|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 15/08/2016 / A-10 - Decisão dos EUA ajudaria Super Tucano

Imagem

A-10 - Decisão dos EUA ajudaria Super Tucano ...


Autoridades americanas podem tirar de circulação o A-10 e abrir caminho para que aviões fabricados no Brasil surjam como substitutos ...

Roberto Godoy ...

O avião é feio, tão feio que ficou bonito – o A-10 da Força Aérea americana adota arrojadas soluções de engenharia para cumprir sua missão de ataque a alvos no solo. As duas imensas turbinas montadas fora do conjunto principal, na seção traseira, só perdem para o principal sistema de armas do grande jato.

A rigor, o A-10 foi desenhado em torno do maior canhão embarcado de sua classe: o GAU-8 Vingador, é um gigante de 300 quilos, 6 metros de comprimento e 7 canos rotativos de 30 mm. A arma é um metro mais comprida que um sedã Mercedes Benz S/500L, um dos maiores do catálogo da fabricante alemã.

Com uma vasta lista de admiradores e volumosa ficha de sucesso em combate, o “Javali”, o “Relâmpago” (dois de seus apelidos), da USAF, ficou velho, entrou em operação em 1977 e pode ser desativado ao longo dos próximos seis anos, saindo do campo de batalha em 2022. Ou, bem diferente disso, ter a vida útil estendida até 2040. Em qualquer das duas vertentes, a notícia é boa para a indústria aeronáutica do Brasil.

O influente senador republicano John McCain, da Comissão das Forças Armadas do Senado, quer que a desmobilização comece em 2017 no âmbito de um corte de despesas da aviação militar da ordem de US$ 4 bilhões. Mas há um fator complicador.

“O A-10 é muito bom no que faz”, diz o ex-piloto ‘Bock’ Martin, lembrando que nas duas guerras do Iraque, em 1991 e 2003, “foram cumpridos mais de 4 mil ataques com os Javalis – o índice de êxitos foi superior a 94%, um recorde – fica difícil tirar do ar um recurso eficiente assim”. O problema é que o A-10 não tem sucessor claro. A solução mais prática para o problema, de acordo com os consultores do Pentágono, é submeter a um amplo programa de modernização um certo número da frota pronta para uso, cerca de 290 unidades – 160 delas compondo esquadrões em permanente mobilização.

Esse conjunto permaneceria engajado nas tarefas mais pesadas. As missões mais leves caberiam a uma outra aeronave, a ser selecionada. E é aí que o brasileiro A-29 Super Tucano, da Embraer, pode se dar bem.

Considerado o melhor de sua classe em produção no mundo, com uso regular em 16 países contra insurgentes e no trabalho de apoio aproximado da tropa em terra, o A-29 leva a vantagem de já ter sido escolhido uma vez pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos e de já estar sendo fabricado em território americano. Mais do que isso: o avião brasileiro é citado nos EUA em todos os principais estudos a respeito da troca do A-10 como opção para atender ao segundo viés do empreendimento, o do “ataque leve em território hostil de baixo risco”.

O contrato afegão, de US$ 428 milhões, cobre 20 aviões repassados para o Afeganistão. Os primeiros oito desse lote já foram entregues e estão sendo empregados para atingir alvos do Taleban, da Al-Qaeda e do Estado Islâmico. A linha de produção fica em Jacksonville, na Flórida. É dessa facilidade industrial, mantida em associação com o grupo local Sierra Nevada, que sairão outros seis Super Tucanos comprados em novembro de 2015 pelo Líbano. O valor do negócio não foi revelado, mas é estimado em cerca de US$ 110 milhões.

A operação do A-10 é cara e vai continuar assim mesmo depois de um eventual processo de revitalização eletrônica, de célula e de motorização. Uma hora de voo do Javali sai por US$ 11,5 mil contra US$ 1 mil do A-29 – se a comparação for com os custos do novo e futurista F-35 Lightning, a cifra bate nos US$ 35 mil. O preço unitário varia de US$ 12 milhões a US$ 14 milhões. Ágil, veloz (600 km/hora) e equipado com sofisticados recursos eletrônicos, o A-29 pode receber até 1,5 toneladas de cada vez de 150 diferentes configurações de armamento e acumula 35 mil horas de voo de combate.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL CONSULTOR JURÍDICO


Forças Armadas não violam Constituição ao exigir que candidato esteja em forma


A exigência de que candidatos às Forças Armadas estejam em forma não viola a Constituição, pois atende aos princípios do interesse social e da eficiência na Administração Pública. Com esse entendimento, a 2ª Turma do Tribunal Regional Federal da 5ª Região derrubou liminar que havia obrigado as Forças Armadas a manter em processo seletivo de admissão um candidato reprovado em inspeção médica por excesso de peso.
O candidato, que pesa 119 quilos e tem 1,75 metro de altura, acionou a Justiça após ser eliminado da seleção e chegou a obter liminar em primeira instância. Mas a Advocacia-Geral da União recorreu ao TRF-5 alegando que a exigência de proporção adequada entre peso e altura visa à qualidade do serviço público, já que tem como objetivo assegurar que os selecionados terão capacidade de fazer os treinamentos e serviços típicos das atividades militares, que em geral exigem melhores condições físicas do que as profissões civis.
Além disso, o órgão apontou que a Lei 6.880/1980 prevê, em seu artigo 11, que um dos critérios para ingresso nas carreiras militares seja a capacidade física. Os advogados públicos também argumentaram que o critério de seleção estava devidamente previsto no edital e foi aceito pelos candidatos que optaram por participar da seleção. Segundo a AGU, se o autor da ação não concordava com as normas do processo seletivo, deveria ter contestado elas antes da seleção, e não após, quando foi reprovado.
“Esse questionamento prévio é muito melhor para a administração pública, porque facilita qualquer alteração e o lançamento do edital com as novas regras, evitando esse tumulto”, explica o advogado da União Bartolomeu Bastos, que atuou no caso.
Privilégio descabido
Ainda de acordo com os advogados da União, permitir que o candidato seguisse no processo seria dar a ele um tratamento privilegiado, em afronta ao princípio da isonomia, já que os demais concorrentes tiveram que se submeter normalmente às normas do edital.
A AGU também alertou que os recursos públicos eventualmente gastos com a remuneração e o treinamento do candidato não poderiam ser recuperados posteriormente — o que caracterizava o risco de dano reverso caso a liminar fosse mantida — se no julgamento definitivo prevalecesse o entendimento de que a eliminação do candidato foi correta. A 2ª Turma do TRF-5 acolheu os argumentos da AGU e suspendeu a liminar concedida anteriormente. Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.
Processo 0801749-81.2016.4.05.0000

PORTAL G-1


Polícia detona objeto explosivo achado em aeroporto de GO, diz Bope

Segundo tenente do Bope, equipes da PM e da PF realizaram explosão. Infraero informou que Aeroporto Santa Genoveva funciona normalmente.

Vanessa Martins Do G1 Go

Os esquadrões antibombas do Batalhão de Operações Especiais (Bope) da Polícia Militar (PM) e da Polícia Federal (PF) realizaram explosão controlada de um artefato explosivo encontrado na entrada do Aeroporto Santa Genoveva, em Goiânia, neste domingo (14), segundo o tenente do Bope Márcio Nogueira. Conforme o policial, o local teve parte da entrada isolada durante o final da manhã, mas manteve funcionamento normal e ninguém se feriu.
“Um artefato explosivo de baixo potencial ofensivo foi deixado no local nesta manhã. Tomamos todas as providências do protocolo de segurança, isolando parte da entrada [do Aeroporto]. O objeto já estava na área externa e foi levado para um local isolado onde foi feita a detonação controlada. Aparentemente, o explosivo era pólvora negra que é de baixo poder ofensivo e usada em foguetes e fogos de artifício, ao que tudo indica, mas só pericia da PF pode dizer com certeza”, disse o tenente em entrevista ao G1.
A assessoria de imprensa da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero) informou ao G1 por telefone que o aeroporto continuou funcionando normalmente mesmo durante a atuação das polícias. Somente a área pública, onde há circulação de carros, ficou interditada entre 8h10 e 11h40. O fluxo de pessoas foi redirecionado e não houve pânico. Ainda conforme a assessoria, não houve qualquer impacto nos voos.
O G1 tenta contato com a assessoria de imprensa da PF em Goiânia por meio de ligações, feitas às 16h32, 16h40, 16h50 e 17h30 que não foram atendidas, e por email que também não foi respondido até a publicação desta reportagem.
Ainda conforme o tenente, a PF deve tomar conta das investigações a respeito do artefato e de quem deixou o objeto no local. Segundo Nogueira, a corporação também deve realizar uma perícia para identificar quais substâncias foram usadas no objeto.

Incêndio atinge área de mata próximo da pista do aeroporto de Palmas

Queimada foi controlada e não prejudicou pousos e decolagens. Outro foco atingiu área da região norte da cidade, próximo de shopping.

Do G1 To

Dois incêndios foram combatidos pelo Corpo de Bombeiros neste domingo (14) no perímetro urbano de Palmas. Segundo a corporação, durante a manhã, o fogo atingiu a mata que fica próximo da pista de pouso do Aeroporto Brigadeiro Lysias Rodrigues, na região sul.
Foram deslocadas equipes dos batalhões do centro e de Taquaralto. As chamas foram controladas rapidamente e o funcionamento do aeroporto não foi afetado.
Durante a tarde, uma queimada foi registrada na região norte, próximo de um shopping da capital.
Um vídeo feito pelo jornalista Edson Castro mostra uma grande quantidade de fumaça envolvendo os prédios da região. O Corpo de Bombeiros deslocou uma equipe para fazer o combate e monitorar o local. O fogo já foi controlado.
Fumaça
Na última semana, a capital ficou debaixo de nuvens de fumaça durante a quinta-feira (11) e sexta-feira (12). Foram registrados incêndios no Parque Cesamar e no distrito de Taquaruçu.
Recentemente, o Corpo de Bombeiros precisou fazer uma força tarefa para combater as queimadas na Serra do Lajeado. A operação impediu que pequenos proprietários tivessem as lavouras queimadas.

Grupo é detido após ser flagrado soltando balões em São Roque

Onze pessoas, entre elas um adolescente, foram abordadas pela PM. Fabricar ou transportar balões é crime com pena de 3 anos de prisão.

Do G1 Sorocaba E Jundiaí

ImagemOnze pessoas foram detidas após serem flagradas soltando balões, na manhã deste domingo (14), em São Roque (SP). De acordo com informações da Polícia Militar, os suspeitos foram encontrados pela equipe após denúncia em uma estrada que dá acesso à rodovia Engenheiro Renê Benedito Silva, entre os bairros Volta Grande e São João Novo.
Ainda segundo a polícia, oito homens e duas mulheres foram detidos, e um adolescente apreendido.
Um balão que o grupo ia soltar acabou queimado, mas outro foi apreendido. A ocorrência foi apresentada na delegacia de São Roque. Fabricar, vender, transportar ou soltar balões é crime ambiental, com pena de um a três anos de prisão, além de multa.

Após fim de semana em Porto Alegre, Dilma embarca de volta para Brasília

Avião da FAB decolou pouco antes das 16h da Base Aérea de Canoas. Dilma chegou a Porto Alegre no sábado e andou de bicicleta neste domingo.

Do G1 Rs

A presidente afastada Dilma Rousseff retornou na tarde deste domingo (14) para Brasília, após ter passado o final de semana com familiares em Porto Alegre. O avião da Força Aérea Brasileira (FAB) que está à disposição de Dilma decolou pouco antes das 16h na Base Aérea de Canoas, na Região Metropolitana.
Dilma chegou a Porto Alegre ainda no sábado (13), por volta do meio-dia, após deixar Brasília às 9h. À tarde, ela visitou a casa do ex-marido Carlos Araújo, também no bairro Assunção.
Na manhã deste domingo (14), a presidente afastada aproveitou o clima ensolarado para andar de bicicleta pelas ruas da capital gaúcha. Pela manhã, ela deixou a residência que possui no bairro Assunção, na Zona Sul, e seguiu acompanhada de seguranças até a Usina do Gasômetro, na Região Central da cidade.
Julgamento do impeachment
Na quarta-feira (10), a presidente afastada virou ré no processo do impeachment após votação no Senado Federal. Na sexta-feira (12), a petista foi que o julgamento final do processo de impeachment começará às 9h do dia 25 de agosto. A data foi definida pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, que comandará o julgamento.

JORNAL EXTRA


Polêmicas afastaram patrocínios de Arthur Nory: "Mesmo sem, vim para dar o meu melhor"


Marjoriê Cristine

Aos 22, o estreante Arthur Nory venceu as polêmicas em relação a um episódio de racismo, em 2015, e deixou de ser apenas um coadjuvante na ginástica para brilhar no solo e ganhar a sua primeira medalha olímpica, um bronze. Mas os erros do passado recente ainda refletem na vida de Nory. Mesmo com um pedido de desculpas público para o também ginasta Angelo Assunção, o atleta lida com a aversão dos patrocinadores, que não esquecem o ocorrido.
Imagem— Todos cometem erros. Eu cometi, mas realmente me arrependi. Sofri muito e me arrependo até hoje, porque estou sem patrocínio, nada. Foi uma fatalidade, o perdão do meu amigo eu já tive. Mesmo sem patrocinador, vim para dar o meu melhor. Vim para fazer o que sonhei a vida inteira, com o que amo. Agora, é comemorar com as pessoas que estão do meu lado, e acreditaram em mim desde o começo — diz.
Atleta da aeronáutica, Nory só recebe a ajuda de custo da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG) e o Bolsa Pódio, que ele ainda não sabe se irá manter.
— Nunca tive patrocinador. Sou atleta da Aeronáutica e recebo Bolsa Pódio. Ainda não sei se acaba ou se continua, não me passaram nada — diz o medalhista.

JORNAL CORREIO BRAZILIENSE


A saúde que chega pelos ares


Jane Godoy Coluna 360graus

Desde que esta coluna chegou aos leitores pela primeira vez, em 6 de abril de 2003, deixamos bem claro que ela serviria para “louvar o que bem merece e deixar o que é ruim de lado”, parafraseando a música de Gilberto Gil.
Por isso hoje, com o maior orgulho e satisfação, queremos “louvar o que bem merece” e espalhar aos quatro cantos desta cidade e do país um trabalho maravilhoso que, infelizmente, muitos brasileiros desconhecem.
Senhoras e senhores, lhes apresento hoje, com a maior alegria, a nossa Força Aérea Brasileira e o seu trabalho na árdua missão de salvar vidas. Buscamos, então, para ilustrar com propriedade esse nobre trabalho, o parecer da própria Aeronáutica:
Imagem“O transporte de órgãos realizado pela Força Aérea Brasileira (FAB) é motivo de orgulho. Ajudar a salvar uma vida alenta o coração, traz sentido à jornada e é combustível não só para a realização profissional, mas também pessoal. As missões de transporte de órgãos acontecem há anos. Somente entre 2013 e 2015, foram 68 órgãos transportados pela FAB.
Desde a publicação do Decreto Presidencial n° 8.783, de 6 de junho de 2016, a FAB realizou 31 missões de transporte de órgãos.
Em paralelo, a Força Aérea continua a exercer diariamente outra atividade prevista no Acordo de Cooperação Técnica assinado em dezembro de 2013 entre a FAB e o Ministério da Saúde: proporcionar facilidades e priorizar o tráfego aéreo de aeronaves relacionado ao transporte de órgãos.
Aeronaves de matrículas civis que estejam no espaço aéreo brasileiro em quaisquer situações nas quais vidas humanas possam ser salvas têm todo o apoio dos profissionais de controle de tráfego para tornar seus voos mais curtos. Apenas em 2015, 3,8 mil voos comerciais transportaram órgãos para serem transplantados, todos com o apoio do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), órgão da Força Aérea Brasileira.”
Para quem não sabe, a Aeronáutica sempre teve missões de UTI aérea, assim como as importantes missões de transporte de órgãos, contando com aeronaves disponíveis em cada região do Brasil e não somente em Brasília, como muita gente pensa. O decreto presidencial determinando que a Força Aérea Brasileira (FAB) “mantivesse um avião em solo, para qualquer chamado de transplante de órgãos”, veio reforçar o firme propósito de dar a população a assistência tão necessária e tão sonhada, fazendo com que o número de doações de órgãos aumentasse em seis vezes, assim como o aproveitamento e a destinação deles. Todos sabem que órgãos doados têm um prazo de poucas horas para serem aproveitados e, caso isso não aconteça em tempo hábil, precisam ser descartados e, infelizmente, um paciente que há tanto tempo esperava por isso vê sua chance de cura adiada.
Informações nos dão conta de que o que motivou a elaboração desse decreto foi uma reportagem veiculada na imprensa que revelou a incrível soma de 153 órgãos que foram perdidos por falta de transporte adequado, antes utilizado por meio de 716 requisições de transporte de ministros, presidentes do Supremo, da Câmara e do Senado.
Finalmente, vemos que, além de seu papel de defensor do espaço aéreo brasileiro, bem como de tantas outras missões de igual importância e peso, que sabemos incontáveis, a nossa gloriosa Força Aérea Brasileira está agora cumprindo, de forma oficial, um dos mais nobres papéis: contribuir para salvar vidas, por meio da utilização de suas potentes aeronaves, como o C-97 Brasília e o Learjet U 35 ou o Bandeirante C-95 no transporte de órgãos, cujo uso de cada um depende do tempo e da distância de onde deverão ser recolhidos e para onde deverão ser transportados esses órgãos. Dos lugares mais remotos até aos grandes centros, onde pacientes e suas famílias esperam, com ansiedade, pela chegada daquele órgão que poderá salvar a sua vida.
Resta-nos, cidadãos comuns, nos sentirmos honrados e nos alegrarmos com a certeza de podermos contar com a ajuda de pilotos e aeronaves da FAB, em cada região do Brasil, sempre prontos a levar muito mais do que órgãos doados: a transportar esperança e a certeza de que dias melhores virão.
Aí, sim: nos dá orgulho de sermos brasileiros!

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Decisão dos EUA ajudaria Super Tucano

Autoridades americanas podem tirar de circulação o A-10 e abrir caminho para que aviões fabricados no Brasil surjam como substitutos

Roberto Godoy

O avião é feio, tão feio que ficou bonito – o A-10 da Força Aérea americana adota arrojadas soluções de engenharia para cumprir sua missão de ataque a alvos no solo. As duas imensas turbinas montadas fora do conjunto principal, na seção traseira, só perdem para o principal sistema de armas do grande jato.
ImagemA rigor, o A-10 foi desenhado em torno do maior canhão embarcado de sua classe: o GAU-8 Vingador, é um gigante de 300 quilos, 6 metros de comprimento e 7 canos rotativos de 30 mm. A arma é um metro mais comprida que um sedã Mercedes Benz S/500L, um dos maiores do catálogo da fabricante alemã.
Com uma vasta lista de admiradores e volumosa ficha de sucesso em combate, o “Javali”, o “Relâmpago” (dois de seus apelidos), da USAF, ficou velho, entrou em operação em 1977 e pode ser desativado ao longo dos próximos seis anos, saindo do campo de batalha em 2022. Ou, bem diferente disso, ter a vida útil estendida até 2040. Em qualquer das duas vertentes, a notícia é boa para a indústria aeronáutica do Brasil.
O influente senador republicano John McCain, da Comissão das Forças Armadas do Senado, quer que a desmobilização comece em 2017 no âmbito de um corte de despesas da aviação militar da ordem de US$ 4 bilhões. Mas há um fator complicador.
“O A-10 é muito bom no que faz”, diz o ex-piloto ‘Bock’ Martin, lembrando que nas duas guerras do Iraque, em 1991 e 2003, “foram cumpridos mais de 4 mil ataques com os Javalis – o índice de êxitos foi superior a 94%, um recorde – fica difícil tirar do ar um recurso eficiente assim”. O problema é que o A-10 não tem sucessor claro. A solução mais prática para o problema, de acordo com os consultores do Pentágono, é submeter a um amplo programa de modernização um certo número da frota pronta para uso, cerca de 290 unidades – 160 delas compondo esquadrões em permanente mobilização.
Esse conjunto permaneceria engajado nas tarefas mais pesadas. As missões mais leves caberiam a uma outra aeronave, a ser selecionada. E é aí que o brasileiro A-29 Super Tucano, da Embraer, pode se dar bem.
Considerado o melhor de sua classe em produção no mundo, com uso regular em 16 países contra insurgentes e no trabalho de apoio aproximado da tropa em terra, o A-29 leva a vantagem de já ter sido escolhido uma vez pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos e de já estar sendo fabricado em território americano. Mais do que isso: o avião brasileiro é citado nos EUA em todos os principais estudos a respeito da troca do A-10 como opção para atender ao segundo viés do empreendimento, o do “ataque leve em território hostil de baixo risco”.
O contrato afegão, de US$ 428 milhões, cobre 20 aviões repassados para o Afeganistão. Os primeiros oito desse lote já foram entregues e estão sendo empregados para atingir alvos do Taleban, da Al-Qaeda e do Estado Islâmico. A linha de produção fica em Jacksonville, na Flórida. É dessa facilidade industrial, mantida em associação com o grupo local Sierra Nevada, que sairão outros seis Super Tucanos comprados em novembro de 2015 pelo Líbano. O valor do negócio não foi revelado, mas é estimado em cerca de US$ 110 milhões.
A operação do A-10 é cara e vai continuar assim mesmo depois de um eventual processo de revitalização eletrônica, de célula e de motorização. Uma hora de voo do Javali sai por US$ 11,5 mil contra US$ 1 mil do A-29 – se a comparação for com os custos do novo e futurista F-35 Lightning, a cifra bate nos US$ 35 mil. O preço unitário varia de US$ 12 milhões a US$ 14 milhões. Ágil, veloz (600 km/hora) e equipado com sofisticados recursos eletrônicos, o A-29 pode receber até 1,5 toneladas de cada vez de 150 diferentes configurações de armamento e acumula 35 mil horas de voo de combate.

Apreensão de droga de "Breaking Bad" cresce 254%, diz PF

Quantidade de metanfetamina apreendida em Cumbica já ultrapassa total de 2015

Luiz Fernando Toledo

A apreensão de metanfetamina no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, uma das principais portas de entrada da droga no País, saltou 254% no primeiro semestre deste ano. Até junho, segundo a Polícia Federal (PF), os policiais haviam encontrado 78,6 quilos da substância, ante 22,2 quilos no mesmo período de 2015. O valor também já ultrapassa todo o ano de 2015, quando foram apreendidos 57,2 quilos.
A metanfetamina brasileira é diferente da que ficou conhecida na série americana Breaking Bad. Ao contrário dos EUA, onde a substância é apresentada no formato de cristais e pode ser fumada ou aspirada, aqui ela é vendida em comprimidos.
Em maio deste ano, a Receita Federal fez a maior apreensão de metanfetamina achada com um único passageiro no aeroporto. A equipe de fiscalização de bagagem da alfândega de Guarulhos encontrou 11 quilos da droga, escondidos em fundo falso e em duas mochilas trazidas por um brasileiro vindo da Europa. Foi a segunda grande apreensão no ano em Cumbica – em abril, um traficante foi pego com 8 quilos no aeroporto.
“Percebemos até que já existe um desvio da rota em razão das apreensões. Temos informações de que a droga tem sido apreendida no Recife e em Porto Alegre”, disse ao Estado o delegado-chefe da delegacia especial da PF em Guarulhos, Marcelo Ivo de Carvalho. “Aprimoramos os controles e temos um trabalho mais intenso em relação à interdição desse entorpecente. Mas é difícil dizer se houve uma maior procura”, declarou.
De acordo com ele, a maior parte da droga vem do exterior. “Às vezes, uma mesma "mula" (que carrega as drogas) faz duas operações: envia a cocaína para o exterior e, na volta, traz uma substância sintética para o Brasil. É uma forma de ganhar mais dinheiro”, explicou o delegado. Em um dos flagrantes, segundo o policial, a “mula” recebeu R$ 50 mil pelo serviço.
O Brasil também é produtor, em menor escala, do entorpecente. A metanfetamina, segundo especialistas, é uma das drogas mais fáceis de serem sintetizadas pelos bandidos. “Dá para fazer em qualquer laboratório clandestino. Mas, ao mesmo tempo, a molécula acaba sendo mais nociva, aumentando o risco de desencadear transtornos de pânico e ansiedade”, diz a psicóloga e pesquisadora do Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) Clarice Madruga.
A pesquisadora afirma que, hoje, é praticamente impossível identificar o que são as drogas usadas no País sem ajuda de um laboratório. “São todas vendidas como se fossem LSD ou ecstasy, que já viraram nome genérico para um grupo quase infinito de drogas.”
Clarice alerta que os usuários as consomem sem saber exatamente o que estão tomando. As versões mais disponíveis e baratas, diz ela, são quase invariavelmente mais nocivas. “A maioria dessas drogas tem, além do efeito psicodélico procurado, um efeito estimulante muito forte. Requerem muito do cérebro e trazem mais sequelas a curto e a longo prazo. Podem afetar demasiadamente a memória e aumentar as chances de desencadear transtornos de ansiedade e depressão permanentes.”
"Tradicionais". No Estado, a maior quantidade de apreensões feitas pelos federais está concentrada nas drogas sintéticas tradicionais. Só no ano passado, a PF apreendeu 381,5 mil comprimidos de ecstasy, 248 frascos de lança-perfume e 4,3 mil selos de LSD. Mas o avanço dessas substâncias “pirateadas” ou das drogas mais baratas que simulam as tradicionais preocupa a PF. Ela já apreendeu em Cumbica porções de 25I-NBOMe, em diferentes variações, 25C-NBOME e etilona.
O diretor do Departamento de Narcóticos (Denarc) da Polícia Civil de São Paulo, Ruy Ferraz Fontes, diz que substâncias como o NBOMe têm surgido em pequena escala. “Mas o público é outro. Os traficantes estão atingindo um mercado que não existia. Muitas vezes desenvolvem essas fórmulas no exterior, e os traficantes tentam copiar aqui”, disse.
Ele destaca que esse tipo de substância, diferentemente das drogas convencionais, é vendida pela internet. “Estamos monitorando esse comércio há pelo menos dois meses”, afirmou o diretor do Denarc.
Paraná: anfetamina.O Estado do Paraná concentrou 70% de toda a anfetamina apreendida pela Polícia Federal no País no ano passado. Segundo os dados do levantamento da corporação, foram 629,7 mil unidades encontradas no Estado, de um total de 894,5 mil no ano. Goiás aparece em seguida, com 126,3 mil unidades.
Apesar do crescimento das substâncias sintéticas, as drogas mais apreendidas continuam sendo maconha e cocaína, considerando todos os Estados do País. No ano passado, a Polícia Federal apreendeu 270 toneladas de maconha, um recorde em toda a série histórica desde 2005, quando 142 toneladas chegaram a ser apreendidas.
No caso da erva, a distribuição ocorre em todos os Estados, mas São Paulo lidera a lista, com 83,4 toneladas apreendidas pela PF. Já a cocaína teve apreensão de 27,2 toneladas no ano passado, quantidade superior ao que foi apreendido em 2005 – 17,5 toneladas. A droga se concentrou nos Estados de São Paulo (7,6 toneladas) e Mato Grosso do Sul (3,2 toneladas).

PORTAL UOL


Ginástica brasileira tem dia histórico: Diego e Nory levam medalhas no solo


Fábio Aleixo Do Uol, No Rio De Janeiro

A ginástica brasileira teve um dia histórico neste domingo. Na Arena Olímpica do Rio, Diego Hypolito - 30 anos - e Arthur Nory, 22, escreveram um capítulo especial para a modalidade no Brasil. Com ótimas apresentações na final individual do solo, Diego superou traumas das duas últimas edições dos Jogos Olímpicos para ficar com a prata, e Nory, atleta da nova geração, completou a festa com um bronze. Eles só ficaram atrás do britânico Max Whitlock, medalhista de ouro.
A medalha de Diego foi a primeira do Brasil na Rio-2016 que não conquistada por um militar. Já tinham subido ao pódio Felipe Wu (prata no tiro) e os judocas Rafaela Silva (ouro), Mayra Aguiar (bronze) e Rafael Silva (bronze), todos integrantes das Forças Armadas do Brasil, assim como Nory, que é da Aeronáutica.
A disputa
Empurrado pelos torcedores que encheram a Arena , Diego Hypolito fez uma apresentação com um bom grau de dificuldade. Sem erros, conseguiu passar segurança para os juízes, mas não conquistou a nota que esperava: tirou 15,533, pontuação considerada alta. No entanto, assim que saiu seu resultado, o telão conseguiu capturar ele falando para Marcos Goto, seu técnico, que a nota era baixa.
O que ele não imaginava é que o favorito, o japonês Kenzo Shirai, faria uma apresentação irregular, com alguns erros, e que essa nota seria responsável por consagrá-lo com uma prata olímpica.
"Isso é fruto do trabalho deles, Diego treinou muito para essa final. Eles fizeram a parte deles. Nosso país está de parabéns, nossos atletas estão de parabéns. Diego provou para muita gente, que, com muito trabalho e muito sacrifício, você consegue ser medalhista olímpico. Se trabalha duro, o resultado é medalha", disse Marcos Goto, técnico de Diego, à TV Globo.
Arthur Nory, outro brasileiro na final do solo individual, também teve um bom desempenho, e completou a festa com uma medalha de bronze. Com uma apresentação cravada, levantou o público presente e conquistou um 15,433.
Diego espanta fantasma
Com uma apresentação segura, sem cometer erros, Diego espantou um fantasma que o perseguia na últimas duas edições de Jogos Olímpicos: as quedas na apresentação do solo.
Em Pequim-2008, após se passar em primeiro lugar na classificatória do solo, Diego foi para a sua primeira decisão olímpica com chances de ganhar a primeira medalha da história da ginástica para o Brasil. Uma queda sentado, no entanto, o deixou apenas em sexto lugar na decisão.
Quatro anos depois, em Londres-2012, outra queda, dessa vez de frente, ainda na fase classificatória. Assim, Diego não conseguiu nem mesmo chegar à final.

Brasil e Uruguai trabalham em 1ª aeroporto de uso binacional da A.Latina


Montevidéu, 14 ago (EFE).- Brasil e Uruguai estão avançando na ativação do primeiro aeroporto de uso binacional da América Latina, que se encontra na cidade uruguaia de Rivera, na fronteira com o estado brasileiro do Rio Grande do Sul, disse neste domingo à Agência Efe o vice-ministro de Turismo uruguaio, Benjamín Liberoff.
Liberoff explicou que na última quinta-feira ocorreu um encontro de autoridades de alto nível de ambos os países, no qual foi acordado trabalhar sobre seis eixos principais, entre os quais se destacam a ativação de um terminal aéreo de uso binacional que incorpore um projeto geral de desenvolvimento regional nos dois lados da fronteira.
O vice-ministro uruguaio detalhou que nesse projeto há outras unidades de negócios e "múltiplos aspectos de reivindicações locais" dos dois países, como educação, saúde, esporte, e desenvolvimento produtivo, aos quais foram acrescentados três pontos técnicos que têm a ver com a parte operacional do aeroporto.
Nesse sentido, o vice-ministro detalhou que tanto os representantes uruguaios como os brasileiros estipularam o projeto de um roteiro, no qual pretendem trabalhar esses eixos, que serão apresentados em uma nova reunião na segunda quinzena de outubro.
"Este é um trabalho que vem se desenvolvendo há vários anos. Este exercício seria importante para um modelo que não existe na América Latina de um aeroporto de uso binacional", assegurou o vice-ministro uruguaio.
Além disso, Liberoff avaliou que o turismo é um dos eixos de desenvolvimento desta atividade, já que o início das operações deste aeroporto pode impulsionar o setor.
O vice-ministro também lembrou a reativação da rota entre Montevidéu e Porto Alegre pela companhia aérea brasileira Azul, por isso afirmou que as autoridades dos dois países "estão pensando" em uma possível escala no aeroporto Oscar Gestido, em Rivera.
Finalmente, Liberoff disse que o Uruguai "está disposto" a instrumentalizar as medidas necessárias com a parte meteorológica e com a unidade dos bombeiros, para seguir com a possível ativação do terminal aéreo binacional.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Continência deixa de ser gesto comum aos militares no pódio


Italo Nogueira Do Rio

Os atletas militares foram os responsáveis pelas quatro medalhas do Brasil nesta primeira semana da Olimpíada. No pódio, porém, nem todos prestaram continência.
O comportamento na Olimpíada difere do apresentado no Pan de 2015, quando chamou a atenção o gesto no pódio feito por quase todos que integram as Forças Armadas.
São 145 esportistas militares na delegação do Brasil (31%). O número superou a meta Programa de Alto Rendimento do Ministério da Defesa, que previa cem atletas das Forças Armadas no evento. O objetivo é que o contingente consiga dez medalhas.
Fazem parte dos quadros do Exército o atirado Felipe Wu e o judoca Rafael Silva —ambos prestaram continência no pódio. As judocas Rafaela Silva e Mayra Aguiar fazem parte da Marinha -elas não fizeram o gesto. No Pan de Toronto, todos realizaram o cumprimento militar.
"Antes no judô não podia ter manifestação, nem o sinal da cruz. Para não correr o risco de perder a medalha, mantive minha mão no lugar", disse Rafaela Silva, ouro na categoria leve (até 57 kg).
O COI proíbe manifestações políticas e religiosas nos Jogos. O gesto é um sinal de respeito, na avaliação de militares e do COB.

OUTRAS MÍDIAS


CORREIO DO BRASIL (RJ)


Exército brasileiro proíbe militares de jogar Pokémon Go em quartéis

Para jogar Pokémon Go, faz-se necessário dar permissão ao aplicativo para usar a câmera, GPS, microfone e até dispositivos USB que estiverem conectados ao aparelho
Por Redação, com Aloísio Morais (Jornalistas Livres) – do Rio de Janeiro
Por medida de segurança, o Exército está proibindo o Pokémon Go em suas organizações militares, confirmando as informações de que o brinquedo espiona por meio de fotos os locais onde se instala. Conforme especialistas, o aplicativo funciona como uma verdadeira máquina de coleta de dados ao armazenar informações “exatas e detalhadas” sobre cada movimento do usuário.
Semana passada, por exemplo, o chefe do 1º Depósito de Suprimento do Quartel em Triagem, Zona Norte do Rio de Janeiro, tenente coronel Allan Ares Pedrosa Pinto, baixou ordem de serviço sobre “Aplicativos para Smartphone”, proibindo, “terminantemente”, qualquer indivíduo de utilizar seu smartphone para jogos de entretenimento no interior da organização militar. “A guarnição de serviço deve estar permanentemente atenta em função dos riscos decorrentes do emprego destes aplicativos no interior do 1º DSup”, alertou.
Imagem“Atenção especial deve ser dada a um jogo recentemente lançado com o nome de Pokémon Go” observou. “Para jogar Pokémon Go, faz-se necessário dar permissão ao aplicativo para usar a câmera, GPS, microfone e até dispositivos USB que estiverem conectados ao aparelho. Ao aceitar a permissão, o celular encontra três pokemons de imediato. Em seguida, o aplicativo tira uma foto do local, incluindo as coordenadas e ângulo do smartphone, registrando o ambiente onde se encontra o usuário. Desta forma, pontos sensíveis da organização militar (OM) serão revelados, num flagrante atentado à segurança”, finalizou o militar.
Pokémon espião
O Pokémon Go foi criado pelo norte-americano John Hanke, fundador da empresa Keyhole, Inc, um projeto de mapeamento de superfícies comprado pelo Google e usado para fazer o Google Maps/Earth e Street View. Hanke é o responsável pela equipe que dirigiu o maior escândalo de privacidade na Internet, em que carros do Google, no percurso realizado para fotografar ruas para o Street View dos mapas online da empresa, copiou secretamente os tráficos de internet de redes domésticas, coletando senhas, mensagens de e-mail, prontuários médicos, informações financeiras, além de arquivos de áudio e vídeo.
A Keyhole foi patrocinada pela empresa In-Q-Tel, fundada pela CIA em 1999, conforme pode ser comprovado no site da empresa. Desta forma, indiretamente, a CIA poderia ter acesso a todos os mapas mas não conseguia entrar dentro das casas. Então surgiu o Pokemon Go, que, para jogar, é necessário dar permissão para o aplicativo usar câmera, GPS, microfone e até os dispositivos USB que estiverem conectados ao smartphone. Ao dar permissão, o celular acha três pokemons por perto de imediato, e, ao procurar pokemons dentro de casa, permite que o aplicativo faça uma foto da sala de casa, por exemplo, incluindo as coordenadas e o ângulo do celular do usuário. Desta forma, são registradas fotos do ambiente onde o dono do celular mora, dando acesso ao aplicativo.
Geralmente, ninguém lê os termos de aceitação para usar o jogo, e lá está bem claro: “Nós cooperamos com agências do governo e companhias privadas. Podemos revelar qualquer informação a seu respeito ou dos seus filhos…” E o parágrafo 6 não deixa dúvidas sobre a espionagem: “Nosso programa não permite a opção “Do not track” (Não me espie”) do seu navegador. Portanto, está aberto um campo fértil para qualquer paranoia.
Risco evidente
Não é à toa que a comissária para a privacidade no estado alemão de Schleswig-Holstein, Marit Hansen, lançou um alerta sobre o Pokémon Go. Em entrevista ao jornal alemão Handelsblatt, publicada no último dia 5, ela afirmou que o jogo armazena dados “exatos e detalhados” de cada movimento dos usuários pelas ruas. “É uma máquina gigante de coleta de dados”, afirmou, observando que o aplicativo de realidade aumentada, além de espionar, também pode condicionar o comportamento do consumidor.
A Niantic, empresa da Califórnia que ajudou a desenvolver o jogo, colocou à disposição uma ferramenta de marketing para “deliberadamente orientar ” os usuários do jogo aos chamados ‘Pokestops’ em estabelecimentos comerciais. “O Pokémon Go é o ponto de partida para uma nova era de controle total”, afirmou o editor-adjunto do Handeslblatt, Thomas Tuma. “Os monstrinhos são os cavalos de Troia com os quais a indústria da internet abre o caminho para nossas cabeças e nossas carteiras”, acrescentou.
Por essas e outras, o governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, determinou que o departamento correcional proibisse que os cerca de 3 mil criminosos sexuais do estado usem o Pokémon Go. O site da Niantic alerta que os usuários do Pokémon Go não podem ter menos de 13 anos para jogar.

A TRIBUNA (SP)


Balão solar coloca Polo Industrial de Cubatão em alerta

Objeto voador sobrevoou a região durante este domingo, mobilizando equipes
Um balão solar de aproximadamente 20 metros de altura e 10 metros diâmetro, que sobrevoou Cubatão neste domingo (14), colocou o Polo Industrial em alerta. Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil foram mobilizadas e monitoraram o objeto voador para determinar a provável rota de queda. No final da tarde, ele já não era mais visto pelas empresas do polo.
ImagemO balão, procedente do planalto, chegou ao céu da região por volta das 7 horas. Moradores da cidade acionaram as equipes de emergência, que imediatamente começaram a acompanhar a trajetória dele. Por volta das 10 horas, ele estava sobre a Refinaria Presidente Bernardes (RPBC), da Petrobras.
Os brigadistas da RPBC permaneciam de prontidão para evitar que o objeto, ao cair, ocasionasse um incêndio na instalação. Durante pouco mais de 2 horas, devido à falta de vento na região, o balão permaneceu pairando sobre a refinaria, onde se concentraram as demais equipes de emergência.
Os bombeiros realizaram o monitoramento com o apoio de um drone (aeronave não tripulada controlada remotamente). De acordo com o integrante da Defesa Civil, Márcio Félix, descobriu-se que tratava-se de um balão solar, que não possui chama interna. Mesmo assim, oferece riscos às instalações.
Por volta das 13 horas, o vento soprou em direção ao continente, movendo o balão para a Serra do Mar e o fazendo subir dos 300 metros em que estava para cerca de 700 metros de altura. A preocupação foi alterada: ele atingia ali a rota de aviões que chegam do Rio de Janeiro a São Paulo, colocando o Controle de Tráfego Aéreo em alerta.
Durante toda a tarde, nenhum incidente foi registrado. A preocupação era com um eventual sinistro, tanto em região de vegetação da Serra, como na área urbana, onde estão o polo e a região portuária de Santos.
Por volta das 17h30, a Reportagem conversou com o Corpo de Bombeiros, em Cubatão, que informou que o balão não era mais visto pelas empresas do polo industrial. A expectativa é de que o objeto tenha caído ou se afastado da região.
*Com informações de Manuel Alves Fernandes

OREPORTER.COM


Prata de Diego Hypolito é a primeira medalha de um civil para o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016

Ralph Guichard
RIO DE JANEIRO (OREPORTER.COM) - Além de ter ficado com o segundo lugar na competição do solo, o ginasta Diego Hypolito atingiu uma nova marca neste domingo (14). A medalha do atleta foi a primeira de um civil para o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Ele treina atualmente no ASA-São Bernardo do Campo.
Antes da ginástica, o Brasil já havia conquistado uma medalha de ouro e duas de bronze no judô, com Rafaela Silva e Mayra Aguiar, da Marinha, e Rafel Silva, o Baby, do Exército, além de uma prata no tiro esportivo, com o terceiro sargento do Exército Felipe Wu.
Na mesma prova em que Diego Hypolito foi prata, o brasileiro Arthur Nory terminou em terceiro e levou o bronze. Ele, no entanto, também é militar: terceiro sargento da Aeronáutica.

BLASTINGNEWS (SUIÇA)


"Taxado de racista", Arthur Nory ganha bronze e bate continência na Olimpíada

Ginasta brasileiro surpreendeu a todos ao ficar com terceiro lugar no solo.
Neste domingo, o ginasta Arthur Nory deu exemplo nos jogos olímpicos do Rio de Janeiro. Ele se superou a um episódio polêmico do passado, quando chegou a ser taxado de racista. Em 2015, quando ainda usava Mariano como sobrenome, Arthur gravou um vídeo brincando com o então único ginasta negro da seleção brasileira masculina, Angelo Assumpção. Ele chegou a dizer que o saco preto era o de lixo e o branco para supermercado. Outras piadas foram feitas no mesmo sentido. Na ocasião, o esportista classificou a piada de infeliz, mas não foi tão bem recebido. Até hoje, ele é muito criticado por conta do momento infeliz.
ImagemQuis o destino que apenas um ano depois Nory ou Mariano desse resposta ao público. Ao disputar a prova final da ginasta ao lado do grande ídolo, Diego Hypólito, ele acabou saindo-se bem e ficando com o bronze. Diego também fez sua melhor marca em uma Olimpíada, ficando com a prata. O momento foi de extrema emoção. No pódio, ele era só sorrisos. Essa é a primeira vez que o Brasil vence duas medalhas na mesma modalidade na ginástica.
Um gesto feito pelo atleta que veste a camisa verde e amarela chamou a atenção dos brasileiros, que acompanhavam tudo na frente da televisão. Arthur bateu continência enquanto a bandeira era erguida para um estádio entusiasmado. Para quem não sabia, ele é sargento das Forças Armadas. O gesto foi comemorado oficialmente pela página da instituição no Facebook. O órgão agradeceu pelo fato da sexta medalha do país na competição ter sua influência. Diego não é atleta pela entidade. Por isso, não fez qualquer tipo de gesto no pódio.
Rafaela Silva, único ouro até agora, também é atleta militar. Ela treina com o auxílio da Marinha. O Comitê Olímpico Internacional chegou a ameaçar tirar medalgas de quem fizesse qualquer gesto considerado político, mas acabou evitando qualquer problema com o Brasil. Apesar disso, com medo de ficar sem a medalha mais importante da carreira, Rafaela não fez a famosa saudação dos militares, mas disse que tem orgulho da instituição. #Rio2016 #Ginastica

VIATROLEBUS.COM (SP)


Aeroporto de Guarulhos deixará de ter balizadores

Caio Lobo
O Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, irá concluir até final do ano a instalação de um novo sistema eletrônico que fará o serviço dos balizadores, ou os mais conhecidos “flanelinhas”.
O programa conhecido como VDGS, ou sistema avançado de docagem visual, usa sensores para reconhecer a posição da aeronave na vaga.
Quando ela começa a ser estacionada, o painel localizado na ponta dianteira da vaga emite sinais para indicar ao piloto as manobras necessárias. Segundo a GRU Airport, concessionária do aeroporto, as vantagens da tecnologia são precisão e segurança.
O novo sistema avisa com precisão os pilotos quantos metros faltam até a parada. Outro ponto positivo é agilidade para alocar as aeronaves nas pontes de embarque.
Este tecnologia já é usada em aeroportos como Heathrow, em Londres, Charles de Gaulle, em Paris, e JFK, em Nova York.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented