|

NOTIMP - Noticiário da Imprensa - 06/10/2016 / Embraer abre novo programa de demissão voluntária


Embraer abre novo programa de demissão voluntária ...

João José de Oliveira ...

A Embraer informou que vai abrir nesta quinta-feira as inscrições para um novo Programa de Demissões Voluntárias (PDV), com objetivo de atender à solicitação de alguns sindicatos, que informaram ainda haver empregados interessados em aderir ao plano.

Segundo a Embraer, o novo PDV vai também contribuir para a continuidade do ajuste necessário das operações da empresa em função da retração da demanda do mercado aeroespacial global.

A fabricante de aviões disse que esta nova etapa do plano está aberta apenas a alguns setores específicos da empresa, a fim de evitar o desequilíbrio nas operações.

Os sindicatos paulistas dos Engenheiros (Seesp), das Secretárias e Secretários (Sinsesp) e dos Técnicos de Nível Médio (Sintec) já aprovaram o novo PDV proposto pela Embraer. Os três sindicatos representam aproximadamente metade dos empregados da companhia.

O novo período de inscrições para o PDV termina em 11 de outubro. Os pedidos serão avaliados pela companhia nos dias 13 e 14. Os empregados que tiverem a adesão do PDV confirmada terão seu desligamento realizado a partir do próximo dia 17.

"O PDV é parte de uma série de medidas de redução de custos que vem sendo adotada pela empresa visando superar o cenário desafiador enfrentado hoje pela indústria aeroespacial e garantir a perenidade da empresa", diz a Embraer.

"Está claro que o primeiro PDV não teve o número de adesões desejado pela empresa, por isso o novo plano. Os trabalhadores precisam se mobilizar para barrar os ataques da Embraer", disse a diretora do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Marina de Arantes.



Acompanhe aqui o Noticiário relativo ao Comando da Aeronáutica veiculado nos principais órgãos de comunicação do Brasil. O NOTIMP apresenta matérias de interesse do Comando da Aeronáutica, extraídas diretamente dos principais jornais e revistas publicados no país.




PORTAL DEFENSA.COM (Espanha)


Brasil ofrecerá 24 Super Tucano a la Fuerza Aérea Argentina, que habría optado inicialmente por el T-6C


Por Javier Bonilla

La visita del presidente brasileño a Buenos Aires apareja entre su objetivos, según algunos medios locales, un claro intento de vender a Argentina 24 unidades del turbohélice brasileño Super Tucano,
frente a la opción inicial de Buenos Aires de hacerse con 24 T-6 Texan II, venta que recientemente fuera autorizada por el Congreso de EEUU y que sustituirían progresivamente a los EMB-312 Tucano, que requieren una importante modernización para mantenerse en servicio.
Podría tratarse, según esas versiones, de una iniciativa conjunta, compartida entre el ministerio de Defensa, la Fuerza Aérea y Embraer Defesa & Segurança para hacer frente a la negociación que recientemente diera comienzo en los Estados Unidos, máxime cuando vía FMS ya el Ejército Argentino se dotó de 2 aeronaves Caravan EX (con opción a una tercera) y esa Fuerza también se hizo recientemente de helicópteros AB-206 italianos y un Cessna Citation.
La transacción propuesta por el nuevo mandatario de Brasil, acompañado en la gira por su ministro de Defensa, Raúl Jungmann, involucraría 300 millones de dólares y contaría con financiamiento blando del estatal BNDES (Banco Nacional de Desarrollo). Argentina ya es usuaria del Tucano, modelo que, ante el ocaso del Pucará, últimamente se ha visto con alguna escuadrilla dedicada a funciones COIN, así como de un helicópteros Helibrás en la Gendarmería.
De acuerdo a rotativos locales, Brasil promete incorporar a Argentina al programa de fabricación de los cazas de origen sueco Gripen NG en Brasil, un acuerdo entre Estocolmo y Brasilia por US$ 5.400 millones firmado en el 2014. Esto podría plantear una cierta reactivación de la fábrica cordobesa FADEA, ya proveedora de Embraer Defesa & Segurança en el KC-390 y abrir la puerta al Gripen en un futuro cercano al mercado argentino.
Muy probablemente, ante la oferta de los turbohélices avanzados brasileños y estadounidenses, máxime cuando el gobierno argentino admite evaluar el reactor de combate KAI FA-50, es previsible también recibir ofrecimientos coreanos por el KT-1, con apoyo de Perú, cuya Fuerza aérea lo ensambla localmente y ya lo ofertó a Paraguay y, tentativamemte a Uruguay, cuya Cámara de Industria Aeronáutica se manifestó atenta a la posibilidad. La relación con las autoridades peruanas, también es para Argentina , Uruguay y Paraguay muy importante por el peso que esta nación ha adquirido en todo aquello que se relaciona con la cuenca del Pacífico. Asismismo, Seúl ha demostrado especial interés en estrechar lazos con los tres países sudamericanos en varias oportunidades.
Por otra parte, como ya lo adelantamos en julio pasado en defensa.com, el Comandante en Jefe de la Fuerza Aérea Uruguaya, Gral. del Aire Alberto Zanelli, ante el hecho de que la Fuerza Aérea Brasileña debe dejar el 50% de su flota en tierra debido a la actual contingencia económica, ha iniciado gestiones ante su par brasileño para adquirir un lote integrado por los primeros 6 o 7 Súper Tucano, lo cual debería exhibir algún resultado en las próximas semanas, aunque ciertas actitudes diplomáticas uruguayas poco amistosas frente al nuevo gobierno brasileño podría obstaculizar este proceso.
A mediados de los 80 Argentina intercambió con Brasil un lote de más de 20 Tucano por algunas decenas de monomotores Aero Boero para sus aeroclubes, debido a que Cessna y Piper habían dejado de fabricar momentáneamente determinados tipos de aeronaves. Actualmente, la licencia que posee este país para fabricar localmente el Piper Pawnee en versión biplaza, ante la enorme demanda de pilotos agrícolas existente en tierras brasileñas podría ser de interés para su vecino.

La industria de Defensa de Brasil amplía mercado gracias a la 4ª BID y el apoyo de Jungmann


La Asociación Brasileña de la Industria de Materiales de Defensa y Seguridad ha hecho balance de la 4º Muestra de la Base Industria de la Defensa de Brasil (BID) y, según su presidente y su vicepresidente, Federico Aguiar y Pierantoni Gamboa respectivamente, la feria se ha mostrado como una "gran oportunidad" para la industria local. El secto resaltó la importancia del apoyo gubernamental a evento y el impulso comprometido por el nuevo ministro de Defensa, Raúl Jungmann, para la industria del sector.
El almirante Gamboa destacó el éxito en la atracción de nuevos mercados. "Estamos muy contentos", afirmó, tras lo que reconoció que "el número de expositores, visitantes y delegaciones extranjeras superó ampliamente las expectativas existentes”. El almirante explicó que la muestra estuvo integrada por “armas letales y no letales, barcos, carros de combate, helicópteros y una gama de productos de integración”. Junto a esto, la muestra incorporó este año una serie de “nuevas empresas que se han unido a nosotros aquí”.
Entre esas compañías destacan las del Porto Digital de Recife, un centro de desarrollo de Software y Economía Creativa situado en la ciudad de Recife. Creado en julio de 2000, es uno de los pilares de la nueva economía del Estado de Pernambuco y reconocido por A.T. Kearney como el mayor parque tecnológico de Brasil en términos de ingresos y número de empresas. En 15 años, Porto Digital ha atraído a 250 empresas crearon 7.000 puestos de trabajo y ha logrado unas ventas anuales de 1.000 millones de reales brasileños.
También participó el Polo de Defensa de Santa María. Este año, el Arranjo Productivo Local (APL) del Polo participó con un stand colectivo junto a dos empresas de Santa María que forman parte del clúster: Defii Ateliê de Software y Redomus. El director ejecutivo del APL, Diogo de Gregori, dijo que la oportunidad para promover el potencial de Santa María, que ya es un referente en el sector de la Defensa. "La participación en estos eventos nos ha permitido fortalecer y consolidarnos como un polo de Defensa. De estas ferias y reuniones pueden surgir nuevos mercados y contactos que promuevan el crecimiento y el desarrollo, especialmente de las empresas miembros de clúster", reconoció De Gregori.
Otra de las compañías nuevas fue Cedar Têxtil presentó sus novedades en ropa de trabajo. Su principal aporte a la feria ha sido la ropa de camuflaje de alta resistencia, diseñada para cumplir con las disposiciones del Ejército de Brasil, que ofrece una mayor durabilidad de los colores aplicados y, por lo tanto, aumenta la vida al producto. Renata García, gerente comercial de Cedar, comentó al respecto del lanzamiento de esta nueva línea de tejidos que “vamos a comercializar partir del mes de septiembre los tejidos Cedro Rip Stop y Polycottoncedro Súper con el patrón de camuflaje de la Fuerza de la Tierra”. Según García, todos los interesados podrán acceder al producto “en los establecimientos acreditados por el Ejército de Brasil ",
El apoyo del Gobierno
La integración entre los ministerios, asociaciones industriales y el Ministerio de Defensa es algo esencial para la BID según el propio Frederico Aguiar, presidente de Abimde. "Creemos que hemos conseguido los objetivos propuestos para el 4º BID Brasil con méritos”, resumió Aguiar hablando en nombre de una industria que, según reconoció, “está al comienzo de un nuevo camino con la llegada de Raúl Jungmann al Ministerio de Defensa”. Aguiar aseguró que el nuevo ministro “está sensibilizado en trabajar a cuatro manos con la comunidad empresarial y el 4º BID Brasil es un ejemplo, un esfuerzo conjunto con el Ministerio de Defensa integrado con otros ministerios relacionados con el sector, como el Ministerio de Industria y Comercio, Ministerio de Ciencia y Tecnología, Ministerio de Asuntos Exteriores, etc". El presidente añadió que "la propia Agencia Brasileña de Promoción de Exportaciones e Inversiones (Apex-Brasil) es una prueba de lo que quiero decir, pues fue un socio clave para este evento".
Respecto al balance final en datos, Aguiar afirmó que "hemos tenido más de 5.000 visitantes, muchos de ellos procedentes de diferentes países. Además de los agregados militares y miembros del primer, segundo y tercer escalón de los ministerios antes mencionados, otros industriales vinieron aquí y conocieron las capacidades que pueden combinar con otras tecnologías. Las empresas extranjeras visitantes también pudieron ver la capacidad de Brasil en las más de 100 empresas que participaron aquí. Siempre hay mucho que hacer, no podemos constatar que una feria va a resolver nuestras vidas, pero no podemos evitar creer en ello".

REVISTA MILITAR DIÁLOGO (EUA)


Brigadeiro fala sobre as ações da FAB no Brasil e no exterior

O Tenente-Brigadeiro do Ar Alvani Adão da Silva representou o Brasil na Conferência Sul-Americana de Defesa 2016

ImagemA Força Aérea Brasileira (FAB) participa ativamente de missões de paz no exterior, faz um trabalho fundamental de auxílio a vítimas e ações de busca e socorro sempre que ocorre um desastre natural no Brasil e muitas vezes contribui em atividades afins de ajuda a países vizinhos.
O Tenente-Brigadeiro do Ar Alvani Adão da Silva, que assumiu a Chefia de Assuntos Estratégicos do Estado-Maior Conjunto das Forças Armadas do Brasil em 10 de março de 2015, e possui mais de 18 condecorações no Brasil e no exterior, foi o escolhido para representar o país na Conferência Sul-Americana de Defesa (SOUTHDEC) 2016.
Ele conversou com Diálogo sobre as atividades da FAB mencionadas acima e outras, logo após o encerramento do evento, que tratou dos novos papeis dos militares na América do Sul e que foi realizado em Montevidéu, Uruguai, de 16 a 19 de agosto.
Diálogo: A Força Aérea Brasileira participou ativamente da Missão de Estabilização das Nações Unidas para o Haiti (MINUSTAH) com um Batalhão de Infantaria. O senhor pode comentar sobre esta participação da FAB nesta e em outras missões de paz no exterior?
Tenente-Brigadeiro do Ar Alvani Adão da Silva: A Força Aérea Brasileira tem a presença constante de dois oficiais superiores no Estado-Maior da MINUSTAH. Em 2010, cinco dias após o terremoto, um Hospital de Campanha da FAB foi montado em Porto Príncipe. Após quatro meses, o hospital atendeu 24.184 pacientes; realizou 36.028 procedimentos médicos (atendimentos odontológicos, retirada de pontos, curativos etc.); fez 200 partos e 1.145 cirurgias. Cerca de 460 mil medicamentos foram entregues aos pacientes. Um total de 114 militares atuou na missão. No ano seguinte, a Força Aérea Brasileira iniciou o envio de pelotões para compor as forças de segurança. Até 2015, um total de 250 militares, de oito pelotões, se revezou nas atividades desenvolvidas nas ruas da capital, Porto Príncipe. A FAB também apoia a MINUSTAH com suas aeronaves. Somente em 2014, um total de 189 toneladas de carga e 1.058 passageiros foram transportados entre o Brasil e o Haiti em nossos aviões. Na época do terremoto, além de militares, material de apoio e a estrutura do Hospital de Campanha, foram transportados: comida, remédios e água. Além do Haiti, a FAB tem um assento no Estado-Maior da Missão de Paz na Costa do Marfim e outro na Missão de Paz no Sudão do Sul. Também há dois observadores no Saara Ocidental, um no Sudão e outro no Sudão do Sul. Entre 1960 e 1964, a FAB participou da Força de Emergência das Nações Unidas no Congo, com aviões e helicópteros, além de um contingente de 179 militares.
Diálogo: Outro papel não tradicional das Forças Armadas brasileiras e que está se tornando mais constante recentemente é o do auxílio à Polícia Federal e outras forças no combate ao narcotráfico. Como a FAB participa de operações deste tipo?
Ten Brig Alvani: Um destaque é a Operação Ágata, realizada desde 2011 com o objetivo de coibir crimes em regiões de fronteira por meio da presença maciça das Forças Armadas e de outros órgãos do Estado Brasileiro, não apenas a Polícia Federal. É uma operação interagências focada em coibir atividades ilegais como tráfico de armas, munições, explosivos, crimes ambientais etc. A cooperação da Força Aérea Brasileira com órgãos de segurança pública também ocorre em inúmeras outras ações, como as missões de Garantia da Lei e da Ordem, situações de busca e salvamento, missões de socorro e também na coordenação de inteligência.
Diálogo: Além do controle do espaço aéreo, o senhor poderia dar outros exemplos da participação da FAB durante as Olimpíadas Rio 2016?
Ten Brig Alvani: A FAB teve uma ampla participação nos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016. Foram mais de 11 mil militares responsáveis pelo gerenciamento do tráfego aéreo. O número inclui aqueles que atuaram na cidade do Rio de Janeiro e os que gerenciaram os voos vindos de outras partes do país ou do exterior. No Centro de Gerenciamento da Navegação Aérea, localizado no Rio de Janeiro, a Sala Master de Comando e Controle reuniu representantes de diversos órgãos governamentais, tais como a Secretaria de Aviação Civil, a Agência Nacional de Aviação Civil, a Polícia Federal, a Anvisa [Agência Nacional de Vigilância Sanitária] e concessionárias de aeroportos, dentre outros. Foram 24 horas por dia compartilhando informações sobre a chegada, os deslocamentos e a partida de autoridades, delegações e do público espectador. Durante os Jogos Olímpicos, o fluxo de tráfego aéreo aconteceu sem problemas, apesar dos números significativos. O dia seguinte à festa de encerramento foi o de maior movimento aéreo. O Aeroporto Internacional do Rio teve 524 pousos e decolagens, sendo 367 voos domésticos e 157 internacionais. O pico de tráfego aéreo foi entre 8 e 9 horas da manhã e 9 e 10 da noite, com 33 movimentos aéreos por hora. Esse aumento foi decorrente do regresso de chefes de Estado, delegações de atletas, famílias olímpicas e turistas aos seus países de origem. O aeroporto teve, também, um recorde histórico de movimento, com 85 mil passageiros, mais que o dobro de um dia normal. Nos 17 dias de Olimpíada, os aeroportos de cidades que sediaram jogos registraram pontualidade nos voos, em torno de 95%. Para executar tais ações, a Força Aérea Brasileira contou com aviões de caça, helicópteros e aviões-radar em voo ou prontos para decolar. Este conceito e estrutura militar para gerenciar o fluxo de tráfego aéreo já foi adotado em grandes eventos sediados pelo Brasil. Por fim, a FAB teve 39 esportistas convocados para representar o Brasil nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Quatro ganharam medalhas: Sargento Thiago Braz (ouro no salto com vara), Sargento Arthur Zanetti (prata na ginástica artística), Sargento Arthur Nory (bronze na ginástica artística) e Sargento Maicon Siqueira (bronze no taekwondo).
Diálogo: Internamente, a FAB também tem uma longa tradição de participação em atividades de ajuda a desastres/ajuda humanitária. O senhor poderia dar alguns exemplos recentes destas atividades? Que tipo de engajamento a FAB realiza com países da região e com os Estados Unidos em termos de troca de informações, exercícios combinados etc.
Ten Brig Alvani: A Força Aérea Brasileira realiza inúmeras missões de ajuda humanitária. As mais recorrentes são as Ações Cívico-Sociais, quando militares prestam serviços à população. Somente em 2015, profissionais de saúde da FAB realizaram cerca de 15 mil atendimentos em diversas regiões do país. Médicos e dentistas proporcionaram consultas nas áreas de clínica médica, dermatologia, ginecologia, otorrinolaringologia, ortopedia e pediatria, além de atendimentos odontológicos. As Ações Cívico-Sociais beneficiaram moradores de diversas localidades. Somente em Lagoa Santa, Minas Gerais, o Hospital de Campanha da FAB, montado em parceria com a prefeitura da cidade, em abril deste ano, realizou 6.739 atendimentos à população local. Também foram distribuídos quase 24 mil medicamentos. Participaram da ação 74 profissionais de saúde da FAB, sendo 43 médicos, 23 dentistas e oito farmacêuticos. Outro destaque é o transporte de órgãos e tecidos. As missões de transporte de órgãos acontecem há anos. Somente entre 2013 e 2015, foram 68 órgãos transportados pela FAB. Em 2016, o número já chega a 46. Ainda é importante destacar missões como transporte de vacinas, combate a incêndios, transporte de enfermos e busca e salvamento após inúmeras ocorrências. A FAB também está presente em momentos de grandes tragédias, como enchentes, terremotos e secas, tanto no Brasil quanto no exterior. A FAB organiza, desde 2002, o exercício CRUZEX, que em suas sete edições já contou com a participação da Argentina, Canadá, Chile, Colômbia, Equador, Estados Unidos, França, Uruguai e Venezuela. Além disso, já ocorrem exercícios de defesa aérea para coerção de ilícitos transfronteiriços com a Argentina, a Bolívia, a Colômbia, o Paraguai, o Uruguai e a Venezuela. Com os Estados Unidos, duas operações de destaque ocorreram em 2015. Um médico oficial da FAB embarcou em Norfolk no navio-hospital USNS Comfort para ajudar na missão de ajuda humanitária na América Central. Em novembro, o exercício UNITAS contou com exercícios da FAB contra a ala aérea embarcada no USS George Washington, além da frota composta por embarcações dos Estados Unidos, Reino Unido, México, Peru e Chile. Além disso, destacam-se as missões de ajuda humanitária em outros países e exercícios combinados como PANAMAX, SALITRE e FELINO.


PORTAL SPUTNIK BRASIL


Movimentos Sociais querem ajuda das Forças Armadas para reprimir conflitos agrários


Movimentos Sociais e governo federal discutem nesta quarta-feira (5), na sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), em Brasília, as políticas para a agricultura familiar e reforma agrária. Entre as reivindicações dos ruralistas pedem a intervenção das Forças Armadas para reprimir os conflitos agrários.
No encontro, que vai até quinta-feira (6), está confirmada a presença de representantes da Confederação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar no Brasil (Contraf), o MST – Movimento dos Trabalhadores sem Terra, além de cerca de 40 outras lideranças. Representando o governo, estarão presentes na reunião o secretário especial de Agricultura Familiar e Desenvolvimento, José Roseno, e do presidente do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), Leonardo Góes.
De acordo com o coordenador-geral da Contraf Brasil, Marcos Rochinski a grande preocupação dos trabalhadores rurais é quanto o corte de programas federais ligados à questão agrária, diante da previsão de déficit do governo de R$ 139 bilhões para 2017.
Os trabalhadores do setor agrário ainda reivindicam a continuidade do Programa Nacional de Crédito Fundiário, além de assistência técnica e extensão rural.
De acordo com o MST, entre os programas já prejudicados com cortes de investimentos do Governo federal está o PAA – Programa de Aquisição de Alimentos, medida que compra alimentos de agricultores familiares para distribuição a pessoas de baixa renda, que sofreu redução de verbas, passando R$ 478 milhões para R$ 294 milhões, o que reduz de 91,7 mil para 41,3 mil o número de famílias atendidas.
Ainda segundo o Movimento Sem Terra, no caso do Incra houve redução 48% nos recursos do programa de reconhecimento de áreas quilombolas, 52% dos recursos do programa de obtenção de terra para a reforma agrária, reduzindo a meta de 174 mil hectares para 27 mil hectares.
Na Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), o MST critica, que o programa Agropecuária Sustentável sofreu corte de 33%. Já a ampliação e melhoria da capacidade de armazenamento de alimentos da companhia, uma das prioridades do órgão no Plano Plurianual 2016-2019, o MST diz que praticamente desapareceu.
A expectativa dos trabalhadores é a de que o resultado dos dois dias de debate entre os Movimentos Sociais e governo federal seja apresentado na quinta-feira (6) na Casa Civil, para o ministro Eliseu Padilha.

PORTAL G-1


Coluni e EpcAr se destacam entre as melhores médias do Enem

Colégio de Viçosa ficou no 33º geral, com escolas públicas e privadas. EpcAr, de Barbacena, aparece entre as dez melhores escolas públicas.

Do G1 Zona Da Mata

O Colégio de Aplicação (Coluni), da Universidade Federal de Viçosa (UFV), obteve a maior média do Enem entre as escolas públicas do Brasil, de acordo com a média de pontos da prova objetiva no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2015, divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EpcAr), de Barbacena, também aparece entre as dez melhores escolas públicas do país.
Conforme os dados do Inep, o Coluni teve a 33ª maior média do país entre escolas públicas e privadas, com uma média de 690,52. O trabalho da escola é realizado de maneira integral. Os alunos permanecem no Coluni pela manhã, com seis horas de aula. No contraturno, os professores ficam à disposição com atendimentos e laboratórios.
Há ainda atividades extracurriculares com projetos de ensino, pesquisa e extensão, que envolvem as áreas do conhecimento. "Nós somos professores da UFV com dedicação exclusiva, além do nosso grupo técnico, de técnico-administrativos, também com dedicação total. Os nossos alunos que passam por um processo seletivo têm dedicação total ao colégio”, disse a diretora da instituição, Renata Pires.
Mesmo alcançando o primeiro lugar entre as escolas públicas, o colégio, que todo ano recebe em média 150 novos estudantes, caiu no ranking geral das escolas, o que é motivo de preocupação para a diretora. "É um bom resultado, mas se a gente analisar, de 2006 até 2013, nós estávamos entre os dez primeiros no geral. Agora, o primeiro lugar de uma escola pública está em 33º lugar geral. Então acho que tem algum problema com a educação pública no país", comentou.
A diretora também se mostrou preocupada com os resultados futuros da instituição. "Nos preocupa muito o estado precário que estamos trabalhando, além da quebra de recursos que estamos tendo. Estamos precisando de professor substituto e não temos. Porque os nossos professores saem para treinamento para doutorado. Segundo a lei, temos direito a professores substitutos, mas não estamos recebendo. Estamos trabalhando precariamente com monitor e eu não sei realmente se vamos conseguir continuar mantendo esse resultado", avaliou.
Repasses
O G1 entrou em contato com a UFV para saber sobre os repasses financeiros. Por meio de nota, a instituição informou que parte dos recursos recebidos do MEC são distribuídos a todos os departamentos e unidades da Universidade, dentre eles o Coluni. Disse, ainda, que os recursos são usados para aquisição de equipamentos, além de utilização para diárias e passagens aéreas para participação em eventos e capacitação. Por fim, ressaltou que devido aos cortes orçamentários dos últimos anos, os valores repassados têm sido menores, principalmente o referente a investimento (aquisição de equipamentos) em que a redução do repasse para as Universidades foi da ordem de 50%. Apesar disso, a administração da UFV tem buscado, na medida do possível, investir no Colégio de Aplicação, prova disso foi a sua obra de ampliação em 2015.
Já o Ministério da Educação (MEC) informou os repasses são feitos diretamente às reitorias das universidades federais, responsáveis pela aplicação e pela gestão dos recursos.
EpcAr fica entre as dez
Já a Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EpcAr), de Barbacena, também aparece entre as dez melhores médias entre as escolas públicas, em quatro lugar, com uma média de 659,14 e em 106º lugar geral. A instituição subiu duas posições no ranking.
Em 2014, a EpcAr estava em 6º lugar, entre as dez melhores instituições públicas, o que deixa o coronel aviador José Agnaldo de Moura satisfeito com o resultado da escola.
"Foi com bastante satisfação que recebemos o resultado do Enem. É um resultado expressivo, que mostra a tradição da nossa escola em oferecer um ensino de altíssima qualidade para os nossos alunos. Principalmente preocupados com o ingresso deles, na sequência, na Academia da Força Aérea”, comentou.
O coronel avaliou ainda a posição da escola quanto ao ensino e preparação dos alunos para ingresso na Academia da Força Aérea. “Nossa preocupação efetivamente é dar um ensino de qualidade para que ele possa seguir para a academia e realizar o curso de piloto militar. Ainda assim os alunos têm um desempenho no Enem, que é uma mostra específica, diferente do modelo que a gente adota aqui, que mostra que os nossos alunos estão muito bem preparados", finalizou.

Escola com maior média do Enem no PA tem mensalidade de R$ 1 mil

Alunos tem aulas de arte e festivais de cinema em colégio particular. Escolas públicas tem médias mais baixas, aponta Inep.

Do G1 Pa

O colégio Equipe teve a média mais alta do Enem 2015 em todo o estado do Pará. A informação é do Insituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), que divulgou os dados do exame nesta terça-feira (4). Os alunos do colégio tiveram pontuação média de 636,58 na prova objetiva, e 817 na redação.
Segundo o Ministério da Educação, o arquivo que reúne a pontuação de 1.212.908 estudantes em 14.998 escolas do país não é um ranking. Os dados são divulgados anulamente pelo Governo Federal para fomentar o debate sobre a qualidade da educação e, mais uma vez, atestaram que estudantes de colégios de particulares, com turmas pequenas e ampla variedade de recursos didáticos disponíveis conseguem notas melhores no exame que os alunos de escolas públicas localizadas em áreas empobrecidas. Veja aqui a lista das escolas com as suas médias.
Cinema e robótica
No colégio Equipe são 3.400 alunos divididos em unidades situadas em Belém, Ananindeua e Canaã dos Carajás, onde funciona em parceria com a mieradora Vale. Dependendo da localização da unidade, a mensalidade pode chegar a R$ 1 mil para os alunos regulares e R$ 2,8 mil para a educação integral - valor bem acima da renda per capita do paraense que, segundo o IBGE, era de R$ 672 em 2015.
De acordo com a diretora Karla Cancela, o diferencial do colégio está na relação com os alunos. "O nosso diferencial é o tratamento individualizado ao aluno, com orientação pedagógica. Aqui conhecemos a família e temos material didático próprio", explica a educadora, descrevendo um cenário que deveria ser comum em todas as escolas do estado - mas acaba se tornando uma exceção que evidencia ainda mais as desigualdades sociais do Pará.
Além das aulas regulares de matemática, português e ciências a escola estimula outras aptidões dos alunos. "Temos um núcleo de arte desde a educação infantil, fazemos festivais de cinema e dialogamos com os alunos nas redes sociais, onde eles estão mais presentes. Para 2017 vamos ter aulas de robótica e criação de aplicativos. O ensino mudou, o aluno não pode ser só um "assistidor de aula". Temos que nos preparar", explica a diretora.
ImagemRealidades distintas
Entre as escolas públicas, o colégio paraense com a maior média do estado no Enem foi o Tenente Rego Barros, com média 607,78 nas provas objetivas e 772,55 na redação. A instituição, no entanto, está longe da realidade da maioria das escolas públicas: subordinado ao comando da aeronáutica, a escola é mantida com recursos federais e, segundo o Inep, o nível socioeconômico dos alunos é "Muito alto".
Das escolas estaduais, a que teve o melhor desempenho foi o colégio Erotildes Aguiar. Localizado em Ananindeua, na Região Metropolitana de Belém, a instituição teve média 508,44 na prova objetiva, e 566,90 na redação.
No outro extremo da tabela está a escola estadual Julião Bertoldo de Castro, que fica no município de Bagre, cidade de 29 mil habitantes localizada na ilha do Marajó - uma região que concentra os piores índices de desenvolvimento humano do estado. Neste colégio, cujos alunos tem nível socioeconômico baixo de acordo com o Inep, a média nas provas objetivas foi de 434,15 - 442,60 na redação.
Ações do governo
Procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) informou que no momento analisa os dados, uma vez que, conforme ressalta o Inep, a participação no exame é de caráter voluntário e, por esta razão a representatividade dos resultados varia de acordo com o percentual de participação de estudantes em cada escola.
Ainda segundo a Seduc, o governo desenvolve uma série de ações para que os alunos de colégios estaduais tenham êxito no Enem e consigam acesso ao ensino superior. Segundo o governo, em 2015 foram realizados "aulões" na capital e no interior para 12 mil alunos, além da transmissão de um programa semanal através da emissora de TV pública do estado para 115 municípios.
Por fim, a secretaria ressalta que quando foram divulgados os resultados dos vestibulares das universidades estadual e federal, mais de 60% dos alunos aprovados eram oriundos das escolas estaduais.

PORTAL BRASIL


Programa de Alto Rendimento é assegurado pelos Ministérios do Esporte e da Defesa

Delegação brasileira contou com 145 atletas das Forças Armadas na olímpiada. Militares subiram 13 vezes ao pódio e conquistaram cinco ouros, três pratas e quatro bronzes

A participação dos atletas militares no time Brasil, durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, possibilitou a conquista de 13 do total de 19 medalhas brasileiras. Diante do resultado acima das metas anteriormente traçadas, representantes dos ministérios do Esporte e da Defesa asseguraram nesta terça-feira (4) a continuidade do Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR).
“Temos como objetivo manter todos os programas de sucesso e aperfeiçoá-los”, afirmou o secretário de Alto Rendimento do Ministério do Esporte, Luiz Lima, destacando a necessidade de que esporte seja mais difundido pelas regiões do Brasil.
Dos 465 atletas que representaram o Brasil no Rio, 294 eram da região Sudeste, 73 da Sul, 51 da Nordeste, 21 da Centro-Oeste e apenas sete da Norte (os demais eram estrangeiros). “As Forças Armadas têm papel fundamental para a gente ter a chance de equilibrar esse número. Quando eu vejo três mil atletas na região Norte no programa Forças no Esporte, isso me enche de orgulho”, acrescentou Lima.
Para o Tenente Brigadeiro Ricardo Machado Vieira, secretário de Pessoal, Ensino, Saúde e Desporto do Ministério da Defesa, o encontro possibilita ressaltar os resultados alcançados por meio dos programas. “A audiência é uma oportunidade excelente não só para trazermos os atletas, mas também de nós virmos aqui falar dos nossos programas de alto rendimento e o Forças no Esporte, em que atendemos 21 mil crianças em todo o Brasil e que pretendemos ampliar a partir do ano que vem”, ressaltou.
O PAAR contempla hoje 27 modalidades olímpicas, mas, para Tóquio 2020, deverá passar por ajustes, já que cinco novos esportes foram incorporados ao programa dos Jogos: surfe, skate, beisebol, escalada e caratê.
“Já estamos refinando o planejamento para alcançar o próximo ciclo, com vistas aos Jogos Olímpicos de Tóquio e passando anteriormente pelos Jogos Mundiais Militares da China, em 2019. A gente pretende ampliar as metas”, adiantou o vice-Almirante Paulo Martino Zuccaro, presidente do Conselho Desportivo Militar do Brasil (CDMB) e diretor do Departamento de Desporto Militar do Ministério da Defesa.
Meta superada
Para o Rio de Janeiro, a expectativa girava em torno da participação de 100 atletas militares e da conquista de 10 medalhas. Os dois números foram superados com a classificação de 145 atletas das Forças Armadas, que subiram 13 vezes ao pódio (cinco ouros, três pratas e quatro bronzes). No judô, por exemplo, os 14 representantes brasileiros são militares, sendo as mulheres da Marinha e os homens, do Exército.
Diferencial
Prata no vôlei de praia no Rio de Janeiro, ao lado da parceira Ágatha, Bárbara Seixas também destacou o incentivo recebido das Forças Armadas para a conquista do pódio olímpico. “Eu utilizei as instalações militares na Urca e posso dizer que isso foi um diferencial no nosso desempenho nos Jogos, pela excelente infraestrutura em todos os aspectos. Todas as nossas necessidades foram atendidas”, contou.
As Forças Armadas têm ainda outros três centros no Rio de Janeiro: o Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes (Cefan), a Universidade da Força Aérea (Unifa) e o reestruturado Complexo Esportivo de Deodoro, palco de disputas olímpicas. “As pessoas sempre colocaram para cima de mim a ideia de que não tem como ser atleta profissional no Brasil. Ao longo dos anos vi que é possível sim”, enfatizou Bernardo.
O programa
Criado em 2008 pelo Ministério da Defesa em parceria com o Ministério do Esporte, o PAAR tem o objetivo de fortalecer a equipe militar brasileira em competições esportivas de alto rendimento. O alistamento é voluntário e os atletas selecionados são beneficiados com soldo, 13º salário, plano de saúde, férias, assistência médica e uso das instalações esportivas militares.
O programa conta hoje com 627 atletas de alto rendimento, a maioria composta por temporários, que permanecem nas Forças Armadas por oito anos. Segundo o vice-Almirante Paulo Martino Zuccaro, o Ministério da Defesa investe cerca de R$ 15 milhões por ano com o salário dos atletas militares e, aproximadamente, R$ 3 milhões anuais em competições e treinamentos.
Já o investimento do Ministério do Esporte, nos últimos cinco anos, foi de R$ 120 milhões em melhorias dos centros esportivos e de R$ 25 milhões no custeio e na participação dos atletas em competições.

AGÊNCIA ESTADO


Xodó após bronze olímpico, Nory vê assédio crescer e busca patrocínio


O sorriso espontâneo e constante fez de Arthur Nory Mariano um dos xodós dos brasileiros nos Jogos Olímpicos do Rio. A torcida por ele, que já movimentava as redes sociais, explodiu com a conquista da medalha de bronze no solo, mesma prova em que Diego Hypolito ganhou a prata. Agora, o ginasta de 23 anos colhe os frutos desse novo momento. Não só tirando selfies com os fãs por onde passa, mas também buscando por algo que ele nunca teve: um patrocinador pessoal.
Nesta entrevista ao Estadão.com, Nory conta que agora tem a carreira gerida por um empresário – o promoter Bruno Chateaubriand -, ao mesmo tempo que não sabe o que será da seleção brasileira daqui para frente.
O que mudou na sua vida desde a medalha?
Nory – O assédio aumentou. Fui bem visto, todo mundo viu a ginástica. A galera fica comentando: ‘Olha, é o menino da Olimpíada’, ‘Esse que é o menino da Olimpíada?’ Vamos tirar foto? Vamos. Todo mundo quer tirar foto, e eu nunca digo ‘não’.
Mas essa fama já se reverteu em algo para o seu bolso?
A gente tem o Bolsa Pódio e eu entrei para as Forças Armadas, que também é um meio de incentivo para o esporte. São os dois canais, fora a seleção, que tem parceria com a Caixa. Pessoal, pessoal eu não tenho ainda. Fica a dica, aí. (risos)
Mas já está tendo procura?
Uma coisa que mudou é que agora eu tenho empresário, o Bruno Chateaubriand. Ele já era do Diego (Hypolito), da Dani. Queria ter alguém para cuidar e aí ele propôs isso. Ele está trabalhando, está correndo atrás de patrocínio, algo que eu nunca tive. Eu fiquei bem visto, então chega muita coisa e ele que resolve todos os pepinos. Eu penso só em treinar, fazer ginástica.
A cena de você comemorando a medalha chorando copiosamente foi impactante. O que passou pela sua cabeça?
Esse reconhecimento, de tudo que eu treinei, de tudo que eu passei para chegar. Ter conquistado essa medalha é uma satisfação pessoal. É algo que eu sempre sonhei. Depois dela, eu amadureci bastante. Estou mais maduro, mais experiente, mais vivido. Cheguei no auge do atleta, ser medalhista. A cabeça já está diferente. A visão da arbitragem, das pessoas, também estão diferentes.
Quando você revê sua prova, você vê os erros que te impediram de ganhar uma prata ou um ouro, ou os acertos que te deram o bronze.
Eu só vi no sábado passado, não tinha visto ainda. Fiquei nervoso assistindo. Acho que dá mais nervoso assistir do que estar lá. Aconteceu o que tinha que acontecer. Era o momento.
O Renato Araújo, treinador-chefe da seleção, deixou a equipe e vai para o Canadá morar com a namorada. Como fica a seleção sem ele?
O Renato junto com os técnicos fazia o planejamento dos treinos, mas eu sempre treinava com o Cristiano Albino (técnico pessoal). Até o momento está todo mundo nos clubes. A gente não sabe como vai ser daqui pra frente. Não tem nenhum plano ainda para a seleção, para o grupo da seleção. Tenho que esperar até ano que vem.
E quais os seus planos pessoais para o ano que vem?
Eu quero individual geral no Mundial, vou disputar essa vaga. Então esse é meu foco. Quero muito ser medalhista no Mundial. Eu faço o individual geral, então tem aparelho, mas vai que belisca alguma coisa. Também tenho a Universíade como foco.
Você ainda está estudando?
Sim, faço educação física na UNIP. Formo no final do ano que vem, mas está difícil de passar. Como eu voltei muito depois, não vi nenhuma aula de segunda-feira, por exemplo. Estudei tudo online.

JORNAL DO BRASIL


Confira dicas para a prova do ITA, um dos vestibulares mais concorridos do País

Concurso que acontece entre os dias 13 e 16 de dezembro oferecerá 110 vagas

Entre os dias 13 e 16 de dezembro ocorre a prova do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Com apenas 110 vagas, é conhecido por ser um dos mais difíceis e concorridos vestibulares de Engenharia do País.
Segundo Thiago Costa, coordenador pedagógico da Turma ITA do Curso Poliedro, o vestibular é bastante peculiar. “Não há modelo similar a essa seleção de candidatos no Brasil. Trata-se de um concurso com altíssimo grau de exigência, realizado em fase única e duração de quatro dias, com provas das disciplinas Matemática, Física, Química, Língua Portuguesa e Língua Inglesa”, explica.
Para auxiliar os candidatos a se prepararem para a prova e alcançarem a tão sonhada vaga, Costa elaborou uma seleção de dicas. Confira:
1 – Praticar e exercitar
De acordo com Thiago Costa, o vestibular do ITA é famoso pela dificuldade de suas questões, algumas inclusive cobrando conteúdos que vão além do que é ensinado normalmente no Ensino Médio. Por isso, é necessário estudar especificamente para prestar ITA. “Pode-se dizer que um bom aluno que completou o Ensino Médio, sem uma preparação específica, teria condições de fazer 50 a 60% da prova”, aponta.
Neste contexto, o treino e a prática, sem dúvida, aumentam significativamente as chances dos candidatos conseguirem a vaga. ‘’Fazer muitos exercícios e buscar simulados de alto nível, que realmente exijam tanto quanto a seleção do ITA, são ações que precisam fazer parte do planejamento do candidato”, diz Costa.
2 - Aprender com as provas de outros anos
Resolver, no mínimo, as questões e exercícios das provas dos últimos cinco anos do vestibular do ITA pode ser uma ação eficaz para conhecer o modelo da prova e treinar o tempo em que conseguirá realizá-la, segundo o coordenador do Poliedro.
3 – Saber organizar os estudos e matérias
Muitos candidatos focam os estudos nas matérias que têm maior facilidade, deixando de lado outras disciplinas tão importantes quanto essas para o resultado da prova. Normalmente os alunos que prestam ITA deixam um pouco de lado a preparação de matérias como Português e Redação, por exemplo, o que pode comprometer a aprovação. Neste sentido, o segredo é ‘’saber equilibrar bem os estudos para apresentar um bom desempenho em todas as disciplinas’’.
Sobre o ITA
Localizado em São José dos Campos (SP), o ITA é considerado uma das mais renomadas universidades do país, sendo referência nas seis especialidades que disponibilizam vagas – eletrônica, civil-aeronáutica, computação, aeronáutica, mecânica-aeronaútica e aeroespacial.
Para ingressar no Instituto, é necessário que o candidato tenha concluído o Ensino Médio ou esteja no último ano do colegial e tenha, no máximo, 23 anos de idade no ano do vestibular.
Para não ser desclassificado no vestibular, a nota mínima é de 40 pontos por matéria e 50 pontos de média geral, em uma escala de 0 a 100. Além disso, o candidato não pode zerar a redação e precisa acertar, no mínimo, 8 questões em 20 possíveis na prova de Inglês.
O vestibular é extenso e exige foco dos candidatos. As provas acontecerão nos dias 13, 14, 15 e 16 de dezembro deste ano. A cada dia ocorre uma prova específica das matérias Física, Português/Inglês, Matemática e Química.

JORNAL A CRÍTICA (AM)


CEL Itinerante oferece serviços e orientações de saúde gratuitos na Base Aérea

A instituição vai oferecer gratuitamente orientações sobre cuidados com a saúde, além de serviços de aferição de Pressão Arterial e cálculo de Índice de Massa Corporal

O Centro Literatus (CEL) promove, neste domingo (09), das 8h às 17h, mais uma edição do CEL Itinerante na Base Aérea de Manaus (BAMN), localizada na Avenida Rodrigo Otávio, 770 – Crespo. A instituição vai oferecer gratuitamente orientações sobre cuidados com a saúde, além de serviços de aferição de Pressão Arterial e cálculo de Índice de Massa Corporal (IMC).
“Além de levar à população serviços e orientações de saúde, o CEL Itinerante ainda permite que o estudante possa compartilhar o conhecimento técnico adquirido durante as aulas”, destacou a diretora de educação profissional, Amanda Estald. Participam da ação estudantes dos cursos de Enfermagem e de Nutrição.
O CEL Itinerante acontece durante a programação do projeto ‘Portões Abertos’, que é um dia dedicado para os que querem conhecer de perto o trabalho da Força Aérea Brasileira (FAB). A iniciativa da FAB integra as comemorações do Dia do Aviador e ao Dia da FAB, ambos celebrados no dia 23 deste mês.

AGÊNCIA BRASIL


Malotes com provas do Enem começam a ser distribuídos para o interior do país


Marli Moreira – Repórter Da Agência Brasil

Os primeiros comboios que vão transportar as 18 milhões de provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) deixaram, no final da manhã de hoje (5), do 4º Batalhão de Infantaria Leve do Exército Brasileiro, em Osasco, na Grande São Paulo. O Enem será aplicado em todo país daqui a um mês, nos próximos dias 5 e 6 de novembro.
Sob forte esquema de segurança para garantir a lisura e o sigilo dos exames, os malotes vão permanecer guardados em 60 unidades das Forças Armadas, até seguirem para os locais de provas.
Para essa distribuição, foi assinado um convênio entre os vários órgãos envolvidos com a logística e a segurança do Enem, incluindo os ministérios da Defesa e da Educação; o Instituto de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos.
“Os procedimentos para a interiorização das provas é cercado de grande cuidado por todos os entes federativos que nos acompanham nessa missão. Eles guardam essa joia preciosa que é a prova do Enem e hoje nós demos autorização para ela ser interiorizada por meio dos Correios e Telégrafos”, explicou a presidente do Inep, Maria Inês Fini.
Segundo ela, a logística para aplicação do Enem 2016 vai mobilizar mais de meio milhão de pessoas. Questionada sobre eventuais mudanças nas próximas edições do sistema de avaliação de desempenho escolar, Maria Inês afirmou que não iria comentar o assunto, até para não provocar ansiedade nos alunos que vão fazer as provas no mês que vem.
Do total de 9,3 milhões de inscritos no Enem, 8,6 milhões confirmaram a presença. Nos dias de provas, os portões dos locais indicados aos alunos vão se abrir às 12h e fechar às 13h e, meia depois, às 13h30, terá início o exame com duração de 4h30, no dia 5 e de 5h30, no dia 6. Por estado, a maioria vai se submeter aos testes em São Paulo (1.404.362), seguido de Minas Gerais (948.545), Bahia (664.698) , Rio de Janeiro (550.179) e Pernambuco (447.315).

AGÊNCIA CÂMARA


CCJ amplia beneficiários da pensão especial para vítimas do césio-137

Projeto aprovado ainda precisa ser votado pelo Plenário

Por Marcello Larcher

A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania da Câmara dos Deputados aprovou, nesta quarta-feira (5), projeto que determina a concessão de pensão especial a todos os servidores e empregados públicos, civis ou militares, que foram expostos à radiação do césio-137, ocorrida em setembro de 1987 em Goiânia (GO). Pela proposta, a condição de vítima do acidente será comprovada por meio de laudo médico.
O texto aprovado é o substitutivo do Senado ao Projeto de Lei 816/03, do deputado Sandes Júnior (PP-GO). O projeto original, aprovado pela Câmara em dezembro de 2003, incluía entre os beneficiários da pensão especial os integrantes das Forças Armadas, da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros de Goiás.
Atualmente, de acordo com a Lei 9.425/96, que determina pensão às vítimas do acidente radioativo, os únicos servidores públicos contemplados são os funcionários da Vigilância Sanitária, pois o prédio do órgão chegou a abrigar o césio-137 e foi lá que o físico Walter Mendes Ferreira, com o auxílio de um dosímetro, comprovou a contaminação radioativa.
O parecer do relator, deputado Rubens Otoni (PT-GO), foi favorável ao substitutivo do Senado. "O texto do Senado Federal aperfeiçoa a proposta aprovada na Câmara dos Deputados, ampliando seu escopo e desburocratizando o acesso a seus benefícios", afirmou.
O texto aprovado pelos senadores também atualiza a pensão para R$ 750 e determina que todas as vítimas recebam esse mesmo valor. O valor será reajustado anualmente, conforme os índices concedidos aos benefícios de valor superior ao piso do Regime Geral da Previdência Social.
Pela lei atual, a pensão especial hoje varia entre 150 e 300 Ufirs, dependendo da gravidade da contaminação. Porém, segundo informações do Ministério da Fazenda, em função de ação civil pública, o pagamento da indenização é feito com base no salário mínimo.
Impacto orçamentário
Otoni, que também foi o relator da proposta na Comissão de Finanças e Tributação, ressaltou que não é possível determinar de antemão o número de laudos positivos que serão elaborados pelas juntas médicas. “Resulta tecnicamente inviável a exata estimativa do gasto adicional a ser incorrido pelo Tesouro Nacional, em função dos novos beneficiários”, disse.
Porém, a comissão seguiu sua recomendação, e definiu que essa impossibilidade técnica não pode resultar na rejeição do projeto.
Acidente
O acidente radioativo ocorrido em Goiânia, em 13 de setembro de 1987, foi provocado por uma peça de 120 quilos abandonada, que continha cerca de 19 gramas de cloreto de césio-137. Dois catadores de papel e de sucata – Roberto da Silva e Wagner Motta – conseguiram desmontar uma parte de um aparelho de radioterapia, espalhando pequenas quantidades da substância entre amigos, vizinhos e clientes. Devair Alves Ferreira comprou dos dois o núcleo do aparelho, de onde saía uma luz intensa e azul (o césio), que passou a atrair diversas pessoas ao ferro-velho.
O número oficial de mortos devido à contaminação, segundo a Secretaria de Saúde do Estado de Goiás, foi de quatro pessoas, entre elas Devair, sua mulher, Maria Gabriela, e a filha do casal, Leide das Neves Ferreira, de seis anos. No entanto, a Associação de Vítimas do Césio-137 estima que o acidente tenha causado 81 mortes, e contaminado ou irradiado outras 1.500 pessoas.
Tramitação
A proposta segue agora para análise do Plenário.

JORNAL FOLHA DE SÃO PAULO


Conselho de Segurança indica ex-premiê português para chefiar ONU


O Conselho de Segurança da ONU concordou de forma unânime que o ex-premiê português António Guterres, 67, deve ser o próximo secretário-geral das Nações Unidas.
Depois que nenhum dos membros do Conselho de Segurança da entidade com poder de veto votou contra ele em uma sexta votação secreta nesta quarta-feira (5), ele está no caminho de se tornar o próximo chefe da ONU.
O embaixador russo nas Nações Unidas, Vitaly Churkin, fez o anúncio nesta quarta-feira (5), depois que os países do Conselho se reuniram para avaliar os dez candidatos à vaga.
Os 15 membros do Conselho de Segurança depositaram seus votos para cada um dos 10 candidatos entre as opções a favor, contra ou sem opinião. Guterres recebeu 13 votos favoráveis e dois sem opinião.
"Hoje após nossa sexta votação nós temos um favorito claro e seu nome é António Guterres", disse o embaixador russo junto à ONU, Vitaly Churkin, a repórteres, ao lado de seus 14 colegas do Conselho de Segurança.
"Decidimos prosseguir para uma votação formal amanhã de manhã às 10h, e esperamos que possa ser feita por aclamação", acrescentou Churkin, que ocupa a presidência do organismo até outubro.
Guterres serviu como chefe do Acnur (Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados) entre junho de 2005 e dezembro de 2015. Ele liderava a preferência nas pesquisas sobre o próximo secretário-geral.
Para que Guterres seja formalmente recomendado à Assembleia-Geral de 193 membros, o Conselho de Segurança ainda precisa adotar uma resolução em reunião a portas fechadas. A resolução precisa de ao menos nove votos a favor e nenhum veto para ser aprovada.
Churkin disse que o Conselho de Segurança deve se reunir na manhã desta quinta-feira (6) para aprovar o nome de Guterres e recomendar sua candidatura aos 193 membros da Assembleia Geral, que deve dar a aprovação final.
Além de Guterres, eram candidatos Susana Malcorra (chanceler argentina), Vesna Pusic (ex-chanceler da Croácia), a búlgara Irina Bokova (chefe da Unesco), Helen Clark (ex-premiê da Nova Zelândia), Natalia Gherman (ex-chanceler de Moldova), Danilo Türk (ex-presidente esloveno), Vuk Jeremic (ex-chanceler sérvio) e Igor Luksic (chanceler de Montenegro).
O atual secretário-geral, o sul-coreano Ban Ki-moon, deixa o cargo em 31 de dezembro.

JORNAL VALOR ECONÔMICO


Embraer abre novo programa de demissão voluntária


Por João José De Oliveira

A Embraer informou que vai abrir nesta quinta-feira as inscrições para um novo Programa de Demissões Voluntárias (PDV), com objetivo de atender à solicitação de alguns sindicatos, que informaram ainda haver empregados interessados em aderir ao plano.
Segundo a Embraer, o novo PDV vai também contribuir para a continuidade do ajuste necessário das operações da empresa em função da retração da demanda do mercado aeroespacial global.
A fabricante de aviões disse que esta nova etapa do plano está aberta apenas a alguns setores específicos da empresa, a fim de evitar o desequilíbrio nas operações.
Os sindicatos paulistas dos Engenheiros (Seesp), das Secretárias e Secretários (Sinsesp) e dos Técnicos de Nível Médio (Sintec) já aprovaram o novo PDV proposto pela Embraer. Os três sindicatos representam aproximadamente metade dos empregados da companhia.
O novo período de inscrições para o PDV termina em 11 de outubro. Os pedidos serão avaliados pela companhia nos dias 13 e 14. Os empregados que tiverem a adesão do PDV confirmada terão seu desligamento realizado a partir do próximo dia 17.
"O PDV é parte de uma série de medidas de redução de custos que vem sendo adotada pela empresa visando superar o cenário desafiador enfrentado hoje pela indústria aeroespacial e garantir a perenidade da empresa", diz a Embraer.
"Está claro que o primeiro PDV não teve o número de adesões desejado pela empresa, por isso o novo plano. Os trabalhadores precisam se mobilizar para barrar os ataques da Embraer", disse a diretora do Sindicato dos Metalúrgicos de São José dos Campos, Marina de Arantes.

OUTRAS MÍDIAS


JORNAL FLORIPA


Almirante nega que continência de atletas seja marketing: "Espontânea"

Responsáveis por mais da metade das medalhas do Brasil na Rio 2016 - 13 em 19 -, os atletas incorporados aos quadros das Forças Armadas fizeram questão de prestar continência na maioria das vezes que subiram ao pódio nos Jogos. Algo que já tinha chamado a atenção durante o Pan-Americano de Toronto, em 2015, e ganhou ainda mais repercussão na Olimpíada em casa. Responsável pelo programa do Ministério da Defesa de apoio aos esportistas, o vice-almirante Paulo Zuccaro negou que gesto seja feito com objetivo de promoção do Exército, da Marinha ou da Aeronáutica.
- Nosso programa nunca teve uma finalidade de marketing, de ser usado para aumentar o prestigio das Forças Armadas junto à sociedade. Até porque esse prestígio já é alto há muito tempo. Quanto a essa questão da continência, começou nos Jogos Pan-Americanos e foi espontâneo, não obrigamos o atleta a prestar a continência, que é uma saudação militar. Deixamos à vontade. Como podemos observar, nos Jogos Olímpicos praticamente todos fizeram. Espontaneamente - disse o almirante, que participou de audiência pública na Câmara dos Deputados, em Brasília, nesta terça-feira.
A continência no pódio provocou polêmica por ser considerada por alguns uma manifestação política, o que é proibido pelo Comitê Olímpico Internacional (COI) durante os Jogos. A judoca Rafaela Silva, por exemplo, militar da Marinha, admitiu que evitou prestar a continência ao receber sua medalha de ouro no Rio por medo de sofrer alguma punição.
- Disseram que a Rafaela não fez porque temeu algum tipo de questionamento do COI por ser um gesto político, mas muito pelo contrário. O fato de ser uma continência militar é, por definição, um gesto não político, mas sim de respeito ao símbolo nacional que está sendo exibido naquele momento - completou o almirante Paulo Zuccaro.
O Programa Atletas de Alto Rendimento (PAAR) do Ministério da Defesa existe desde 2008 e conta atualmente com 627 beneficiados. A ideia é incorporar atletas de alto rendimento aos quadros do Exército, Marinha e Aeronáutica como forma de apoio aos esportistas, que passam a contar com salários de aproximadamente R$ 3.200, além de toda a estrutura de instalações militares e atendimento médico. Em contrapartida, os atletas disputam competições representando as Forças Armadas.
Para serem integrados ao projeto, os atletas precisam passar por um curso de formação de 45 dias, onde aprendem alguns conceitos militares. Para o judoca Baby, sargento do Exército desde 2010, a continência que prestou ao receber sua medalha de bronze na Rio 2016 foi uma maneira de mostrar respeito à bandeira do Brasil e também agradecimento às Forças Armadas pelo apoio nos últimos dois ciclos olímpicos.
- Foi um gesto de respeito e a saudação do militar à bandeira. É um sentimento de agradecimento às Forças Armadas e um respeito... Em 2010, mais da metade da minha renda vinha do Exército. Tinha que pagar aluguel, minhas contas, e aquilo foi fundamental para toda minha preparação. Primeiro para Londres, onde fui bronze. E continuou para 2016. Além do apoio financeiro todo mês, o primeiro Mundial que disputei foi o Exército que financiou minha ida. As Forças Armadas contribuíram muito para o que sou hoje - disse Baby, que também esteve na Câmara dos Deputados.
Militar da Marinha, a jogadora de vôlei de praia Bárbara Seixas , prata no Rio ao lado de Ágatha, acabou sendo uma das poucas integrantes do programa das Forças Armadas a não prestar continência no pódio. Segundo ela, nada intencional. Apenas não conseguiu pensar no gesto por conta da emoção ao receber a medalha.
- Eu não prestei, mas confesso que estava em um estado de emoção extrema. Não parava de chorar, estava me sentindo realmente muito grata por tudo que estava vivendo. Mas em diversas situações, fiz questão e prestar a continência quando foi cantado o hino nacional. É um símbolo de gratidão. Não é obrigatório, é uma coisa voluntária dos atletas, justamente para demonstrar respeito e gratidão. Me sinto muito orgulhosa de participar disso - disse a atleta.
Segundo o almirante Paulo Zuccaro, as Forças Armadas continuarão deixando para cada atleta a decisão sobre prestar ou não a continência, mas admitiu que os militares gostam quando o gesto é feito no pódio em grandes competições.
- Pretendemos manter esse assunto exatamente como vem sendo conduzido: um gesto que tem seu caráter totalmente espontâneo e sempre no sentido de representar o respeito que o atleta militar tem ao seu país. É lógico que nós, como militares, ficamos muito honrados ao vermos um atleta no pódio fazendo uma saudação militar. Mas insisto que isso não é um programa de marketing. Acaba sendo natural. Não há necessidade de pedir. Quando eles entram no programa, são submetidos a um estágio de formação, um treinamento. Vão sendo consolidados os valores militares e isso acaba ocorrendo de forma natural - concluiu Zuccaro.

JORNAL DIA A DIA (MS)


Universitários do Centro-Oeste constroem sete aviões para Competição SAE BRASIL AeroDesign

Competição de engenharia reunirá mais de 1.000 universitários do Brasil (18 Estados e DF) e do Exterior (México, Polônia e Venezuela), entre 3 e 6 de novembro, em São José Campos/ SP
Desenvolver soluções que resultem em aeronaves leves e resistentes, capazes de garantir o pódio. Esse é o desafio de cerca de 80 universitários do Centro-Oeste, que fazem os últimos ajustes em sete aviões, dentro de suas instituições de ensino, para disputar a 18ª Competição SAE BRASIL AeroDesign. Baseada em desafios reais enfrentados pela indústria aeronáutica, a competição de engenharia será realizada entre os dias 3 e 6 novembro, no DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial), em São José dos Campos (SP).
As sete equipes do Centro-Oeste (três do Distrito Federal, duas do Mato Grosso, uma de Goiás e uma do Mato Grosso do Sul) integram as 95 inscritas nesta edição, sendo 88 brasileiras e sete estrangeiras. No total, mais de 1,3 mil participantes – entre estudantes, professores orientadores e pilotos – representarão 77 instituições de ensino superior do Brasil (18 Estados e Distrito Federal) e do Exterior (México, Polônia e Venezuela).
Esta edição contará com 22 equipes de São Paulo, 17 de Minas Gerais e sete do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro e Paraná serão representados por seis cada. Santa Catarina possui cinco equipes. Rio Grande do Norte aparece com quatro. Pernambuco e Distrito Federal têm três equipes cada. Bahia, Espírito Santo, Maranhão, Mato Grosso e Paraíba, com duas. Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, Piauí e Sergipe estão com uma equipe cada. Entre as estrangeiras, há quatro equipes da Venezuela, duas do México e uma da Polônia.
DISTRITO FEDERAL – Estreante na competição e inscrita na Classe Micro, a equipe Mamutes do Cerrado, da Universidade de Brasília (UnB), apostou em redução de peso com baixo custo de produção ao desenvolver aeronave com asa alta, empenagem convencional, trem de pouso triciclo e motor elétrico. “Para o avião, que tem 950 g de peso vazio, utilizamos palitos de churrasco, com fibra de carbono e resina epóxi, na fuselagem que é treliçada; isopor p0 e depron, além de longarina, nas asas; e alumínio no tubo de cauda”, resume Guilherme Gonzaga, 21, estudante do quinto semestre de Engenharia Aeroespacial e capitão da equipe, composta por 10 estudantes. A aeronave é capaz de transportar carga de 1,8 kg e atingir velocidade de 13,33 m/s. Do Distrito Federal ainda participarão as equipes Draco Volans, da Universidade de Brasília (UnB); e Antonov, da Universidade Paulista do Distrito Federal (UNIP-DF).
MATO GROSSO DO SUL – Composta por oito estudantes da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), a equipe Tuiuiú retorna à competição depois da estreia em 2012. Inscrita na Classe Regular, a equipe sul-mato-grossense aliou baixo peso e robustez ao construir um monoplano de asa mista e alta, com 1,6m de envergadura, empenagem convencional, trem de pouco triciclo e motor tractor, cujo peso vazio é de 4,5 Kg. “Para obter uma estrutura leve, nós optamos por materiais de baixa densidade e elevada resistência, como madeira balsa, compensado aeronáutico, ligas de alumínio e fibra de carbono”, conta Marcelo Henrique Martins, 20, estudante do sexto semestre de Engenharia Mecânica e capitão da equipe. A aeronave é capaz de transportar 5,5 kg em chapas de aço SAE 1020 e atingir velocidade de 29 m/s.
Da região Centro-Oeste participarão também as equipes mato-grossenses AeroDesign UFMT Regular e AeroDesign UFMT Micro, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), e a equipe goiana Aerodactyl, da Universidade Federal de Goiás (UFGO). Essa é a primeira vez que equipe de Goiás vem à competição.
Aeronaves – Para estimular a engenhosidade e a capacidade de desenvolvimento das equipes, o Comitê Técnico criou novos desafios para as três categorias de aeronaves. Na Classe Regular, pela primeira vez, os aviões deverão ter dimensões compatíveis com o espaço definido por um cone com base de 2,5 metros de diâmetro e altura de 75 centímetros. Além disso, as aeronaves estão liberadas para transportar como carga útil materiais de quaisquer tipo e dimensões – exceto chumbo. A categoria segue restrita a aeronaves monomotores.
Na Classe Advanced, os aviões deverão apresentar aumento do conteúdo de eletrônica embarcada. Além do tempo de voo, os sistemas a bordo deverão computar a velocidade. Cai por terra a restrição de peso vazio, mas, quando carregadas, as aeronaves não deverão exceder 35 Kg. Permanecem de livre escolha o tipo de propulsão (combustão ou elétrica) e o número de motores, assim como deixa de existir a limitação de máxima cilindrada para o grupo motopropulsor. Em contrapartida, a área total das hélices não poderá ultrapassar 0,052 m². Como na Classe Regular, as aeronaves também poderão transportar como carga útil materiais de quaisquer tipo e dimensões – exceto chumbo.
Na Classe Micro, bolas de tênis não são mais obrigatórias e as aeronaves poderão transportar como carga útil materiais de quaisquer tipo e dimensões – exceto chumbo. Outra novidade é a possibilidade de lançar a carga durante os voos – ganharão pontuação adicional as equipes que conseguirem realizar lançamentos com sucesso. Nesta categoria não há restrição de geometria ou número de motores – todos elétricos – porém, a partir de agora, as equipes deverão ser capazes de desmontar o avião depois de voo, e transportá-lo desmontado em caixa de volume de 0,1 m³.
Provas – Na Competição SAE BRASIL AeroDesign, as avaliações são realizadas em duas etapas: Competição de Projeto e Competição de Voo, conforme regulamento. Ao final do evento, duas equipes da Classe Regular, uma da Advanced e uma da Classe Micro, que obtiverem as melhores as pontuações, ganharão o direito de representar o Brasil na SAE Aerodesign East Competition, em 2017, nos EUA, onde equipes brasileiras acumulam histórico expressivo de participações: oito primeiros lugares na Classe Regular, quatro na Classe Advanced e um na Classe Micro. A SAE Aerodesign East Competition é realizada pela SAE International, da qual a SAE BRASIL é afiliada.
Organizado pela Seção Regional São José dos Campos, da SAE BRASIL, o Projeto AeroDesign é um programa de fins educacionais que tem como principal objetivo propiciar a difusão e o intercâmbio de técnicas e conhecimentos de engenharia aeronáutica entre estudantes e futuros profissionais da engenharia da mobilidade, por meio de aplicações práticas e da competição entre equipes, formadas por estudantes de graduação e pós-graduação de Engenharia, Física e Tecnologia relacionada à mobilidade.
Reconhecida pelo Ministério da Educação, a competição recebe o patrocínio do Grupo Airbus, Altair, Boeing, Embraer, GE, Honeywell, Parker, Rolls-Royce, Saab e United Technologies. Também conta com o apoio das instituições ADC Embraer, DCTA, ITA, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e Prefeitura de São José dos Campos.
“A prática proporcionada pelas competições estudantis da SAE BRASIL e a experiência do trabalho em equipe na gestão de um projeto completo de engenharia em toda a sua abrangência são oportunidades raras para os estudantes de engenharia”, analisa Frank Sowade, presidente da SAE BRASIL.
18ª Competição SAE BRASIL AeroDesign
Dia 3 – das 8h30 às 17h – solenidade de abertura, showroom dos projetos e apresentações orais das equipes no ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica) – Prédio de Eletrônica e Computação.
Dias 4, 5 e 6 – das 7h30 às 18h – Competição de voo no Aeroporto do DCTA (Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial) – aberta ao público. Entrada pela avenida Faria Lima, ao lado do MAB, em São José dos Campos/ SP.
18ª Competição SAE BRASIL AeroDesign
3 a 6 de novembro
Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA) – São José dos Campos/ SP
Total de equipes inscritas = 95
№ estrangeiras = 7
№ de equipes brasileiras: 88
№ de instituições de ensino: 77
№ médio de estudantes inscritos: 1.000
№ equipes: Classe Micro: 25 / Classe Regular: 60 / Classe Advanced: 10

PORTAL GIRAPARNAMIRIM (RN)


Reestruturação da FAB é tema de palestra

Apresentar a execução da proposta de transformação da estrutura organizacional e operacional da Força Aérea Brasileira (FAB). Esse foi o objetivo da palestra do Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Nivaldo Luiz Rossato, realizada nesta terça-feira (04/10) para os oficiais da reserva no Clube da Aeronáutica de Brasília (DF). O evento contou com a presença do ex-ministro da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Lélio Viana Lôbo, além de oficiais-generais da ativa e da reserva, ministros do Superior Tribunal Militar (STM) e membros do Alto-Comando da Aeronáutica.
No evento o Tenente-Brigadeiro Rossato detalhou as duas vertentes principais no processo de reestruturação da FAB. A primeira delas é a concentração das atividades administrativas, que devem gerar como vantagens o incremento da eficiência administrativa, a otimização do emprego de recursos materiais e humanos e permitir que as unidades fiquem focadas em suas atividades-fim. Já a reestruturação organizacional trará como vantagens, entre outras, segundo o Comandante, a concentração do planejamento e controle operacional e melhoria de eficácia e eficiência nos processos.
“Nós temos certeza que o futuro da Força Aérea, com os aviões modernos que vamos ter, com sistemas de comando e controle, exigirão também uma estrutura organizacional que estamos propondo”, ressalta o Tenente-Brigadeiro Rossato.
Na palestra, o Comandante da Aeronáutica pontuou a evolução histórica da FAB desde a criação do ministério da Aeronáutica, em 1941, até os dias de hoje, destacando como a FAB deve estar inserida no atual contexto. “Estamos entrando na quarta geração (2016-2041), calcada em uma Força Aérea com grande capacidade dissuasória, operacionalmente moderna e atuando de forma integrada”, afirmou.
Também foram tratados temas como a otimização dos recursos humanos, incremento de militares temporários e os projetos estratégicos da Força Aérea. Nesse particular, o Tenente-Brigadeiro Rossato ressaltou os projetos Gripen NG e KC-390 como imprescindíveis. “Esses dois aviões são parte fundamental da Força Aérea para o nosso futuro próximo. Outro programa de nossa responsabilidade pela própria Estratégia Nacional de Defesa é a questão espacial”, afirmou.
A palestra sobre a reestruturação da FAB deve ser apresentada ainda no Rio de Janeiro, São Paulo e também novamente em Brasília. O evento faz parte da programação de comemorações do Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira, celebrado em 23 de outubro.
“Esse encontro proporciona rever antigos amigos e ao mesmo tempo é uma forma de se atualizar sobre a Força Aérea. É importante saber em loco, diretamente do Comandante, quais são as diretrizes dessa reestruturação”, explicou o Coronel Intendente da Reserva, José Luiz de Ascenção.

PORTAL ZAP (PORTUGAL)


Drones podem estar a levar droga e armas para as prisões portuguesas

Vários drones foram detectados, nas últimas semanas, a sobrevoar cadeias portuguesas. Uma situação que levanta suspeitas de que estes aparelhos telecomandados à distância estejam a ser usados para colocar arma, droga e telemóveis nas prisões.
Segundo o Jornal de Notícias apurou, foram vistos drones a sobrevoar as prisões de Braga, do Vale do Sousa e de Caxias, nas últimas semanas.
Num dos casos, em Braga, terá sido identificado o indivíduo que controlava o drone, que se tratava de um familiar de um dos presos da cadeia.
A análise ao drone terá concluído que este não tinha guardadas quaisquer imagens do estabelecimento prisional. O incidente ocorreu no passado dia 18 de Setembro.
Em Caxias, o drone foi detectado a semana passada e a voar já dentro do perímetro da cadeia, muito perto do chão, realça o JN.
Estes casos estão a alarmar os guardas prisionais, que temem que os drones estejam a ser usados para largar armas, droga e telemóveis no interior dos estabelecimentos prisionais.
Este fenómeno tem-se verificado noutros países, nomeadamente no Brasil e no Reino Unido.

JORNAL EL PAÍS


Las mejores elecciones para ser millonario en Brasil

Una nueva ley electoral que prohíbe las donaciones privadas ha dado más popularidad a quien pague más por la la mejor campaña
La campaña de las elecciones municipales brasileñas de 2016 se puede resumir en tres estadísticas: ha sido una de las más baratas de las últimas décadas —se ha prohibido la financiación privada— y ha costado un 60% menos que la de 2012; ha encumbrado a los candidatos más ricos —23 millonarios han sido elegidos en la primera ronda en las 92 ciudades más grandes de Brasil— y ha sido la más violenta desde el regreso de la democracia: 28 homicidios de candidatos.
Los datos manejados por el tribunal electoral demuestran que los candidatos a alcalde y concejal en las 5.568 ciudades movieron cerca de 2.300 millones de reales (714 millones de dólares). En la disputa de 2012 fueron 1.925 millones de dólares en 90 días de campaña. La expectativa es que los gastos aumenten hasta el 30 de octubre, en los 55 municipios en los que habrá una segunda vuelta, pero aun así estarán lejos del monto de hace cuatro años.
Pero, junto al ahorro, se han venido observando otros fenómenos, como la elección de candidatos millonarios, capaces de financiar sus propias campañas. Los casos más significativos han sido, hasta ahora, los de dos de los alcaldes elegidos: Vittorio Medioli, del Partido Humanista de la solidaridad, en Betim, y João Doria, del PSDB, en São Paulo. Medioli gastó 1,2 millones de dólares de su propio bolsillo para ser elegido, mientras que Doria tuvo que desembolsar algo más de 900.000 dólares, lo que equivale a un 40% de lo que recaudó.
De los 37 elegidos en esta primera etapa en las 92 ciudades más grandes de Brasil, 23 son millonarios, es decir, tienen más de un millón de reales (311.000 dólares) en activos y recursos, según los datos que tiene de ellos el tribunal electoral. La cantidad de alcaldes ricos puede llegar a 53. Hace cuatro años fueron elegidos 24 alcaldes millonarios. Aquel año, el más rico era Mauro Mendes, del Partido Socialista, de Cuiabá, que había registrado un patrimonio de 36,2 millones de dólares. Ahora, el más rico es Medioli, con 325,5 millones de reales (101 millones de dólares) en bienes.
Otro fenómeno es cuánto ha crecido la presión para que se alteren las leyes electorales y las empresas puedan volver a donar. La restricción de la financiación se definió el año pasado en el Tribunal Supremo pero en los pasillos del Poder Legislativo (y del propio Poder Judicial) hay quienes quieren que vuelvan las donaciones. Entre los aparentes defensores de esta propuesta está el presidente del tribunal electoral, Gilmar Mendes, que ya ha dado señales de que las elecciones actuales, sin el dinero de las personas jurídicas, está siendo un “experimento institucional”.
El ministro de Defensa, Raul Jungmann, ha relacionado la violencia en las elecciones con la restricción de la financiación. Hasta la semana pasada, casi tres decenas de candidatos y precandidatos fueron asesinados en el país, aunque todavía no es posible vincular todos estos crímenes con la política.




Leia também:









Receba as Últimas Notícias por e-mail, RSS,
Twitter ou Facebook


Entre aqui o seu endereço de e-mail:

___

Assine o RSS feed

Siga-nos no e

Dúvidas? Clique aqui




◄ Compartilhe esta notícia!

Bookmark and Share



Eventos






Publicidade






Recently Added

Recently Commented