|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 17/07/2016 / Gravador de avião da EgyptAir que caiu no mar registra a palavra "fogo"



Gravador de avião da EgyptAir que caiu no mar registra a palavra "fogo" ...


A análise do gravador de voo do avião da EgyptAir que caiu no Mediterrâneo no último dia 19 de maio, com 66 pessoas a bordo, revela que a palavra "fogo" foi pronunciada pelos pilotos antes do choque contra o mar.

A informação foi divulgada pela comissão de inquérito egípcia que apura as causas do desastre aéreo. No entanto, os investigadores disseram que é "prematuro" tirar conclusões a partir disso.

No fim de junho, a comissão de inquérito havia anunciado que os dados extraídos de uma das caixas-pretas da aeronave eram compatíveis com alarmes de fumaça na cabine.

Além disso, os pedaços da fuselagem já encontrados mostram sinais de danos provavelmente causados por altas temperaturas. O avião, um Airbus A320-232, viajava de Paris para o Cairo.

A hipótese de terrorismo não está descartada.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.



TV GLOBO - JORNAL NACIONAL


Militares fazem a maior simulação antiterrorismo para a Olimpíada

Treinamento foi na estação ferroviária de Deodoro. Simulação teve explosão de bomba num trem.

No Rio de Janeiro, quase mil homens das forças de segurança participaram neste sábado (16) da maior simulação de um ataque terrorista já feita como preparação para a Olimpíada.
A explosão da bomba num vagão de trem dispara o alerta. Quase mil pessoas agem como se estivessem sob a ameaça de dois terroristas. Eles estão armados, com muita munição, e disparam em direção aos passageiros.
O cenário da simulação foi a estação de Deodoro, na Zona Oeste do Rio, perto de um dos principais complexos esportivos da Olimpíada.
No roteiro, militares nos trilhos, pendurados no helicóptero, mortos e feridos. Fora do script, o tombo, a arma que falha.
O ataque mobiliza todas as forças de segurança: Exército, Aeronáutica, Marinha, polícias Militar, Civil e Federal, além de bombeiros e agentes de inteligência.
Depois de uma hora de tensão, um grupo de soldados consegue entrar no vagão onde estão os terroristas e salva os reféns.
“Consideramos o exercício muito positivo e mais uma oportunidade para manter em dia a capacitação das nossas forças”, avalia o general Mauro Sinott, do Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo.
Após o maior exercício contra o terrorismo realizado na cidade que vai sediar a Olimpíada, os responsáveis pela segurança do evento disseram que estão preparados para proteger a população, os turistas e as delegações internacionais.
Representantes da Agência Brasileira de Inteligência vão à França conversar com autoridades do país sobre possíveis ameaças.
“Nós vamos avaliar, voltar aqui, e reavaliar nossas posições, nossa avaliação de inteligência”, explica o coordenador-geral da Área de Inteligência para os Jogos, Saulo Moura.
“Diante de uma ausência de ameaça concreta para o Brasil, estamos em alerta amarelo, que é caracterizado pelo aumento da atenção e do nível de resposta em relação ao cotidiano. Isso pode evoluir para o laranja ou para o vermelho, de acordo com alguma ameaça concreta que seja identificada com relação ao Brasil”, acrescenta o coordenador-geral de Segurança Pública dos Jogos, Cristiano Barbosa Sampaio.

PORTAL G-1


Ato terrorista é simulado em exercício de preparação para Olimpíada no Rio

Cerca de 500 pessoas participaram da ação que simulou possível ataque. Bomba foi colocada dentro de vagões de trem em Deodoro.

Forças da segurança fazem exercício integrado de enfrentamento a ameaças externas na estação de Deodoro, na Zona Oeste do Rio, neste sábado (16). A ação, que simula um possível ataque terrorista com explosão de uma bomba, tem 500 pessoas envolvidas. O objetivo é saber se as equipes estão preparadas para agir em casos extremos.
O Complexo Esportivo de Deodoro vai receber cerca de 11 modalidades olímpicas: hipismo, mountain bike, ciclismo BMX, pentatlo moderno, tiro esportivo, canoagem slalom, hóquei sobre grama, rúgbi e basquete.
A estação é a parada final para quem vai assistir aos jogos no local. Ao todo, 47 mil homens das forças de segurança vão atuar na Olimpíada do Rio.
Nesta sexta-feira (15), tropas das Forças Armadas desembarcaram na Base Aérea do Galeão para atuar no esquema de segurança da Olimpíada, que tem abertura oficial no dia 5 de agosto. O voo desta sexta reuniu cerca de 200 militares da Força Aérea e da Marinha em Roraima, Amazonas e Pará e foi o primeiro no novo Boeing 767 comprado para o transporte de tropas.
No mesmo dia, o presidente em exercício Michel Temer disse, em entrevista à GloboNews, que o país está "preparadíssimo" para enfrentar ameaças de terrorismo durante a Olimpíada do Rio de Janeiro.
Simulação
O treinamento aconteceu como se fosse em tempo real. Voluntários dentro de vagões de uma trem parado na estação simularam uma situação de feridos. Outros simularam um ataque a tiros contra passageiros, que saíram correndo. Uma bomba dentro de uma mochila foi colocada dentro dos vagões, e as pessoas que se passaram por feridos foram levados à plataforma.
Exército, Polícia Militar, Polícia Civil, Aeronáutica e Marinha, além de agentes da Guarda Municial, Defesa Civil e CET-Rio participaram do exercício que simulou ainda os primeiros socorros e o trabalho de identificação dos possíveis terroristas.
O coordenador do exercício de segurança afirmou que o resultado foi positivo, mas que alguns detalhes, como a precisão dos tiros, serão avaliados pelas imagens gravadas.
O horário dos trens não sofreu alteração por causa do simulado.

Dilma chega a Porto Alegre para passar o fim de semana com a família

Presidente afastada aterrissou na Base Aérea de Canoas. Equipe se dirigiu à residência de Dilma na Zona Sul da capital gaúcha.

A presidente afastada Dilma Rousseff está em Porto Alegre para passar o fim de semana com a família. A equipe aterrisou em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) na madrugada deste sábado (16) na Base Aaérea de Canoas, na Região Metropolitana. Em seguida, Dilma e assessores se dirigiram à residência dela, localizada na Zona Sul de Porto Alegre.
Após a instauração do processo de impeachment, a vinda de Dilma à capital gaúcha aos finais de semana tem sido cada vez mais frequente. Entretanto, desta vez, a grande quantidade de bagagem chamou a atenção.
A única filha de Dilma, Paula Rousseff Araújo, e os dois netos Guilherme e Gabriel moram em Porto Alegre, assim como o ex-marido Carlos e Araújo. Sem falar com os jornalistas, a política foi direto para o interior do prédio. Segundo a assessoria de imprensa da presidente afastada, a previsão de retorno a Brasília é no domingo (17).
Neste sábado (16), o clima frio e as pancadas de chuva no início do dia impediram que Dilma fizesse o tradicional passeio de bicicleta matutino na orla do Guaíba.
Apesar de afastada, rotina semelhante é mantida
Dilma está afastada da Presidência da República desde 12 de maio, após ser notificada da decisão do Senado de instaurar o processo de impeachment. Na ocasião, os senadores autorizaram que, durante o afastamento de até 180 dias, ela permanecesse no Palácio do Alvorada e mantivesse salário integral, segurança pessoal, equipe a serviço de seu gabinete pessoal, carro oficial, assistência saúde e o direito de utilizar avião da FAB.
Segundo assessores palacianos, desde que foi afastada do Planalto, Dilma tem tentado manter uma rotina de trabalho semelhante aos tempos em que comandava o país. Ela continua acordando cedo, por volta das 5h30, e fazendo o tradicional passeio matinal de bicicleta pelos arredores do Palácio da Alvorada.
Enquanto estiver afastada da Presidência da República, Dilma continuará recebendo o salário de R$ 27.841,2, tendo direito a usar o Palácio do Alvorada, segurança pessoal, assistência saúde, avião, carro oficial e equipe a serviço de seu gabinete pessoal.

PORTAL BBC


Rio 2016: Problemas com Força Nacional "ainda comprometem" segurança dos Jogos


Jefferson Puff

Em meio a uma crise entre o Governo Federal e os 3.500 homens da Força Nacional que já chegaram ao Rio de Janeiro para trabalhar nos locais de competição da Rio 2016, o chefe do sindicato que representa os profissionais disse que as medidas anunciadas na sexta-feira pelo Ministério da Justiça "amenizam, mas não resolvem 100% os problemas".
Na última quarta-feira, os agentes fizeram protestos denunciando atraso de pagamentos, valores de diárias inferiores ao prometido, alojamentos sem água, cama, colchão, chuveiro e cozinha, e até falta de fardas. E ameaçaram abandonar a segurança dos Jogos.

Elisandro Lotin, presidente da Associação Nacional de Praças (Anaspra), que representa os profissionais e que se reuniu essa semana com Celso Perioli, da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp), em Brasília, as medidas ainda não resolveram 100% a situação.

"Já estão entregando algumas coisas, é fato. Estive lá fazendo uma visita e pude constatar que houve uma pequena melhora. A questão da diária foi resolvida, com o decreto presidencial, mas os problemas só foram amenizados. Eles continuam sem plano de saúde, e sem TV, sem nenhum espaço de convivência. Estamos falando de quase 4.500 homens trabalhando sob pressão dependendo só do SUS e sem lazer algum", disse Lotin, em entrevista à BBC Brasil.

Os homens da Força Nacional estão alojados no conjunto habitacional Vila Carioca, um grupo de apartamentos do programa "Minha Casa, Minha Vida" na Zona Oeste do Rio, próximo aos bairros do Anil e Gardênia Azul. Fotos das condições de alojamento foram enviadas à imprensa e as queixas tiveram ampla repercussão, levando a reuniões em Brasília e a um decreto do presidente interino, Michel Temer, publicado no Diário Oficial da União de sexta-feira.

O decreto reajustou em 150% os valores das diárias prometidas aos policiais - de R$ 220 para R$ 550, no período de 24 de julho a 22 de agosto.

A reportagem entrou em contato com policiais baseados na Vila Carioca, mas teve negados os pedidos de entrevista.
O Governo Federal também enviou ao Rio caminhões-pipa, colchões e beliches, e prometeu enviar novas fardas, em mais tamanhos.

O decreto assinado por Temer também autoriza reajuste de 50% nas diárias da Força Nacional em Belo Horizonte, Brasilia, Manaus, Salvador e São Paulo, as cinco cidades sediarão partidas de futebol da Rio 2016.

Outro problema grave, segundo Lotin, diz respeito à carga excessiva de trabalho gerada pela redução do número de policiais da Força Nacional no esquema da segurança olímpica. "Eram 9.960 homens no planejamento inicial. Agora estamos com 3.500 e devem chegar mais 1.000. O Ministério da Justiça tem que cumprir a escala de trabalho prometida".
Denúncias
Entre as denúncias dos membros da Força Nacional (policiais militares, civis e bombeiros de vários Estados que aceitam voluntariamente as missões para integrar o grupo quando solicitado pelo Governo Federal) estão o fato de que até o meio da semana ainda não tinham recebido o pagamento das diárias (alguns chegaram ao Rio no final de junho) e que muitos haviam recebido somente uma farda, de tamanho G ou GG, para mais de dois meses de trabalho.
Diante disso, agentes tiveram que recorrer a costureiras no Rio, pagando pelos ajustes do próprio bolso, mas mesmo assim continuaram preocupados com a perspectiva de trabalhar por mais de dois meses com somente um uniforme. Outra questão importante diz respeito ao alojamento. Segundo Lotin, o conjunto habitacional ainda não foi 100% concluído pela construtora.
"Os prédios não estão prontos. Quando os agentes chegaram não havia lâmpadas e nem água nas torneiras. Compraram tudo do próprio bolso: colchões infláveis e chuveiro para tomar banho quando a ligação de água fosse resolvida. Tudo isso sem receber as diárias", alega.

A lista de problemas incluía ainda o valor das diárias, agora reajustado pelo decreto presidencial, e a carga excessiva de trabalho, que Lotin espera que seja resolvida.

"A escala prometida era a seguinte: se o policial trabalha 12 horas diurnas, folga 24 horas. Se trabalha 12 horas noturnas, folga 48 horas. A questão é que o planejamento inicial era de 9.960 homens e agora somos apenas 3.500 aqui. Tem gente que chegou a trabalhar 20 horas e folgou 16 horas", diz.
Além das questões de estrutura, o alojamento onde estão os membros da Força Nacional fica na área de atuação de milícias. Durante a semana houve relatos de que milicianos teriam impedido os policiais de contratarem instalações de internet e de andarem armados.

"Esse problema da internet aconteceu mesmo, mas eu não recebi confirmação sobre essa proibição de andar armado. Também não houve relatos de confrontos entre policiais e milicianos. A questão é que o Governo Federal colocou os responsáveis pela segurança das Olimpíadas em um dos lugares mais violentos do Rio, cercado por uma das milícias mais violentas do Rio. O desrespeito com os profissionais de segurança pública é histórico no Brasil", afirma Lotin.
Diante das queixas, a Delegacia de Repressão às Ações do Crime Organizado e Inquéritos Especiais (Draco/IE), fez operação no bairro para identificar e prender os milicianos que estariam impondo ordens aos membros da Força Nacional.

"Vamos ser honestos. Se alguém chegasse para esses policiais, a maioria do Bope e do Batalhão de Choque em seus Estados de origem, e dissesse “vocês vão ficar longe das suas famílias por mais de dois meses e estão indo para um local sem colchão, sem cama, sem água, sem chuveiro, cercado de milícia e vão trabalhar mais do que a escala prometida, recebendo menos do que o combinado”, você acha que realmente alguém teria vindo?", diz o presidente da Anaspra.
Segundo ele, 1.300 colchões e beliches devem chegar ao alojamento neste sábado, e o dinheiro das diárias atrasadas já começou a ser depositado. As fardas devem chegar nos próximos dias, e com a chegada de mais homens, espera-se que as escalas de trabalho sejam normalizadas.
Redução inexplicada
Consultado pela BBC Brasil, o Ministério da Justiça disse, em nota, que mais 1.000 homens provenientes de quadros da polícia do Estado de São Paulo devem chegar ao Rio na próxima semana, somando 4.500 membros da Força Nacional atuando na segurança dos locais de competição.

Sobre os motivos que levaram o Governo Federal a reduzir o contingente inicial, de 9.960, para 4.500, nem o ministério e nem a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge) quiseram opinar, mas analistas estimam que a crise econômica e a contenção de gastos tenha ocasionado a redução.
Segundo o ministério, cerca de 100 homens de Minas Gerais também devem juntar-se ao grupo da Força Nacional, ainda sem data marcada para chegarem ao Rio.

O ministro da Justiça, Alexandre Moraes, deve fazer uma visita ao alojamento na Zona Oeste do Rio nos próximos dias para conferir a situação.

Além disso, o MJ diz que "a estrutura para o serviço de segurança das instalações olímpicas está garantida, assim como as diárias dos profissionais da Força Nacional de Segurança Pública que atuarão nos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos", e que a "Força Nacional terá o número suficiente e necessário para o cumprimento integral de suas atribuições".
"A respeito das críticas que surgiram, vale informar que os apartamentos são novos e os beliches chegaram nesta quinta-feira. Também estão chegando novos lotes de fardas e o efetivo será aumentado, com a chegada de mais de mil profissionais, otimizando assim as escalas de serviço", acrescenta a nota.

O MJ informou ainda que o pagamento das diárias foi normalizado e que servem para suprir despesas com alimentação, alojamento e transporte, e que, além disso, os profissionais continuam recebendo seus salários normalmente em seus Estados de origem.

Diante das denúncias de que milícias estavam dando ordens aos policiais da Força Nacional, o Ministério da Justiça negou qualquer ação criminosa.

"Vale frisar que não houve qualquer coação e nenhum contato de criminosos com profissionais da Força Nacional. Não existe tolerância com atividades criminosas. Essas informações serão apuradas e encaminhadas à Polícia Federal, à Subsecretaria de Inteligência do Rio de Janeiro e à Delegacia de Repressão ao Crime Organizado da Polícia Civil do Rio de Janeiro", diz o documento enviado à BBC Brasil.
Em 2012, a pouco mais de duas semanas para as Olimpíadas de Londres, o governo britânico teve que convocar 3.500 soldados das Forças Armadas para suprir um problema com o treinamento dos seguranças privados da empresa G4S.

Vencedora de uma licitação, a empresa tinha se comprometido a fornecer 10 mil homens para fazer a segurança dos locais de competição, mas às vésperas dos Jogos revelou que tinha treinado apenas 4 mil, o que refletiu em críticas ao planejamento de segurança e gastos públicos com o envio de soldados para suprir o "buraco" no esquema tático.

REVISTA ISTO É


Forças de segurança da Olimpíada simulam ataque terrorista em estação de trem


Forças de segurança que atuarão no Rio durante os Jogos Olímpicos fizeram na manhã deste sábado um treinamento de combate a atos terroristas. A simulação ocorreu na estação de trens de Deodoro – bairro na zona oeste que concentra sete instalações olímpicas -, envolveu 500 pessoas e incluiu até mesmo a explosão de uma bomba.
O explosivo foi colocado em uma mochila abandonada em uma plataforma, ao lado dos trilhos. Voluntários que trabalham na organização da Olimpíada se passaram por passageiros feridos e foram levados para a plataforma, onde receberam os primeiros socorros. Também foram simuladas intensa troca de tiros e perseguição a terroristas.
De acordo com a Secretaria de Segurança do Estado do Rio, o objetivo da simulação foi “testar o planejamento e as ações de resposta em um cenário crítico”, conforme divulgou no Twitter. Participaram do exercício militares das Forças Armadas recrutados para reforçar a segurança da cidade, policiais federais, militares e civis, bombeiros, guardas municipais e profissionais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, do Ministério da Justiça.
No treinamento, foi testada a capacidade de resposta coordenada a atentados, com acionamento das forças de segurança, neutralização de agressores, varreduras, isolamento da estação, atendimento a vítimas e tentativa de identificação de terroristas. A simulação de ataque estava prevista antes do atentado da última quinta-feira em Nice, na França. Moradores foram avisados com antecedência, e também na manhã deste sábado, sobre as mudanças que seriam realizadas no bairro para a realização do treinamento.
A região no entorno da estação de trem foi isolada e houve alterações no trânsito da região. O exercício foi acompanhado em tempo real pelos funcionários do Centro Integrado de Comando e Controle (Cicc), da prefeitura, na Cidade Nova (região central). O Cicc abrigará agentes de inteligência e segurança de 106 países que, segundo o ministro da Defesa, Raul Jungmann, já estão trabalhando com militares e policiais brasileiros e chegarão ao Rio alguns dias antes do início dos Jogos, cuja solenidade de abertura ocorrerá no estádio do Maracanã no próximo dia 5. O encerramento será em 21 de agosto.
A estação ferroviária de Deodoro integra uma das opções de rotas do público que pretende acompanhar as competições no polo olímpico do bairro, onde foram instaladas a Arena da Juventude, o Centro Olímpico de Hóquei, o Estádio, o Centro Aquático, o Centro Olímpico de Hipismo, o Centro Olímpico de Tiro e o Parque Radical do Rio, para as provas de canoagem slalom, BMX e mountain bike.
Neste domingo, equipes de segurança, transporte e trânsito farão treinamento para a cerimônia de abertura da Olimpíada. A simulação acontecerá em vários pontos da zona sul, Barra da Tijuca (zona oeste), no entorno do estádio (zona norte) e no centro. Serão testados os deslocamentos de atletas, organizadores, voluntários e autoridades, com interdição e liberação das ruas.
De acordo com a Secretaria de Grandes Eventos, participarão do treinamento cerca de 700 veículos, entre motocicletas, ônibus, carros, vans, ambulâncias e helicópteros. Ao menos 2 mil pessoas estarão envolvidas nas simulações, que começarão de manhã, às 5 horas, e deverão ser encerradas ao meio-dia.

REVISTA VEJA


Ato terrorista é simulado em estação de trem do Rio

Cerca de 500 pessoas participaram da ação que faz parte do treinamento da equipe de segurança vai trabalhar nos jogos olímpicos

As forças de segurança que atuarão nas Olimpíadas no Rio fizeram, na manhã deste sábado, uma simulação de um ataque terrorista. O ato ocorreu na estação de trens de Deodoro, bairro da zona Oeste com sete instalações olímpicas, e faz parte do treinamento da equipe de segurança vai trabalhar nos jogos.
A simulação mobilizou 500 pessoas. Alguns voluntários que trabalham na organização das Olimpíadas se passaram por passageiros feridos e foram levados para a plataforma, onde receberam os primeiros socorros.
Além do resgate de feridos, o treinamento envolveu a explosão de uma bomba colocada em uma a mochila abandonada, ao lado dos trilhos. Também foram simuladas a troca de tiros e a perseguição a terroristas.
A Secretaria de Segurança do Estado do Rio divulgou, no Twitter, que a o objetivo do ato foi “testar o planejamento e ações da resposta em um cenário crítico”. Participaram do treinamento, além das Forças Armadas, policiais federais, civis, bombeiros, guardas municipais e profissionais da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, do Ministério da Justiça.
O horário dos trens não sofreu alteração por causa da simulação.

JORNAL EXTRA


Única carioca da seleção de Handebol, pivô Tamires curte Olimpíada em casa e revela temor de atletas de pegar Uber


Tamires é mais uma menina grande que fez do tamanho documento no esporte. Morena no sobrenome e na cor da pele, a caçula da seleção feminina de handebol disputará, aos 22 anos, sua primeira Olimpíada, e em casa.
Única carioca da equipe convocada por Morten Soubak, a pivô de 1,80m poderia estar na delegação de outra modalidade: o atletismo. Mas, quando já era campeã brasileira de lançamento de dardo, foi descoberta pelo técnico dinamarquês em um intercolegial no Rio, em 2009.
— Sempre fui grande. Treinava handebol, mas fazia lançamento de dardo. No intercolegial, disputava os dois para ter mais ponto. Era tão boa num quanto no outro, mas a vida me fez escolher — conta Tamires.
Acostumado a observar novos talentos, Soubak viu algo especial em Tamires.
— Gostei do perfil dela, grande, alta, forte, fez atletismo — enumerou o técnico, que deu uma chance na seleção juvenil mesmo com a atleta em idade para a categoria cadete.
Mas o ciclo olímpico de Londres estava em curso.
— Ela me disse: “Mesmo que eu não for convocada pode cotar comigo na próxima, que eu volto" — lembra Morten.
Terceira opção na concorrência com as experientes Daniela Piedade e Dara, Tamires é ao menos anfitriã no Rio. Moradora do Valqueire antes de se mudar para a França, onde jogará no time do Dijon, a ex-técnica de enfermagem conviveu com a situação dramática da saúde no Estado, e passa positividade quando questionada sobre o legado do Rio.
— Espero que a cidade se prepare bem para não ter surpresas que façam mal ao esporte. As meninas ficaram com medo de pegar Uber, mas não é assim que funciona. Não vai ser a cada esquina que vai ser assaltada — avisa a atleta sargento da Aeronáutica.

Reajuste de soldos dos militares chega a 25,5%. Confira tabela completa de valores


Aprovado no Congresso Nacional na última quarta-feira, o reajuste dos integrantes das Forças Armadas — Aeronáutica, Exército e Marinha — será aplicado aos soldos de mais de 650 mil militares em todo o país, tão logo o projeto de lei seja sancionado pelo presidente em exercício, Michel Temer. O percentual chegará a 25,5%, para determinadas classes, e começará a valer em 1º de agosto deste ano, com mais três parcelas entre 2017 a 2019.
A sanção da proposta é considerada fundamental pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann. Ao tomar posse, em maio, ele divulgou um comunicado aos militares declarando que o aumento era uma “prioridade” para o avanço das Forças Armadas. O discurso foi repetido pelos chefes de comandos militares. Durante um café da manhã com jornalistas, o comandante da Marinha, Eduardo Cabellar Leal Ferreira, reforçou que a correção dos soldos era realmente necessária, tendo em vista a “defasagem dos vencimentos-base dos militares”.
Como o projeto de reajuste foi aprovado na semana passada, o prazo para a sanção presidencial terminará no dia 28 de julho.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Militares simulam ataque terrorista a estação de trem da Rio-2016


Marco Antônio Martins

As Forças Armadas coordenaram neste sábado (16) uma simulação de ataque terrorista na estação de trem de Deodoro, que será usada por torcedores na Rio-2016.
O treinamento envolveu 800 pessoas, entre agentes de segurança, funcionários do sistema ferroviário e agentes de saúde.
O exercício simulou a explosão de uma bomba num vagão. E seguida, os militares ocuparam a estação e ensaiaram o resgate de feridos e a captura de dois terroristas.
A estação de Deodoro será o principal acesso dos torcedores às competições de hipismo, tiro e canoagem slalom. Outras cinco estações serão controladas pelos militares durante a Olimpíada.
Os agentes também treinaram os protocolos de ação integrada entre os governos municipal, estadual e federal. Eles verificaram o funcionamento das comunicações e mediram a velocidade na tomada de decisões.

AGÊNCIA BRASIL


Abin envia equipe à França na segunda para trocar informações sobre terrorismo


Isabela Vieira

Uma delegação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) embarca para a França, na segunda-feira (18), para tratar trocar informações com autoridades do país sobre terrorismo. Integrada por representantes da Diretoria de Contraterrorismo da Abin, a delegação brasileira atende a convite feito pelo governo francês, logo após o ataque à cidade de Nice que deixou dezenas de mortos e feridos.
A informação foi confirmada neste sábado (16) pelo coordenador-geral da área de inteligência da Abin para os Jogos Olímpicos, Saulo Moura. Ele participou de uma simulação de ataque em uma estação de trem, a de Deodoro, na zona norte do Rio de Janeiro. O exercício envolveu cerca de mil pessoas, das Forças Armadas e das áreas de segurança pública e da inteligência.
Segundo Moura, depois da conversa com o setor de inteligência francês, não estão descartadas mudanças no planejamento de combate ao terror previsto para a Olimpíada do Rio. Esta semana, circulou a rumores da existência de um plano para atacar a delegação francesa.
“A partir dessa conversa, vamos voltar aqui e reavaliar nossas posições”, afirmou o coordenador. "Por enquanto, estamos no campo da suposição de uma fala”, disse Moura.

Ontem (15), o ministro da Defesa, Raul Jungmann falou sobre o envio de autoridades à França para obter informações sobre o atentado de Nice, sem dar detalhes. Ele também anunciou para a próxima semana a abertura do Centro Integrado de Contraterrorismo, que reunirá setores de inteligência de 106 países, durante as competições.

Após a simulação no trem, o diretor de Operação da Secretaria Extraordinária de Segurança para os Grande Eventos, do Ministério da Justiça, Cristiano Barbosa Sampaio, disse que, nos últimos dias, o Brasil elevou o nível de alerta de terrorismo para amarelo e pode tomar medidas extras.
“O que vamos fazer agora é trabalhar com mais atenção, para aumentar revistas, aumentar controle de acesso, o plano está feito, está pronto, estamos adequando para a realidade.”
O general do Exército Mauro Sinott, responsável pela área de combate ao terrorismo na Olimpíada e pelo exercício militar no metrô, explicou que o planejamento para as competições, que contará com 47 mil militares, é flexível e pode ser adaptado com facilidade.
A estação onde ocorreu a simulação fica nas imediações do Complexo Esportivo Deodoro, onde serão disputadas 11 modalidades olímpicas, como ciclismo, canoagem, basquete e hóquei. No bairro, também há uma vila militar, com residências e outras instalações.
O general Sinott disse que o exercício militar ocorreu dentro do esperado e, para apresentar um balanço com eventuais falhas, precisa de mais tempo para avaliar a operação. O exercício durou cerca de uma hora e meia e foi acompanhado por dezenas de jornalistas de todo o mundo.

Gravador de avião da EgyptAir que caiu no mar registra a palavra "fogo"


Ansa Brasil

A análise do gravador de voo do avião da EgyptAir que caiu no Mediterrâneo no último dia 19 de maio, com 66 pessoas a bordo, revela que a palavra "fogo" foi pronunciada pelos pilotos antes do choque contra o mar.
A informação foi divulgada pela comissão de inquérito egípcia que apura as causas do desastre aéreo. No entanto, os investigadores disseram que é "prematuro" tirar conclusões a partir disso. No fim de junho, a comissão de inquérito havia anunciado que os dados extraídos de uma das caixas-pretas da aeronave eram compatíveis com alarmes de fumaça na cabine.
Além disso, os pedaços da fuselagem já encontrados mostram sinais de danos provavelmente causados por altas temperaturas. O avião, um Airbus A320-232, viajava de Paris para o Cairo.
A hipótese de terrorismo não está descartada.

REVISTA EXAME


Vaquinha virtual para Dilma viajar junta mais de R$ 770 mil


São Paulo - Terminou à 0h de hoje a vaquinha virtual para bancar as viagens da presidente afastada Dilma Rousseff (PT) e 770.458 reais foram arrecadados. Ao todo, 11.419 pessoas fizeram doações online por meio da plataforma de crowdfunding Catarse para que Dilma viaje pelo país. A Catarse vai ficar com 13% do valor e 4% vão para pagamentos de impostos.
Determinação do presidente interino Michel Temer (PMDB) restringe o uso de aviões da FAB para deslocamento de Dilma. Ela só tem permissão para ir de Brasília (DF) a Porto Alegre (RS) com a FAB. A meta era arrecadar meio milhão de reais e foi batida em apenas dois dias, o que já correspondia ao recorde de arrecadação do site, levando-se em conta o pequeno espaço de tempo.
Doadores receberão recompensas como, por exemplo, citação nominal no site oficial de Dilma, uma foto oficial autografada em versão digital e um vídeo de agradecimento.A vaquinha virtual foi capitaneada pelas amigas da presidente afastada, Guiomar Lopes e Celeste Martins e a campanha foi chamada de Jornada pela Democracia.
Caso todo o dinheiro arrecadado ficasse com a presidente afastada, seria possível comprar 1.482 passagens aéreas em aviões de carreira, tomando por base o gasto com viagens de Leonardo Picciani (PMDB), deputado federal que mais gastou com passagens em 2016, de acordo com as cotas parlamentares da Câmara, segundo divulgou Exame.com. Picciani emitiu mais de 200 tíquetes, ao custo total de 103.969,65 reais.
De jato particular, seria possível fazer ao menos 15 viagens de ida e volta, entre Brasília (DF) e São Paulo (SP) ao custo de 50 mil reais, segundo cotação na plataforma AeroBid.

Brasil e França vão trocar informações sobre terrorismo


Uma delegação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) embarca para a França, na segunda-feira (18), para tratar trocar informações com autoridades do país sobre terrorismo.
Integrada por representantes da Diretoria de Contraterrorismo da Abin, a delegação brasileira atende a convite feito pelo governo francês, logo após o ataque à cidade de Nice que deixou dezenas de mortos e feridos.
A informação foi confirmada neste sábado (16) pelo coordenador-geral da área de inteligência da Abin para os Jogos Olímpicos, Saulo Moura.
Ele participou de uma simulação de ataque em uma estação de trem, a de Deodoro, na zona norte do Rio de Janeiro. O exercício envolveu cerca de mil pessoas, das Forças Armadas e das áreas de segurança pública e da inteligência.
Segundo Moura, depois da conversa com o setor de inteligência francês, não estão descartadas mudanças no planejamento de combate ao terror previsto para a Olimpíada do Rio.
Esta semana, circulou a notícia da existência de um plano para atacar a delegação francesa.
“A partir dessa conversa, vamos voltar aqui e reavaliar nossas posições”, afirmou o coordenador. "Por enquanto, estamos no campo da suposição de uma fala”, disse Moura.
Ontem (15), o ministro da Defesa, Raul Jungmann falou sobre o envio de autoridades à França para obter informações sobre o atentado de Nice, sem dar detalhes.
Ele também anunciou para a próxima semana a abertura do Centro Integrado de Contraterrorismo, que reunirá setores de inteligência de 106 países, durante as competições.
Após a simulação no trem, o diretor de Operação da Secretaria Extraordinária de Segurança para os Grande Eventos, do Ministério da Justiça, Cristiano Barbosa Sampaio, disse que, nos últimos dias, o Brasil elevou o nível de alerta de terrorismo para amarelo e pode tomar medidas extras.
“O que vamos fazer agora é trabalhar com mais atenção, para aumentar revistas, aumentar controle de acesso, o plano está feito, está pronto, estamos adequando para a realidade.”
O general do Exército Mauro Sinott, responsável pela área de combate ao terrorismo na Olimpíada e pelo exercício militar no metrô, explicou que o planejamento para as competições, que contará com 47 mil militares, é flexível e pode ser adaptado com facilidade.
A estação onde ocorreu a simulação fica nas imediações do Complexo Esportivo Deodoro, onde serão disputadas 11 modalidades olímpicas, como ciclismo, canoagem, basquete e hóquei. No bairro, também há uma vila militar, com residências e outras instalações.
O general Sinott disse que o exercício militar ocorreu dentro do esperado e, para apresentar um balanço com eventuais falhas, precisa de mais tempo para avaliar a operação. O exercício durou cerca de uma hora e meia e foi acompanhado por dezenas de jornalistas de todo o mundo.

OUTRAS MÍDIAS


JORNAL CORREIO DE NOTÍCIAS (RS)


Aniversário do “mais pesado que o ar” é comemorado pela Força Aérea

Alberto Santos Dumont, mineiro, que desde cedo demonstrou uma acendrada disposição para a conquista do ar. Entre os anos de 1898 e 1909 planejou, construiu e experimentou mais de duas dezenas de invenções, entre balões livres, balões dirigíveis e aviões (biplanos e monoplanos). Em 1906, iniciou as primeiras experiências com o “14 BIS”, com o objetivo de conquistar o espaço com um aparelho mais pesado que o ar, com esse avião o ilustre mineiro conseguiu realizar, em 23 de outubro daquele mesmo ano, o primeiro voo do mundo no Campo de Bagatelle, na França, para uma multidão de espectadores.
Declarado patrono da Força Aérea Brasileira no ano de 1971, o Marechal-do-Ar Alberto Santos Dumont será homenageado pelo Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR), no dia 20 de julho. Na ocasião, serão homenageados com a Medalha “Mérito Santos-Dumont” o General de Exército Edson Leal Pujol, Comandante do Comando Militar do Sul, o Coronel da Polícia Militar Alfeu Freitas Moreira, Comandante Geral da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul, a Senhora Michele Collett, Advogada da Procuradoria-Geral da União da 4ª Região, além de 12 outros civis e militares que se destacaram no exercício de suas profissões ou junto à Aeronáutica e às Forças Armadas Brasileiras. A medalha foi criada em 1956, nas comemorações do cinquentenário do primeiro voo do 14 Bis. Em todo o País, 653 autoridades, civis e militares, serão agraciadas pela Força Aérea Brasileira.
O V COMAR jurisdiciona todas as organizações militares da FAB nos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Dentre elas estão as Bases Aéreas de Canoas, Santa Maria e Florianópolis, o Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA II), os Esquadrões de Voo e os Destacamentos de Controle do Espaço Aéreo.
Serviço:
Solenidade Comemorativa ao 143º Aniversário de Nascimento do Patrono da Aeronáutica, Marechal-do-Ar Alberto Santos Dumont.
Data: 20 de julho (quarta-feira)
Horário: 10 horas
Local: QG do V COMAR (Av. Guilherme Schell, 3950 – Canoas / RS.)

CORREIO 24H (BA)


Estação de metrô de Pirajá recebe simulado de segurança para as Olimpíadas; veja vídeo

Durante a manhã, uma bomba foi detonada no terminal e agentes de defesa e segurança simularam atendimento aos feridos
A rotina dos funcionários da CCR Metrô Bahia que trabalham na Estação de Pirajá mudou na manhã deste sábado (16). É que uma das plataformas foi palco de um simulado de segurança para as Olimpíadas, promovido pela Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), em parceria com as Forças Armadas – coordenadas pela Marinha – e com a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).
Durante o dia, as equipes irão simular quatro situações: explosões de bombas nas plataformas de embarques e nos trens, a percepção de uma ameaça terrorista, a abordagem tática de uma pessoa suspeita, e o desarme de um explosivo com possibilidade de ser uma arma química.
A primeira atividade do dia, por volta das 9h, foi a detonação de uma bomba na plataforma. Em segundos, o vão onde normalmente os passageiros aguardam para embarcar foi tomado por gente caída gritando por socorro, com marcas de queimaduras, cheia de sangue e fuligem. Imediatamente, os bombeiros entraram em ação, junto com homens da Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), da Polícia Militar, dos Fuzileiros Navais, do Samu e outros funcionários do metrô.
Quem chegou para pegar os trens e não prestou atenção à sinalização que alertava para a realização do simulado se assustou. Uma passageira ameaçou dar meia volta ao encontrar com a equipe da Marinha do Centro de Defesa Nuclear, Biológica, Química e Radiológica (NQBR) - dois homens desciam as escadarias com roupas especiais e levando uma maleta. "Já ia embora, quase morri do coração", disse, rindo, depois de ser avisada que estava em uma simulação.
A agente de bilheteria Roseli Santos Barbosa, 35 anos, sequer se mexia. Deitada no chão, ela tinha marcas de queimaduras nos braços e pernas, além da roupa rasgada. "Fui chamada para participar e adorei. Vai ser muito importante para todos nós, porque vamos saber como agir se algo assim realmente acontecer por aqui. E foi tudo muito real, desde a cabine até a explosão da bomba aqui", disse, somente depois de receber autorização da coordenação do simulado.
Trabalho Conjunto
O tenente-coronel Antônio Julio Nascimento, do Corpo de Bombeiros Militar da Bahia, explicou quer todos os agentes envolvidos em salvamento foram chamados: fuzileiros navais, bombeiros, Comissão Estadual de Segurança para Grandes Eventos (Coesge), Batalhão de Operações Especiais da Polícia Militar (Bope), Samu, Exército, Marinha, Aeronáutica.
"Chamamos todo mundo para o pessoal entender como funciona, o objetivo aqui estar pronto para salvar. Estamos trabalhando com quadros críticos que podem ser irreversíveis, então nunca é demais preparar para intervir", disse.
O tenente-coronel Marcos Oliveira, superintendente de de Gestão Tecnológica da SSP-BA e coordenador da Coesge, disse que o objetivo era fazer o simulado o mais próximo possível da realidade. "Houve uma preocupação de trazer o máximo de realidade, mas sem trazer pânico para a população, contanto com a conscientização de que isso pode fazer parte do nosso dia a dia", disse o superintendente.
O coordenador de Atendimento e Operações da CCR Metrô Bahia, Hamilton Trindade, afirmou que a simulação foi feita da Estação Pirajá por ser possível realizar o treinamento sem interferir na circulação dos passageiros. Enquanto uma bomba era detonada em uma plataforma, por exemplo, um passageiro tomava o trem tranquilamente na outra. Durante as Olimpíadas, a CCR vai ampliar a vigilância nas estações.
Outro simulado geral será realizado no dia 26 de julho na Arena Fonte Nova, de acordo com o Capitão de Corveta Flávio Almeida, do setor de comunicação do 2º Distrito Naval. Outros simulados menores também vêm sendo feitos nos últimos dias.

TV GLOBO - ZAPPEANDO


Moacyr Massulo participa de treinamento das Forças Armadas: "Missão dada, é missão cumprida"

Apresentador do "Zappeando" encara curso para jornalistas no Rio de Janeiro
Missão dada, é missão cumprida. Num domingo ensolarado, interrompi a mudança para a minha nova casa e fui para o aeroporto embarcar para mais uma aventura que o Zappeando me proporcionara.
Desembarquei no Rio de Janeiro às 20h, e já tinha um carro me esperando. Antes, ainda passamos pelo Galeão, Santos Dumont e rodoviária, até chegar a vila militar. Eu estava ali para participar de um estágio para jornalistas e assessores de imprensa em áreas de conflito, promovido pelo Centro Conjunto de Operações e Paz do Brasil (Ccopab).
Na manhã seguinte, acordei com o toque, a agitação e a luz acesa. Depois de um rápido café da manhã, estávamos prontos para começar o curso, que seria realizado em cinco dias. Os dois primeiros foram destinados a aulas teóricas e palestras de profissionais de comunicação, com destaque para o correspondente da Globo no Oriente Médio, Carlos de Lannoy e o apresentador Felipe Ufo, do programa Que mundo é esse? da Globo News, antigo Não conta lá em casa, do canal Multishow. Ambos relataram suas experiências em lugares hostis.
O terceiro dia de curso reservava grandes surpresas, afinal, era a hora dos treinamentos práticos. Teve desminagem de solos, treinamento no corpo de bombeiros, simulação de área de conflito na selva durante a noite, mas, a pior experiência foi passar por uma câmara de gás. Realmente, a pior! Mas, sobrevivi. Esse foi o dia mais cansativo, porém o que rendeu as maiores experiências e ensinamentos.
No penúltimo dia, tivemos uma manhã bem interessante participando de uma progressão em um terreno em risco, acompanhados pelos militares e realizando a cobertura jornalística. Pela parte da tarde tivemos a honra de conhecer a Base Aérea dos Afonsos, berço da Força Aérea Brasileira, para acompanhar uma demonstração de tiros. E, antes de anoitecer, ainda rolou a apresentação dos trabalhos desenvolvidos. A turma de 35 jornalistas ficou dividida em quatro grupos e cada um era responsável por apresentar um trabalho em algum formato de mídia: rádio, TV, impresso e internet. Meu grupo ficou com a última opção e realizou uma cobertura por meio das redes sociais.
O último dia do curso começou marcado pela dificuldade para acordar cedo, devido à noite anterior, de muita comemoração pelo estágio e as amizades que estavam se estabelecendo. Mas, mesmo assim, despertamos para acompanhar as instruções sobre armamentos não letais. Depois, foi o início do fim. Ou não.
Despedidas, abraços e lágrimas. O sentimento de saudade foi se espalhando por aqueles jornalistas de todas as regiões do Brasil. E eu, que sempre fui mais discreto, calado e observador, também saía dali com um sentimento muito bom. Alegria por ter vivido mais uma grande experiência e a gratidão pelas novas amizades conquistadas. Viva, Carana!



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented