|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 28/04/2016 / Defesa faz simulado para controle de incidentes químicos durante Jogos Olímpicos

Imagem

Defesa faz simulado para controle de incidentes químicos durante Jogos Olímpicos ...


Armando Cardoso ...

ImagemO Ministério da Defesa realizou na manhã de ontem (27), na Base Aérea dos Afonsos, zona oeste do Rio, uma atividade prática para testar protocolos que poderão ser utilizados em caso de contaminação química, biológica, radiológica ou nuclear durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.

O “Exercício de Evacuação Aeromédica para os Jogos Olímpicos Rio 2016” faz parte da simulação de um incidente químico. Participam do teste militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, além de agentes do Ministério da Saúde, bombeiros e policiais militares.

O major Gava, da Força Aérea Brasileira (FAB), destacou a importância de vários setores envolvidos na segurança do evento trabalharem em conjunto. “A gente já tem essa relação próxima e de trabalho em conjunto há anos. Isso vem se intensificando com os Jogos Olímpicos, onde buscamos interagenciar e coordenar as ações entre todos os órgãos participantes. Cada um faz aquilo que sabe, mas sempre buscando a excelência no atendimento e na segurança”, disse o militar.

De acordo com o capitão do Exército Hartuiq, o produto utilizado durante a simulação foi um composto químico chamado Levisita, que, ao entrar em contato com a pele, ocasiona bolhas e sensação de pequenas agulhadas. “Após quatro horas essas reações começam a se intensificar, podendo ocasionar até uma parada cardiorrespiratória. O cheiro do produto é semelhante aos de tempero de comida, como caldo de galinha, alho, mostarda etc. Isso faz com que acabe passando desapercebido entre os leigos”, esclareceu.

O Levisita foi utilizado em um dos voluntários, que, em seguidam, foi colocado em uma capsula de isolamento e encaminhado de helicóptero para o hospital da FAB no Galeão, considerado referência no tratamento desse tipo de incidente. O capitão Hartuiq acrescentou que, em alguns casos, atentados terroristas não são necessariamente para matar, mas para disseminar o terror. “Por isso, é importante simularmos essas coisas. Se o foco for causar a morte, eles utilizam explosivos. Esses compostos químicos são usados somente como demonstração de poder, intimidação e terror, como eles mesmos se denominam.”

Na quarta-feira (13), a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) confirmou a autenticidade de um perfil vinculado ao francês Maxime Hauchard, integrante do grupo Estado Islâmico, que ameaçou o país de ataques terroristas em novembro do ano passado. Segundo o Coronel De Lamare, membro do Ministério da Defesa e atuante no setor de combate ao terrorismo, o país está preparado para eventuais surpresas, mesmo com ameaça explícita de um membro do grupo.

“Sabemos que eles sempre terão como diferencial o fator surpresa. Isso faz parte do ‘jogo’. Estamos absolutamente preparados. Por isso, durante os treinamentos buscamos contemplar não somente as áreas de competição, mas também as demais cidades que receberão jogos de futebol, áreas dos atletas e outros profissionais. Posso afirmar para a sociedade que estamos prontos para combater a ameaça venha de onde vier”, afirmou.

Os Jogos Olímpicos Rio 2016 serão realizados entre os dias 5 e 21 de agosto, com mais de 10 mil atletas de 206 países. Em 17 dias de competições, serão disputadas 306 provas com medalhas. Já os Jogos Paralímpicos ocorrerão de 7 a 18 de setembro, trazendo mais de 4 mil atletas de 176 nações. Em 11 dias de disputa, serão realizadas 528 provas com medalhas.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.



PORTAL JANES (Inglaterra)


Saab selects Brazilian simulator tech transfer target


Andrew Macdonald, London

Swedish defence group Saab has initiated a partnership with Brazilian company Atech Negócios em Tecnologias SA which will support the development of aircraft simulation, training, and ground support systems.

Announced on 26 April, the teaming will allow Saab to fulfil technology transfer and workshare obligations from Brazil”s purchase of its Gripen NG multirole fighter. As part of the deal an engineering team from Atech will receive a month of training at Saab facilities in Sweden.

"Atech has a strong history in supporting the Brazilian Air Force in technology transfer programmes," said Edson Carlos Mallaco, president and CEO of Atech. "Our participation represents a consolidation of Atech expertise in areas such as mission planning and simulation systems.

Brazil details new C295 aircraft deliveries


Victor Barreira, Paris

The Brazilian Air Force (FAB) is to receive three new C295 aircraft from Airbus Defence and Space between 2017 and 2019, a FAB spokesperson told IHS Jane”s .
The first aircraft is scheduled for delivery in May 2017 and the third in May 2019, with a date for the second delivery yet to be established, the spokesperson said. Deliveries were initially scheduled for between 2016 and 2017.

The aircraft (locally designated SC-105 Amazonas) were purchased in April 2014 for EUR191.2 million (USD215.1 million) as part of the FAB”s Strategic Military Plan 2010-31 (PEMAER). The fleet is configured for search-and-rescue missions and will be operated by Squadron Pelícano from Campo Grande airbase, where two SC-105s are currently based (although these two are not as well equipped and the incoming aircraft will be).

Included on the newer aircraft will be an Airbus Fully Integrated Tactical System (FITS) mission system; Thales Topdeck avionics suite; ELTA Systems EL/M-2022A(V)3 radar; forward-looking infrared camera; Rockwell Collins SATCOM terminal, communications, navigation, surveillance/air traffic management system, and HF radio; Rohde & Schwarz”s V/UHF communications; personnel locator system; and file transmission system.

Twelve C295s, comprising 10 C-105 transports and the two SC-105s, were received between March 2007 and June 2009 as part of the CL-X2 project, and are fielded by Squadrons Pelicano, Arara, and Onça.

FAB re-negotiating AMX upgrade programme, could buy fewer


Victor Barreira, Paris

The Brazilian Air Force (FAB) is negotiating with Embraer Defense & Security for modernisation of the service”s AMX fighter jets (locally designated A-1A/B), an air force spokesperson told IHS Jane”s .

This potentially indicates that fewer modernised aircraft will be received. Any non-modernised aircraft will remain in service, the FAB said.

The local aerospace company in December 2003 was awarded a BRL843 million (USD237 million) contract to modernise 43 aircraft (33 A-1A single-seats and 10 A-1B twin-seats) to the A-1M configuration.

Brazil originally received 55 A-1A/Bs between 1991 and 2000, the FAB said. To date, three upgraded single-seats were received, with the first inducted 3 September 2013 by Squadron Adelphi of Santa Cruz Air Base.

PORTAL G-1


Forte ressaca leva peixes e canoas para o meio da rua no litoral de SP

Não há informações sobre pessoas feridas, segundo autoridades. Ventos chegaram a quase 90 km/h e ondas passaram de 3 m.

Do G1 Santos

A forte ressaca que atingiu várias cidades da Baixada Santista, no litoral de São Paulo, na manhã desta quarta-feira (27), causou algumas cenas inusitadas para moradores da região. Segundo as autoridades, não há informações sobre pessoas feridas.
Em Santos, um homem encontrou um peixe dentro do prédio onde mora, no bairro Ponta da Praia. O animal foi levado ao local pelas grandes ondas. Dezenas de outros peixes, de várias espécies, foram encontrados no meio da rua, todos levados pela força da maré que atingiu importantes avenidas da cidade.
Também no bairro da Ponta da Praia, uma canoa usada para treinamento de atletas foi parar no estacionamento de uma churrascaria que fica na avenida Bartolomeu de Gusmão. A cena chamou a atenção de muitas pessoas que passavam pelo local.

Estragos
Parte das tradicionais muretas de contenção da orla da praia de Santos, consideradas um dos cartões-postais da cidade, ficaram destruídas por causa das ondas. De acordo com a Prefeitura de Santos, a água do mar invadiu a pista sentido Ponta da Praia da avenida Bartolomeu de Gusmão.
Os fortes ventos também provocaram a queda de uma árvore na avenida dos Bancários. Outra árvore ficou inclinada na rua Alexandre Fleming, no bairro da Aparecida, em Santos. De acordo com a Base Aérea de Santos, os ventos na região chegaram a quase 90 km/h. As ondas provocadas pela ressaca ultrapassaram os 3 metros de altura.

Balsas
O mau tempo paralisou completamente o serviço de transporte de balsas entre Santos e Guarujá por quase três horas. Segundo a Dersa, responsável pelo transporte, até as 10h30 não havia condições para que as embarcações operassem, por causa da ventania e da agitação do mar. As balsas foram liberadas por volta das 11h.

Avião com 7 pessoas faz pouso forçado após ficar sem combustível

Piloto iria para Cuiabá e não conseguiu pousar por conta do tempo fechado. Aeronave de pequeno porte fez pouso em fazenda de Arenápolis (MT).

Do G1 Mt

Um avião de pequeno porte fez um pouso forçado nesta terça-feira (26) em uma fazenda na região de Arenápolis, a 259 km de Cuiabá. De acordo com informações de testemunhas, os seis passageiros que estavam na aeronave não ficaram feridos. O piloto contou aos funcionários da fazenda que pousaria em Cuiabá, porém, por conta do tempo fechado não teria conseguido. 
Ele relatou que prosseguiu a viagem e tentou pousar em Diamantino, a 209 km da capital mato-grossense, entretanto, o combustível começou a acabar.
O piloto decidiu então tentar pousar em uma área de pastagem na fazenda em Arenápolis. Apenas o piloto teria sofrido alguns arranhões após o pouso.
De acordo com as testemunhas, os ocupantes do avião contataram uma locadora de Tangará da Serra, a 242 km de Cuiabá, para poder saírem do local e prosseguir viagem até a capital.A Polícia Militar de Arenápolis, que teria atendido a ocorrência, não divulgou informações sobre o pouso forçado.

IMA interdita lixão em Rio Largo após pássaro atingir avião no aeroporto

Fiscais do instituto monitoraram áreas que podem atrair fauna. Lixão fica localizado próximo ao Aeroporto Zumbi dos Palmares.

Do G1 Al

O Instituto do Meio Ambiente (IMA) interditou um lixão localizado no município de Rio Largo, área metropolitana de Maceió, após constatar que ele poderia oferecer riscos ao Aeroporto Internacional Zumbi dos Palmares.
A vistoria, realizada na manhã desta quarta-feira (27), foi motivada após um pássaro atingir uma das aeronaves, provocando o cancelamento do voo.
Segundo o instituto, fiscais realizaram um monitoramento para saber quais são as áreas que podem atrair fauna, e constatou que o lixão, em funcionamento irregular, atraia muitos urubus. Sendo assim, foi determinada a interdição do local por 20 dias.
Ainda segundo o IMA, o lixão foi atuado em R$ 487 mil. O matadouro da empresa Mafrips, que fica no entorno do aeroporto e também pode contribuir na atração de animais para aquela região, recebeu uma autuação de R$ 287 mil.
O aeroporto deve pagar multa diária de R$ 1 mil enquanto não contratar uma empresa de controle de fauna, para controlar a entrada de animais. O IMA já havia enviado ofício em janeiro deste ano, determinando o local a providenciar essa contratação, mas nada foi feito até o momento.
Entenda o caso
Na manhã da última terça-feira (26), passageiros de um voo da Avianca tiveram a viagem cancelada após um pássaro se chocar contra a aeronave que os levaria até São Paulo.
Por meio de nota, a empresa lamentou o incidente e disse que os passageiros foram desembarcados, receberam assistência das equipes em terra e foram reacomodados nas próximas decolagens disponíveis.

Suspeito de matar militar durante assalto a ônibus é preso em Curvelo

Militar da aeronáutica reagiu ao assalto na BR-365, em Buritizeiro. Outro jovem também foi preso em cumprimento de mandado.

Do G1 Grande Minas

Dois jovens, de 21 e 23 anos, foram presos nesta quarta-feira (27) em Curvelo, na região central de Minas, durante a operação “Alferes Tiradentes”. Segundo a Polícia Militar, o rapaz de 23 anos é apontado como um dos envolvidos no assalto a um ônibus na BR-365, que resultou na morte de um militar da aeronáutica, em março deste ano.
Ainda durante a ação, militares cumpriram o mandado de prisão na casa do suspeito, no Bairro Bom Jesus. Ele é apontado também como autor de uma tentativa de homicídio contra um policial militar, em Luizlândia do Oeste, além de envolvimento em tráfico de drogas, direção perigosa, ameaça e participação em quadrilhas.
O outro preso, também em cumprimento de mandado, é conhecido por envolvimento com o tráfico de drogas. Ele foi localizado no Bairro Tibiras. Os dois foram presos e encaminhados à delegacia da cidade.

AGÊNCIA BRASIL


Liga de São Paulo diz que incêndio em alegorias pode ter sido criminoso


Fernanda Cruz

A Liga Independente das Escolas de Samba de São Paulo acredita que o incêndio que destruiu 50 alegorias no último domingo (24), na região do Anhembi, zona norte da capital, foi criminoso. O terreno onde estavam os carros alegóricos de 12 agremiações foi cedido pela Aeronáutica.
Em nota, a Liga informa que este foi o terceiro incêndio na área em um mês. “O que nos leva a crer que as ações foram criminosas e orquestradas por algum grupo que não quer a evolução do carnaval de São Paulo.” No último dia 14, oito carros alegóricos foram destruídos pelo fogo.
Segundo a Liga, as alegorias tinham autorização para permanecer na área até o fim de junho, enquanto são feitas reformas e adequações em galpões das escolas de samba.
As alegorias que restaram serão retiradas nos próximos dias. “A Liga buscará o incentivo de parceiros para garantir apoio e suporte às escolas atingidas e começar a reconstruir ainda este mês as bases de todas alegorias que foram perdidas”, diz a nota.
A Agência Brasil entrou em contato com a Secretaria de Segurança Pública, que ainda não se pronunciou a respeito das investigações sobre o caso.

Edição: Kleber Sampaio

Defesa faz simulado para controle de incidentes químicos durante Jogos Olímpicos


Da Agência Brasil Edição: Armando Cardoso

ImagemO Ministério da Defesa realizou na manhã de hoje (27), na Base Aérea dos Afonsos, zona oeste do Rio, uma atividade prática para testar protocolos que poderão ser utilizados em caso de contaminação química, biológica, radiológica ou nuclear durante os Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016.
O “Exercício de Evacuação Aeromédica para os Jogos Olímpicos Rio 2016” faz parte da simulação de um incidente químico. Participam do teste militares do Exército, Marinha e Aeronáutica, além de agentes do Ministério da Saúde, bombeiros e policiais militares.
O major Gava, da Força Aérea Brasileira (FAB), destacou a importância de vários setores envolvidos na segurança do evento trabalharem em conjunto. “A gente já tem essa relação próxima e de trabalho em conjunto há anos. Isso vem se intensificando com os Jogos Olímpicos, onde buscamos interagenciar e coordenar as ações entre todos os órgãos participantes. Cada um faz aquilo que sabe, mas sempre buscando a excelência no atendimento e na segurança”, disse o militar.
De acordo com o capitão do Exército Hartuiq, o produto utilizado durante a simulação foi um composto químico chamado Levisita, que, ao entrar em contato com a pele, ocasiona bolhas e sensação de pequenas agulhadas. “Após quatro horas essas reações começam a se intensificar, podendo ocasionar até uma parada cardiorrespiratória. O cheiro do produto é semelhante aos de tempero de comida, como caldo de galinha, alho, mostarda etc. Isso faz com que acabe passando desapercebido entre os leigos”, esclareceu.
ImagemO Levisita foi utilizado em um dos voluntários, que, em seguidam, foi colocado em uma capsula de isolamento e encaminhado de helicóptero para o hospital da FAB no Galeão, considerado referência no tratamento desse tipo de incidente. O capitão Hartuiq acrescentou que, em alguns casos, atentados terroristas não são necessariamente para matar, mas para disseminar o terror. “Por isso, é importante simularmos essas coisas. Se o foco for causar a morte, eles utilizam explosivos. Esses compostos químicos são usados somente como demonstração de poder, intimidação e terror, como eles mesmos se denominam.”
Na quarta-feira (13), a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) confirmou a autenticidade de um perfil vinculado ao francês Maxime Hauchard, integrante do grupo Estado Islâmico, que ameaçou o país de ataques terroristas em novembro do ano passado. Segundo o Coronel De Lamare, membro do Ministério da Defesa e atuante no setor de combate ao terrorismo, o país está preparado para eventuais surpresas, mesmo com ameaça explícita de um membro do grupo.
“Sabemos que eles sempre terão como diferencial o fator surpresa. Isso faz parte do ‘jogo’. Estamos absolutamente preparados. Por isso, durante os treinamentos buscamos contemplar não somente as áreas de competição, mas também as demais cidades que receberão jogos de futebol, áreas dos atletas e outros profissionais. Posso afirmar para a sociedade que estamos prontos para combater a ameaça venha de onde vier”, afirmou.
Os Jogos Olímpicos Rio 2016 serão realizados entre os dias 5 e 21 de agosto, com mais de 10 mil atletas de 206 países. Em 17 dias de competições, serão disputadas 306 provas com medalhas. Já os Jogos Paralímpicos ocorrerão de 7 a 18 de setembro, trazendo mais de 4 mil atletas de 176 nações. Em 11 dias de disputa, serão realizadas 528 provas com medalhas.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Em dois dias, pássaros atingem dois aviões em Cumbica


Ricardo Gallo

Pelo segundo dia consecutivo, um avião teve que voltar ao aeroporto de Guarulhos, na Grande São Paulo, por ter sido atingido por pássaros. Aconteceu nesta quarta-feira (27) com um Boeing 737- 800 da Gol, que havia decolado às 12h52 rumo a Fortaleza, segundo os dados do site Flight Radar24. A ave entrou em um dos dois motores. Em razão do problema, o avião pousou de novo em Guarulhos às 14h34, quase duas horas após decolar.
A demora se deve ao fato de a aeronave ter tido que "gastar" combustível, de modo a pousar com menos peso— o avião sai com tanque cheio. A Gol, em nota, disse que o voo G31900 pousou "em segurança". Os passageiros, segundo a empresa, foram desembarcados e acomodados em outra aeronave da companhia, que decolou às 15h30 da tarde desta quarta. Na terça (26), um Airbus A321 da TAM também foi obrigado a retornar a Guarulhos pela mesma razão.
A Aeronáutica registrou 1.495 colisões de aviões contrapássaros em 2014, último dado disponível. A presença de aves em aeroportos está relacionada, entre outros fatores, à existência de lixões próximos. Há um aterro sanitário a menos de 20 km do aeroporto de Guarulhos, em Itaquaquecetuba (Grande SP).
À ESPERA DE AVAL
A concessionária GRU Airport informou, em nota, aguardar da Cetesb aval para um plano de manejo emergencial das espécies críticas de aves identificadas no entorno do aeroporto. Ao mesmo tempo, disse monitorar com equipe dedicada a presença de aves nas pistas para reduzir chance de colisões. O aval da Cetesb é "de fundamental importância para mitigar a presença de avifauna e elevar a segurança das operações", diz a nota.
Procurada às 18h40, assim que a concessionária se manifestou, a agência ambiental paulista disse que o expediente da área técnica havia se encerrado e que só conseguiria responder na quinta (28).
O caso mais emblemático de colisão com pássaros se deu em 15 de janeiro de 2009, quando um Airbus A320 da US Airways foi atingido depois de decolar, em La Guardia (Nova York). Sem potência nos dois motores, o avião perdeu altitude e o piloto decidiu pousar no rio Hudson. Ninguém se feriu.

Embraer fomenta rede de mais de 70 fornecedores de aeropeças


Venceslau Borlina Filho

Foi na garagem de uma casa em Santo André (Grande São Paulo) que o empresário Mauro de Paula Ferreira, 57, começou a usinar pequenas peças para indústrias de componentes automotivos, mecânicos e eletrodomésticos.
Passados 30 anos, Ferreira e mais dois sócios se consolidaram como um dos mais de 70 fornecedores nacionais exclusivos de peças para aviões da Embraer, um negócio que movimentou R$ 381 milhões só no ano passado.
Hoje, a Globo Usinagem tem duas fábricas -Jambeiro (120 km de SP) e Botucatu (238 km da capital)- e 330 funcionários divididos em dois turnos e meio para produzir 40 mil peças mensais. Para atingir essa produtividade, o empresário e os sócios fizeram uma série de ajustes para reduzir custos, eliminar desperdícios e melhorar a qualidade. Vários desses ajustes foram fomentados por cursos e treinamentos da própria Embraer.
Em cinco anos, a Globo Usinagem dobrou a produção de peças e aumentou para 4.000 o número itens produzidos. A empresa agora avança a outros setores e se prepara para novas demandas da empresa aeronáutica. "Eles [Embraer] abriram a nossa mente. Nosso faturamento cresceu 30% nos últimos cinco anos e vamos repetir isso até 2020", disse.
TREINAMENTO
Os cursos e treinamentos dados pela Embraer estão dentro do PDCA (Programa de Desenvolvimento da Cadeia Aeronáutica), a evolução de um programa iniciado em 2011 para fomentar a cadeia de fornecedores.
"Sem uma base de fornecedores capaz, não teríamos condições de desenvolver esses projetos. São vitais as ações para aumentar a produtividade e a eficiência", disse Francisco Soares, vice-presidente de suprimentos da Embraer.
Nos últimos cinco anos, o número de peças do portfólio dos fornecedores da Embraer mais que dobrou: passou de 32 mil para 66 mil.
Para uma aeronave da família E-2, o volume de compras da cadeia subiu de 6.900 para 9.500 itens. Segundo Soares, 80% da fuselagem do novo avião, que chegará ao mercado em 2018, é de fabricação nacional.
"Uma cadeia nacional de fornecedores nos garante menor tempo e mais eficiência. Se não fosse isso, teríamos que importar as peças, o que geraria pelo menos 50 dias a mais no processo de produção em razão do transporte."
"O raciocínio da Embraer foi o seguinte: se for crescer, preciso que minha base também cresça. Foi daí que surgiu o PDCA", disse Amauri Silva, 52, um dos três sócios da Usimaza, em São José dos Campos (97 km de SP). Atualmente, 85% da usinagem de peças da empresa é destinada à Embraer. Até 2018, a expectativa do empresário é a de aumentar o faturamento em 40%, com a demanda de peças e componentes montados para o E-2.

PORTAL EXAME.COM


Voar pelo Brasil é tão perigoso quanto em zonas de guerra


São Paulo – Cruzar o espaço aéreo brasileiro pode ser tão perigoso quanto voar por regiões que estão em guerra.
Essa é a conclusão da Federação Internacional das Associações dos Pilotos (da sigla em inglês IFALPA), que rebaixou nesta semana a classificação do espaço aéreo brasileiro para “criticamente deficiente” – a mesma avaliação conferida a países em conflito.
No Brasil, o risco não está relacionado a mísseis circulando pelos ares, mas sim à prática de soltar balões. No ano passado, foram registradas 325 ocorrências de objetos do tipo no espaço aéreo brasileiro. Só nos primeiros 4 meses de 2016 já são mais de 100 ocorrências.
“A colisão de uma aeronave com um balão pode ter impacto de até 500 toneladas. Nenhum avião tem capacidade para aguentar um impacto desses”, afirma Rodrigo Spader, secretário-geral do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), em entrevista para EXAME.com.
Soltar balões de ar quente é uma prática proibida no Brasil com pena de três anos de prisão e multa de até 5,5 mil reais por objeto apreendido. A legislação vigente, contudo, não fala sobre os balões biodegradáveis que flutuam com o calor do sol, mas oferecem risco semelhante.
Em uma decolagem recente do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), no Rio de Janeiro (RJ), Spader chegou a verificar 18 balões circulando em uma altura de 25 mil pés – ou o equivalente a 7,3 mil metros. “Esse perigo é inaceitável”, afirma.
De acordo com carta da IFALPA enviada à Secretaria de Aviação Civil, há relatos de que balões desses tipos colidiram com aeronaves no Brasil danificando os sensores que orientam os instrumentos de voo.
Em nota, o Departamento de Controle do Espaço Aéreo (DECEA) rebate as críticas feitas pela entidade e afirma que, segundo avaliação da Organização de Aviação Civil Internacional, o controle do espaço aéreo nacional foi considerado o quarto mais seguro do mundo.

AGÊNCIA SENADO


CCJ aprova indicação de ministro para Superior Tribunal Militar


A Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovou por unanimidade, nesta quarta-feira (27), a indicação do subprocurador-geral da Justiça Militar, Péricles Aurélio Lima de Queiroz, para o cargo de ministro do Superior Tribunal Militar (STM). Ele deverá ocupar a vaga reservada ao Ministério Público Militar.
O processo foi relatado pela senadora Ana Amélia (PP-RS) e segue para o Plenário do Senado com pedido para votação em regime de urgência. Ana Amélia destacou que “a indicação faz jus ao talento, empenho e à responsabilidade institucional” de Péricles Queiroz.
A qualidade da indicação para compor o STM foi ressaltada por governistas e oposicionistas. O senador José Pimentel (PT-CE) disse acreditar que “o Judiciário Militar ficará mais forte e atuante" com a presença do indicado naquele tribunal. O senador Alvaro Dias (PV-PR) considerou que a indicação “qualifica o STM”. Elogios ao indicado para o STM foram registrados ainda pelos senadores Aloysio Nunes (PSDB-SP), Acir Gurgacz (PDT-RO), Rose de Freitas (PMDB-ES) e José Maranhão (PMDB-PB), este presidente da CCJ. Péricles Queiroz agradeceu as manifestações dos senadores e prometeu reforçar seu compromisso com o serviço público.
O ingresso de Péricles Queiroz na Justiça Militar ocorreu por concurso público em 1981. Ao longo de sua trajetória profissional, exerceu as funções de procurador-geral da Justiça Militar interino, vice-presidente do Conselho Superior e vice-procurador-geral da Justiça Militar, tendo atuado também como corregedor-geral do Ministério Público Militar.

PORTAL BRASIL


A 100 dias dos Jogos, Defesa aperfeiçoa ações de segurança

Forças Armadas realizam checagem de iniciativas relacionadas no Plano Estratégico de Segurança Integrada

Por Portal Brasil

Com a aproximação dos Jogos Olímpicos, as Forças Armadas, que atuarão na segurança do evento com aproximadamente 38 mil militares, realizam os últimos ajustes para aperfeiçoar um modelo já consagrado após a realização de outras grandes competições, como a Copa do Mundo de 2014.
O ministro da Defesa, Aldo Rebelo, destaca que não é para qualquer país receber, em menos de dois anos, os dois maiores e mais importantes acontecimentos esportivos do planeta. De acordo com o ministro, assim como na Copa, o Brasil e o mundo contarão com o mesmo empenho e com a mesma capacidade dos militares da Marinha, do Exército e da Aeronáutica.
“Temos a convicção de que faremos os Jogos que se aproximam com o mesmo nível de responsabilidade e com a mesma possibilidade de êxito que alcançamos na Copa do Mundo”, afirmou.“A humanidade e os organizadores que têm nos Jogos um grande momento de reflexão e de competição podem ter certeza que o Brasil corresponderá à confiança depositada no nosso país”, completou o ministro.
O chefe do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas, almirante Ademir Sobrinho, deposita a mesma confiança no trabalho integrado das três Forças para a realização da Olimpíada, pela primeira vez no Brasil e em toda a América do Sul.
“Estamos fazendo a verificação dos nossos planos de segurança na prática, com o aprestamento das tropas, para, em julho, estarmos todos integrados e prontos para entregar à nossa população e a todos os visitantes Jogos seguros e tranquilos”, disse.O almirante destaca ainda o legado adquirido pelo Brasil com a realização de diversos grandes eventos que terá o seu coroamento com os Jogos Olímpicos. “Não só de equipamentos, mas na preparação, nas novas técnicas aprendidas, no enfrentamento a ameaças químicas e nucleares, as Forças estão adquirindo uma expertise muito grande em termos de preparação de pessoal”, explicou.
Além de intensificar os testes e de realizar os últimos ajustes nos protocolos que balizam a atuação das Forças, sempre de forma integrada como os órgãos de Segurança Pública e de Inteligência, os militares já iniciam agora o momento de concentração, não só para os Jogos, mas também para o revezamento da Tocha Olímpica.
O chefe da Assessoria Especial para Grandes Eventos, general Luiz Felipe Linhares, afirma que o grande destaque dessa atuação conjunta é o comprometimento dos militares, a partir de uma determinação da administração central do Ministério da Defesa em dar total prioridade a realização deste gigantesco evento.
Linhares ressalta a qualidade e a grande capacidade das Forças Armadas brasileiras em poder entregar uma segurança para um evento tão grandioso como são os Jogos Olímpicos. “Como sempre, o Brasil pode confiar nas suas Forças Armadas para apresentar internacionalmente um modelo de segurança que atende às exigências de qualquer órgão, inclusive do Comitê Olímpico Internacional”, afirmou o general, lembrando que os planos e treinamentos realizados e todas as interações entre as Forças levaram em conta o Plano Estratégico de Segurança Integrada (PESI), seguido à risca pelo Ministério da Defesa.


Infraestrutura dos Jogos Rio 2016 deixará legado para o esporte nacional

Investimentos superiores a R$ 4 bilhões beneficiarão todas as regiões do País

Os Jogos Olímpicos serão no Rio de Janeiro, mas a perspectiva de investimentos em infraestrutura esportiva do governo federal tem abrangência nacional. Os investimentos, superiores a R$ 4 bilhões, têm proporcionado a construção e a consolidação de uma Rede Nacional de Treinamento, com unidades que beneficiarão brasileiros em todas as regiões, contribuindo para a formação de novas gerações de atletas.
Somente o investimento em infraestrutura física ultrapassa a marca de R$ 3 bilhões. São recursos destinados à construção de centros de treinamento de diversas modalidades, 249 Centros de Iniciação ao Esporte (CIEs), 47 pistas oficias de atletismo e instalações olímpicas no Rio de Janeiro (RJ).
Durante a realização dos Jogos, a delegação brasileira e as equipes estrangeiras terão instalações esportivas modernas para os períodos de treinamento. O Ministério do Esporte está investindo R$ 207,5 milhões em construção, reformas e adaptações em unidades militares e na Escola de Educação Física e Desportos da UFRJ. Após 2016, essas instalações, que atenderão a diversas modalidades olímpicas e paralímpicas, serão incorporadas à Rede Nacional de Treinamento.

Os investimentos em unidades militares estão sendo feitos no Centro de Capacitação Física do Exército (CCFEx), na Escola Naval, na Universidade da Força Aérea (Unifa), no Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan) e no Clube da Aeronáutica (Caer).
O objetivo da Rede é interligar as instalações esportivas e oferecer espaço para detecção de talentos, formação de categorias de base e treinamento de atletas e equipes, com foco em modalidades olímpicas e paralímpicas. Também pretende aprimorar e permitir o intercâmbio entre técnicos, árbitros, gestores e outros profissionais do esporte.
Variedade e excelência
Para a construção dos centros de treinamento (CTs), o Ministério do Esporte está investindo mais de R$ 450 milhões. Entre os CTs já entregues estão o Centro Pan-Americano de Judô, em Lauro de Freitas (BA); a Arena Caixa de Atletismo, em São Bernardo do Campo (SP); o Centro de Excelência em Saltos Ornamentais, em Brasília (DF); a pista do Velódromo de Indaiatuba (SP); e o Centro de Canoagem, em Foz do Iguaçu (PR). O Centro Pan-Americano de Judô é o maior centro de treinamento da modalidade das Américas e um dos maiores do mundo. O Centro de Excelência em Saltos Ornamentais, em Brasília (DF), é o mais moderno do País
Fazem parte dessa rede, ainda, o Centro Paralímpico Brasileiro, que comportará 15 modalidades, em São Paulo (SP); o Centro de Formação Olímpica do Nordeste, para 26 modalidades, em Fortaleza (CE); o Centro de Desenvolvimento do Handebol, a ser inaugurado em São Bernardo do Campo (SP); o Centro de Treinamento do Ciclismo, em Londrina (PR), as seis pistas de BMX, em fase de construção, em seis cidades; o Centro de Hipismo, em obras, na cidade de Barretos (SP); o Complexo Esportivo de Badminton, em obras em Teresina (PI); e o Centro Nacional de Treinamento do Atletismo, em construção em Cascavel (PR).
Equipamentos e pistas
O Ministério do Esporte está destinando R$ 301,8 milhões para construção de 47 pistas oficiais de atletismo. Já foram entregues 17 pistas, instaladas em todas as regiões do País. A reforma, a construção, a equipagem e a operação de pistas oficiais de atletismo no País resultam da parceria do Ministério com governos estaduais, prefeituras, universidades, Confederação Brasileira de Atletismo (CBAt) e clubes. As pistas são legado dos Jogos Rio 2016 e integrarão a Rede Nacional de Treinamento de Atletismo que vai desenvolver a modalidade, interligar centros de treinamentos e capacitar recursos humanos.
Os investimentos em infraestrutura esportiva no País também contemplam a aquisição de aparelhos e materiais para diversas modalidades. A compra é resultado de convênios da pasta com entidades esportivas como Confederações, Federações e clubes. Com os novos e modernos equipamentos, criam-se núcleos de formação de base nos Estados, onde os jovens convivem e treinam com os atletas das seleções.
Com a compra de equipamentos, foram beneficiados centros de treinamentos já existentes em diversas cidades, como o de Lutas Associadas, do Taekwondo e da Esgrima, todos no Rio de Janeiro (RJ), e do Tiro com Arco, em Maricá (RJ). Somam-se a eles 16 centros de treinamento de ginástica em 13 cidades, entre elas, o Centro de Excelência de Ginástica (Curitiba/PR), o Centro Regional de Ginástica do Distrito Federal, o Centro de Treinamento de Ginástica (Porto Alegre/RS), o Centro Olímpico do Espírito Santo (Vitória/ES), o Centro Nacional de Treinamento de Ginástica Rítmica (Aracaju/SE) e o Centro Regional de Ginástica de Trampolim (Goiânia/GO). Também foram equipados seis centros de treinamento de Tênis de Mesa olímpico e paralímpico, em seis cidades (Brasília, Piracicaba, São Caetano do Sul, São Bernardo do Campo, São Paulo e Santos) e 29 quadras de basquete em ginásios e clubes.
Bolsa Atleta
Como carro-chefe do apoio federal aos atletas brasileiros, o programa Bolsa Atleta completou, em 2015, dez anos, com mais de 43 mil bolsas concedidas desde 2005. Em 2015, mais 6.131 atletas de modalidades olímpicas e paralímpicas foram contemplados, e outros 1.001 de modalidades não olímpicas. Na década, os investimentos ultrapassam R$ 600 milhões, o que confere à política pública o posto de maior programa de patrocínio esportivo individual e direto do mundo.
Com a escolha do País como sede olímpica e paralímpica em 2016, o governo federal criou, em 2012, a mais alta categoria do programa, a Bolsa Pódio, destinada a atletas com chances de disputar medalhas nos Jogos Rio 2016. Atualmente, 246 atletas de modalidades individuais (olímpicas e paralímpicas) são patrocinados com bolsas que variam de R$ 5 mil a R$ 15 mil.
A Bolsa Pódio é uma ação do Plano Brasil Medalhas pelo qual o Ministério do Esporte e empresas estatais também apoiam mais 179 atletas de modalidades coletivas (olímpicas e paralímpicas). Os recursos do Plano já somam investimentos de superiores a R$ 328 milhões. Os convênios permitiram, além da aquisição de equipamentos modernos, expressivo investimento na preparação de atletas de alto rendimento (participação em competições e treinamentos no País e no exterior), identificação e formação de novos talentos e contratação de equipes multidisciplinares.
O impacto da Bolsa Atleta foi medido nos Jogos de Toronto 2015, principal competição multiesportiva de 2015 para as equipes que vão disputar os Jogos Olímpicos e os Jogos Paralímpicos de 2016 no Rio de Janeiro. Dos 862 atletas convocados para o Pan-Americano e Parapan-Americano de Toronto, 675 são apoiados pelos programas do governo federal, o que correspondeu a 78,4% das delegações.
Das 141 medalhas conquistadas pelo Brasil nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, 121, ou 85,8%, vieram de atletas e equipes que recebem bolsas do governo federal. Ao todo, 243 medalhistas são bolsistas, entre os 303 atletas brasileiros que subiram ao pódio na competição.
Já nos Jogos Parapan-Americanos, o Brasil se consolidou como a primeira potência das Américas e fortaleceu os planos rumo à classificação entre os cinco primeiros nos Jogos Paralímpicos do Rio em 2016. Pela terceira vez seguida, os brasileiros ficaram em 1º lugar no quadro geral de medalhas. Das 257 medalhas no Parapan, 254 foram conquistadas por bolsistas do governo federal, o que corresponde a 98,8% do total. Dos 215 atletas medalhistas, 199, ou 92,5%, são bolsistas.

OUTRAS MÍDIAS


PORTAL PILOTO POLICIAL


Comissão de Direito Aeronáutico da OAB/SP é empossada

Por: Piloto Policial
A advogada Priscila Dower Mendizabal foi empossada pelo vice-presidente da OAB SP, Fabio Romeu Canton Filho, na última terça-feira (26/4), na sede Institucional da OAB SP, presidente da Comissão de Direito Aeronáutico para o triênio 2016/2018. Assumiu a vice-presidência da Comissão a advogada Claudia Barreto Fernandes Ortuño.
Priscila Dower ressaltou o risco baloeiro e a necessidade de uma regulamentação mais adequada no Brasil para mitigar esse risco que sobrevoa os céus brasileiros.
No mesmo dia da posse da comissão, a IFALPA – International Federation of Air Line Pilot´s Association, por conta da grande quantidade de balões soltos frequentemente nos céus brasileiros, rebaixou a nota de segurança do espaço aéreo do Brasil para a categoria de “Critically Deficient – Black Star”. (leia a carta)
A Comissão empossada tem grandes desafios e acompanhará de perto esse assunto, bem como a elaboração do novo Código Brasileiro de Aeronáutico que está sendo discutido em comissão especial no Senado, além da nova regulamentação do VANT que está em fase final de edição pela ANAC.
Além disso, um dos objetivos da Comissão é poder participar do Comitê Nacional de Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CNPAA), sob a direção e coordenação do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (CENIPA), pois o objetivo do CNPAA é reunir representantes de Entidades nacionais interessadas no conhecimento e no desenvolvimento da segurança de voo.
O vice-presidente da OAB SP, Fabio Romeu Canton Filho, ressaltou a importância e responsabilidade da comissão e a OAB SP continuará apoiando as ações que resultem em uma maior segurança operacional e jurídica para a aviação brasileira.
Tomaram posse na Comissão:
Membros Efetivos:
Ana Luisa Castro Cunha Derenusson
Andreia Cristina dos Santos
Carlos Vinicius Barbosa Mai
Cintia Gomes Lima Campos
Douglas Sabongi Cavalheiro
Eliana Astrauskas
Eric Lacerda Farina
Fábio Anderson de Freitas Pedro
Fábio de Carvalho Chiquette
Francisca Laudelina Santos True
José Alberto Cesar Bertulucci
José Luiz Ferreira de Mattos Junior
Kerlington Pimentel de Freitas
Luiz Felipe Petrilli Olivan
Luiz Rubbo de Paiva
Marcio Roberto Tavares
Marco Pereira da Silva Santana
Roberta Fagundes Leal Andreoli
Membros Colaboradores:
Angelita de Araújo
Carlos Alberto de André Seixas
Eduardo Marteo Bastos
Hélio Bernardini Barbosa
Mauricio Eduardo Mello Pereira
Michele Carvalho Pedrosa
Robrigo Ortolá Torres
Sandra Assali
Thiago Francisco Moriano
Vanderlan Aparecido Alexandre

CLICKFOZ - Foz do Iguaçu-PR


Itaipu e Exército inauguram sistema de energia em Brasília

Projeto ajudará comunidades isoladas em todo o país

Já está em funcionamento no quartel-general do Exército Brasileiro, em Brasília (DF), o projeto-piloto de segurança energética – módulo 1 de Armazenamento de Energia, que deverá ser replicado, num futuro próximo, em áreas isoladas do país. A iniciativa é uma parceria da Itaipu Binacional, Fundação Parque Tecnológico Itaipu (FPTI) e Exército. A primeira fase inaugurada nesta terça-feira, 26, vai atender os escritórios, o sistema de segurança sul do quartel e fornecerá energia para um eletroposto, que abastecerá veículos elétricos.
O sistema é o primeiro do Brasil e um dos poucos do mundo que pode usar várias fontes de energia ao mesmo tempo. Inicialmente, será abastecido por energia solar. Para isso, foram instalados 360 painéis fotovoltaicos conectados a seis inversores solares com potência total de 90 kW.
O armazenamento e a segurança energética do projeto são garantidos pelo uso de baterias. A diretoria da usina forneceu as baterias (FIAMM) e o sistema de armazenamento de energia (Ingrid), além de um veículo elétrico em comodato e um eletroposto. A instalação é uma ação conjunta dos parceiros da Itaipu, a FPTI e o próprio Exército.
Segundo o comandante do Exército Brasileiro, general Eduardo Villas Bôas, um dos grandes gargalos, se não o maior, para o desenvolvimento e implantação de sistemas de defesa do Brasil está exatamente na área de armazenamento de energia. “Esse projeto abre uma perspectiva enorme, concreta e de longo prazo para avançarmos.”
Depois do quartel, a ideia é implantar o sistema no Pelotão Especial de Fronteira (PEF) de Tunuí Cachoeira, no Amazonas, com a perspectiva de replicação em todos os demais. A expectativa é melhorar a disponibilidade de energia elétrica para a comunidade daquela região, utilizando os raios solares, uma fonte limpa e renovável.
A mesma solução poderá ser replicada, futuramente, em outros pontos isolados da extensa área de fronteira do País e que também não são atendidos pelo sistema interligado nacional (SIN). “Há um leque, uma perspectiva muito grande.”
Para o diretor-geral brasileiro de Itaipu, Jorge Samek, esse projeto é emblemático porque vai ajudar a dar autonomia a regiões isoladas. “Queremos, muito em breve, ter todas as nossas fronteiras sendo abastecidas por meio dessa tecnologia que estamos desenvolvendo em conjunto”, disse. E complementou: “Todos os cientistas apontam que no fim deste século a energia que vai dominar o mundo será a solar. Veja que nós já estamos em 2016. E a tecnologia avança e caminha rápido”.
A diretora financeira executiva de Itaipu, Margaret Groff, explicou que inicialmente o projeto vai garantir uma economia em torno de R$ 30 mil por mês para o quartel. “Mas, mais do que isso, o importante é a segurança energética que esse sistema está trazendo e a experiência do uso da energia solar, já que é possível usar a energia solar de forma concomitante com a energia distribuída pelo sistema de abastecimento normal de energia.”
Margaret apontou outra vantagem do sistema, que não está limitado à energia solar. “O sistema é híbrido e pode usar energia eólica, hidrelétricas, diesel, biometano e geotérmica, entre outras, que possam surgir, porque estamos sempre inovando na área energética”, explicou.
O secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, Ildo Grudtner, diz que o Brasil já tem uma matriz basicamente limpa e renovável. “Mas o crescimento do consumo nos impunha utilizar mais energia. Consequentemente, dispor de tecnologias que a gente possa utilizar energia solar e eólica, além da hidráulica. Isso é um ponto importantíssimo para o país.”

PORTAL REVIDE (SP)


Céu de Ribeirão Preto é o 5º mais congestionado do País

Mais de 131 mil voos tiveram origem, pousaram ou cruzaram a região em 2015
Leonardo Santos
O céu na região nordeste do Estado de São Paulo, onde localiza-se Ribeirão Preto, foi o quinto mais congestionado do País em 2015, segundo Anuário Estatístico de Tráfego Aéreo, do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea).
Foram mais de 131 mil voos que tiveram origem, pousaram ou cruzaram a região – denominada Academia, em virtude da Academia da Força Aérea, em Pirassununga, que concentra atividades militares de treinamento. Mesmo assim, a quantidade é 6,5% menor que a registrada no ano anterior, quando foram 140,7 mil voos.
De acordo com o relatório, os espaços aéreos brasileiros que mais veem aviões são o de São Paulo, com 725 mil aviões sobrevoando, Rio de Janeiro, alcançando 328,3 mil aeronaves, Brasília, com 203,1 mil voos, e Belo Horizonte, com 179,7 mil aeronaves no ar.
Em todos os casos, o número de voos diminuiu em 2015 com relação ao ano anterior, e o motivo foi que em 2014, houve a Copa do Mundo, que elevou a movimentação no espaço aéreo brasileiro, segundo o levantamento, além da crise econômica, que afetou bastante a aviação voos gerais - os não comerciais e militares, como aeronaves executivas e fretadas.
O espaço aéreo em Ribeirão Preto foi o 21º mais movimentado do Brasil no último ano, com mais de 41,1 mil pousos e decolagens, quantidade 3,6% menor do que a registrada em 2014, quando foram 42,6 mil pousos e decolagens. Entretanto, no ranking nacional, Ribeirão Preto subiu uma posição, passando Campo Grande-MS, que registrou 40,6 mil atividades.
Ribeirão Preto também apresentou uma queda de 17,4% da aviação geral, o que significa que o uso de helicópteros e outras modalidades de voo não comercial foi uma opção menos assinalada pelos adeptos.
O Aeroporto Internacional de Cumbica, em Guarulhos, foi o principal destino para os voos originários de Ribeirão Preto, responsável pela origem e pousos de 9,8% das viagens. No ano passado, a média foi de 113 aeronaves que chegam e decolam por dia no município, bem menor do que em 2013, quando a média foi de 130.
Porém, referente apenas à aviação comercial no último ano, o Aeroporto Leite Lopes registrou crescimento de 3,1% na movimentação de passageiros em comparação com o ano anterior. No total, entre janeiro e dezembro de 2015, 1.100.631 embarques e desembarques foram realizados no aeroporto, de acordo com Daesp, que administra o espaço.

Agência de Notícias Brasil-Árabe


Embraer participa de feira no Marrocos

Marrakesh Air Show começou nesta quarta-feira e reúne mais de 200 empresas do setor aeronáutico até o próximo sábado.
São Paulo - A Embraer participa nesta semana da feira International Marrakesh Air Show, no Marrocos. A mostra foi aberta nesta quarta-feira (27) e reúne mais de 200 expositores até o próximo sábado (30) na base área do Aeroporto Marrakesh Menara. A fabricante brasileira levou duas aeronaves para serem expostas no evento: o jato executivo Legacy 500 e o Super Tucano, um dos modelos mais vendidos da divisão de Defesa e Segurança.
O Legacy 500 pode voar até 5.780 quilômetros sem parar para abastecer e transportar até 12 passageiros. O turboélice Super Tucano é utilizado tanto para missões de combate como para treinamento de pilotos. Pode ser equipado com canhões e levar até 1,5 tonelada de armamentos. Entre os países árabes, as forças armadas da Mauritânia e do Líbano já compraram unidades do modelo.
A participação na feira não é, porém, a estreia da Embraer no mercado marroquino, pois jatos da sua divisão de aviões comerciais integram a frota da companhia aérea estatal Royal Air Maroc. Quatro aviões do modelo E 190, para 100 passageiros, são utilizados em rotas regionais no Marrocos e no continente africano. O último dos aviões da Royal Air Maroc foi entregue pela Embraer em dezembro de 2014.
A Marrakesh Air Show está na sua quinta edição. A primeira foi realizada em 2008. É a principal mostra do setor aeronáutico na África.
Segundo informações da organização do evento, participam da Marrakesh Air Show fabricantes de satélites e sistemas aeronáuticos, de equipamentos para manutenção, companhias aéreas, companhias do setor de defesa, administradoras aeroportos, fabricantes de aviões, representantes de governos e empresas do setor financeiro que fazem leasing e aluguel de aeronaves.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented