|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 21/06/2016 / Esquadrilha da Fumaça aposta em contato com jovens

Imagem

Esquadrilha da Fumaça aposta em contato com jovens ...


Aviador votuporanguense, Lucas Pacheco Yoshida, ministrou palestra para alunos, apresentando a Força Aérea Brasileira e o trabalho de um piloto ...


Votuporanga - Mais do que uma demonstração de tirar o fôlego, a Esquadrilha da Fumaça aposta no contato com os jovens para a apresentação da Força Aérea Brasileira (FAB) e para o ingresso na carreira militar.

Nesta segunda-feira (20/6), alunos das redes pública e privada participaram de um bate-papo com o aviador votuporanguense da Esquadrilha da Fumaça, 1º tenente Lucas Pacheco Yoshida, piloto de caça e que comanda o avião da Ala Esquerda ou Posição 3.

O encontro aconteceu no Centro de Convenções Jornalista Nelson Camargo. O público de 150 estudantes, entre 11 e 17 anos, assistiram temas como "formas de ingresso na Força Aérea", "história da Esquadrilha, "trabalho em equipe", entre outros.

Lucas Yoshida explicou as opções para entrar na FAB. “Para os alunos que terminaram o Ensino Fundamental, a opção é alistamento militar ou a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), em Barbacena. Mas também há possibilidades para os jovens que concluíram o Ensino Médio e que podem ingressar via vestibular”, explicou.

Ele falou sobre a história da Esquadrilha, que teve início no dia 14 de maio de 1952, data de sua primeira demonstração oficial com quatro aeronaves.

Em 2006, o grupo se apresentou com 12 aviões, o que rendeu título para o Guiness Book. “O ano de 2012 foi o nosso recorde, com 130 eventos”, explicou.

A Esquadrilha da Fumaça possui 13 pilotos, em sete posições de voo. “Cada piloto permanece cinco anos no grupo. É importante este rodízio para oxigenar o projeto e ter novos profissionais, com novas ideias”, disse.

Demonstração
De acordo com a FAB, mais de 25 mil pessoas prestigiaram a demonstração da Esquadrilha da Fumaça em Votuporanga na tarde deste domingo (19/6). A apresentação da Fumaça marcou o início das comemorações de 79 anos de Votuporanga.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.



PORTAL G-1


´Operação Ágata 11´ já apreendeu R$ 1 milhão em madeira ilegal em RR

Operação ocorre desde o dia 13 de junho em toda a fronteira de Roraima. Ação visa coibir crimes fronteiriços e levar serviço social à comunidades.

Inaê Brandão G1 Rr

A 11ª edição da operação Ágata, realizada pelo Exército Brasileiro, continua ocorrendo em toda a área de fronteira de Roraima e já apreendeu mais de R$ 1 milhão em madeira ilegal, desde o seu início, ocorrido no dia 13 de junho. O G1 acompanhou, nesta segunda-feira (20), um dia da operação. Veja galeria de fotos.
Segundo o assessor de Comunicação da 1ª Brigada, major Rodrigo Luiz, em uma semana de ações, a ´Operação Ágata 11´ apreendeu 2 mil m³ de madeira no Sul de Roraima, sete balsas utilizadas para garimpo ilegal, destruiu quatro áreas de garimpagem e uma pista de pouso na Terra Indígena Yanomami.
Além disso, nesta segunda-feira (20) dois fugitivos do sistema prisional foram capturados em barreiras terrestres do Exército, onde cerca de três mil veículos já foram fiscalizados. Além do Exército, outros 16 órgãos de segurança colaboram com a Ágata, entre elas a Polícia Militar, Polícia Federal, Funai, Ibama e Anac.
´Operação Ágata 11´
A ´Operação Ágata 11´ busca intensificar a presença do estado Brasileiro junto às faixas de fronteira, para contribuir no combate de ilícitos como o narcotráfico, contrabando e descaminho, tráfico de armas e munições, crimes ambientais, contrabando de veículos, imigração ilegal e garimpo ilegal.
´Braço forte´
O 1º tenente do Exército Rafael Lima, comandante do primeiro Pelotões Especiais de Fronteira (PEF), explicou que o Exército possui duas frentes de ação. Uma chamada ´braço forte´, que visa coibir a prática criminosa, e a ´mão amiga´, que leva serviços de assistência para comunidades.
Durante a Ágata, as ações contra as práticas criminosas ocorrem com bloqueios terrestres nas estradas que levam aos países que fazem fronteira com o Brasil e também por meio da patrulha fluvial.
Na sede do exército em Bonfim, ao Norte de Roraima, a patrulha fluvial ocorre no rio Tacutu, que marca a fronteira entre o Brasil e a Guiana. O subcomandante do primeiro PEF, Rodrigo Braga explicou que durante a operação a patrulha é feita diariamente.
"Os crimes mais comuns aqui pelo rio são o contrabando e o descaminho, sobretudo de roupas, alho e alguns outros materiais. Também fazemos apreensão de drogas e existem casos de tráfico de pessoas, mas em menor quantidade", disse Braga.
´Mão amiga´
Nesta segunda, a comunidade do Jabuti, na região da Serra da Lua, foi alvo de uma ação social do Exército. A localidade que fica há 50 km do município do Bonfim, recebeu assitência médica, odontológica, farmacêutica, vacinação antirrábica, ações educativas e recreativas.
O líder indígena da comunidade, Andrade da Silva Tomás, disse que os atendimentos são importantes para as moradores, especialmente o odontológico.
A dona de casa Adriana Ribeiro, de 42 anos, mora em uma vila há 20 km da comunidade e foi de ônibus até a Jabuti para ser medicada.
"Tenho um problema no braço e há quase um ano não consegui tomar o remédio que preciso. Vim aqui porque é mais perto e consegui receber a medicação", disse.
Segundo Andrade, cerca de 500 pessoas moram na comunidade que tem como principal fonte de subsistência o plantio de mandioca para a producão e venda de farinha.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Rio pede transferência de presos ligados a fuga, mas teme rebelião


Alfredo Mergulhão

O secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, pediu na tarde desta segunda (20) a transferência de 11 presos que integram o Comando Vermelho, a maior organização criminosa que atua no Estado, para penitenciárias federais.
Entre eles está Edson Pereira Firmino de Jesus, conhecido como Zaca. Ele é tio do traficante Nicolas Labre Pereira de Jesus, o Fat Family, resgatado na madrugada de domingo (19) por criminosos armados quando estava internado no Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro da capital fluminense. A ação do grupo deixou um homem morto.
O anúncio das transferências acendeu a luz de alerta no governo e no Judiciário do Rio. Há a informação de que, se o processo for concretizado, os criminosos da facção fariam uma rebelião no sistema penitenciário do Rio.
"Estamos pedindo a transferência de 11 pessoas do Comando Vermelho para presídio federal, entre elas o tio do rapaz que fugiu, conhecido como Zaca, que estava em Bangu 3. A gente tem indícios e boas possibilidades de instaurar um inquérito sobre a participação dele na fuga", disse Beltrame.
Os pedidos foram feitos pela Secretaria de Segurança do Rio ao Ministério da Justiça, por meio do Departamento Penitenciário Nacional. Dos 11 presos, quatro já tinham o pedido de transferência aceito e aguardavam apenas os trâmites de transporte.
Os outros sete presos, entre eles Zaca, tiveram o pedido de transferência feito nesta segunda (20). A expectativa é de que eles fossem transferidos até esta terça (21) em aviões da Polícia Federal e da Força Aérea Brasileira.
A participação de presos no resgate de Fat Family preocupou o Judiciário. Durante a manhã, o juiz da VEP (Vara de Execuções Penais), Eduardo Oberg chamou ao seu gabinete três delegados da Divisão de Homicídios que investigam o caso.
Oberg queria entender o andamento das investigações, além da veracidade de um áudio em um aplicativo de celular em que criminosos do interior do cárcere comemoram a fuga do traficante. Não houve nenhuma conclusão após o encontro, mas a polícia já sabe que uma das vozes do áudio é de Zaca.
DIVERGÊNCIA
A secretaria de segurança e a administração do hospital Souza Aguiar entraram em divergência ao falar sobre o resgate do traficante.
A secretaria afirmou ter tentado remover Fat Family para outro hospital na última quinta (16), mas disse que o pedido foi rejeitado pelo Souza Aguiar, que afirmou que o estado de saúde do paciente não permitia a transferência.
A direção do hospital, no entanto, negou que tivesse dado essa resposta –ao contrário, afirmou que, um dia antes do suposto pedido de transferência, na quarta (15), ela mesmo procurou a PM para pedir que o traficante deixasse o hospital, e que ele estava com estado de saúde estável.
Em entrevista coletiva, Beltrame afirmou que "uma averiguação foi instaurada para ver a atuação dos policiais nessa questão", e que espera que a secretaria de saúde apure a atuação do hospital.
O secretário de segurança também afirmou que, no último fim de semana, a polícia custodiava dez presos que estavam sendo atendidos em hospitais e tinha informações de que dois deles poderiam ser resgatados.
"Só neste final de semana, a PM tinha dez custódias para fazer, e dois casos em que havia possibilidade de resgate. Um era esse [de Fat Family] e o outro é o de um preso que foi encaminhado ao [hospital] Salgado Filho e havia possibilidade de resgate que, na nossa avaliação, era mais grave", disse o secretário.
"Cada policial que você põe no hospital é um a menos nas ruas de uma cidade que carece deles", completou Beltrame.
Ele também afirmou ter enviado um ofício ao governador interino, Francisco Dornelles (PP), para colocar em funcionamento o hospital do complexo penitenciário de Gericinó, que não conta com centro cirúrgico, mas apenas ambulatório.
"Se não tiver condições de funcionar, que veja a possibilidade de colocar lá um hospital de campanha, seja pelos Bombeiros, pela Defesa Civil, Forças Armadas ou Ministério da Defesa, para que a PM não faça verdadeiro turismo com ferido na cidade, porque às vezes um hospital não pode receber, outro não tem determinado equipamento e a polícia fica envolvida com esses presos feridos", disse.
O secretário também negou que houvesse pouco policiamento na custódia de presos no Souza Aguiar, na madrugada de domingo (19). Beltrame disse que normalmente cada preso fica com dois policiais, mas, no caso de Fat Family, esse número subiu para cinco agentes por turno.
Apesar do policiamento, um grupo armado com fuzis e granadas invadiu o hospital para resgatar Fat Family. Houve troca de tiros e uma bala atingiu o segurança Ronaldo Luiz Marriel de Souza, de 35 anos, que morreu na hora. O corpo dele foi enterrado desta segunda em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense.
"Ele só saiu para buscar atendimento e nada fez. Com qualquer um que estivesse naquele lugar poderia acontecer o mesmo, por irresponsabilidade de quem poderia fazer alguma coisa mas não quer fazer", disse Robson Ayres, tio da vítima.
Além da transferência dos presos, outra resposta ao resgate foi uma megaoperação realizada pela Polícia Militar para recapturar Fat Family. A ação envolveu policiais de 22 batalhões e cinco companhias independentes em incursões em 54 favelas da região metropolitana do Rio e da Baixada Fluminense.
Quatro pessoas foram presas, outras quatro detidas e um menor apreendido. Nenhuma delas está envolvida com o resgate. 

JORNAL O POVO (CE)


Ceará terá primeira feira de aviação


Mesmo com a crise, o mercado aeronáutico brasileiro é visto como promissor, sendo cotado por algumas instituições entre os dez maiores para a aquisição de novas aeronaves de passageiros até 2020. Uma mostra desse potencial será apresentada durante a feira Expo Air Business & Conference, organizada pela All About Eventos em conjunto com a Intelecto Comunicação.
A Expo Air Business deve ocorrer no Aeroporto Dragão do Mar, no município de Aracati, no período entre 12 a 14 de maio de 2017. Esta será a primeira feira do gênero no Norte e Nordeste, e promete atrair os principais agentes da cadeia produtiva da aviação para o Ceará.
Paralelamente ao evento, haverá o I Encontro Brasileiro de Engenharia Aeronáutica, Segurança e Manutenção, através de parceria da Secretaria da Ciência e Tecnologia do Ceará (Secitece) e da Universidade Federal do Ceará (UFC).
Ou seja: duas programações estratégicas para o governo, que pretende consolidar o Estado como polo de aviação.

AGÊNCIA BRASIL


Satélite de alta resolução será usado na segurança dos Jogos Rio 2016


Marcelo Brandão

O Brasil terá o apoio de um satélite de alta resolução para reforçar a segurança durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos do Rio de Janeiro. O anúncio foi feito no último fim de semana pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann.
Segundo o ministro, o satélite possibilitará fiscalizações bastante detalhadas da cidade durante os eventos esportivos.
"Trata-se de um satélite israelense de baixa altitude, com capacidade de definição em até 50 centímetros em um espaço de 450 quilòmetros. O satélite é capaz de visualizar e identificar objetos, pessoas, carros, mercadorias”, explicou Jungmann.
O equipamento será usado de forma experimental por seis meses, como complemento da segurança e, futuramente, servirá de apoio na fiscalização fronteiriça, acrescentou o ministro.
Forças Armadas nos Jogos
As Forças Armadas vão designar 38 mil militares para cuidar da segurança dos Jogos Olímpicos do Rio, de 5 a 21 de agosto deste ano. Desse total, 20 mil atuarão na cidade-sede e o restante do efetivo será distribuído entre mais cinco cidades que receberão partidas de futebol masculino e feminino: Brasília, Belo Horizonte, Manaus, Salvador e São Paulo.
A previsão era empregar o efetivo na segurança de fronteiras, instalações dos eventos e escolta de autoridades, deixando o patrulhamento da cidade a cargo das polícias locais.
No entanto, o governador interino do Rio de Janeiro, Francisco Dornelles, pediu ao presidente interino Michel Temer que as Forças Armadas também atuem no no policiamento ostensivo nas linhas Vermelha e Amarela, na Avenida Brasil e no Aeroporto Internacional Tom Jobim.

MINISTÉRIO DA DEFESA


Ágata 11: País contará com satélite de alta resolução nos Jogos Rio 2016


Alexandre Gonzaga Assessoria De Comunicação Social (ascom) Md

Foz do Iguaçu (PR) e Campo Grande (MS), 17/06/2016 - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, em visita a área de operações da Ágata 11 no Paraná e Mato Grosso do Sul, neste final de semana, anunciou na Base Aérea de Campo Grande que o Brasil vai contar com um satélite de alta resolução para ser utilizado durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. "Nesta segunda-feira (20), estaremos apresentando uma nova ferramenta, um satélite israelense de baixa altitude, com capacidade de definição em até 50 cm em um espaço de 450 km. Ele é capaz de visualizar e identificar objetos, pessoas, carros, mercadorias", declarou Jungmann.
Ainda de acordo com o ministro, o satélite estará disponível, experimentalmente, por seis meses, complementando a segurança, e futuramente, apoiando na fiscalização das fronteiras.
Sobre a segurança nas fronteiras, Jungmann assegurou que a solução é a implantação definitiva do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), projeto estratégico de defesa, coordenado pelo Exército. "Para 2017, a prioridade será ampliar os recursos para a implantação definitiva do Sisfron”, afirmou o ministro da Defesa.
Ágata 11
Raul Jungmann foi a Foz do Iguaçu, na sexta-feira (17) pela manhã, acompanhar as ações da Ágata 11. O ministro sobrevoou a região da Tríplice Fronteira. Até aquele momento, tinham sidos vistoriados mais de 10 mil veículos, apreendidos 10 armas de uso exclusivo das Forças Armadas e 220 munições, além de três toneladas de explosivos e 12 prisões.
"Nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, vamos utilizar 38 mil militares que atuarão no contraterrorismo, segurança de infraestruturas críticas, policiamento ostensivo e recepção de mandatários", comentou o ministro Raul Jungmann.
Entre Santa Catarina e o Paraná, quatro mil militares da Marinha, Exército e Aeronáutica atuam no combate ao crime transfronteiriço como tráfico de armas e drogas, contrabando e descaminho, lavagem de dinheiro e descaminho.
Segundo a Receita Federal, um dos 30 órgãos que trabalham em conjunto na Operação Ágata na região de Foz do Iguaçu, as apreensões, nos últimos 15 anos, somam R$ 1 bilhão.
Para o delegado da Receita, Rafael Dolzan, operações de longa duração e permanentes são mais eficientes. Rafael disse que o trabalho integrado entre as agências complementam as capacidades e auxiliam no conhecimento.
À tarde, Jungmann seguiu para Campo Grande. Ainda no aeroporto da capital sul-matogrossense, o ministro conversou com os jornalistas. Questionado sobre a morte de um traficante no Paraguai, na última quarta-feira (15), explicou que o papel das Forças Armadas é a defesa do País, e que a atuação dos militares em atividades de segurança pública ocorre quando convocados, em situações especiais e esporádicas, quando há colapso ou insuficiência dos órgãos estaduais.
Na área de operações do Comando Militar do Oeste (CMO), três mil militares e 220 integrantes de agências e órgãos públicos participam da Ágata 11. Até sexta-feira (17), foram apreendidos oito toneladas de maconha e 25 quilos de cocaína.
Ainda em Campo Grande, o ministro visitou no CMO, o Centro de Operações da Ágata 11. No dia seguinte, antes de embarcar para Corumbá (MS), Jungmann conheceu o protótipo do KC-390, que ficará na Base Aérea até o dia 14 de julho, para testes e ensaios com lançamentos de carga e paraquedistas.
O piloto de teste da Embraer, Alexandre Matta, explicou ao ministro que o protótipo é uma ferramenta que confirma os requisitos dos projetos para a certificação da aeronave. "O modelo é dotado de uma série de sensores que nos permitem obter informações de conformidade", ressaltou o piloto.
Na Base Aérea, Jungmann também conheceu uma das duas aeronaves C-105 Amazonas que estão equipadas com oito cápsulas para o transporte de pacientes contaminados por agentes químico, biológico, radiológico e nuclear. Essa aeronave foi utilizada em novembro de 2015, para a transferência de um paciente, com suspeita de ebola de Belo Horizonte para a cidade do Rio de Janeiro. O ministro ainda teve contato com o simulador de voo do Super Tucano.

Aviso de Pauta: Ministro visita unidades da FAB que atuarão nos Jogos Rio 2016


Assessoria De Comunicação Social (ascom) Ministério Da Defesa

Brasília, 20/06/2016 - O Ministro da Defesa, Raul Jungmann, visitará três organizações militares da Força Aérea Brasileira na tarde desta segunda-feira (20/06), em Brasília. Jungmann conhecerá o Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA), o Primeiro Centro Integrado de Defesa Aérea e Controle de Tráfego Aéreo (CINDACTA I) e o Centro de Operações Espaciais Principal (COPE-P).
As unidades terão atuação direta nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, no gerenciamento do espaço aéreo e na interceptação de aeronaves em voos irregulares. O Ministro será acompanhado pelo Comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato.
No local, Jungmann também conhecerá o centro de comando responsável pelo primeiro satélite de comunicação e defesa 100% controlado por instituições brasileiras, a ser lançado em 2016. O Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) terá uso civil e militar.
A entrevista com o Ministro ocorrerá às 16h30, na Sala de Decisão do COMDABRA, local onde será permitida a captação de imagens.
SERVIÇO
Visita do Ministro da Defesa a unidades da FAB
Local: Comando de Defesa Aeroespacial Brasileiro (COMDABRA)
Área Militar do Sexto Comando Aéreo Regional, QI 05, Área Especial 12, Lago Sul, Brasília (DF)
Horário: Entrevista com o Ministro, às 16h30.
Os interessados devem confirmar presença pelo e-mail imprensa@fab.mil.br ou telefone (61) 3966-9640.

Tropas do 24º Contingente iniciam embarque para o Haiti


Lane Barreto Assessoria De Comunicação Social (ascom) Md

Brasília, 20/06/2016 - O embarque do 1º escalão do 24º Contingente Brasileiro de Força de Paz da Missão das Nações Unidas para Estabilização no Haiti (Minustah) aconteceu, nesse domingo (10), no Aeroporto Internacional Presidente Juscelino Kubitschek, em Brasília. Um grupo composto por militares do Batalhão de Infantaria de Força de Paz (Brabat 24, sigla em inglês), da Companhia de Engenharia (Braengcoy), do Grupamento Operativo de Fuzileiros Navais e da Força Aérea Brasileira (FAB) partiu da capital federal com destino à cidade de Porto Príncipe, capital do Haiti.
No sábado (18), a tropa de Fuzileiros Navais foi do Rio de Janeiro para Brasília, a bordo de uma aeronave Hércules da FAB. O grupo uniu-se aos demais militares da região do Planalto para dar início ao rodízio entre os contingentes que ocorre a cada seis meses. O 24º Contingente será composto por 970 militares que irão seguir para o Haiti divididos em cinco voos nos próximos dias.
O contingente brasileiro, a maior parte procedente do Comando Militar do Planalto (CMP), será desdobrado na capital haitiana e terá a missão de contribuir para a manutenção de um ambiente seguro e estável naquele país em prol da Minustah. O novo comandante do BRABAT, coronel Sebastião Roberto de Oliveira, ressaltou a importância do rodízio para dar continuidade ao trabalho que vem sendo realizado pelo 23º Contingente. “Ele é importante em termo de projeção internacional do Brasil e também para mostrar de forma conjunta o Exército, a Marinha e a Aeronáutica atuando no exterior”, disse.
O coronel Roberto ingressou na Escola Preparatória de Cadetes de Exército, em 1982 e, logo em seguida, seguiu para a Academia Militar das Agulhas Negras. Ele já exerceu a função de ajudante de ordens do comandante do Exército, foi instrutor na Guatemala e, participou de missões da ONU, no Chipre e no Haiti.
Os momentos anteriores ao embarque do oficial de logística da Força Terrestre, Átila Ricardo Larsen, foram acompanhados de perto pela esposa e filha. Integrante da arma de artilharia, ele passou seis meses em Cristalina em treinamento junto à equipe. ”Nós fizemos um estágio básico e um avançado de operações”, conta Larsen sobre a fase preparatória. Ao lado da filha Milena, a esposa Adriana de Fátima Larsen estava tranquila e disse apoiar a missão do marido. “Irei tentar manter a mesma rotina e estou orgulhosa dele estar indo representar o Brasil lá fora”.
Entre os militares, três mulheres chamaram atenção no meio do grupo majoritariamente formado por homens: a sargento Daniella Trabach Silva e as tenentes Rayane Rodrigues Guimarães e Noemi Martins Pereira. Há sete anos no Exército, Noemi diz estar realizando um sonho ao participar da Minustah. “Sempre tive o sonho de participar de uma missão de paz. Penso que a experiência da volta do Haiti vai ser uma realização profissional e pessoal”, afirmou.
O Brasil possui tropas no Haiti desde o ano de 2004 e já empregou mais de 26.200 militares do Exército na missão. Desde o início, o Comandante do Componente Militar da Minustah é um oficial general brasileiro. Atualmente, quem ocupa o posto de Force Commander é o general Ajax Porto Pinheiro.

Ágata 11: Ministro Jungmann acompanha ações em Corumbá


Alexandre Gonzaga Assessoria De Comunicação Social (ascom) Md

Corumbá (MS), 18/06/2016 - O ministro da Defesa, Raul Jungmann, esteve neste sábado (18), em Corumbá, no Mato Grosso Sul, para acompanhar as ações da 11ª edição da Operação Ágata. No primeiro compromisso do dia, o ministro Jungmann foi ao posto da Receita Federal, na divisa entre o Brasil e a Bolívia. Na região de Corumbá, cerca de 1 mil militares da Marinha, Exército e Aeronáutica e integrantes de 12 agências governamentais atuam no combate ao crime transfronteiriço.
Na fronteira, circulam, entre os dois países, aproximadamente 80 mil veículos por mês. O resultado da Operação contabiliza, até agora, a apreensão de 120 quilos de pasta base de cocaína e 2,5 toneladas de maconha, além de armas e munições.
"A Operação inibe a continuidade do crime e representa um esforço na segurança para reduzir a taxa de criminalidade nos centros urbanos", comentou o ministro Jungmann.
Para o ministro, a solução permanente para o enfrentamento ao crime nas fronteiras é a implantação definitiva do Sistema de Monitoramento de Fronteiras, o Sisfron. "Ele (o sistema) significa o aumento na fiscalização e controle, além de atender o principal objetivo, que é defender as fronteiras do Brasil".
Deslocamento fluvial
Raul Jungmann seguiu de lancha pela hidrovia do Rio Paraguai, até um posto de bloqueio e controle fluvial, distante 15 quilômetros do Complexo Naval de Ladário (MS).
Durante o deslocamento fluvial, o ministro pôde verificar os atendimentos médicos e odontológicos à população ribeirinha do Pantanal Sul-Matogrossense, realizados pelo Navio de Assistência Hospitalar (NAsH) "Tenente Maximiano", da Marinha, e pela embarcação "Forte Coimbra", do Exército.
Imagem
No posto de bloqueio fluvial, onde a Marinha do Brasil mantém uma área denominada de Adestramento do Rabicho, 30 militares realizam patrulhas no rio Paraguai.
"Fronteira é zona sensível para a soberania e defesa nacional, e ações como esta contribuem também para a segurança dos Jogos Olímpicos", afirmou o ministro Raul Jungmann.
A Operação, que ocorre de Roraima ao Rio Grande do Sul, envolvendo os 16.886 quilômetros de fronteira, em 11 estados, é realizada às vésperas dos Jogos Rio 2016.As últimas edições da Ágata precederam a realização de grandes eventos como a Copa das Confederações, em 2013, e a Copa do Mundo, em 2014.
Após a visita ao posto de bloqueio fluvial, o ministro Jungmann embarcou no Navio de Transporte Fluvial Almirante Leverger.
Na região de Corumbá e Ladário, a Marinha exerce papel fundamental na Operação Ágata 11. Segundo o comandante do 6º Distrito Naval, almirante Petrônio Augusto Siqueira de Aguiar, as atividades da Ágata acontecem simultaneamente às ações cívico-sociais (Acisos), que já realizaram mais de 100 atendimentos médicos, 45 odontológicos e distribuíram 10 mil medicamentos. A Ágata opera na região com seis navios, 59 embarcações, dois helicópteros e sete viaturas.
Estiveram também presentes nas ações o comandante da Aeronáutica, brigadeiro Nivaldo Luiz Rossato; o comandante de Operações Terrestres do Exército, general Araken de Albuquerque; o chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA) do Ministério da Defesa, almirante Ademir Sobrinho; o chefe de Operações Conjuntas do EMCFA, general Gerson Menandro Garcia de Freitas; o comandante Militar do Oeste, general Paulo Humberto Cesar de Oliveira; além de outras autoridades civis e militares.
Ágata
A Ágata é uma iniciativa de responsabilidade do Ministério da Defesa, sob coordenação do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas (EMCFA). O objetivo da Operação é combater delitos como narcotráfico, contrabando e descaminho, tráfico de armas e munições, crimes ambientais, imigração e garimpo ilegais, entre outros ilícitos.
Todas as atividades são desempenhadas por militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica, além da participação de profissionais de mais de 30 agências governamentais. A Operação foi instituída por decreto, em 2011, no âmbito do Plano Estratégico de Fronteira (PEF).
Este ano, a ação conta com 12 mil militares da Marinha, do Exército e da Força Aérea. Além desse total, participam agentes da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Receita Federal, Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), Fundação Nacional do Índio (Funai), Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Agência Brasileira de Inteligência (Abin), Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Ministério Público Federal, entre outros.
A Ágata é a maior mobilização realizada pelo Brasil no combate aos ilícitos de norte a sul do país.

JORNAL ZERO HORA


Presidente afastada Dilma Rousseff deixa Porto Alegre rumo a Brasília

A partida foi atrasada devido à forte neblina na capital gaúcha

A presidente da República afastada, Dilma Rousseff, retornou a Brasília na noite deste domingo, após ter passado o fim de semana em Porto Alegre ao lado da família. Dilma deixou o Estado por volta das 22h15min.
A partida, de acordo com assessores da petista, estava prevista para as 20h30min, mas foi atrasada devido à forte neblina que prejudicou mais de 80 voos no aeroporto Salgado Filho.
Dilma chegou à capital gaúcha no sábado. Ela não teve agenda oficial e dedicou todo o tempo à filha, Paula Araújo, e aos dois netos, Gabriel e Guilherme, que moram na cidade.
Na manhã deste domingo, o mau tempo fez a presidente afastada desistir de andar de bicicleta pela Orla do Guaíba, como costuma fazer quando está na Capital. Com o frio intenso e a neblina, ela não foi vista se exercitando e optou por ficar em casa.
A presidente afastada fez um giro pelo Nordeste durante a semana passada em um jatinho pago pelo PT. Para Porto Alegre, ela viajou em uma aeronave da Força Aérea Brasileira. A Casa Civil restringiu o direito da petista de usar os aviões da FAB. Só estão permitidos os trajetos justamente entre Brasília e Porto Alegre, onde ela tem casa.

JORNAL ESTADO DE MINAS


Press Release from Business Wire : Vocality


O Parque de Material de Eletrônica da Aeronáutica do Rio de Janeiro (PAME-RJ) enfrentou um grande obstáculo a ser superado: a condição obsoleta do seu atual sistema de comunicações por satélite para uma das aplicações mais vitais, o controle de tráfego aéreo. Este sistema de comunicação com base em satélite fornece quase todos os serviços de voz e dados ao Comando da Aeronáutica (COMAER) através de 111 estações instaladas por todo o território nacional.
A Vocality trabalhou em estreita colaboração com seu parceiro local, a RSA Engineering, para substituir o sistema obsoleto, garantindo, ao mesmo tempo, suporte para todos os protocolos de comunicação existentes de voz e dados. O novo sistema também tinha que atender ao aumento de capacidade para os requisitos de carga de dados que crescem exponencialmente desde 2000.
"A RSA atende às necessidades do PAME-RJ há muitos anos. Estamos muito conscientes dos desafios e satisfeitos de identificar a Vocality como uma possível solução. Depois da seleção da Vocality, descobrimos que sua tecnologia não só atendia aos requisitos, mas superava as expectativas - Rivaldo da Silva, diretor executivo da RSA Engineering.
O uso da tecnologia inovadora da Vocality, associada com os novos módems via satélite, proporcionou uma redução de cerca de 90% na banda larga utilizada por cada estação. O sistema atualizado tem capacidade agora para até 10 vezes mais dados, sem aumentar os requisitos de banda larga via satélite. Isto resultou em uma economia esperada de R$ 5 milhões em capacidade alugada dos provedores de banda larga via satélite do PAME-RJ.
"A Vocality está muito satisfeita por ter trabalhado com a RSA na concepção deste sistema de missão crítica e com economia de custos para a Força Aérea Brasileira. É maravilhoso saber que quando eu voo para o Brasil, a aeronave em que estou está em contato com o controle de terra através da Vocality. Paul Moskowitz, vice-presidente sênior da Vocality para o Continente Americano
A capacidade de monitoração e controle remoto permite uma mudança no modelo de manutenção preventiva das estações remotas, reduzindo a necessidade de técnicos no local em mais de 80% dos procedimentos de manutenção. Considerando-se a natureza remota das implantações brasileiras, isso aumenta a produtividade do sistema, enquanto reduz os custos contínuos.
A economia geral decorrente das melhorias com base na Vocality, redução da banda larga e gerenciamento de sistemas remotos, proporcionará ao PAME-RJ um retorno de dois anos sobre o investimento total.
Sobre a Vocality
A Vocality desenvolve produtos que melhoram a qualidade de voz, aumentam o desempenho do vídeo e aprimoram a tráfego de dados através de redes IP, incluindo redes via satélite e sem fio (wireless).
Atualmente, algumas das comunicações mais importantes do mundo dependem da Vocality. Suas soluções inovadoras oferecem a melhor comunicação possível, sem fronteiras e através de tecnologias, apesar de todos os desafios.
Notas para os editores - A Vocality é um desenvolvedor e fabricante de produtos para comunicações, localizado no Reino Unido e Virginia, EUA. - Um caso de estudo completo sobre este projeto está disponível em nosso site em inglês e português brasileiro, http://www.vocality.com/case-studies
-- A Vocality é um desenvolvedor e fabricante de produtos de comunicação, localizada no Reino Unido e na Virgínia nos Estados Unidos.
-- Um caso de estudo completo sobre este projeto está disponível em nosso site em inglês e português brasileiro - http://www.vocality.com/case-studies
O texto no idioma original deste anúncio é a versão oficial autorizada. As traduções são fornecidas apenas como uma facilidade e devem se referir ao texto no idioma original, que é a única versão do texto que tem efeito legal.
Vocality Contato com a imprensa Zoe Yates E-mail:zoe.yates@vocality.com Tel.: + 44 1483 813120 ou Consultas de vendas para o Continente Americano Fernanda Fox E-mail:fernanda.fox@vocality.com Tel.: +1 703 787 9133
This material is not an AFP editorial material and AFP shall not bear responsability for the accuracy of its content. In case you have any questions about the content, kindly refer to the contact person mentioned in the text of the release.
End of the Business Wire´s Press Release

PORTAL BRASIL


Força Aérea realiza o 3º transporte de órgãos do mês

Tripulação do C-97 Brasília transportou um coração e um pâncreas, captados em Florianópolis (SC) e enviados para Curitiba (PR)

A Força Aérea Brasileira (FAB) transportou, na madrugada desse domingo (19), um coração e um pâncreas, que foram captados na cidade de Florianópolis (SC) e enviados para Curitiba (PR). Um homem de 57 anos recebeu o coração durante a tarde. Esse é o terceiro transporte realizado pela FAB somente neste mês.
A tripulação do avião C-97 Brasília, operado pelo Esquadrão Carajá (4 ETA), sediado em São Paulo (SP), foi acionada às 2h55. A equipe partiu para a capital paranaense, onde quatro profissionais de saúde embarcaram. Foram 40 minutos de voo para chegar ao Hospital Regional de São José, na grande Florianópolis, para a cirurgia de retirada de órgãos.
A equipe retornou a Curitiba por volta das 12h40 e seguiu de helicóptero do aeroporto de Bacacheri até o Hospital Angelina Caron, em Campina Grande do Sul, na Grande Curitiba.
"A tripulação, além de preparada, estava muito motivada para realizar esta missão porque todos entendemos a grandeza deste ato. Com o nosso trabalho, podemos estar ajudando a salvar uma ou duas vidas”, relata o piloto, Tenente Osvaldo Maslinkiewicz, que lembra do frio da madrugada. Em São Paulo fez 13 C graus e em Florianópolis 10 C.

REVISTA EXAME


Primeiro Lugar


Aeroportos
Os IPOs da INFRAERO
A Infraero deu a bancos de investimento quatro meses para apresentar suas propostas para a abertura do capital de duas subsidiárias: a Infraero Aeroportos, que vai reunir os aeroportos em que não há concessão privada (Congonhas, Santos Dumont e Manaus), e a Infraero Participações, que reúne as participações minoritárias da estatal em Guarulhos, Campinas, Brasília, Confins e Galeão. Para valorizar o passe, a Infraero quer licitar a exploração comercial de Congonhas antes da oferta de ações. A reestruturação também inclui aumentar o faturamento criando duas empresas - a Asas, em parceria com a alemã Fraport, que fará consultoria de gestão de aeroportos, e a Infraero Navegação Aérea, em parceria com a Aeronáutica, especializada em serviços de navegação aérea.

JORNAL A CRÍTICA (AM)


Ação Cívico-Social da operação Ágata 11 atende moradores de Itacoatiara (AM)

A atividade envolveu militares das três Forças Armadas do País (exército, marinha e aeronáutica) que ofertaram serviços na assistência jurídica e social, barbearia, corte de cabelo, palestras, além de uma variedade de especialidades na área médica

Isabelle Valois Manaus (am)

Mais de 4 mil moradores do município de Itacoatiara (a 277 quilômetros de Manaus) foram assistidos neste final de semana, com a Ação Cívico-Social da operação ‘Ágata 11’. A atividade envolveu militares das três Forças Armadas do País (exército, marinha e aeronáutica) que ofertaram serviços na assistência jurídica e social, barbearia, corte de cabelo, palestras, além de uma variedade de especialidades na área médica.
A dona de casa, Eloiza Guerreiro Ramos, 41, foi uma das beneciadas com a ação. Desde a última quinta-feira, ela vinha sentindo fortes dores quando precisava urinar. “Ouvi no rádio que Itacoatiara iria ganhar a ação, então preferi esperar pelo atendimento dos militares do que ir direto para um posto, pois a situação no interior é bem diferente da capital. Aqui estamos completamente esquecidos. Se for hoje ao posto, só conseguirem um agendamento para dois meses e até lá o meu problema de saúde já estará resolvido. No hospital não é muito diferente, quando não tem médico, falta leito, então escolhemos tratar a doença por conta própria ou quando não recebemos esse tipo de ação”, disse.
Eloíza aproveitou o atendimento e levou todos os exames de rotina que havia realizado no final do ano, mas só tinha conseguido agendar uma consulta com o clínico geral em agosto deste ano, para apresentar aos médicos que atenderiam a ação.
Assim como Eloíza, a dona de casa, Silmara Medeiros, 23, aproveitou a ação para levar a filha de um ano e sete meses para passar por uma consulta com um pediatra. “Temos que aproveitar esse tipo de projeto. Espero que essa ação se repita nos próximos anos, pois todos precisamos dessa assistência”, comentou.
Participação de general
Acompanhado dos comandantes das três forças armadas, o comandante-geral do exército, general Villas Bôas, prestigiou as atividades realizadas na Ação Cívico-Social da operação Ágata 11. O atendimento ocorreu na Praça da Matriz (da igreja de Nossa Senhora do Rosário), no Centro do município. Para animar a ação, músicos das três forças armadas se uniram e apresentaram um variado repertório, que animou os participantes em um período de 10 horas, em dois dias.
Objetivo da operação
A “Operação Ágata” consiste na ação de militares das três Forças Armadas do País, com o objetivo de combater crimes nas fronteiras, com destaque para o narcotráfico, contrabando, descaminho, tráfico de arma e munições, crimes ambientais e garimpo ilegal.

OUTRAS MÍDIAS




PORTAL D24AM


Seis quilos de droga são apreendidos em embarcação no rio Solimões

O entorpecente foi encontrado na manhã desta segunda-feira durante patrulhamento fluvial em apoio a Operação Ágata 11
Manaus – Seis quilos de droga foram apreendidos na manhã desta segunda-feira (20), durante patrulhamento fluvial em apoio a Operação Ágata 11, no rio Solimões, próximo ao município de Alvarães.
Segundo informações do 3º Batalhão de Polícia Militar do Amazonas (3º BPM), ao realizar abordagem na embarcação Voyager, vinda do município de Tabatinga, foi encontrado seis tabletes, que após pesagem resultaram em 6,148Kg de entorpecente, com característica de pasta-base de cocaína. A droga estava dentro de uma mochila, que estava escondida no armário da tripulação, no entanto, o dono não foi identificado.
O comandante da embarcação, que não teve o nome divulgado, informou que o barco já havia sido abordado em Tabatinga e Santo Antônio do Içá e que, provavelmente, o infrator embarcou em Tonantins.
As drogas apreendidas foram encaminhadas para o 59º DIP em Alvarães.
A operação terá continuidade até o dia 22 de junho de 2016.

PORTAL REGIÃO NORDESTE


Esquadrilha da Fumaça aposta em contato com jovens

Aviador votuporanguense, Lucas Pacheco Yoshida, ministrou palestra para alunos, apresentando a Força Aérea Brasileira e o trabalho de um piloto
ImagemVotuporanga - Mais do que uma demonstração de tirar o fôlego, a Esquadrilha da Fumaça aposta no contato com os jovens para a apresentação da Força Aérea Brasileira (FAB) e para o ingresso na carreira militar.
Nesta segunda-feira (20/6), alunos das redes pública e privada participaram de um bate-papo com o aviador votuporanguense da Esquadrilha da Fumaça, 1º tenente Lucas Pacheco Yoshida, piloto de caça e que comanda o avião da Ala Esquerda ou Posição 3.
O encontro aconteceu no Centro de Convenções Jornalista Nelson Camargo. O público de 150 estudantes, entre 11 e 17 anos, assistiram temas como "formas de ingresso na Força Aérea", "história da Esquadrilha, "trabalho em equipe", entre outros.
Lucas Yoshida explicou as opções para entrar na FAB. “Para os alunos que terminaram o Ensino Fundamental, a opção é alistamento militar ou a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), em Barbacena. Mas também há possibilidades para os jovens que concluíram o Ensino Médio e que podem ingressar via vestibular”, explicou.
Ele falou sobre a história da Esquadrilha, que teve início no dia 14 de maio de 1952, data de sua primeira demonstração oficial com quatro aeronaves.
Em 2006, o grupo se apresentou com 12 aviões, o que rendeu título para o Guiness Book. “O ano de 2012 foi o nosso recorde, com 130 eventos”, explicou.
A Esquadrilha da Fumaça possui 13 pilotos, em sete posições de voo. “Cada piloto permanece cinco anos no grupo. É importante este rodízio para oxigenar o projeto e chegar novos profissionais, com novas ideias”, disse.
Demonstração
De acordo com a FAB, mais de 25 mil pessoas prestigiaram a demonstração da Esquadrilha da Fumaça em Votuporanga na tarde deste domingo (19/6). A apresentação da Fumaça marcou o início das comemorações de 79 anos de Votuporanga.

COLUNA GILBERTO AMARAL


Reparação

Bem antes do vice Michel Temer ocupar a presidência da República, eu vinha comentando como observador político, que a primeira coisa que faria era chamar os militares e devolver as honrarias de ministro aos três chefes das Forças Armadas, que foram cortadas pela presidenta Dilma. Parece que tal decisão chegou aos ouvidos de Temer. Eu ainda faria mais, chamaria a mais alta patente da Marinha, que é a mais antiga, e a colocaria no Ministério da Defesa.


BLOG DO ESMAEL


Temer reprova no detector da mentira ao rebater Machado; veja o resultado

Uma análise técnica de voz feita pela empresa Truster Brasil sobre a declaração à imprensa realizada pelo presidente interino, Michel Temer, na última quinta-feira 16 indica, segundo o perito que assina o documento, Mauro J. Nadvorny, que ele “muito provavelmente não está sendo verdadeiro quando afirma que Sérgio Machado fez uma manifestação mentirosa”.
A análise aponta ainda que Temer também não deve estar sendo verdadeiro quando diz que sua honra está acima da tarefa pública que exerce no momento e quando afirma que quem cometeu o delito relatado pelo ex-presidente da Transpetro em depoimento não teria condições de presidir o País. Na conclusão geral, o documento aponta: “o Sr. Michel Temer muito provavelmente pediu ao Sr. Sérgio Machado dinheiro para a campanha de Chalita”.
Em outra análise, feita com a voz de Sérgio Machado em seu depoimento aos investigadores da Operação Lava Jato, a empresa aponta que o encontro entre Temer e Machado na Base Aérea de Brasília, conforme relatado por Machado, muito provavelmente ocorreu, mas que o repasse feito ao então candidato à Prefeitura de São Paulo em 2012, Gabriel Chalita, provavelmente não deve ter sido de R$ 1,5 milhão, nem feito pela empreiteira Queiroz Galvão, como disse o delator.
A segunda análise também aponta que “as ajudas relatadas para as campanhas de [senador] Valdir Raupp [PMDB-RR] muito provavelmente não foram exatamente nos valores, datas e pelas empresas informadas”.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented