|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 05/10/2016 / "O setor de táxi aéreo brasileiro está morrendo", alertam empresários


"O setor de táxi aéreo brasileiro está morrendo", alertam empresários ...

Sergio Vieira ...

A comissão especial destinada a elaborar o novo Código Brasileiro de Aeronáutica (PLS 258/2016) debateu ontem (4) a forte crise por que passa o setor de táxi aéreo no Brasil.

Fernando Santos, representante do Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA), apresentou números comprovando a brusca queda no movimento, por exemplo, deste tipo de serviço desde 2012 nos aeroportos de Congonhas (São Paulo), Santos Dumont e Galeão (Rio de Janeiro) e JK (Brasília). Segundo ele, a demanda hoje é menos da metade do que era há quatro anos nestes aeroportos, num cenário que se generaliza por todo o país, provocando quebra de empresas e desemprego.

 — Se não houver uma regulamentação mais tranquila pra este setor no novo CBA, a tendência é continuar caindo. Muitas aeronaves já estão sendo mandadas pra fora do país — alertou Antonio Romero, da EMAR Táxi Aéreo, que também relatou um cenário na sua definição "dramático" de desemprego nesta área no Rio de Janeiro.

Uma das medidas mais importantes a serem adotadas, no entender de Romero, é voltar a estimular a ocupação dos hangares nos aeroportos por parte das empresas deste segmento. De acordo com ele isto foi dificultado nos últimos anos devido ao aumento nos valores dos aluguéis. Foram feitos relatos de muitos hangares hoje sendo inutilizados ou ocupados por empresas sem qualquer relação com o transporte aéreo nos mais importantes aeroportos.

Milton Costa, presidente da Associação Brasileira de Táxi Aéreo (ABTAER), também acredita que o novo CBA precisa estabelecer regras claras prevendo punições mais severas ao transporte aéreo clandestino.

— Se isso não ocorrer será a morte deste setor. E o número de acidentes fatais envolvendo o transporte pirata também é maior do que o país imagina — disse Costa. A ABTAER também quer a desregulamentação das operações de táxi aéreo em relação às homologações das pistas de pouso, o que dinamizaria o setor na Amazônia.

Também representando a entidade, o comandante Domingos Afonso cobrou condições isonômicas deste segmento com as grandes empresas aéreas (como a Gol, TAM, Avianca e Azul), retirando o táxi aéreo da classificação de "aviação geral".

— Prestamos um serviço público como previsto na Constituição, e também atuamos como concessionárias — defendeu o comandante, lembrando que esta mudança possibilitará o acesso mais facilitado a incentivos fiscais, isenção de impostos e importações mais baratas de aeronaves e peças, dentre outros benefícios.

O professor de Direito Aeronáutico Nacional e Internacional na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), Georges Ferreira, que assessora o senador José Maranhão (PMDB-PB) na relatoria do novo CBA, garantiu aos participantes que a nova lei abarcará penas duras ao transporte clandestino, dentre outras mudanças.

Também participaram da audiência os representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o superintendente Rodrigo Alencar e do Ministério dos Transportes, Dario Lopes, assessor do ministro Maurício Lessa. Eles manifestaram apoio a uma maior flexibilização à atuação das empresas de táxi aéreo no novo CBA.



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL DEFENSA.COM (Espanha)


El largo vuelo de un Embraer 135BJ Legacy de la Fuerza Aérea del Brasil


El pasado día 29 uno de los aviones de transporte VIP de tipo ejecutivo de la Força Aérea Brasileira (FAP) hizo una corta escala en el aeropuerto de Madrid-Barajas, en el curso de un largo viaje transcontinental entre America y Asia. A bordo del aparato, un Embraer 135BJ Legacy 600 matriculado 2584 se encontraba el ministro de Relaciones Exteriores de Brasil, José Serra, que viajaba entre Brasilia y la distante capital de Israel, la milenaria ciudad de Jerusalén, a fín de representar al Gobierno de Brasil, en el funeral del ex presidente israelí Simon Peres. En dicha ceremonia se homenajeó al último de los “padres fundadores” de Israel en 1948, y sobre todo en términos diplomáticos fue de primer orden por la múltiple presencia de mandatarios, incluido el presidente de los Estados Unidos, Barak Obama.
El Legacy, que en la FAB son designados como VC-99B, había despegado de Brasilia, y gracias a su largo radio de acción pudo ir completando el largo vuelo entre America y Asia, aunque realizando escalas, una primera en Cabo Verde, y la citada en la capital de España, desde donde completó el largo viaje que le llevó a Israel. Actualmente la FAB tiene basados en la parte militar del aeropuerto internacional Presidente Juscelino Kubitschek, sito en las cercanías de Brasilia, un total de seis (matriculados del 2580 al 2585) de estos aparatos, que están asignados al rupo de Transporte Especial (GTE), que tiene como principal misión el transporte VIP del presidente de la República, rimer ministro, y demás miembros de los poderes ejecutivo, legislativo y judicial de Brasil, y altos mandos de las FAS Fuerzas Armadas) de la nación.
El avión ejecutivo Embraer 135RJ Legacy, o Legacy 600, es una evolución del ERJ 135, que está a su vez basado en l ERJ 145, en la que se sacrificó parte de su capacidad de transporte de pasajeros, a fín de poder recorrer mayores distancias. Los Legacy tienen un alcance de unos 5.700 kilómetros, y pueden transportar hasta 15 pasajeros, aunque en el caso de los aparatos VIP de la FAB estarían configurados para llevar ocho, además de los dos tripulantes. (Texto y fotografía: Julio Maíz Sanz)

Brasil ofrecerá 24 Super Tucano a la Fuerza Aérea Argentina, que habría optado incialmente por el T-6C


Javier Bonilla

La visita del presidente brasileño a Buenos Aires apareja entre su objetivos, según algunos medios locales, un claro intento de vender a Argentina 24 unidades del turbohélice brasileño Super Tucano, frente a la opción inicial de Buenos Aires de hacerse con 24 T-6 Texan II, venta que recientemente fuera autorizada por el Congreso de EEUU y que sustituirían progresivamente a los EMB-312 Tucano, que requieren una importante modernización para mantenerse en servicio.
Podría tratarse, según esas versiones, de una iniciativa conjunta, compartida entre el ministerio de Defensa, la Fuerza Aérea y Embraer Defesa & Segurança para hacer frente a la negociación que recientemente diera comienzo en los Estados Unidos, máxime cuando vía FMS ya el Ejército Argentino se dotó de 2 aeronaves Caravan EX (con opción a una tercera) y esa Fuerza también se hizo recientemente de helicópteros AB-206 italianos y un Cessna Citation.
La transacción propuesta por el nuevo mandatario de Brasil, acompañado en la gira por su ministro de Defensa, Raúl Jungmann, involucraría 300 millones de dólares y contaría con financiamiento blando del estatal BNDES (Banco Nacional de Desarrollo). Argentina ya es usuaria del Tucano, modelo que, ante el ocaso del Pucará, últimamente se ha visto con alguna escuadrilla dedicada a funciones COIN, así como de un helicópteros Helibrás en la Gendarmería.
De acuerdo a rotativos locales ,Brasil promete incorporar a Argentina al programa de fabricación de los cazas de origen sueco Gripen NG en Brasil, un acuerdo entre Estocolmo y Brasilia por US$ 5.400 millones firmado en el 2014. Esto podría plantear una cierta reactivación de la fábrica cordobesa FADEA, ya proveedora de Embraer Defesa & Segurança en el KC-390 y abrir la puerta al Gripen en un futuro cercano al mercado argentino.
Muy probablemente, ante la oferta de los turbohélices avanzados brasileños y estadounidenses, máxime cuando el gobierno argentino admite evaluar el reactor de combate KAI FA-50, es previsible también recibir ofrecimientos coreanos por el KT-1, con apoyo de Perú, cuya Fuerza aérea lo ensambla localmente y ya lo ofertó a Paraguay y, tentativamemte a Uruguay, cuya Cámara de Industria Aeronáutica se manifestó atenta a la posibilidad. La relación con las autoridades peruanas, también es para Argentina , Uruguay y Paraguay muy importante por el peso que esta nación ha adquirido en todo aquello que se relaciona con la cuenca del Pacífico. Asismismo, Seúl ha demostrado especial interés en estrechar lazos con los tres países sudamericanos en varias oportunidades.
Por otra parte, como ya lo adelantamos en julio pasado en defensa.com, el Comandante en Jefe de la Fuerza Aérea Uruguaya, Gral. del Aire Alberto Zanelli, ante el hecho de que la Fuerza Aérea Brasileña debe dejar el 50 % de su flota en tierra debido a la actual contingencia económica, ha iniciado gestiones ante su par brasileño para adquirir un lote integrado por los primeros 6 o 7 Súper Tucano, lo cual debería exhibir algún resultado en las próximas semanas, aunque ciertas actitudes diplomáticas uruguayas poco amistosas frente al nuevo gobierno brasileño podría obstaculizar este proceso.
A mediados de los 80 Argentina intercambió con Brasil un lote de más de 20 Tucano por algunas decenas de monomotores Aero Boero para sus aeroclubes, debido a que Cessna y Piper habían dejado de fabricar momentáneamente determinados tipos de aeronaves. Actualmente, la licencia que posee este país para fabricar localmente el Piper Pawnee en versión biplaza, ante la enorme demanda de pilotos agrícolas existente en tierras brasileñas podría ser de interés para su vecino.

PORTAL BBC


"Me diga um país no mundo que não monitore manifestações", diz ministro da Defesa


Marcia Carmo

Para o ministro da Defesa Raul Jungmann, monitorar as manifestações é "necessidade". Em entrevista à BBC Brasil, Jungmann disse que a medida ocorre em vários países e tem o objetivo de "proteger a sociedade, os grupos de manifestantes e também o Estado". "Não é polêmico. É uma necessidade. Me diga um país no mundo que não monitore manifestações", disse o ministro. Ele afirmou ainda que esse monitoramento ocorre, principalmente, pelas redes sociais, porque "estamos todos, para resumir, dentro das redes sociais".

Por ter se dedicado a temas de defesa no Legislativo, o peemedebista foi sugerido ao presidente Michel Temer por comandantes militares, e não foi uma opção partidária para ocupar a pasta. Jungmann falou à BBC Brasil um dia após acompanhar Temer à Argentina e ao Paraguai, onde a segurança na região de fronteira foi um dos assuntos tratados.
Leia abaixo os principais trechos da entrevista.
BBC Brasil - Como o senhor viu o caso daquele capitão do Exército, Willian Pina Botelho, infiltrado em movimentos de protesto contra o presidente Temer?
Raul Jungmann - Esse processo encontra-se em finalização na sindicância feita pelo Exército e aguardo esses resultados para poder me pronunciar a respeito. Até lá, não quero emitir nenhum juízo, não quero prejulgar, mas deixo bem claro que as Forças Armadas estão estritamente dentro dos parâmetros constitucionais ou legais e elas não só dessa vez ou nesse caso, mas elas não excederão e não excedem os limites que lhe são tratados pela lei.
BBC Brasil - Por que isso aconteceu?
Raul Jungmann - O que o Exército faz através da inteligência é o monitoramento de determinadas situações que requeiram a atenção do Poder público. Isso qualquer governo, qualquer país do mundo (faz). As Forças Armadas, por definição, até porque elas podem ser convocadas em caso de necessidade, têm o dever de, em qualquer governo, aqui no Brasil e no exterior, cumprir esse papel. Fazem um papel de monitoramento e acompanhamento para a informação da defesa do país, em conjunto com o sistema brasileiro de inteligência coordenado pelo GSI (Gabinete de Segurança Institucional).

BBC Brasil - O senhor acha que manifestações devem ser monitoradas? Não é polêmico?
Raul Jungmann - Não é polêmico. É uma necessidade. Me diga um país no mundo que não monitore manifestações. Países como Estados Unidos, Inglaterra, França. Me diga um país, um governo do mundo, que não monitore manifestações. Se você me disser, direi que de fato estarei muito surpreso porque é dever do poder público fazê-lo, ou seja, acompanhar. O que ele não pode é exceder os limites da lei. Então o monitoramento hoje é feito, sobretudo, pelas redes sociais. Você faz um acompanhamento em larga medida por meio das redes sociais, porque elas estão em todos os limites, em todos os quadrantes, porque não há esfera da sociabilidade humana hoje, seja econômica, privada ou social, que não se manifeste nas redes sociais. Estamos todos, para resumir, dentro das redes sociais.

Vamos pegar por exemplo as Olimpíadas. Sabíamos que teria uma manifestação. Ora, estávamos dentro de uma GLO, Garantia da Lei e da Ordem, onde é que você vai colocar o efetivo? Você vai esperar que aconteça tudo e que você perca o controle para depois ir atrás do prejuízo? Não é racional isso, em nenhum país democrático do mundo. Isso não existe em nenhum país.
BBC Brasil - Esse monitoramento, no caso de manifestações, pode ser feito com pessoas sem uniforme? Aí o manifestante fica muito vulnerável, o senhor não acha?
Raul Jungmann - Não conheço nenhum tipo de inteligência no mundo onde os agentes estejam uniformizados. Desconheço. Por exemplo, se você vai a um ato público para ouvir, um chamamento, por exemplo, você iria fardado para fazer um serviço de inteligência? Pelo amor de Deus, não existe essa possibilidade.
BBC Brasil - Mas o manifestante não fica muito exposto? Não podem ocorrer então novos casos como o desse capitão?
Raul Jungmann - Com relação a ser infiltrado ou não e os limites da ação dele, tenho que esperar a sindicância. Não posso me antecipar. Apenas digo que, pelo contrário, muitas vezes a atividade de inteligência funciona como a defesa dos próprios militantes e da própria sociedade, que afinal tem que ter suas garantias, que fazem parte da democracia. É uma garantia para a sociedade e é indispensável. Aqui a questão não é se você monitora ou não, é se você o faz dentro do limite da lei.

BBC Brasil - O que diz a lei? Assim como permite o monitoramento na fronteira, permite em protestos, em redes sociais?
Raul Jungmann - A lei permite ao sistema que ele gere informações para a tomada de decisões do governo. Podendo, no caso da inteligência, incluir o monitoramento e o acompanhamento de ações que possam resultar em danos para a sociedade e para o Estado.
BBC Brasil - O senhor diz que no mundo inteiro a pratica de monitoramento é feita e que serve para proteção da própria sociedade. Mas como a sociedade pode se manifestar se há a possibilidade de haver um infiltrado (ao lado)?
Raul Jungmann - Basicamente, a sociedade tem os seus mecanismos de proteção. No nosso caso, tem o Ministério Público, a Justiça, a imprensa, que é absolutamente livre. Quando algum integrante dessas agências, seja da inteligência, seja da defesa, ultrapassa o limite, as defesas da sociedade são acionadas. Você tem os órgãos de direitos humanos, então há uma efetiva capacidade de controle social sobre qualquer excesso que aconteça. O que digo são duas coisas: nenhum governo tem condições de prover a segurança para o conjunto da sociedade e para o Estado se não tiver um sistema de inteligência.
Num regime autoritário não existem os limites, mas num regime democrático o processo de inteligência é literalmente aprovado pelo Congresso Nacional e tem o controle do Congresso. Há uma comissão mista de inteligência do Congresso para acompanhar essas situações. A sociedade tem os mecanismos necessários para coibir excessos, erros e ilegalidades cometidas.
BBC Brasil - O que o senhor consideraria uma ilegalidade?
Raul Jungmann - Qualquer coisa que ultrapasse o limite da lei. Ultrapassar ou desconsiderar a lei, é uma ilegalidade e tem que ser exemplarmente punida.

BBC Brasil - Numa manifestação, as pessoas estão protestando achando que estão ao lado de pessoas que pensam da mesma maneira. Mas pode ter alguém que não seja manifestante. Isso é legal?
Raul Jungmann - Depende. Se isso acontecer em ambientes públicos não se trata, necessariamente, de uma infiltração. Por exemplo, você tem uma chamada para discussão pública, que qualquer cidadão pode comparecer. Alguém assistir a isto não significa que essa pessoa esteja ultrapassando o limite da lei. Alguém acompanhar isso por meio das redes sociais, abertas, ou de reuniões abertas, eventos abertos, sejam presenciais, sejam virtuais, não configura nenhum desrespeito à lei. Ir além, somente com autorização judicial.
BBC Brasil - No caso do capitão, ele deveria ter tido uma autorização judicial para fazer o tipo de participação que fez?
Raul Jungmann - De novo, tenho que esperar o resultado da sindicância.

BBC Brasil - Manifestação é vista como algo perigoso? Ou é porque outras pessoas (de fora do protesto) podem provocar violência?
Raul Jungmann - A manifestação é um direito de uma sociedade democrática. Deve acontecer, precisa acontecer e todo o sistema de inteligência de um país democrático a entende como absolutamente democrática e natural. Nós do Brasil entendemos assim. Você foi muito feliz quando disse que pode haver provocadores, que entram nesse processo com outras intenções, inclusive contrariamente aos interesses daquele grupo que dentro da lei se manifesta, e da própria sociedade. Então o processo de monitoramento tem o objetivo de exatamente proteger a sociedade, aquele grupo de manifestantes e também o Estado.
BBC Brasil - Que tipo de reforço à segurança na região de fronteira está sendo planejado com os países vizinhos?
Raul Jungmann - Esse talvez tenha sido o tema mais recorrente da visita do presidente Temer ao presidente Mauricio Macri e ao presidente (Horacio) Cartes, no Paraguai. Temos zonas produtoras (de drogas) no exterior e um centro de consumo que integra o mercado de tal forma que medidas só de um lado da fronteira não vão resolver o problema.

BBC Brasil - Haveria aumento da segurança, de soldados, na região?
Raul Jungmann - Sobretudo ações conjuntas no âmbito de polícia. E apoio, no nosso caso, das Forças Armadas, que têm um sistema integrado de monitoramento de fronteiras, o Sisfron. Ele está com sua fase inicial sendo desenvolvida no Mato Grosso do Sul. É um sistema de postos, de radares, satélites que visam a ampliar o controle do Brasil sobre suas fronteiras.
BBC Brasil - Uma preocupação com tráfico de drogas, mas também com outras questões.
Raul Jungmann - Contrabando, tráfico de armas, trafico de pessoas e evidentemente a sonegação fiscal. Isso tem que envolver uma ampla gama de agências na região de fronteira que vão desde policiais locais até a Polícia Rodoviária, Polícia Federal, Receita Federal, Inteligência, ou seja a Abin, com o apoio das Forças Armadas.
BBC Brasil - O Brasil se preocupa com o possível reinício de hostilidades entre as Farc e o governo colombiano?
Raul Jungmann - O Brasil acompanha o assunto e vê com preocupação o fato de que o plebiscito tenha sido derrotado. Entendemos que a saída para os conflitos não só regionais, mas sub-regionais, deve ser negociada e o emprego da força (deve ocorrer) só em ultima instância, sabendo que ela deve ser sucedida por um processo de negociação, de um pacto de saída do conflito que leve à paz. De preferência que ele se desse antes do conflito. Então, monitoramos e temos um desejo expresso pelo presidente Temer de que as negociações de paz avancem, sejam destravadas, e que a Colômbia encontre a tranquilidade e segurança que precisa para crescer e se desenvolver.

BBC Brasil - O governo continua monitorando possíveis extremistas no Brasil mesmo após as Olimpíadas? Ou foi apenas durante aquele período?
Raul Jungmann - Não, o monitoramento de extremistas é algo que no mundo contemporâneo tem que ser permanente. Nas Olimpíadas, tivemos a colaboração, inclusive aqui no Brasil, de dezenas de países e seus sistemas e agências de inteligência. E essa colaboração continua. O acompanhamento, o monitoramento, é permanente. Antes e depois dos Jogos Olímpicos.
BBC Brasil - No governo da presidente Dilma telefones foram hackeados, o que gerou distanciamento temporário com os Estados Unidos. Qual cuidado existe hoje para que o telefone do presidente Temer não seja hackeado?
Raul Jungmann - Hoje temos o nosso sistema de criptografia. Ele é nacional, desenvolvido por nós, e temos condições de assegurar a blindagem da comunicação não só do presidente, mas do governo. No fim de 2016 e início de 2017 estará sendo lançado nas Guianas o primeiro satélite geoestacionário brasileiro. Inteiramente desenvolvido pelo Brasil e pela França. É um satélite que vai permitir a segurança, em nível do Estado, das comunicações não só do governo, mas, sobretudo, das comunicações da defesa, das Forças Armadas brasileiras. Neste capitulo, avançamos e estamos bem.
BBC Brasil - O satélite vai proteger as comunicações das Forças Armadas e do governo?
Raul Jungmann - Não. Ele vai fazer, não proteger. As comunicações governamentais e da defesa estarão feitas por um satélite nacional, brasileiro, sob nosso inteiro controle. Além disso, temos uma criptografia verde e amarela, não importada. Lembrando que nas Olimpíadas sofremos quase 1.500 ataques de hackers a vários dos nossos sites, mas não conseguiram penetrar ou derrubar estes sites.
BBC Brasil - O papel das Forças Armadas mudou totalmente, não? Tem o papel tradicional de militarização e ao mesmo tempo de tecnologia...
Raul Jungmann - A tendência natural é que as Forças Armadas acompanhem a caminhada da sociedade. Sobretudo por causa de novas plataformas tecnológicas. As Forças Armadas, não só as nossas, mas de todo o mundo, não poderiam deixar de acompanhar isso. Porque elas ficariam totalmente defasadas.

BBC Brasil - Qual é sua opinião sobre o fato de o Exército ser convocado para a área de segurança pública, como ocorreu no Rio de janeiro?
Raul Jungmann - Em primeiro lugar, a Constituição coloca, como uma das atividades das Forças Armadas, a chamada da garantia da lei e da ordem, que é o seu emprego a pedido de um dos três poderes, e obviamente por determinação do presidente da República. No caso específico dos Estados, (ocorre) quando as forças estaduais são insuficientes e indisponíveis ou inexistentes. Mas esse apoio é por tempo limitado e em local limitado.
Deve-se evitar a banalização das Forças Armadas. As Forças Armadas têm função de defesa do interesse nacional, da soberania, de atuar no caso da defesa civil. As Forças Armadas distribuem água para 4 milhões de nordestinos, coisa pouco sabida. E fazem isso com enorme competência. As Forças Armadas têm que cuidar da fronteira, como já comentamos aqui. E a experiência internacional aponta que o uso continuado das Forças Armadas em ação de polícia não é bom nem para as Forças Armadas que não são treinadas, equipadas, para esse tipo de atividade, e nem para a sociedade. No caso do Rio de Janeiro, há um pedido do governador (Francisco) Dornelles, que se encontra para decisão do presidente da Republica, o que deve acontecer nos próximos dias.
BBC Brasil - Pedido de permanência das Forças Armadas.
Raul Jungmann - Exatamente. Ele pede a permanência. Mas isso é questão que caberá ao senhor presidente.

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Reforma vai alterar regimes especiais de aposentadoria


Edna Simão

A reforma da Previdência Social que será proposta pelo governo Temer pode exigir mudanças nas regras de concessão de aposentadorias e pensões dos regimes especiais não só de professores, policiais civis e militares como também dos parlamentares. Os ajustes devem ser feitos para compatibilizar a idade mínima de aposentadoria e o tempo de contribuição dessas categorias com a que será definida da  reforma, para cujo modelo todos deverão convergir.

O governo pretende fixar a idade mínima de 65 anos de aposentadoria para trabalhadores da iniciativa privada e servidores públicos com equiparação de idade entre homens e mulheres. Além disso, o tempo de contribuição poderá ser reduzido para 25 anos tanto para homens quanto para mulheres. Atualmente, é preciso contribuir 35 e 30 anos, respectivamente, para se aposentar por tempo de contribuição no INSS.

Por enquanto, as discussões tratam de ajustes nas regras para os professores e policiais civis, que contribuem cinco anos a menos do que os outros trabalhadores do INSS. A mudança no regime dos deputados, senadores e seus pensionistas ainda não foi objeto de decisão.

Os senadores e deputados têm dois regimes de aposentadoria, um chamado Instituto de Previdência dos Congressistas (IPC), que foi extinto, e o Plano de Seguridade Social dos Congressistas (PSSC), instituído em 1997. Antes de 1997, era permitida a pensão proporcional, após 8 anos de contribuição e 50 anos de idade, no percentual de 26% do subsídio parlamentar. O salário integral era devido depois de 30 anos de mandato. O grosso das aposentadorias e pensões atuais de parlamentares é pago por esse regime.

Pelo novo modelo, para se aposentar o ex-parlamentar deve ter 60 anos de idade e 35 anos de contribuição, em qualquer regime de previdência. Isso teria que ser ajustado para contemplar a idade mínima de 65 anos. Além disso, se for confirmada a mudança do tempo de contribuição para 25 anos, esse critério também terá que ser alterado para os parlamentares. O valor dos proventos será proporcional ao tempo de mandato exercido e a contribuição ao plano.

No caso da aposentadoria integral, o parlamentar precisa contar, além dos requisitos de idade e tempo de contribuição, com 35 anos de mandato eletivo, efetivamente contribuído ao PSSC. Hoje são pagos 61 benefícios para ex-senadores e 92 benefícios para pensionistas de ex-senadores.

Dentre os senadores da atual legislatura, quatro são aposentados pelo IPC e os benefícios estão suspensos: Jader Barbalho (R$ 13.167,57), Edison Lobão (R$ 17.556,76), Álvaro Dias (R$ 13.167,57) e Raimundo Lira (R$ 8.778,38). Em maio, segundo dados do Senado, a despesa com previdência dos senadores, considerando o antigo IPC e o PSSC, somou R$ 1,039 milhão.

Na Câmara existem 525 deputados aposentados, sendo 479 pelo IPC e 46 pelo PSSC. Há 514 pensionistas de parlamentares, sendo 493 relativos ao IPC e 21 ao PSSC. Em 2015, as despesas totais com aposentadorias de exdeputados somaram R$ 85,520 milhões, sendo R$ 70,411 milhões relativos ao IPC e R$ 15,109 milhões ao PSSC. O valor total pago aos pensionistas foi R$ 46,031 milhões, sendo R$ 42,157 milhões relativos ao IPC.

O Senado e a Câmara não informaram qual é o déficit da previdência dos senadores e deputados. "Não existe um orçamento próprio do IPC e do PSSC,já que não são regimes de capitalização. Os benefícios são pagos com recursos da União, contando com a contribuição previdenciária dos deputados segurados. A Câmara faz a previsão orçamentária dos pagamentos a serem efetuados, assim como acontece com o pagamento dos servidores de modo geral", informou a assessoria da Câmara.

O Senado informou que "não há que se falar em regime de previdência do Senado", pois o que existe é o PSSC, que engloba senadores e deputados. Além disso, os parlamentares podem estar vinculados ao antigo IPC, a regimes próprios de previdência ou ao INSS.

"A previsão e a alocação dos recursos no orçamento são feitas considerando todas as despesas de servidores ativos e inativos, sem segregar dentro dessas categorias valores específicos para efetivos, comissionados ou parlamentares", afirmou a assessoria do Senado.

JORNAL A CRÍTICA (AM)


FCecon e ONGs fazem programação extensa de atividades voltadas à prevenção

A expectativa, segundo ele, é que cerca de 50 atividades sejam desenvolvidas pela FCecon, em parceria com as ONGs de apoio à causa câncer, durante a campanha

A Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), unidade do Governo do Estado, elaborou uma extensa programação para desenvolver neste mês, durante a Campanha Outubro Rosa, que chama a atenção para a importância da prevenção e diagnóstico precoce dos cânceres de mama e colo uterino. Eles são considerados os dois tipos mais prevalentes da doença entre as mulheres na região. Segundo o diretor-presidente da instituição, cirurgião oncológico Marco Antônio Ricci, dezenas de palestras estão confirmadas para o período, com as seguintes temáticas: fatores de risco do câncer, epidemiologia, estratégia de rastreio e detecção do câncer feminino e como preveni-lo.
A expectativa, segundo ele, é que cerca de 50 atividades sejam desenvolvidas pela FCecon, em parceria com as ONGs de apoio à causa câncer, durante a campanha. Ricci explica que o cronograma de atividades é organizado pelo Departamento de Prevenção e Controle do Câncer (DPCC – FCecon) e inclui palestrantes de diversos setores da unidade hospitalar vinculada à Secretaria de Estado da Saúde (Susam), atualmente considerada referência no diagnóstico e tratamento do câncer na Amazônia Ocidental. “Nossa principal missão é fazer com que as mulheres amazonenses insiram na rotina de exames anuais, o preventivo Papanicolau, que deve ser feito a partir do início da vida sexual, e a mamografia, a partir dos 40 anos”, reforçou.
A coordenadora estadual de Atenção Oncológica, enfermeira Marília Muniz, destaca que empresas públicas e privadas têm aderido à campanha, ao longo dos anos, buscando levar informação de qualidade às suas funcionárias e colaboradoras através de parcerias com a Fundação. “Hoje, a unidade hospitalar conta com uma equipe capacitada e com expertise, o que agrega valor às palestras. São médicos, enfermeiros, assistentes sociais, psicólogos e vários outros colaboradores, que buscam orientar as pessoas sobre a detecção de eventuais alterações que podem indicar a presença de um câncer. É importante que elas saibam buscar ajuda nos especialistas adequados, pois quanto mais cedo identificada a doença, maiores as chances de cura”, alertou.
Uma das palestrantes do Outubro Rosa, a chefe do Departamento de Ensino e Pesquisa da FCecon, enfermeira Júlia Mônica Benevides, destaca que, além de alertas a população feminina, um dos principais objetivos das palestras é tornar as participantes multiplicadoras das informações, para que elas levem orientação às suas mães, filhas, irmãs, amigas e colegas de trabalho. “A disseminação da informação, nesse caso, é fator determinante para a procura pela prevenção e ajuda diretamente no reforço da Política de Atenção Oncológica”, ressaltou.
Nesta semana, militares da Aeronáutica e membros do Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (Cindacta IV), foram as escolhidas para receber orientação acerca da campanha. As ações se estendem para escolas, empresas privadas e órgão públicos. Outras atividades, como a "Caminhada das Vitoriosas", dia 26, e uma manhã de beleza para pacientes da FCecon, dia 29, também estão programadas para este mês. Esta última com o propósito de ajudar a resgatar a autoestima das pacientes oncológicas.
Dentro do hospitalar
Profissionais da FCecon também estão inseridos na programação do Outubro Rosa, através da programação interna elaborada pelos setores do hospital. No início da semana, uma iniciativa da chefia do Centro Cirúrgico da unidade hospitalar, levou a médicos, enfermeiros, técnicos e maqueiros, uma aula de ginástica laboral, conduzida pelo professor voluntário Marcos Pereira. De acordo com a coordenadora do setor, enfermeira Shirley Monteiro, a ideia foi proporcionar um momento de lazer aos profissionais da cirurgia, além de promover a prevenção a doenças ocupacionais, já que a base da atividade é alongamento corporal. “Essa modalidade de ginástica também ajuda a combater o estresse, um dos fatores de risco do câncer, comprovadamente”, frisou.

AGÊNCIA BRASIL


Vítima de explosão de bueiro no Rio de Janeiro continua internada


Flávia Villela

A atriz Aline Pais, de 24 anos, que sofreu queimaduras 68% do corpo após a explosão de um bueiro na Avenida Gomes Freire, no Centro, no dia 25 de setembro, continua em estado grave no Hospital da Força Aérea do Galeão, na Ilha do Governador, zona norte do Rio. Segundo boletim médico, ela apresentou melhora, mas continua respirando com ajuda de aparelhos e está sedada.
Além de Aline, sete pessoas ficaram feridas na explosão, entre elas o namorado que estava com ela e teve 18% do corpo queimado. Um inquérito foi instaurado na 5ª Delegacia de Polícia, no centro, para apurar as circunstâncias do acidente.
O Procon Estadual autuou a companhia de energia elétrica Light, que atende a cidade do Rio e outros municípios no estado,responsável pelo bueiro que explodiu, sob o argumento de que falhas na segurança da prestação do serviço acontecem há muito tempo e vêm colocando os consumidores em risco. A Light tem 15 dias úteis para apresentar sua defesa.
De acordo com o Procon, a concessionária terá que informar as causas do acidente, se foi prestado atendimento aos feridos e se a manutenção periódica nas instalações subterrâneas vem sendo realizada. Se o prazo não for cumprido ou os argumentos apresentados não forem aceitos, a empresa será multada em até R$ 9 milhões.
O Procon argumentou na autuação que “as falhas na segurança na prestação do serviço ocorrem há muito tempo e vêm colocando os consumidores em risco”. Segundo nota divulgada pelo Procon, “no mês passado outros três bueiros da Light, um no Centro e dois no Leblon, explodiram”. A assessoria da Light informou que a empresa ainda está dentro do prazo para apresentar os devidos esclarecimentos e que vem prestando toda a assistência aos feridos no acidente.

Rio suspenderá atendimento para emissão de Carteira de Trabalho


Flávia Villela

A Secretaria de Estado de Trabalho e Renda (Setrab) do Rio de Janeiro anunciou hoje (4) que suspenderá, temporariamente, o atendimento para emissão de Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS), a partir do dia 9 até receber as carteiras manuais e que seja expedida normativa do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) sobre o assunto. Os postos do Sistema Nacional de Empregos (Sine-RJ) do Estado do Rio de Janeiro e do Rio Poupa Tempo atenderão todos os agendamentos já realizados.

O governo federal suspendeu o modelo de agendamento eletrônico, implantando em 2015, que vem apresentando problemas e gerando atrasos na emissão. O MTE deu prazo de 30 dias para que a Secretaria de Políticas Públicas de Emprego (SPPE), responsável pelo sistema Sine, solucione as falhas do sistema digital de emissão de carteiras de trabalho. O governo federal liberou 1,5 milhão de documentos, que estão sendo distribuídos pela Força Aérea Brasileira (FAB) em todo o país. O ministério garantiu que, a partir de amanhã (5), cada estado terá disponível a quantidade necessária de carteiras para atender a demanda local. Para o Rio de Janeiro serão enviadas 26 mil carteiras.
O sistema de emissão do documento digital foi lançado em maio de 2008 e o agendamento eletrônico, em 2015.

AGÊNCIA SENADO


"O setor de táxi aéreo brasileiro está morrendo", alertam empresários


Sergio Vieira

A comissão especial destinada a elaborar o novo Código Brasileiro de Aeronáutica (PLS 258/2016) debateu hoje (4) a forte crise por que passa o setor de táxi aéreo no Brasil.
Fernando Santos, representante do Sindicato Nacional das Empresas de Táxi Aéreo (SNETA), apresentou números comprovando a brusca queda no movimento, por exemplo, deste tipo de serviço desde 2012 nos aeroportos de Congonhas (São Paulo), Santos Dumont e Galeão (Rio de Janeiro) e JK (Brasília). Segundo ele, a demanda hoje é menos da metade do que era há quatro anos nestes aeroportos, num cenário que se generaliza por todo o país, provocando quebra de empresas e desemprego. — Se não houver uma regulamentação mais tranquila pra este setor no novo CBA, a tendência é continuar caindo. Muitas aeronaves já estão sendo mandadas pra fora do país — alertou Antonio Romero, da EMAR Táxi Aéreo, que também relatou um cenário na sua definição "dramático" de desemprego nesta área no Rio de Janeiro.
Uma das medidas mais importantes a serem adotadas, no entender de Romero, é voltar a estimular a ocupação dos hangares nos aeroportos por parte das empresas deste segmento. De acordo com ele isto foi dificultado nos últimos anos devido ao aumento nos valores dos aluguéis. Foram feitos relatos de muitos hangares hoje sendo inutilizados ou ocupados por empresas sem qualquer relação com o transporte aéreo nos mais importantes aeroportos.
Milton Costa, presidente da Associação Brasileira de Táxi Aéreo (ABTAER), também acredita que o novo CBA precisa estabelecer regras claras prevendo punições mais severas ao transporte aéreo clandestino.
— Se isso não ocorrer será a morte deste setor. E o número de acidentes fatais envolvendo o transporte pirata também é maior do que o país imagina — disse Costa. A ABTAER também quer a desregulamentação das operações de táxi aéreo em relação às homologações das pistas de pouso, o que dinamizaria o setor na Amazônia.
Também representando a entidade, o comandante Domingos Afonso cobrou condições isonômicas deste segmento com as grandes empresas aéreas (como a Gol, TAM, Avianca e Azul), retirando o táxi aéreo da classificação de "aviação geral".
— Prestamos um serviço público como previsto na Constituição, e também atuamos como concessionárias — defendeu o comandante, lembrando que esta mudança possibilitará o acesso mais facilitado a incentivos fiscais, isenção de impostos e importações mais baratas de aeronaves e peças, dentre outros benefícios.
O professor de Direito Aeronáutico Nacional e Internacional na Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO), Georges Ferreira, que assessora o senador José Maranhão (PMDB-PB) na relatoria do novo CBA, garantiu aos participantes que a nova lei abarcará penas duras ao transporte clandestino, dentre outras mudanças.
Também participaram da audiência os representantes da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), o superintendente Rodrigo Alencar e do Ministério dos Transportes, Dario Lopes, assessor do ministro Maurício Lessa. Eles manifestaram apoio a uma maior flexibilização à atuação das empresas de táxi aéreo no novo CBA.

Vencedores do concurso de redação do projeto Jovem Senador serão conhecidos nesta quarta


Serão divulgados nesta quarta-feira (5) os nomes dos 27 finalistas do concurso nacional de redação do Projeto Jovem Senador 2016. Os 27 estudantes viajarão a Brasília, no período de 28 de novembro a 3 de dezembro, para atuar como jovens senadores, com direito de propor projetos de lei.
Organizado anualmente pela Secretaria-Geral da Mesa, Secretaria de Comunicação Social e Consultoria Legislativa do Senado, o programa tem por objetivo estimular os estudantes do ensino médio de escolas públicas dos estados e do Distrito Federal a refletirem sobre política, democracia e exercício da cidadania.
Nessa última etapa do programa, uma comissão julgadora analisou 81 redações, três de cada unidade da Federação, escolheu as finalistas e classificou as três primeiras colocadas. Antes, coube às secretarias estaduais de Educação a definição dos três melhores textos de cada unidade da Federação. O tema deste ano foi “Esporte: educação e inclusão”.
Participaram da comissão julgadora servidores do Senado e de instituições parceiras, como Marinha, Exército e Aeronáutica. Entre os critérios de avaliação, estavam a abordagem do tema proposto, objetividade, originalidade e organização dos argumentos.
De acordo com a servidora Maria José Bezerra da Silva, do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB), a maioria das redações destacou o esporte como uma oportunidade de crescimento e de inclusão social. — Eles falaram muito a respeito dos nossos medalhistas [Olimpíadas 2016] e da questão da pobreza, do fato de esses medalhistas terem saído de classes menos favorecidas. Também disseram que o esporte, apesar de trazer inclusão e ser homogêneo, tem uma presença muito pequena no interior do país — relatou Maria José.
A primeira-tenente da Marinha Ana Carolina Freitas, também integrante da comissão, considerou o nível das redações surpreendente. Segundo ela, os textos trouxeram argumentos fortes, vocabulário rico e fatos históricos. — Acho esse concurso fantástico porque abre as portas do Poder Legislativo para alunos que talvez não entendam como o Congresso funciona. É uma forma do Senado estar mais próximo do cidadão e dessa juventude ter mais consciência política — ressaltou.
O servidor do Senado Daniel de Souza Pinto disse que algumas redações destacaram o papel do legislador na transformação do esporte em elemento de inclusão. — Conseguimos ver referências da importância de o legislador criar normas e leis que contribuam para o desenvolvimento do esporte no país, ampliando os benefícios relacionados a ele - disse.
Para o consultor legislativo do Senado André Luiz de Faria Leite, mesmo com alguns erros, as redações têm qualidade. — Deu vontade até de chamar esses candidatos para mostrar algumas coisas pequenas para melhorar os textos. É falta de prática. De modo geral, [o resultado] é positivo, há redações muito boas. Eles merecem ter chegado a essa etapa.
Na avaliação no primeiro-sargento da Aeronáutica Rogério Braga Bandeira, as redações no geral buscam as mesmas soluções: o esporte como inclusão, como parte da educação. Para ele, o projeto também fomenta a escrita. — A gente vê a dificuldade das pessoas para escrever, mesmo aquelas que já são formadas. Incentivar essa prática é importante, principalmente no ensino público - afirmou.
Próxima etapa
Em 28 de novembro, os 27 finalistas chegarão a Brasília com passagens, hospedagem e alimentação garantidas para exercerem o mandato de senador por uma semana, participando de reuniões nas comissões e sessões do Plenário. Eles receberão um notebook, medalha e certificado de participação. Os estudantes serão acompanhados pelos professores orientadores das redações.
Os professores participarão de curso presencial sobre a atividade legislativa, organizado e ministrado pelo Instituto Legislativo Brasileiro. Com esse treinamento, pretende-se que os professores sejam os multiplicadores do Projeto Jovem Senador em seus estados.
Mais informações sobre o programa estão disponíveis em www.senado.leg.br/jovemsenador.

Empresários de táxi aéreo defendem Código Brasileiro de Aeronáutica mais flexível


Quanto mais flexível for o novo Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA) mais a sociedade vai ganhar com o aumento da oferta e melhores preços para o transporte aéreo. A opinião foi manifestada por participantes de audiência pública interativa no Senado que discutiu nesta terça-feira (4) a situação do táxi aéreo no Brasil. Para o senador Paulo Rocha (PT-PA) um dos grandes desafios da nova legislação é considerar as desigualdades regionais do país. A reportagem é de Floriano Filho, da Rádio Senado.

PORTAL BRASIL


Brasil é o mais votado para compor grupo de organização de aviação civil

País recebeu votos de 167 dos 170 países presentes na reunião da Organização de Aviação Civil Internacional. Escolha preserva a influência brasileira nos principais temas da organização

O Brasil foi eleito para compor novamente o Grupo I do Conselho da Organização de Aviação Civil Internacional (OACI) no triênio 2017-2019. A votação ocorreu durante a 39ª Assembleia da OACI, em Montreal (Canadá), e o Brasil foi o país mais votado na ocasião, recebendo votos de 167 dos 170 países presentes.
O Grupo I do conselho reúne os 11 países mais importantes da aviação civil internacional e inclui, entre outros, França, Estados Unidos, Reino Unido, China e Alemanha. A escolha do Brasil durante a Assembleia assegura a continuidade do país no corpo executivo da OACI e preserva a capacidade de influência brasileira nos principais temas da aviação civil internacional.
O país, que é um dos membros-fundadores da organização, tem sido sucessivamente eleito para ocupar o Grupo I do Conselho. Além disso, dispõe de uma Delegação Permanente junto ao Conselho da OACI, subordinada ao Ministério das Relações Exteriores (MRE) e assessorada tecnicamente pela Anac e pelo Comando da Aeronáutica. A Anac é o principal órgão técnico responsável pelo desenvolvimento das Standard and Recommended Practices (Sarps), práticas que balizam a atuação das autoridades de aviação civil em todo o mundo.
A 39ª Assembleia da OACI teve início em 27 de setembro e segue até 7 de outubro. A reunião representa o poder soberano da OACI e é convocada a cada três anos pelo Conselho da Organização.
O objetivo é estipular diretrizes a serem seguidas pela OACI no triênio seguinte, decidir sobre matérias encaminhadas pelo conselho, revisar trabalhos técnicos, legais, econômicos e administrativos da organização, entre outros.
Durante a assembleia, a Anac ficou responsável por apresentar oito working papers, documentos de trabalho que apresentam análise de determinado assunto e que propõem ações que devem ser avaliadas pela assembleia.
Se aprovadas pelos Estados, esses papers se tornam decisões que farão parte do plano de trabalho da organização. Entre os temas apresentados estão A mechanism of economic incentives for quality of service at international airports in Brazil e The effect of service quality regulation on Brazil’s airport infrastructure.
Acordo entre Brasil e Europa
Também durante a assembleia, a Anac assinou um acordo com a autoridade de aviação civil europeia, a EASA, o Termo de Referência do Comitê Conjunto. O documento prevê as regras de procedimentos no âmbito do acordo sobre a Segurança da Aviação Civil - firmado entre o Brasil e a União Europeia, o Bilateral Aviation Safety Agreement (BASA).
O documento foi assinado pelo Diretor Presidente da Anac, José Ricardo Pataro Botelho, e pelo Diretor-Geral para Aviação e Assuntos de Transporte Internacional da Comissão Europeia e chefe do departamento de segurança operacional da European Aviation Safety Agency (EASA), Filip Cornelis.
Aviação civil internacional
A OACI é a agência especializada das Nações Unidas responsável pela promoção do desenvolvimento seguro e ordenado da aviação civil mundial. Trata-se da principal organização governamental de aviação civil do mundo.
Como membro-fundador, o Brasil tem participado ativamente nas discussões e elaboração das regras que tratam de aspectos técnicos e operacionais da aviação civil internacional, como, por exemplo, segurança, licença de pessoal, operação de aeronaves, aeródromos, serviços de tráfego aéreo, investigação de acidentes e meio ambiente.
Formada por 191 Estados-Contratantes, a organização atua por meio do estabelecimento de normas e regulamentos necessários para a segurança, eficiência e regularidade aéreas, bem como para a proteção ambiental da aviação.
O Conselho da OACI, órgão executivo da Organização formado por 36 Estados, é responsável pela execução do plano de trabalho e pela aprovação de normas técnicas.
No Grupo II encontram-se os Estados que oferecem contribuição significativa à navegação aérea internacional.
O Grupo III, por sua vez, é composto por Estados menos relevantes, mas que garantem representação geográfica.
Leia mais sobre a 39ª Assembleia da OACI aqui.

OUTRAS MÍDIAS


Ribeiro Preto online (SP)


Réplica do Gripen NG, caça de última geração, está em exposição no RibeirãoShopping

Os apaixonados pela aviação podem desfrutar da nova atração do RibeirãoShopping. O Gripen NG, futuro caça da Força Aérea Brasileira (FAB), está em exposição pela primeira vez na região, na Praça de Eventos A, na oitava expansão do empreendimento, entre os dias 4 e 15 de outubro. A aeronave é uma réplica em tamanho real feita de fibra de vidro, madeira e metal. A visitação é gratuita.
Os visitantes têm a oportunidade de conhecer e interagir com a aeronave. O painel pode ser ligado e permite visualizar algumas das funcionalidades da aeronave multitarefa. Além disso, os protótipos dos armamentos, utilizados no Gripen, como o míssil A-Darter, também estão expostos. Quem tiver interesse, pode ainda entrar no cockpit e se sentir como um verdadeiro piloto de caça. O ingresso para visitar o cockpit é um quilo de alimento não perecível que deve ser trocado no local do evento. Os alimentos arrecadados serão doados a uma instituição de caridade.
Além de conhecer mais detalhes sobre a aeronave, os visitantes também contam com a presença de militares para tirar dúvidas sobre a Força Aérea e obter informações para ingressar na área.
Ao lado do Gripen NG há ainda uma exposição sobre a história da Passaredo Linhas Aéreas, com aproximadamente 15 fotos, miniaturas, maquetes e objetos.
Sobre o caça - O Gripen NG, da fabricante sueca Saab, é um caça de última geração que atenderá às necessidades operacionais da Força Aérea Brasileira (FAB) para os próximos 30 anos. A compra de 36 aeronaves, anunciada no final de 2013, faz parte do Projeto FX-2 do Programa de Articulação e Equipamento da Defesa. Os primeiros modelos do caça devem chegar ao Brasil a partir de 2019 para fazer parte do sistema de defesa aérea do país. Será a primeira vez que o Brasil receberá caças supersônicos novos desde a chegada dos F-5, em 1975.
Serviço: exposição da réplica da aeronave Gripen NG
Período: 4 a 15 de outubro de 2016
Local: oitava expansão
Horário: segunda a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 12h às 20h
Visitação gratuita
 Exposição sobre a história da Passaredo Linhas Aéreas
Período: 4 a 15 de outubro de 2016
Local: oitava expansão
Horário: segunda a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 12h às 20h
Visitação gratuita

PORTAL MAXPRESS (SP)


Academia de Força Aérea de Pirassununga terá fim de semana esportivo em novembro

Six Hours os Bike e Triathlon Ninho das Águias são as atrações nos dias 19 e 20
A pista de pouso da Academia da Força Aérea em Pirassununga, no interior paulista, receberá, no mesmo final de semana de novembro, dois grandes eventos. No sábado, dia 19 de novembro, será realizado o Six Hours of Bike Speed Race Day, prova de ciclismo de fundo, para solo, duplas e quartetos. Já no domingo dia 20, será a vez da segunda etapa do Triathlon Ninho das Águias, com distâncias olímpicas - 1,5 km de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida. As duas competições são da Cia de Eventos, empresa responsável por provas como o Triathlon Long Distance e a Ultramaratona de Revezamento Maresias-Bertioga, entre outros.
"Estamos trazendo dois novos eventos para o calendário esportivo. Uma prova de ciclismo de fundo e a segunda edição de um triatlo olímpico, aproveitando a excelente estrutura da Academia da Força Aérea em Pirassununga, palco de diversas competições. A qualidade do asfalto da pista de pouso é incrível e permitirá que os atletas possam fazer um ciclismo, nos dois eventos, de muita qualidade", explica Célio Balieiro, diretor-geral da Cia de Eventos.
As inscrições para ambas estão abertas e poderão ser feitas até o dia 11 de novembro. As confirmações podem ser feitas no site oficial, www.ciadeeventosinscricoes.com.br, com opções e preços para cada categoria e descontos para confirmações feitas com antecedência. Há ainda toda a explicação para a política de benefício de 50% de desconto para corredores acima de 60 anos.
O Six Hours of Bike Speed Race Day é uma competição de seis horas de ciclismo de estrada, podendo ser disputada em três categorias - Solo, Duplas e Quartetos. Ela oferece um percurso inédito, de cerca de 12 km, na pista de pouso da Academia, que estará fechada e garantirá total segurança para os participantes.
A programação começará às 12 horas, com a entrega de kits até as 15h30. Das 15h às 15h30, será a vez do reconhecimento do percurso, com largada prevista para as 16h. O término será às 22h, quando serão conhecidos os primeiros vencedores. A premiação será no dia seguinte, às 10h30, em frente ao ginásio.
Triatlo
O triatlo já faz parte da história da Academia da Força Aérea de Pirassununga, tendo sediado inúmeras etapas do Triathlon Long Distance. Pois agora é a vez da triatlo olímpico, que reunirá, pela segunda vez, alguns dos principais nomes do país. O Triathlon Ninho das Águias acontecera no dia 20, com 1,5 km de natação, 40 km de ciclismo e 10 km de corrida. Haverá também a categoria Revezamento, com dois ou três atletas.
A programação oficial prevê a abertura da Transição às 6h45, com fechamento da mesma às 8h20. A largada da primeira bateria será às 8h30, com premiação marcada para as 11h.
Na etapa de abertura, em agosto, a prova teve como padrinhos os irmãos britânicos Alistair e Jonathan Brownlee, ouro e prata nos Jogos Olímpicos Rio 2016, respectivamente. Eles treinaram para os Jogos Olímpicos em Pirassununga e deram a largada da primeira prova do Triathlon Ninho das Águias.
O Six Hours do Bike Speed Race Day e o Triathlon Ninho das Águias têm realização e promoção da Cia de Eventos, com apoio de Água Frescal e Academia de Força Aérea de Pirassununga.
Mais informações no site www.ciadeeventos.com.br
Consultoria de Comunicação da Cia de Eventos:
MBraga Comunicação - Marcelo Eduardo Braga - MTb18324
Fones: (11) 98266-6086(T) - Nextel: (11) 94782-1214 - ID 35*25*86378
E-mail: mbragacom@mbragacom.com.br



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented