|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 12/07/2016 / Embraer anuncia novos pedidos, opções e intenções no total de US$ 1,48 bilhão


Embraer anuncia novos pedidos, opções e intenções no total de US$ 1,48 bilhão ...


Entre os compradores, estão companhias da Indonésia e Japão; empresa brasileira também anunciou parceria com a Boeing na área militar ...

Fernando Nakagawa / Luana Pavani ...

FARNBOROUGH - A Embraer anunciou nesta segunda-feira, 11, novos pedidos de venda de aeronaves no primeiro dia da Farnborough Airshow em operações que, entre pedidos firmes, opções e intenções de compra, somam US$ 1,48 bilhão, conforme valor de tabela. Foram negociados modelos E190 e E195 da atual versão e da família E2. Entre os compradores, estão companhias da Indonésia e Japão, além de uma operadora de leasing e uma aérea de Israel que assinou carta de intenção de compra.

Em entrevista coletiva, a direção da companhia brasileira anunciou que a indonésia Kalstar assinou contrato para a compra de cinco aeronaves modelo 190 versão E2, atualmente em desenvolvimento. O pedido prevê ainda a opção de compra de cinco outros modelos da mesma aeronave. Se forem confirmadas as opções, o pedido somará valor de US$ 582 milhões, segundo valor de tabela. O negócio será incluído na carteira de pedidos do terceiro trimestre.

Outra compra veio da Nordic Aviation Capital que assinou o pedido firme de quatro modelos 190 da atual versão em uma transação avaliada em US$ 199 milhões. Nesse caso, o pedido entra na carteira do segundo trimestre.

A Japan Airlines, por sua vez, anunciou a conversão da opção de um modelo E170 em compra firme do modelo 190 da atual versão, operação que tem valor de tabela de US$ 49,8 milhões. O modelo brasileiro começou a voar na subsidiária J-AIR em maio de 2016.

Já a aérea israelense Arkia assinou carta de intenção de compra firme de seis modelos 195 versão E2 com a opção para aquisição de outras quatro aeronaves do mesmo modelo. Se a opção for exercida plenamente, o pedido soma US$ 650 milhões, conforme o valor de tabela da empresa.

Defesa. A Embraer e a Boeing fecharam parceria global para venda e suporte da aeronave militar KC-390. O jato de transporte militar fabricado pela Embraer terá suporte operacional da Boeing, e juntas as companhias explorarão novas oportunidades de negócio. Em 2012 havia sido informada intenção de comercializar conjuntamente a aeronave.

"A expansão do nosso relacionamento permitirá oferecer o melhor avião de transporte médio para os nossos clientes, ao mesmo tempo em que os mantêm respaldados pelo melhor serviço de suporte disponível", afirmou o presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança, Jackson Schneider, por meio de nota.

"O acordo de parceria entre Boeing e Embraer reúne duas empresas fortes e reforça o nosso compromisso de ampliar a oferta de serviços a aeronaves que não são produzidas pela Boeing", completou o presidente da Boeing Global Services and Support, Ed Dolanski, mencionando o alcance global da Boeing para flexibilidade e aproveitar as sinergias "que ajudam a reduzir custos e repassar esta economia aos clientes".

O avião, que nasceu de um projeto da Força Aérea Brasileira (FAB), fez seu primeiro voo do protótipo em fevereiro de 2015 e outros dois estão atualmente em campanha de testes, em turnê por oito países. A Embraer informa que espera receber a certificação até o final de 2017 e que a expectativa é que as entregas comecem durante o primeiro semestre de 2018.

Resultados. Ao longo do segundo trimestre, a Embraer entregou 26 jatos para o mercado de aviação comercial - sendo 21 do modelo E175, quatro de E190 e um E195 - e outros 26 para aviação executiva, dos quais 23 leves e três grandes. Ao final de junho, a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) somava US$ 21,9 bilhões. No acumulado do ano, são 47 entregas no segmento comercial e 49 na executiva, para um total de 96 aeronaves.

A companhia destaca que no período ocorreu o primeiro voo do E190-E2, em 23 de maio, "apenas três meses após a cerimônia de apresentação (rollout) da aeronave, no final de fevereiro, e antes da data inicialmente estipulada", afirma em comunicado. Quanto aos novos contratos no segundo trimestre, a Embraer ressalta o pedido firme com a Horizon Air para 30 jatos E175 com opções de compra para outros 33, no valor de US$ 2,8 bilhões, preço lista, se todas as opções forem exercidas; e mais as estreias de E-Jets no Japão e Portugal.

No segmento de aviação executiva, a companhia cita o pedido firme da Across, do México, para 23 jatos, sendo oito Legacy 500, oito Phenom 300 e sete Phenom 100E, com valor estimado de US$ 260 milhões.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.



MINISTÉRIO DA DEFESA


Defesa participa de um dos principais eventos da aviação mundial


Brasília, 11/07/2015 – O Ministério da Defesa, por meio da Secretaria de Produtos de Defesa, marca presença na maior Feira de aviação em volume de negócios e número de empresas do setor, que será realizada entre os dias 11 e 17 de julho, em Farnborough, na Inglaterra. O Salão é onde tradicionalmente fabricantes e empresas do setor mostram suas novidades para o público e, principalmente, a potenciais clientes.
"O objetivo do Ministério da Defesa ao participar dessas feiras internacionais é apoiar o esforço da Base Industrial de Defesa em exportar produtos nacionais e ganhar mercado", explica o diretor de Produtos de Defesa da Pasta, brigadeiro José Augusto Crepaldi.
Para o evento deste ano, a Embraer preparou a maior apresentação de sua história. A fabricante brasileira exibirá a maioria de seus produtos, incluindo o avião militar Super Tucano, que será apresentado na Europa pela primeira vez, e o cargueiro militar KC-390, além dos jatos executivos Phenom, Legacy, e os modelos da linha E-Jet.
O Super Tucano é uma aeronave turboélice de ataque leve e treinamento avançado, que possui modernos aviônicos e armamentos. Em abril deste ano, foi utilizado pela aviação militar do Afeganistão para bombardear posições de movimentos extremistas. Já o KC-390, cargueiro militar, usado para transporte tático/logístico e reabastecimento em voo, tem a previsão de substituir as antigas aeronaves americanas C-130, Hércules.

Boeing 767 300ER, que será usado nas Olimpíadas, pousa em solo brasileiro


Brasília, 11/07/2016 - O trem de pouso do FAB 2900, o Boeing 767 300ER, que foi alugado pela Força Aérea Brasileira, tocou o solo do Brasil, pela primeira vez, no último domingo (10). A aeronave chegou à Base Aérea do Galeão (BAGL), no Rio de Janeiro (RJ), e está no hangar do Esquadrão Corsário (2º/2º GT), que vai operá-la.
O contrato de locação do avião tem duração de três anos, prorrogável por mais um. O documento foi assinado há um mês em Washington DC e anunciado pelo comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato, durante a comemoração do Dia da Aviação de Transporte (12/06). Segundo ele, a FAB precisava de uma aeronave que suprisse necessidades de transporte estratégico, por isso "alugar o Boeing 767 300ER foi uma opção extremamente viável e usada internacionalmente".
O comandante do Esquadrão Corsário, tenente-coronel Luiz Eduardo Ferreira da Silva, reuniu todo o seu efetivo para o recebimento da aeronave, que retomará o caráter operacional da unidade. "Estamos aptos novamente a realizar missões de ajuda humanitária, missões diplomáticas e de transporte aerologístico por todos os continentes do nosso planeta". O Esquadrão Corsário, que ficou três anos sem voar, por conta da desativação do Boeing 707, em outubro de 2013, comemorou a chegada do cargueiro.
A solenidade de recebimento da aeronave contou com a presença do comandante da Aeronáutica e do comandante-geral de operações aéreas, o brigadeiro Gerson Nogueira Machado de Oliveira.
Primeira tripulação - A bordo do 767, vieram cinco militares da FAB, que estavam desde 1º de julho na cidade de San Bernardino, na Califórnia. O grupo trabalhou junto à empresa Pulsar, terceirizada da Colt Aviation – ganhadora do processo licitatório, para agilizar o processo de recebimento da aeronave, que continua no Rio de Janeiro. “Acompanhamos a checagem dos motores, da fuselagem e dos equipamentos a bordo; também foram verificados todos os sistemas de segurança”, explicou o oficial de operações do Esquadrão Corsário, major Grei Santana Gonsalves, que fez parte da comitiva.
Novas capacidades
O novo Boeing vai retomar a capacidade de transporte aerologístico com grandes cargas e a longas distâncias. A aeronave pode transportar 257 pessoas, possui capacidade de carga de 38 toneladas, somando os dois porões, e volume de 115m3. Comparativamente, o 707 possuía cem lugares a menos e toda sua estrutura somava 100m3 de volume. Para realizar o trajeto entre Rio de Janeiro e Moscou, na Rússia, por exemplo, o Boeing 767 pode transportar até 23 toneladas de carga.
A partir de agora, a FAB poderá voltar a participar de missões que envolvam a necessidade de transporte de muitas pessoas, cargas pesadas e longas distâncias, como os treze voos entre Brasil e Turquia, durante a Guerra do Líbano, em 2006, para repatriação de brasileiros. Ou, então, como a ajuda humanitária à Tailândia, após o tsunami de 2004.
Com informações da Agência Força Aérea

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Embraer anuncia novos pedidos, opções e intenções no total de US$ 1,48 bilhão

Entre os compradores, estão companhias da Indonésia e Japão; empresa brasileira também anunciou parceria com a Boeing na área militar

Fernando Nakagawa

FARNBOROUGH - A Embraer anunciou nesta segunda-feira, 11, novos pedidos de venda de aeronaves no primeiro dia da Farnborough Airshow em operações que, entre pedidos firmes, opções e intenções de compra, somam US$ 1,48 bilhão, conforme valor de tabela. Foram negociados modelos E190 e E195 da atual versão e da família E2. Entre os compradores, estão companhias da Indonésia e Japão, além de uma operadora de leasing e uma aérea de Israel que assinou carta de intenção de compra.
Em entrevista coletiva, a direção da companhia brasileira anunciou que a indonésia Kalstar assinou contrato para a compra de cinco aeronaves modelo 190 versão E2, atualmente em desenvolvimento. O pedido prevê ainda a opção de compra de cinco outros modelos da mesma aeronave. Se forem confirmadas as opções, o pedido somará valor de US$ 582 milhões, segundo valor de tabela. O negócio será incluído na carteira de pedidos do terceiro trimestre.
Outra compra veio da Nordic Aviation Capital que assinou o pedido firme de quatro modelos 190 da atual versão em uma transação avaliada em US$ 199 milhões. Nesse caso, o pedido entra na carteira do segundo trimestre.
A Japan Airlines, por sua vez, anunciou a conversão da opção de um modelo E170 em compra firme do modelo 190 da atual versão, operação que tem valor de tabela de US$ 49,8 milhões. O modelo brasileiro começou a voar na subsidiária J-AIR em maio de 2016.
Já a aérea israelense Arkia assinou carta de intenção de compra firme de seis modelos 195 versão E2 com a opção para aquisição de outras quatro aeronaves do mesmo modelo. Se a opção for exercida plenamente, o pedido soma US$ 650 milhões, conforme o valor de tabela da empresa.
Defesa. A Embraer e a Boeing fecharam parceria global para venda e suporte da aeronave militar KC-390. O jato de transporte militar fabricado pela Embraer terá suporte operacional da Boeing, e juntas as companhias explorarão novas oportunidades de negócio. Em 2012 havia sido informada intenção de comercializar conjuntamente a aeronave.
"A expansão do nosso relacionamento permitirá oferecer o melhor avião de transporte médio para os nossos clientes, ao mesmo tempo em que os mantêm respaldados pelo melhor serviço de suporte disponível", afirmou o presidente e CEO da Embraer Defesa e Segurança, Jackson Schneider, por meio de nota.
"O acordo de parceria entre Boeing e Embraer reúne duas empresas fortes e reforça o nosso compromisso de ampliar a oferta de serviços a aeronaves que não são produzidas pela Boeing", completou o presidente da Boeing Global Services and Support, Ed Dolanski, mencionando o alcance global da Boeing para flexibilidade e aproveitar as sinergias "que ajudam a reduzir custos e repassar esta economia aos clientes".
O avião, que nasceu de um projeto da Força Aérea Brasileira (FAB), fez seu primeiro voo do protótipo em fevereiro de 2015 e outros dois estão atualmente em campanha de testes, em turnê por oito países. A Embraer informa que espera receber a certificação até o final de 2017 e que a expectativa é que as entregas comecem durante o primeiro semestre de 2018.
Resultados. Ao longo do segundo trimestre, a Embraer entregou 26 jatos para o mercado de aviação comercial - sendo 21 do modelo E175, quatro de E190 e um E195 - e outros 26 para aviação executiva, dos quais 23 leves e três grandes. Ao final de junho, a carteira de pedidos firmes a entregar (backlog) somava US$ 21,9 bilhões. No acumulado do ano, são 47 entregas no segmento comercial e 49 na executiva, para um total de 96 aeronaves.
A companhia destaca que no período ocorreu o primeiro voo do E190-E2, em 23 de maio, "apenas três meses após a cerimônia de apresentação (rollout) da aeronave, no final de fevereiro, e antes da data inicialmente estipulada", afirma em comunicado. Quanto aos novos contratos no segundo trimestre, a Embraer ressalta o pedido firme com a Horizon Air para 30 jatos E175 com opções de compra para outros 33, no valor de US$ 2,8 bilhões, preço lista, se todas as opções forem exercidas; e mais as estreias de E-Jets no Japão e Portugal.
No segmento de aviação executiva, a companhia cita o pedido firme da Across, do México, para 23 jatos, sendo oito Legacy 500, oito Phenom 300 e sete Phenom 100E, com valor estimado de US$ 260 milhões. (COM INFORMAÇÕES DE LUANA PAVANI, DE SÃO PAULO)

PORTAL GLOBO.COM


Veja 13 órgãos que abrem inscrições para 1,4 mil vagas nesta segunda

Salário chega a R$ 9.600 na Secretaria de Gestão do Maranhão. Somente na Prefeitura de Custódia (PB) são 395 vagas.

Pâmela Kometani

Pelo menos 13 órgãos abrem inscrições de concursos públicos, nesta segunda-feira (11), para um total de 1.421 vagas e formação de cadastro de reserva em cargos de níveis fundamental, médio/ técnico e superior.
Na modalidade de formação de cadastro de reserva, os candidatos aprovados são chamados conforme a abertura de vagas durante a validade do concurso.
Aeronáutica
A Aeronáutica divulgou edital de concurso para 58 vagas para o Exame de Admissão ao Curso de Adaptação de Médicos da Aeronáutica do ano de 2017 (EA Camar 2017). O concurso aceita candidatos de ambos os sexos. Após a conclusão do curso com aproveitamento, o aluno será nomeado primeiro-tenente e receberá um salário inicial bruto de R$ 8.877,60. As inscrições devem ser feitas de 11 de julho a 9 de agosto pelo site www.ciaar.com.br. O concurso terá prova escrita em 25 de setembro.

AGÊNCIA SENADO


Comissão de reforma do Código de Aeronáutica inicia trabalhos nesta terça


Está agendada para terça-feira (12), às 14h, a primeira reunião da comissão especial de senadores que examinará o projeto do novo Código Brasileiro de Aeronáutica (CBA), o PLS 258/2016. Além da instalação do colegiado, a reunião também será destinada à apresentação do plano de trabalho da comissão.
O presidente da comissão especial é o senador Vicentinho Alves (PR-TO), o vice-presidente é o senador Pedro Chaves (PSC-MS) e a relatoria está a cargo do senador José Maranhão (PMDB-PB). Além deles, integram a comissão os senadores Flexa Ribeiro (PSDB-PA), Paulo Rocha (PT-PA), Lasier Martins (PDT-RS), Randolfe Rodrigues (Rede-AP), Jorge Viana (PT-AC), Hélio José (PMDB-DF), Acir Gurgacz (PDT-RO) e Roberto Rocha (PSB-MA). A reunião ocorrerá na sala 3 da Ala Alexandre Costa do Senado.
Com 374 artigos, o projeto é oriundo do anteprojeto elaborado por uma comissão de especialistas no tema, instituída pela Presidência do Senado. O projeto será analisado pela comissão especial de senadores, devendo seguir para avaliação da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania e, em seguida, para o Plenário, caso outras comissões não sejam designadas para também analisar a proposta.
Desonerações
O projeto estabelece desonerações em órgãos de fiscalização e regulação e uma série de isenções a esportes aéreos. Também equipara benefícios a serviços de táxi aéreo que já são concedidos às linhas aéreas, como medidas que levem à ampliação das companhias e ao aumento da concorrência, com a expectativa de que gerem benefícios aos consumidores.
A proposta estabelece ainda que o intercâmbio de aeronaves só poderá ser feito com tripulação brasileira. Esse procedimento ocorre quando uma empresa estrangeira fica com uma aeronave parada em solo nacional, à espera do voo de volta e, nesse período, uma empresa brasileira usa o avião, conforme contrato. Para que o intercâmbio ocorra, o texto exige que os tripulantes sejam brasileiros, devido às repercussões na legislação trabalhista do nosso país. Outra sugestão incluída no texto retira a isenção de pagamento de taxas para as aeronaves experimentais e esportivas.
Abertura de capital
Uma das principais mudanças do novo código é o fim de restrições à participação de capital estrangeiro em companhias aéreas brasileiras de transporte de carga e de passageiros. O projeto propõe a extinção do atual limite de 20% de participação externa em empresas de aviação do Brasil.
Outro ponto polêmico do projeto está na regulamentação dos atrasos em voos devido a problemas climáticos. Hoje muitos clientes conseguem receber indenizações das empresas por meio de ações judiciais, em virtude desse tipo de atraso. O texto-base exclui essa possibilidade.
O projeto do novo código também aborda inúmeros outros temas relativos a acidentes aéreos; prática de balonismo, e outras atividades aerodesportivas; voos de treinamento e aeronaves não tripuladas; serviços de controle do tráfego aéreo; tipos de aeroportos, aeródromos, heliportos e regras de administração desses locais; coordenação de busca, assistência e salvamento; segurança de voo; indústria aeronáutica; e tripulação e sanções administrativas.

REVISTA ISTO É


FAB recebe novo jato que vai substituir Sucatão da Presidência

Boeing 767-300ER alugado nos EUA pelo Comando da Aeronáutica vai ajudar a recuperar a capacidade da Força Aérea em transporte logístico, ajuda humanitária e de atuação em missões diplomáticas

Com festa discreta, chegou neste domingo, 10, de manhã à Base do Galeão, no Rio, o Boeing 767-300ER, alugado nos EUA pelo Comando da Aeronáutica para recuperar a capacidade da Força Aérea em transporte logístico, ajuda humanitária e de atuação em missões diplomáticas.
O grande jato tem alcance intercontinental – pode cobrir a rota Brasília-Tóquio com uma única escala – e recebe até 257 passageiros. A FAB vai empregá-lo durante a Olimpíada. O valor do contrato de três anos, com renovação automática por mais um, é de US$ 19,7 milhões que serão pagos em quatro parcelas. A seleção do fornecedor, a Colt Transporte Aéreo S/A, foi feita por meio de licitação. O negócio cobre áreas de suporte técnico e o seguro da aeronave.
O novo jato de longo alcance é o substituto do Sucatão, o Boeing KC-137, versão militar do clássico modelo 707 civil. Na configuração da FAB, foi usado por 27 anos para reabastecimento em voo e também como avião presidencial até a administração de Lula. Em 2005, o governo decidiu comprar um Airbus A319.
Na chegada ao Rio, o novo transportador, que recebeu a matrícula FAB 2900, foi escoltado até o pouso por dois F-5M, supersônicos do 1º Grupo de Aviação de Caça, da base de Santa Cruz. Com o Boeing, volta a operar o Esquadrão Corsário, virtualmente desativado em maio de 2013, quando o último Sucatão do grupo sofreu um sério acidente no Haiti. Durante a decolagem, um dos motores do avião incendiou-se. Na aterrissagem, o trem de pouso quebrou. Não houve vítimas entre os 143 passageiros.
O Boeing 767-300ER pode levar até 38 toneladas de carga e tem 100 assentos a mais que o 707. Será possível realizar missões como a dos 13 voos à Turquia, em 2006, para resgate de brasileiros que fugiam da guerra no Líbano, informou a FAB. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PORTAL BRASIL


Militares participam de exercício simulado para Jogos

Treinamento foi realizado em conjunto com a Marinha do Brasil e Exército Brasileiro

Cerca de 200 militares da Força Aérea Brasileira (FAB) participaram, no último sábado, de treinamento no Rio de Janeiro. O objetivo foi simular o policiamento ostensivo nas imediações e dentro do aeroporto internacional Tom Jobim, além de áreas próximas à Base Aérea do Galeão e do Hospital da Força Aérea do Galeão (HFAG). A FAB vai empregar 350 militares como agentes de segurança pública nessas áreas durante os Jogos, de 5 a 21 de agosto.
Segundo o coordenador de segurança e defesa da FAB para os Jogos Olímpicos, Coronel de Infantaria Almir Pinto de Lima, uma das missões da FAB será garantir a segurança dos chefes de Estado do governo e membros de comitivas que pousarem ou decolarem dos aeródromos sob responsabilidade da Força Aérea.
“Também é de responsabilidade da Aeronáutica o apoio à segurança e defesa no aeroporto internacional. Será uma ação em cooperação com os demais órgãos de segurança, polícias Federal, Civil, Militar, a própria RioGaleão, que é a concessionária do aeroporto, e a guarda civil”, disse o coronel.
O exercício foi realizado em conjunto com a Marinha do Brasil e Exército Brasileiro, que simularam a atuação de suas tropas no policiamento ostensivo em outras vias públicas da cidade do Rio de Janeiro.
Com informações da Força Aérea Brasileira

PORTAL EXAME.COM


Além de garantir segurança, militares buscarão medalhas


Eduardo Davis - Efe

Brasília - Enquanto cerca de 42 mil soldados das forças armadas estarão nas ruas para resguardar a segurança nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, centena de militares estarão na competição em busca de medalhas para o Brasil.
"Cada um com suas funções, mas todos estaremos representando o Brasil e as forças armadas", declarou à Agência Efe o terceiro-sargento Bernardo de Sousa Oliveira, da equipe de tiro com arco e um dos 123 militares brasileiros que já garantiram sua participação no maior evento esportivo do planeta.
Aos 23 anos, o arqueiro nascido em Brasília já ganhou algumas medalhas em competições internacionais, mas nenhuma delas olímpica, uma meta que ele reconhece estar longe nos Jogos do Rio, pelo menos nas competições individuais.
"Ficaria feliz se eu pudesse terminar entre os 16 melhores", disse o arqueiro, que obteve quatro ouros, uma prata e um bronze nos Jogos Sul-Americanos de Medellín em 2010 e uma medalha de bronze nos Jogos Pan-Americanos de Toronto em 2015.
Ainda assim, não descarta que na competição por equipes o sonho olímpico se realize e que, ao lado de outros três militares, possa chegar ao pódio no Rio de Janeiro, diante de seus amigos, familiares e companheiros das forças armadas.
Bernardo de Sousa conheceu o tiro com arco aos 11 anos, no Clube do Exército de Brasília, que ainda tem como seu principal centro de treinamentos, e há 18 meses foi integrado à Força Aérea Brasileira (FAB) na condição de assemelhado (funcionários civis que a lei obriga à disciplina militar), como parte de um plano do Ministério da Defesa para promover o esporte de alta competição.
Até agora, quando ainda existem possibilidades de aumentar esse número, 460 atletas brasileiros obtiveram índices para competir nos Jogos Olímpicos do Rio e 25% deles são militares, sejam de carreira ou assemelhados, como Bernardo.
Um caso muito particular é o da equipe de judô, onde 14 integrantes (sete mulheres e sete homens) são militares de carreira ou têm a condição de assemelhados.
Nessa equipe, uma das principais figuras é Sarah Menezes, sargento da marinha e atleta de 26 anos que, com seu 1,52 metros e 48 quilos, se tornou nos Jogos de Londres, em 2012, a primeira brasileira a conquistar o ouro olímpico no judô.
Neste ano, Sarah já ganhou o Pan-Americano e o Grand Prix, ambos realizados em Havana, e, segundo as projeções do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), a judoca tem possibilidades de repetir essa atuação nos Jogos do Rio.
Segundo fontes do Ministério da Defesa declararam à Agência Efe, além do judô, as "maiores apostas" de medalhas para os militares brasileiros nos Jogos, que começarão no dia 5 de agosto, são as equipes de vela, natação, vôlei de praia e tiro esportivo.
Nessas cinco modalidades haverá uma grande representação dos militares brasileiros, que também estarão presentes em mais da metade dos esportes em que o país participará.
A meta estabelecida pelo Ministério da Defesa é superar ou pelo menos igualar o desempenho dos atletas militares nos Jogos de Londres, onde os representantes das forças armadas conquistaram cinco das 17 medalhas conquistadas pela delegação brasileira.
Mas, além do objetivo esportivo, o principal desejo das forças armadas é que os primeiros Jogos Olímpicos que serão realizados na América do Sul aconteçam sem incidentes e com "a mais absoluta segurança", como expressou recentemente o ministro da Defesa, Raul Jungmann.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL D24AM


Aeronáutica lança concurso público para médicos com 58 vagas

O salário oferecido é de R$ 8.877,60 e Manaus é um dos locais onde serão aplicadas as provas
Laís Motta
Manaus – A Aeronáutica abriu, nesta segunda-feira (11), as inscrições para o concurso público para o exame de admissão ao curso de adaptação de médicos da Aeronáutica 2017, com 58 vagas. O salário oferecido é de R$ 8.877,60 e Manaus é um dos locais onde serão aplicadas as provas.
As oportunidades são nas áreas de anestesiologia, anatomia patológica, cancerologia, cardiologia, cirurgia geral, clínica médica, ginecologia e obstetrícia, medicina intensiva, medicina da família e comunidade, oftalmologia, otorrinolaringologia, ortopedia, pediatria, psiquiatria e radiologia.
O candidato deve ter curso superior em Medicina, comprovar a formação na especialidade a qual pretende concorrer e não ter completado 36 anos até o dia 31 de dezembro de 2017.
O concurso terá provas escritas, inspeção de saúde, exame de aptidão psicológica, prova prático-oral, teste de avaliação do condicionamento físico e validação documental. Se aprovado nestas etapas, o candidato fará o curso no Centro de Instrução e Adaptação da Aeronáutica, em Belo Horizonte (MG), durante 17 semanas. Após a conclusão do curso, o aluno será nomeado primeiro-tenente.
As provas escritas ocorrerão no dia 25 de setembro em Manaus, Belém, Natal, Fortaleza, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Campo Grande, Porto Alegre, Curitiba e Brasília.
As inscrições, que tem taxa de R$ 120, encerram no dia 9 de agosto e podem ser feitas, pela internet, nos sites www.fab.mil.br ewww.fab.mil.br/ciaar, onde também está disponível o edital.
Em Manaus, outras informações podem ser obtidas no Serviço Regional de Ensino (Serens 7) pelos telefones: (92) 2129-1735 e 2129-1736.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented