina para disputar olimpíadas.
“Comecei a gostar da física por conta da prática. Eu ia no laboratório e fazia várias experiências, mas também não posso dizer que não gosto de fazer um monte de contas”, diz.
O tio-avô de Thiago, Ronald Ross, foi Prêmio Nobel de Medicina em 1902. Ele garante, no entanto, que apesar de achar “legal” o parentesco, não possui qualquer influência sobre sua preferência pela área de exatas.
Thiago concluiu o ensino médio no Etapa, na unidade de Valinhos. Lá, teve a oportunidade de ter aulas preparatórias para as olimpíadas e receber orientação para disputar vagas nas universidades norte-americanas.
No Etapa, Thiago ajuda preparar os alunos que vão disputar vagas para compor a delegação brasileira nas próximas competições internacionais, entre eles, seu irmão, Thomas, de 15 anos.
No tempo vago ele também participa do projeto Apoio Olímpico ao Estudante (Apole) dando aulas de matemática para alunos da rede pública de Vinhedo, além de treinar kung fu e estudar mandarim e alemão.
Para ser aprovado em instituições tão prestigiadas como o MIT, Thiago diz que é para os bons alunos, mas não “gênios.” “Ache alguma ciência, alguma área que você goste muito e foque nela.”
Disputa entre 4 mil alunos
Mais de 4 mil alunos internacionais disputam, todos os anos, vagas para cursos de graduação do MIT. Desses, apenas 130 são admitidos, oriundos de cerca de 62 países, segundo Elaine Lizeo, do MIT Educational Council. Elaine coordena o time de entrevistadores no Brasil formado por ex-alunos do MIT, atualmente empresários, executivos, consultores, e alunos de renomadas universidades americanas e canadenses.
“Para a classe de 2021, de um pool de mais de 20 mil candidatos, o MIT admitiu um total de 1.438 alunos, somando-se os americanos e os internacionais. Esse ano tivemos para a classe do MIT de 2021 outra quebra de recorde: quatro alunos brasileiros admitidos e cinco colocados na lista de espera”, afirma.
Elaine diz que desde 2015 tem havido uma “expansão do pool de jovens dos quatro cantos do país interessados em disputar uma vaga no programa de graduação do MIT”.
“Esse ano tivemos candidatos das regiões Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul. Tivemos também jovens candidatos brasileiros com diferentes perfis e interesses em áreas tais como: química, física teórica, nanotecnologia, negócios e empreendedorismo.”

Aeronáutica abre inscrições para 86 vagas

Vagas são para oficiais aviadores, intendentes e de infantaria. Aprovados vão fazer o curso de formação em Pirassununga (SP).

A Aeronáutica abre nesta terça-feira (21) as inscrições para os Exames de Admissão aos Cursos de Formação de Oficiais Aviadores (CFOAV), Intendentes (CFOINT) e de Infantaria (CFOINF) do ano de 2018.
São 33 vagas para aviação (ambos os sexos), 35 para intendência (ambos os sexos) e 18 para infantaria (somente para o sexo masculino). Os candidatos devem ter ensino médio concluído.
As inscrições devem ser feitas de 21 de março a 10 de abril pelo site http://concursos.epcar.aer.mil.br. O valor da taxa é de R$ 70.
O processo seletivo é composto por prova de escolaridade, inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, teste de aptidão à pilotagem militar – somente para os candidatos que optaram pelo CFOAV, teste de avaliação do condicionamento físico e validação documental.
Se aprovado em todas as etapas, o candidato irá realizar o curso de formação na Academia da Força Aérea, em Pirassununga (SP), como cadete da Aeronáutica. O curso tem duração de quatro anos e após a sua conclusão o cadete será nomeado aspirante-a-oficial e poderá seguir na carreira militar.
As provas serão em Belém, Recife, Salvador, Natal, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Barbacena (MG), São Paulo, Curitiba, Campo Grande, Pirassununga (SP), Porto Alegre, Brasília, Manaus, Porto Velho e Boa Vista no dia 25 de junho.
Veja informações sobre cada curso:
CFOAV: o curso é caracterizado pela instrução de voo, com o objetivo de preparar o Cadete Aviador à pilotagem militar. Essa instrução aérea segue um programa de treinamento e de avaliação de desempenho como piloto, para formar e selecionar o aviador militar, fomentando o desenvolvimento do espírito combativo do futuro Oficial Aviador. Confere ao diplomando, ainda, a graduação de Bacharel em Ciências Aeronáuticas, com habilitação em Aviação Militar.
CFOINT: o curso é caracterizado pela formação administrativa, com o objetivo de preparar o Cadete Intendente ao desempenho de funções para gerir as atividades financeiras e logísticas das Organizações Militares da Força Aérea. Confere ao diplomando, ainda, a graduação de Bacharel em Ciências da Logística, com habilitação em Intendência da Aeronáutica.
CFOINF: o curso é caracterizado pela instrução de combate em terra, com o objetivo de preparar o Cadete de Infantaria ao desempenho de funções para gerir as atividades desenvolvidas nas Unidades de Infantaria, incluindo as tarefas de operações especiais, emprego de tropa, de autodefesa das Organizações da Força Aérea e de defesa antiaérea.

Greve na Guiana Francesa continua, e Brasil volta a adiar lançamento de satélite

Previsão inicial do governo era lançar satélite nesta terça (21), mas, com greve no país, adiou para esta quarta (22) e, agora, quinta (23). Projeto custou R$2,1 bilhões

Luciana Amaral

O Ministério da Ciência, Tecnologia e Comunicações informou nesta terça-feira (21) que o governo voltou a adiar o lançamento do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) em razão de uma greve na Guiana Francesa, de onde será enviado para o espaço.
A previsão inicial do Brasil era lançar o satélite nesta terça, mas, com a greve, adiou para quarta (22) e, agora, para quinta (23), entre 17h31 e 20h20 (horário de Brasília). Ao todo, o projeto custou R$ 2,1 bilhões.
De acordo com a imprensa da Guiana Francesa, a greve local é promovida por funcionários de uma empresa de energia elétrica e de um centro médico. Durante os protestos, foram feitas barricadas na entrada do centro espacial com carros, pneus e pedaços de madeira.
O satélite brasileiro
O satélite gira na mesma velocidade da Terra e fica "estacionado" sobre um mesmo ponto do planeta. Ele é utilizado em telecomunicação, meteorologia e comunicações militares. Atualmente, o governo aluga o sinal de satélites privados.
O equipamento será o primeiro satélite brasileiro que poderá ser utilizado para fins civis e militares.
Entre os objetivos do satélite, estão:
ampliar a oferta de internet banda larga no Brasil (com foco em áreas de difícil acesso);
ajudar as Forças Armadas em operações nas fronteiras;
auxiliar ações de resgate em alto mar;
ajudar a segurança do espaço aéreo.
Construção
O satélite pesa 5,8 toneladas e tem 5 metros de altura. O equipamento vai ficar posicionado a 36 mil quilômetros da Terra e cobrirá todo o território brasileiro, além do Oceano Atlântico. A previsão de vida útil do satélite é de 18 anos.
A construção do satélite foi feita em Cannes e Toulouse, na França, pela empresa Thales Alenia Space, e durou 2 anos. O projeto foi supervisionado pela Visiona Tecnologia Espacial (parceria entre Embraer e Telebras).
De acordo com o Ministério da Defesa, o processo envolveu transferência de tecnologia e intercâmbio entre profissionais brasileiros dessas empresas e da Agência Espacial Brasileira (AEB) e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).

Temer recua e exclui servidores estaduais da reforma da Previdência

Presidente fez anúncio no Planalto após reunião com lideranças partidárias do Congresso. "Surgiu com grande força [na reunião] a ideia de que deveríamos obedecer a autonomia dos estados", disse

Luciana Amaral G1 Brasília

O presidente Michel Temer anunciou nesta terça-feira (21) que a reforma da Previdência atingirá somente servidores federais e trabalhadores do setor privado. Segundo ele, a reforma das previdências estaduais ficará a cargo dos governos dos estados.
Após reunião no Palácio do Planalto, ele fez o anúncio ao lado de ministros; do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); dos líderes do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), e na Câmara, Aguinaldo Ribeiro (PP-PB); e de deputados, entre os quais Carlos Marun (PMDB-MS) e Arthur Maia (PPS), presidente e relator, respectivamente, da Comissão Especial da Reforma da Previdência.
A exclusão dos servidores estaduais foi a primeira concessão do governo em relação a mudanças na reforma da Previdência. Integrantes da equipe econômica do governo vêm defendendo a aprovação do projeto no Congresso sem alterações.
"Surgiu com grande força [na reunião] a ideia de que deveríamos obedecer a autonomia dos estados", disse Temer, após reunião com líderes partidários no Palácio do Planalto. "Reforma da Previdência é para os servidores federais", declarou.
O projeto de reforma da Previdência atualmente em tramitação na Câmara só exclui militares das Forças Armadas, bombeiros e policiais militares.
De acordo com o presidente, vários estados já começaram a reformular a Previdência estadual.
"Seria uma invasão de competência, que não queremos levar adiante", afirmou. "Sendo assim, funcionários estaduais dependerão da manifestação do seu governo estadual ou governo municipal", complementou.
"Estou passando ao relator [Arthur Maia] e ao presidente da comissão [Carlos Marun] que logo no dia de amanhã [quarta, 22] todos transmitirão aos membros da comissão que a partir de agora trabalharão com uma previdência voltada para os servidores federais", afirmou Temer.
Ao encerrar a fala, Temer deixou o Salão Leste do Palácio do Planalto, local do pronunciamento, sem responder a perguntas. Jornalistas gritaram, indagando se o anúncio era uma "derrota" da equipe econômica, mas o presidente ignorou a pergunta.
Pela manhã, durante discurso em um evento voltado a empresários, Temer afirmou que o governo conseguirá aprovar a proposta no Congresso mesmo que com “uma ou outra adequação”.
“O Congresso Nacional é o senhor dessa matéria agora. Até porque ela será, virá à luz, por uma emenda à Constituição, que depende apenas da atuação do Congresso Nacional. Mas nós vamos aprová-la. Vamos aprová-la com uma ou outra adequação, quem sabe, mas vamos aprová-la”, declarou.

AGÊNCIA BRASIL


FAB envia Hércules C-130 para dar apoio às regiões afetadas pelas chuvas no Peru


A pedido do governo do Peru, a Força Aérea Brasileira enviou uma aeronave Hércules C-130 para apoiar operações de logística nas regiões mais afetadas pelas enchentes e deslizamentos de terra causados pelas fortes chuvas que atingem o território peruano. Imagens de TV mostraram torrentes de lama descendo violentamente das zonas andinas arrasando carros, casas, animais e até pessoas.
O Hércules C-130, solicitado pelo governo peruano, é um dos aviões de transporte militar de grande capacidade mais usados no mundo. Segundo nota do Ministério das Relações Exteriores divulgada hoje (21) o governo brasileiro reitera sua solidariedade às famílias das vítimas, ao povo e ao governo do Peru, que enfrenta uma das calamidades climáticas mais graves dos últimos anos.
O país está sendo castigado há semanas por fortes chuvas com inundações e enxurradas. Pelo menos 75 pessoas morreram desde dezembro e mais de 600 mil foram afetadas pela tragédia. A catástrofe castiga a maior parte da costa peruana, sobretudo a região que vai de Tumbes e Piura, no norte, até a capital, Lima, na zona central.
As inundações se devem a chuvas inusitadas, provocas pelo fenômeno climático bautizado como “El Niño costeiro", um aquecimento das águas marinhas do Pacífico, concentrado neste caso em frente à costa peruana.
Colômbia, Chile, Equador e Paraguai também enviaram ajuda ao Peru.
*Com informações das agências de notícias Andina e DPA.

PORTAL R3 (SP)


Embraer realiza voo inaugural do quarto protótipo do E190-E2


A Embraer realizou na tarde da última sexta-feira, na fábrica de São José dos Campos, o primeiro voo do quarto protótipo do jato E190-E2, que foi concluído em duas horas. Essa aeronave será utilizada para testes específicos de interior, tais como evacuação de cabine, conforto ambiental e ruído interno.
A aeronave, número de série 20.004, vai se juntar à frota de testes em voo, composta pelos três primeiros protótipos E190-E2, que, juntos, acumularam mais de 650 horas de voo até o momento. O primeiro jato E190-E2 está programado para ser entregue no primeiro semestre de 2018 e o operador de lançamento será a Widerøe, maior companhia aérea regional da Noruega.
“Em termos de campanha de certificação, a Embraer já realizou o congelamento da configuração aerodinâmica e concluiu vários testes, tais como a verificação da qualidade de voo, decolagem e aterrisagem curtas, desempenho em subida, determinação da tração em voo, estabilidade de trem de pouso e outros testes de sistemas. Em breve vamos avaliar a qualidade de voo em alta velocidade, executar testes de estabilidade aeroelástica, gelo natural e operações em baixa temperatura”, explica Luís Carlos Affonso, Vice Presidente de Operações da Embraer Aviação Comercial.
Além da campanha de testes em voo, a Embraer está realizando mais de 30 mil horas de testes em solo, bem como análises de integração. Com o objetivo de entregar um avião mais maduro no momento da entrada em serviço, a companhia emprega bancadas de testes, como rigs e o iron bird, onde todos os sistemas de aeronaves estão disponíveis em escala completa, incluindo a cabine de pilotagem. Esta ferramenta permite à Embraer simular os voos de cada modelo de E2, otimizar o desempenho de sistemas e refinar a qualidade de voo.

AGÊNCIA ESTADO


EUA limitam aparelhos eletrônicos em voos provenientes de 8 países de maioria muçulmana

Nova regra imposta pelo Departamento de Segurança Interna proíbe equipamentos como notebooks, tablets e câmeras fotográficas na cabine do avião em voos de empresas aéreas que não sejam americanas; regra passa a valer no sábado

Nyt, Efe E Ap

WASHINGTON - Passageiros em voos com destino aos Estados Unidos e provenientes de 10 aeroportos em países de maioria muçulmana em companhias aéreas que não sejam americanas estarão sujeitos a uma nova restrição que os impedirá de carregar equipamentos eletrônicos maiores do que um telefone celular. Funcionários do governo americano estimam que, diariamente, cerca de 50 voos serão afetados.
A medida foi imposta na terça-feira pelo governo de Donald Trump como uma tentativa de resolver o que qualificou como problemas resultantes de lacunas na segurança aeroportuária externa. O governo afirmou, no entanto, que não foi motivado por uma ameaça específica ou crível de um ataque iminente.
"A avaliação dos serviços de inteligência indica que os grupos terroristas continuam visando o transporte aéreo e buscam novos métodos para perpetrar seus atentados, como esconder explosivos em bens de consumo", afirmou de forma anônima uma fonte do governo.
"Com base nestas informações, o secretário de Segurança Interna, John Kelly, decidiu que era necessário reforças os procedimentos de segurança para os passageiros com saída de alguns aeroportos com destino aos EUA", disse outro membro do governo, sem detalhas quais informações exatamente foram usadas para tomar a decisão.
A nova regra do Departamento de Segurança Interna entrou em vigor às 4 horas (horário de Brasília) desta terça-feira, 21, e as companhias aéreas terão 96 horas para se adaptar - depois disso, voos que não respeitarem a restrição poderão ser impedidos de pousar nos EUA. Os aeroportos afetados são os de Amã, na Jordânia; Cairo, no Egito; Istambul, na Turquia; Jidá e Riad, na Arábia Saudita; Kuwait; Casablanca, no Marrocos; Doha, no Catar; e Dubai e Abu Dhabi nos Emirados Árabes Unidos.
Desta forma, a partir de sábado equipamentos eletrônicos como notebooks, tablets, câmeras fotográficas, impressoras portáteis e jogos maiores do que um telefone não poderão ser transportados na cabine dos aviões - a restrição não se aplica à tripulação da aeronave.
Após a divulgação da nova política americana, a companhia estatal Royal Jordanian afirmou que equipamentos médicos não seriam afetados pela restrição. A empresa disse também que os equipamentos eletrônicos maiores do que um celular poderão ser transportados na bagagem despachada.
Funcionários do Aeroporto Internacional do Cairo, no Egito, disseram que até o momento não foram comunicados da nova regra e, portanto, autorizaram o embarque de passageiros com computadores, tablets, câmeras e outros eletrônicos em um voo da EgyptAir com destino a Nova York.
Já a Emirates disse nesta terça-feira que só passará a aplicar a medida no sábado, quando as 96 horas de adaptação dadas pelo governo forem expiradas.


OUTRAS MÍDIAS


DIÁRIO DO GRANDE ABC (SP)


Saab confirma fábrica de aeroestruturas em S.Bernardo

Soraia Abreu Pedrozo
ImagemA Saab, fabricante sueca dos aviões-caça Gripen NG, que substituirá a frota de 36 aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) entre 2019 e 2024, confirmou que irá instalar fábrica em São Bernardo. A unidade vai gerenciar a cadeia de suprimentos e produzir partes estruturais da aeronave, como as asas do avião supersônico e as alas traseira e dianteira da fuselagem.
A localização da empresa,que chegou a ser anunciada em São Bernardo, ficou em xeque no fim do ano passado. Durante a inauguração do Centro de Desenvolvimento do Gripen NG em Gavião Peixoto, no Interior, o CEO da Saab, Hakan Buskhe, afirmou que a companhia estava verificando locais para construir a fábrica de aeroestruturas e que, apesar de São Bernardo ser o principal lugar estudado, o endereço seria anunciado apenas no começo de 2017.
“A Saab terá uma fábrica de suprimentos do programa Gripen em São Bernardo. Os detalhes estão sendo finalizados e serão anunciados no devido tempo”, afirmou a fabricante de aviões-caça após questionamento do Diário. O nome da empresa, inclusive, que era SBTA (São Bernardo Tecnologias Aeronáuticas), mudou para SAM (Saab Aeronáutica Montagens).
Na tarde de ontem, o vice-presidente de parcerias industriais da Saab Aeronáutica, Jan Germundsson, esteve em São Bernardo, na CNM (Confederação Nacional dos Metalúrgicos) da CUT (Central Única dos Trabalhadores), entidade que mantém tratados de cooperação com o Sindicato dos Metalúrgicos Suecos, o IF Metall.
Embora o encontro tenha sido a portas fechadas, o Diário teve acesso ao que foi tratado no local. Germundsson, que durante visita da equipe de reportagem às instalações da Saab na Suécia, em 2014, estimou que a fábrica de aeroestruturas deverá faturar entre US$ 40 milhões e US$ 60 milhões de cinco a sete anos (ou seja, até 2021), disse ontem que o contrato entre a empresa e a FAB (Força Aérea Brasileira), de US$ 5,4 bilhões, se trata do maior contrato na história da indústria sueca.
O vice-presidente garantiu que a SAM começará a produzir as partes estruturais em São Bernardo em 2019, quando a primeira aeronave deve ser entregue. E que ele tem boas perspectivas, já que os prazos estão dentro do cronograma – apesar do atraso de quase um ano na conclusão do convênio entre Saab e FAB, do avanço da crise econômica e da queda das taxas de juros na Europa, além das mudanças de comando nos governos municipal e federal.
Germundsson revelou que recebeu 43 propostas de localização no município da região, sendo que dez já foram visitadas e cinco estão sendo analisadas para que então seja batido o martelo, o que deve ocorrer nos próximos dois meses, depois que a FAB também aprovar o local. O investimento estimado é de US$ 150 milhões.
O executivo disse também que hoje serão entrevistados dois potenciais candidatos para o cargo de gerente geral da SAM. Ele estimou que serão gerados de 200 a 250 empregos diretos entre três e cinco anos. Isso sem contar os indiretos, resultantes dos 25 a 30 fornecedores, que pode incluir industriais da região. Segundo o vice-presidente, não faz sentido importar matéria-prima da Europa e da Suécia enquanto que se pode desenvolver cadeia nacional de suprimentos.
“Em relação ao programa de transferência de tecnologia, 150 engenheiros brasileiros estão em treinamento em Linköping, na Suécia. Outros 34 já voltaram e, até 2024, serão mais de 350 qualificados. O programa de transferência de tecnologia será entregue ao longo de cerca de dez anos e inclui ensino em sala de aula, programas de financiamento estudantil e treinamento prático durante o trabalho na Suécia”, assinalou a Saab.
Ao fim do programa, de acordo com a companhia, o objetivo é que a indústria local e a FAB dominem todo o conhecimento crítico necessário para o desenvolvimento futuro de caças. A Saab quer fazer do Brasil plataforma de exportação para países da América Latina.

SITE INDÚSTRIA DE DEFESA & SEGURANÇA


Afeganistão recebe lote com mais 4 A-29 Super Tucano da Embraer

A Força Aérea Afegã recebeu mais quatro A-29 Super Tucano contruídos pela Embraer-Sierra Nevada Corporation, nos Estados Unidos. As aeronaves chegaram ao Aeroporto Internacional de Cabul na última segunda-feira, 20 de março, onde passarão por uma breve reconfiguração para prepará-los para as operações de combate (com montagem de armas, entre outros procedimentos).
Com a nova entrega, agora já são 12 dos 20 aviões contratados que já estão no Afeganistão. Uma aeronave foi perdida durante um treinamento militar dos pilotos da força afegã nos Estados Unidos no início do mês. Ainda não se sabe se ela será substituída. As outras sete continuam na base aérea na Geórgia, EUA, onde são usadas como plataformas de treinamento dos pilotos afegãos. Outras quatro aeronaves também foram solicitadas.
O Super Tucano
O Super Tucano é projetado para portar um conjunto típico de armas de um caça – sejam elas convencionais ou inteligentes. O seu conjunto de armamentos é inteiramente integrado ao seu sistema de aviônicos e consiste das armas e dos sensores mais avançados. A aeronave está equipada com duas metralhadoras .50 (cada uma com 200 tiros) nas asas. Cinco pontos duros subalares e ventrais permitem portar até 1.500 kg de armas na maioria das configurações.

24 HORAS NEWS (MT)


Ex-aluno do IFMT integra equipe do Projeto do Satélite SGDC na França

Ex-aluno do IFMT-Campus Cuiabá (antiga Escola Técnica Federal de Mato Grosso), da turma de Eletrônica de 1985 a 1988, Glauber Miranda, Engenheiro Eletricista e servidor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) em Cuiabá (MT), é atualmente integrante desde 2014 da equipe que projeta o Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) na França. O lançamento do satélite será amanhã, dia 22 de março, na Guiana Francesa. No link https://ariane.cnes.fr/fr/live é possível acompanhar o lançamento ao vivo, entre às 16h30 às 19h20 (horário de Cuiabá-MT). A escolha do local do lançamento, segundo o ex-aluno do IFMT, é por conta da proximidade com a linha do Equador, onde há maior economia de combustível do satélite.
Segundo o ex-aluno, o objetivo inicial do satélite SGDC é atender a demanda de banda larga (internet) em regiões remotas ou não do território brasileiro, bem como possibilitar comunicação segura ao Ministério da Defesa (Marinha, Aeronáutica e Exército) e futuros programas espaciais brasileiros.
O SGDC foi fabricado pela Thales Alenia Space em Cannes, França, utilizando a plataforma Spacebus 4000C4. Glauber Miranda explica que junto com a fabricação foi adquirido também um programa de transferência de tecnologia (TAP), dá qual ele faz parte junto com mais outros 30 brasileiros do INPE, da Telebrás, da Visona e do Ministério da Defesa.
Janela de oportunidades se abre para o Brasil com operação doSatélite Geoestacionário
Conforme notícia publicada no dia 16 de março de 2017, no site do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, (MCTIC) o SGDC deve contribuir para o desenvolvimento de diversas frentes tecnológicas, como agricultura de precisão, cidades inteligentes, educação pública, gestão hospitalar, industrialização do interior, infraestrutura de mineração, monitoramento e previsão de desastres naturais, plataformas petrolíferas, segurança rodoviária, sistema bancário e serviços de cidadania, como a emissão de passaportes e a previdência social.
A notícia do site do MCTIC destaca ainda que a partir da participação de brasileiros na construção e montagem do SGDC, o país começa a se preparar para o desenvolvimento de um satélite desse porte.
O ex-aluno da antiga escola técnica conta que o professor que marcou a sua história como aluno foi o professor de Eletrônica do IFMT do Campus Cuiabá e servidor do INPE, Luiz Carlos Nascimento, e que por conta dele se inspirou a querer trabalhar no INPE.
"Tudo o que me tornei hoje devo a ETF-MT, pela qual serei eternamente grato. O curso técnico na ETF-MT concomitante ao segundo grau reafirmou minha vocação com a área de eletrônica e mostrou que esse era o caminho que eu deveria seguir para a universidade. Além disso, foi trabalhando como técnico que eu consegui permanecer os longos anos no curso de Engenharia Elétrica na UFMT, cujas aulas eram na sua maioria durante o dia, o que seria impossível de conciliar com um trabalho comum", disse o ex-aluno, Glauber Miranda.
Ao ser questionado sobre o que as aulas de eletrônica lhe trouxeram de aprendizado que até hoje utiliza no seu dia a dia, ele respondeu que tornar-se um profissional técnico muito jovem teve muitos desafios, mas também inúmeras vantagens.
"Aprendemos cedo o senso de responsabilidade, trabalhar em equipe, permanecer em constante atualização, etc... Mas acho que a maior vantagem de meu curso técnico foi a de proporcionar conhecimento básico para entender com mais facilidades as áreas mais complexas durante o curso de engenharia. Além disso, o aprendizado desse período me proporcionou habilidades técnicas manuais e investigativas na solução de problemas do dia a dia que não se vê facilmente em profissionais que emigraram diretamente de um curso superior", explicou o ex-aluno.
Sobre que tipo de conselho daria para os jovens estudantes do IFMT, visto que está na França participando de um projeto dessa dimensão, ele respondeu que de um modo geral diria para os jovens que iniciam hoje na área tecnológica que eles devem estar sempre se atualizando, pois a área de tecnologia está em constante transformação, e assim estar preparado para aproveitar as oportunidades quando elas surgirem.
De um modo mais específico, Glauber Miranda finalizou dizendo que é necessário estar consciente que eles devem dominar a língua inglesa e ter habilidades em programação. Essas são habilidades primordiais para quem quer continuar na área tecnológica de engenharia.

JORNAL CORREIO DO ESTADO (MS)


Avião-radar da Força Áerea Brasileira monitora áreas de fronteiras do narcotráfico

FAB desloca aeronave E-99 para dar suporte aos aviões de caça
Thiago Gomes
Operação Ostium
Operando a partir da Ala 5 (nova denominação da Base Aérea de Campo Grande), avião-radar E-99, da Força Aérea Brasileira (FAB) está monitorando as fronteiras com a Bolívia e Paraguai, em trabalho de repressão ao tráfico de drogas. A aeronave deslocada para a região está integrada à Operação Ostium, deflagrada há dez dias pela Aeronáutica para patrulhamento das faixas de fronteira.
No Mato Grosso do Sul, o E-99 é apoiado por dois radares móveis, instalados em Corumbá e Dourados. A missão é coibir o tráfico aéreo da cocaína boliviana e da maconha paraguaia, que nos últimos meses teria se intensificado por meio de voos clandestinos. Além do avião-radar, o patrulhamento está sendo feito pelas aeronaves de caça A-29 Super Tucano, helicópteros H-60 Black Hawk e AH-2, as de reconhecimento R-35A e RA-1 e Aeronaves Remotamente Pilotadas RQ-450.
As ações fazem parte do Programa de Proteção Integrada de Fronteiras (PPIF), do Ministério da Defesa, e devem prosseguir até o fim do ano. Elas envolvem voos de monitoramento e patrulha, instalação temporária de radares móveis em cidades próximas às fronteiras, além de Chapecó (SC); reforço das atividades aéreas nas bases da FAB; e deslocamento de aeronaves militares para cidades como Cascavel (PR), Foz do Iguaçu (PR) e Dourados.




Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented