|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 21/05/2018 / Qual deve ser a nova cara da Embraer após acordo com Boeing



Qual deve ser a nova cara da Embraer após acordo com Boeing ...  


Fabricante brasileira deve ficar exclusivamente com as áreas de defesa e aviação executiva e uma participação minoritária na joint venture que será criada no acordo com a Boeing ...  


Jéssica Sant Ana ...  


Depois de meses de negociação, a Embraer deu os primeiros indícios de qual será o modelo de negócio adotado na parceria com a Boeing. A companhia brasileira afirmou em comunicado ao mercado que a possibilidade em estudo é a criação de uma joint venture (terceira empresa) que ficaria responsável por toda a área de aviação comercial da Embraer. Essa joint venture, porém, teria o controle majoritário da Boeing, segundo especulações de mercado. Com isso, restariam à Embraer exclusivamente as áreas de defesa e aviação executiva, além de uma participação minoritária na nova empresa de aviação comercial.

A grande questão é saber como ficará a situação financeira da Embraer após o acordo. A área de aviação comercial, que passaria para o controle da Boeing, é responsável por mais da metade do faturamento da brasileira e responde por grande parte do lucro operacional. Nos últimos cincos anos (2013-2017), a aviação comercial respondeu por em torno de 85% do lucro operacional da Embraer e chegou a representar até 57,7% do faturamento da empresa no ano de 2017.

As áreas de defesa e aviação executiva, que devem ficar exclusivamente com a Embraer, viveram um período mais instável principalmente nos três anos últimos anos, quando representaram, juntas, menos de 45% do faturamento da Embraer. Em 2017, por exemplo, a área de defesa e segurança foi responsável por 16,3% da receita e a de aviação executiva, 25,6%. Além disso, a área de defesa chegou a operar no vermelho em 2015, enquanto a executiva responde apenas por uma parcela pequena no lucro operacional da companhia.

Embraer negocia sua sustentabilidade financeira
Para garantir a sustentabilidade financeira de Embraer após o acordo, os principais pontos em negociação são: qual será o prêmio que a fabricante brasileira vai receber pela criação da joint venture, já que vai disponibilizar toda a sua lucrativa área comercial no acordo; qual será o montante que a Boeing vai aportar no novo negócio; e qual será o percentual de participação da Embraer da joint venture.

Além dessas pautas, outras negociações que também vão afetar o futuro da nova Embraer são sobre como será feita a transferência de tecnologia entre as empresas e quantos e quais profissionais da Embraer vão trabalhar na joint venture.

Segundo apurou a reportagem do jornal Valor Econômico, a Boeing queria ter 90% da joint venture, mas o governo brasileiro (que tem uma ação especial, chamada golden share, que lhe dá direito a vetar a negociação) quer pelo menos 20% de participação mais assentos no conselho. Esse percentual defendido pelo governo, segundo o Valor, seria o necessário nos cálculos das autoridades para garantir dinheiro suficiente para sustentar a área de defesa da Embraer, quando necessário.

“O setor de defesa é quem desenvolve as novas tecnologias que depois são aplicadas na aviação comercial. Em todo o setor [de aviação] é assim: os setores aeroespacial e de defesa geram as novidades para toda a aviação. Por isso, o que não se pode faltar são recursos na área de defesa”, afirma o engenheiro aeronáutico e presidente da Vinci Aeronáutica, Shailon Ian. “Isso [os recursos para a defesa] vai depender muito também do governo brasileiro, do andamento das compras do KC-390 [o novo avião cargueiro da Embraer que chega ao mercado no 4.º trimestre] e das futuras licitações que a Embraer venha a ganhar em outros países”, completa o especialista.

A Embraer encerrou o ano de 2017 com uma carteira de pedidos a entregar na área de defesa e segurança de US$ 4,2 bilhões. Os principais aviões da empresa na área são o KC-390 e o A-29 Super Tucano. A expectativa é que a área responda por 15% da receita líquida da companhia em 2018. Já na área de aviação executiva, a Embraer tinha, no fim de 2017, US$ 777 milhões em pedidos. A companhia acredita que a área vai responder por 25% da receita em 2018.




Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Polícia prende chefe de milícia que atua na zona oeste do Rio de Janeiro

Hélio Albino Filho, o Lica, é apontado como um dos líderes da milícia na região

Lucas Vettorazzo Publicado Em 20/05 - 13h52

Agentes das polícias Federal e Civil prenderam na manhã deste domingo (20) um dos chefes do grupo miliciano que atua na favela do Bateau Mouche, em Jacarepaguá, zona oeste do Rio.
A prisão foi feita no âmbito de uma operação integrada das forças de segurança que está em andamento desde a noite de sexta e tem o apoio de homens das Forças Armadas.
Hélio Albino Filho, conhecido como Lica, é apontado como um dos líderes da milícia que se associou ao tráfico de drogas na região com o intuito de expandir territórios pela zona oeste.
Desde meados de 2017 diferentes grupos milicianos e quadrilhas de drogas disputam territórios em uma violenta disputa que tem causado tiroteios frequentes na região.
No sábado (19), a Polícia Militar matou em confronto o chefe do tráfico do morro da Barão, na zona oeste, também alvo da operação.
Conhecido como Da Rússia, o traficante Sérgio Luiz da Silva estava foragido há dois anos. Ele é acusado de ter participado de um estupro coletivo de uma menor de idade em 2015 na comunidade.
Na ocasião, imagens da jovem desacordada em meio a homens que comemoravam o crime circulou na internet.
Os homens afirmam no vídeo que mais de 30 pessoas participaram do estupro da menina, que hoje vive no sistema de proteção a testemunha.
Da Rússia teria conseguido deixar as favelas da zona oeste alvo da operação e fugir, por meio de uma área de mata, para comunidades no Lins de Vasconcelos, na zona norte.
Alertados sobre a fuga, policiais militares da UPP (Unidade de Polícia Pacificadora) do complexo do Lins e Camarista Méier, interceptaram os criminosos no meio do caminho. Teria sido na troca de tiros que Da Rússia foi morto.
Com a morte, Lica era cotado para assumir o comando da favela, numa parceria entre tráfico e milícia cada vez mais comum na zona oeste e pouco provável no passado, quando grupos paramilitares passaram a dominar territórios justamente para expulsar vendedores de drogas na região.
A polícia não divulgou a dinâmica da prisão de Lica. Informou apenas que ele foi autuado em flagrante pelo crime de uso de documento falso e porte de arma de uso restrito.
Foram apreendidas, na operação deste domingo, duas pistolas, uma das quais equipada com o chamado kit rajada, que permite dar tiros em sequência.
Também foram apreendidos R$ 23.900 em dinheiro, um carro roubado e munição em quantidade não divulgada. Não há relatos de mortos, feridos e demais presos.

JORNAL O ESTADO DE SÃO PAULO


Avião de DJ Alok perde controle na decolagem e sai da pista em Juiz de Fora


Redação Publicado Em 20/05- 20h53

Ninguém ficou ferido. Em suas redes sociais, o DJ, que viajava com equipe, declarou: "Estamos todos bem. Só consigo agradecer! Nascemos de novo! 20 de maio, meu segundo nascimento".
O avião em que viajava o DJ Alok e sua equipe perdeu o controle durante a decolagem e saiu da pista no Aeroporto de Juiz de Fora, na tarde deste domingo. Ninguém ficou ferido. 
A aeronave realizava os procedimentos para decolagem por volta das 16 horas quando acabou derrapando e indo parar no gramado que cerca a pista. De acordo com informações da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave, que pertence ao DJ, tem prefixo PR-AAA é do modelo 560XL fabricado pela Cessna em 2000. O jato bimotor pode transportar até nove passageiros e tinha situação de aeronavegabilidade normal, segundo a ANAC.
 Em suas redes sociais, Alok publicou um vídeo logo depois do aciente e declarou: "Estamos todos bem. Só consigo agradecer! Nascemos de novo! 20 de maio, meu segundo nascimento".
Em nota, a Prefeitura Municipal de Juiz de Fora, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo de Juiz de Fora (Sedettur), confirmou que não houve vítimas. “A Sedettur informa que imediatamente após a ocorrência, todos os procedimentos de segurança foram acionados pela empresa que opera o aeroporto, assim como os contatos com o Corpo de Bombeiros e os órgãos ligados à Aeronáutica. As causas do incidente serão agora investigadas pelo Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa).”



JORNAL O GLOBO


Prestes a decolar


Lauro Jardim Publicado Em 20/05

Na segunda-feira e na terça-feira passadas, um grupo de negociadores americanos da Boeing reuniu-se com a turma da Embraer em São Paulo. Avançou muito a transação. Pelo que está na mesa, a Embraer fica com 20% e a Boeing com 80% da empresa a ser criada.

A nova face do eleitor brasileiro

Envelhecimento chega às urnas e, em 2018, população com 60 anos ou mais supera os jovens de 16 a 24 anos

Daiane Costa E Igor Mello Publicado Em 20/05

Ainda que prevaleça a ideia de que o Brasil é um país de jovens, que são decisivos nos processos eleitorais, dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) compilados pelo demógrafo José Eustáquio Alves, da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE, mostram que a democracia brasileira tem uma face cada vez mais madura. Os idosos já representam 18,6% do eleitorado, ou 27,3 milhões de votos, enquanto que os jovens, de 16 a 24 anos, somam cinco milhões a menos: são 22,4 milhões ou 15,3% dos aptos a votar em outubro.
Essa diferença é capaz de definir uma eleição. A mudança demográfica do eleitorado vem sendo percebida desde 2014, quando os dois grupos praticamente ficaram empatados no peso que têm nas urnas. Naquele ano, jovens representaram 16%, enquanto eleitores com 60 anos ou mais somaram 17%.
Essas novas proporções caminham juntas com a aceleração do envelhecimento da população, que ficará ainda mais evidente a cada eleição. O professor estima que o Brasil se tornará oficialmente um país envelhecido em 2031, quando o número total de idosos vai superar o de crianças e adolescentes de zero a 14 anos. Um ano antes, o eleitorado com 60 anos ou mais já terá dobrado em relação ao grupo que tem entre 16 e 24 anos.

 — Em 2014, a vantagem dos idosos era muito pequena. Um empate técnico, estatisticamente. Essa é a primeira eleição com um aumento consistente de eleitores idosos, em que são maioria evidente. E, como vivemos cada vez mais, esse não é um eleitor que vai embora. Os candidatos terão de trabalhar questões próprias dos idosos e conhecer a realidade deles se quiserem conquistar e manter esse voto na eleição seguinte —observa o autor do estudo.
 Imagem
Imagem

CONSERVADORES, MAS DEMOCRÁTICOS
Na avaliação de cientistas políticos, ainda que idosos sejam mais conservadores em relação a valores e ao comportamento social, defendem o regime democrático e querem estabilidade econômica. Características que sugerem, nas urnas, a escolha de um candidato de centro por esse grupo. 
— Nossas pesquisas indicam que indivíduos a partir dos 55 anos são os mais contrários à legalização do aborto, ao casamento de pessoas do mesmo sexo e à adoção de criança por casal gay. Mas também são os que mais apoiam o regime democrático como forma de organizar o sistema político, devido à experiência que tiveram nos anos de ditadura— complementa Rachel Meneguello, pesquisadora do Centro de Estudos de Opinião Pública da Unicamp.
 O fato de as mulheres serem maioria no eleitorado idoso (55%) também reforça a tendência ao voto no centro, avalia David Verge Fleischer, professor da Universidade de Brasília (UnB).
— As mulheres tendem a ser mais ponderadas em seus votos do que os homens. Mas ainda não vejo um candidato (a presidente) com esse perfil. Do outro lado, as pesquisas de opinião têm mostrado que os jovens tendem a votar em um candidato como o (Jair) Bolsanaro, porque é um grupo que nunca ouviu falar em regime militar — observa o professor, em referência ao précandidato do PSL à Presidência da República, que por reiteradas vezes defendeu publicamente a ação dos militares naquele período. 
PENSAMENTO EQUIVOCADO SOBRE JOVENS 
A cientista política Helcimara de Souza Telles, coordenadora do grupo de pesquisa Opinião Pública, Marketing Político e Comportamento Eleitoral da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) reforça a observação de Fleischer. Ela diz que jovens podem ser mais conservadores do que seus pais:

 — É um equívoco pensar que só os jovens são progressistas. Nas eleições de 2010, uma de nossas pesquisas identificou que um número considerável desse grupo estava abdicando da participação na esfera pública para atuar em associações religiosas e cuidar da vida pessoal. Achavam política algo desinteressante e apoiavam a obrigatoriedade do ensino religioso nas escolas.
Para a especialista, esse desinteresse pela política pode ser maior entre os jovens das eleições deste ano, pois estão amadurecendo em um momento de profunda crise política institucional. Ela acredita que esse desencanto pode levar mais jovens de 16 a 17 anos, para os quais o voto é facultativo, a adiarem a ida às urnas. Até março, apenas 22% ou 1,5 milhão do total de adolescentes nessa faixa etária tinham título de eleitor. Já os eleitores idosos costumam comparecer em peso nas urnas. 
— Nossas pesquisas pós-eleitorais, em 2010 e 2014, mostraram que, em média, 70% das pessoas com 70 anos ou mais votaram nos dois turnos das eleições — diz Rachel, da Unicamp.
Para a pesquisadora, esse comportamento eleitoral ativo reflete o amadurecimento da consciência sobre o voto fazer a diferença para o país e para a vida cotidiana, apesar de obrigatório.

JORNAL CORREIO BRAZILIENSE


Candidatos militares miram postos altos na política nacional

Há mais membros das Forças Armadas disputando cargos de deputado federal, senador e governador do que na última eleição. Discurso é focado em segurança

Rodolfo Costa E Letícia Cotta Publicado Em 21/05/2018 - 06h00

Incentivados pela boa colocação nas pesquisas do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ), pré-candidato à Presidência da República, pelo menos 71 oficiais da reserva e da ativa querem postular um cargo eletivo nos 26 estados e no Distrito Federal neste ano. O número ainda é inferior às 127 candidaturas registradas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2014. A diferença está no grau de relevância dos cargos almejados.
Dos militares que concorreram há quatro anos, 26 tentaram uma vaga na Câmara dos Deputados, um tentou o Senado Federal, e um formou chapa como vice-governador, ou seja, 20% dos candidatos tentaram um cargo de alto escalão. Em 2018, das 71 pré-candidaturas, 42 pleiteiam um posto de mais prestígio nas esferas estadual, para governador (5), e federal, entre deputados (34) e senadores (3). Logo, 59% dos candidatos nestas eleições pretendem postular cargos eletivos mais ambiciosos. O percentual elevado de militares que almejam voos mais altos na política é um fenômeno inédito desde a redemocratização.
É comum profissionais ligados à área de segurança pública participarem das eleições, como policiais militares, civis e federais, delegados civis e federais, bombeiros e guardas municipais, mas não militares. A Câmara dos Deputados conta com 22 parlamentares com origem profissional em alguma dessas categorias. A quantidade de militares no Congresso, no entanto, é pequena. Apenas dois deputados têm origem na carreira militar: o próprio Bolsonaro e Tenente Lúcio (PR-MG), ambos da reserva do Exército. Ou seja, a depender do sucesso dos militares que disputarão o cargo de deputado federal, o quadro de ex-oficiais das Forças Armadas pode aumentar consideravelmente no Congresso Nacional.
A esperança dos oficiais de vencerem as eleições está ancorada na ideia de se posicionarem como candidatos que vão combater a violência e a corrupção. A percepção de insatisfação popular com os sucessivos escândalos na vida pública, além do aumento do conservadorismo e da presença dos militares na intervenção federal na segurança pública do Rio de Janeiro serviram como combustível para impulsionar o desejo dos membros das Forças Armadas de se aventurar na política.
O sucesso dos candidatos militares nas eleições não é uma situação improvável. Para o diretor do Instituto de Ciências Políticas da Universidade de Brasília (UnB), Paulo Calmon, eles têm possibilidades como quaisquer outros candidatos. “Há viabilidade, mas depende das circunstâncias, da personalidade, do carisma, da competência, da história de vida de cada um. Mas eu trataria a pré-candidatura de um militar de forma semelhante à de qualquer uma vinda do setor público ou federal de maneira geral”, pondera.
Entre os postulantes, a maioria não tem carreira ou experiência política. As poucas exceções, além de Bolsonaro e de Tenente Lúcio, são: o capitão Éverton Araújo, pré-candidato a deputado federal pelo PRP do Piauí, que já foi vereador do município de Simplício Mendes; o general de brigada Girão Monteiro, que visa à Câmara dos Deputados ou o governo do Rio Grande do Norte, e foi secretário de Segurança do estado em 2014; e o general Sérgio Roberto Peternelli, pré-candidato a deputado federal pelo PSL de São Paulo, que foi secretário-executivo do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, e indicado para presidir a Fundação Nacional do Índio (Funai).
A inexperiência na vida política, entretanto, não é avaliada por Calmon como um ponto negativo. Ele ressalta que todo político inicia o mandato em condições semelhantes. “Muitos começaram sem qualquer experiência. Militares, por seu próprio treinamento e função, possuem determinadas habilidades que podem, eventualmente, ser muito úteis em uma campanha política e no exercício do mandato”, avalia.
Motivação
O “efeito Bolsonaro” é notório no estímulo a candidatos originários do meio militar. A força eleitoral do presidenciável motiva direta ou indiretamente a maioria deles. Entre os pré-candidatos, pelo menos 26 são do PSL, partido do deputado federal. Outros ainda estudam embarcar na sigla. Mesmo militares filiados a outros partidos nutrem apreço e não descartam a possibilidade de estreitar alianças políticas com Bolsonaro. É o caso do general Paulo Chagas (PRP), pré-candidato ao governo do Distrito Federal (GDF).
A proximidade com Bolsonaro não poderia ser diferente, pondera Chagas. “No momento em que os militares se colocam à disposição para incursionar nessa área (política), é natural que se aproximem daquele que já está lá e tem a experiência, o conhecimento, para que mostre o norte”, avaliou.
O PRP está negociando apoio com o PSL no DF para garantir palanque a Bolsonaro e impulsionar a candidatura de Chagas. Para o pré-candidato distrital, ter o presidenciável no apoio seria algo positivo. “É muito importante, pois mostra que temos identidades de propósitos”, pondera. Para Chagas, além disso, a candidatura ao GDF pode ser reforçada pelos valores conservadores de que ambos compartilham.
Além de convicções ideológicas em comum, Bolsonaro lidera as intenções de votos na capital federal. “Ele é o candidato com as melhores perspectivas. A probabilidade de o eleitor que vota nele também votar em mim é grande. Acho excelente que ele me apoie”, diz Chagas.
Cláusula de barreira

O PSL tem muitas expectativas de sucesso com os militares candidatos. Afinal, o partido precisa obter 1,5% dos votos válidos em pelo menos nove estados para não sofrer as sanções previstas pela cláusula de barreira. Sem isso, não conseguirá acesso ao Fundo Partidário em 2019 e terá de lutar para sobreviver. Em um caso extremo, a falta de recursos poderia levar a legenda à extinção. Das 34 pré-candidaturas a deputado federal ligadas à sigla, 16 são de militares em 13 estados. Por isso, uma vitória dos oficiais será importante para as aspirações do partido e para a própria candidatura de Jair Bolsonaro.

PORTAL G-1


Soldados da Aeronáutica são mortos no bairro do Guamá

Valdomiro da Silva Barros e João Victor Lobato da Luz estavam bebendo em uma passagem quando por volta das 22h, dois homens em uma motocicleta chegaram e efetuaram vários disparos.

G1 Pa Publicado Em 20/05 - 12h05

ImagemDois soldados da aeronáutica foram mortos na noite deste sábado (19), no bairro do Guamá, em Belém. De acordo com a polícia, Valdomiro da Silva Barros e João Victor Lobato da Luz estavam bebendo em uma passagem quando por volta das 22h, dois homens em uma motocicleta chegaram e efetuaram vários disparos. Os soldados chegaram a ser encaminhados para o PSM do Guamá, mas não resistiram e morreram no local.
De acordo com a polícia momentos antes do crime uma das vítimas teria saído para comprar cigarro e percebeu a movimentação de dois elementos passando várias vezes pelo local do crime. Segunda a namorada de Valdomiro que estava no local, os dois homens estavam bem vestidos com camisa de mangas compridas. No momento do crime ela também foi baleada mas está fora de perigo.
Valdomiro da Silva Barros era filho e do policial militar da reserva Valdomiro de Oliveira Barros que foi assassinado no dia 27 de abril, dentro de uma conveniência onde trabalhava como segurança. A polícia investiga se os crimes tem alguma ligação. Os corpos dos soldados ainda estão no Instituto Médico Legal (IML) e o velório será na capela da Aeronáutica localizada na avenida Almirante Barroso.
Em nota a Força Aérea Brasileira confirmou que os dois militares eram soldados da guarnição de Aeronáutica de Belém e que estão colaborando com a autoridade policial que está conduzindo as investigações.

Transferência de museu de aviação para São José dos Campos é discutida

Tratativa é que acervo seja somado ao Museu Aeroespacial Brasileiro (MAB), ligado à Força Aérea. Prefeitura aprovou a proposta, mas não prevê investimento municipal na iniciativa. Museu funcionou até 2016 em São Carlos.

G1 Vale Do Paraíba E Região Publicado Em 20/05 - 08h23

São José dos Campos pode ser a nova sede do museu ‘Asas de um Sonho’, antigo Museu da companhia aérea TAM (atual Latam). O acervo está em São Carlos (SP) e deixou de ser exposto em 2016, quando parou de receber patrocínio. Na última semana, o diretor do museu, o prefeito de São José dos Campos, Felício Ramuth (PSDB) e o fundador da Embraer, Ozires Silva, estiveram em uma reunião para discutir o destino do museu. Uma das possibilidades é que ele seja somado ao Museu Aeroespacial Brasileiro (MAB), ligado à Força Aérea Brasileira.
O acervo conta com cerca de cem aeronaves que contam a trajetória da aviação nacional. O diretor, João Amaro, negociava a transferência do acervo para o Campo de Marte, na capital, mas essa hipótese foi descartada.
A transferência do acervo para São José é considerada estratégica. A pouco mais de 90 quilômetros da capital, a cidade tem forte vocação aeronáutica -onde estão a sede da Embraer, do Instituto de Tecnologia Aeronáutica (ITA) e o Centro de Tecnologia Aeronáutica (CTA).
No dia 12, prefeito de São José, o diretor do museu e autoridades ligadas à aeronáutica estiveram no MAB. A visita teria sido para conhecer as dependências e analisar a hipótese de anexar o acervo ao museu.
A carta de intenção foi assinada pelos presentes no encontro, mas segundo a Prefeitura de São José dos Campos, para ser uma realidade é preciso investimento – que a prefeitura não está disposta a bancar. Em nota, a gestão de Felício Ramuth (PSDB) disse que “é um empreendimento privado, com investimentos que deverão ser feitos“.
O DCTA confirmou por nota o plano de agregar as peças ao MAB, mas informou que não há garantias de que a parceria seja firmada. “As conversações a respeito dessa possível parceria estão em negociação e não há garantias de que as discussões resultarão em um acordo”.
O G1 procurou o responsável pelo museu, mas não obteve retorno até a publicação desta reportagem.

Após "não" de empresas, Telebras reduziu exigências para achar parceiro em satélite bilionário

Documentos obtidos pelo G1 mostram que exigência de garantias e divisão de receitas são diferentes em licitação e no contrato assinado; disputa judicial impede uso maior do satélite.

Helton Simões Gomes Publicado Em 21/05/2018 - 06h00

Após manter aberto um processo de chamamento público por oito meses e não achar interessados, a Telebras reduziu exigências para achar um parceiro que aceitasse operar o primeiro satélite integralmente controlado pelo Brasil. É o que mostram cópias de documentos obtidos pelo G1 e que estão anexados em um processo judicial que contesta a contratação da norte-americana Viasat para operar o satélite.
A Lei das Estatais permite que um contrato seja fechado sem licitação caso o processo "não possa ser repetido sem prejuízo a empresa pública" e "desde que mantidas as condições preestabelecidas”.
A mudança nos termos do contrato é motivo de uma briga na Justiça que impede o satélite de distribuir internet em lugares remotos no país. Há um ano no espaço, o equipamento custou R$ 2,78 bilhões, não conectou nem 0,1% dos locais planejados e rende um prejuízo diário de R$ 800 mil a seus donos - uma empresa de capital misto formada pela Telebras e pela americana Viasat.
O bloqueio do Satélite Geoestacionário de Defesa e Comunicações Estratégicas (SGDC) começou em março, quando a empresa amazonense Via Direta contextou na Justiça o contrato entre a Telebras e Viasat.
Licitação sem interessados
Após nenhuma empresa aceitar as cláusulas do edital aberto no ano passado, a Telebras começou a receber propostas privadas. A Via Direta reclamou de que foi preterida após ter iniciado uma negociação para distribuir parte da capacidade de banda larga do satélite. Sindicatos de empresas do setor também entraram na Justiça, como SindiTelebrasil (telecomunicações) e SindiSat (satélites). Contestaram que algumas exigências mudaram entre o processo público e as tratativas privadas.
Algumas condições foram de fato alteradas. É o que mostra uma comparação entre o edital público da Telebras e o contrato firmado com a Viasat. Os termos do contrato eram mantidos em sigilo pelas duas empresas, mas foram submetidos à Justiça no processo que corre em segredo.
Tanto o contrato quanto o comparativo foram enviados ao G1 por uma fonte que preferiu se manter anônima após a publicação da reportagem sobre as perdas do satélite, em 5 de maio.
A reportagem questionou o Sindisat sobre diferenças entre edital e contrato. O sindicato das empresas de satélite apontou seis diferenças, cinco das quais idênticas às encaminhadas ao G1 de forma reservada.
Entre as mudanças estão:
- Pagamento do valor total do contrato;
- Origem da receita com operação do satélite;
- Estabelecimento de garantias;
- Exigência de utilização de capacidade do satélite.
Telebrás: diferentes, mas comparáveis
A Telebras argumenta que os dois processos, o chamamento público e o contrato associativo, são "jurídica e economicamente distintos". Os únicos termos que poderiam ser comparados diretamente são fluxo de caixa gerado e valor atual líquido (VPL) gerados nas duas situações. Essas informações, no entanto, foram omitidas do documento do contrato enviado à Justiça.
A Telebras diz ainda que receberam cópias na íntegra o Tribunal de Contas da União (TCU), que acompanha as negociatas desde 2013, e o Ministério da Defesa, parceiro no SGDC.
“As condições do contrato associativo que se encontram encobertas são aquelas que devem ser preservadas por envolverem informações comerciais e estratégicas da Telebras, protegidas por sigilo legal”, diz a empresa.
A empresa assume que, ainda que sejam "modelos de parametrização distintas", os dois processos guardam aspectos que são comparáveis "em certa medida", como:
- a dinâmica de atuação das empresas;
- a lógica de compartilhamento;
- a forma de pagamento.
A Telebras admite também que o acertado com a Viasat foi diferente do que o estabelecido no chamamento público, mas acrescenta que todas as empresas com quem negociou após a fracassada licitação fizeram propostas diferentes da original. Entre as interessadas, afirma, estavam associadas do Sindisat.
O sindicato admite que houve negociação entre suas filiadas e a Telebras. As tratativas não deram resultado, diz, porque “pedidos de esclarecimentos e pedidos específicos de alteração das condições do edital e minuta de contrato” não foram atendidos. O Sindisat nega, no entanto, que foi feita alguma proposta.
O que mudou?
Pagamento
O edital de chamamento público, encerrado pela Telebras sem interessados em dezembro de 2017, previa que a empresa contratada deveria pagar 15% do valor estipulado. Já no contrato firmado com a Viasat, o estipulado foi que a Telebras é que deveria pagar à contratada. A quantia foi uma das partes que não consta no contrato entregue à Justiça.
A Telebras admite que o contrato com a Viasat prevê antecipação. Argumenta, porém, que isso “melhora o fluxo de caixa da parceria e maximiza os resultados”, o que só ocorre porque permitiria que a Viasat reduzisse o “valor da contrapartida relativa à manutenção dos pontos instalados para atendimento aos clientes da Telebras”.
"O contrato de parceria (...) rentabiliza de forma mais eficiente o SGDC, inclusive com expectativa de receitas superiores ao almejado no chamamento", rebate a Telebras.
Receita
Outra diferença é que o edital previa que a contratada deveria pagar o valor acertado quer tivesse clientes ou não. Já o contrato firmado com Viasat passou a prever um modelo de compartilhamento de receitas. Assim, o pagamento só seria feito caso a operação gerasse receita.
A Telebras assume que há, de fato, distinção nesse ponto, mas a diferença maior é na composição da receita entre um modelo e outro. O chamamento previa que a receita viria da venda da capacidade de banda do satélite para a contratada. No contrato, a Telebras é remunerada por ficar com uma parte do que a Viasat recebe de seus clientes -- a Viasat tem também de instalar a infraestrutura em solo necessária para receber o sinal do satélite.
Segundo a Telebras, se o modelo do chamamento fosse mantido, ela não seria beneficiada caso a contratada tirasse o máximo proveito do satélite.
Garantia
O edital do ano passado exigia ainda que a futura parceira oferecesse uma garantia que correspondesse a 20% do valor total do contrato. Já o contrato com a Viasat não prevê esse pagamento.
Exigir garantias foi uma forma, diz a Telebras, de “reduzir riscos na eventual participação de empresas sem condições de suportar financeiramente o contrato”. Para fechar contrato com a Viasat, as garantias foram retiradas por se tratar de “uma oportunidade de negócios única e específica, com empresa singular e uma das maiores do mundo”.
Utilização da capacidade
Outra exigência trazida pelo edital é que obrigava a empresa contratada a usar efetivamente, no mínimo, 25% da capacidade cedida de cada um dos feixes do satélite. E fixava prazo de três anos para isso. Caso não cumprisse, a empresa teria de devolver a capacidade recebida sem ter o valor pago pela utilização do satélite reduzido ou reembolsado.
Já no contrato com a Viasat, a Telebras estabeleceu que a norte-americana poderia devolver a capacidade não usada sem sofrer penalidade alguma. A Telebras argumenta que a dinâmica de utilização foi revisada com o intuito de ser melhorada.
Contrato
A Telebras informa que o contrato com a Viasat respeitou o disposto no artigo 28 da Lei das Estatais, que dispensa concorrência para compras públicas:
“nos casos em que a escolha do parceiro esteja associada a suas características particulares, vinculada a oportunidades de negócio definidas e específicas, justificada a inviabilidade de procedimento competitivo”.
A empresa só optou por essa saída após não encontrar interessados no chamamento público. A escolha da companhia norte-americana, justifica, foi feita para aproveitar “características únicas da Viasat, gerando ganhos de eficiência e sinergias com os objetivos da Telebras”.
O caso 
Ao entrar na Justiça, a Via Direta alegou que o negócio ainda coloca a soberania do Brasil em risco. Como é fruto de uma parceria entre Ministério da Defesa e Telebras, o SGDC é usado de forma compartilhada por militares e civis. Ao Exército cabem 30% da capacidade do equipamento, usadas para conectar suas instalações, como postos da fronteira. A empresa de capital misto fica com o restante, que é usado para fornecer a conexão contratada por diversos órgãos do governo federal.
O negócio foi modelado para que a Telebras contratasse uma empresa para instalar a infraestrutura de rede em todo o Brasil. Em contrapartida, ela poderia explorar a capacidade não utilizada para ofertar seus próprios serviços de banda larga.
O argumento da Via Direta de que ter uma empresa estrangeira envolvida com um satélite por onde passam comunicações militares fez a ação judicial ir para no Supremo Tribunal de Justiça (STF). Antes de chegar à mais alta corte brasileira, a disputa já havia resultado na suspensão do contrato entre Telebras e Viasat, determinada pela Justiça do Amazonas e mantida pelo Tribunal Regional da 1ª Região.

GAZETA DO POVO


Qual deve ser a nova cara da Embraer após acordo com Boeing

Fabricante brasileira deve ficar exclusivamente com as áreas de defesa e aviação executiva e uma participação minoritária na joint venture que será criada no acordo com a Boeing

Jéssica Sant Ana Publicado Em 20/05 - 19h00

Depois de meses de negociação, a Embraer deu os primeiros indícios de qual será o modelo de negócio adotado na parceria com a Boeing. A companhia brasileira afirmou em comunicado ao mercado que a possibilidade em estudo é a criação de uma joint venture (terceira empresa) que ficaria responsável por toda a área de aviação comercial da Embraer. Essa joint venture, porém, teria o controle majoritário da Boeing, segundo especulações de mercado. Com isso, restaria à Embraer exclusivamente as áreas de defesa e aviação executiva, além de uma participação minoritária na nova empresa de aviação comercial.
A grande questão é saber como ficará a situação financeira da Embraer após o acordo. A área de aviação comercial, que passaria para o controle da Boeing, é responsável por mais da metade do faturamento da brasileira e responde por grande parte do lucro operacional. Nos últimos cincos anos (2013-2017), a aviação comercial respondeu por em torno de 85% do lucro operacional da Embraer e chegou a representar até 57,7% do faturamento da empresa no ano de 2017.
As áreas de defesa e aviação executiva, que devem ficar exclusivamente com a Embraer, viveram um período mais instável principalmente nos três anos últimos anos, quando representaram, juntas, menos de 45% do faturamento da Embraer. Em 2017, por exemplo, a área de defesa e segurança foi responsável por 16,3% da receita e a de aviação executiva, 25,6%. Além disso, a área de defesa chegou a operar no vermelho em 2015, enquanto a executiva responde apenas por uma parcela pequena no lucro operacional da companhia.
Embraer negocia sua sustentabilidade financeira
Para garantir a sustentabilidade financeira de Embraer após o acordo, os principais pontos em negociação são: qual será o prêmio que a fabricante brasileira vai receber pela criação da joint venture, já que vai disponibilizar toda a sua lucrativa área comercial no acordo; qual será o montante que a Boeing vai aportar no novo negócio; e qual será o percentual de participação da Embraer da joint venture.
Além dessas pautas, outras negociações que também vão afetar o futuro da nova Embraer são sobre como será feita a transferência de tecnologia entre as empresas e quantos e quais profissionais da Embraer vão trabalhar na joint venture.
Segundo apurou a reportagem do jornal Valor Econômico, a Boeing queria ter 90% da joint venture, mas o governo brasileiro (que tem uma ação especial, chamada golden share, que lhe dá direito a vetar a negociação) quer pelo menos 20% de participação mais assentos no conselho. Esse percentual defendido pelo governo, segundo o Valor, seria o necessário nos cálculos das autoridades para garantir dinheiro suficiente para sustentar a área de defesa da Embraer, quando necessário.  
“O setor de defesa é quem desenvolve as novas tecnologias que depois são aplicadas na aviação comercial. Em todo o setor [de aviação] é assim: os setores aeroespacial e de defesa geram as novidades para toda a aviação. Por isso, o que não se pode faltar são recursos na área de defesa”, afirma o engenheiro aeronáutico e presidente da Vinci Aeronáutica, Shailon Ian. “Isso [os recursos para a defesa] vai depender muito também do governo brasileiro, do andamento das compras do caça KC-390 [o novo avião cargueiro da Embraer que chega ao mercado no 4.º trimestre] e das futuras licitações que a Embraer venha a ganhar outros países”, completa o especialista.
A Embraer encerrou o ano de 2017 com uma carteira de pedidos a entregar na área de defesa e segurança de US$ 4,2 bilhões. Os principais aviões da empresa na área são o KC-390 e o A-29 Super Tucano. A expectativa é que a área responda por 15% da receita líquida da companhia em 2018. Já na área de aviação executiva, a Embraer tinha, no fim de 2017, US$ 777 milhões em pedidos. A companhia acredita que a área vai responder por 25% da receita em 2018.

OUTRAS MÍDIAS


TV CIDADE VERDE (PI) - Pesquisador piauiense é destaque na robótica do ITA


Francisco Soares Publicado Em 20/05 - 11h06

O ensino de excelência no Brasil, especialmente na área de tecnologia, passa pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA) na cidade de São José dos Campos em São Paulo. Não é à toa que as principais escolas brasileiras que competem pelas colocações dos seus estudantes em universidades Brasil a fora abusam da publicidade quando algum dos seus alunos consegue a tão sonhada aprovação no ITA.
O ITA reúne as melhores cabeças nas diferentes áreas da Engenharia voltadas para a aeronáutica. São elas: Engenharia Aeronáutica, Engenharia Eletrônica, Engenharia Mecânica-Aeronáutica, Engenharia Civil-Aeronáutica, Engenharia de Computação e Engenharia Aeroespacial. O ITA foi fundado na década de 1940 com inspiração de Casimiro Montenegro Filho, piloto cearense que alcançou a patente de Marechal-do-Ar e abraçou o projeto de construção do Instituto, com base na estrutura do Massachusets Institute of Technology (MIT). O sonho de Casimiro tornou-se referência mundial no Ensino das Engenharias voltadas para Ciências Aeronáuticas.
A partir do ITA além da formação de muitos profissionais, tanto civis quanto militares, saíram ideias fabulosas como, no final da década de 1960, a fundação da EMBRAER, atualmente considerada a terceira maior empresa de desenvolvimento e fabricação de aeronaves do mundo.
Dentre seus muitos projetos, o ITA tem um grupo de pesquisadores que atua com Robótica, especialmente Humanoide. São estudantes e professores que desenvolvem projetos de pesquisa para construção e otimização de robôs que sejam capazes de realizar ações similares ao ser humano. Este grupo, chamado de ITAndroids participa de competições no Brasil e no exterior na área de Robótica. São competições que envolvem corridas, partidas de futebol e o desenvolvimento de habilidades realizadas por robôs. O desafio maior para os pesquisadores é o aperfeiçoamento de máquinas e o desenvolvimento de programas de computador que controlem estas máquinas dando-lhes a autonomia, com atitudes mais próximas da imitação ao ser humano. As competições envolvem equipes multidisciplinares, de diferentes áreas da Engenharia, integrando estudantes do Instituto e seus professores orientadores.
Dentre os robôs humanoides trabalhados pela equipe destacam-se o Baby e o Chape (este em homenagem ao time da Chapecoense) que podem ser vistos em ação no vídeo de qualificação das duas máquinas para uma competição de robôs chamada Robocup.
A equipe ITAndroids é liderada pelo piauiense, professor do ITA, Eng. Marcos Ricardo Omena de Albuquerque Máximo. Formado em Engenharia de Computação pelo ITA, Marquinhos como é mais conhecido pelos colegas, concluiu o curso tendo recebido a Honraria Summa Cum Laude, em 2012, distinguida apenas para os melhores alunos. Fez Mestrado e Doutorado em Engenharia Eletrônica e Computação também pelo ITA e trabalha com a pesquisa voltada para o desenvolvimento de habilidades de caminhada feitas por robôs humanoides. No vídeo a seguir Marcos Máximo fala sobre a participação da equipe ITAndroids na Robocup 2017.
A equipe do ITAndroids conta com cerca de 60 membros dos quais, além do Prof. Marcos Máximo, quatro estudantes piauienses: Dicksiano Carvalho Melo, Felipe Celso Reis Pinheiro, Felipe Vieira Coimbra e Luckeciano Carvalho Melo. A equipe atualmente está se preparando para participar do RoboCup 2018 que ocorrerá no Canadá e, atualmente, está em campanha para arrecadar fundos para custeio das hospedagens de toda a equipe que embarcará para Montreal noperíodo de 18 a 22 de julho deste ano. Se você tiver interesse em contribuir clique em https://www.vakinha.com.br/vaquinha/itandroids-na-robocup-montreal
Marcos Máximo é mais um piauiense contribuindo com a Ciência pelo mundo...



Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented