|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 18/03/2017 / Estação Antártica terá primeira fase da reconstrução concluída este mês


Estação Antártica terá primeira fase da reconstrução concluída este mês ...  

Destruída em um incêndio em 2012, a Estação Antártica Almirante Ferraz deve estar totalmente concluída em 2018, com custo total de US$ 100 milhões ...

A nova base brasileira na Antártica vai contar com modernos laboratórios, setor de saúde, biblioteca, sala de estar e incorporar novas tecnologias, segundo o capitão de corveta da Marinha, José Costa.

Esse foi um dos assuntos do programa Forças do Brasil, no dia 13, que também mostra o funcionamento do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e como está o projeto estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB) do caça Gripen NG.

O comandante do Comando de Fronteira do Acre, coronel Wellington Valone, informa qual é o trabalho realizado pelos militares do Exército, na proteção das fronteiras brasileiras.

O programa também ouve o diretor de Portos e Costas da Marinha, vice-almirante Wilson Pereira de Lima Filho, com um balanço da Operação Verão.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL G-1


Helicóptero cai em Araucária, na região de Curitiba, e deixa feridos

Acidente aconteceu por volta das 15h30 desta sexta-feira (17). Quatro pessoas estavam na aeronave e ficaram feridas, duas gravemente.

Um helicóptero caiu, por volta das 15h30, em Araucária, Região Metropolitana de Curitiba. O Corpo de Bombeiros informou que quatro pessoas ficaram feridas, sendo duas em estado grave. Todas estavam no helicóptero.
(Correção: O G1 errou ao informar que a aeronave pertencia a uma empresa do atual prefeito da Araucária, Hissam Hussein (PPS). Na verdade, a empresa era do prefeito, mas foi vendida em 2014, segundo a assessoria de imprensa da prefeitura. A informação foi corrigida às 17h01)
Os feridos em estado gravem foram encaminhados aos hospitais do Trabalhador e Evangélico, na capital. Os outros feridos foram levados para o Hospital Nossa Senhora do Rocio, em Campo Largo, também na região metropolitana.
A primeira informação repassada pelos bombeiros era de que ao menos cinco pessoas estavam feridas, e que uma estava em estado grave, mas o número foi corrigido posteriormente.
O acidente foi no cruzamento da PR-423 com a Avenida das Nações, no bairro Estação, próximo à Câmara de Vereadores. Por causa da queda, a Rodovia do Xisto chegou a ficar interditada, mas as pistas já foram liberadas.
A lataria do helicóptero ficou retorcida, mas não houve explosão, disse a prefeitura. Ainda não se sabe o que provocou a queda do helicóptero.

Balão é apreendido após cair perto de mata em parque de Votorantim

Objeto tinha aproximadamente cinco metros de altura. Responsáveis pelo balão não foram encontrados.

G1 Sorocaba E Jundiaí

Um balão de aproximadamente cinco metros de altura com uma bateria de fogos de artifício foi apreendido pela Secretaria do Meio Ambiente (Sema), nesta quinta-feira (16), no Parque das Aves, em Votorantim (SP).
O balão foi visto no Parque Jataí II e caiu próximo a mata, na área pertencente ao Parque das Aves. Ninguém foi preso.
O material apreendido foi levado à Secretaria do Meio Ambiente (Sema) e depois encaminhado para a Cooperativa de Reciclagem. Soltar balões é crime ambiental e a pena pode levar o responsável à detenção de um a três anos.

AGÊNCIA BRASIL


Estação Antártica terá primeira fase da reconstrução concluída este mês

Destruída depois de um incêndio em 2012, a Estação Antártica Almirante Ferraz deve estar totalmente concluída em 2018, com custo total de US$ 100 milhões

A nova base brasileira na Antártica vai contar com modernos laboratórios, setor de saúde, biblioteca, sala de estar e incorporar novas tecnologias, segundo o capitão de corveta da Marinha, José Costa. Esse foi um dos assuntos do programa Forças do Brasil, dessa segunda-feira (13), que também mostra o funcionamento do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) e como está o projeto estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB) do caça Gripen NG.
O comandante do Comando de Fronteira do Acre, coronel Wellington Valone, informa qual é o trabalho realizado pelos militares do Exército, na proteção das fronteiras brasileiras. O programa também ouve o diretor de Portos e Costas da Marinha, vice-almirante Wilson Pereira de Lima Filho, com um balanço da Operação Verão.

Ministério da Defesa quer apoio privado para esporte militar


Vinícius Lisboa

Após os atletas militares conquistarem 13 das 19 medalhas brasileiras nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, no ano passado, o Ministério da Defesa quer aumentar ainda mais a contribuição deles nas vitórias do país no próximo ciclo olímpico. O ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse hoje (17) que já conversou com representantes de instituições da iniciativa privada, como a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), para buscar apoio para a formação de atletas de base em programas militares.
Com cerca de 20 mil atletas de base participando do Programa Forças do Esporte, em que instalações militares são usadas por crianças e adolescentes, o ministério quer dobrar o número de participantes com o apoio privado.
"Temos hoje 20 mil jovens nessa base, mas minha ideia é conseguir no curto prazo pelo menos dobrar isso. E estou pedindo ajuda do setor privado. É para que a gente possa ter não só atletas de alto rendimento, o que é fundamental, mas ter uma base, e que essa base social se reverta para os jovens", disse Jungmann.
O objetivo é incrementar os resultados em pelo menos 30%, mas, em um cenário de restrições orçamentárias, o ministro entende que combinar recursos privados com a estabilidade que as Forças Armadas dão aos atletas militares pode ser um caminho.
"Já venho conversando com a Fiesp, Senai [Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial] e Senac [Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial] para que eles nos ajudem no sentido de promover o esporte. Um dos problemas dos outros patrocínios é que são irregulares. Do lado de cá, você dá emprego, estabilidade, instalações e treinamento, e isso é mantido sem sobressaltos e sem descontinuidade", acrescentou o ministro. Na opinião de Jungmann, a fórmula para o sucesso é essa. "Uma estabilidade e uma garantia para que essa garotada toda possa dispor de meios para promover os seus talentos."
Homenagens
Jungmann participou hoje (17) da entrega medalhas de Mérito Desportivo Militar. Na cerimônia, realizada no Terceiro Comando Aéreo Regional (3º Comar), no Rio de Janeiro, foram condecorados atletas militares, autoridades envolvidas na organização dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos e sobreviventes do acidente aéreo com o time da Chapecoense.
Ao todo, 280 pessoas foram homenageadas. Entre elas, os medalhistas olímpicos na Rio 2016 Felipe Wu, do tiro esportivo, e Maicon de Andrade, do taekwondo; o ministro do Esporte, Leonardo Picciani; e o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Andrew Parsons, além de autoridades militares e 13 parlamentares.
Os jogadores Alan Ruschel, Jackson Follmann e Hélio Hermito Zampier Neto, da Chapecoense, entraram na lista dos homenageados, além do radialista Rafael Henzel, que também sobreviveu ao acidente aéreo com o avião que levava o time para a Colômbia, no ano passado.
No entanto, grande parte dos homenageados, incluindo os jogadores do time catarinense e o ministro do Esporte, não recebeu a condecoração na cerimônia de hoje. Uma nova solenidade será realizada em Brasília na semana que vem, quando devem ser entregues 70 medalhas.
Medalha de bronze na Rio 2016, Maicon de Andrade comemorou a condecoração militar. "Todo atleta militar sonha receber uma medalha dessa, é para a família", disse Maicon. "Meu trabalho foi árduo, foi bem feito e hoje pude estar aqui recebendo essa medalha. Então, foi uma grande honra."

PORTAL BRASIL


Estudantes brasileiros acompanham lançamento de satélite geoestacionário

Alunos do ensino fundamental foram convidados pelo governo federal para viajarem à Guiana Francesa

ImagemDepois de projetarem o satélite Tancredo-1, colocado em órbita há dois meses pela Estação Espacial Internacional, os alunos da Escola Municipal Tancredo Neves (SP) foram convidados pelo governo federal para acompanhar o lançamento de outro equipamento: o primeiro satélite geoestacionário do País, na Guiana Francesa.
Os três alunos e um professor brasileiro que vão representar a escola foram escolhidos por sorteio e vão acompanhar o lançamento ao vivo do Centro Espacial de Kourou.
"Poder ver o lançamento de um satélite ao vivo, apesar de ter lançado o meu, só vi pelo computador, vou poder estar lá, vai ser muito bom", comemorou a jovem cientista Rafaela Daniol. O lançamento do Tancredo-1, que ocorreu no Japão, foi transmitido pela internet no mês passado.
"Quando a gente soube que iria, ficamos felizes demais", disse o estudante Carlos Alberto de Oliveira, que integra a equipe.
Além da viagem à Guiana, os alunos envolvidos no projeto já foram ao Japão para apresentar o trabalho desenvolvido em um congresso aeroespacial e também para os Estados Unidos, onde conheceram a Agência Espacial Americana (Nasa).
O equipamento produzido pelos estudantes foi totalmente fabricado no Brasil com o apoio do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e da Agência Espacial Brasileira (AEB). O artefato ficará na órbita da Terra, a 400 quilômetros de altitude, e será ferramenta de um experimento para estudar a formação de bolhas de plasma na atmosfera, fenômeno que interfere na captação de sinais de satélite e em antenas parabólicas em países localizados na linha do Equador.
Satélite Geoestacionário
O projeto do governo brasileiro é uma parceria entre os Ministérios da Defesa e da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e envolve investimentos da ordem de R$ 2,1 bilhões.
O satélite, adquirido pela Telebras, terá uma banda KA, que será utilizada para comunicações estratégicas do governo e implementação do Programa Nacional de Banda Larga (PNBL), além de uma banda X, que corresponde a 30% do equipamento, de uso exclusivo das Forças Armadas.
Com isso, o Brasil passará a fazer parte do grupo de países que contam com seu próprio satélite geoestacionário de comunicações, diminuindo a necessidade de alugar equipamentos de empresas privadas, o que vai gerar uma economia significativa aos cofres públicos e maior segurança em suas comunicações.


PORTAL DEFESANET


HFAG capacita militares para transporte de pacientes em aeronaves de asas rotativas

Iniciativa conjunta do Esquadrão Puma e HFAG padroniza procedimentos para Evacuação Aeromédica

Ten Flávio Nishimori

ImagemBuscando padronizar e compartilhar procedimentos para transportar pacientes que necessitem de Evacuação Aeromédica (EVAM), o Esquadrão Puma (3º/8º GAV) e o Hospital de Força Aérea do Galeão (HFAG), sediados no Rio de Janeiro, desenvolveram um curso para oficiais médicos, oficiais e sargentos enfermeiros e tripulantes de aeronaves de resgate.
As atividades ocorreram no HFAG nos dias 8 e 9 de março, sob coordenação do Chefe da Emergência e da Aeromédica do Hospital, Major Médico Ney Franklin. O treinamento contou com a participação de instrutores do 3º/8º GAV e teve como alunos os médicos e enfermeiros intensivistas do HFAG e um oficial médico do Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ).
Na instrução teórica foram abordados os princípios de fisiologia e segurança de voo, cuidados na abordagem da aeronave com o rotor ligado ou desligado, condutas a bordo, comunicação com a tripulação, procedimentos de emergência, indicações e contra indicações de transporte de pacientes.
O encerramento do curso foi no heliponto do HFAG com a atividade prática no helicóptero em solo e no ar. A instrução de segurança situacional e orientação em voo real contou com apoio de tripulantes do 3°/8° GAV.
“Todos se adaptaram muito bem à operacionalidade e atingiram os resultados esperados. Estão de parabéns pelo profissionalismo”, ressaltou o Major Franklin. 

MD recebe ministro dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes


Major Sylvia Martins

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, recebeu nesta quinta-feira (16), o ministro dos Negócios Estrangeiros dos Emirados Árabes, Xeique Abdullah Bin Zayed Al Nahyan. O encontro teve o objetivo de fortalecer relações bilaterais e de cooperação entre os dois países. O ministro Xeique Abdullah disse que seu país tem interesse em abrir um escritório no Brasil para tratar dos assuntos de defesa.
O ministro Raul Jungmann falou da possibilidade de uma parceria estratégica entre os dois países e citou áreas onde já existem cooperação mútua e outras onde poderão ser iniciadas outras ações. “Temos interesse em contar com militares dos Emirados Árabes em escolas de formação militar no Brasil e também em adquirir a expertise das Forças Armadas dos Emirados”, disse o ministro.
Atualmente, há projetos da área aeronáutica em andamento entre o Brasil e os Emirados Árabes. Porém, o ministro Jungmann pretende construir uma agenda comum nas áreas de tecnologia e segurança, estabelecendo diálogos entre as bases da indústria de defesa e de serviços, na acasião da visita aos Emirados Árabes, para a qual o ministro foi convidado.
Jungmann aproveitou a oportunidade para convidar o ministro de Negócios Xeique Abdullah a participar da LAAD Defence & Security, feira de segurança e defesa da América Latina, que ocorrerá entre 4 e 7 de abril, no Rio de Janeiro; além de sugerir também que o Ministério da Defesa emirático faça uma visita ao Brasil em maio.
Entre os integrantes da delegação oficial, estavam a embaixadora dos Emirados Árabes Unidos do Brasil, Hafsa Abdulla Mohamed Sharif Al Ulama; o chefe de gabinete, Mohamed Mahmoud Al Khaja; o diretor adjunto do Departamento das Américas, Juma Rashed Al Romaithi; e a assessora do Ministério dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação Internacional, Fátima Abdulla Ali Al Memari.
Estiveram pelo Ministério das Relações Exteriores, a chefe do Departamento do Oriente Médio do Itamaraty, Ligia Maria Scherer, e o diretor do Departamento de Assuntos de Defesa e Segurança, embaixador Nelson Antonio Tabajara de Oliveira.
Participaram ainda da reunião, pelo Ministério da Defesa, o secretário de Produtos de Defesa, Flávio Basilio; o vice-chefe de Assuntos Estratégicos, general Fernando Rodrigues Goulart; o diretor do Departamento de Catalogação, almirante Antonio Carlos Soares Guerreiro; e o subchefe de Assuntos Internacionais, brigadeiro Jair Gomes da Costa Santos.

Cooperação entre Brasil e Estados Unidos fomenta pesquisa sobre navegação aérea

DECEA participa de acordo que visa ao aprimoramento do sistema de navegação por satélite. Interferência ionosférica na navegação será tema de pesquisa.

Ten Glória Galembeck / Ten Emília Maria

O desenvolvimento de um modelo de risco ionosférico para baixas latitudes foi o tema de uma reunião internacional realizada entre os dias 6 e 10 de março com entidades e empresas que pesquisam sobre o Sistema de Aumentação Baseado em Solo, o GBAS, do inglês Ground-Based Augmentation System. O encontro, realizado no Subdepartamento de Operações (SDOP) do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), reuniu representantes da Federal Aviation Administration (FAA), do Boston College e das empresas Mirus, Honeywell, Boeing e companhias aéreas.
A reunião é resultado de um acordo de cooperação bilateral entre o DECEA e a FAA para o aprimoramento do sistema de navegação global por satélite, o GNSS (Global Navigation Sattelite System), que existe desde março de 2000. Os sistemas de navegação por satélite são precisos, porém, a interferência ionosférica pode provocar problemas na refração dos sinais na atmosfera.
Por essa razão, a precisão das informações que chegam até os pilotos das aeronaves fica prejudicada, o que afeta o funcionamento dos sistemas de aproximação e pouso de precisão baseados exclusivamente em satélites. Essa interferência é maior em baixas latitudes, que é o caso da América do Sul.
A partir das discussões realizadas, uma série de atribuições foram distribuídas entre os participantes nas áreas de coleta de dados, análise e processo de gestão da segurança. A expectativa é que o projeto seja desenvolvido durante dois anos e resulte na certificação da estação GBAS do Aeroporto Internacional do Galeão para operações de aproximação a níveis similares aos do ILS CAT-I.
Assim como o ILS, o GBAS possibilita aproximações em condições meteorológicas adversas, com a vantagem de possuir um custo menor de implantação e manutenção.
O GBAS é um sistema que soluciona o problema da interferência ionosférica por meio de antenas instaladas em terra que aumentam o sinal do GNSS. Para se ter uma ideia, um procedimento de aproximação GNSS simples oferece informações seguras até uma altura de aproximadamente 400 pés em relação ao solo.
Por meio das antenas que compõem o GBAS, é feita a correção de erros (aumentação), e esse valor cai para aproximadamente 200 pés, o que diminui a altura de decisão, um fator crítico para operações de aproximação.
“O Plano Global de Navegação da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) coloca o GBAS como uma tecnologia chave para a implementação da navegação baseada em performance. O DECEA, assim como a FAA, reconhece que o GBAS é uma tecnologia crítica para a criação de um sistema CNS/ ATM regional e global de sucesso”, afirmou o Tenente-Coronel Engenheiro Alessander de Andrade Santoro, coordenador do GBAS no DECEA.

Atualmente, existem no mundo oito estações GBAS em funcionamento, localizadas nos Estados Unidos, na Alemanha, na Espanha, na Suíça e na Austrália. A estação GBAS do Aeroporto Internacional do Galeão foi implantada em 2011 e, até 2014, foram realizados testes utilizando as aeronaves-laboratório do Grupo Especial de Inspeção em Voo (GEIV).
“Essa etapa entre 2011 e 2014 foi a primeira fase do nosso trabalho, na qual concluímos que o GBAS não poderia ser utilizado no Brasil da mesma forma que é operado no Hemisfério Norte. Nossa missão agora é, por meio dessa cooperação entre Brasil e Estados Unidos, aprofundar as análises para identificar possibilidades que permitam a utilização do GBAS em uma região intertropical”, explicou o Tenente-Coronel Santoro.

Departamento de Ciência e Tecnologia discute objetivos de inovação para a Defesa Nacional


No dia 14 de março, o Departamento de Ciência e Tecnologia (DCT) realizou o "Café da Inovação Tecnológica", evento que reuniu autoridades civis e militares, cujos principais objetivos foram difundir a cultura da Inovação Tecnológica do Exército Brasileiro e os preceitos da Tríplice Hélice da Inovação, em consonância com o Sistema Defesa, Indústria e Academia (SisDIA), além de estabelecer e estreitar contatos com as agendas das demais Forças Armadas, a comunidade acadêmica, o meio empresarial, as agências de fomento e os órgãos de governo.
Participaram do evento o Chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia, General de Exército Juarez Aparecido de Paula Cunha; o Chefe do Estado-Maior da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Raul Botelho; o Secretário Executivo do Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), Marcos Jorge de Lima, e o Secretário de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação, Álvaro Toubes Prata, sendo que este último, com a equipe do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), proferiu a palestra: Ciência, Tecnologia e Inovação para a Defesa Nacional: oportunidades de integração.
A atividade contou, ainda, com a presença de representantes do INMETRO, Agência Espacial Brasileira, SEBRAE, CNI, IPEA e SENAI.
Na oportunidade, o General Juarez salientou a importância da integração entre Defesa, Academia e Indústria, para alcançar os objetivos de Defesa Nacional no tocante à inovação e à tecnologia, o que foi corroborado pelos representantes do MCTIC.

OUTRAS MÍDIAS


GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ


Governador participa de aula inaugural do mestrado profissional do ITA na UFC 

Camilo Santana enfatizou que, desde o início da atual gestão, o Governo do Ceará buscava, de alguma forma, contar com atividade ligada ao ITA no Estado
O governador Camilo Santana esteve presente, na manhã desta sexta-feira (17), em aula inaugural que marcou o início da segunda turma do mestrado profissional MP-Safety do Instituto de Tecnologia da Aeronáutica (ITA) no Ceará. Realizado no auditório do Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Ceará (UFC), no Campus do Pici, o evento reuniu os novos mestrandos em Segurança da Aviação e Aeronavegabilidade Continuada, além de estudantes e professores de cursos de graduação e pós-graduação da UFC.
O mestrado profissional MP-Safety veio ao Ceará no final de 2015, por meio de articulação do Governo do Ceará, através da Secitece em trabalho conjunto com WEB 170317 UFC MG 6128a Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap). A parceria foi firmada entre as instituições ITA e UFC para a realização do curso de pós-graduação na Capital.
Camilo Santana enfatizou que, desde o início da atual gestão, o Governo do Ceará buscava, de alguma forma, contar com atividade ligada ao ITA no Estado. Para a vinda do curso de mestrado, ele destaca que foram investidos em torno de R$ 3,7 milhões.
"Se confunde muitas vezes o ITA com o próprio Estado do Ceará, pela quantidade de alunos cearenses que são aprovados lá em São Paulo. Algo em torno de 30 a 40% dos alunos são cearenses. Então, a gente vinha trabalhando no sentido de trazer o ITA para cá. E conseguimos trazer esse curso de mestrado, um braço do instituto, através do financiamento do Estado e da parceria com a Universidade Federal do Ceará", afirmou o governador.
Para o Governo do Ceará, a realização do mestrado em Segurança da Aviação Aeronavegabilidade Continuada guarda hoje importância estratégica. Isso porque Fortaleza encontra-se entre as capitais que disputam a instalação do hub da Latam no Nordeste. Camilo Santana aproveitou a oportunidade da aula inaugural para lembrar a concessão do Aeroporto Internacional Pinto Martins para a empresa alemã Fraport, que trará R$ 1,4 bilhão de investimentos em estrutura para o terminal cearense, e disse que espera contar com o apoio de profissionais formados pelo curso.
"Há a possibilidade desses alunos contribuírem no processo de modernização do aeroporto. Isso significa apostar no conhecimento, apostar na educação, na formação de profissionais. Essa segunda turma do mestrado passou por um rigoroso processo de seleção, portanto são bem preparados e a formação desses profissionais só eleva o nome do Estado do Ceará", comentou.
Acompanharam o chefe do Executivo o secretário da Ciência, Tecnologia e Educação Superior (Secitece), Inácio Arruda, o chefe do Gabinete do Governador, Élcio Batista, o reitor do ITA, professor Anderson Ribeiro Correia, e o reitor da UFC, professor Henry de Holanda Campos, o presidente da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico, Tarcísio Pequeno, dentre outros representantes das instituições de Ensino Superior. A aula inaugural foi ministrada pelo coordenador do MP-Safety, professor Donizeti de Andrade.

Parceria histórica
A união entre duas tradicionais instituições, Universidade Federal do Ceará e Instituto de Tecnologia da Aeronáutica, é o início de uma parceria que planeja amadurecer-se e construir novos capítulos na educação do Ceará. Segundo o reitor da UFC, Henry de Holanda Campos, o Governo do Ceará - através da Secitece e da Funcap - construiu passo histórico para trazer novos patamares dentro do Ensino Superior, assegurando a presença de profissionais mais capacitados no mercado e contribuindo para o crescimento da economia cearense.
"Esse é o primeiro mestrado profissional do ITA oferecido fora de São José dos Campos, sede do Instituto. Sentimos aqui a universidade pública cumprindo o seu papel de atender e de se antecipar às demandas da sociedade. A UFC tem caminhado à frente, antevendo futuros desdobramentos no processo de desenvolvimento sócio-econômico do Ceará, e dando início à preparação dos profissionais que, em curto ou médio prazos, irão assegurar a sustentabilidade do nosso crescimento", pontuou Campos.
Durante a abertura da aula inaugural, o reitor do ITA, Anderson Ribeiro Correia, revelou que os números expressivos apresentados por alunos cearenses foi fator determinante para que o instituto instalasse um de seus cursos de mestrado em Fortaleza. Hoje, de acordo com o reitor, a concorrência do curso de Engenharia Aeronáutica do ITA é de 164 candidatos por vaga. E, mesmo com tamanha disputa, de 30 a 40% dos alunos em São José dos Campos são cearenses.
"Apesar da procura muito alta pelos cursos no ITA, o Ceará sempre é destaque. Isso mostra o quanto o Estado é uma referência na Educação. Por isso somos hoje parceiros da Universidade Federal do Ceará e esperamos crescer cada vez mais nessas iniciativas com o apoio do Governo Estadual e do Governo Federal", disse Correia.
O ITA perto de casa
Graduado em Direito, o delegado Aristóteles Tavares, de 46 anos, é policial civil há 15 anos. Para buscar mais capacitação dentro da sua área profissional, o atualmente piloto de helicóptero da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) é um dos 32 alunos no curso de mestrado profissional do ITA realizado na UFC. E a felicidade por ter sido aprovado na pós-graduação é tanto pelo sucesso nos exames quanto pela possibilidade de estudar perto de casa. "Esse conhecimento vou poder aplicar dentro da minha atividade no meu Estado. E poder adquiri-lo aqui mesmo na minha cidade, sem precisar ir para São Paulo, torna tudo muito mais prático. A ação do Governo do Ceará foi muito importante para todos que buscam essa área de atuação", expôs Tavares.
Paulo Moisés Carvalho, de 23 anos, compareceu à aula inaugural orientado por um professor seu no curso de Engenharia Civil da UFC. Assim como outros alunos de diversas graduações sediadas no Campus do Pici, ele demonstrou interesse pela presença do ITA dentro da universidade cearense. "É muito importante essa vinda do instituto para cá, porque o ITA é referência do Brasil. O atual curso não é do meu interesse, pois planejo trabalhar em outras áreas. Mas não deixa de trazer ânimo, pois se veio esse mestrado, outros poderão aparecer em breve aqui em Fortaleza".
MP Safety
Em Fortaleza, o MP Safety do ITA oferta duas linhas de pesquisa dentro do mestrado em Segurança da Aviação e Aeronavegabilidade Continuada: Engenharia Aeronáutica e Segurança de Sistemas Aeronáuticos, e Sistemas de Gestão de Segurança de Aviação. Segundo o Instituto, o mestrado profissional pretende atender a demanda latente de pesquisa na área de segurança de voo tanto na aviação civil quanto na militar no Brasil.
O curso de pós-graduação é dividido em três fases. A primeira consiste na oferta de disciplinas obrigatórias e optativas, enquanto a segunda é referente ao estágio profissional em São José dos Campos. Já a terceira e última inclui o desenvolvimento, Exame de Qualificação e Exame de Defesa da Dissertação de Mestrado.

PORTAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA


Foguete brasileiro a etanol passa em testes na Alemanha

Foguete verde
As agências espaciais do Brasil (AEB) e da Alemanha (DLR) deram um passo importante no desenvolvimento de um foguete alimentado por etanol, que as duas entidades chamam de "propulsão verde".
Foram finalizados com êxito na Alemanha os testes de queima do estágio superior do foguete.
"Duas cabeças de injeção com diferentes conceitos foram desenvolvidas em paralelo, a fim de encontrar a tecnologia ótima para a propulsão do futuro foguete germano-brasileiro," explicou Lysan Pfützenreuter, gerente do projeto na DLR.
"Nesta primeira série, alcançamos todos os nossos principais objetivos do teste. Foi realizado com êxito um total de 42 ignições durante um período de 20 dias. Durante estes testes, pudemos analisar de perto, entre outras coisas, o comportamento da ignição e a estabilidade do sistema durante a ignição e o arranque da câmara de empuxo. A partir daí, obtivemos conhecimentos importantes para o desenvolvimento de motores adicionais," acrescentou a engenheira aeroespacial.
Cabeças de injeção
As duas cabeças de injeção diferem na forma como o combustível é aspergido na câmara de combustão e misturado com o oxigênio.
Um dos sistemas foi desenvolvido no Brasil, por engenheiros do Instituto de Aeronáutica e Espaço, e o outro foi desenvolvido na Alemanha pela empresa Airbus Safran Launchers, dentro do projeto SALSA, que visa construir um foguete de propulsão a álcool em substituição aos combustíveis sólidos.
Com os dados dos testes, a equipe agora definirá o melhor projeto de cabeça de injeção para equipar o motor L75, que equipará o foguete brasileiro destinado ao lançamento de pequenos satélites.
Lançador de nanossatélites
A Agência Espacial Brasileira espera abrir mercado para o foguete de pequeno porte com o forte apelo do "combustível verde", além de conseguir atuar no emergente mercado dos nanossatélites.
Além disso, o "novo" combustível poderá reduzir significativamente o custo dos lançamentos espaciais, uma vez que o custo de fabricação, transporte e armazenagem do etanol é significativamente inferior ao da hidrazina, o composto químico mais utilizado nos foguetes de combustível líquido de pequeno e médio portes.
Em 2014, o Brasil lançou com êxito seu primeiro foguete a etanol, mas o VS-30 V13 é projetado apenas para voos suborbitais.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos







Publicidade






Recently Added

Recently Commented