|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 15/04/2016 / Abin confirma ameaça do EI ao Brasil e amplia monitoramento de suspeitos


Abin confirma ameaça do EI ao Brasil e amplia monitoramento de suspeitos ...

Diretor de Contraterrorismo da Agência Brasileira de Inteligência diz que tuíte publicado em novembro por membro do grupo extremista ameaçando Brasil é real; lobos solitários são principal ameaça ...

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) confirmou uma ameaça ao Brasil publicada em novembro em conta no Twitter vinculada a um membro do Estado Islâmico (EI) e intensificou o monitoramento de indivíduos que teriam jurado lealdade ao grupo extremista e poderiam agir dentro do País.

"Brasil, vocês são nosso próximo alvo", diz o tuíte enviado para o microblog dias depois dos ataques terroristas em Paris - nos quais 130 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas - através da conta utilizada por Maxime Hauchard, um francês que foi para a Síria em 2013 e juntou-se às fileiras do EI. A conta de Maxime foi suspensa pelo Twitter.

"A probabilidade de o país ser alvo de ataques terroristas foi elevada nos últimos meses, devido aos recentes eventos terroristas ocorridos em outros países e ao aumento do número de adesões de nacionais brasileiros à ideologia do Estado Islâmico", disse a Abin em nota enviada ao Estado.

Na quarta-feira, o diretor de Contraterrorismo da Abin, Luiz Alberto Sallaberry, participou no Rio de Janeiro da Feira Internacional de Segurança Pública e Corporativa (LAAD Security). Em sua apresentação sobre ameaças terroristas aos Jogos Olímpicos Rio 2016 ele descreveu Hauchard como "espécie de garoto-propaganda do Estado Islâmico".

Sallaberry também listou ações executadas pela agência para evitar possíveis ataques no País, "como intercâmbio de informações com serviços estrangeiros, capacitação de profissionais de setores estratégicos e trabalhos com órgãos integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência".

Lobos solitários. O diretor da Abin também afirmou que tem aumentado no Brasil a quantidade de pessoas que juram lealdade ao EI e estariam prontas para agir em nome do islã. "Quando uma pessoa faz o juramento ao califado e se torna autoproclamada ela está disposta a cometer qualquer atentado violento em nome do grupo. A ordem não precisa ser presencial, pode ser via internet", disse Sallaberry, de acordo com reportagem publicada pelo jornal "O Dia".

Sallaberry apresentou exemplos de materiais usados pelos indivíduos que juraram lealdade ao EI no Brasil, como bandeiras com inscrições em árabe e adornadas com o símbolo do grupo terrorista. "Posso dizer que são de origem salafista sunita, comunidade que está ligada ao EI. Não estou dizendo que vai acontecer um atentado. Estou dizendo que é a primeira vez que a probabilidade aumentou sobremaneira no nosso país."

Em novembro, ele havia alertado que as autoridades brasileiras consideram os chamados lobos solitários - que agem inspirados ou sob direção de algum grupo radical, mas sem a necessidade de uma célula terrorista ou outra organização formal - "a principal ameaça aos Jogos Olímpicos" que serão realizados no Rio em agosto.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil e até do mundo. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL DEFENSA.COM (Espanha)


Embraer contrata a Rheinmetall sistemas de entrenamiento para el KC390 por 100 millones de euros


Javier Bonilla

Rheimetall confirmó la firma con Embraer de un acuerdo marco por valor de 100 millones de euros para el suministro, en los próximos 10 a 15 años, de un conjunto completo de entrenamiento para su nuevo avión de transporte KC390, ya en su segundo prototipo. Según el convenio, la división de sistemas de entrenamiento de Rheinmettal diseñará, fabricará, suministrará y proporcionará apoyo a todos los sistemas de entrenamiento para KC390, incluidos los sistemas de carga y de entrenamiento completos, de vuelo y de misión de la formación de pilotos, tripulantes, loadmasters y personal de mantenimiento.
Si bien los contactos de Embraer con Rheinmetal son de larga data, se estima que, al prácticamente completar su cuadro de proveedores y asociados al proyecto KC-390, se apunte cada vez más a una propuesta de exportación e inclusive a abrir alternativas tendientes a un uso dual (como carguero militar y opcionalmente comercial, cual se preveía inicialmente) de la aeronave, para proyectar el modelo internacionalmente y minimizar dificultades coyunturales de Brasil y sus países vecinos, o sea, sus clientes iniciales.
Ya con dos prototipos y cumpliendo un cronograma retrasado por falta de recursos gubernamentales brasileños, Embraer, además, presentará el KC-390 en la feria de Farnborough y posiblemente en otros eventos internacionales, buscando su repercusión en mercados externos.

PORTAL G-1


Avião faz 2 pousos forçados em lavouras de MT após pane em motor

Piloto da aeronave fez pouso forçado em Pedra Preta após motor falhar. Avião saiu de Santo Antônio de Leverger e iria para Barra do Garças.

Denise Soares, Do G1 Mt

Um avião bimotor, modelo Sêneca II, de prefixo PT-EAE, fez dois pousos forçados no início da noite desta quarta-feira (13), ao fazer um voo entre Santo Antônio de Leverger e Barra do Garças, a 35 km e 516 km de Cuiabá. Segundo a Polícia Militar, entre esse trajeto o motor do avião apresentou falhas e fez com que o piloto fizesse dois pousos forçados. A aeronave acabou pousando na região de Pedra Preta, a 234 km de Cuiabá. O piloto não se feriu gravemente.
De acordo com a PM, o piloto relatou que o avião começou a apresentar falhas no motor da asa direita e se viu obrigado a pousar no meio de uma lavoura da região do trajeto que faria. Um mecânico que o acompanhava fez a avaliação da aeronave e atestou que o avião tinha condições de voo. Dessa forma, o piloto retomou novamente a viagem.
No entanto, o piloto contou à polícia que, 2 minutos após retomar o voo, o motor falhou novamente. Ele diz que conseguiu encontrar uma pista de pouso em uma propriedade rural para pousar novamente. Ainda conforme o relato do piloto, instantes antes do trem de pouso tocar o solo, o motor parou de funcionar e direcionou a aeronave para a direita. Nesse momento a asa direita do avião atingiu a plantação de milho.
O impacto da aeronave com o solo e com a plantação de milho danificou o trem de pouso e quebrou alguns vidros das janelas do avião. O piloto afirmou aos policiais militares que conseguiu uma carona para chegar até a Vila Garça Branca, em Pedra Preta, onde chamou um táxi e se deslocou até a delegacia.
Inicialmente, segundo a PM, não foi encontrado nenhum tipo de irregularidade na aeronave. O piloto possui duas passagens criminais e deve ser ouvido pela Polícia Civil. Investigadores da Polícia Civil foram até o local da queda da aeronave na manhã desta quinta-feira (14).

Documentário aborda história de sobrevivente de acidente aéreo

Exibição será na sexta-feira (15), em Santa Cruz do Rio Pardo (SP). Moradora da cidade desceu do avião minutos antes da queda

Do G1 Bauru

ImagemNa sexta-feira (15), às 14h e às 20h, será exibido o documentário “Rancharia e o Desastre Aéreo de 1951”, no Palácio da Cultura de Santa Cruz do Rio Pardo (SP). A atividade tem o objetivo de retratar a história de um acidente aéreo onde uma santa-cruzense foi sobrevivente.
O cineasta João Francisco Cunha conta que iniciou o projeto com a intenção de apenas buscar alguns relatos sobre a tragédia, mas descobriu que o piloto do avião foi considerado responsável injustamente pelo acidente, além de que Ondina Taveiros desceu em Santa Cruz do Rio Pardo minutos antes da queda.
Os depoimentos exibidos vão desde testemunhas da cidade de Rancharia ao perito da aeronáutica e do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE).
O documentário
O documentário conta a história da queda do avião da Viação Aérea São Paulo (VASP), que marcou a cidade de Rancharia em 1951, mas há uma grande relação com Santa Cruz do Rio Pardo. Ondina Taveiros sobreviveu após desembarcar do avião minutos antes da tragédia.
O relatório da aeronáutica obtido para a execução do projeto culpa o piloto João Rizzo pelo desastre de 18 de maio de 1951. Entretanto, testemunhas afirmam que havia um problema no motor do avião.
Serviço
"Rancharia e o Desastre Aéreo de 1951" será exibido às 14h e às 20h de sexta-feira (15), no Palácio da Cultura Umberto Magnani Netto, que fica na Rua Conselheiro Dantas, 220, em Santa Cruz do Rio Pardo. A entrada é gratuita. Mais informações podem ser obtidas no telefone (14) 3372-1227.

Incêndio atinge carros alegóricos em terreno ao lado do Anhembi

Ao menos cinco carros foram destruídos, segundo o Corpo de Bombeiros. Ninguém ficou ferido; escolas não retiraram carros de terreno.

Do G1 São Paulo

Um incêndio atingiu um terreno com cerca de oito carros alegóricos na Avenida Olavo Fontoura, ao lado do sambódromo do Anhembi, na Zona Norte de São Paulo, na madrugada desta quinta-feira (14).
Segundo o Corpo de Bombeiros, ao menos cinco carros ficaram completamente destruídos. Ninguém ficou ferido. Uma telespectadora gravou um vídeo dos carros sendo atingidos pelo fogo e enviou para o Bom Dia São Paulo.
As escolas tem um prazo de no máximo dois meses para retirar os carros após o carnaval, mas muitas deixam os carros no terreno. O carnaval terminou no dia 9 de fevereiro.
Os carros são feitos de isopor, material inflámavel. Os materiais se desprendem da estrutura dos carros, e caem em um córrego ao lado do terreno que desemboca no Rio Tietê, segundo o Bom Dia São Paulo.
Liga das Escolas de Samba informou que os carros alegóricos não estão mantidos irregularmente no local. A entidade disse ainda que conseguiu uma liberação da Aeronáutica, responsável pela área, para manter os carros no terreno até meados de junho.
A Prefeitura de São Paulo informou que não possui nenhuma participação no acordo, que é feito entre a Liga e a Aeronáutica.

AGÊNCIA SENADO


Comissão aprova texto básico do novo Código Brasileiro de Aeronáutica


Iara Farias Borges, Da Rádio Senado

A COMISSÃO QUE ELABORA O NOVO CÓDIGO BRASILEIRO DE AERONÁUTICA APROVOU NESTA QUINTA-FEIRA O TEXTO BÁSICO SUGERIDO PELA RELATORIA E, AGORA, VAI EXAMINAR AS EMENDAS À PROPOSTA.
O texto básico do novo Código Brasileiro de Aeronáutica tem 400 artigos, resultado de cerca de 1500 contribuições. A proposta recebeu 477 emendas. O presidente da Comissão, o advogado Georges Ferreira, observou que há temas ainda polêmicos entre os especialistas, como a abertura do capital das empresas aéreas do país ao capital estrangeiro.
(GEORGES) “Nós temos, agora, a fase de emendas que nós vamos analisar, mas nós já temos a questão do capital estrangeiro. Nós temos aprovado no texto básico a manutenção do capital estrangeiro aberto em 25%. Eu acredito que isso também deverá ser objeto de destaque pelos membros da comissão. Nós temos a questão, por exemplo, a manutenção do controle de tráfego aéreo na mão da Força Aérea, e assim como a questão da investigação e prevenção de acidentes, que continua com o órgão e como um sistema da Força Aérea”.
Outro assunto polêmico é a indenização aos usuários de empresas aéreas. Georges Ferreira garantiu que os direitos do consumidor serão preservados, mas ressaltou que a comissão vai observar também o das companhias.
(GEORGES) “Não serão suprimidos os direitos dos passageiros. O que nós estamos analisando e estudando, e isso também obviamente vai ser objeto de muito debate, é a situação da indenização, porque, muitas vezes acontece um atraso por uma questão de força maior, que são eventos da natureza. Então se a empresa atrasa, por uma força de vontade que não é dela, presta toda a assistência, e ainda assim é ela condenada a uma ação indenizatória, uma ação ressarcitória”.
O Código Brasileiro de Aeronáutica que está em vigor é de 1986 e a atualização é necessária devido aos avanços tecnológicos no setor. Entre as modificações apresentadas pelos especialistas da comissão estão a adoção de um novo modelo de tarifas; a regulamentação do uso de drones; maior apoio a familiares de vítimas de acidentes aéreos; a vedação da prática de balonismo com a utilização de balões sem dirigibilidade; punição rigorosa aos passageiros que não respeitem regras de conduta nos aviões e o fim da indenização por cancelamento ou atraso de voos. 

Acordo comercial permitirá aumento de exportações para África, prevê embaixador


Marcos Magalhães

A entrada em vigor do Acordo de Preferências Comerciais entre o Mercosul e a União Aduaneira da África Austral (Sacu), em 1º de abril deste ano, deverá abrir novas perspectivas para o relacionamento econômico entre o Brasil e a África do Sul. A previsão é do embaixador designado para aquele país, Nedilson Ricardo Jorge, cuja indicação para o cargo foi aprovada nesta quinta-feira (14) pela Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE). Na mesma reunião, também foram aprovados novos embaixadores para a Mauritânia e para o Timor Leste.
O acordo de preferências comerciais permitirá melhor acesso dos países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai e Venezuela) a um mercado estimado em 65 milhões de consumidores dos países que integram a Sacu (Africa do Sul, Botsuana, Lesoto, Namíbia e Suazilândia). O comércio do Brasil com a África do Sul cresceu 14,3% entre 2005 e 2014, passando de US$ 1,7 bilhão para US$ 1,9 bilhão. De janeiro a outubro de 2015, o fluxo comercial alcançou US$ 1,7 bilhão, com superávit de US$ 594 milhões para o Brasil, cuja pauta de exportações para aquele país é composta principalmente de produtos industrializados.
— A promulgação desse acordo vai abrir muitas portas em termos de comércio e investimentos bilaterais e vai fornecer maior competitividade a produtos brasileiros na África do Sul. Pretendemos explorar essas novas oportunidades — disse Nedilson Ricardo Jorge, cuja mensagem de indicação teve como relator o senador Lasier Martins (PDT-RS).
O embaixador citou a área de defesa como outro importante foco de cooperação. O Brasil e a África do Sul, informou, estão trabalhando em conjunto na fabricação de mísseis, além de terem escolhido o avião sueco Grippen como principal vetor de segurança aérea. Atual chefe do Departamento de África do Itamaraty, ele informou que o Brasil abriu 19 novas embaixadas na África desde 2003, após a posse do presidente Luis Inácio Lula da Silva para seu primeiro mandato. Ele observou ainda que, em recente pesquisa feita por um instituto mexicano em parceria com a Universidade de São Paulo, constatou-se que, para 24% dos entrevistados, a África deveria ser a prioridade da política externa brasileira — contra 16% que indicaram preferência pela América Latina.
Aviões
O setor de defesa, importante no relacionamento com a África do Sul, também deverá ser prioritário na relação com a Mauritânia, para onde foi designado como embaixador Leonardo Carvalho Monteiro. Segundo o diplomata, cuja indicação teve como relatora a senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM), já foram enviadas cinco missões da Aeronáutica do Brasil para aquele país, com o objetivo de formar pilotos e técnicos. Em 2012 a Mauritânia comprou dois aviões Super Tucano da Embraer e novas aquisições podem vir a ser feitas quando melhorar a situação econômica do país.
Cerca de 50% das exportações da Mauritânia são de minério de ferro, cujo preço teve forte redução no mercado internacional. Outros 40% referem-se à pesca. Após recente entendimento entre os dois países na área fitossanitária, adiantou o embaixador, a Mauritânia poderá vir a exportar sardinhas e farinha de peixe para o Brasil, que poderá vir a exportar para aquele país mais produtos industrializados, como roupas.
— A Mauritânia tem enorme potencial para se transformar em um hub (centro de comércio) para aqueles países africanos vizinhos que não tem costa — apostou.
Língua portuguesa
O apoio à divulgação da língua portuguesa deverá ser uma das prioridades do embaixador indicado para representar o país no Timor Leste, Adelmo Serafim Garcia Júnior. Em resposta a pergunta do senador Hélio José (PMDB-DF), preocupado com a atual difusão da língua comum naquele país asiático, o diplomata observou que apenas 10% dos timorenses falam português. Ele recordou que, durante os 25 anos de ocupação do país pela Indonésia, após a independência de Portugal, o ensino de português foi proibido nas escolas. Por isso, os jovens não falam português, apenas os adultos ou as crianças que estão na escola.
— O Brasil e Portugal têm responsabilidade nesse tema. E, assim que possível, vamos criar um centro cultural Brasil-Timor Leste em Díli — informou Garcia, em resposta a preocupação do senador Cristovam Buarque (PPS-DF) sobre o relacionamento cultural bilateral.
Segundo o embaixador indicado, cuja mensagem teve como relatora a senadora Ana Amélia (PP-RS), a cooperação técnica é o “carro-chefe” do relacionamento bilateral, especialmente por meio da formação de quadros para gerir o novo país, independente desde 2002. Nesse momento, informou, 14 professores brasileiros de português estão naquele país. Mais de 240 estudantes timorenses estão estudando em 11 universidades brasileiras. E mais de três mil jovens receberam formação profissional em Timor com o apoio do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai).
Integração
Durante o debate na comissão, o senador José Agripino (DEM-RN) ressaltou o exemplo do ex-presidente Nelson Mandela na construção da moderna África do Sul, depois de décadas de regime racista. Ele elogiou a convivência pacífica atual entre brancos e negros e lembrou a necessidade de mais tolerância entre os brasileiros. Por sua vez, Ana Amélia celebrou o acordo feito entre o Mercosul e a Sacu e recordou que a indústria de ônibus Marcopolo, com sede no Rio Grande do Sul, já tem uma fábrica na África do Sul.
No início da reunião, o senador Aloysio Nunes (PSDB-SP), presidente da comissão, considerou “totalmente descabida” declaração do secretário-geral da União dos Países da América do Sul (Unasul), Ernesto Samper, em relação a uma suposta ameaça à segurança jurídica da região pelo processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff.
Dois projetos receberam parecer favorável da comissão. O primeiro foi o Projeto de Decreto Legislativo 11/2016, que ratifica o texto da Convenção Multilateral sobre Assistência Administrativa Mútua em Assuntos Fiscais, emendada pelo protocolo de 1º de junho de 2010. O texto foi imediatamente enviado ao Plenário. O segundo foi o Projeto de Lei do Senado (PLS) 26/2016, do senador José Serra (PSDB-SP), que facilita o envio ao exterior de material genético em situações epidemiológicas que caracterizem emergência em saúde pública. O projeto será analisado, em decisão terminativa, pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS).

Comissão aprova emendas ao anteprojeto do novo Código Brasileiro de Aeronáutica


A Comissão de Reforma do Código Brasileiro de Aeronáutica aprovou nesta quinta-feira (14) uma série de emendas à sugestão do novo código. O texto base já havia sido aprovado no período da manhã. Foram apresentados 128 destaques para votação de emendas, dos quais 44 foram votados na reunião desta tarde.
O presidente da comissão, Georges de Moura Ferreira, já convocou outra reunião para as 9h desta sexta-feira (15) — prazo final para o funcionamento da comissão — quando o restante dos destaques deve ser analisado. Com a aprovação do texto, a comissão apresentará o anteprojeto ao presidente do Senado, Renan Calheiros, que encaminhará o texto para tramitação na Casa.
Alterações
Algumas alterações foram feitas no texto tendo em vista a “boa técnica legislativa”. Uma das emendas prevê que a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) deve emitir aprovações e certificados em até três dias. Para tanto, a autoridade aceitará, sem exigências ou comprovações adicionais, a documentação comprobatória fornecida pela empresa certificada. O engenheiro Marcus Vinícius Oliveira disse que a ideia é dar mais agilidade e evitar a burocracia nos processos aeronáuticos.
A comissão também acatou uma emenda que estabelece que o intercâmbio de aeronaves só poderá ser feito com tripulação brasileira. O intercâmbio ocorre quando uma empresa estrangeira fica com uma aeronave parada em solo brasileiro, à espera do voo de volta e, nesse período, uma empresa brasileira usa o avião, conforme contrato. Para que o intercâmbio ocorra, o texto estabelece que os tripulantes sejam brasileiros, devido às repercussões na legislação trabalhista. Outra emenda retirou a isenção de pagamento de taxas para as aeronaves experimentais e esportivas.
Polêmica
A rejeição de uma emenda levantou polêmica. Ela estabelecia a participação de membro de entidade que representa os tripulantes, sem restrição, nas investigações de um incidente aéreo. O comandante José Adriano Castanho Ferreira, representante do Sindicato Nacional dos Aeronautas, argumentou que o pedido não era “fora da realidade”.
Para Castanho, essa participação é importante para os tripulantes e para as suas famílias. Ele deu como exemplo o caso de pilotos que são considerados culpados em caso de acidentes fatais e nem podem se defender. A presença de um representante dos tripulantes seria uma garantia para a categoria ter informações do processo de investigação. Apesar dos apelos, a emenda foi rejeitada.
— Se não há nada a esconder, não há razão para restrições — lamentou Castanho.
Atualização
A sugestão de atualização do CBA é do senador Vicentinho Alves (PR-TO), que é piloto comercial por formação. Engenheiros, juristas e especialistas do setor aéreo estão entre os 25 membros da comissão — criada em junho do ano passado. A relatoria ficou a cargo da professora Maria Helena Rolim, que é mestre em Direito e pesquisadora na área de estratégia espacial.

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Abin confirma ameaça do EI ao Brasil e amplia monitoramento de suspeitos

Diretor de Contraterrorismo da Agência Brasileira de Inteligência diz que tuíte publicado em novembro por membro do grupo extremista ameaçando Brasil é real; lobos solitários são principal ameaça

A Agência Brasileira de Inteligência (Abin) confirmou uma ameaça ao Brasil publicada em novembro em conta no Twitter vinculada a um membro do Estado Islâmico (EI) e intensificou o monitoramento de indivíduos que teriam jurado lealdade ao grupo extremista e poderiam agir dentro do País.
"Brasil, vocês são nosso próximo alvo", diz o tuíte enviado para o microblog dias depois dos ataques terroristas em Paris - nos quais 130 pessoas morreram e mais de 300 ficaram feridas - através da conta utilizada por Maxime Hauchard, um francês que foi para a Síria em 2013 e juntou-se às fileiras do EI. A conta de Maxime foi suspensa pelo Twitter.
"A probabilidade de o país ser alvo de ataques terroristas foi elevada nos últimos meses, devido aos recentes eventos terroristas ocorridos em outros países e ao aumento do número de adesões de nacionais brasileiros à ideologia do Estado Islâmico", disse a Abin em nota enviada ao Estado.
Na quarta-feira, o diretor de Contraterrorismo da Abin, Luiz Alberto Sallaberry, participou no Rio de Janeiro da Feira Internacional de Segurança Pública e Corporativa (LAAD Security). Em sua apresentação sobre ameaças terroristas aos Jogos Olímpicos Rio 2016 ele descreveu Hauchard como "espécie de garoto-propaganda do Estado Islâmico".
Sallaberry também listou ações executadas pela agência para evitar possíveis ataques no País, "como intercâmbio de informações com serviços estrangeiros, capacitação de profissionais de setores estratégicos e trabalhos com órgãos integrantes do Sistema Brasileiro de Inteligência".
Lobos solitários. O diretor da Abin também afirmou que tem aumentado no Brasil a quantidade de pessoas que juram lealdade ao EI e estariam prontas para agir em nome do islã. "Quando uma pessoa faz o juramento ao califado e se torna autoproclamada ela está disposta a cometer qualquer atentado violento em nome do grupo. A ordem não precisa ser presencial, pode ser via internet", disse Sallaberry, de acordo com reportagem publicada pelo jornal "O Dia".
Sallaberry apresentou exemplos de materiais usados pelos indivíduos que juraram lealdade ao EI no Brasil, como bandeiras com inscrições em árabe e adornadas com o símbolo do grupo terrorista. "Posso dizer que são de origem salafista sunita, comunidade que está ligada ao EI. Não estou dizendo que vai acontecer um atentado. Estou dizendo que é a primeira vez que a probabilidade aumentou sobremaneira no nosso país."
Em novembro, ele havia alertado que as autoridades brasileiras consideram os chamados lobos solitários - que agem inspirados ou sob direção de algum grupo radical, mas sem a necessidade de uma célula terrorista ou outra organização formal - "a principal ameaça aos Jogos Olímpicos" que serão realizados no Rio em agosto.

JORNAL O VALE (S.J. DOS  CAMPOS -SP)


Balões espiões estão em teste em São José


ImagemO balão desenvolvido por uma empresa de São José para reforçar a segurança nas Olimpíadas do Rio 2016 circulou pela cidade para testes. O equipamento consegue registrar imagens em uma distância de até 13 quilômetros de distância e chama a atenção da população desde a manhã de terça-feira.

PORTAL R7


Major-brigadeiro Luis Roberto Lourenço assume o Quarto Comando Aéreo Regional

O oficial-general substitui o major-brigadeiro Marcelo Kanitz Damasceno

Do R7

O major-brigadeiro do Ar Luis Roberto do Carmo Lourenço assumiu nesta quarta-feira (13) o IV Comar (Quarto Comando Aéreo Regional), localizado em São Paulo. O oficial-general substitui o major-brigadeiro do Ar Marcelo Kanitz Damasceno que assumiu a chefia do Gabaer (Gabinete do Comando da Aeronáutica) em Brasília (DF).
A cerimônia de passagem de comando, realizada no Pátio Cambuci, no IV COMAR, contou com a presença do comandante militar do Sudeste, general de exército Mauro César Lourena Cid; do chefe do Emaer (Estado-Maior da Aeronáutica), tenente-brigadeiro do Ar Raul Botelho; e dos ex-comandantes da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do Ar Walter Werner Braüer e tenente-brigadeiro do Ar Juniti Saito, dentre outras autoridades militares e civis.
O tenente-brigadeiro Machado, comandante-Geral de Operações Aéreas, falou sobre o Quarto Comando.
— Comandar o IV Comar exige uma grande interação com a sociedade civil e militar pela representatividade da Força Aérea nessa região, requer habilidade de ouvir e uma atenção especial pela concentração de grande parte da indústria aeronáutica em São Paulo.
Sobre os desafios e expectativas do novo cargo, o major-brigadeiro Lourenço destacou a o momento de transição e modernização da Força Aérea em São Paulo.
— A FAB vive um momento de reestruturação administrativa e operacional. Será um período de muito trabalho, intensa relação com a sociedade, com os militares da ativa e da reserva. A tônica do comando será de modernização e transformação.

OUTRAS MÍDIAS


CORREIO DE NOTÍCIAS (Canoas-RS)


Força Aérea pretende construir Usina de Energia limpa no município de Canoas

Canoas - O projeto ambicioso de construção de uma usina de energia limpa é de autoria do Comandante do Quinto Comando Aéreo Regional (V COMAR), situado no município de Canoas.

O V COMAR vislumbra a criação de um Parque de Energia Solar, ou seja, uma usina de energia limpa com capacidade para atender cerca de 9.000 residências, além das unidades militares sediadas no Quartel General do V COMAR e Base Aérea de Canoas. Para tal empreendimento, o V COMAR irá dispor de uma área, onde a empresa interessada em concorrer no processo licitatório, deverá, em contrapartida, construir a Usina que suprirá toda a energia elétrica do V COMAR e demais unidades. A previsão é instalar uma Usina de energia limpa em todas as Organizações Militares do âmbito da Aeronáutica nos próximos anos.

O Edital da Usina Fotovoltaica está previsto para ser publicado em meados de maio e, a empresa que ganhar a concorrência, iniciará os trabalhos na metade de julho. O V COMAR realizará uma coletiva de imprensa no mês de maio para mais informações.

As empresas interessadas, deverão contatar o Serviço Regional de Engenharia do V COMAR (SERENG-5) pelos telefones: (51) 3462-1220 / 1212 / 1224. Ou pelo e-mail: sereng5@comar5.aer.mil.br.

PORTAL PODER AÉREO


Embraer

Embraer entrega 21 jatos comerciais e 23 executivos no 1º trimestre de 2016

São José dos Campos – A Embraer entregou 21 jatos para o mercado de aviação comercial e 23 para o de aviação executiva ao longo do primeiro trimestre de 2016. O total de 44 aeronaves representa aumento de 37,5% em relação ao ano anterior, quando 32 aeronaves (sendo 20 aeronaves comerciais e 12 jatos executivos) foram entregues.
No segmento de aviação executiva foram entregues 12 jatos leves e 11 jatos grandes no 1T16, ante 10 jatos leves e dois jatos grandes nos primeiros três meses do ano passado.
Em 31 de março, a carteira de pedidos firmes a entregar totalizava US$ 21,9 bilhões. O principal destaque do trimestre foi a apresentação pública do E190-E2, primeiro modelo da segunda geração da família de E-Jets de jatos comerciais. Além disso, o trimestre teve o início das operações de E-Jets pela Austrian Airlines (a companhia aérea começou a incorporar 17 jatos usados do modelo E195 à frota).
O acordo assinado esta semana com a Horizon Air, subsidiária da Alaska Air, para 30 jatos E175 com opções de compra para outras 33 aeronaves do mesmo modelo, totalizando US$ 2,8 bilhões, com base em preços de lista, se todas as opções forem exercidas será incluído na carteira de pedidos da Embraer segundo trimestre de 2016.
Na Aviação Executiva, o destaque foi o anúncio da parceria com a Across para comercialização de jatos executivos no México. Pelo acordo, a provedora de serviço VIP para aviação executiva, localizada no aeroporto internacional de Toluca (AIT), nos arredores da Cidade do México, se tornou um representante da Embraer. Já o Phenom 300 conquistou pela terceira vez consecutiva a posição de jato executivo mais entregue do mundo. O relatório das entregas da indústria foi divulgado pela Associação dos Fabricantes de Aviação Geral (GAMA, na sigla em inglês).

JORNAL CRUZEIRO DO SUL


EDITORIAL - Voos de ultraleves

As quedas de dois ultraleves em menos de um mês, um em Salto de Pirapora e outro em Tatuí, cidades da Região Metropolitana de Sorocaba (RMS), com saldo total de três mortes e uma vítima com ferimentos graves, preocupam os praticantes dessa modalidade de voo e precisam de respostas esclarecedoras das causas dos acidentes.

No último sábado, o empresário José Pereira dos Santos Filho, de 44 anos, e o filho, o estudante universitário Ítalo Augusto Guerra Pereira, de 22 anos, que moravam em Sorocaba, morreram na queda de um ultraleve em Tatuí.

No dia 12 de março, outra tragédia com queda de ultraleve fez também duas vítimas da mesma família, pai e filha, numa fazenda de Salto de Pirapora. O pai morreu e a filha foi socorrida com ferimentos graves. Ambos eram da cidade de Cotia e faziam um sobrevoo na região de Sorocaba.

Os casos estão sendo investigados pela Polícia Civil dos dois municípios e são acompanhados pelo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa). No caso de Salto de Pirapora, a polícia instaurou inquérito para apurar as causas do acidente e as primeiras conclusões indicam que houve falta de habilidade do piloto.

Em Tatuí, instrutores de voo e especialistas em ultraleves locais acham que uma das hipóteses para o acidente ocorrido no município é a de que o piloto teria cometido falha operacional. Isso pode ter ocorrido, supõem, em função da especificidade do ultraleve, um modelo Trike, cujos comandos devem ser acionados do lado contrário em relação à direção de voo pretendida.

Embora especialistas reclamem das dificuldades com estatísticas de acidentes envolvendo ultraleves, uma pesquisa em fontes de informações do setor mostra que as tragédias com esse tipo de aeronave são motivo de grande preocupação.

Entre os acidentes com ultraleve que tiveram imensa repercussão está o ocorrido em 2001 com o cantor e compositor Herbert Vianna, líder da banda Paralamas do Sucesso. No acidente, em Angra dos Reis (RJ), a mulher do cantor na época, Lucy Needhan-Vianna, morreu, e ele sofreu sequelas que o levaram à cadeira de rodas.

O instrutor de voo Jeovan Pereira de Alencar, que possui uma escola de formação de pilotos comerciais em Tatuí e pilota há 34 anos, explica que, entre as pessoas que compram ultraleves, algumas não se dão conta da importância da formação de piloto com curso teórico, provas e aulas práticas, antes de conduzir a aeronave. Ele acredita que a falta de preparação correta e de conhecimentos específicos das pessoas que pilotam ultraleves é a principal causa de acidentes.

O site da Associação Brasileira de Ultraleves (Abul) contém artigos sobre segurança de voo que admitem as preocupações. Num dos textos, assinado por Djalma dos Santos, de São Luís (MA), perguntas são feitas como sinais de alerta: "O que estará ocorrendo? Considerando que a maioria destas aeronaves são vendidas em kits, que são montados pelo proprietário ou por algumas oficinas e mesmo empresas montadoras, estarão sendo obedecidas as especificações de materiais e processos de montagem previstos no projeto original? Existe problema com o projeto? Haverá frequentemente pilotagem fora do envelope de voo induzindo cargas incompatíveis com a resistência da aeronave, por indisciplina de voo?"

Perguntas dessa natureza precisam ser respondidas em relação ao acidentes de Salto de Pirapora e Tatuí e também a outros casos envolvendo quedas de ultraleves. Seja qual for o motivo desta opção de voo, seja por esporte, lazer ou trabalho, o fato é que as aeronaves transportam pessoas. E o que conta prioritariamente são as vidas que, em caso de acidentes, perdem-se e deixam famílias enlutadas.

Esclarecer as causas dos acidentes é condição urgente e necessária para evitar novas tragédias, e que os resultados tragam subsídios para o aprimoramento da segurança de voo.

AGÊNCIA CNJ


Conselho homenageia Força Aérea pelo apoio às audiências de custódia

ImagemO Conselho Nacional de Justiça (CNJ) prestou homenagem à Força Aérea Brasileira (FAB) pelo apoio à implementação das audiências de custódia em todo o país. Os militares contribuíram com suporte logístico e de transporte, sobretudo em locais de difícil acesso da região Norte. A cerimônia ocorreu na noite de terça-feira (13/4), após o encerramento da 229ª Sessão Ordinária.
A Audiência de Custódia consiste na garantia de apresentação de um preso em flagrante à autoridade judiciária em até 24 horas para que seja avaliada a legalidade da prisão e a necessidade de mantê-lo preso ou de adotar medidas alternativas.
"A Aeronáutica nos deu condições materiais para estarmos presentes, de forma efetiva, em todo o território brasileiro e tornar possíveis projetos que nos são muito caros. Assim podemos cumprir com mais eficiência as missões que nos foram outorgadas pela Constituição Federal. Agradeço a essa Força que carrega o Brasil em suas asas", discursou o presidente do CNJ e do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski, para quem as audiências de custódia são um “grande avanço civilizatório”.
Ele lembrou que em uma das viagens com suporte da FAB foi feito o treinamento de conciliadores na terra indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima, no ano passado.
O comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro do ar Nivaldo Luiz Rossato, foi um dos agraciados. “Uma das nossas missões subsidiárias é atender a todos os órgãos da administração, principalmente na parte do transporte aéreo”, afirmou Rossato. “Sabíamos que era uma causa nobre e nos sentimos recompensados”.
O major-brigadeiro do ar Rui Chagas Mesquita, futuro Comandante do Sexto Comando Aéreo Regional (VI COMAR), também foi agraciado com o voto de louvor, aprovado por unanimidade pelo plenário do CNJ por sua atuação à frente da Assessoria Parlamentar do Comandante da Aeronáutica (ASPAER).
De acordo com ele, a dificuldade material que as Forças Armadas sentem em chegar à fronteira é a mesma enfrentada pela Justiça. O comandante ainda relembrou uma conversa com o presidente Lewandowski sobre a situação carcerária brasileira e destacou que há mais de 200 mil presos no país que ainda não foram submetidos a magistrados. "Estou muito orgulhoso de ter participado dessa missão, pois pude acompanhar todo o esforço do Conselho em fazer com que a Justiça chegue a todos os brasileiros", disse.
A homenagem contou com a presença do ministro do Supremo Tribunal Militar (STM) tenente-brigadeiro do ar William de Oliveira Barros.

PORTAL SECRETARIA DE AVIAÇÃO CIVIL


Representantes do setor participam da Airport Infra Expo 2016

Abertura do seminário, em Brasília (DF), contou com a participação da Secretaria de Aviação da Presidência da República, Infraero, Abear e Decea
Representantes do setor aéreo participaram, nesta quinta-feira (14), da abertura do seminário Airport Infra Expo 2016, realizado pela Sator, em Brasília (DF), para falar do impacto do cenário econômico no setor e medidas para a superação dos desafios da atualidade. Estiveram presentes o secretário executivo da Secretaria de Aviação da Presidência da República, Guilherme Ramalho; o presidente Infraero, Gustavo do Vale; o diretor geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), tenente-brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino; e o consultor técnico da Associação Brasileiras das Empresas Aéreas (Abear), Victor Celestino.
Para o secretário Guilherme Ramalho, entre os desafios do governo para aperfeiçoar o setor estão os investimentos nos aeródromos regionais contemplados no Programa de Investimento em Logística (PIL). “Nós expandimos a capacidade instalada dos aeroportos, reduzimos os atrasos, melhoramos a pontualidade e os investimentos no setor cresceram. Isso mostra que estamos no caminho certo e passando por um ciclo de forte expansão da aviação civil. Estamos também em um ano de queda da demanda. Mas não tenho dúvida de que quando a economia der sinais de recuperação o setor vai responder”, pontou Ramalho.
O presidente da Infraero, Gustavo do Vale, falou dos projetos que devem reestruturar a empresa pública. Entre as iniciativas estão a criação da ASAS Soluções Aeroportuárias, uma subsidiária da Infraero, em parceria com a Fraport-AG (Frankfurt Airport Services Worldwide, operadora aeroportuária alemã). O objetivo é a prospecção de novas frentes de negócios, com foco na prestação de serviços aeroportuários em diversos nichos de mercado promissores, como, por exemplo, os aeroportos regionais. Está previsto, ainda, a criação de subsidiárias responsáveis pela oferta de serviços de navegação aérea e pela administração da participação da Infraero nos aeroportos já concedidos. “A Infraero era a empresa monopolista nos últimos 40 anos e chegou o momento do governo abrir mão dos seus principais aeroportos. Essa foi uma decisão importante e vitoriosa”, pontou Vale.
O consultor técnico da Diretoria de Relações Institucionais da Associação Brasileiras das Empresas Aéreas (Abear), Victor Celestino, defendeu a questão da liberdade tarifária e os investimentos na aviação regional, de fundamental importância para que a malha aérea não seja reduzida. Ele afirmou ainda que as propostas para entrada de empresas de baixo custo estão sendo importantes, mas “ainda são tímidas”.
De acordo com o diretor geral do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), o tenente-brigadeiro do Ar Carlos Vuyk de Aquino, "o desafio atual é que não podemos esperar pelo futuro. A sociedade exige resultado e precisamos estar prontos para isso, assim que a economia voltar a crescer". Para ele, "os serviços oferecidos no Brasil estão entre os melhores do mundo. Mas nós precisamos de recursos; hoje fazemos mágica com os recursos disponíveis", comentou.

GUIA DO ESTUDANTE


Carreira militar: os cursos superiores que preparam para a Aeronáutica

Lisandra Matias
Você já pensou em seguir carreira militar? E sabia que há cursos superiores específicos para você ingressar nessas corporações? Alguns deles, porém, costumam ser tão concorridos quanto as graduações em Medicina ou Engenharia nas grandes universidades brasileiras. Por outro lado, há atrativos importantes, como estabilidade, remuneração, benefícios (alimentação e moradia, por exemplo) e o fato de a ascensão aos postos superiores ocorrer de forma programada. Além disso, o militar continua recebendo o salário integral durante a reserva (aposentadoria).
Conheça aqui as opções para a Aeronáutica. E não deixe de ver também os posts sobre o Exército, a Marinha e a Polícia Militar.
São três opções de cursos oferecidos pela Academia da Força Aérea (AFA), localizada em Pirassununga, instituição de ensino superior da Força Aérea Brasileira (FAB):
Curso de Oficiais Aviadores
O curso inclui matérias como manobras e acrobacias, navegação visual, navegação por instrumentos, voo noturno, inglês e espanhol (estas duas são disciplinas comuns dos três cursos). Depois de formado, o cadete aviador torna-se aspirante a oficial aviador. Terminado o curso, opta-se por um dos tipos de aviação: caça, helicóptero (asas rotativas), transporte, patrulha e de reconhecimento. Depois de uma especialização de nove meses, está apto a pilotar a aeronave que escolheu.
Diploma recebido: bacharel em Ciências Aeronáuticas e habilitação em Aviação Militar (além de Administração).
Curso de Oficiais de Intendência
Os intendentes desempenham funções de gerência administrativa, financeira e logística das organizações militares da Força Aérea e também das operações da FAB, prestando apoio ao combate. Ao final do curso, os aspirantes realizam um estágio prático que contempla atividades relacionadas a saúde, finanças, controle interno e intendência operacional. Depois disso, o aspirante está pronto para desempenhar suas funções: prever, obter, estocar e distribuir materiais para a sustentação do pessoal e das unidades militares.
Diploma recebido: bacharel em Ciências Logísticas com habilitação em Intendência da Aeronáutica (além de Administração).
Curso de Oficiais de Infantaria
É o único curso da AFA restrito ao sexo masculino. Capacita os cadetes infantes para o desempenho de funções ligadas à segurança das unidades da Força Aérea em missões defensivas e ofensivas, com treinamento em regiões de terreno e clima adversos, como a Amazônia e áreas montanhosas. Também recebem instruções sobre armamento e tiro, táticas de combate terrestre, artilharia antiaérea, contraguerrilha, contraincêndio e defesa química, nuclear e biológica. Ao final do curso, o aspirante realiza estágios em todas as áreas de segurança da organização.
Diploma recebido: bacharel em Ciências Militares com habilitação em Infantaria Aeronáutica (além de Administração).
Para os três cursos:
Requisitos: A AFA aceita estudantes de ambos os sexos (exceto na Infantaria). É preciso ter entre 17 e 22 anos e ter concluído ou estar no último ano do ensino médio.
Parte das vagas para o primeiro ano do curso de formação de oficiais aviadores é destinada aos alunos egressos da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (Epcar), em Barbacena, Minas Gerais (www.barbacena.com.br/epcar). Esse número varia de acordo com a necessidade operacional da Força Aérea Brasileira, mas costuma atender todos os interessados.
– Duração dos cursos: quatro anos e funcionam em regime de internato.
– Remuneração: Os cadetes – alunos dos cursos de formação de oficiais – têm direito a um soldo (o salário do militar) de cerca de R$ 1 mil mensais.
– Benefícios: Fardamento, alojamento, alimentação, auxílio hospitalar e odontológico.
– Progressão na carreira: Depois da formatura, o cadete torna-se aspirante a oficial da Aeronáutica. Se optar por seguir a carreira, pode chegar a tenente-brigadeiro na área de aviação; a major-brigadeiro, na intendência; e a brigadeiro, na infantaria.

PORTAL BRASIL 2016


Maior evento-teste para os Jogos, Copa do Mundo de Tiro Esportivo começa nesta sexta

Competição em Deodoro reunirá cerca de 700 atletas no Centro Nacional de Tiro Esportivo. Última vaga da equipe olímpica brasileira está em jogo
O maior evento-teste para os Jogos Olímpicos Rio 2016 começa nesta sexta-feira (15.04). O Centro Nacional de Tiro Esportivo, no Parque Olímpico de Deodoro, recebe a Copa do Mundo de Tiro Esportivo, com cerca de 700 atletas de quase 90 países para a disputa das 15 provas nas três categorias da modalidade: carabina, pistola e tiro ao prato.
A competição integra o calendário da Federação Internacional de Tiro Esportivo e conta pontos para o ranking mundial. Por não ser aberto ao público, não haverá venda de ingressos. Neste primeiro dia, serão realizadas as preliminares da prova de fossa olímpica do tiro ao prato, no masculino quanto no feminino.
O Centro Nacional de Tiro Esportivo foi construído em 2007 para os Jogos Pan-Americanos do Rio de Janeiro. Com 50 mil metros quadrados e estandes para todas as provas dos programas olímpico e paralímpico, a instalação passou por reforma e ampliação para 2016, com investimento federal de R$ 38,3 milhões.
A equipe brasileira contará com 29 homens e 14 mulheres, com pelo menos um representante em cada uma das 15 provas olímpicas. Desse total, 33 atletas contam com apoio do Ministério do Esporte por meio da Bolsa Atleta.
A Copa do Mundo servirá para a definição da última das nove vagas do Brasil nos Jogos Olímpicos. Bruno Heck (carabina) e Julio Almeida (pistola) têm pontuações semelhantes no ranking da Confederação Brasileira de Tiro Esportivo (CBTE). Os pontos do torneio se somarão aos já conquistados por eles em campeonatos anteriores e decidirão quem volta ao estande em agosto para disputar os Jogos.
Os brasileiros já classificados para as Olimpíadas são Cassio Rippel (carabina deitado), Felipe Wu (pistola de ar); Daniela Carraro (tiro ao prato), Janice Teixeira (tiro ao prato), Renato Portella (tiro ao prato), Roberto Schmits (tiro ao prato), Emerson Duarte (pistola) e Rosane Budag (carabina).
A principal esperança de medalha verde-e-amarela é o paulista Felipe Wu. Medalhista de ouro nos Jogos Pan-Americanos de Toronto-2015, ele conquistou a última etapa da Copa do Mundo, em março de 2016, na Tailândia, e alcançou o topo do ranking mundial na pistola de ar 10m.
O tiro esportivo foi a modalidade que deu as primeiras medalhas olímpicas ao Brasil. Em 1920, na Antuérpia, Guilherme Paraense conquistou o ouro, Afrânio Costa obteve prata e a equipe ficou com um bronze. Leia mais sobre a medalha de Guilherme Paraense na série Brasil de Ouro.
Medalhistas olímpicos
Dos 700 participantes da Copa do Mundo de Tiro Esportivo, 50 atiradores já conquistaram medalhas olímpicas. Os destaques entre os atletas internacionais são o coreano Jin Jongoh, detentor de três ouros e duas pratas em Jogos Olímpicos, e os americanos Matthew Emmons (três medalhas olímpicas) e Vincent Hancock (atual bicampeão olímpico de skeet). Entre as mulheres, as americanas Kimberly Rhode e Corey Cogdell, a francesa Celine Goberville, a ucraniana Olena Kostevych e a italiana Jessica Rossi são as principais competidoras.



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented