|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 13/05/2016 / Próximos meses serão decisivos para uso de drones em segurança


Próximos meses serão decisivos para uso de drones em segurança ...


O mercado de drones tem evoluído quase tanto quanto os próprios aparelhos. Se antes era algo raro ver um quadricóptero sendo usado por curiosos e geeks, hoje já é comum vê-los nos mais diversos eventos em cidades grandes ou pequenas. Mas o uso tem sido restrito à gravação de imagens aéreas. Isso pode mudar drasticamente nos próximos meses na Europa.

A França deve ser o centro da ampliação do mercado de drones para segurança. O país já sofreu com atentados terroristas e a preocupação com ataques multiplica a cada momento. Nos próximos dois meses, dois eventos esportivos de alcance mundial deverão colocar drones no ar e cuidar da segurança de cidadãos.

O primeiro deles é a final do campeonato de futebol UEFA Euro 2016, que ocorrerá em 10 cidades sede e um público de mais de 2,5 milhões de espectadores, de 10 de junho a 10 de julho. Outro é o famosíssimo Tour de France, a competição de ciclismo mais aguardada do mundo, também em julho.

Câmeras térmicas

Ambos os eventos são altamente divulgados e atraem uma multidão aos locais de competição. Por isso, a polícia de Paris já está treinando em como usar drones para lidar com vigilância de atletas e públicos e evitar incidentes. A intenção é usar hexacopteros (de seis hélices) que voam a baixa altitude para vigiar áreas.

Mas não serão drones comuns. Os aparelhos contarão com câmeras de alta definição, imagem térmica infravermelha e sensores diversos para evitar serem abatidos com facilidade e conseguirem desviar de ataques. A capacidade dos hexacópteros deve ser de voar a 100 metros de altitude e 22 mph. Os drones ainda reconhecerão placas de carros.

Não foi divulgado o número de drones adquiridos, mas o Le Figarro divulgou que seriam gastos cerca de 430 mil euros.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.



PORTAL CONSULTOR JURÍDICO


Justiça de SE nega reintegração de militar temporário por causa de doença


Militar que prestou serviço militar obrigatório não tem direito a estabilidade e, por esse motivo, não pode ser reintegrado para ter acesso a tratamento médico. Foi o que decidiu a 3ª Vara Federal de Sergipe ao negar o pedido de um ex-integrante do 28º Batalhão de Caçadores, sediado em Aracaju, para voltar às Forças Armadas.
O ex-militar pediu a reintegração na condição de agregado, recebendo remuneração e com tratamento de saúde continuado. O soldado possui ceratocone nos dois olhos, o que afeta sua visão.
Na ação, ele afirmou que, devido à doença, foi excluído do Exército em 2 de setembro de 2013. Contudo, justamente por causa da incapacidade, a União deveria fornecer todas as condições para que pudesse voltar a exercer suas funções.
A Advocacia-Geral da União contestou. Explicou que o autor passou por inspeção de saúde do Exército e que vários atestados para afastamento foram concedidos para tratamento. As medidas foram adotadas, mesmo não havendo qualquer relação entre a ceratoconte, uma doença hereditária, e o serviço militar.
A AGU argumentou ainda que o autor não tinha estabilidade no serviço militar e que parecer médico das Forças Armadas atestou que a sua incapacidade não o impede de exercer atividades civis.
A 3ª Vara Federal de Sergipe acolheu a tese. Segundo a decisão, ficou comprovado que a doença não foi causada por acidente em serviço e que o autor era soldado temporário, que prestava serviço militar obrigatório. De acordo com a sentença, o autor não é considerado inválido permanentemente para qualquer trabalho, o que inviabiliza o pedido. Com informações da Assessoria de Imprensa da AGU.

PORTAL JANES (Inglaterra)


Brazil names new defence minister


Victor Barreira, Istanbul

Raul Belens Jungmann Pinto has been appointed as new Brazilian minister of defence, replacing José Aldo Rebelo Figueiredo who was in the post since October 2015.
Raul Jungmann has been serving as a federal deputy for the Pernambuco State branch of the Popular Socialist Party (PPS).
The appointment was announced on 12 May by the countrys Interim President Michel Miguel Elias Temer Lulia (until now vice-president and until last April head of the Brazilian Democratic Movement Party), and comes the same day as Dilma Vana Rousseff was suspended from Brazils presidency for up to 180 days due to an impeachment process over accusations that she manipulated government accounts.

PORTAL G-1


Raul Jungmann (PPS), ministro da Defesa do governo Temer

Durante governo tucano, foi ministro do Desenvolvimento Agrário. Michel Temer assumiu como presidente em exercício.

Do G1, Em São Paulo

Raul Jungmann (PPS-PE) foi anunciado como ministro da Defesa de Michel Temer. Deputado federal e consultor de empresas, natural do Recife, ele foi ministro de Fernando Henrique Cardoso.
Durante o governo FHC, foi o principal responsável por questões fundiárias no país, chefiando o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) entre 1996 e 2002.
Foi filiado ao MDB entre 1972 e 1994. Ajudou a fundar o PPS, permanecendo no partido até 2001, quando o deixou para integrar o PMDB. Dois anos depois, em 2003, voltou para o PPS, permanecendo filiado à sigla até hoje.
Nos anos 1990, foi secretário de Planejamento do governo de Pernambuco, no governo de Carlos Wilson.
Em 1995, assumiu a presidência do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), o Ministério Extraordinário de Política Fundiária e o recém-criado Ministério do Desenvolvimento Agrário.
Durante o governo de Itamar Franco, assumiu a Secretaria Executiva do Ministério do Planejamento.
Entre 2003 e 2010, atuou como deputado federal por dois mandatos consecutivos. Entre as funções, foi vice-presidente da CPI das Sanguessugas, que investigou um esquema de corrupção envolvendo ambulâncias.
Foi um dos autores da proposta de emenda constitucional que colocou fim ao pagamento de “jetom” aos deputados e senadores por convocações extraordinárias no Congresso.
Na Frente Brasil Sem Armas, defendeu o fim da comercialização de armas no país.
Além disso, foi um dos principais críticos ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) e à política agrária do governo Lula
Em 2011, foi conselheiro da Light S.A., controlada pela estatal Cemig, em MG, e conselheiro da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) de São Paulo e da Prodam (Empresa de Tecnologia da Informação e Comunicação).
Em 2012, foi eleito vereador no Recife e, em 2015, retornou à Câmara Federal.
Chegou a ser investigado por fraude em licitação, peculato e corrupção em contratos de publicidade da época em que foi ministro do Desenvolvimento Agrário, entre 1998 e 2001. Os contratos somavam R$ 33 milhões. A Justiça Federal arquivou o inquérito.

Sérgio Etchegoyen, ministro da Secretaria de Segurança Institucional

É filho de general citado pela Comissão da Verdade por crimes na ditadura. Oficial atuou em El Salvador e EUA e implantou estratégia de defesa do país.

O general gaúcho Sérgio Westphalen Etchegoyen, de 64 anos, foi o escolhido por Michel Temer para assumir como ministro-chefe da Secretaria de Segurança Institucional. A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) também ficará subordinada à pasta.
Atuando desde março de 2015 como chefe do Estado-Maior do Exército brasileiro, coordenando a atuação operacional e a política estratégica dos militares em todo o país, Etchegoyen é natural de Cruz Alta e ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras, que forma os oficiais militares, em 1º de março de 1971, tendo escolhido a arma de Cavalaria.
Ele é casado e possui três filhos e dois netos, segundo o Exército. Comandou, como general, a 4ª Brigada de Cavalaria Mecanizada, de 2005 e 2006, em Dourados (MS), a Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, de 2007 a 2009, no Rio de Janeiro, e a 3ª Divisão de Exército – Divisão Encouraçada, de 2011 a 2012, em Santa Maria (RS), tendo sido considerado por alguns militares como um perfil mais "linha dura".
Durante o tempo em que esteve à frente da tropa gaúcha, investigou a denúncia de um abuso sexual de um militar dentro de um quartel de Santa Maria. Em entrevista ao G1 na época, Etchegoyen afirmou que um soldado de 19 anos acusou quatro colegas de farda pelo crime.
Em 2014, após a divulgação do relatório das conclusões da Comissão Nacional da Verdade, que investigou fatos ocorridos durante o regime militar, o general foi o primeiro oficial de alta patente a se manifestar sobre a questão, ao ter o nome do pai, general Leo Guedes Etchegoyen, morto em 2003, incluído na lista de 377 agentes do Estado considerados responsáveis por crimes na época da ditadura.
Em nota divulgada na época, o general Sérgio Etchegoyen e outros quatro irmãos, além da mãe dele, protestaram contra a inclusão do nome, afirmando que a Comissão da Verdade tinha o propósito de "puramente denegrir" a imagem do general Leo Etchegoyen, não tendo contatado a família para obter informações e chamando de "levianas" as acusações.
Em 2015, já no Estado-Maior do Exército, Sérgio Etchegoyen atuou no início do processo de implantação do Sistema de Monitoramento das Fronteiras (Sisfron) pelo Exército em Rondônia, que consiste em uma rede de sensores será instalada ao longo das divisas do país para identificar invasões e crimes registrados na região, como o combate ao tráfico de drogas e armas e contrabando.
Comandos assumidos

Ainda durante a carreira, o general atuou como assessor especial militar do Ministro da Defesa e Chefe do Núcleo de Implantação da Estratégia Nacional de Defesa, entre 2009 a 2011, que prevê as diretrizes para a defesa terrestre, aérea e marítima do país e a visão para o futuro da proteção de conflitos envolvendo o Brasil.
Etchegoyen foi comandante da Escola de Aperfeiçoamento de Sargentos das Armas, de 1993 a 1995, localizada em Cruz Alta (RS). Em 2012, foi chefe do Departamento-Geral do Pessoal do Exército, localizado em Brasília (DF).
Dentre a experiência internacional como militar, atuou na Missão de Verificação das Nações Unidas (ONU) em El Salvador, entre 1991 e 1992, e foi chefe da Comissão do Exército Brasileiro em Washington (EUA), de 2001 a 2003. Também realizou o curso Senior Leader Mission Course da ONU em Durban, na África do Sul.

Com radares desligados, risco de tempestades preocupa em Angra

Equipamentos de previsão do tempo foram desativados pela Aeronáutica. Situação deixa trabalho da Defesa Civil comprometido.

Do G1 Sul Do Rio E Costa Verde

Angra dos Reis, RJ, tem mais um motivo para se preocupar na próxima temporada de chuva. Depois do sistema de sirenes e alerta de emergência ter sido desligado pelo governo do Estado por falta de recursos, a Aeronáutica alegou o mesmo motivo para interromper a operação dos radares meteorológicos.
Quem conhece a fama dos pescadores sabe que a experiência fala muito quando o assunto é a previsão do tempo. "Nos tempos antigos a gente conhecia a natureza. Hoje, com essa modificação, está mais difícil. Aí tem que apelar para os aparelhos: internet, televisão. Só tem esse jeito, agora", disse o aposentado Licínio Almeida.
O problema é que equipamentos usados para fazer a previsão do tempo foram desligados pela Aeronáutica em várias estações do país. A justificativa é a falta de dinheiro. Além de fornecer informações para aviação, os dados traziam detalhes sobre a quantidade de a aproximação da chuva.
Essas informações eram usadas pela Defesa Civil de Angra dos Reis para calcular o risco de desastres naturais. Com apenas um radar funcionando, parte do trabalho fica comprometida porque os técnicos não vão ter informações detalhadas sobre temporais."Eles eram usados normalmente, na rotina. Para você pegar as nuvens que estavam chegando, nuvens pesadas. Isso era muito importante para a gente", disse o secretário de Defesa Civil, Hele Serafim.
Situação preocupa moradores de áreas de risco

A Defesa Civil recebia as informações dos radares de São Roque, em São Paulo, e do Pico do Couto, no Rio de Janeiro. O radar de São Roque voltou a operar, mas ele não é mais indicado para as previsões da Costa Verde. "Não tem a mesma precisão. Porque quando você trabalha com 3 mil metros, você tem a maior precisão. Com 10 mil você não sabe se vai chover naquele local, ali", disse Hele.
Segundo o município, 72 mil pessoas ainda moram em áreas de risco. A falta dos radares é um motivo a mais de preocupação. "Eu moro em uma área de risco. Um aparelho desse, importante, não podia acontecer isso ", explicou o servidor público Anísio Carlos dos Santos. "Eu acho que prejudica bastante. Principalmente a comunidade que mora em áreas de risco e também o turismo da cidade", reclamou a professora Rosana Martins Coelho.

Diário Oficial publica nomeação de ministros do governo de Temer

Entre novos integrantes estão Meirelles, Jucá, Padilha e Serra. Senado afastou Dilma do cargo na manhã desta quinta-feira.

O governo publicou no "Diário Oficial" da União desta sexta-feira (13) a nomeação dos novos ministros que vão compor o governo do presidente em exercício Michel Temer. A posse ocorreu na véspera. Temer assumiu o posto no lugar da presidente Dilma Rousseff, afastada pelo plenário do Senado, que deu início ao seu processo de impeachment.
Entre os novos integrantes do primeiro escalão estão Henrique Meirelles (Fazenda), Romero Jucá (Planejamento), Eliseu Padilha (Casa Civil), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) e José Serra (Relações Exteriores).
Na véspera, após concluir o ato de posse, Temer fez seu primeiro pronunciamento como presidente em exercício. Ele falou em reequilibrar as contas públicas, recuperar investimentos e manter programas sociais, como o Bolsa Família, ProUni e Minha Casa, Minha Vida.
No início da noite, o peemedebista foi para cerimônia de posse do novo presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Gilmar Mendes.
Ao longo de toda a manhã desta quinta-feira, Temer permaneceu no Palácio do Jaburu, residência oficial da Vice-presidência, acompanhado de aliados e conselheiros políticos.
Enquanto Temer recebia aliados no Jaburu, pela manhã, a presidente afastada Dilma Rousseff também fez um pronunciamento no Planalto, logo após ter sido intimada pelo senador Vicentinho Alves (PR-TO) sobre a decisão do Congresso Nacional.
Dilma voltou a dizer que o impeachment é "golpe" e que o afastamento dela é "a maior das brutalidades". Em seguida, Dilma fez um discurso no pé da rampa do Planalto, a um grupo de integrantes de movimentos sociais que decidiram apoiá-la. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a acompanhou.
Confira abaixo a relação dos novos ministros:
Fazenda
Henrique Meirelles
Planejamento
Romero Jucá (PMDB)
Desenvolvimento, Indústria e Comércio
Marcos Pereira
Relações Exteriores (inclui Comércio Exterior)
José Serra (PSDB)
Casa Civil
Eliseu Padilha (PMDB)
Secretaria de Governo
Geddel Vieira Lima (PMDB)
Secretaria de Segurança Institucional (inclui Abin)
Sérgio Etchegoyen
Educação e Cultura
Mendonça Filho (DEM)
Saúde
Ricardo Barros (PP)
Justiça e Cidadania
Alexandre de Moraes
Agricultura
Blairo Maggi (PP)
Trabalho
Ronaldo Nogueira (PTB)
Desenvolvimento Social e Agrário
Osmar Terra (PMDB)
Meio ambiente
Sarney Filho (PV)
Cidades
Bruno Araújo (PSDB)
Ciência e Tecnologia e Comunicações
Gilberto Kasssab (PSD)
Transportes
Maurício Quintella (PR)
Advocacia-Geral da União (AGU)
Fabio Medina
Fiscalização, Transparência e Controle (ex-CGU)
Fabiano Augusto Martins Silveira
Defesa
Raul Jungmann (PPS)
Turismo
Henrique Alves (PMDB)
Esporte
Leonardo Picciani (PMDB)
Minas e Energia
Fernando Coelho Filho (PSC)
Integração Nacional
Helder Barbalho (PMDB)
O número de ministérios caiu de 32 para 24. Foram extintos:
- Secretaria de Portos da Presidência da República
- Secretaria de Aviação Civil da Presidência da República
- Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República
- Controladoria-Geral da União
- Ministério da Cultura
- Ministério das Comunicações
- Ministério do Desenvolvimento Agrário;
- Ministério das Mulheres, da Igualdade Racial e dos Direitos Humanos
- Casa Militar da Presidência República
As pastas a seguir que foram transformadas para abrigar as competências das secretarias e dos ministérios extintos:
- Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior se tornou Ministério da Indústria, Comércio e Serviços
- Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação se tornou Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações
- Ministério da Educação se tornou Ministério da Educação e Cultura
- Ministério do Trabalho e Previdência se tornou Ministério do Trabalho
- Ministério da Justiça se tornou Ministério da Justiça e Cidadania
- Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome se tornou Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário
- Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão se tornou Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão
- Ministério dos Transportes se tornou Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil
Ficam criados:
- Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (ex-CGU)
- Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

JORNAL FOLHA DE PERNAMBUCO


Estão abertas inscrições em seleção de Curso para Cadetes


Inscrições em concurso de admissão ao Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR) do ano de 2017, do Comando da Aeronáutica (Comaer) tiveram início nesta quinta-feira (12). São 180 vagas oferecidas: 160 para o sexo masculino e 20 para o feminino. O curso ocorre em Barbacena (MG).
As inscrições podem ser realizadas até as 15h do dia 30 de maio pelo site www.fab.mil.br. Uma taxa de participação de R$ 60 é cobrada e pode ser paga até 7 de junho. As provas ocorrem no dia 24 de julho em várias cidades do País, entre elas Recife (PE).
O exame também será aplicado em , Parnamirim (RN), Salvador (BA),Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ), São Paulo (SP), Canoas (RS), Brasília (DF), Manaus (AM), Campo Grande (MS), Porto Velho (RO), Boa Vista (RR), Belo Horizonte (MG), Curitiba (PR), Pirassununga (SP) e Barbacena (MG).
Para concorrer, é preciso ter ensino fundamental completo, ter idade entre 14 anos e ter 18 anos até o dia 31 de dezembro de 2017. Os interessados que são menores de 18 devem ter autorização do responsável legal para participar do processo seletivo.
O curso visa preparar interessados para o ingressarem em Curso de Formação de Oficiais Aviadores (CFOAV) da Academia da Força Aérea (AFA).
O aluno aprovado recebe uma remuneração de R$ 840 nos dois primeiros anos de curso e de R$ 858 no último, conforme remuneração dos militares das Forças Armadas. O estudante recebe, ainda, alimentação, alojamento, fardamento e assistência médico-hospitalar e dentária.
Aeronáutica – CPCAR/Comaer
Vagas: 180
Cargo: aluno de curso para cadetes
Nível: fundamental (entre 14 e 18 anos)
Remuneração: R$ 840
Inscrições: até 30/05/2016 (às 15h)
Taxa: R$ 60
Prova: 24/07/2016
Mais informações: www.fab.mil.br

REVISTA ISTO É


Dilma deve ir pra Porto Alegre nesta sexta-feira


A presidente afastada Dilma Rousseff pretende embarcar na tarde desta sexta-feira, 13, para Porto Alegre, a fim de descansar dos últimos exaustivos dias que passou no Palácio do Planalto. Dilma quer passar o fim de semana e até estender a estada por mais um ou dois dias na capital gaúcha, em companhia da filha, Paula, e dos dois netos.
A viagem será em um jato da Força Aérea Brasileira, possivelmente um Legacy. Ela não tem mais direito a usar o Airbus, que desde esta quinta-feira, está à disposição do presidente em exercício Michel Temer.
Depois de ser afastada e se despedir do Planalto, a presidente seguiu para o Palácio da Alvorada, sua residência oficial, onde será montado uma espécie de quartel general da resistência. Na volta da viagem, em reunião com os assessores que ficarão no seu staff, Dilma pretende montar um calendário com viagens para defender seu mandato, para que não desapareça do cenário político durante o período de tramitação do seu processo de impeachment no Senado.

AGÊNCIA CÂMARA


Projeto garante a militares 20 por cento das vagas de concursos na área de segurança


Projeto de lei (PL 4367/16) que tramita na Câmara assegura aos militares das Forças Armadas, que estão em serviço ativo, vinte por cento das vagas disponíveis em concurso público na área de Segurança Pública de todo País.
O autor da proposta, deputado Cabo Daciolo (PTdoB-RJ), afirma que o baixo salário pago aos militares das Forças Armadas tem estimulado muitos a abandonar a carreira. “É perceptível que a remuneração dos militares das Forças Armadas é menor que a dos postos correspondentes nas forças auxiliares”, disse.
A proposta vale também para os jovens que participam do Serviço Militar Obrigatório. O deputado destaca que, após sete anos servindo o País, esses militares são exonerados sem que uma perspectiva profissional seja oferecida.
Segundo Daciolo, o objeto da proposta “é propiciar às Corporações homens e mulheres aptos, intelectualmente e fisicamente, para o serviço público”.
Tramitação

A proposta tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado; de Trabalho, de Administração e Serviço Público; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

JORNAL DE BRASÍLIA


COLUNA ESPLANADA


Leandro Mazzini

Indústria bélica emplaca Jungmann na Defesa

O sindicato das indústrias bélicas do Brasil avalizou o deputado Raul Jungmann (PPS-PE, na foto) para o Ministério da Defesa, e os três comandantes das Forças Armadas endossaram para o presidente Michel Temer. Na carta, à qual a Coluna teve acesso, as empresas ligadas à Fiesp escancaram o interesse em vender para o Governo. Justificam a necessidade de uma pauta exportadora e a preocupação com a segurança dos Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro. O ministro já agendou reunião para tratar dos Jogos.

Agenda prévia

Jungmann diz que vai dar prioridade à indústria de defesa na pauta. E visitará a Argentina na primeira agenda internacional, que considera parceira estratégica.

Bancada bélica

Três ministros de Temer são egressos da Comissão de Relações Exteriores e Defesa da Câmara: Jungmann, Bruno Araújo (Cidades) e Maurício Quintela (Transportes).

Curiosidade

O Ministério da Defesa, órgão civil que comanda as três Forças junto ao Executivo, tem seu segundo comunista no cargo. Antes, Aldo Rebelo (PCdoB), agora um egresso do PCB.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Ministro da Defesa diz que Rio vive uma "situação delicada"


Daniela Lima E Mariana Dias

O novo ministro da Defesa, Raul Jungmann, afirmou nesta quinta-feira (12) que o Rio de Janeiro, sede das Olimpíadas deste ano, vive hoje uma "situação delicada" e que este será o tema de discussão de sua primeira reunião à frente da pasta, nesta sexta-feira (13).
Jungmann disse que vai informar o presidente interino, Michel Temer, e conversar com as autoridades do Rio sobre a situação da cidade, pois é preciso "mostrar o Rio não só para o mundo mas também para os brasileiros".
Questionado se apoiava a ideia do ex-ministro da Defesa Aldo Rebelo de vincular 2% do PIB (Produto Interno Bruto) para a pasta, Jungmann afirmou que "não é hora" de discutir o assunto e que "R$ 400 milhões ou R$ 500 milhões" já resolveria os problemas dos projetos que estão com falta de recurso nas três forças: Exército, Marinha e Aeronáutica.
"Precisamos de estabilidade. Não dá para ficar ao sabor de grandes mudanças. Não vamos solucionar as questões orçamentárias a curtíssimo prazo. Precisamos de horizonte", declarou.
Jungmann foi empossado ao lado de outros 22 ministros nesta quinta (12) para o governo interino de Michel Temer (PMDB).

Exército deve ocupar seis favelas durante a Olimpíada do Rio, em agosto


Marco Antônio Martins

As Forças Armadas estão sendo preparadas para ocupar seis favelas do Rio durante a Olimpíada, em agosto. Um estudo elaborado por militares e pela secretaria de Segurança do Estado do Rio prevê ações em comunidades próximas às vias por onde irão passar turistas, autoridades e delegações de atletas.
Nesta quinta (12), o tenente-coronel Luciano Carvalho de Souza, integrante da equipe da Segurança, confirmou o estudo em uma audiência pública na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio).
No início da noite, a assessoria da pasta divulgou nota informando que não "há uma definição sobre a ocupação de novas comunidades". O Ministério da Defesa confirmou ações de policiamento na área de Deodoro – onde acontecerão parte dos eventos.
O assunto vem sendo tratado de forma sigilosa e o estudo vai levar em conta o cenário da cidade durante os Jogos. O aumento nas estatísticas de violência e a crise econômica no Rio, que interrompeu os investimentos na área de segurança no Estado, levaram ao estudo.
Vem chamando a atenção o grande número de casos de balas perdidas em comunidades e o aumento da violência em vias importantes como a Linha Amarela.

No último sábado (7), a adolescente Ana Beatriz Frade, 17, morreu após ser baleada numa tentativa de assalto na via expressa, que liga o Aeroporto Internacional do Galeão à Barra da Tijuca, na zona oeste da cidade.
Pela mesma via passarão as delegações e autoridades que seguirão do aeroporto ao parque olímpico na Barra. Junto à avenida estão duas comunidades vistas como problemáticas: Manguinhos e o Complexo da Maré, onde a crise econômica impediu a instalação de uma UPP (Unidade de Polícia Pacificadora).
Militares – em alguns casos, com auxílio da Polícia Militar – devem concentrar-se nos acessos às comunidades, impedindo a ação de traficantes armados.
A operação contempla ainda a Cidade de Deus, também localizada junto à Linha Amarela, já próxima à chegada da Barra, além de três comunidades na zona norte: Muquiço, Chapadão e Pedreira. As três favelas ficam a um quilômetro do parque olímpico de Deodoro. Na semana passada, um blindado do Exército foi atacado por traficantes no Muquiço, o que levou os militares a uma ação na comunidade.
O estudo deixa de lado os complexos do Alemão e da Penha, na zona norte, áreas em que as UPPs têm enfrentado resistência de traficantes de drogas.

JORNAL ZERO HORA


Dilma poderá usar residência oficial e aviões da FAB, diz Renan

Presidente afastada seguirá contando com uma equipe que inclui cozinheiros, jardineiros, funcionários de limpeza e de segurança, telefonistas e garçons

Juliana Bublitz

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB- AL), afirmou, na manhã desta quinta-feira, que a presidente afastada, Dilma Rousseff, terá direito a usar o Palácio do Alvorada (onde mora com a mãe, Dilma Jane, 92 anos) e contará com o serviço da Força Aérea Brasileira (FAB), além de assessores pagos pelo governo federal. Com isso, ela seguiria contando com uma equipe que inclui cozinheiros, jardineiros, funcionários de limpeza e de segurança, telefonistas e garçons. Se desejar, também poderá usar a Granja do Torto, casa de campo oficial da Presidência.
– A partir do recebimento desta intimação, está instaurado o processo de impedimento (...) por crime de responsabilidade, mantendo (a presidente Dilma) durante este período as prerrogativas do cargo relativas ao uso de residência oficial, segurança pessoal, assistência saúde, transporte aéreo e terrestre, remuneração e equipe a serviço do Gabinete Pessoal da Presidência – afirmou.
A manifestação de Renan começa a ajudar a esclarecer as dúvidas sobre os benefícios a que Dilma tem direito a partir do afastamento por até 180 dias, aprovado na manhã desta quinta-feira pelo Senado. A Lei de Impeachment, de 1950, não é clara sobre o assunto. O único ponto detalhado na norma, descrito no artigo 23, resume-se à redução de 50% nos vencimentos (atualmente, R$ 30,9 mil mensais), mas Renan deu a entender, em seu discurso, que Dilma receberá o salário integral, como os ex-presidentes. O mesmo acontece com Eduardo Cunha, afastado da Câmara de Deputados na semana passada.

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Raul Jungmann será ministro da Defesa de Temer


Sonia Racy

Michel Temer bateu o martelo: Raul Jungmann (PPS-PE) será o ministro da Defesa. A confirmação do nome do deputado no cargo ocorre após a recusa do advogado Antônio Claudio Mariz de Oliveira, que disse preferir a pasta da Justiça.
Com isso, o novo governo praticamente fecha a composição da Esplanada dos Ministérios. A posse dos ministros está prevista para acontecer já nesta quinta-feira.

Ministro da Defesa diz que preocupação inicial é com a Olimpíada


Tânia Monteiro

Em entrevista no Planalto, após tomar posse, o novo ministro da Defesa, Raul Jungmann, disse que a sua prioridade, neste momento, é a preparação da Olimpíada e anunciou que já nesta sexta-feira, 13, comandará uma reunião para tomar pé de toda organização dos jogos, para encaminhar, em seguida, um relatório sobre o tema para o presidente em exercício Michel Temer.
Jungmann afirmou ainda que, apesar da difícil situação fiscal que enfrenta o País, é preciso garantir recursos permanentes para a plena execução dos projetos estratégicos das Forças Armadas, a longo prazo. "Precisamos ter estabilidade para liberação de recursos para os projetos estratégicos. Precisamos ter um horizonte para a área de defesa. Não podemos ficar ao sabor das mudanças de conjuntura da economia", comentou o ministro que evitou, no entanto, endossar o projeto de vinculação de 2% do PIB para a área de Defesa, conforme propôs o seu antecessor, Aldo Rebelo.
Para discutir o repasse de mais verbas para as forças, a fim de retomar projetos importantes que estão sofrendo com graves atrasos por conta das restrições orçamentárias, o novo ministro marcou uma reunião com o ministro do Planejamento, Romero Jucá. Ele quer pedir a liberação de R$ 400 milhões a R$ 500 milhões a fim de assegurar a continuidade dos planos estratégicos.
Ao falar da sua preocupação com as Olimpíadas, o novo ministro lembrou que os jogos serão realizados no Rio de Janeiro, cidade que passa por uma "delicada situação". Ele citou, no entanto, que o terrorismo é importante de estar no radar, mas, "felizmente, o Brasil não está em área de risco".
Jungmann prometeu dialogar com a indústria de defesa, lembrando que ela é de suma importância para o desenvolvimento de tecnologia e o emprego.

Câmara dá a Cunha prerrogativas semelhantes às de Dilma durante afastamento


Daiene Cardoso

A Mesa Diretora da Câmara dos Deputados já tem pronto o ato que estabelece as prerrogativas a serem concedidas ao presidente da Casa afastado, Eduardo Cunha (PMDB-RJ). Ficou decidido que Cunha terá o mesmo tratamento dado pelo presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), à presidente afastada Dilma Rousseff. O documento precisa, agora, ser assinado por todos os membros da Mesa e foi produzido com o consentimento do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA).
Uma semana após o Supremo Tribunal Federal determinar a suspensão do mandato parlamentar, a área técnica e a Mesa Diretora chegaram a um consenso sobre o que será oferecido ao parlamentar durante o período de afastamento. O ato da presidência estabelece que Cunha terá direito a salário integral de R$ 33.763,00, uso da residência oficial em Brasília, segurança pessoal, assistência médica oferecida pela Casa, carro oficial reserva e transporte aérea da Força Aérea Brasileira (mais simples que o usado pela presidência da Câmara).
O peemedebista também poderá contar com uma equipe do gabinete pessoal e terá R$ 92.053,20 para gastar com os funcionários. Só foram cortados de Cunha o chamado "cotão" - uma verba adicional de R$ 35.759,20 para atividade parlamentar destinada ao pagamento, por exemplo, de aluguel de carros e passagens aéreas - e o auxílio-moradia de R$ 4.253,00 (recurso que ele já não utilizava por dispor da residência oficial).
"Fizemos uma simetria exata. É tudo o que ela (Dilma) tem", comparou o primeiro-secretário da Mesa Diretora, Beto Mansur (PRB-SP).
Num primeiro momento, técnicos da Casa recomendaram que todos os benefícios oferecidos a quem está fora do exercício do mandato parlamentar fossem retirados. No entanto, aliados de Cunha pressionaram para que todas as regalias fossem mantidas. Como o afastamento do peemedebista foi algo inédito e não havia regras preestabelecidas sobre as prerrogativas, foi negociado um critério de concessões que se assemelhasse ao oferecido à presidente da República afastada.

MINISTÉRIO DA DEFESA


Forças simulam enfrentamento de ameaças terroristas


O terceiro dia de atividades do Exercício Conjunto Interagências realizado no Comando de Operações Especiais do Exército em Goiânia foi marcado pelas oficinas com foco no enfrentamento a ameaças terroristas. A atividade é coordenada pelo Ministério da Defesa como parte do esforço de segurança dos Jogos Olímpicos Rio 2016.
Tropas de operações especiais das Forças Armadas e das polícias federal, civil e militar dos estados que terão eventos olímpicos participaram, por exemplo, de uma simulação de Assalto Linear em Ônibus. Nessa atividade é trabalhado um cenário de um ônibus cheio de civis feitos reféns por um terrorista, situação na qual os militares são forçados a entrar no veículo e desmobilizar o oponente.
Em outra atividade, foi simulada a ação de um atirador num ambiente urbano, que imitava o estacionamento de um shopping. Os participantes foram desafiados a desmobilizar o infrator de forma ágil e sem atingir os obstáculos (colocados no local para simbolizar os diversos civis que normalmente circulam em um ambiente como esse). Bombas de efeito moral, tiros de festim e uma caixa de som reproduzindo vozes, barulhos e gritos ajudaram a dar realismo à atividade.
Ainda foi realizada uma Operação Aeromóvel, na qual os militares a bordo de um helicóptero Pantera HM-1 perseguiram um carro com alvo suspeito em alta velocidade e finalizaram fazendo o chamado pouso de assalto, quando a aeronave bloqueia a ação do veículo. Também foram realizados tiros de festim para dar mais veracidade à simulação.
Atividades Noturnas
Os mais de 280 participantes do exercício também foram desafiados a agir na escuridão da noite. Entre as atividades, destaca-se uma oficina tática noturna com munição real, na qual os participantes precisam invadir uma casa para recuperar o território de um oponente.
Todas as atividades do exercício são realizadas com o objetivo de avaliar as capacidades de cada órgão envolvido no enfrentamento ao terrorismo e para conferir como está a atuação conjunta deles.
O general Mauro Sinott, responsável pelo Comando Conjunto de Prevenção e Combate ao Terrorismo do Ministério da Defesa, e também chefe do Comando de Operações Especiais do Exército, destaca que esse tipo de atividade só é efetiva quando realizada de forma integrada entre todas as agências envolvidas. "Por isso esse tipo de atividade é fundamental porque amplia o nosso entrosamento e nos leva a aprimorar nossa atuação", disse.

PORTAL BRASIL


Brasília recebe roadshow do setor aéreo para Rio 2016

Série programada pela Secretaria de Aviação Civil tem o objetivo de criar unidade em torno do planejamento operacional dos aeroportos para o megaevento esportivo

Brasília, sede de dez jogos de futebol no calendário dos Jogos Olímpicos, deve receber 732,4 mil passageiros pelo Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek entre os dias 1º e 22 de agosto. Para preparar o atendimento à demanda extra de visitantes, o terminal recebeu, nesta terça-feira (10), o quarto roadshow de planejamento do setor aéreo para a Rio 2016. Esta é a quarta agenda de uma série programada pela Secretaria de Aviação da Presidência da República (SAC/PR).
Os picos diários de movimentação projetados para o evento foram apresentados por Thiago Meirelles, coordenador do Comitê Técnico de Operações Especiais (CTOE) durante a visita técnica ao terminal da capital federal. Segundo Meirelles, somente no dia posterior ao encerramento dos Jogos Olímpicos (22 de agosto), a estimativa da Secretaria de Aviação é que "o aeroporto receba o equivalente a meio Mané Garrincha lotado. Portanto, essas reuniões são fundamentais para o alinhamento final com as autoridades aeroportuárias locais", afirma.
A capital federal concentrará chegadas e partidas de delegações e torcidas internacionais e também o público da torcida brasileira para os jogos dos dias 4 e 7 de agosto. De acordo com Thiago, segundo as últimas verificações, "o terminal de Brasília está completamente pronto para essa demanda. A média de passageiros por dia no aeroporto será de 32,7 mil pessoas", afirmou.
O cronograma de roadshows é organizado pelo CTOE, vinculado à Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero) e coordenado pela Secretaria de Aviação. O projeto contempla os terminais das seis capitais do futebol do megaevento esportivo: Guarulhos (04.05), Confins (19.04), Manaus (31.03), Brasília (10.05), Salvador (BA) e Rio de Janeiro (RJ), com datas a definir. A ação tem por objetivo reforçar o alinhamento das autoridades aeroportuárias envolvidas na operação especial da aviação brasileira para a Rio 2016.
Ao todo, trinta e nove aeroportos participam do planejamento do setor aéreo para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, que devem trazer ao Brasil delegações de 206 países e mais de 100 chefes de Estado. Em torno de 2.200 controladores de voo já receberam treinamento específico para administração do fluxo da aviação durante os Jogos e mais de 1 mil vagas extras serão criadas nos pátios dos terminais para estacionamento de aeronaves no período.
Manual de planejamento
Em setembro de 2015, a Secretaria de Aviação da Presidência da República lançou o Manual de Planejamento do Setor de Aviação Civil – Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016, cartilha técnica para padronizar a operação dos 39 aeroportos (entre prioritários, monitorados e de apoio) que atenderão à principal demanda do evento. A versão do documento com todas as orientações discutidas e acordadas entre órgãos do setor deve ser lançada no próximo dia 20.
A cartilha define normas, procedimentos e fluxos de gestão e operação para áreas como Segurança e Defesa, Recursos Humanos e Treinamento, Melhorias de Conforto, Acessibilidade, Gerenciamento de Infraestrutura e Capacidade. Todos os terminais incluídos no planejamento estão localizados nas cidades-sede do evento e a uma distância máxima de 200 quilômetros delas.
"A experiência que o Brasil e nossas instituições ganharam realizando grandes eventos como Rio +20, Copa do Mundo e Jornada Mundial da Juventude está consolidada nesse documento. O manual deriva de um planejamento integrado dos órgãos do setor na Comissão Nacional de Autoridades Aeroportuárias (Conaero), e a troca rápida de informações entre os órgãos é o segredo para o sucesso", avalia o secretário executivo da Aviação, Guilherme Ramalho.
O governo federal vai monitorar toda a operação da Rio 2016 a partir de uma sala de comando e controle integrados, instalada dentro do Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea (CGNA), pertencente ao Comando da Aeronáutica e subordinada ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA), no Rio de Janeiro (RJ). A Sala Master funcionará de 20 de julho a 24 de setembro, 24 horas por dia, com representantes de todos os órgãos públicos, companhias aéreas e gestores envolvidos na operação aeroportuária brasileira para o evento.
Eventos-teste
A análise de procedimentos de chegada e partida de atletas vem sendo monitorada pelo governo federal dentro do calendário de testes do Comitê Rio 2016. Dos 45 eventos do programa "Aquece Rio" de preparação para os Jogos Olímpicos Rio 2016, a Secretaria de Aviação selecionou sete para testar oficialmente os aeroportos: remo (agosto de 2015), bocha (novembro de 2015), rúgbi em cadeira de rodas e saltos ornamentais (fevereiro de 2016), pentatlo moderno (março de 2016), ginástica e tiro esportivo (abril de 2016).
A Secretaria coordena, ainda, a realização de simulados de acessibilidade aeroportuária com foco no atendimento a Passageiros com Necessidade de Atendimento Especial (PNAEs). O objetivo é testar as operações de embarque e desembarque, fluxos aeroportuários e a infraestrutura dos principais terminais envolvidos na operação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016. A agenda é uma ação do subcomitê de acessibilidade do CTOE.
A primeira rodada de simulados passou, em 2015, pelos aeroportos do Galeão (RJ, junho), Santos Dumont (RJ, julho) e Guarulhos (SP, agosto). Além disso, fluxos aeroportuários especiais também são testados pela Secretaria. Em novembro passado, o aeroporto internacional do Galeão, no Rio de Janeiro (RJ), realizou simulado para testar o fluxo de armas e munições no terminal durante os Jogos Olímpicos Rio 2016.

PORTAL R7


Próximos meses serão decisivos para uso de drones em segurança


O mercado de drones tem evoluído quase tanto quanto os próprios aparelhos. Se antes era algo raro ver um quadricóptero sendo usado por curiosos e geeks, hoje já é comum vê-los nos mais diversos eventos em cidades grandes ou pequenas. Mas o uso tem sido restrito à gravação de imagens aéreas. Isso pode mudar drasticamente nos próximos meses na Europa.
A França deve ser o centro da ampliação do mercado de drone para segurança. O país já sofreu com atentados terroristas e a preocupação com ataques multiplica a cada momento. Nos próximos dois meses, dois eventos esportivos de alcance mundial deverão colocar drones no ar e cuidar da segurança de cidadãos.
O primeiro deles é a final do campeonato de futebol UEFA Euro 2016, que ocorrerá em 10 cidades sede e um público de mais de 2,5 milhões de espectadores, de 10 de junho a 10 de julho. Outro é o famosíssimo Tour de France, a competição de ciclismo mais aguardada do mundo, também em julho.
Câmeras térmicas

Ambos os eventos são altamente divulgados e atraem uma multidão aos locais de competição. Por isso, a polícia de Paris já está treinando em como usar drones para lidar com vigilância de atletas e públicos e evitar incidentes. A intenção é usar hexacopteros (de seis hélices) que voam a baixa atitude para vigiar áreas.
Mas não serão drones comuns. Os aparelhos contarão com câmeras de alta definição, imagem térmica infravermelha e sensores diversos para evitar serem abatidos com facilidade e conseguirem desviar de ataques. A capacidade dos hexacópteros deve ser de voar a 100 metros de altitude e 22 mph. Os drones ainda reconhecerão placas de carros.
Não foi divulgado o número de drones adquiridos, mas o Le Figarro divulgou que seriam gastos cerca de 430 mil euros.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL CADA MINUTO (AL)


Petição online cobra da Infraero melhorias no Aeroporto Zumbi dos Palmares

Usuários do Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares e interessados em geral podem assinar um abaixo-assinado online para cobrar da Infraero melhorias no local. Disponível no link https://www.change.org/p/infraero-novas-pontes-de-embarque-e-outras-melhorias-no-aeroporto-zumbi-dos-palmares-mcz, a petição foi criada pelo deputado federal JHC (PSB).
No texto publicado na plataforma Change.org, o parlamentar elenca alguns dos problemas enfrentados por quem transita no aeroporto: ausência de pontes de embarque (também conhecidas como fingers), falta de equipe médica para atendimento de emergências e várias demandas referentes à infraestrutura.
João Henrique Caldas também destacou a necessidade de que o Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos cuide da situação das aves ao redor do aeroporto. Lembrando que, recentemente, um voo teve que retornar à pista depois de ser atingido por um pássaro, alertou: “É uma tragédia anunciada”.
Recentemente, o senador Benedito de Lira (PP) denunciou, mais uma vez, na tribuna do Senado, a situação do aeroporto e criticou o fato de a Infraero ter feito “ouvido de mercador” acerca das reclamações.
Será que a empresa vai aguardar a crônica de uma morte anunciada para ouvir e agir?



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented